Publicidade

Pelas redes sociais, internautas relatam casos de professores racistas

Pelas redes sociais, internautas relataram casos de racismo sofridos em sala de aula – REPRODUÇÃO

“Toda vez que falava sobre escravidão, (a professora) apontava pra mim. Com isso os outros alunos faziam piadas comigo do tipo: vou te colocar no tronco e te bater até você ficar branca limpa”. Esse é apenas um dos relatos feitos por internautas na campanha #MeuProfessorRacista #MinhaProfessoraRacista, promovida nas redes sociais como forma de protesto contra a discriminação racial que acontece diariamente em salas de aula do país.

O movimento surgiu a partir de uma discussão específica durante uma aula na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, da USP. De acordo com o coletivo “Ocupação Preta”, idealizador do protesto, uma professora fez chacota sobre as ideias do racismo de Monteiro Lobato e, ao ser questionada por uma aluna, abafou a discussão “aos gritos”.

Diante disso, o coletivo entrou em sala de aula nesta segunda-feira para retomar o debate sobre a discriminação de raça presente na obra do autor, tema de diversos estudos na Academia.

“Sabendo que se perpetua nas universidades uma diretriz e um embasamento teórico pertencentes à branquitude, levantamos a necessidade de que a professora conheça, discuta ou ao menos escute o que os alunos têm a dizer”, disse o coletivo, em comunicado. “Por fim, repudiamos a postura da professora que exigiu que fôssemos retirados pela segurança do campus, e que ousou dizer que conhece um professor universitário que, conforme sua fala, ‘é mais negro que todos nós’ alunas e alunos que estávamos presentes na aula”.

A partir desse episódio, o coletivo pediu que estudantes negros se manifestassem na campanha virtual #MeuProfessorRacista #MinhaProfessoraRacista, e o pedido foi prontamente atendido. Pelas redes sociais, principalmente o Facebook, centenas, senão milhares de pessoas contaram suas experiências de discriminação racial sofridas em sala de aula vindas de quem deveria ensinar.

De acordo com o coletivo, a repercussão da campanha já era esperada, já que “existe uma forte demanda de discussão sobre o racismo institucional, no caso, racismo na educação”.

“Então prevíamos que iriam surgir muitos relatos, e que isso seria importante para gerar material inclusive para lidar com o racismo nas salas de aula”, disse o coletivo.

O grupo afirma que casos de racismo na USP são “normais”, começam com os funcionários terceirizados e trabalhadores negros e terminam nos estudantes. Exatamente por isso o coletivo foi criado.

“A ideia é não individualizar na professora, porque como destacamos é uma postura da universidade também”, disse o coletivo. “Mas queremos chamar um debate publico para convidar a professora para discutir com outros profissionais negros que discutem o racismo na obra do Lobato”.

O Globo

Comentários (4) enviar comentário
  1. JCabral disse:

    Eu não entendo??? Após todos esses comentários, o Brasil mudou em quê??? Muito pelo contrário foi criada uma tal de COTAS para pessoas negras entrarem em faculdades, como se a cor da pele determinasse o grau de inteligência de um ser humano, basta olhar na história, os alemães em sua maioria de pele branca, loiros de olhos azuis, foram mandados por um Austríaco, durante o Nazismo, de estatura mediana e nem tinha cabelo loiro, Gandhi não era branco, Mandela também e daí, a pergunta será que a cor da pele faz diferença??? O negocio é, não baixar a cabeça para certos tipinhos que nunca e jamais irão se realizar na vida, então procuram descarregar suas mágoas nos outros.

  2. Luiz disse:

    Racismo e intolerância devem ser combatidos em todas as profissões, poderes e repartições.
    O Assédio Moral e os crimes de preconceito, discriminação e racismo devem ser continuamente vigiados e combatidos sem cansaço.
    Lamentável esses comportamentos cometidos por quem deveria trabalhar pelo seu fim.

  3. Só olhando disse:

    #meuprofessorecomunista / #minhaprofessoraecomunista.

    • Rosalba Ciarline disse:

      Te repreendeu porque você não quis dividir os brinquedos…

Publicidade

MEC publica portaria que fixa novas regras do Enem

O Ministério da Educação (MEC) publicou nesta terça-feira (4) no Diário Oficial da União portaria que fixa as novas regras do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O documento oficializa as mudanças anunciadas pela pasta no início de março. A partir desse ano, o Enem não servirá mais como certificado de conclusão do ensino médio e os resultados do exame por escola deixarão de ser divulgados.

A portaria substitui a regra anterior, vigente desde 2010. O exame, que até o ano passado poderia servir como uma espécie de “diploma”do ensino médio, agora será voltado principalmente ao acesso ao ensino superior. A certificação da etapa será feita pelo Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja).

A nova medida apresenta uma mudança em relação à divulgação dos dados. A portaria anterior dizia que os estudantes, além dos resultados individuais, teriam acesso aos resultados globais. Agora, quem prestar o Enem saberá apenas como foi o próprio desempenho. As regras anteriores, diziam que os resultados “estarão” disponíveis para as instituições de ensino superior, secretarias estaduais de educação e pesquisadores. As novas regras definem que os dados “poderão” ser disponibilizados aos órgãos integrantes da estrutura do Ministério da Educação, para uso dos Programas Governamentais e a pesquisadores.

Até o ano passado, a pasta divulgava os resutados do Enem por escola no segundo semestre do ano seguinte à aplicação do exame. A pasta decidiu não mais fazer a divulgação para evitar a elaboração de rankings. A qualidade do ensino médio passa a ser aferida pelo Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Saeb).

Edital

De acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacinais Anísio Teixeira (Inep), o edital do Enem 2017 será publicado na próxima segunda-feira (10). O documento deverá detalhar as regras do exame, bem como definir a taxa que será cobrada dos participantes não isentos.

O MEC anunciou que neste ano, o Enem será aplicado pela primeira vez em dois domingos consecutivos, nos dias 5 e 12 de novembro. As inscrições estarão abertas de 8 a 19 de maio. O resultado do exame será divulgado no dia 19 de janeiro de 2018.

O Enem é usado para seleção de vagas no ensino superior público, pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu); de bolsas no ensino superior privado, pelo Programa Universidade para Todos (ProUni); e, para obtenção de financiamento pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

Agência Brasil

enviar comentário
Publicidade

Assembleia unificada decide suspender a greve geral da educação do RN

Foto: Lenilton Lima

A assembleia unificada dos trabalhadores em educação decidiu suspender a greve geral dos educadores do RN. A decisão foi tomada na tarde dests segunda-feira (03/04).

Na assembleia, os trabalhadores aprovaram o calendário de lutas apresentado pela direção do Sindicato.  A coordenadora geral do SINTE/RN, professora Fátima Cardoso, disse que a greve não acabou, mas está suspensa e, portanto, poderá ser retomada a qualquer momento: “A categoria avaliou o andamento do movimento e decidiu suspender a greve. A qualquer momento poderemos paralisar nossas atividades outra vez”.

A sindicalista avalia que a greve, tanto no âmbito local e nacional, foi positiva, uma vez que conseguiu pressionar o governo do Michel Temer: “Conseguimos pressionar o governo federal. Os trabalhadores em educação do brasil inteiro mandaram o recado de que não vão aceitar essa Reforma da Previdência nefasta e cruel”.

Ela conta os educadores do RN, que participaram ativamente da greve, se mostraram dispostos a construir a greve geral marcada para 28 de abril, que está sendo convocada pelas centrais sindicais: “Vamos paralisar as atividades e dizer não à Reforma da Previdência, a terceirização e os demais ataques do governo Temer”.

Com informações do SINTE-RN

Comentários (8) enviar comentário
  1. Luiz disse:

    É interessante constatar que toda vez que os professores são matéria de reportagens, surgem críticas vindo de tudo quanto é lado. Coisa que não vejo quando as matérias são a respeito dos privilégios dos servidores da justiça, do Ministério Público ou da Assembleia Legislativa.
    Tampouco veja tanta indignação quando o assunto é a quantidade de esquemas e gratificações, auxílios e outros arranjos, verbas de gabinete, que os Deputados tem.
    É muito interessante que só se fala em valorizar a educação….
    Mas como valorizar a educação se os profissionais responsáveis por isso são tratados com tanta raiva e indignação?
    Assim dá pra entender porque somos um povo tão contraditório e atrasado em relação a qualidade de nossas relações. Diferente do Japão por exemplo, onde todos respeitam e cumprimentam os professores quando os encontram, fazendo reverência.
    Lamentável comparação do cidadão que tem medo de se identificar. Não é comparando dessa forma que vc vai conquistar melhorias para outras categorias. Todos merecem mais dignidade e respeito. Mas não esqueça, os Professores são os construtores da nação!
    Sem comida e reprodução podemos desaparecer como espécie. Sem educação desaparecemos como sociedade!

  2. Eli disse:

    Tantos "entendidos" comentando aqui, mas nunca ficaram dentro de uma sala de aula com 40 ou mais alunos..só pra saber o que é stress, indisciplina, falta de educação, etc…
    kkkk…eu acho é graça…

    • Não precisa explicar, eu só queria entender disse:

      E o senhor sabe o que é o dia de um GARI, que passa o dia correndo atrás de um carro de lixo, pegando sacos pesados, sujeira, mau cheiro???
      Ou o dia de um motorista, dirigindo um ônibus barulhento, sem ar condicionado, carregando passageiros estressados e enfrentando um transito caótico.
      Os professores merecem todo o nosso respeito, por serem os formadores básicos do conhecimento de todos. Mas nem por isso são COITADINHOS, que precisam de privilégios que outros profissionais não têm.
      Repito: gostaria que os professores explicassem aos outros profissionais porque eles devem ter o direito de se aposentar mais cedo.

  3. beto costa disse:

    por isso deverão ser terceirizados..

  4. Chico disse:

    Deveriam ficar em greve permanente. Esse povo ganha dinheiro de que em?

  5. Não precisa explicar, eu só queria entender disse:

    Sem entrar no mérito da necessidade ou não de uma reforma urgente na previdência, da perda de direitos, da idade mínima e de outras polêmicas sobre esse tema, eu só gostaria que os professores ou os sindicatos que os representam justificassem PORQUE OS PROFESSORES DEVEM TER DIREITO DE SE APOSENTAR MAIS CEDO QUE OUTROS PROFISSIONAIS.
    Mas não precisam justificar para mim. Eu sugiro que os representantes da categoria compareçam a uma assembléia de GARIS, por exemplo, e exponham seus argumentos a estes sacrificados e indispensáveis profissionais da limpeza pública.

  6. Só olhando disse:

    Está ai um sindicato que vive de greve. Qual a data da próxima greve mesmo?

    • Helena Mesquista de Souza disse:

      NUNCA vi o sindicado da educação ter preocupação com a QUALIDADE DO ENSINO PÚBLICO, eles sempre fazem seus movimentos reivindicando salários, salários, mais salários, condições de trabalho, reforma das escolas e diminuição da carga horária. As vezes colocam outras coisas na pauta só para fazer volume. NUNCA o sindicato fez um projeto sobre melhoria na qualidade do ensino público.
      NUNCA o sindicato lutou por segurança, moralidade, ética, eficiência e eficácia no ensino público. E nos últimos 20 anos isso vem PIORANDO a cada dia. A educação virou celeiro da oposição, ninho da esquerda, conforto dos sindicatos. Por sinal a quantidade de professores a disposição do sindicato é 4x maior que o permitido por lei. Nem isso, esse detalhe da lei, o sindicato esquerdista respeita.
      O sindicato da educação é um reduto de parasitas da esquerda que nunca deram aula e vivem a disposição, Quanto mais concursado entram, mais ficam a disposição do sindicato. O pior cego não é o que não enxerga, é o que não quer ver.

Publicidade

Colégios bilíngues e com mensalidades de até R$ 8 mil têm fila de espera no País

Com ensino bilíngue, período integral, currículo inspirado no de outros países, forte presença tecnológica em sala de aula e mensalidades que podem alcançar R$ 8 mil, novas escolas que acabaram de abrir as portas no Brasil vêm atraindo famílias de classe alta e, além de preencherem todas as vagas, já têm fila de espera e planos de expansão.

Foto: CELIO MESSIAS / ESTADÃO. Lúdico. Crianças brincam na escola Concept, em Ribeirão Preto, que abriu as portas neste ano: salas coloridas para os pequenos

É o caso da escola Concept, do Grupo SEB, que iniciou suas atividades neste ano em Ribeirão Preto (SP) e em Salvador (BA). Os 350 alunos das duas unidades têm aulas das 7h50 às 15h40 em salas com paredes móveis, que podem ser alteradas de acordo com as atividades, mesas organizadas em círculos, projetos interdisciplinares, laboratórios de robótica e maquinário industrial para criarem protótipos e equipamentos.

Com mensalidades médias de R$ 4,2 mil, a Concept preencheu todas as vagas oferecidas e tem lista de espera. “Nosso projeto é o que acreditamos como a antecipação do futuro da escola. Educação inovadora aposta no protagonismo do aluno para engajá-lo e descobrir suas habilidades e paixões”, disse Thamila Zaher, diretora executiva do grupo, que deve chegar à capital paulista nos próximos anos.

A médica e empresária Fernanda França, de 46 anos, de Salvador, matriculou os três filhos, de 11, 10 e 9 anos, na escola, por acreditar que a metodologia os ajudará a serem criativos e vai prepará-los para estudar no exterior. “O ambiente os estimula a buscar novas experiências. Eles falam em ir para fora, inovar. Não sei se continuarão com o desejo, mas terão a chance.” Como atividades extracurriculares – pagas à parte –, eles optaram por mandarim e caratê.

No Rio, a Escola Eleva também começou a funcionar neste semestre. Foram matriculados 372 alunos e a intenção é duplicar as vagas em 2018 – a fila tem 2 mil nomes. Amaral Cunha, diretor da unidade, define a escola como o “prime product” do grupo – a mensalidade custa a partir de R$ 3,9 mil –, que tem outras quatro redes e produz material didático. “Queremos que o modelo seja um espelho para as outras.”

Na Eleva, os alunos do 1.º ao 5.º ano estudam metade do tempo em inglês. Segundo Cunha, os pais buscaram o local por estarem cansados do modelo pedagógico “com foco no professor” e que prepara os estudantes para os vestibulares nacionais. “São pais preocupados com questões como sustentabilidade e empreendedorismo.”

A seleção para 2018 começa nos próximos meses, com palestra, entrevista com a família e provas para os candidatos. O grupo também quer abrir uma unidade em São Paulo.

Unidades pelo mundo. A capital paulista ganhará em 2018 uma escola com perfil semelhante: a Avenues. Com unidade em Nova York e previsão de abertura em Londres, Dubai e outros 18 locais, a Avenues tem mensalidades que chegam a R$ 8 mil e lista com 2,5 mil crianças cadastradas para 2,1 mil vagas.

A proposta é oferecer ensino bilíngue e estímulo à curiosidade e ao desenvolvimento das habilidades pessoais. Segundo Alan Greenberg, cofundador da escola, o currículo das várias unidades será integrado, e os alunos poderão passar um semestre em cada câmpus. “As famílias que nos procuraram querem o estudo no exterior e uma educação moderna e tecnológica.” No ensino médio, os alunos terão Inglês, Português e Matemática como disciplinas obrigatórias e, ao fim, receberão diplomas brasileiro e americano.

A empresária Lili Carneiro, de 33 anos, colocou os filhos, de 1 ano e 10 meses e de 5 meses, na fila de espera, apesar de a entrada na escola ser com 3 anos. “Os colégios nacionais estão aquém no ensino e sem investimento em tecnologia.”

Pais deve observar como os recursos são utilizados

A consultora em educação Ilona Becskehazy afirma que é preciso que os pais entendam o projeto pedagógico e a metodologia das escolas. “Muitas têm um marketing muito forte no networking, convocam as famílias para palestras e apresentações. É um mercado em que ainda há espaço, porque os colégios internacionais sempre tiveram fila de espera e essas novas escolas apostam nesse público.”

Ilona também alerta que muito do que as novas escolas ofertam já existe há algum tempo em outros colégios brasileiros. “Laboratório de robótica, aula de programação, projetos interdisciplinar e programa bilíngue já são oferecidos em muitos outros estabelecimentos. O mais importante é como essas escolas trabalham isso, como esses recursos são utilizados para, de fato, estimular os alunos e não ser só um acessório”, diz a consultora.

A Associação Brasileira das Escolas Particulares (Abepar) – que reúne colégios tradicionais e reconhecidos por sua qualidade de ensino, como os colégios Bandeirantes, Oswald de Andrade e Santa Cruz – afirma que entre seus associados há estabelecimentos que trabalham com projetos interdisciplinares desde a década de 90 e que usam robótica desde 2009.

Estadão

 

Comentários (2) enviar comentário
  1. Guga disse:

    Os brasileiros que podem estão depositando em seus filhos a esperança de deixar esse inferno. Aliás, com pessoas de bem abandonando esse vale dá morte, só vai restar mesmo o pessoal que acha isso aqui o máximo, ou seja, prostitutas, bandidos e toda corja de degradados que iniciaram o povoamento do nosso território e são os verdadeiros donos dessas terras.

  2. Marcelo disse:

    É a crise!!!

Publicidade

Pós-graduação eleva salários

O mercado de trabalho está cada vez mais exigente e restritivo. Por isso, é bom estar preparado. Nos dias atuais, graduar-se já não basta. Há milhares de profissionais com o diploma debaixo do braço, mas sem um diferencial que o projete no mercado. Por isso, tornar-se um especialista, em qualquer área, é muito importante. E é aí que entra a pós-graduação.

E quanto à necessidade de uma pós-graduação convém ressaltar que um estudo da empresa Produtive, de 2015, apontou que profissionais com especialização foram contratados com salários 12,4% maiores, em relação a 2014. Por sua vez, profissionais com apenas a graduação foram contratados com um reajuste de 4,6% na remuneração.

Em Natal, o UNI-RN é, hoje, sem dúvida, a instituição particular de ensino superior com maior referencial teórico e prático em pós-graduação lato sensu. É a que melhor prepara seus alunos para o mercado de trabalho. E agora abriu quatro novos cursos em menos tempo, com apenas um ano de duração: MBA em Controladoria Financeira, MBA em Finanças Pessoais, MBA em Liderança e Desenvolvimento Organizacional e MBA em Marketing Digital.

Além de dispor de uma infraestrutura com salas e laboratórios modernos, almoço incluso, estacionamento privativo gratuito e aulas 100% presenciais, a instituição, que é a única no Estado a conquistar o IGC 4 do MEC pela sexta vez, possui uma estrutura ampla e moderna. O corpo docente da instituição também é altamente qualificado, com titulação de mestre e/ou doutor.

Muitos de seus ex-alunos, atualmente, estão muito bem colocados no mercado de trabalho. Só para ter ideia, uma pesquisa realizada em 2015 pela Consult comprovou um índice de empregabilidade de 83% entre seus egressos.

Atualmente, o UNI-RN oferece 51 cursos de pós-graduação lato sensu e MBA nas áreas de Gestão, Contabilidade, Direito, Engenharia, Informática, Saúde e Serviço Social. Se você está pensando em fazer a diferença na sua carreira, conheça mais sobre os cursos em: www.unirn.edu.br/pos

enviar comentário
Publicidade

MEC acaba com o Ciências sem Fronteiras

Michel Filho

O governo decidiu enterrar de vez uma das estrelas do governo Dilma na Educação, o Ciência sem Fronteiras, que pagava cursos de graduação para estudantes no exterior.

Mendonça Filho fez as contas e afirma que, com o montante gasto para mandar 30 mil estudantes para fora, seria possível pagar a merenda escolar para 40 milhões de alunos da educação básica.

Em 2015, o programa consumiu cerca de R$ 3,2 bilhões, enviando alunos principalmente para universidades americanas e europeias.

A avaliação do MEC é que o programa não trouxe resultados devido à deficiência em inglês dos brasileiros e à falta de diretrizes claras sobre que perfil de estudante deveria ser financiado.

As bolsas de pós-graduação permanecerão como eram antes.

 

Globo

Comentários (22) enviar comentário
  1. MB disse:

    Esse presidente de m……. vai acabar com tudo que conquistamos a duras penas e ninguém faz nada?

  2. Afonso disse:

    A farra acabou

  3. Carla disse:

    Rapaz… Conheço quem usou o programa, e digo q nao eh bem assim, creio q os criterios de avaliacao para seleção deveriam ser mais precisos e específicos. Burro eh quem nao aproveita a oportunidade de forma digna, se na minha epova eu tivesse essa oportunidade. Intercambio e enriquecimento de curriculo. Besta é quem nao faz uso correto.

  4. bate ferro disse:

    Muito bem. Nunca ouvi falar nada produtivo para a nação, desse tal turismo sem fronteiras. Fim da farra.

  5. Verdade Nua e Crua disse:

    Esse Governo de Temer/Aécio não tem fronteiras quando o objetivo é seguir os ensinamentos e sugestões de Alexandre Frota, o novo filósofo da Educação Brasileira.
    Vai se foder todo mundo!

  6. Pedro Victor disse:

    Parabéns ao pessoal que apoiou e continua apoiando o desmantelamento dá educação, saúde, serviços sociais e direitos trabalhistas. O Haiti vai ser aqui.

  7. Paulo Barros disse:

    Certíssimo. Só servia pra turismo.

  8. Edvaldo disse:

    E de bandido TAMBÉM, concordam.

  9. Edvaldo disse:

    Esse ministro tem cara de coxinha mesmo.

  10. Ricardo disse:

    Era um bom programa. Talvez fosse preciso alguns ajustes para acabar com essa fama que foi criada de Turismo Sem Fronteiras para alguns que viajaram e ao final não apresentaram nada de retorno ao País. Agora acabar por acabar e não dar chances a muitos das classes menos favorecidas que nunca terão esta condição de conhecer novas culturas e novos aprendizados é de uma mesquinharia gigante e a cara deste Governo Neoliberal atrasado que prefere não investir em educação. A classe média e as menos favorecidas que foram para as ruas de camisa da CBF estão tendo o troco muito mais rápido que eu esperava.

  11. araujo disse:

    sou totalmente favoravel em acabar. Nunca soube nada referente a retorno deste investimento.

  12. @@@ disse:

    Resta saber se os 40 milhões de crianças vão receber a merenda oriundas do recurso que não vai ser mais usados com o ciência sem fronteiras ou qualquer outro benefício na educação. #SoQueNao

  13. @brasil disse:

    Pense num meliante!!!!! E ainda tem gente que defende uns bandidos desses, DEMonios!!!

  14. Lorena disse:

    Menos um programa, para encher o bolso dos ladrões políticos, ciencias sem fronteira, city tur para a maioria

  15. Blue disse:

    O governo Temer acabando com tudo.

  16. Neto disse:

    Todo dia uma "boa" notícia. Tô sentindo falta é do "povo" nas ruas. O povo daqueles movimentos sociais, tipo MBL. Será que é porque pararam de receber o "toquinho"?

  17. Rafael disse:

    Como Direita Liberal, realmente é uma pena. Acredito que uma das poucas funções do Estado é estimular riqueza cultural. Apesar de muitos utilizarem a verba do CSF para curtir NightClubs e afins, diversas pessoas que nunca teriam condições de ter contato com a multiplicidade cultural e conhecer o que realmente é um mundo desenvolvido etc.

  18. o Havengar disse:

    É ai pessoal, é culpa do Lula novamente. Jesus disse nem so de pão viverá o homem…. Já no caso estudantil nem só de merenda vive o aluno, mas sim de todo o conhecimento que o ofecem.

  19. Rick disse:

    Acabaram com o Turismo Sem Fronteiras?

    • Juca disse:

      Nada contra o programa em si, todavia pela quantidade absurda de benesses sem nenhuma contrapartida, fica difícil não concordar com essa denominação de "Turismo".

      Nem obrigação de concluir o curso na volta existia. Muito menos a do relatório. Programa social de playboy, bolsas maiores que salários mínimos, com direito a city tour. Fora o fato de gente ir para o estrangeiro pagar disciplinas fáceis ou iniciais.
      Há quem o aproveitou para aprender e até fazer bons estágios. Mas a suma maioria só torrou grana do contribuinte. Fora o fato que a ampla maioria é de classe média que poderia ir turistar com sua própria grana.

  20. joao disse:

    #Foratemer ah, não, o negócio era tirar o PT… que raiva desses coxinhas

  21. EDER disse:

    PARA OS BANDIDOS ; EDUCAÇÃO NUNCA SERÁ PRIORIDADE!!!!!!

Publicidade

16% dos recursos cortados da Educação são de emendas parlamentares, diz MEC

Ministério da Educação afirmou, nesta sexta-feira (31), que 16,27% dos R$ 4,3 bilhões do orçamento da Educação bloqueados do governo federal são relativos a “emendas de bancada, de relator e de comissão”, que são definidas por parlamentares e autorizadas diretamente pela Presidência da República. Mais cedo, o Ministério da Planejamento havia divulgado detalhes sobre o corte de R$ 42,1 bilhões do orçamento federal, anunciado durante a semana.

Ao G1, o MEC afirmou que os cortes do orçamento direto da pasta são de R$ 3,6 bilhões. No total, sem considerar as emendas parlamentares, o orçamento total da área definido pela Lei Orçamentária Anual (LOA) era de cerca de R$ 139 bilhões para 2017. Com o contingenciamento anunciado nesta semana, o orçamento disponível para o ministério caiu para R$ 135,4 bilhões.

Em nota, o MEC afirmou que o orçamento executado em 2016 foi de R$ 131 bilhões, também sem contar as emendas.

O MEC afirmou que ainda não definiu quais áreas serão afetadas por esse bloqueio, e não tem prazo para fazer essa definição. “A equipe do MEC realizará os estudos necessários, a partir do valor global divulgado pelo governo federal, para definir onde haverá ajuste, de forma a minimizar ao máximo o impacto e garantir a continuidade e o bom andamento das políticas públicas da pasta”, disse a assessoria de imprensa do ministério, em nota.

Entenda o contingenciamento

Na quarta-feira (29), o governo federal anunciou medidas para conter um rombo de R$ 58,2 bilhões no orçamento aprovado para 2017. Esse buraco foi provocado, principalmente, pela queda na previsão de crescimento da economia brasileira neste ano. A peça orçamentária de 2017 foi elaborada levando em consideração a previsão de alta de 1,6% para o PIB. Na semana passada, porém, o governo a reduziu para 0,5%.

Uma das medidas foi o contingenciamento (bloqueio) de R$ 42,1 bilhões em gastos que estavam previstos. Na sexta-feira, o Ministério do Planejamento detalhou as áreas em que esse bloqueio será feito: R$ 4,3 bilhões na Educação, R$ 5,75 bilhões do Ministério da Defesa, R$ 4,17 bilhões do Ministério das Cidades, R$ 5,13 bilhões do Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, R$ 2,25 bilhões do Ministério da Desenvolvimento Social e Agrário e R$ 1,06 bilhão da verba da Presidência da República.

Além disso, foram anunciadas a relicitação de quatro hidrelétricas, para arrecadar R$ 10,1 bilhões, e a reoneração da folha de pagamento de diversos setores. Com essa medida, o governo espera obter receitas extras de R$ 4,8 bilhões. Outro anúncio foi o de aumentar a alíquota de IOF de cooperativas de crédito para o mesmo valor da alíquota cobrada pelos bancos, o que deve produzir receita extre de R$ 1,2 bilhão para o governo.

G1
enviar comentário
Publicidade

Prazo de validade do Cartão estudantil da meia-passagem vence nesta sexta-feira; não haverá prorrogação

Nesta sexta-feira (31) encerra a validade dos cartões estudantis que dão direito a meia-passagem referente ao ano de 2016, entrando em vigor os de 2017. A informação é da Prefeitura do Natal, por meio da Secretaria de Mobilidade Urbana (STTU). Com isso, os estudantes que não foram cadastrados pelas escolas no sistema do Portal do Estudante perderão o direito a colocar créditos da meia-passagem.

“Não haverá prorrogação, visto que as escolas já enviaram mais de 150 mil cadastros de estudantes para o banco de dados da STTU, representando mais da metade da média no ano – que é de 200 mil”, informa Clodoaldo Cabral, secretário adjunto de Transportes. De acordo com Cabral, este valor anual é atingido no decorrer dos meses. “Estudantes entram e saem do sistema durante todo ano, por isso chega a esse número”, ressaltou.

Segundo a STTU, não é necessário que o estudante que utiliza apenas NatalCard Estudante troque de cartão após o vencimento. “Ele é renovado automaticamente de forma gratuita assim que as escolas realizam o cadastro do aluno”, informa o secretário adjunto. Já para os que utilizam o Documento Nacional do Estudante emitido por qualquer entidade estudantil, que dá direito a eventos culturais e meia-passagem, a troca é necessária.

A STTU recomenda que o estudante verifique no site www.portaldoestudantenatal.com.br como está a situação cadastral e, caso ainda não esteja cadastrado, ele deve procurar a secretaria da instituição de ensino para providenciar a inclusão de seu nome no sistema, já que só as escolas podem adicionar ou remover os estudantes.

enviar comentário
Publicidade

Escola de Música da UFRN abre vagas para Curso de Violão Popular

A Escola de Música da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (EMUFRN) está com inscrições abertas até o dia 3 de abril para o curso de Violão Popular Aplicado ao Acompanhamento Vocal, destinado aos jovens a partir dos 15 anos.

A proposta do curso, ministrado pelo professor Daniel Freire, é fundamentada no ensino do violão popular com foco no seu uso como instrumento de acompanhamento para a voz. O curso tem duração de 16 semanas e o início das aulas está previsto para o dia 5 de abril.

No total são oferecidas 24 vagas, distribuídas na seguinte forma: Nível 1, 12 vagas, ministrado nas quartas-feiras, às 9h30, e Nível 2 com 12 vagas, também nas quartas-feiras, às 14h.

Os interessados devem realizar as inscrições na Secretaria de Extensão da EMUFRN, no horário de 8h às 12h e das 13h às 17h. O investimento é R$ 450 e o material didático custa 40. Mais informações pelo e-mail [email protected] ou por meio dos telefones (84) 9 9605-7661 (prof. Daniel Freire ) e 9 9193-6429.

Com informações da UFRN

enviar comentário
Publicidade

UFRN ajusta normas para revalidação de diplomas de graduação

O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe), da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), aprovou em reunião extraordinária na última terça-feira, 28, a Resolução nº 41/2017, que ajusta as normas para revalidação de diplomas de graduação obtidos no exterior às novas regras estabelecidas pelo Ministério da Educação (MEC).

Entre as inovações está a adesão à plataforma Carolina Bori, disponibilizada pelo MEC para facilitar a execução e o controle dos processos, que devem ser concluídos no prazo máximo de 180 dias. Já o fluxo de solicitações será contínuo, sem a necessidade de edital específico para revalidação de diplomas.

As normas seguem as previsões da Resolução nº 3/2016, da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação, e da Portaria Normativa nº 22/2016 do MEC. Ambas elencam os documentos que devem ser apresentados para revalidação, além dos exigidos pela UFRN.

Outras informações também estão disponíveis no Portal Carolina Bori, que reúne as informações para orientar e coordenar o processo de revalidação/reconhecimento de diplomas estrangeiros. Acesse em: www.carolinabori.mec.gov.br.

Com informações da UFRN

enviar comentário
Publicidade

Pós-graduação eleva salários

O mercado de trabalho está cada vez mais exigente e restritivo. Por isso, é bom estar preparado. Nos dias atuais, graduar-se já não basta. Há milhares de profissionais com o diploma debaixo do braço, mas sem um diferencial que o projete no mercado. Por isso, tornar-se um especialista, em qualquer área, é muito importante. E é aí que entra a pós-graduação.

E quanto à necessidade de uma pós graduação convém ressaltar que um estudo
da empresa Produtive, de 2015, apontou que profissionais com especialização foram contratados com salários 12,4% maiores, em relação a 2014. Por sua vez, profissionais com apenas a graduação foram contratados com um reajuste
de 4,6% na remuneração.

Em Natal, o UNI-RN é, hoje, sem dúvida, a instituição particular de ensino superior com maior referencial teórico e prático em pós-graduação lato sensu. É a que melhor prepara seus alunos para o mercado de trabalho. E agora abriu quatro novos cursos em menos tempo, com apenas um ano de
duração: MBA em Controladoria Financeira, MBA em Finanças Pessoais, MBA em
Liderança e Desenvolvimento Organizacional e MBA em Marketing Digital.

Além de dispor de uma infraestrutura com salas e laboratórios modernos, almoço incluso, estacionamento privativo gratuito e aulas 100% presenciais, a instituição, que é a única no Estado a conquistar o IGC 4 do MEC pela sexta vez, possui uma estrutura ampla e moderna. O corpo docente da
instituição também é altamente qualificado, com titulação de mestre e/ou doutor.

Muitos de seus ex-alunos, atualmente, estão muito bem colocados no mercado
de trabalho. Só para ter ideia, uma pesquisa realizada em 2015 pela Consult
comprovou um índice de empregabilidade de 83% entre seus egressos.

Atualmente, o UNI-RN oferece 51 cursos de pós-graduação lato sensu e MBA nas áreas de Gestão, Contabilidade, Direito, Engenharia, Informática, Saúde e Serviço Social. Se você está pensando em fazer a diferença na sua carreira, conheça mais sobre os cursos em: www.unirn.edu.br/pos

enviar comentário
Publicidade

Professor brasileiro ganha o mais importante prêmio científico do Canadá

O professor da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Cesar Victora, de 65 anos, está entre os sete cientistas que receberam nesta terça-feira, 28, a mais importante premiação científica do Canadá, o Prêmio Gairdner. Ganhadores desse título são considerados como potenciais candidatos à indicação para o Prêmio Nobel.

Foto: Gustavo Louzada/Abrasco. Cesar Victora, de 65 anos, é professor da Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Victora recebeu o prêmio na categoria Saúde Global, concedido àqueles que, com seus achados em pesquisas, contribuem de forma positiva para a saúde de países em desenvolvimento.

O título foi concedido a Victora em reconhecimento ao conjunto de estudos sobre amamentação e nutrição materno-infantil. O pesquisador brasileiro liderou uma pesquisa, iniciada na década de 1980, considerada um divisor de águas na área de alimentação infantil.

O trabalho foi o primeiro a mostrar que a amamentação exclusiva (sem oferta de águas ou chás para bebês) ajudava a reduzir a morte dos bebês no primeiro período da vida. De acordo com estudo, o aleitamento exclusivo até seis meses reduzia em 14 vezes o risco de morte por diarreia e em 3,6 vezes o risco de morte infantil por doenças respiratórias.

A pesquisa, que mais tarde foi reaplicada em outros países, alterou totalmente a recomendação da alimentação infantil. A Organização Mundial da Saúde (OMS) passou a indicar que bebês nos primeiros meses de vida se alimentassem exclusivamente com leite materno.

Victora também liderou em 2006 um consórcio internacional que reuniu dados de 11 mil crianças, acompanhadas desde o nascimento até a vida adulta. O trabalho mostrou a importância dos primeiros mil dias na vida da criança: desde o útero até o 2º ano de vida.

A partir da análise, pesquisadores criaram o conceito de “janela de oportunidades”, indicando que as intervenções nessa fase são prioritárias. O professor também liderou estudos que indicaram, pela primeira vez, que a amamentação não está apenas relacionada à redução de mortalidade, mas à inteligência.

De acordo com o trabalho, crianças amamentadas até 2 anos apresentam maiores níveis de inteligência, escolaridade e renda. O anúncio da premiação foi realizado em uma cerimônia em Toronto, no Canadá.

Estadão

enviar comentário
Publicidade