Publicidade

Juiz federal manda soltar os três últimos presos temporários da Operação Carne Fraca

Os três presos da Operação Carne Fraca que tiveram a prisão temporária prorrogada foram libertados na tarde deste domingo (26). Rafael Nojiri Gonçalves, Antônio Garcez da Luz e Brandízio Dario Júnior estavam presos havia 10 dias na carceragem da Polícia Federal (PF), em Curitiba.

O juiz federal Marcos Josegrei da Silva determinou, no sábado (25), a soltura dos três. Josegrei e a PF argumentaram a libertação do trio dizendo que “as diligências preliminares que justificavam a medida de prisão temporária dos investigados estão cessadas”.

Os outros oito presos temporários, que também estavam na carceragem da PF em Curitiba, foram libertados na quarta-feira (22). Sidiomar de Campos, Celso Dittert De Camargo, Alice Nojiri Gonçalves e Luiz Alberto Patzer saíram por volta da 1h30.

 

G1

enviar comentário
Publicidade
Publicidade

Procuradoria-Geral do MP/RN divulga imagens de documentos entregues de servidor antes de iniciar os disparos

A Procuradoria-Geral de Justiça do Ministério Público do RN, por meio de sua assessoria de imprensa, divulga imagens dos documentos entregues pelo servidor GUILHERME WANDERLEY LOPES DA SILVA, instantes antes de iniciar os disparos contra o Procurador-Geral de Justiça Rinaldo Reis,

O Procurador-Geral de Justiça Adjunto Jovino Pereira Sobrinho, e o Coordenador Jurídico Wendell Beetoven Agra na manhã de ontem.

Veja abaixo:

Comentários (16) enviar comentário
  1. Alguém disse:

    Estranho, tem partes faltando, o que será que está sendo escondido?

  2. val disse:

    Que sirva de lição…… Tem muita gente que precisa saber lidar com o próximo…

  3. val disse:

    Esse rapaz é uma pessoa exemplar! Um bom colega, um bom pai, um amigo incomparável….. Ninguém sabe o que houve na mente dele….. Todos nós somos loucos!!!!!

  4. Hoje disse:

    Por que tem partes faltando???
    Estranho…

  5. Isabel Ribeiro disse:

    Meu Deus! Quanta insanidade. Que mente perturbada. Tudo por motivações financeiras. Cargo comissionado reduzido de valor ou ser exonerado do mesmo (e nem o foi na gestão de Rinaldo). Realmente, se ele fosse do TJ já teria havido crime lá. E certamente em varios outros órgãos…empresas…etc. Que loucura. Sendo servidor efetivo deveria ter denunciado ao CNMP, por exemplo. O máximo que lhe poderia ocorrer era perder o cargo comissionado… Mas pelo jeito este ele não queria perder. Parecem palavras de um membro do Estado islâmico.

  6. Paulo disse:

    A leitura detida do texto evidencia, apesar de tentar se disfarçar em voz de servidores oprimidos, que se trata de defesa de interesses egoísticos. Na qualidade de Assessor de Procurador de Justiça, desagradou-se com as medidas de austeridade (necessárias) tomadas pela gestão de Rinaldo, em especial, a extinção das diferenças entre a retribuição dos Assessores de segundo e primeiro grau e redução de quadros.
    Ps. O Bandido é servidor efetivo, assessor (até ontem) de Procurador, seu concunhado.

    • Hoje disse:

      Assédio moral pode ou não ser levado a cabo por meio de medidas financeiras. Não apoio o que ele fez, sou radicalmente contra a violência, mas o rapaz surtou diante de DIVERSOS casos de assédio moral e não só contra Assessores, tenha certeza.

  7. O havengar disse:

    Graças a Deus que o "suspeito" atira ruim.

  8. Cláudio Santana disse:

    Nas gestões anteriores não existia esse clima tenso no MP. Há de serem repensadas as práticas dessa instituição. Uma autoanálise cairia bem. Mas nada, absolutamente nada, justifica a atitude.

  9. soraia disse:

    Imagina se esse rapaz fosse servidor do TJ, tinha matado CS!

  10. FIGUEIRÊDO disse:

    Esse rapaz mostra claramente com suas palavras que está completamente perturbado mentalmente, se ele tem provas de corrupção dentro da procuradoria, deveria apresentar, e não querer fazer justiça, agiu feito um completo louco!

  11. Thiago disse:

    Tenso

  12. Cobre disse:

    Não dar v ver nada

  13. Ana Paula disse:

    Tomara que se investiguem isso que ele está dizendo!!

  14. Albafares disse:

    Como dizia meu velho pai: "Quem semeia vento colhe tempestade"

Publicidade

EXONERADO: Servidor que disparou contra promotores perde cargo de confiança

Está no Diário Oficial a exoneração do cargo de confiança de Guilherme Wanderley Lopes da Sila.

Guilherme disparou vários tiros nesta sexta-feira na sede do MP acertando os promotores Wendell Bethoven e Jovino Pereira.

Apesar de ser servidor efetivo do orgão, Guilherme exercia há muitos anos um cargo de confiança.

Comentários (11) enviar comentário
  1. Berg disse:

    Mas, prestando atenção no processo de número 16.446/2017, que originou a exoneração do servidor, data de 13 de março de 2017 o que seria bem anterior, mas, recente ao dia do ocorrido. Não seria esse processo o motivo?

  2. Romero Câmara disse:

    E ele era de confiança? Imagine os sem confiança.

  3. Atento disse:

    O servidor foi apenas exonerado do cargo comissionado, porém continua ocupando o seu cargo efetivo, que só poderá perdê-lo após processo administrativo, ou ação judicial com sentença condenatória preenchidos os requisitos legais. Essa é minha opinião, salvo melhor juízo.

  4. Marcelo disse:

    Quem estiver com pena do rapaz, que leve para sua casa e lhe dê um tratamento que acha digno.

    • Walter disse:

      Não ele tem querer tratado como os bandidos
      Na ausência de custodia ele vai para casa e a lei

  5. Henrique disse:

    Mais uma aberração desse MP.. ninguém sabe oq se passa pelo cidadão, se ele tem problemas de saúde e etc. Já vai exonerando o rapaz….

    • Daniel disse:

      Essa é ampla defesa!

    • Seunetinho disse:

      Mas há defesa pra esse ato?

    • Cris disse:

      Ele foi exonerado da cargo comissionado . Atirou em três pessoas e poderia ter matado é atingido muitas mais …. O que o órgão ainda tem que ouvir ??? Imagine se as enfermeiras se revoltarem nos hospitais contra os médicos , assesssores contra juízes , procuradores x empregados contra patrões por não concordarem com os procedimentos da empresa . Vão sair atirando em todo mundo ???!!!

  6. vida de brasileiro é dura. disse:

    Pior fazem os políticos com a população brasileira e eles ficam no cargo por muito tempo.

    • Genildo disse:

      Ainda bem que a gente conseguiu botar logo dilma e sua corriola prá correr.

Publicidade

Temer pede anulação de depoimento da Odebrecht

Michel Temer, presidente da República (Foto: O Globo)O Globo

A defesa do presidente Michel Temer pediu nesta sexta-feira ao ministro Herman Benjamin, relator no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) do processo do PSDB que pede a cassação da chapa de Dilma Rousseff e Temer, que anule os depoimentos de delatores da Odebrecht ouvidos pela Corte e que apontaram recebimento de caixa 2 pela chapa em 2014.

Nas alegações finais apresentadas pela defesa, Temer afirma ainda que não houve “gravidade suficiente nas condutas” investigadas, nem mesmo para cassar um mandato de presidente: “entende-se não ter havido gravidade suficiente nas condutas, especialmente para a desconstituição de mandato presidencial, devendo, por igual, haver a improcedência das demandas”.

Apesar dos argumentos minimizando as irregularidades relatadas em depoimentos, a defesa também pede que as contas de campanha de Dilma e Temer sejam julgadas separadamente, já que, alegam os advogados, não há “rigorosamente nenhum apontamento” que comprometa Temer. Por isso, diz a defesa, a demanda deve ser julgada improcedente e o presidente deve ser mantido no cargo de presidente da República.

Comentários (5) enviar comentário
  1. Coxinha de Mortadela disse:

    "Temer afirma ainda que não houve “gravidade suficiente nas condutas” investigadas, nem mesmo para cassar um mandato de presidente"

    Então vão entregar o Governo de volta pro PT? Não deveria ter ocorrido impeachment? E se o PSDB está movendo a ação contra o PMDB-PT por que fazem parte do governo?

  2. Eduardo Cosme. disse:

    Fora temer !!!

  3. Hudson disse:

    Brincadeira viu. Este homem é um brincante. Até quando veremos tanta impunidade e corrupção? Não acredito mais neste país e em nada ou nenhum político, sem exceção. A cada dia minha indignação só aumenta.

  4. Joedson disse:

    Só falam de caixa 2 na chapa Dilma/Temer, já foram atrás das verbas de campanha dos demais candidatos a presidência em 2014?
    Aposto que todos ou pelos menos uns 80% tem caixa 2. Nesse caso, o crime é o mesmo, independentemente de termos um caixa 2 de 1.000,00 ou de 10.000.000,00.

  5. Iassonara disse:

    Há " rigorosamente algum apontamento" que comprometa Dilma?

Publicidade

STJ concede prisão domiciliar a Adriana Ancelmo

Adriana Ancelmo (Foto: reprodução da internet)O Globo

A ministra Maria Thereza de Assis Moura, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), concedeu, na noite desta sexta-feira, uma liminar autorizando a prisão domiciliar de Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador Sérgio Cabral. A decisão, de caráter provisório, reestabelece o que havia sido decidido pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal, até que o julgamento do habeas corpus, pedido pela defesa nesta quinta-feira, seja concluído. Presa desde dezembro do ano passado, Adriana é ré por organização criminosa e lavagem de dinheiro.

No último dia 17, Bretas estabeleceu condições para que Adriana fosse para a prisão domiciliar: ela deve ficar em um imóvel sem linha telefônica e sem acesso à internet. O apartamento, porém, precisa passar por uma vistoria, já realizada esta semana, de acordo com o advogado da ré, Luís Guilherme Vieira.

— A vistoria já havia sido feita por uma equipe contratada e comunicada na última segunda-feira. Apresentaremos um auto-complementar dizendo que tudo foi cumprido. De posse da decisão, o juiz deve enviar à PF, que deverá constatar se o imóvel está apto para recebê-la, para depois expedir o alvará de soltura — disse.

Comentários (14) enviar comentário
  1. Alldo disse:

    Se tem um monte de ladrões cumprindo prisão domiciliar, em mansão à Beira mar, porque não ela??

  2. Calixto Silva disse:

    Coitada! Tadinha! A bixinha tá com saudades dos filhos.

  3. Walter disse:

    Pessoal da OAB dos Direitos Humanos e as outras mães que estão presa
    Os Srs estão com a palavra

  4. flavio disse:

    Pode levar radinho de pilha?

  5. belesita disse:

    E AS OUTRAS MÃES QUE ESTÃO PRESAS VÃO TER DIREITO A PRISÃO DOMICILIAR? JUSTIÇA PORCA DESSE PAÍS.

  6. alf disse:

    STJ de merda. Deve ter custado caro para os cofres dos Cabral.

  7. Blue disse:

    Absurdo!

  8. vida de brasileiro é dura. disse:

    Os juízes interpretam a lei de cada forma!!!!!! Meu Deus.

  9. Jônatas Calaça disse:

    Nossa justiça, cada dia mais eficiente. É uma piada atrás dá outra.

  10. escritor disse:

    O crime compemsa. Ah uma oportunidade para roubar 250 milhões de reais.

  11. Val Lima disse:

    Se a moda pega, todas mulhers com filhos de menor idade teram o mesmo direito…

    • paulo disse:

      BG
      Quando foi para ROUBAR e ESNOBAR essa colarinho branco não lembrou-se dos filhos, se fosse uma ladra de leite ninho ia mofar na CADEIA, triste País este nosso.

    • Sergio disse:

      Essa decisão só se aplica a pessoas influentes

    • alf disse:

      Essa decisão teve muito dinheiro por trás.

Publicidade

Antes de estrear, filme sobre a Lava Jato vira alvo de Lula na Justiça

Lula (Foto: Pedro Kirilos / Agência O Globo)El País

A colaboração da Polícia Federal com um filme sobre a Operação Lava Jato provocou a insatisfação de membros do Partido dos Trabalhadores (PT) e, sobretudo, de Luiz Inácio Lula da Silva. Na última quinta-feira, a defesa do ex-presidente enviou uma petição ao juiz Sérgio Moro em que reivindica o sigilo de imagens que teriam sido repassadas por autoridades aos produtores do longa “Polícia Federal: a lei é para todos”. De acordo com o advogado Cristiano Zanin, a produção obteve acesso ilegal a filmagens captadas por um agente da Polícia Federal durante a condução coercitiva de Lula com o intuito de reconstituir a cena, que deve compor o desfecho da obra.

“Os vídeos, que teriam sido entregues a terceiros, mostram a residência, a intimidade e a coleta de depoimento do ex-presidente Lula”, disse Zanin em um seminário sobre a Lava Jato promovido pelo PT nesta sexta-feira, em São Paulo, onde atribuiu o vazamento à PF. “É uma situação muito grave. Em vez de zelar pelo material confidencial, aparentemente as autoridades o entregaram à produtora do filme, que é alinhado às ideias dos acusadores do ex-presidente e detém um material que a Constituição Federal considera privado.”

Na petição, os advogados de Lula citam trechos de entrevistas em que os produtores do filme revelam ter tido acesso a vídeos para auxiliar na reconstituição de passagens da Operação Lava Jato. Além do sigilo, eles solicitam à produtora New Group Cine & TV LTDA, responsável pelo projeto cinematográfico, que não utilize as imagens da condução coercitiva. Ainda no evento do Partido dos Trabalhadores, Zanin afirmou que a suposta divulgação pela Polícia Federal é “mais uma prova de que os processos da Lava Jato não observam garantias legais”.

Comentários (7) enviar comentário
  1. Rodolfo disse:

    Barbudo pilantra ladrao, os dias estão contados pra ver o sol nascer quadrado!

  2. Genildo disse:

    Quando o filme é feito com verba pública e com a escrachada intenção de louvar a personalidade desse sujeito, não há crítica nem processo, né?

  3. paulo martins disse:

    Com dinheiro da corrupção juntado a rodo, nos últimos 12 anos, Lula e sua trupe seguem dando seu show de ostentação Brasil afora. A Receita Federal precisa urgentemente aplicar uma lupa à gastança desenfreada de Lula, que não para de alugar jatinhos (a R$ 100 mil/dia) e fazer comícios fora de épocaque, além de manter contratados para sua defesa os mais caros advogados do país, que se esmeram na vã tarefa de enxugar gelo debaixo do sol.

  4. Blue disse:

    Quem não deve não teme. Como pode alguém q ocupou a presidência do país, lutar tanto contra as instituições de justiça desse mesmo país. Uma vergonha!

    • Joedson disse:

      Pode ao passo que a justiça a que se fala é tendenciosa devido a ligações políticas, caraterizando perseguição política e o pior, engavetando as investigações daqueles com os quais aquela instância da justiça tem ligação política.
      Isso não é absurdo, né?
      Não estou aqui defendendo fulano ou sicrano, estou em defesa de uma JUSTIÇA JUSTA.

    • Observador disse:

      Disseram por aí que Lula está lutando contra a justiça, que as instituições estão contra ele e o ex-presidente sofre de perseguição. Ok, tudo bem. Será que estas "meias verdades" não são consequência dos esforços dele e sua trupe em dizer que toda a roubalheira durante o seu governo não existiu, ou eles não sabiam? A presunção de inocência neste caso já se esgotou, resta a ampla defesa pra encher linguiça.

  5. Val Lima disse:

    Creio q dessa vez o Sr. Luiz Inácio vai ter o pedido atendido pelo Sr Moro, tendo em vista q o mesmo determinou no mandado encaminhado a PF, q nenhum tipo de filmagem deveria ser feita durante a condução, bem como o uso de algemas…

Publicidade

Juiz responsável pela operação Carne Fraca diz que não há indícios de carnes impróprias para consumo

O juiz federal Marcos Josegrei, responsável pela operação Carne Fraca, afirmou nesta sexta-feira (24) que as investigações não tiveram como foco a qualidade dos produtos vendidos no Brasil, e sim a apuração de crimes como corrupção, associação criminosa e extorsão, supostamente cometidos por agentes públicos e funcionários de empresárias do ramo.

O magistrado ressaltou que, até este momento, não há nenhum indício de que produtos comercializados pelas empresas investigadas possam fazer mal à saúde.
“Não se pode afirmar que nenhuma dessas empresas está colocando no mercado produtos impróprios para o consumo. Essa afirmação seria uma generalização temerária neste momento. O que se pode afirmar é que há indícios suficientes de que representantes de diversas empresas estavam com uma relação muito próxima com fiscais agropecuários e isso causava problemas de corrupção”, disse o juiz.
Josegrei defendeu a qualidade da carne brasileira e disse que o problema, a princípio, é burocrático. “As empresas muitas vezes se associavam com os fiscais para romper barreiras burocráticas. Isso fazia com que procedimentos fossem agilizados, processos andassem mais rápidos do que deveriam, tinham acesso indevido a sistemas internos do Mapa [Ministério da Agricultura]. Não se pode dizer que as carnes ou os produtos exportados e consumidos no mercado interno por essas empresas não têm qualidade”.

Segundo o juiz, os laudos apresentados pelo fiscal Daniel Gouvêa Teixeira, que deram origem à operação, não mencionam carnes estragadas.

“A PF [Polícia Federal] obteve dois laudos: um no que diz respeito aos produtos de um dos frigoríficos [Souza Ramos, em Colombo, no Paraná] e o outro do outro frigorífico [Peccin, em Curitiba]. Com esses laudos, a PF identificou que havia alguma impropriedade nos produtos que eram vendidos. Veja: eu não estou dizendo que esses produtos faziam mal à saúde, que causavam doenças. Eu estou dizendo que, de acordo com esses laudos, eles não tinham a propriedades que o rótulo dizia que e deveriam ter”, explicou. Ambos frigoríficos negam problemas em seus produtos.

Josegrei reforçou que a prática de corrupção entre os fiscais é minoria entre os profissionais brasileiros. “É importante registrar que a maior parte dos fiscais é composta de gente correta, honesta, e que faz o seu trabalho diariamente”.

 

G1

Comentários (2) enviar comentário
  1. Val Lima disse:

    Fizeram bst… Mararam a vaquinha dos bezerros de ouro do Brasil

  2. @brasil disse:

    Agora é tarde, já mataram Inês!!!

Publicidade

Janot pede que investigação sobre Lula e Dilma siga no Supremo

Contrariando a Polícia Federal, o procurador-geral da República Rodrigo Janot solicitou que a investigação sobre obstrução da Lava Jato pelos ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff prossiga no Supremo Tribunal Federal.

Janot protocolou na quinta-feira (23) sua manifestação junto ao ministro Edson Fachin, relator da Operação. O inquérito apura, dentre outros fatos, se a nomeação de Lula como ministro da Casa Civil pela então presidente Dilma foi um artifício para lhe conferir foro privilegiado e tumultuar a Lava Jato, escapando da jurisdição do juiz Sergio Moro.

Contrariando a Polícia Federal, o procurador-geral da República Rodrigo Janot solicitou que a investigação sobre obstrução da Lava Jato pelos ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff prossiga no Supremo Tribunal Federal.

Janot protocolou na quinta-feira (23) sua manifestação junto ao ministro Edson Fachin, relator da Operação. O inquérito apura, dentre outros fatos, se a nomeação de Lula como ministro da Casa Civil pela então presidente Dilma foi um artifício para lhe conferir foro privilegiado e tumultuar a Lava Jato, escapando da jurisdição do juiz Sergio Moro.

O caso corre no Supremo porque também inclui duas autoridades com foro privilegiado: a PGR investiga ainda se Dilma nomeou o ministro do STJ Marcelo Navarro, sob articulação do então presidente do STJ Francisco Falcão e do ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo, sob o compromisso de obter a soltura de empresários presos na Lava Jato, entre eles Marcelo Odebrecht. Um terceiro fato investigado no inquérito é uma oferta de ajuda do então ministro da Educação Aloizio Mercadante para evitar a delação do ex-senador Delcídio do Amaral (ex-PT-MS).

No mês passado, relatório da Polícia Federal assinado pelo delegado Marlon Cajado recomendou o desmembramento, para a primeira instância, da investigação sobre a nomeação de Lula por Dilma. O delegado apontou em sua peça que Lula e Dilma agiram para obstruir a Lava Jato. Na primeira instância, a investigação e o processo penal costuma andar mais rápido, o que seria uma derrota para os ex-presidentes petistas.

Janot, que é a autoridade responsável por conduzir a investigação, discordou do delegado e solicitou ao STF que o inquérito não seja desmembrado. Em geral, durante a fase de inquérito, os ministros do Supremo costumam seguir os posicionamentos do Ministério Público.

O procurador-geral apontou que o antigo relator, Teori Zavascki, já havia se posicionado contra o desmembramento e que, por isso, as investigações devem continuar sendo aprofundados no Supremo, com novas tomadas de depoimentos e diligências.

Seu posicionamento é uma derrota para a Polícia Federal, que havia atraído para si os holofotes com o relatório do delegado Marlon Cajado.

Esse caso é o único inquérito contra Dilma existente até o momento na Lava Jato. Lula já é réu em uma ação penal também sob acusação de atrapalhar a Lava Jato, neste caso sob suspeita de comandar a compra do silêncio do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró.

Os investigados têm negado as suspeitas e afirmado que não atuaram para obstruir as investigações. A defesa de Dilma afirmou considerar a manifestação de Janot “equilibrada e correta”. A reportagem não conseguiu contato com as defesas dos demais investigados.

Comentários (2) enviar comentário
  1. Ricardao disse:

    Enquanto não desPTizar o país vai terminar tudo em nada.
    O crime compensa.

  2. Jônatas Calaça disse:

    Mais uma vez a constituição é rasgada. Dois ladrões, sem mandatos, sendo julgados pelo STF. Quem tá livrando a cara de quem?
    Nojo.

Publicidade

CNJ: Cadastro nacional permite que cidadão escolha mediadores e conciliadores

Um cadastro nacional de conciliadores e mediadores aptos a facilitar a negociação de conflitos em processos judiciais e extrajudiciais está disponível para a população de todo o país. De acordo com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a ferramenta indica profissionais e seus e-mails, além de um minicurrículo. A listagem é separada por estado e conta com cerca de 3 mil integrantes, entre conciliadores, mediadores e profissionais de Câmaras privadas.

O Cadastro Nacional de Mediadores Judiciais e Conciliadores tem em torno de 1 mil conciliadores, de oito unidades federativas: São Paulo conta com 794 profissionais inscritos; Goiás, 129; Distrito Federal, 24; Rio Grande do Sul, 21; Sergipe, 13; Rio Grande do Norte, 11; Paraíba, cinco; Rio de Janeiro, três.

O número de mediadores cadastrados é quase o dobro – atualmente, há 1.747 profissionais de 13 estados, além do Distrito Federal. São Paulo e Goiás têm, respectivamente 1.155 e 206. Em seguida, aparecem Bahia (130); Rio Grande do Sul (83); Minas Gerais (77); Rio de Janeiro (37); Sergipe (19); Distrito Federal (13); Pará (11); Rio Grande do Norte (6); Paraíba (5); Pernambuco (2); Ceará (2) e Acre (1).

Pela ferramenta, é possível escolher desde conciliadores/mediadores voluntários (gratuitos), como profissionais que cobram pelo trabalho. “Apenas profissionais que atendam aos padrões definidos pelo CNJ (estabelecidos na Resolução 125/2010) podem fazer parte da listagem”, informou o conselho. Outra opção disponível é a utilização de Câmaras privadas de mediação, mas apenas cinco estados e o DF possuem instituições cadastradas no banco.

Passo a passo do cadastro

Para acessar o cadastro, a orientação é que o cidadão entre no site do CNJ . Na área de informações e serviços, entrar em Programas e Ações. Acessar o Portal da Conciliação e, no índice, clicar em Consulta Pública – Cadastro Nacional de Mediadores Judiciais e Conciliadores.

A página da consulta pública abre três opções: Mediador; Câmara privada e Conciliador. A mediação geralmente é utilizada em questões mais complexas, como inventários e dissolução de sociedade e problemas familiares que não se resolvem em uma única sessão. A conciliação é usada em conflitos mais simples, como problemas entre consumidor e empresas. As Câmaras privadas são instituições que possuem um corpo de mediadores. O mediador pode ser independente ou estar ligado a uma Câmara.

O cadastro é administrado pelos tribunais, que recebem e avaliam os dados encaminhados pelos profissionais. Para ser um conciliador/mediador, é preciso estar capacitado e, além da etapa teórica, é necessário que o profissional tenha finalizado estágio supervisionado de, no mínimo, 60 horas.

O banco de dados está à disposição dos cidadãos e também de Núcleos Permanentes de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos, Centros Judiciários de Solução de Conflitos e Cidadania, Câmaras Privadas de Mediação, mediadores e conciliadores.

Agência Brasil

enviar comentário
Publicidade

Gilmar Mendes pede investigação de vazamentos no TSE e compara anistia ao caixa 2 à repatriação de recursos

Para o ministro do STF, vazamento feito por autoridades é crime – Edilson Dantas / O Globo

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, disse nesta sexta-feira que é preciso investigar vazamentos de depoimentos da Odebrecht no processo que corre no TSE para apurar supostas ilegalidades nas contas da chapa Dilma-Temer. O ministro participou do Seminário Reforma Política e Eleitoral no Brasil e, ao final do evento, perguntado por jornalistas defendeu o debate sobre a anistia do Caixa 2.

Com relação à anistia ao caixa 2, Gilmar não chegou a corroborar a proposta — que até agora não foi assumida por nenhum deputado — , mas tratou de tentar desmistificar o debate.

— O Congresso tem aprovado várias anistias. O Congresso votou a anistia da repatriação, que fez com que muita gente trouxesse dinheiro de fora, que tinha provavelmente crime fiscal. E ninguém está dizendo que essa anistia é inconstitucional. Esse é um debate que tem que se travar num momento oportuno — afirmou.

Segundo Gilmar, tem que se investigar tudo, senão fica parecendo que o Brasil é um país de “trambiques”. Para ele, vazamento feito por autoridades é crime.

— Eu exijo que nós façamos a devida investigação nesses vazamentos lamentavelmente ocorridos. Isso fala mal das instituições. É como se o Brasil fosse um país de trambiques. Ninguém pode fazê-lo, nem procuradores, nem juízes, nem ninguém, do contrário a lei diria que o processo seria público. É preciso prestar à lei a devida seriedade — afirmou.

Ao longo de toda a sua fala no seminário, Gilmar disse que a reforma política tem que ser feita ainda este ano, pois o Brasil se encontra em um “beco sem saída”. Ele pontuou que até as últimas eleições presidenciais, “montanhas de dinheiro” eram doadas, mas ponderou que não se deve pressupor que as relações de políticos com empresas têm o elemento da corrupção.

E lembrou que as doações de empresas a políticos eram permitidas até o fim de 2015. O ministro afirmou que faz parte da atividade parlamentar manter relações com empresas e que ele funciona como uma espécie de “despachante de luxo”, mas não tem a caneta na mão para nomear ninguém em postos de estatais, por exemplo.

— O deputado, o parlamentar dá telefonemas, como um certo despachante de luxo, mas não é função dele nomear alguém para a Petrobras. O ato de ofício passa muito longe dele. Isso significa que se seguirmos nessa toada, qualquer doação que se faça a um político vamos perguntar: qual foi o móvel (o que motivou) ? É normal que apoiadores apoiem um determinado politico por alguma coisa, por suas posições, mas isso não é corrupção, é liberdade de expressão. Estamos numa selva em termos de organização mental — afirmou.

CRÍTICAS ÀS DEZ MEDIDAS

Em sua palestra, o ministro voltou a tecer críticas ao projeto de dez medidas contra à corrupção. Segundo ele, elas foram muito mal feitas e têm um viés autoritário.

— As dez medidas muitas delas eram ruins, mal feitas. Uma delas acabava com o habeas corpus. Quem propôs isso tinha espírito autoritário. O sujeito pensa que suprimir habeas corpus vai atingir bandido, até que ele seja preso e precise dele — alfinetou.

O Globo

Comentários (5) enviar comentário
  1. Mateus Fux disse:

    Rapaz a que ponto o STF chegou, um homem como Gilmar Mendes, tentando de todas as formas absolver os "$Inocentes$" da lava jato, enquanto isso, na carga dele estão mais de 6000 mil processos dependendo dele e não sai do canto.

    Vai plantar batata Gilmar!!!

  2. Paulo Cardoso disse:

    Se caixa 2 é legal porque penalizam empresas por fazê lo. Justiça fajuta

  3. Roberto disse:

    Deus do céu, não existe no país, uma pessoa, um órgão quê puna um monstro desse, militares tomem uma atitude o povo sofrido do Brasil não merece isso,

  4. Val Lima disse:

    Meu Deus do céu,como uma figura dessa é Ministro do TSE/STF ??!!

  5. Fran disse:

    Bixo do beiço de burro!

Publicidade

Sindicato dos Servidores do Ministério Público do Rio Grande do Norte emite nota após atentado

NOTA- SINDICATO DOS SERVIDORES DO MP-RN

O Sindicato dos Servidores do Ministério Público do Rio Grande do Norte (Sindsemp-RN) vem a público repudiar e lamentar o episódio ocorrido, na manhã de hoje (24), dentro das dependências da Procuradoria-geral de Justiça envolvendo um servidor da Casa. Infelizmente, uma atitude impensada acabou vitimando o procurador-geral adjunto, Jovino Pereira Sobrinho, e o promotor Wendell Beetoven Ribeiro Agra, além de ter colocado tantas outras vidas em risco.

O Sindsemp-RN aguardará a apuração dos fatos e desde já se solidariza com os membros atingidos, os quais estão sob cuidados médicos, e seus familiares. Esperamos que a recuperação seja breve, e os culpados devidamente punidos.

Desde logo, independentemente da motivação, já estamos mantendo contato com a Secretaria de Segurança Pública para que ao acusado sejam garantidos os direitos contitucionais.

Atenciosamente,

Diretoria do SINDSEMP/RN

*Assessoria de imprensa do SINDSEMP/RN

Comentário (1) enviar comentário
  1. Cezar motta disse:

    Independente do motivo, nada justifica querer atirar em alguém fora de legítima defesa. A punição deve ser exemplar

Publicidade