Publicidade

Bolo de chocolate e pudim ajudam a emagrecer, aponta estudo

Foto: Reprodução

Fazer dieta para você é cortar seus doces preferidos? Um estudo da Universidade de Tel Aviv pode ajudar a contornar este problema. Segundo a análise, comer pedaços de pudim ou bolo no café da manhã é uma estratégia saudável aos regimes, porque no começo do dia o metabolismo está preparado para processar quantidades maiores de caloria, e satisfazer o desejo de doces evita que se crie um vício nos alimentos proibidos, a longo prazo.

O estudo foi realizado com 193 pessoas, divididas em dois grupos: os que podiam comer sobremesas no café da manhã, e outro que tinha um limite de 300 calorias para a refeição. Ao longo de 32 semanas, os que mais se alimentavam no período matutino perderam mais peso do que os outros, porque não deixaram de comer o que gostavam. O segundo grupo, apesar de ter perdido peso, recuperou-o após voltar a comer os alimentos que tinham sido proibidos. Vale rever a dieta, não?

(Via Daily Mail e Estadão

enviar comentário
Publicidade

Facebook quer impedir sanduicheria de Natal de funcionar com o nome Faceburg

A marca que gerou a polêmica com o Facebook.

 

Uma nova sanduicheria em Natal, que vai atender pedidos também via redes sociais, acaba de ser inaugurada na avenida Afonso Pena e parece que já está incomodando nada menos que o Facebook, o gigante da internet de Palo Alto, Califórnia, EUA.

O Facebook, um colosso de quase um bilhão de usuários, que tem mais de 3 mil funcionários e em breve estará captando na Bolsa de Valores 5 bilhões de dólares, já comunicou aos proprietários da Faceburg  (que tem 115 metros quadrados e 7 funcionários) que vai PROCESSAR (isso mesmo, processar!) a sanduicheria natalense e impedir o seu funcionamento, alegando que a palavra “FACE” faz parte do nome da empresa.

É como se em todo o planeta ninguém mais no planeta pudesse usar a palavra FACE. Muitos na rede já se perguntam: essa palavra por acaso agora pertence ao Facebook?

Mas o que seria apenas um ato de prepotência e arrogância já está virando um hit na internet. Já estão surgindo na rede mundial listas solidárias à sanduicheria e um vídeo foi criado:

Já existe até um grupo no próprio Facebook para protestar contra a medida:  https://www.facebook.com/groups/eucurtofaceburg

Indiferente a isso, a sanduicheria Faceburg abriu suas portas e já está funcionando na avenida Afonso Pena, quase esquina com a rua Trairi, em Petrópolis.

 

Comentários (10) enviar comentário
  1. Magnogledes disse:

    O sol nasceu para todos!!!!!!  Só permanece quem tem competência. Vamos ver em que vai dar tudo isto.

  2. Antonioni de Araújo Rocha disse:

    Imagine se a Microsoft resolvesse processar  todas as empresas que contém o trecho "micro" no seu nome…

  3. […] Facebook quer impedir sanduicheria de Natal de funcionar com o nome Faceburg […]

  4. poliana disse:

    Hamram.. e contra o faceburg localizado em Brooklyn, em NY, nao foi feito nada.. http://www.facebook.com/faceburg?sk=wall .. Vcs querem eu que acredite realmente que foi enviado uma notificação pelo Facebook pra uma sanduicheria em Natal/RN/Brasil? 

  5. Acácio disse:

    Mas está bem claro que eles estão se aproveitando da marca do Facebook. Mais que certo o processo

  6. Francisco disse:

    FAKE!

  7. Joan Pedro , disse:

    tem muito empresa que leva o nome '' face '' .. acho que o facebook tem que se importar com outra coisa.

  8. EU.. acho que a questão foi mais a LOGOMARCA que está todinha a do facebook, mas fora isso, apoio a sanduicheira.

  9. Bruno disse:

    Já vi também em petrópolis um salão de nome Facelook

  10. Ecavalcanti disse:

    Isso é golpe de marketing do Bg e do Faceburg

Publicidade

Peixes Atum, Cavala, Espada e Merlins estão em extinção

O Estado de S. Paulo

Pela primeira vez na história, todas as espécies de peixes da família dos escombrídeos – como atuns, cavalas e bonitos, bastante utilizados na alimentação humana – e os bicudos, como peixes-espada e merlins, entraram para a lista de animais ameaçados de extinção da União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês).

Das 61 espécies conhecidas, 7 foram classificadas na categoria de ‘ameaçadas’, sob sério risco de serem extintas. Quatro entraram na categoria de ‘quase ameaçadas’ e o restante, na classe de ‘menor risco de extinção’.

Os resultados do estudo, que será publicado hoje na revista científica Science, mostram que a situação é pior para as espécies de atum. Cinco das oito espécies de atum foram enquadradas na categoria de ameaçadas ou quase ameaçadas de extinção. Entre eles, o atum-azul (Thunnus thynnus), comumente utilizado na culinária, que está sob risco de desaparecer dos oceanos.

“É a primeira vez que pesquisadores, ictiologistas (especialistas em peixes) e conservacionistas se unem para produzir uma análise da situação das espécies de peixes mais utilizadas comercialmente”, afirma Bruce B. Collette, pesquisador da IUCN e principal autor do estudo.

Segundo ele, os resultados da pesquisa serão de inestimável valor para ajudar os governantes a criar políticas públicas de conservação das espécies. A principal ameaça às espécies é a sobrepesca e a falta de engajamento de governos na proteção dos animais. Muitas das espécies de atum, por exemplo, são exploradas por companhias multinacionais cuja regulação é difícil. As populações de atum-azul estão caindo desde a década de 1970.

ANDREA VIALLI e ANNA RUTH DANTAS, ESPECIAL PARA O ESTADO

enviar comentário
Publicidade