Publicidade

Felipão planeja disputar mais uma Copa, mas agora por uma seleção da Ásia

Luiz Felipe Scolari planeja seguir por mais dois anos, pelo menos, na China (Foto: Reprodução Sina.com)

Aos 68 anos, Luiz Felipe Scolari ainda tem muitos planos nos futebol. A Seleção e o futebol brasileiro estão fora deles, mas o treinador do Guangzhou Evergrande ainda quer ficar mais dois anos na China e cogita depois voltar a disputar uma Copa do Mundo, só que por outro país. Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, o técnico, que esteve nos Mundiais de 2002 e 2010 com o Brasil e 2006 com Portugal, mostrou que ainda tem motivação no futebol.

– Quem sabe eu ainda vá para outra Copa. Escreve o que estou te dizendo hoje – disse Felipão, de folga no Brasil durante a paralisação do Campeonato Chinês para a rodada das eliminatórias.

Questionado sobre a possibilidade de comandar a seleção chinesa, comandada atualmente pelo campeão mundial com a Itália Marcelo Lippi, Felipão disse que seu plano é assumir uma equipe da Ásia, mas não a China.

– Não, não é a China. A China está com o Marcelo Lippi e tem dificuldades enormes para classificar para 2018. Se ele conseguir ajeitar o time, ainda vai brigar por um terceiro lugar para tentar passar, e tomara que aconteça, porque seria um grande passo para o futebol chinês. Eu ainda tenho uma possibilidade, sim, de voltar a uma Copa. Não por uma seleção da América do Sul, mas da Ásia. Pode ser na Rússia, mas também para 2022.

A China de Lippi tem apenas cinco pontos conquistados em seis rodadas na fase final e tem cinco a menos que a Coreia do Sul, que ocupa a segunda colocação do Grupo 1. E, perguntado sobre a possibilidade de uma volta ao futebol brasileiro, descartou essa hipótese e revelou que teve propostas da Europa.

– Tenho até outro tipo de proposta, de um clube grande da Europa para a próxima temporada. Tenho também proposta para dirigir equipe como manager na Europa. Voltar para ser técnico no Brasil eu não quero. Vou ficar mais meio ano na China, e depois provavelmente vou ficar mais um ano, renovando o contrato. Quero ficar no mínimo mais dois anos na China, e depois vou pensar no que fazer.

Em seguida, Felipão, que revelou ter chorado após derrota por 7 a 1 para a Alemanha, não escondeu a decepção com o futebol brasileiro.

– Agora que eu estou no Brasil, escreveram que eu vim porque estou saindo de lá, que estou me aposentando, que estou doente… O presidente do clube me mandou mensagens, ficou preocupado. Não tem nada disso. Tenho família, filhos, por isso viajei para cá. Agora, pelo que eu iria brigar aqui no Brasil como treinador? O que acrescentaria ao meu currículo? Confusão na minha vida. As pessoas aqui confundem situações de campeonatos, de jogos e acontecimentos. Mesmo que fôssemos campeões, apagaria o que aconteceu na Copa de 2014? Não. As pessoas se lembrariam da Copa de 2002? Não. Tem canal de televisão que diz que os grandes campeões foram 1970 e 1994. Para eles, 2002 não existe. Fica uma situação que não quero mais viver. Há meio ano atrás, recebi o convite de uma das maiores equipes de futebol do Brasil para ser manager. Mas disse que não.

Por fim, disse que não teria feito nada diferente antes daquele fatídico jogo no Mineirão que tirou a Seleção da briga pelo hexa no Brasil.

– Não tenho muito o que justificar. Perdemos algumas bolas ali que… Hoje você olha o contexto do futebol mundial e o jogador tal que fez um gol de fora da área com o pé esquerdo nem chuta com o pé esquerdo. Aquele dia ele acertou. Além do mais, se tirarmos o Neymar e o Thiago [Silva] da equipe do Brasil, vão fazer falta. Podem querer crucificar o Thiago pela derrota para o Barcelona, mas não tem zagueiro melhor. Naquele dia, fizeram falta. E deu tudo errado. Não faria nada diferente. Quando eu me comunicava com meus auxiliares, Murtosa, Parreira, e quando tínhamos a oportunidade de falar com pessoas que já jogaram futebol e que hoje são comentaristas, nós tivemos completo apoio de um, dois, três, sobre a forma de jogar. Depois, nenhum [comentarista] se manifestou.

Comentários (2) enviar comentário
  1. Val Lima disse:

    Que fique por lá….

  2. Curioso disse:

    Ainda bem que Felipão 7×1 não é mais técnico do Brasil.

Publicidade

Massa celebra top 6 na Austrália: “nada mau para um velho”

Massa celebra top 6 na Austrália: “nada mau para um velho”

O reinício de Felipe Massa na Fórmula 1 foi bastante satisfatório. O piloto brasileiro passou o francês Romain Grosjean da Haas na largada para pular de sétimo para sexto no início e jamais foi atacado por ninguém nas 57 voltas do GP da Austrália deste domingo (26).

Após a prova, de certo modo solitária, o piloto celebrou o resultado.

“Nada mau para um velho”, brincou Massa em entrevista à TV inglesa Sky Sports F1.

“Foi uma boa corrida hoje. Nós sabíamos que Ferrari, Mercedes e Red Bull tinham carros melhores que o nosso. Para batê-los precisávamos de sorte, algo que tivemos com Daniel (Ricciardo). Mas me sinto mal por ele, por ter tido todos esses problemas em sua corrida de casa.”

“Mas foi assim que foi, e estou feliz de ter tido uma posição a mais. Passamos Grosjean na largada e conseguimos mais alguns pontos. Depois disso, diria que corri sozinho. Consegui um ritmo consistente. Estou feliz com o resultado para ser honesto.”

“Não é possível lutar com essas três equipes da frente. O único carro com quem lutei foi Grosjean – que não sei de onde tirou aquela volta na classificação. Estou confiante de que poderemos lutar com esses caras do meio do grid.”

Falando sobre a nova dinâmica das provas, Massa disse que será mais difícil disputar posições neste ano. “É muito difícil de ultrapassar. Só passei na largada. Para os pilotos é divertido, porque guiar é muito legal. Mas passar ficou mais complicado.”

 

MotorSport

Comentários (3) enviar comentário
  1. Arnaldo Lopes disse:

    Tá longe dos grandes dessa categoria.. se aposenta e volta?

  2. Silva disse:

    Chamar de velho é de mais.

  3. Frasqueirino disse:

    Esse Felipe Massa não passa de um torcedor aposentado.

Publicidade

Mesmo sendo ilegal, parentes de políticos fizeram repatriação

Mesmo sem ser permitido, cerca de cem parentes de políticos fizeram repatriação de recursos. Carlos Jereissatti, irmão do senador Tasso, foi um deles. Usou um mandado de segurança.

 

Veja

Comentários (6) enviar comentário
  1. paulo martins disse:

    Vixi! E foi a Veja 'gópista' que disse isso?

  2. Jean disse:

    E as panelas, agora com fundo de veludo, nem se manifestaram…
    E ainda tem gente que jura de pé junto que a luta era contra a Corrupção.
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    • Ceará Mundão disse:

      As panelas eram contra os descalabros dos governos petistas. O objetivo principal, portanto, já foi atingido. A Lava Jato continua combatendo a corrupção, com a atuação das instituições competentes prá isso. Ou seja, não há, por enquanto, motivos prá uma mobilização maciça das pessoas de bem do nosso Brasil. O momento é de vigilância e de torcida pela punição dos bandidos e prá que o país saia do atoleiro a que o PT nos trouxe.

    • Impertinente disse:

      Me segurem!!!
      Não estou lendo o que estou lendo…
      Como assim, "Não há motivos pra uma mobilização maciça das pessoas de bem do nosso Brasil."
      KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      Isso é alguma piada?

    • Ceará Mundão disse:

      Se a corrupção dos petista e dos seus aliados, principal bandeira motivadora das manifestações das "panelas", continua sendo investigada e combatida pela PF, MPF e Justiça, não há motivos, no momento. Caso prosperem as tentativas do PT (e de seus antigos aliados do PMDB) de "melar" a Lava Jato, teremos motivo pro retorno das manifestações dos brasileiros de bem. Os petistas não se incluem nesses "brasileiros de bem", claro. Estão exatamente no lado oposto e só "berram" em defesa dos seus "bandidos de estimação" e das suas "boquinhas" perdidas ou em vias de sê-lo.

  3. Blue disse:

    É sequestrar os valores repatriados, q pertencem ao país.

Publicidade

Mercedes? Que nada, Ferrari acerta na estratégia e Vettel vence o GP da Austrália

A Fórmula 1 voltou. Com ela, novos carros, novas regras e um novo vencedor. Contrariando as expectativas de quem dava como certa uma vitória da Mercedes, Sebastian Vettel roubou a cena e, impecável, triunfou no GP da Austrália, a primeira corrida da temporada 2017 de F1. Ao pole Lewis Hamilton coube o papel de coadjuvante, com o segundo lugar, seguido pelo companheiro de equipe, Valtteri Bottas, em terceiro. Felipe Massa, que largou em sétimo, superou Romain Grosjean na largada, pulou para sexta colocação e manteve a posição até o final da prova.

Com o resultado, o tetracampeão conquista sua 43ª vitória na carreira, sendo a quarta pela Ferrari. O alemão não subia ao lugar mais alto do pódio desde o GP de Cingapura de 2015.

 

Globo Esporte

enviar comentário
Publicidade

Massa comemora treino, mas queria um pouco mais: “O sexto seria perfeito”

Massa comemora treino, mas queria um pouco mais:

Chegar nas Mercedes e nas Ferraris era praticamente impossível para Felipe Massa. Os carros da RBR também eram superiores, mas como Daniel Riccardo bateu e ficou sem tempo no Q3, o brasileiro tinha como grande objetivo largar na sexta posição no GP da Austrália, primeira etapa da temporada. Massa fechou em sétimo lugar com 1m24s443, atrás de Romain Grosjean, 1m24s074, da Haas.

– Achei que foi um bom resultado no final. Resultado perfeito seria o sexto lugar, mas estamos prontos para a batalha amanhã, tudo pode acontecer. Foi uma boa classificação. Estou feliz com meu treino e as voltas que eu dei. É a primeira classificação da temporada e a primeira vez que usei os pneus ultra macios, depois de perder algumas voltas ontem (Sexta). Sexto era uma boa posição para hoje, mas eu penso que Romain (Grosejan) fez uma boa volta, que eu não conseguiria bater. Como falei, acho que posso lugar na corrida e estou focado em fazer uma boa primeira corrida no ano – disse o brasileiro.

Seu companheiro de equipe, Lance Stroll, bateu o carro no treino livre, e não fez um bom treino classificatório. O estreante terminou em 19º com 1m27s143.

Felipe Massa chegou a anunciar a aposentadoria no fim do ano passado, quando encerrou seu vínculo com a Williams, equipe que pilotou por três temporadas. Mas, foi chamado para seguir no time após Bottas ser contratado pela Mercedes. O brasileiro chegou na Fórmula-1 em 2002, na Sauber, não correu no ano de 2003, e ficou na equipe suíça nas temporadas de 2004 e 2005. Entre 2006 e 2013 permaneceu na Ferrari, equipe na qual ganhou onze corridas.

enviar comentário
Publicidade

Rodada do Campeonato Potiguar deste fim de semana promete fortes emoções; veja jogos e classificação

Reprodução: FNF

Quarta rodada da Copa RN, equivalente ao segundo turno do Campeonato Potiguar, poderá deixar o ABC próximo dos líderes, e será decisão para o América, que precisa vencer os jogos restantes para tentar uma vaga improvável na final.

Vale lembrar que o ABC está com dois jogos a menos na competição, em decorrência de partidas pela Copa do Brasil, enquanto o alvirrubro, em situação muito delicada, corre o risco de até mesmo ficar sem série em 2018, caso não chegue a final do Estadual e não consiga o acesso do Campeonato Brasileiro da Série D para a C neste ano.

O “tiro curto” do Estadual, com sete rodadas em cada turno, obriga ABC e América a disputar as últimas rodadas no limite. O alvinegro necessita pontuar e chegar a final do turno para garantir vagas nas Copas do Brasil e do Nordeste em 2018.

enviar comentário
Publicidade

CBF dá mais poder a federações e Del Nero pode ficar até 2027

O novo estatuto da CBF, aprovado nesta quinta-feira, permite a Marco Polo Del Nero ficar na presidência da entidade por mais dez anos. De acordo com o estatuto, o presidente pode ser reeleito uma vez – mas as regras só passam a valer a partir da próxima eleição.

Ou seja: Marco Polo Del Nero pode se candidatar a presidente em 2019 (quando termina seu atual mandato) e tentar a reeleição em 2023. Em 2027, Del Nero não poderia tentar a reeleição.

Outra mudança no estatuto é o aumento do poder eleitoral das federações estaduais. O colégio eleitoral da entidade é formado pelas 27 federações, os 20 clubes da Série A e os 20 clubes da Série B.

Para driblar a maioria dos clubes, a CBF estabeleceu que os votos das federações estaduais terão peso 3, os votos dos clubes das Séries A terão peso 2. E os clubes da Série B terão peso 1. Na prática, se as 27 federações estaduais votarem no mesmo candidato, elas terão 81 votos. Se os clubes se unirem, terão 60 votos.

Walter Feldman, secretário-geral da CBF, afirmou ao blog que a nova fórmula torna as eleições “mais democráticas”.

– O Brasil tem 1.117 clubes, 700 deles profissionais. E eles são representados pelas federações. Dar mais peso para os clubes das Séries A e B seria um passo na direção da elitização – disse o cartola.

Os clubes são participam das “assembleias-gerais eleitorais”. As reuniões como a desta quinta-feira são as “assembleias-gerais administrativas” e delas só participam as federações estaduais.

Globo Esporte via Bastidores F.C.

enviar comentário
Publicidade

Marcelo Odebrecht diz que Itaquerão foi ‘pepino’ e que era ‘mendigo’

Foto: Rodrigo Félix Leal – 1º.set.2015/Futura Press/Folhapress

Em depoimento para a Justiça Eleitoral, o ex-presidente e herdeiro do grupo Odebrecht, Marcelo Odebrecht, usou o exemplo da construção da Arena Corinthians para dizer que tinha uma relação de “mendigo” com o governo federal.

O empresário, que está preso desde junho de 2015 por causa da Operação Lava Jato, relatou que a empreiteira não tinha interesse em entrar no negócio e só realizou as obras para atender pedidos.

Ele ainda afirmou que o projeto inicial do Itaquerão custaria R$ 200 milhões – ao final, o preço ficou em R$ 985 milhões, sem considerar juros dos empréstimos feitos.

Marcelo também disse que entrou a contragosto no projeto da Vila dos Atletas, que abrigou delegações esportivas durante a Olimpíada no Rio, em 2016.

“A gente não queria entrar na Vila dos Atletas. Era um pepinaço! Não queria entrar na Copa. Não queria entrar em estádio”, declarou o empresário ao ministro Herman Benjamin, relator da ação que corre no no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e pede a cassação da chapa Dilma Rousseff-Michel Temer, na eleição de 2014.

“A gente só entrou na Arena Corinthians porque o governo tinha prometido financiamento para a realização da Copa do Mundo; aí depois não dão. Aí, eu passo uma grande parte do tempo lutando para conseguir o que eles tinham prometido para a gente entrar”, reclamou Marcelo.

E emendou: “Eu era um mendigo, porque eu ia lá [governo] para pedir coisas, na verdade, que eu só entrei porque eles tinham prometido”.

O ex-presidente do grupo baiano afirmou ainda que eventos como a Copa e a Olimpíada não teriam acontecido sem a Odebrecht.

“Sem a Odebrecht, não ia ter Copa, não ia ter Olimpíada. Não ia ter nada”.

Outra queixa do ex-executivo é que, quase três anos após a realização da Copa, o Corinthians ainda não pagou o que deve à empreiteira.

“Moral da história: eu fiz uma coisa que não interessava para a gente. Hoje, estou com um pepino, porque a gente tem uma garantia com a Caixa Econômica Federal] e o Corinthians não paga a gente”.

Na audiência, o empresário ainda detalhou como foram as primeiras conversas com políticos para que a empresa assumisse a obra. A reunião foi realizada depois que o estádio do São Paulo, o Morumbi, ficou fora do Mundial.

“Aí tem uma reunião lá e tudo bem, então, vamos fazer o seguinte: vamos transformar o estádio do Corinthians no estádio da abertura da Copa do Mundo. Aí eu tenho um jantar lá em casa com o [governado] Alckmin, o [na época prefeito de São Paulo] Kassab, o Luciano Coutinho [então presidente do BNDES], (ininteligível), todo mundo promete fazer a sua parte! E a besta da Odebrecht:’tá bom, então a gente constrói’. No final, todo mundo foge. Aí eu fico pedindo… aí não tem financiamento, nós construímos tudo com dinheiro próprio. E eu tenho horas de reunião com o ministro da Fazenda para pedir coisas que eu só entrei por pedido deles”, afirmou.

ESTRUTURAS PROVISÓRIAS

Entre as reclamações sobre a construção da Arena Corinthians, Marcelo Odebrecht destacou os R$ 100 milhões gastos em estruturas provisórias.

“Só um exemplo claro: aí, o Corinthians lá assume uma responsabilidade de R$ 100 milhões para estruturas provisórias para a Copa. Aí, o Corinthians “não tenho dinheiro”. Aí a prefeitura diz que vai pagar e não tem dinheiro. A Copa é daqui a noventa dias; ninguém cuidou das estruturas… eu estou na minha. Não é responsabilidade nossa. ‘Aí, não, mas a Odebrecht tem que resolver’. Pô, como é que eu vou resolver?”.

E finaliza: “Olha como a gente mete os pés pelas mãos. A gente não tem nada a ver com as estruturas provisórias e eu vou lá e digo: tá bom, então a gente financia e faz a estrutura, tanto é que terminou, desde que a Caixa refinancie a gente”.

O empresário disse ainda que “não era o dono do governo”, mas o “bobo da corte do governo”.

Folha de São Paulo

Comentários (4) enviar comentário
  1. Fato disse:

    Taí o time do "povo", orgulhosos de um estádio com dinheiro público, construído à mando do 9 dedos SÓ POR QUE ele torce pra esse lixo.

  2. Assisportomirin disse:

    o pepino já entrou no c do povo faz tempo

  3. Luiz Moreira disse:

    É a (já) Era Lula! Mas os prejuízos ficam por muito tempo!

  4. Paulo Cardoso disse:

    Que a copa do mundo serviu de propinoduto, foi desde sempre evidente, agora com as provas sobre a mesa deveria ser também evidente a condenação dos culpados se não for pedir muito mesmo no brasil

Publicidade

JOGÃO DO BRASIL: ‘Foi mais do que imaginava’, diz Tite sobre a goleada no Centenário

Brazil's Paulinho strike the ball to score against Uruguay during a 2018 World Cup qualifying soccer match in Montevideo, Uruguay, Thursday, March. 23, 2017. (AP Photo/Matilde Campodonico) ORG XMIT: TSX101
FOTO – Matilde Campodonico

 

O técnico Tite não escondeu a surpresa com a goleada contra os uruguaios em pleno Estádio Centenário.

De virada, o time venceu por 4 a 1, nesta quinta (23), em Montevidéu pelas eliminatórias sul-americanas para a Copa da Rússia, em 2018. Paulinho fez três gols. Já Neymar fez o outro.

“Foi mais do que imaginava. Fiquei muito feliz pelo nosso desempenho durante os 90 minutos. Gostei da capacidade que tivemos de absorver o gol e manter a proposta de jogar na adversidade”, afirmou o treinador. Foi a oitava vitória seguida de Tite no cargo.

“A seleção ainda tem muito a crescer. Vou ficar sempre desafiando e colocando fogo”, acrescentou.

O Brasil soma agora 30 pontos e praticamente garantiu a classificação para a Copa do Mundo.

“Não vi os resultados até agora. Quero só falar da grandeza do jogo. Falar da recuperação do Marcelo [que falhou no gol adversário]. O fator mais marcante foi o nosso desempenho”, afirmou o treinador, se recusando a comentar sobre a classificação antecipada.

“A vitória foi histórica, mas não pelo placar. Ganhar aqui no Uruguai é difícil. Eles são muito competitivos”, completou.

A goleada foi apenas a quarta vitória do Brasil no Centenário. Os adversários já ganharam oito vezes e empataram dez.

Na terça (28), a seleção enfrenta o Paraguai, no Itaquerão. Daniel Alves está fora da partida. Ele terá que cumprir suspensão após receber nesta quinta o segundo cartão no torneio. Fagner será titular no próximo jogo.

Nesta sexta, Tite vai anunciar o substituto de Daniel Alves.

enviar comentário
Publicidade
Publicidade

VÍDEO: Torcidas organizadas do ABC e CSA/AL entram em confronto antes de partida

Torcidas Organizadas do ABC e do CSA entraram em confronto na noite desta quarta, 22, antes da partida entre os times pela Copa do Nordeste.

O jogo está sendo realizado no estádio Frasqueirão.

 

VÍDEO: Marcos Lopes

Comentários (10) enviar comentário
  1. joao disse:

    ainda existe esse negocio de encontro de torcidas??kkkkk, ai dento

  2. Marcelo disse:

    Pela maioria dos comentários se tem a ideia da qualidade dos torcedores, pois é essa "qualidade" que tira o verdadeiro torcedor de campo, independente do time, independente do campeonato que ele participa. É por essas e outras que evito ao máximo em ir ao frasqueirão ou qualquer outro estádio e só vou mesmo para atender o pedido dos filhos.

  3. BarbyBarby disse:

    Vagabundos

  4. BarbyBarby disse:

    Cacete nesses vagabundos

  5. Time da elite disse:

    Mundiça é mundiça!!! Kkkkkkkkkkkkkk

  6. Manoel Lucas disse:

    Dois times de quinta categoria brigando ??? Kkkkkk

  7. Fonseca disse:

    Absurdo,tem como isso melhorar não,entra ano ,sai ano e nada muda

Publicidade

INVASÃO CUSTOU CARO: TJD pune América-RN com perda de mando de campo e multa

Reprodução

O Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol do Rio Grande do Norte condenou o América-RN à perda de um mando de campo,(revertida em jogo com portões fechados) e ao pagamento de uma multa de R$ 3 mil, por conta da invasão de um grupo de torcedores após o jogo contra o Santa Cruz de Natal, válido pela primeiro rodada do returno do Campeonato Potiguar, no dia 8 de março, na Arena das Dunas.

Comentários (4) enviar comentário
  1. Frasqueirino disse:

    Só vão cumprir no próximo ano. Falta a publicação do acórdão, depois o clube entra com efeito suspensivo e o campeonato termina.

  2. Maria Costa disse:

    Tá o que deu. Por causa de uns torcedores babacas, que não devem ser chamados de torcedores e sim de arruaçeiros e vândalos, o seu clube é quem vai pagar. O América já tá ruim, quase fora do campeonato potiguar, na série D, correndo o risco de ficar sem série, e agora mais essa, por causa de quatro gatos pingados, que ao invés de ajudar o seu time, faz é prejudicar. Sou abecedista de coração, mas não acho justo um clube pagar por causa dos torcedores babacas. Quem deveria pagar era os arruaçeiros. Piorou a situação do Mequinha.

  3. @brasil disse:

    Eu quero ver é se esse TJD tem moral é que essa dívida seja quitada em 15 dias…

  4. JOAO MARIA disse:

    Com este timeco que montaram, tanto faz jogar dentro ou fora de casa, apanha do mesmo jeito

Publicidade