Publicidade

O QUE FALTA? No Ceará, pais colocam bebê à venda no site OLX na noite de Natal

Por EXAME

Um bebê de 5 meses foi colocado à venda na internet na noite de Natal, denunciou o Conselho Tutelar de Fortaleza. O anuncio foi retirado do ar logo após a Polícia do Ceará iniciar o processo de investigação nesta segunda-feira, 26.

O anúncio foi publicado no site de compra e venda OLX. Por meio de nota, a empresa lamentou o fato e repudiou a ação dos pais do bebê.

Além do texto – “Vende-se bebê. 5 meses não tenho condições de cuidar” -, o anúncio trazia duas fotos da criança. O anunciante se identificou como morador do bairro Cocó, na zona norte de Fortaleza.

“Entregar filho ou pupilo a terceiro, mediante paga ou recompensa” é crime previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). A pena para quem cometer tal crime – e também para quem “comprar” a criança – é de quatro anos de prisão e multa.

O boletim de ocorrência foi registrado por um conselheiro tutelar de Fortaleza na Delegacia de Defesa da Mulher, unidade de plantão para onde o caso foi encaminhado.

Em nota, a Secretaria de Segurança Pública do Ceará destaca que “as investigações prosseguem no sentido de identificar e capturar o responsável pela publicação”.

A OLX informou que baniu o usuário permanentemente do site. “A OLX repudia a atitude e lamenta profundamente o ocorrido, pois isso viola completamente os Termos e Condições de Uso do site”, diz nota da empresa.

Segundo a OLX, o anúncio permaneceu por menos de uma hora no site e foi removido pelo próprio usuário. Em março deste ano, um pai foi preso de Belo Horizonte ao tentar vender seu bebê de 28 dias.

 

Comentário (1) enviar comentário
  1. Tania disse:

    Isso não são pais. São trastes, pulhas, monstros travestidos de gente. São demônios e não valem nada. Nem bicho faz isso!!!!
    Coitada dessa criança. Vir ao mundo gerada por esses vermes!!!!

Publicidade

Odebrecht pagou imóvel para Instituto Lula, dizem delatores

Por FOLHA SP

Três delatores da Odebrecht prestaram depoimentos na semana passada que confirmam que a empresa comprou, em 2010, um imóvel em São Paulo que seria destinado à construção de uma nova sede do Instituto Lula.

As declarações foram feitas por Marcelo Odebrecht, ex-presidente do grupo; Alexandrino Alencar, ex-diretor de relações institucionais; e Paulo Melo, ex-diretor-superintendente da Odebrecht Realizações Imobiliárias.

A compra do imóvel na Rua Dr. Haberbeck Brandão, nº 178, em São Paulo, é ponto central na denúncia em que o ex-presidente Lula é acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Na última segunda-feira (19) o juiz Sergio Moro aceitou a denúncia do Ministério Público Federal e Lula virou réu no processo.

Com essa ação, Lula tornou-se réu em cinco ações penais –três na Operação Lava Jato, uma na Zelotes e outra na Operação Janus.

Segundo os procuradores, parte das propinas pagas pela Odebrecht em contratos da Petrobras foi destinada para a aquisição de um terreno onde seria construída a sede do Instituto Lula.

As delações de Marcelo, Alencar e Melo confirmam que o imóvel, que no papel foi adquirido pela DAG Construtora, foi na verdade pago pela Odebrecht e seria destinado à construção de uma nova sede do instituto.

A ideia, segundo os delatores, era que após a Odebrecht comprar o imóvel outras grandes empresas ajudassem a construir o prédio do Instituto Lula.

Os delatores também disseram que Lula e a ex-primeira-dama Marisa Letícia foram conhecer o terreno, mas não gostaram do local. Marcelo Odebrecht determinou então a Paulo Melo que procurasse outros imóveis. O projeto, no entanto, não foi para frente.

O fato de a nova sede não ter saído do papel não impediu que Moro aceitasse a denúncia contra Lula. De acordo com o juiz, a falta de transferência na compra do imóvel onde seria construído o instituto não prejudica a acusação de corrupção, caracterizada pela oferta e pela solicitação da propina.

Com base nas quebras de sigilos fiscais e bancários dos investigados, os procuradores apontaram que a Odebrecht pagou, em 2010, R$ 7,6 milhões para a empresa DAG Construtora, que adquiriu o imóvel investigado.

A ação ainda diz que, em buscas no sítio em Atibaia (SP) frequentado pelo ex-presidente, foram achados papéis com um projeto de uma construção no endereço do terreno investigado. Numa planilha de pagamentos da empreiteira consta o item “Prédio IL”.

A denúncia também diz que foi adquirido um apartamento vizinho à cobertura onde mora o ex-presidente, em São Bernardo do Campo (SP).

O imóvel está no nome de Glaucos da Costamarques, que, segundo a acusação, atuou como testa de ferro de Lula, em transação concebida por Roberto Teixeira, advogado e compadre do ex-presidente.

O imóvel teria sido alugado por Marisa, mas a denúncia aponta que não houve pagamento do aluguel.

Moro determinou o sequestro do apartamento de São Bernardo do Campo.

Com a medida, o bem ainda pode ser usado, mas sua propriedade fica “congelada”. Caso haja condenação, o imóvel será leiloado e o dinheiro, revertido à vítima do crime.

A Folha não conseguiu confirmar se o apartamento consta da delação dos ex-executivos da Odebrecht.

Além de Lula, viraram réus na última segunda (19) Marisa, Marcelo Odebrecht e mais seis pessoas.

OUTRO LADO

O Instituto Lula disse, via sua assessoria de imprensa, que não comenta “supostas delações”. Afirmou que “delações não são prova, quanto mais supostas delações”.

A nota diz ainda que o ex-presidente não solicitou nenhuma vantagem indevida e sempre agiu dentro da lei. “O terreno nunca foi do Instituto Lula e tampouco foi colocado à sua disposição. O imóvel pertence a empresa particular que lá constrói uma revenda de automóveis. Tem dono e uso conhecido. Ou seja, a Lava Jato acusa como se fosse vantagem particular de Lula um terreno que ele nunca recebeu, nem o instituto – que não é propriedade de Lula, nem pode ser tratado como tal, porque o Instituto Lula tem uma personalidade jurídica própria.”

A assessoria do instituto finalizou afirmando que as doações feitas ao Instituto Lula estão devidamente registradas e foram feitas dentro da lei.

Comentários (7) enviar comentário
  1. ALERTA disse:

    Precisa de prova não. Pode prender que é culpado.

  2. comedor de coxinha disse:

    Provas?

  3. Lucy disse:

    TUDO SHOW DE PIROTECNIA.

    • #ficaadica disse:

      Estava lendo esse mesmo comentário de uma defensora do presidenta da Venezuela… será q São só show mesmo?

  4. Blue disse:

    Haja corrupção de quem pregava a ética na política. Blefou o tempo todo.

  5. hudson disse:

    O que é que está faltando para esse bandido ser preso? Ou brasil injusto.

    • Eterno Vascaino disse:

      Hudson,falta o papelzinho assinado por Lula se não tiver esqueça !

Publicidade

Esquema para aprovar 14 MPs custou R$ 17 milhões, afirma delator

Além de expor nomes chave do governo e do próprio presidente Michel Temer, a primeira das 77 delações feitas por ex-executivos da Odebrecht a vir a público revela que a empreiteira pagou caro para incluir no Congresso emendas em Medidas Provisórias e projetos. O ex-diretor da empreiteira, Cláudio Filho, disse, em delação feita à Operação Lava-Jato, que foram pagos mais de R$ 17 milhões a parlamentares em troca de apoio na aprovação de matérias e inclusão de emendas que favoreciam a Odebrecht. Cláudio Filho cita 14 MPs e projetos que teriam sido modificados ao gosto da empresa. Os pagamentos foram feitos entre 2006 e 2014 para sete parlamentares. Os políticos citados na delação negam recebimento de propina.

O governo e a cúpula peemedebista evitaram comentários públicos, apesar de reconhecerem a gravidade da denúncia, que será tema de reunião emergencial dos aliados neste domingo.

O principal interlocutor do ex-diretor no Legislativo era o senador Romero Jucá (PMDB-RR), líder do governo no Congresso, mas ele relata ter realizado pagamentos também ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ao deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), o senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) e o ex-senador Delcídio do Amaral.

Segundo a delação, narrada por Filho em 82 páginas, a primeira negociação de que fez parte foi em relação à MP 252, conhecida como MP do Bem e que criava incentivos fiscais para incrementar exportações. O ex-diretor pediu ao então deputado (hoje ex-ministro do governo Temer) Geddel Vieira Lima para que apresentasse uma emenda que atendesse ao pleito da Odebrecht. A empresa queria incluir no projeto um artigo que alterava a forma de incidência de PIS/Cofins. Relator da medida, Jucá conseguiu aprovar a emenda e recebeu, em troca, pagamento “a pretexto de campanha” eleitoral em 2006.

Uma das maiores articulações, no entanto, foi em relação ao projeto de resolução do Senado Federal (PRS) nº 72/2010, que reduzia e uniformizava a alíquota de importação do ICMS de operações interestaduais para acabar com a chamada “guerra dos portos”. O próprio Marcelo Odebrecht levou a questão da guerra dos portos ao então ministro da Fazenda, Guido Mantega, que teria dito que a equipe econômica estava mobilizada para resolver o problema.

Coube a Jucá apresentar um projeto de lei que zerava as alíquotas de ICMS para esse tipo de operação. O projeto só foi votado dois anos depois, em 2012. À época, o senador teria solicitado “apoio financeiro” e recebeu cerca de R$ 4 milhões. Segundo Filho, Jucá teria dito que os recursos não seriam apenas para ele, “mas também, como já havia ocorrido em outras oportunidades, para Renan Calheiros”, segundo trecho da delação. A empresa também pagou R$ 500 mil a Delcídio do Amaral por seus esforços na aprovação do PRS 72/2010.

A empresa ainda pagou mais de R$ 7 milhões pela aprovação, “sem percalços” da MP 613/2013, que tratava de incentivos fiscais à produção de etanol e à indústria química. “Ficou claro na oportunidade que esses pagamentos seriam contrapartidas solicitadas pelo parlamentar para que, mediante a sua atuação e a dos parlamentares já referidos, a aprovação da MP 613 efetivamente ocorresse sem percalços”, diz a delação.

Segundo o relato, o senador Eunício Oliveira teria recebido R$ 2,1 milhões; outros R$ 4 milhões foram pagos para Romero Jucá e Renan Calheiros; entre R$ 1 milhão e R$ 1,5 milhão para Lúcio Vieira Filho; e R$ 100 mil para Rodrigo Maia.

O GLOBO

Comentários (19) enviar comentário
  1. Eduardo Cosme. disse:

    Hoje é domingo um dia bom, para aqueles falso moralistas da sociedade Brasileira ir para Ruas. Bater panelas aproveitar levar os patos amarelos!!!!!!
    BANDO DE OTÁRIOS. …..

  2. Jean disse:

    Quer dizer que o PMDB é o partido mais corrupto do BRASIL e não o PT?
    E quando a CAIXA PRETA do PSDB vai ser aberta?
    Alguém sabe se Tucano pode ser atingido por Moro amigo?

  3. Santos disse:

    Infelizmente as panelas de alumínio já estão todas furadas.
    O high Society não vai estragar as suas de aço inox em passeatas.
    Até porque já descobriram a folha da assembleia legislativa.

  4. maria disse:

    E o comandante desse esquema fraudulento nao era Lula?? To entendendo mais nada…

  5. Vera Lúcia de m. V. Silva disse:

    Quanto menino bom,Todos preocupados com o PAÍS!!! Ou o povo brasileiro se junta para botar esses RATOS de volta para seus ESGOTOS ,de onde nunca deveriam ter saído , ou é fim do TÚNEL

  6. Inara disse:

    Militares, estão esperando o quê. acabem com esta safadeza no Brasil o povo apóia vocês, ou vocês são todos iguais?

  7. lino disse:

    São todos excremento do mesmo vaso sanitário.

  8. Maracujina disse:

    Agora eu quero ver p patriotismo dos batedores de panelas ! Bora cambada ! Vamos derrubar esse corrupto e sua quadrilha amestrada . Doutores e doutoras ,
    Vamos faze um TEMMERxuleco !

  9. Luciana Morais Gama disse:

    Os políticos brasileiros são todos ODEBRECHIANOS. Não escapa ninguém!

  10. comedor de coxinha disse:

    Pq será q o P$DB e DEMO teimam em continuar querendo financiamento privado de campanha?
    Algum coxinha hipócrita saberia dizer?

  11. Verdafeiro disse:

    TV câmara da 10% ao presidente da câmara de vereadores por isso nunca houve licitação

  12. Jean Carlos disse:

    Cadê as panelas? Amanhã mesmo temos que ir as ruas e exigir o impeachment do presidente golpista!

  13. Marcelo disse:

    Desde ontem, quando começou a se confirmar o conteúdo da delação, não se vê mais o morador e ex deputado em sua residência…. Aliás já estavam acordando antes das 06:00 para ver se os carros da Polícia Federal estavam por perto….
    Parece que desta vez o Ex está assustado….

  14. Paulo Cardoso disse:

    São esses mesmos fdps citados que afirmam trabalhar pelos interesses da nação…

  15. Verdade Nua e Crua disse:

    AÉCIO, O MINEIRINHO, ESTÁ LÁ TAMBÉM: R$ 15 MILHÕES
    Foram esses homens honestos que caçaram a Presidente sem nenhuma acusação concreta?

    • Vera Lúcia de m. V. Silva disse:

      Ou meu filho , pare de ser bobão, viu!! Vc acha q tem inocente nesse mundo da politica no nosso país? Essa anomalia q ao ser expelida recebeu o nome de Dilma está tão envolvida quanto todos….acorda para JESUS inocente

    • BarbyBarby disse:

      Honesta uma pinoia.

    • EdSouza disse:

      Pois é, essa Corja toda se passava por honestos e a Presidente Dilma era a desonesta, corrupta. Agora a casa caiu seus abestados. Eles podem não ir para a cadeia, mas ficam desmoralizados, com vergonha. Se é que conhecem isso. CARÁTER, COMPROMISSO COM OS SEUS ELEITORES.

  16. Curioso disse:

    17 milhões custa meia MP…

Publicidade

SÃO PAULO: Odebrecht delata caixa 2 em dinheiro vivo para Geraldo Alckmin

Para Alckmin, não há motivo para que o Senado não vote segundo turno da PEC do Teto

FolhaPress

A Odebrecht afirmou no acordo de delação premiada com a Operação Lava Jato que realizou pagamento de caixa dois, em dinheiro vivo, para as campanhas de 2010 e 2014 do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB).

Executivos da empreiteira mencionam duas pessoas próximas ao governador como intermediárias dos repasses e afirmam que não chegaram a discutir o assunto diretamente com Alckmin.

Segundo a delação, R$ 2 milhões em espécie foram repassados ao empresário Adhemar Ribeiro, irmão da primeira-dama, Lu Alckmin. A entrega do recurso, de acordo com os termos da delação, ocorreu no escritório de Ribeiro, na capital paulista.

Em 2010, o tucano foi eleito no primeiro turno com 50,63% dos votos válidos –o segundo colocado na disputa foi o ex-ministro Aloizio Mercadante (PT).

Em 2014, o caixa dois para a campanha de reeleição de Alckmin teve como um dos operadores, segundo a empreiteira, o hoje secretário de Planejamento do governo paulista, Marcos Monteiro, político de confiança do governador.

Na época das negociações dos recursos, ele seria chamado de “MM” pelos funcionários da Odebrecht. A Folha não obteve os valores que teriam sido pagos na campanha para a reeleição.

Alckmin foi reconduzido ao cargo com 57% dos votos, ficando à frente de Paulo Skaf (PMDB), segundo colocado.

Um dos executivos que delataram o caixa dois é Carlos Armando Paschoal, o CAP, ex-diretor da Odebrecht em São Paulo e um dos responsáveis por negociar doações eleitorais para políticos.

Ele faz parte do grupo de 77 funcionários da empreiteira que assinaram há duas semanas um acordo de delação premiada com investigadores da Lava Jato.

CAP, como é conhecido, também fez afirmações sobre o suposto repasse, revelado pela Folha, de R$ 23 milhões via caixa dois para a campanha presidencial de 2010 do atual ministro das Relações Exteriores, José Serra (PSDB).

Dados do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) indicam que não há doações diretas da Odebrecht à conta da candidatura de Alckmin em 2010 e 2014.

O tribunal registra, em 2010, apenas uma doação oficial de R$ 100 mil da Braskem, braço petroquímico da empreiteira, à direção do PSDB em São Paulo.

No ano de 2014, foi informada uma doação de R$ 200 mil da mesma empresa ao comitê financeiro da campanha a governador. Esse recurso foi repassado pelo comitê à conta da candidatura do tucano.

O codinome de Alckmin nas listas de propina e caixa dois da empreiteira era “santo”, segundo informação publicada pela revista “Veja” recentemente.

O apelido aparecia associado nas planilhas da Odebrecht apreendidas pela Polícia Federal à duplicação da rodovia Mogi-Dutra, uma obra do governo Alckmin de 2002. A palavra “apóstolo”, escrita originalmente na página, foi rasurada e trocada por “santo”.

O mesmo codinome é citado em e-mail de 2004, enviado por Marcio Pelegrino, executivo da Odebrecht que gerenciou a construção da linha 4-Amarela do Metrô, na capital paulista.

Na mensagem, Pelegrino diz que era preciso fazer um repasse de R$ 500 mil para a campanha “com vistas a nossos interesses locais”. O executivo afirma que o beneficiário do suposto suborno era o “santo”.

Comentários (6) enviar comentário
  1. Chico Santiago disse:

    Mauro Lustosa, Péricles Albuquerque e Ceará Mundão não vão comentar essa notícia?

  2. Frederico Cornelio dos Santos disse:

    Se tiver Foro o STF petista pega ele

  3. ruarez disse:

    Esse é peixe de Moro cunha

  4. paulo disse:

    Não vai dar em nada, afinal é do psdb, o partido dos verdes e amarelos.

  5. Sócrates disse:

    Divulga a lista completa da Odebrecht, divulga!!!!
    Tá faltando gente peixe grande!!!

  6. gilvanir disse:

    O pior é que todos esses BANDIDOS continuam impunes e nos seus respectivos CARGOS. Infelizmente não se tem a quem recorrer, pois até nossa justiça está nas mãos deles!!!

Publicidade

Mulher de Cabral recebia mochilas com até R$ 300 mil semanais

 

Por VEJA

“A prisão preventiva de Adriana Ancelmo permitirá pôr termo ao ‘ciclo delitivo’ da organização criminosa e da lavagem e ocultação de ativos ora apontados, empreendida de forma disseminada e ostensiva pelos envolvidos.” A frase finaliza a decisão de 20 páginas do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, para tirar a liberdade da ex-primeira dama do Rio de Janeiro, 19 dias após a prisão de seu marido, o ex-governador Sérgio Cabral.

A fundamentação do magistrado considerou que o Ministério Público Federal apresentou elementos robustos da participação da advogada no esquema de lavagem de dinheiro e ocultação de patrimônio adquirido pelo esquema criminoso comandado pelo marido. Um dos exemplos citados pelo juiz foi o sistema de recebimento de dinheiro em espécie, que chegava a 300.000 reais semanais, levados dentro de mochilas e entregues no escritório de Adriana, o Ancelmo Advogados.

Um  dos depoimentos mais importantes para isso foi da gerente financeira do escritório, Michelle Tomaz Pinto, que durante anos trabalhou como secretária da ex-primeira-dama. Ela contou em depoimento à Polícia Federal que o dinheiro era entregue por Luiz Carlos Bezerra, um dos mais próximos assessores de Cabral e apanhador das propinas do governador, de acordo com as investigações. “Que indagada a respeito da frequência com que Luiz Carlos Bezerra comparecia ao escritório de Adriana Ancelmo para entrega de valores em espécie, a declarante informou que era semanalmente, geralmente às sextas-feiras, e que presenciou as entregas durante os anos de 2014 e 2015; Que indagada como Luiz Carlos Bezerra transportava os valores, informou a declarante que era numa mochila. Que indagada a respeito da quantidade de dinheiro em espécie que era entregue semanalmente, informou a declarante que girava em torno de R$ 200.000,00 a R$ 300.000,00”, reproduziu Bretas.

Ainda de acordo com o depoimento da ex-secretária, o dinheiro muitas vezes era entregue à própria Adriana, ou ao seu sócio, Thiago Aragão, que guardava os valores em um cofre dentro do escritório.

O curioso é que apesar de comprovada sua íntima relação com  Luiz Carlos Bezerra, Adriana Ancelmo, em depoimento, disse desconhecer o envolvimento dele com a contabilidade de sua família. Nas investigações os agentes descobriram que Bezerra esteve ao menos 19 vezes no escritório e manteve contato telefônico com a primeira dama 98 vezes. O MPF conseguiu mostrar ainda que os gastos mensais da família de Cabral com cartão de crédito variavam entre 30.000 e 300.000 reais.

Mais uma vez Michelle Tomaz Pinto foi peça-chave da investigação. Ela revelou que várias vezes foi ela própria quem pagou as faturas, pagando em espécie em uma agência do Itaú na Avenida Olegário Maciel, na Barra da Tijuca. Ela contou ainda que fazia pagamentos dos funcionários da família Cabral através de depósitos bancários também feitos em espécie.

enviar comentário
Publicidade

Marcelo Odebrecht cuidava da propina em plano nacional, mostra delação

Por Mônica Bergamo

A delação premiada da Odebrecht mostra que Marcelo Odebrecht cuidava apenas das contas de propina da empreiteira no plano nacional. As demais, destinadas a subornar governadores e prefeitos, por exemplo, eram administradas por executivos da construtora.

CONTABILIDADE
Marcelo cuidava da conta do PT e do governo federal, tendo como interlocutor Antonio Palocci, que depois deu lugar a Guido Mantega, sempre segundo relatos da delação. Apesar de parte dos recursos dessa “conta-mãe” ter atendido a pedidos ou necessidades que os dois atribuíam a Lula, o ex-presidente não trataria com o empreiteiro sobre recursos ilegais. Os dois, inclusive, não se gostavam.

CONTABILIDADE 2
O interlocutor de Lula na Odebrecht era Emílio Odebrecht, pai de Marcelo. Os dois tampouco tratariam da tal conta-mãe.

AO REDOR
A delação deve revelar que, além da já célebre reforma no sítio de Atibaia, outros benefícios a terceiros pagos pela empreiteira, sem contar doações para campanhas, foram atribuídos a Lula.

NÃO É COMIGO
Tanto Palocci quanto Mantega negam ter tratado de propina com a Odebrecht.

EM CASA
E Marcelo Odebrecht ficará dez anos sem ver a cara da rua nos finais de semana e em feriados. Mesmo quando passar para o regime semiaberto de prisão, e depois para o aberto, ele não poderá sair de casa nessas datas.

Comentários (2) enviar comentário
  1. Sócrates disse:

    Quando a lista toda da Odebrecht vai ser totalmente liberada?
    Será que tem Tucano nela?

  2. JOAO MARIA disse:

    Creio que se verificar direitinho com a policia e o MP, vai se chegar a conclusão que esta foi a maior quadrilha que o Pais elegeu para nos governar, é uma coisa sem fim , fazem anos que esta quadrilha é denunciada investigada e quanto mais mexe mais podre fica

Publicidade

DENÚNCIA GRAVE: Vereador eleito em Natal fala em eleição na CMN sendo usada como moeda de troca

aldo-clementeReprodução: Twitter

Vereador eleito em Natal em outubro, Aldo Clemente(PMB), com 2229 votos, soltou uma denúncia questionando a eleição na Câmara Municipal como moeda de troca. Afinal, o que quis dizer?

Comentários (4) enviar comentário
  1. Demetrio Dantas disse:

    Começa com o pé direito. Continue assim.

  2. sergio menezes disse:

    vc ta certo aldo tem q denuncia mesmo temos q bani da politica desse pais picaretas e temos q comerca pela nossa cidade vc ta certo sera um exlente vereador de natal tenho certeza disso vc e preparado

  3. Curioso disse:

    Já dizia um poeta ha três décadas… "Não se pode falar; muito menos falar a verdade"!
    Esse vereador falou d+++…
    Resultado: vai se lascar…

  4. João Cláudio disse:

    Parabéns veriador, aproveite pra denunciar pessoas que passa em vestibular e concurso público comprando vc sabe muito bem como faz!

Publicidade

Sérgio Cabral comprou R$ 7,2 milhões em jóias em “sistema paralelo”

O Globo

No sistema de contabilidade paralelo da joalheira Antonio Bernardo, o ex-governador Sérgio Cabral era tratado pelo codinome “João Cabra” e a ex-primeira-dama Adriana Ancelmo, por “Lourdinha”.

A revelação foi feita por Vera Lúcia Guerra, gerente da loja no Shopping da Gávea, em depoimento na sexta-feira ao Ministério Público Federal.

De acordo com ela, Cabral comprou R$ 5,1 milhões em joias pelo sistema paralelo, pagando em espécie em operações sem nota fiscal ou comunicação ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras do Ministério da Fazenda (Coaf).

O depoimento de Vera Guerra e as provas colhidas junto à joalheira H.Stern, onde Cabral comprou outros R$ 2,1 milhões em joias pelo mesmo método, em espécie e sem notas fiscais, compõem o mais recente conjunto de provas reunido pela Operação Calicute .

A Calicute sustenta que o ex-governador comandava um esquema de cobrança de propina e lavagem de dinheiro — incluindo a compra de joias caras, conforme O GLOBO revelou com exclusividade no dia 17 — pelo qual teriam circulado R$ 224 milhões durante os seus governos (2007-2014).

Comentário (1) enviar comentário
  1. Jean disse:

    Começo a achar o Triplexzinho e sitio de Lula, bem pequenininho diante de tanta coisa descoberta de Geddel, Jucá, Padilha, Cabral, Temer, Aécio, Serra…
    Será que nosso julgamento até aqui não estava sendo "magnificado", como disse o Excelentíssimo Ministro do STF, Gilmar Moro Mendes?
    E agora Coxinhas, vão virar Pamonhas e pagar o Pato da FIERN acompanhando o MBL com a a camisa da CBF, máscara do Japonês da Federal e ao som de Lobão, Silas Malafaia, Marcos Feliciano e tantos outros ícones (José Agripino e Henrique Alves) na Av. Paulista?

Publicidade

BLACK FRIDAY: Gerentes de grandes lojas são presos em João Pessoa

G1/PB

Quatro gerentes de lojas foram detidos na manhã desta sexta-feira (25), durante a fiscalização do Procon do Ministério Público da Paraíba (MP-Procon) em estabelecimentos comerciais dos bairros de Manaíra, Tambaúzinho e Centro, em João Pessoa, e mais um no município de Cabedelo, durante o período conhecido como “Black Friday”.

De acordo com o diretor do MP-Procon, Glauberto Bezerra, os gerentes foram detidos por propaganda enganosa e desrespeito ao consumidor. Preços dos produtos foram monitorados e tiveram aumento abusivo às vésperas da promoção, segundo o MPPB.

Os gerentes são de um supermercado na BR-230, de duas lojas de móveis e eletrodomésticos, no Centro e no bairro de Manaíra, e um supermercado no bairro de Tambaúzinho . Eles foram encaminhados para prestar depoimentos na Central de Flagrantes, na Central de Polícia, no bairro do Geisel, em João Pessoa. Após prestar esclarecimentos, os funcionários autuados pela fraudes devem assinar um termo de ocorrência e serem liberados pela polícia.

Ainda de acordo com Glauberto Bezerra, os preços das lojas foram monitorados durante 10 semanas, alguns subiram antes desta sexta-feira (25) e apresentaram descontos irreais no dia da ‘Black Friday‘, enquanto outros se mantiveram. Porém, os que configuraram aumento abusivo, desrespeitaram os Direitos do Consumidor. O trabalho de acompanhamento dos preços foi feito em conjunto pelo MP-Procon e Iesp.

Na loja de eletrodomésticos localizada dentro de um shopping no bairro de Manaíra, estavam expostos preços mais altos do que os divulgados na quinta-feira (24). Segundo Glauberto Bezerra, dentro de geladeiras e fogões foi possível encontrar cartazes com preços menores dos que estavam sendo expostos na entrada do estabelecimento.

O supermercado, na avenida Epitácio Pessoa, também detido nesta tarde de sexta-feira suspeito de propaganda enganosa, apresentava cerca de 14 produtos com os mesmos preços do período fora da “Black Friday”.

“A população vai gastar seu 13º salário, vai atrás de uma facilidade nos preços, de um produto barato. Às vezes compram o que nem precisava, essas fraudes afetam a economia”, acrescentou Bezerra. As fiscalizações contra a “Black Friday” continuam durante toda a sexta-feira.

Segundo Glauberto Bezerra, só foi possível deter os gerentes dos estabelecimentos devido a um trabalho científico e metodológico, apoiado pela universidade Iesp, com a pesquisa de 308 produtos de estabelecimentos de João Pessoa.

Seis lojas tinham sido fiscalizadas pelo MP-Procon até a tarde desta sexta. Quatro delas tiveram funcionários encaminhados para delegacia e um outro supermercado e uma loja de artigos de informática foram autuados.

DO BLOG: Os gerentes presos foram do Hiper Bompreço, Armazém Paraíba, Eletroshopping e Extra.

Comentários (9) enviar comentário
  1. David natal disse:

    As lojas americanas do RN também tá nessa também devia investigar essa fraude.

  2. Wagner Adilio disse:

    Dei valor porque disse os nomes dos estabelecimentos… Por isso sou leitor e ouvinte assíduo de BG, não tem rabo preso.

  3. Joao disse:

    Tudo pela metade do dobro. Consumismo é uma doença. Comprar desnecessariamente porque está escrito uma palavra promoção.

  4. Augusto disse:

    João Pessoa sai na frente de Natal e promove o primeiro Black Fraude.

  5. FRASQUEIRINO disse:

    La o PROCON funciona. Aqui é faz de conta!

    • Brasil disse:

      Na verdade aqui funciona se o MPE/RN impulsionar o Procon mas no momento estão preocupados com o duodécimo para que recebam o dinda no final do mês.

  6. Chico disse:

    Se esse pessoal vier fiscalizar em Natal vão prender todos os. Gerente s daqui

  7. Val Lima disse:

    Uma verdadeira "Black Fralde"….

Publicidade

NATAL: Calendário de Matrículas da Rede Municipal de Ensino é divulgado

25040Foto: Manoel Barbosa

A Secretaria Municipal de Educação de Natal anunciou nesta terça-feira (22) em coletiva à imprensa, o calendário oficial de matrículas da Rede Municipal de Ensino para o ano letivo de 2017.

A titular da SME, professora Justina Iva de Araújo Silva, afirmou que estão abertas a renovação e matrícula antecipada para os estudantes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, e os devidos encaminhamentos para a rede estadual de ensino pelo SIGEDUC. “As matrículas antecipadas seguem até o dia 30 de novembro deste ano. O número de alunos com deficiência tem aumentado muito na rede, com isso passamos de 700 estagiários para a contratação de 1.135, este ano”, disse.

A coletiva também tratou da portaria que estabelece normas para o processo do sorteio de vagas para matrícula de crianças a partir dos seis meses até três anos e 11 meses de vida, nos Centros Municipais de Educação Infantil (CMEI) de Natal.

Segundo a secretária de Educação de Natal, diante da necessidade de democratizar o acesso educacional das crianças nesta faixa etária, o processo de matrícula inicial na Educação Infantil ocorrerá novamente por meio de sorteio de vagas. Serão três etapas, o cadastramento, sorteio de vagas e a efetivação da matrícula das crianças sorteadas. O atendimento às crianças nesta faixa etária compreende os seguintes níveis: Berçário I, Berçário II, Nível I e Nível II.

A professora Justina Iva explicou que diante da grande demanda da população para os níveis de creche, muitas famílias dormiam na frente das unidades de ensino para tentar garantir uma vaga para seus filhos. “Angustiados com essa situação resolvemos adotar o procedimento do sorteio, que é a forma mais justa e democrática. Vamos cadastrar as crianças e realizar o sorteio entre todos os inscritos”. O procedimento de sorteio já foi adotado para o ano letivo de 2015, e segue o modelo estabelecido pelo Núcleo de Educação da Infância (NEI) da UFRN.

O cadastramento para o sorteio atenderá a todos, no período de 02 a 14 de dezembro, e deverá ser realizado pelo responsável da criança, no horário de 08h às 16h, na secretaria do CMEI do interesse da família. O sorteio das vagas ocorrerá no dia 16 de dezembro, e a efetivação da matrícula das crianças sorteadas será de 19 a 21 de dezembro, também de 08h às 16h.

“Para a realização do cadastramento será preenchida uma ficha individual e cada CMEI formará uma comissão de matrículas com os seguintes membros: diretor administrativo, diretor pedagógico, coordenador pedagógico e representante de pais do Conselho Escolar. O horário do sorteio vai ser definido pela comissão de matrícula e será divulgado previamente para a comunidade”, contou.

A professora Justina Iva informou que na gestão do prefeito Carlos Eduardo foram construídos 12 novos Centros de Educação Infantil e outros reformados e ampliados. “Hoje, estamos construindo quatro novos centros de educação, e um será entregue em janeiro de 2017 no bairro do Planalto, representando uma ampliação de 220 novas vagas também para o início do ano letivo”, disse.

A titular da Educação também explicou uma mudança que ocorrerá nas turmas do Nível II, que atende as crianças com três anos. “A partir do próximo ano, as turmas do Nível II serão ofertadas apenas no tempo parcial, definido por meio de uma resolução. Temos uma grande demanda da população nesta faixa etária de três anos, por isso essa foi a solução encontrada para ampliar as vagas e atender o maior número de crianças possíveis. Iremos conseguir aumentar 2 mil novas vagas na Educação Infantil”, afirmou.

Uma novidade para o ano letivo de 2017 será a sistematização da matrícula em todas as escolas de Ensino Fundamental. O chefe do Setor de Informática, Eliudson Raphael Oliveira da Silva, explica como funcionará o sistema. “Passamos todo o ano trabalhando no Sistema de Gestão Escolar e iremos implementar inicialmente nas escolas de Ensino Fundamental. Neste novo sistema além das matrículas, também iremos cadastrar a frequência escolar, as notas, informações pedagógicas e relatórios. Vai facilitar a vida dos pais na hora da matrícula e o cadastramento de toda a situação do aluno no decorrer do ano”, contou.

A titular da SME e a equipe pedagógica do Departamento de Gestão Escolar (DGE) e Setor de Normas e Organização Escolar (SNOE) também apresentaram o funcionamento do calendário escolar para o ano letivo de 2017. As aulas iniciarão no dia 13 de fevereiro de 2017.

A rede municipal de ensino de Natal possui hoje 12.887 crianças na Educação Infantil, 36 mil nas escolas de Ensino Fundamental e 5.012 matriculados na Educação de Jovens e Adultos (EJA).

enviar comentário
Publicidade

TCU: 70% das obras federais têm irregularidades

Maracanã em obras: Empreiteira de Cavendish, Delta, tinha contratos de R$ 1 bilhão com o estado do Rio e fazia parte do consórcio responsável pela reforma do estádio (Foto: Reprodução Internet)
Obra do Maracaná

 

O Globo

Sete em cada dez grandes obras feitas com verbas federais têm irregularidades graves. O Tribunal de Contas da União (TCU) encontrou atrasos, editais direcionados, projetos com defeito, excesso de aditivos e sobrepreço em 73,9% dos empreendimentos que fiscalizou nos últimos dez anos. O TCU calcula que essas irregularidades somam R$ 20,1 bilhões entre multas que devem ser pagas à União e ressarcimento por projetos que foram concluídos com falhas. O valor leva em conta, também, a economia que o governo teria ao corrigir os problemas nas obras que estão em andamento.

Os números são resultado de um levantamento feito pelo GLOBO com base nos relatórios do Plano de Fiscalização Anual do TCU (Fiscobras) de 2007 a 2016. No período, a taxa de obras com problemas esteve sempre acima da metade, numa mostra de que, apesar dos alertas recorrentes feitos pelo tribunal, as mesmas irregularidades continuam sendo cometidas anos após ano. Desde 2007, o tribunal analisou 1.725 obras públicas; em 1.275 delas havia algum apontamento. Nos casos mais graves, o relatório recomenda o corte de recursos públicos.

Comentários (7) enviar comentário
  1. 994160674 disse:

    Tem-se que investigar todos os dirigentes de órgãos cuja indicação foi feita por Henrique Eduardo. Porque ele só indica aquele que tem coragem de roubar pros dois!

  2. gilvanir disse:

    Não entendo esse órgão que se encarrega de FISCALIZAR!! Constata as IRREGULARIDADES que não são POUCAS (70%) E ninguém é PUNIDO???? Por iso que o CRIME COMPENSA NESSE PAÍS DE BANANAS!!!!

  3. Val Lima disse:

    70% ??!!
    No mínimo 95%…..

    • Curioso disse:

      No mínimo os 100% msm…
      Aliás, com os super faturamentos, 100% vira fácil 200/300/500/800%…

  4. Auri disse:

    FAZENDO UMA ANÁLISE SIMPLES E GROTESCA, NÃO TEM COMO O PAÍS SE DESENVOLVER. QUEBRA MESMO. VEJA O CASO DO RIO DE JANEIRO. SÓ O PRESIDIÁRIO SÉRGIO LADRÃO CABRAL, DESVIOU 224 MILHÕES. NOS OUTROS ESTADOS NÃO É DIFERENTE. AQUI NO ESTADO HOUVE UM DESVIO NO IBAMA, QUE INICIALMENTE ERA DE 19 MILHÕES, FICOU EM MAIS DE 36 MILHÕES. A PESSOA QUE VENDE O SEU VOTO, NÃO PODE COBRAR HONESTIDADE DE POLÍTICO NENHUM. AGORA, ESSA MÁXIMA DE QUE A CULPA É DO ELEITOR NÃO É VERDADEIRA. O ELEITOR VOTA NO CANDIDATO JULGANDO SER ELE HONESTO E ELE PODE ATÉ SER. QUANDO ELE É ELEITO E ASSUME SE CORROMPE PORQUE O SISTEMA É QUEM MANDA. SE O POLÍTICO DISCORDAR DA CORRUPÇÃO ELE É DISCRIMINADO, REJEITADO ATÉ PELA SIGLA PARTIDÁRIA QUE PERTENCE E AINDA CORRE RISCO DE SER ASSASSINADO. ENQUANTO PREVALECER ESSE SITEMA A CORRUPÇÃO SEMPRE EXISTIRÁ. ACORDA BRASIL!

    • BarbyBarby disse:

      Existem políticos sim ainda honestos . Não podemos colocá-los todos no mesmo saco.

  5. Verdade Nua e Crua disse:

    Se botar a lupa, praticamente 100% de todas as obras públicas no Brasil tem problemas e/ou indícios de corrupção. Seja nos Municípios, Estados ou na União, "NINGUÉM DÁ DINHEIRO A TOA A NINGUÉM NÃO!"
    "Não existe almoço grátis!"
    "Doação pra campanha tem outro nome: INVESTIMENTO!
    Essa é a raiz de todo esse mistério que todo mundo vive fingindo que não vê ou que não existe.
    Porém, há mais coisas se procurarmos como geralmente muitos votam…
    Para muitos eleitores, Favores, dinheiro, promessas e compra de votos é uma realidade. E onde há vendedores, há compradores. Oferta e procura.
    Como poderia ser diferente?
    Se fossemos diferentes e não fossemos tão "Corruptos como aqueles para os quais apontamos os dedos em riste".

Publicidade

MPT-RN: Município de São Miguel terá que erradicar trabalho infantil no abatedouro público

A partir de denúncias de blogs, fiscalização do Ministério Público do Trabalho de Mossoró comprovou a existência de trabalho infantil no abatedouro público de São Miguel (RN). Diante das graves violações, o MPT ajuizou ação e obteve decisão liminar que obriga o Município a adotar medidas imediatas, sob pena de multa diária de R$ 10 mil e de interdição.

Veja post em agosto no Blog do BG, que teve grande repercussãoFOTOS HORRÍVEIS – NOJENTO: abatedouro de São Miguel é caso de interdição

“A realidade encontrada é de total desamparo, com crianças e adolescentes submetidos a situações de risco, em ambiente insalubre, expostos ao trabalho de abate, esquartejamento, limpeza e separação de vísceras de animais”, destaca o procurador do Trabalho Afonso Rocha, que assina a ação e participou da fiscalização, feita em conjunto com o conselho tutelar local.

Segundo informações do conselho tutelar, alguns trabalham até com facas e outros instrumentos cortantes, além de mexerem caldeiras de água fervente. Também foi relatado ao MPT a dificuldade de sensibilização dos pais, que alegam ser “melhor eles estarem lá do que nas ruas, usando drogas ou se prostituindo”, contou o conselho.

Para o procurador, além de ter o dever de fiscalizar, o Município precisa criar alternativas que proporcionem, efetivamente, as condições necessárias para proteger crianças e adolescentes do ingresso precoce no mercado de trabalho, que ainda traz consequências físicas e psicológicas irremediavelmente prejudiciais ao desenvolvimento.

Entre as provas, o MPT apresentou relatório de fiscalização anterior, realizada em 2015 por auditores fiscais da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego, que reforça o descaso do Município perante a triste realidade e as péssimas condições de higiene do local. “Os registros eram contundentes e contribuíram decisivamente para a concessão da liminar”, elogia o procurador.

Assinada pela juíza do Trabalho Jólia Lucena da Rocha Melo, a decisão liminar da Vara de Trabalho de Pau dos Ferros confirma que cabe ao Município propiciar o desenvolvimento da criança e do adolescente, atuando junto às famílias para que as práticas perniciosas não encontrem espaço, não se fazendo necessárias.

Como se trata de abatedouro municipal, a juíza concluiu que o ente público “é justamente aquele que fecha os olhos e abandona as crianças à própria sorte”. A decisão acrescenta, ainda, que também não se pode abandonar a família à própria sorte do ciclo de miserabilidade, tendo em vista que é justamente a necessidade que atua como válvula nessa engrenagem do trabalho infantil.

Obrigações – Dessa forma, ficou determinado que o Município de São Miguel tem que realizar fiscalização direta no abatedouro, por servidor do quadro, e articular políticas públicas urgentes para prevenção e erradicação do trabalho infantil e proteção do trabalhador adolescente, junto às secretarias municipais, órgãos e entidades responsáveis pela promoção, defesa e controle social dos direitos da criança e do adolescente.

Em caso de descumprimento, será aplicada multa diária de R$ 10 mil. Se persistir por mais de 20 dias, a contar da ciência da decisão, está autorizada a interdição do abatedouro. O MPT ainda pede a condenação final do Município ao pagamento de uma indenização pelos danos morais coletivos causados, no valor de R$ 30 mil, com finalidade punitiva e pedagógica.

Acesse aqui a íntegra da decisão liminar, cujo eventual desrespeito pode ser denunciado pelo endereço: http://www.prt21.mpt.mp.br/servicos/denuncias.

* Esta ação pode ser acompanhada pelo número 0000502-98.2016.5.21.0023

 

Comentários (2) enviar comentário
  1. brito disse:

    amigo não só em são miguel de pau dos ferros que acontece isso não!! é em todo o rio grande do norte

  2. Cidadâ disse:

    Tem muita coisa errada por aí…

Publicidade