BlogdoBG visita submarino da Marinha do Brasil no porto de Natal

Hoje tive o prazer de entrar em um submarino da Marinha do Brasil. Eu, que desde pequeno sou fissurado em coisas militares, senti uma emoção diferente.

Lembro bem quando se aproximava dos desfiles de 7 de setembro na Praça Cívica. Aquela mostra que acontecia durante o fim de semana era aguardada por mim pelo ano inteiro, para ver aquelas barracas com canhões, metralhadoras, roupas de mergulhador, jipes antigos estacionados e até tanques de guerra.

Quando recebi o convite da assessoria de imprensa da Marinha para visitar um submarino não me contive. De pronto confirmei minha presença e no meio desta manhã de terça-feira (12) parti para o porto armado de máquina fotgráfica, lentes e flash para registrar minha emoção.

Submarino Tapajós por dentro. Foto 1 - Periscópio Foto 2 - Um dos 3 tubos de torpedo Foto 3 - Escotilha de entrada e saída Foto 4 - corredor do submarino

Realmente fiquei impressionado. E olha que a nossa embarcação “Tapajó” passa longe de ser um submarino de ponta. Mas deu para eu sentir o ambiente apertado, muito apertado, o banheiro minúsculo em aço inox, a cozinha também minúscula e do mesmo material, os beliches em tamanho anão e principalmente sentir os 8 grandes tubos de torpedos, o periscópio, os manches de comando e toda parafernália instalada no equipamento: impressiona os tubos espalhados por todo equipamento que levam ar e fazem o Tapajó afundar ou submergir.

Vale lembrar que em submarino não há janela, nem internet, GPS (Sistema de Posicionamento Global), TV ou rádio. Os tripulanes chegam a passar 50 dias desbravando os oceanos até 200 metros de profundidade, como é o caso do “Tapajós”.

Valeu, valeu Marinha. Obrigado.
Hoje voltei a ser o menino que esperava ansioso para ver o desfile de 7 de setembro.

Informações

O S.Tapajó é o terceiro submarino construído no Brasil. Ele teve seu casco fabricado na Nclebrás Equipamentos Pesados S/A (Nuclep) e o seu nascimento foi possível somente com o esforço de enenheiros, técnicos e operários brasileiros do Arsenal da Marinha do Rio de Janeiro (AMRJ). Batizado pela Exmª Srª Anna Maria Ferreira Maciel em 0 de junho de 1998, o S.Tapajó foi incorporado à Armada em junho do ano seguinte.

Trata-se de um navio com 61,2 metros de comprimento, com 6,2 metros de espessura do casco. A velocidade dele chega a passar de 20 nós e operar há profundidades superiores a 200 metros. Sua tripulação conta com oito oficiais e 34 praças. Sua autonomia no mar é de até 50 dias.

Publicidade

Comentários:

  1. João Silva disse:

    Pena que não possa haver uma visitação ao público.

  2. Ten Cibele disse:

    Obrigada pela divulgação!