Publicidade

FOTOS – CHUVAS: Alagamentos em Parnamirim e Macaíba

Por interino

Alagamento na avenida Tenente Medeiros, em frente à Central do Cidadão, no município de Parnamirim, na Grande Natal. Fotos: Ricardo Xavier/Via Certa Natal.

Fortes chuvas nesta quinta-feira(02) também comprometeram o acesso ao terminal rodoviário de Macaíba.  com forte alagamento. Fotos abaixo: Via Certa Natal.

Comentário (1) enviar comentário
  1. Simone Oliveira disse:

    Macaíba não há saneamento, nem tão pouco alguém interessado em fazê-lo!
    Na verdade nem o MP exige que seja saneada, nem tão pouco a lagoa de estabilização e tratamento…
    E O MACAIBENSE QUE SE CUIDE!

Publicidade

Veja relatório com o volume nos reservatórios do RN após as últimas chuvas; Barragem Armando Ribeiro Gonçalves preocupa

Por interino

O Governo do Estado do Rio Grande do norte, por meio do Instituto de Gestão das Águas (Igarn), monitora 47 reservatórios, com capacidade superior a cinco milhões de metros cúbicos em todo o Estado. O Relatório de situação volumétrica dos principais reservatórios do Rio Grande do Norte, divulgado nesta sexta-feira (24), aponta que, após as chuvas ocorridas nas últimas semanas, as reservas hídricas do Estado obtiveram melhoria em alguns mananciais.

Em comparação com o relatório volumétrico divulgado no dia 06 de fevereiro, os reservatórios considerados em volume morto amentaram de 12 para 15, o que corresponde, atualmente, 31,9% do dos reservatórios do Estado. Já o número de reservatórios secos diminuiu de 21 para 13, reduzindo de 44%, para 27,6% em termos percentuais. Somando-se os números, a porcentagem de reservatórios em estado crítico teve uma redução de 69%, para 59,9%.

Com relação aos reservatórios de maior capacidade no Estado, a Barragem Armando Ribeiro Gonçalves, continua reduzindo de volume. Com capacidade de 2,4 bilhões de metros cúbicos, em 6 de fevereiro estava com 328,486 milhões de metros cúbicos, agora está com 325,768 m³, 13,57% do seu volume total, com as últimas chuvas sua redução ocorreu com menor intensidade. Já a barragem Santa Cruz do Apodi, com capacidade total de 600 milhões de metros cúbicos, continua melhorando de nível, passou dos 111,623 milhões de metros cúbicos, para 136,327m³, 22,73% do seu volume total. A Barragem de Umarí, em Upanema, com capacidade total de 292,8 milhões de metros cúbicos, também aumentou seu volume de 26,009 milhões de metros cúbicos, para 32,218 e chegou a 11% da sua capacidade total.

Entre os reservatórios que estavam secos e receberam boa recarga com as chuvas, os destaques são Riacho da Cruz II, em Riacho da Cruz, que está atualmente com, 3,228 milhões de metros cúbicos, 33% da sua capacidade total. Além do açude Beldroega, em Paraú, que passou de 20.460 mil m³, para 2,362 milhões de m³ e o Sabugi, em São João do Sabugi, que estava com 2,557 milhões de metros cúbicos, para 7,887 milhões de metros cúbicos, 12% da sua capacidade. A barragem Carnaúba, também em São João do Sabugi, recebeu mais de cinco milhões de metros cúbicos e está com 22% da sua capacidade total.

O Igarn alerta ainda para a necessidade de a população continuar economizando água, mesmo com as boas expectativas para a próxima quadra chuvosa. O racionamento ainda permanece e a economia de água é de grande importância para a manutenção do funcionamento dos sistemas de abastecimento as cidades do Estado.

enviar comentário
Publicidade

Meteorologistas preveem chuvas próximas do normal no RN; mais intensas no Alto Oeste e Vale do Assu

O resultado da II Reunião de Análise e Previsão Climática para a Região Nordeste do Brasil, encerrada nesta terça-feira (21) na sede da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), prevê a tendência de que as chuvas apresentem um comportamento próximo da normalidade climatológica em grande parte do norte do Nordeste, incluindo o Rio Grande do Norte. De acordo com o Gerente de Meteorologia da EMPARN, Gilmar Bristot, “as chuvas serão mais intensas em regiões como o Alto Oeste e Vale do Assu. Já em áreas como o Seridó, Agreste e Litoral as precipitações devem ser mais escassas. A média de chuvas no semiárido para os próximos três meses deve girar em torno de 500mm, o que não será suficiente para encher os grandes reservatórios, mas garante uma boa recarga de água nas pequenas bacias”, afirma.

Os meteorologistas utilizaram uma imagem com base no mapa do Nordeste, sinalizando de cor verde a área que terá chuvas, a cor amarela para chuvas abaixo do normal e a cor cinza para definir a área de baixa visibilidade. A previsão é para a quadra chuvosa de março a maio. A elaboração do documento contou com a participação dos meteorologistas de instituições estaduais, além do INPE/INMET e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

ANÁLISE

Com mapas ilustrando o documento final, os meteorologistas apresentaram a análise dos campos atmosféricos e oceânicos de grande escala (vento em superfície e em altitude, pressão ao nível do mar, temperatura da superfície do mar, entre outros) e dos resultados de modelos numéricos globais e regionais, assim como de modelos estatísticos de diversas instituições de meteorologia do Brasil (como a FUNCEME, INMET, CPTEC/INPE) e do exterior, o que acabou indicando o prognóstico climático para o período de março, abril e maio de 2017 na Região Nordeste do Brasil.

Na análise das condições oceânicas e atmosféricas, os meteorologistas concluíram que “no oceano Pacífico equatorial, observou-se uma condição de neutralidade, com algumas pequenas áreas na parte central ainda apresentando anomalias negativas de Temperatura da Superfície do Mar (TSM) alcançando até -1ºC. O enfraquecimento do Fenômeno La Niña ocorreu de acordo com os resultados dos modelos de previsão de anomalia de TSM, e a condição de neutralidade deverá prevalecer no Oceano Pacifico equatorial nos meses de março, abril e maio”.

Destacaram também que “no Oceano Atlântico, as águas estão mais aquecidas do que o normal em toda a bacia tropical, porém, com aquecimento ligeiramente mais pronunciado em termos de abrangência de áreas aquecidas na bacia norte, de forma que o dipolo do Atlântico apresentou, em janeiro, índice de +0,31, indicativo de uma condição ainda não favorável ao posicionamento da Zona de Convergência Intertropical, (ZCIT), sobre o setor norte do Nordeste”. Lembraram que “essa condição indica que as áreas mais ao norte da região serão beneficiadas com as chuvas provenientes da atuação da ZCIT, enquanto que as áreas mais ao sul da região serão pouco influenciadas pelas chuvas deste sistema meteorológico.

Em função de algumas variabilidades (cobertura vegetal, proximidade do oceano e efeitos topográficos), os especialistas recomendam o acompanhamento das previsões diárias de tempo, análises e tendências climáticas semanais, divulgadas pelos Núcleos de Meteorologia dos Estados do Nordeste. No mês de março a reunião dos especialistas acontecerá em Pernambuco, quando será divulga

enviar comentário
Publicidade

EMPARN registrou chuvas em todo o RN no fim de semana

Os registros pluviométricos da gerência de Meteorologia da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), desde a manhã de sexta-feira (17), até a manhã desta segunda-feira (20), dão conta de fortes chuvas em vários municípios, com destaque para Umarizal, com 148 milímetros (mm). Ao todo foram registradas ocorrências de chuvas em 90 postos monitorados.

No Oeste potiguar, além de Umarizal, choveu forte em Pau dos Ferros, com 128mm; Paraná, 125mm; Apodi, 122mm; Água Nova, 113,2mm; Ipanguaçu, 113,1mm; Viçosa, 90mm; Campo Grande, 85,7mm e Riacho de Santana, 84mm. Choveu também em Severiano Melo, Dr. Severiano, Tenente Ananias, Caraúbas, Jucurutu, Marcelino Vieira, Upanema, Areia Branca, Paraú, entre outros.

Chuvas também na região Central e Seridó, nos municípios de São João do Sabugi, com 130mm; São Fernando, 106,1mm; Jardim de Piranhas, 62mm; Timbaúba dos Batistas, 45mm; São Vicente, 42,3mm; Jardim do Seridó, 32mm; e Florânia, 31,5mm. Choveu ainda em Cerro Corá, Caicó, Ouro Branco, Angicos, Parelhas, Fernando Pedroza, entre outros.

Na mesorregião Agreste, choveu mais forte em Monte Alegre, 42 milímetros (mm); Lajes Pintadas, 35mm; Japi, 26mm; Coronel Ezequiel, 25mm; Tangará, 22,3mm; Jaçanã, 18mm e ainda em São Bento do Trairi, Barcelona, São Paulo do Potengi, Sítio Novo e Rui Barbosa, entre outros.

No leste choveu em Montanhas, 68,3mm; Senador Georgino Avelino, 53,2mm; Parnamirim, 53,2mm; Taipu, 31mm; São Gonçalo do Amarante, 26,3mm; Canguaretama, 21,1mm; Natal, 19,6mm e Maxaranguape, 13mm.

Emparn

enviar comentário
Publicidade

10 cidades potiguares receberam mais de 200mm de chuva em 2017. Vejam comparativo de 2016 com 2017

A Tribuna do Norte desta terça em cima de informações da Emparn, mostra que 10 cidades potiguares já recebeu mais de 200mm de chuva em 50 dias de 2017.

CAMPO GRANDE – 371,2MM

UMARIZAL – 368,5MM

MOSSORÓ – 350,2MM

PARANÁ – 322MM

SÃO JOÃO DO SABUGI – 272,5MM

VIÇOSA – 254,2MM

AREIA BRANCA – 225,7MM

APODI – 223,2MM

MAJOR SALES – 219,9MM

PARNAMIRIM – 202 MM

Vejam o comparativo da situação de 2017 com 2016 feita pela equipe da Tribuna do Norte:

enviar comentário
Publicidade

EMPARN registra chuvas em todo o RN no fim de semana até esta segunda; veja quantos milímetros caíram nas cidades

Os registros pluviométricos da gerência de Meteorologia da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (EMPARN), desde a manhã de sexta-feira (17), até a manhã desta segunda-feira (20), dão conta de fortes chuvas em vários municípios, com destaque para Umarizal, com 148 milímetros (mm).

Ao todo foram registradas ocorrências de chuvas em 90 postos monitorados. No Oeste potiguar, além de Umarizal, choveu forte em Pau dos Ferros, com 128mm; Paraná, 125mm; Apodi, 122mm; Água Nova, 113,2mm; Ipanguaçu, 113,1mm; Viçosa, 90mm; Campo Grande, 85,7mm e Riacho de Santana, 84mm.

Choveu também em Severiano Melo, Dr. Severiano, Tenente Ananias, Caraúbas, Jucurutu, Marcelino Vieira, Upanema, Areia Branca, Paraú, entre outros. Chuvas também na região Central e Seridó, nos municípios de São João do Sabugi, com 130mm; São Fernando, 106,1mm; Jardim de Piranhas, 62mm; Timbaúba dos Batistas, 45mm; São Vicente, 42,3mm; Jardim do Seridó, 32mm; e Florânia, 31,5mm.

Choveu ainda em Cerro Corá, Caicó, Ouro Branco, Angicos, Parelhas, Fernando Pedroza, entre outros. Na mesorregião Agreste, choveu mais forte em Monte Alegre, 42 milímetros (mm); Lajes Pintadas, 35mm; Japi, 26mm; Coronel Ezequiel, 25mm; Tangará, 22,3mm; Jaçanã, 18mm e ainda em São Bento do Trairi, Barcelona, São Paulo do Potengi, Sítio Novo e Rui Barbosa, entre outros.

No leste choveu em Montanhas, 68,3mm; Senador Georgino Avelino, 53,2mm; Parnamirim, 53,2mm; Taipu, 31mm; São Gonçalo do Amarante, 26,3mm; Canguaretama, 21,1mm; Natal, 19,6mm e Maxaranguape, 13mm.

enviar comentário
Publicidade
Publicidade

EMPARN divulga nesta terça-feira resultado da previsão climática para o Nordeste

A “II Reunião de Análise e Previsão Climática para o norte do Nordeste brasileiro” começou nesta segunda-feira (20) com a presença de meteorologistas do Nordeste e representantes de diversas instituições nacionais. O evento é coordenado pelo Gerente de Meteorologia da EMPARN, o pesquisador Gilmar Bristot. Para dar as boas vindas estiveram presentes o Secretário de Agricultura, da Pecuária e da Pesca, Guilherme Saldanha e o presidente da EMPARN, Alexandre de Medeiros Wanderley. Além de pesquisadores da área, também participaram da reunião alunos do curso de Meteorologia (Graduação e Pós) da UFRN.

Na primeira palestra, com o tema “Investigação das possíveis contribuições dos oceanos Pacífico e Atlântico para a estação chuvosa do norte do nordeste do Brasil em 2017”, o pesquisador Caio Augusto Coelho (CPTEC/INPE-SP) mostrou através de imagens de Satélite e gráficos as análises realizadas desde o último trimestre de 2016. O pesquisador destacou que a previsão climática fica mais difícil quando os oceanos (Pacifico e Atlântico), não “falam” a mesma linguagem, como está ocorrendo agora. Ele salientou ainda que o resfriamento do Pacífico Equatorial não trouxe as condições de chuvas esperadas para o Nordeste brasileiro.

Na segunda palestra, sobre o tema “Secas históricas e previsão climática para o Nordeste”, o coordenador do INMET, Expedito Ronald Gomes Rebello, mostrou que as secas no Nordeste brasileiro têm um longo histórico com os primeiros registros datando de 1583, logo após o descobrimento do Brasil. Ao longo dos últimos anos, os ciclos de seca vem se repetindo, como em 1776 a 1778, com o registro de perdas de quase todo o rebanho bovino. Em 1909, o Governo Federal criou o DNOCS e o INMET, para a convivência e a orientação sobre a situação climática no país. Entre as ações, as mais remotas são da seca de 1877 a 1879, quando o governo incentivou a construção de cacimbas. A partir de meados da década de 40 até hoje, o poder público vem investindo na construção de reservatórios para acúmulo de água, melhorando a convivência com a escassez hídrica no semiárido.

Durante a tarde desta segunda-feira, a reunião continua com a participação de representantes da Funceme e análise de resultados. Serão colocados em discussão relatórios de instituições como a Funceme, o INPE e o INMET e a partir desses dados será elaborado o boletim com a previsão climática para os meses de março, abril e maio. A divulgação do documento acontece amanhã, às 11 horas, na sede da EMPARN, em Parnamirim.

enviar comentário
Publicidade

Domingo de chuva em várias regiões do RN. Confiram alguns números do Seridó

O Domingo foi de boas chuvas em várias cidades do RN. Caiu água no Oeste e no Alto Oeste. No Seridó choveu bastante em São João do Sabugi, fazendo acudes sangrar. Veja alguns números da região do Seridó.

WhatsApp Image 2017-02-20 at 06.05.05

Comentário (1) enviar comentário
  1. Wenceslau Medeiros disse:

    Glória a Deus nas alturas e Paz na terra aos Homens por Ele amados….
    Eis aí mais uma vez Deus, em sua infinita misericórdia abençoando e atendendo aos clamores dos filhos teus… Sua misericórdia é infinita, pode até demorar, pois seu tempo, não é o nosso tempo, assim como Sua Paz, a Paz que Ele nos DÁ, não é a nossa "paz" a "paz" que o mundo nos oferece…, mas, jamais nos abandonou e jamais nos abandonará… Louvado seja para sempre o nome do Senhor….

Publicidade

Itans em Caicó aumentou 33 centímetros com a chuva da noite desta sexta-feira

Resultado de imagem para itans

Por Blog de Roberto Flávio

O açude Itans, principal reservatório de água do município de Caicó, aumentou 33 centímetros de água nas últimas 24 horas.

Em uma semana, o açude já aumentou 1 metro e 16 centímetros de água.

Comentários (4) enviar comentário
  1. Maria Diolinda disse:

    Que bênção!
    Que Deus continue abençoando estas terras tão necessitadas de água!

  2. Alex disse:

    Muito q continue assim o nosso estado esta precisando q encham os reservatórios!

  3. José disse:

    Deus é bom.

  4. EDER disse:

    ESTAVA SÓ A LAMA

Publicidade
Publicidade

Caicó choveu mais de 200mm na zona rural e mais de 120mm no centro

Foto Wllana Dantas

Por Sidney Silva

Choveu forte em Caicó e em em alguns municípios e comunidades rurais na noite desta sexta-feira (17). As precipitações pluviométricas vieram carregadas de trovões e relâmpagos. Em determinado momento da noite, faltou energia elétrica em Caicó.

No Bairro Walfredo Gurgel, na residência de Marcelo, (Rua Pedro Diniz), choveu 124mm.

No sítio Lagoa do Meio, zona rural de Caicó, choveu mais de 200 milímetros e os açudes estão todos transbordando.

No Bairro Santa Costa, zona leste de Caicó, choveu 75mm.

Bairro Castelo Branco, choveu 98mm.

Sítio Barra da Espingarda, 60mm

Bairro Samanaú, 82mm

 

enviar comentário
Publicidade