Publicidade

Desde impeachment, popularidade de Moro dispara e rejeição a políticos sobe, diz pesquisa

Por interino

No último ano, milhões de brasileiros foram às ruas contra o governo petista, o processo de impeachment se consolidou, o PMDB e o PSDB formaram uma nova aliança para governar o país e a Operação Lava Jato continuou assombrando os políticos.

De lá pra cá, a popularidade do juiz Sergio Moro, magistrado à frente dos casos da Lava Jato na primeira instância judicial, disparou, enquanto a rejeição a políticos subiu de maneira quase generalizada, principalmente no caso de integrantes e aliados do novo governo.

É o que mostra a nova edição do Barômetro Político, pesquisa da consultoria Ipsos antecipada à BBC Brasil. O levantamento, feito no início do mês nas cinco regiões do país, perguntou a 1.200 pessoas sua opinião sobre 20 personalidades do mundo político e jurídico. Apenas Moro recebeu apoio da maioria, atingindo 65% de aprovação.

O resultado apresenta um grande salto em relação a fevereiro de 2016, quando sua aprovação era de apenas 28%. Naquele mês, 56% da população diziam que não tinham conhecimento suficiente sobre ele para opinar, enquanto 33% o rejeitavam.

Em um ano, o desconhecimento sobre Moro caiu fortemente, para 9%, enquanto sua rejeição recuou para 26%.

“Moro era muito desconhecido no início da pesquisa, mas a força que a Lava Jato ganhou e a presença desse nome na mídia converteu esse conhecimento em aprovação. Ele é o símbolo hoje do combate a tudo aquilo que o brasileiro julga que está errado na política e na gestão pública”, observa Danilo Cersosimo, diretor na Ipsos Public Affairs e responsável pela pesquisa.

Embora a atuação de Moro não seja consenso no meio jurídico, isso não chega ao grande público, ressalta Cersosimo.

“O grande público não entende as controvérsias do mundo jurídico. Para a população é muito simples: a Lava Jato tem um simbolismo muito forte do ponto de vista de passar o país a limpo, e o Moro está totalmente associado à operação”, ressalta.

Temer, Cunha e Renan

Já o presidente Michel Temer tem-se tornado cada vez mais impopular desde que ganhou mais visibilidade ao longo do processo de impeachment e após chegar ao poder. Há um ano, 61% dos entrevistados o reprovavam, agora são 78%.

Ele hoje só fica atrás do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (89%) e do senador Renan Calheiros (82%), cujas taxas de rejeição também subiram.

A taxa de rejeição a Temer já é maior do que a da ex-presidente Dilma Rousseff. Destoando da maioria dos políticos, a petista tem visto sua avaliação negativa recuar, embora continue em patamar muito alto (74%). Há um ano era de 84% e, em setembro de 2015, havia chegado a 90%.

A reprovação a Lula, por sua vez, tem mostrado certa estabilidade e hoje registra taxa de 66%.

Já os principais nomes do PSDB apresentaram todos piora dos seus índices de popularidade. Nos últimos 12 meses, subiram as rejeições ao senador Aécio Neves (de 51% para 74%), ao senador José Serra (de 49% para 66%), e ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (de 51% a 64%).

A desaprovação a Mariana Silva (Rede) subiu menos, passando de 52% em fevereiro de 2016 para 57% agora.

Para o diretor da Ipsos, o que explica o aumento quase generalizado da rejeição aos políticos é o desgaste produzido pelas investigações da Lava Jato. Políticos que assumiram o poder após o impeachment acabaram ganhando mais visibilidade e sofrendo mais, nota ele.

“O aumento da indisposição (com os políticos) tem muito a ver com as investigações da Lava Jato, que deu nome aos bois. A operação materializou a percepção da corrupção e mostrou que a prática não está restrita a um partido ou a um político”, afirma Cersosimo.

E os protestos?

Embora a rejeição aos políticos hoje no poder seja crescente, não estão sendo realizadas no país manifestações da mesma magnitude que nos meses anteriores ao impeachment ou em 2013.

Para Cersosimo, um elemento importante que alimentou os protestos durante o governo Dilma foi o forte sentimento anti-PT, devido ao desgaste do partido depois de muitos anos no governo, em meio a denúncias de corrupção e crise econômica.

Já Temer, que antes de ser eleito duas vezes vice de Dilma fez sua trajetória política no Poder Legislativo, não tem uma imagem forte junto à população.

“As pessoas não estão na rua porque têm a sensação de que o pior da crise já passou. O brasileiro terceirizou a solução dos problemas para o Sergio Moro e a Lava Jato de modo que ele não precisa ir para a rua, ao menos por enquanto”, observa ainda.

Entre as vinte autoridades avaliadas, outras duas personalidades do mundo jurídico aparecem logo atrás de Moro com as mais altas taxas de aprovação. A presidente do Supremo Tribunal Federal, Carmén Lúcia, tem 33%, e o ex-ministro da Corte Joaquim Barbosa, 48%.

Efeitos para 2018

Para Cersosimo, a pesquisa mostra uma grande insatisfação com o mundo político tradicional, o que pode abrir espaço para uma candidatura presidencial inesperada em 2018, como ocorreu com João Doria (PSDB), eleito prefeito de São Paulo no ano passado.

Moro seria um forte candidato, mas parece improvável que dispute a próxima eleição, já que a Lava Jato ainda deve se prolongar, ressalta Cersosimo.

“É muito difícil falar de 2018 porque não descarto um outsider surgir ‘do nada’ e ganhar a eleição. O Brasil passa por um momento seríssimo de crise de lideranças. Existe uma desilusão muito grande com partidos, com lideranças mais tradicionais”.

Entre os políticos pesquisados, Lula é que o tem o maior percentual de aprovação, com 31%. Já entre os tucanos, o ex-presidente Fernando Henrique tem 21%; Serra, 20%; Alckmin, 17%; e Aécio fica na lanterna como apenas 11%.

“Por mais que o PT esteja passando pelo pior momento de sua história, Lula vem desempenhando bem nas pesquisas eleitorais e parece ter uma tendência de melhora no índice de aprovação. O momento é tão polarizado que ele vai conseguir aglutinar aqueles que têm uma memória positiva do período Lula e que podem relevar possíveis envolvimentos dele com esquemas de corrupção”, acredita Cersosimo.

O diretor da Ipsos ressalta, porém que a alta rejeição de Lula, hoje em 66%, pode impedi-lo de vencer a eleição presidencial de 2018, caso ele venha a concorrer. Isso deve depender do nível de rejeição de seus adversários, nota ele.

“Normalmente, um candidato que tem índices de reprovação alto como ele pode até ir para o segundo turno, mas dificilmente ganha. São raros os casos de reversão de rejeição. Ganhar uma eleição vai depender do candidato adversário, especialmente se estiver disputando com alguém de fora da política”, observa.

Realizada entre os dias 1 e 11 de fevereiro, a pesquisa Ipsos fez 1.200 entrevistas presenciais em 72 municípios brasileiros. A margem de erro é de 3%.

BBC Brasil

 

Comentários (7) enviar comentário
  1. Fernando Antonio Ribeiro Bastos disse:

    Acreditar que essa desgraça chamada LULALADRÃO, aparece positivamente em pesquisa, é perder todas as esperanças no Brasil.

  2. Carlos Santiago disse:

    Mas a mulher e filha de Cunha estão soltas Moro.
    Cadê a Justiça brasileira?
    Onde está a PF? Onde está o Ministério Público? Onde está o STF? O que estão esperando para agir de fato contra Temer, sua camarilha e os 140 ladrões do Congresso e mandá-los para a cadeia?
    Se fossem petistas, já tinha carro blindado, helicóptero, polícia armada até os dentes…

  3. Blue disse:

    #SOMOSTODOSMORO#

  4. adauto disse:

    13 DE MARÇO O BRASIL VAI PARAR AGUARDEN? NAS RUAS DE TODO BRASIL.

  5. adauto disse:

    13 DE ABRIL VEM AI AGUARDEM. O DIA QUE O BRASIL VAI PARAR.

  6. Paulo Cardoso disse:

    Os políticos são os vermes que buscam nos devorar

Publicidade

Um terço dos presos no Brasil são provisórios, aponta pesquisa do CNJ

Por interino

Foto: Márcio Fernandes/Estadão

Existem 654.372 presos no Brasil, dos quais 221.054 – um terço do total – são provisórios. Estes são os números divulgados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) nesta quinta-feira, 23, após a análise e organização de dados solicitados, em janeiro, aos Tribunais de Justiça Estaduais e do Distrito Federal.

O levantamento mostra que o tempo médio da prisão provisória no Brasil é de um ano e três dias. Pernambuco é o Estado que segura por mais tempo os presos provisórios: 974 dias. Enquanto Rondônia é o que os mantêm por menos tempo: 172.

O balanço aponta também que a proporção de presos provisórios nos Estados oscila entre 13%, caso do Amazonas, e 82%, caso do Sergipe. São Paulo tem o terceiro índice mais baixo: 15%.

A iniciativa do levantamento partiu do CNJ, dias após as mortes no Amazonas e em Roraima, em janeiro, diante da constatação de que não haviam números atualizados da quantidade de presos no Brasil. O último balanço, do fim de 2014, feito pelo Departamento Nacional Penitenciário (Depen), do Ministério da Justiça, apontava um total de 607.731 presos no Brasil – 7% a menos do que o agora divulgado pelo CNJ.

O levantamento é uma espécie de base para a futura realização do censo penitenciário nacional, que o CNJ planeja executar com o apoio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, do Exército Nacional e da Pastoral Carcerária.

Em uma reunião, no dia 12 de janeiro, a presidente do CNJ e do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, pediu que os presidentes dos Tribunais de Justiça estaduais enviassem os dados e, além disso, também elaborassem um plano de ação para acelerar o julgamento de réus presos e ajudar a diminuir a duração das prisões provisórias, com prazo de 90 dias, até abril.

O relatório do CNJ lista as medidas que cada Estado tomou desde janeiro em busca de cumprir esta missão. Apenas Mato Grosso do Sul e Tocantins não informaram que ações foram realizadas.

O CNJ estima que, até o final de abril, as ações definidas na primeira fase da “Reunião Especial de Jurisdição” estarão concluídas.

As planilhas foram analisadas pelo Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas (DMF) em conjunto com o Departamento de Pesquisa Jurídica.

Outros dados revelados mostram que o crime com base no qual há um maior porcentual de presos provisórios é o de tráfico de drogas: 29%. Roubo vem em seguida, com 26%.

Estadão

Comentários (2) enviar comentário
  1. Jean disse:

    JUSTIÇA MOROSA, INEFICIENTE E PASSIONAL!
    Quando a causa é de interesse de pessoas da alta corte econômica, social ou/e política…
    A Justiça só é rápida para proteger os amigos e perseguir os adversários.
    Em cada Estado existem os Feudos dominados por Oligarquias familiares que se revesam no Poder local, indicando desembargadores, conselheiros pros Tribunais de Contas, etc.
    E assim, vamos fingindo que saímos da fase do Coronelismo e não percebemos que o "Patrimonialismo", no dizer de Raimundo Faoro, continua forte e atuante, minando qualquer tentativa de avançarmos rumo ao Republicanismo.
    OBS: Bom ler sobre o patrimonialismo pra entender o contexto do que está sendo dito.

  2. Charles disse:

    Problema deles. Se andassem dentro da lei estariam no meio de nós. Já que não quiseram que se lasquem. Era pra passar no mínimo 15 anos só pra se fazer a capa do processo.

Publicidade

Ministro do Supremo concede liberdade ao goleiro Bruno

Por interino

O goleiro Bruno recebeu um habeas corpus da Justiça e deve deixar o presídio nesta sexta-feira. Uma liminar, deferida pelo ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, permite que o jogador recorra em liberdade da condenação pelo sequestro, morte e ocultação do cadáver da modelo Eliza Samudio. A informação foi publicada pelo jornal Estado de Minas e confirmada pelo GloboEsporte.com.

– O alvará foi emitido na noite de ontem (23) e já está na Vara de Execuções Penais de Santa Luzia – afirmou Lúcio Adolfo, advogado do atleta ao jornal mineiro.

Segundo seu defensor, o jogador deve deixar a prisão ainda nesta sexta-feira. Bruno está na na APAC, em Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, desde outubro de 2015.

Ao G1, Lúcio Adolfo explicou que Bruno está preso apenas pelo processo relacionado à morte de Eliza, já que em 2010 o jogador foi condenado por cárcere privado, lesão corporal e constrangimento ilegal contra a modelo.

Em entrevista ao GloboEsporte.com em maio de 2016, Bruno afirmou que pretende voltar a jogar e que treinava no presídio. Ele também revelou ter tentado suicídio.

Condenação

Em 8 de março de 2013, Bruno foi condenado a 22 anos e 3 meses pelo assassinato e ocultação de cadáver de Eliza Samudio e também pelo sequestro e cárcere privado do filho Bruninho. Ele, porém, está preso desde 7 de julho de 2010.

Bruno foi condenado a 17 anos e 6 meses em regime fechado por homicídio triplamente qualificado (por motivo torpe, asfixia e uso de recurso que dificultou a defesa da vítima), a outros 3 anos e 3 meses em regime aberto por sequestro e cárcere privado e ainda a mais 1 ano e 6 meses por ocultação de cadáver. A pena foi aumentada porque o goleiro foi considerado o mandante do crime, e reduzida pela confissão do jogador.

Eliza desapareceu em 2010 e seu corpo nunca foi achado. Ela tinha 25 anos e era mãe do filho recém-nascido do goleiro Bruno, de quem foi amante. Na época, o jogador era titular do Flamengo e não reconhecia a paternidade.

Globo

Comentários (7) enviar comentário
  1. Paulo Cardoso disse:

    Ganhar mais pra injetar no sistema

  2. Charles disse:

    Oh Brasil veio bom pra bandido.

  3. matcos disse:

    Pessoal com essas e outras, crime no brasil compensa e muito!!!!!!!!!!

  4. JOAO MARIA disse:

    Cada vez fica mais claro que o crime compensa no Brasil

  5. arrobabrasil disse:

    Seria uma boa para o America para a disputa da serie D (salário tá baixo). Quem sabe nunca esquece. Os que tão ai são fracos. Além do que, seria uma boa jogada de marketing.

  6. Valter Quintiniano disse:

    Foi libertado devido ao que existe em nossa leias penais, que tem milhões de formas para libertar bandido, assassino e todo tipo de criatura que comete ilegalidade. Por isso que a turma dos disreitos dos "manos" tanto repetem que nossas elis não precisam de revisão, basta cumprir. Entenderam a razão?

Publicidade

Estado cria núcleo especial em atuação com MPRN para investigar crimes praticados por agentes públicos e organizações criminosas

Por interino

A Polícia Civil do Rio Grande do Norte criou o Núcleo Especial de Investigação Criminal (Neic) para investigar crimes contra o patrimônio público, tributários, econômicos e crimes praticados por agentes públicos e organizações criminosas. A unidade foi estabelecida em portaria publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) da última quinta-feira (23).

O núcleo especial prevê atuação conjunta com o Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) e contará com a participação de um delegado de Polícia Civil de carreira, a ser designado pelo delegado-geral.

Na prática, o Neic vai trabalhar junto à Célula Integrada de Investigação Interinstitucional implementada no Termo de Cooperação Técnica nº 05/2017 firmado entre o Ministério Público e a Secretaria Estadual de Segurança Pública e Defesa Social (Sesed) no início do mês. O termo de cooperação visa a promoção de medidas necessárias à prevenção e repressão de crimes praticados por organizações criminosas.

A unidade recém criada, por sua vez, objetiva o desenvolvimento de projetos e ações de interesse comum, voltados para o treinamento de recursos humanos, desenvolvimento e compartilhamento de tecnologias e informações, bem como o planejamento e desenvolvimento institucional no que concerne à implementação de ações integradas de Segurança Pública.

De acordo com a coordenadora do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MPRN, Patrícia Antunes, o Neic vai viabilizar uma equipe da Polícia Civil para trabalhar junto à unidade ministerial.

Comentários (4) enviar comentário
  1. Malandrinha disse:

    A palavra convence, mas o exemplo arrasta.

  2. João Grilo disse:

    Aproveitem e passem a régua logo nos penduricalhos!!!!!!!!!!!

  3. PATAXÓ disse:

    É bom começar cortando na própria carne…

  4. Lutemberg disse:

    Esse tal núcleo também investigará eventuais crimes praticados por membros do MP, TCE, AL e Judiciário? Afinal, também são agentes públicos, ou não?

Publicidade

Lava Jato seguirá intocável, diz novo ministro da Justiça

Por interino

Deputado federal Osmar Serraglio em 10/05/2016 (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Os brasileiros não precisam se preocupar com a autonomia do Ministério Público e da Polícia Federal no andamento das investigações da Operação Lava Jato, informou o novo ministro da Justiça e Segurança Pública, Osmar Serraglio (PMDB-PR), em entrevista a EXAME.com na noite desta quinta-feira (23).

“É preciso deixar claro que o Ministério da Justiça e Segurança Pública não tem nenhuma possibilidade de interferir no andamento da Lava Jato. Quem cuida das investigações é o Ministério Público e a Polícia Federal. Ambos têm autonomia e seguirão tendo total independência”, disse Serraglio. “A Lava Jato é uma conquista nacional. É e seguirá intocável”.

Durante a conversa, o substituto de Alexandre de Moraes – aprovado pelo Senado como novo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) na quarta-feira (22) – explicou sua estratégia para conquistar apoio em torno de seu nome para o Ministério da Justiça e Segurança Pública. De acordo com Serraglio, a atuação do líder do PMDB na Câmara dos Deputados, Baleia Rossi (PMDB-SP), foi determinante para que o presidente Michel Temer (PMDB) o escolhesse como titular da pasta.

Indagado sobre a secretaria nacional de Segurança Pública, o novo ministro afirmou que conversará com Temer e que a decisão sobre quem assumirá o cargo será conjunta. O ex-secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, não está descartado. “É um bom nome, um bom quadro”.

Veja os principais trechos da entrevista:

(mais…)

Comentários (14) enviar comentário
  1. Jofran disse:

    O silêncio de Cunha é poderoso!

  2. NILO CORREIA JR disse:

    Concordo totalmente!

  3. Brasileiro disse:

    Não sou PT ,odeio petralhas ,mas esse verme do novo ministro é defensor da corrupção ,queria dar indulto ao Eduardo Cunha ,foi relator da CPI do correios que não deu em nada ….pra mim POLÍTICO NUNHUM PRESTA

  4. Potyguar disse:

    Essa operação é a maior oportunidade dos últimos tempos de realmente passar o Brasil a limpo. Não pode parar somente em "alguns", têm que ir até o fim , punindo T.O.D.O.S os culpados, seja lá de que porcaria de Partido for.
    Vamos acabar com essa bobagem de torcer por bandidos prediletos, eles são os verdadeiros responsáveis por todo esse estado de coisas no qual estamos inseridos.

    • Ceará Mundão disse:

      Correto. Que sejam todos os indícios investigados e, se provada a culpa de alguém, que seja condenado e pague pelo que fez. E não tem essa de chamar bandido condenado de "herói", nem de "guerreiro do povo brasileiro". O nome certo é BANDIDO". Não é simples?

  5. Ceará Mundão disse:

    Homem sério e com notável saber jurídico. E as investigações e punições de corruptos continuam, apesar dos comentários sem noção dos petistas e seus aliados, que mais parecem mera torcida. Os fatos investigados ocorreram nos governos do PT (desde o Mensalão) e envolveram membros desse partido e seus antigos aliados. Todos os envolvidos foram nomeados pelos presidentes petistas e agiram em conluio com eles e sob sua coordenação, inclusive dividindo o fruto de suas ações criminosos. E tem o canalha de nove dedos, o "Poderoso Chefão" tupiniquim, o chefe da ORCRIM, segundo o MPF. Barrar as investigações é o maior sonho dos petistas e seus "amigos".

    • arrobabrasil disse:

      Cabeça, quem tem comentários aqui sem noção é vc. noutro post falou que Pre-sal foi invenção do PT. Pra seu conhecimento, quase 50% da produção de Petróleo no Brasil já é oriundo da camada PRE-SAL. Falou também que a Petrobras não serve para produzir essas reservas. Justamente a operadora PETROBRAS é a que descobriu e domina o "expertise" dessa área. O que falta para a operadora nacional é dinheiro e só. Vá estudar e pesquisar ao invés de postar lorota por aqui.

    • NILO CORREIA JR disse:

      Lascou-se Ceará Mundão, o comunista véio ficou puto com você, vá falar mal dos amores dele, vá! kkkkk
      #luladrao

    • Ceará Mundão disse:

      Cara, meu comentário sobre o pré-sal foi claro ao explicar a impossibilidade de sua exploração pela Petrobrás, que continua a ter o direito de opção, antes de qualquer outra empresa. Quanto à Petrobrás não produzir as reservas de petróleo brasileira, não há qualquer comentário meu dizendo isso. Como bom petista, você deturpa as palavras das pessoas. Faz parte da índole dessa gente, assim como a grosseria e o ódio a quem não concorda com suas ideias. Nenhuma novidade, portanto.

    • IB disse:

      Ceará Mundão seus comentarios são propagandas de militancia tucana.

  6. Eterno Vascaino disse:

    kkkkkkkkkk…….A piada do carnaval…..kkk

  7. Joao trouxa disse:

    A PF tem autonomia onde? Só engana trouxinhas mesmo esses golpistas

Publicidade

Amigo Yunes tenta tirar Temer da cena enlameada das delações da Odebrecht

Por interino

Amigo de Michel Temer há 50 anos, José Yunes andava sumido desde dezembro de 2016, quando se exonerou do cargo de assessor especial do presidente. Bateu em retirada do Planalto amargurado: “Vi meu nome jogado no lamaçal de uma abjeta delação”, escreveu na carta de demissão. De repente, Yunes voltou à boca do palco. Prestou depoimento à Procuradoria e deu um par de entrevistas (aqui e aqui). Contou uma história inverossímil. Nela, assume o papel de bobo, empurra o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) para dentro da frigideira e se esforça para retirar o amigo Temer de um enredo criminoso.

Eis o que havia antes da reaparição de Yunes: em depoimentos à força-tarefa da Lava Jato, dois delatores da Odebrecht —Marcelo Odebrecht e Claudio Melo Filho— contaram que, na campanha de 2014, a pedido de Michel Temer, então vice-presidente da República, a empreiteira providenciou R$ 10 milhões em verbas de má origem, contabilizadas no seu departamento de propinas. Desse total, R$ 6 milhões foram borrifados nas arcas da campanha de Paulo Skaf ao governo de São Paulo. E os outros R$ 4 milhões foram às mãos do hoje ministro Eliseu Padilha. Tudo em dinheiro vivo. Parte da verba transferida “via Padilha” foi entregue no escritório de advocacia de José Yunes, em São Paulo.

Eis o que disse Temer na época em que veio à luz o conteúdo da delação de Claudio Melo Filho, depois confirmada por Marcelo Odebrecht: de fato, o herdeiro da Odebrecht fora recebido em jantar no Palácio do Jaburu, residência oficial do vice-presidente da República. Além de Temer e Marcelo Odebrecht, participou do repasto Eliseu Padilha. O anfitrião realmente pediu socorro financeiro à Odebrecht. Mas o dinheiro destinou-se ao PMDB e fluiu pelas vias legais. “As doações feitas pela Construtora Odebrecht ao PMDB foram todas por transferência bancária e declaradas ao TSE”, escreveu o Palácio do Planalto em nota oficial de dezembro de 2016. “Não houve caixa 2, nem entrega em dinheiro a pedido do presidente.”

Eis o que disse o amigo José Yunes: “Fui mula involuntário” de Eliseu Padilha. Nessa versão, recebeu em setembro de 2014 um telefonema de Padilha. Pediu-lhe um favor: “Yunes, olha, eu poderia pedir para que uma pessoa deixasse um documento em seu escritório? Depois, outra pessoa vai pegar.” O amigo de Temer assentiu: “Eu disse que podia, porque tenho uma relação de partido e convivência política com ele.” Súbito, apareceu no escritório de Yunes “um tal de Lúcio”. Era o doleiro Lúcio Funaro, operador financeiro de Eduardo Cunha.

“Ele deixou o documento e foi embora”, contou Yunes. “Não era um pacote grande. Mas não me lembro. Foi tudo tão rápido. Parecia um documento com um pouco mais de espessura. Mas não dava para saber o que tinha ali dentro. Depois disso, fui almoçar. Aí, veio a outra pessoa e levou o documento que estava com a minha secretária.”

Tomado pelas palavras, José Yunes faz lembrar um personagem encarnado pelo ator Harvey Keitel no célebre filme Pulp Fiction. Chama-se ‘The Wolf’. Entra em cena sempre que é necessário limpar o sangue e apagar os rastros de um crime (veja um trecho no video abaixo). Parece ser esse o papel que o amigo de Temer se dispôs a encenar.

Yunes tranformou o dinheiro da Odebrecht em “documento”. Apresentou-se como um tolo, um inocente útil que, a despeito de toda experiência de vida, se absteve de perguntar a Padilha o que ele fazia metido em negócios com o doleiro de Eduardo Cunha. Recorda-se de todos os detalhes da passagem de Lúcio Funaro por seu escritório. Mas não se lembra do nome de quem foi apanhar o “documento”. De resto, não há vestígio de Michel Temer no enredo confuso de Yunes. Houve quem estranhasse até na Esplanada. Em conversa com o blog, um ministro disse ter enxergado na coreografia verbal de Yunes traços de uma “Operação Tabajara.”

A reaparição de Yunes ocorre na véspera do Carnaval. Muito conveniente, já que, na Quarta-Feira de Cinzas, o ministro Herman Benjamin, do Tribunal Superior Eleitoral, irá reinquirir delatores da Odebrecht. Entre eles Marcelo Odebrecht e Cláudio Melo Filho. Benjamin é relator do processo que pode resultar na cassação da chapa Dilma—Temer e no consequente afastamento do atual inquilino do Palácio da Alvorada.

Nesta quinta-feira, dia em que suas declarações ganharam as manchetes, José Yunes esteve com Michel Temer, no Alvorada. Decerto conversou com o amigo sobre os detalhes do depoimento que prestou à Procuradoria-Geral da República, há dez dias. O conteúdo permanence em sigilo. Entretando, a julgar pelo que disse em suas entrevistas, Yunes deve ter começado a depor assim: “Era uma vez…”

Josias de Souza, UOL

Comentários (5) enviar comentário
  1. Jofran disse:

    O que a "Máquina de destruir reputações", a Rede de Fazer Bobos, diz de tudo isso?
    PLIM-PLIM
    ASSIM COMO EM 64…

  2. Potyguar disse:

    São todos gângsters da pior espécie. A diferença dos bandidos que sairam de cena é que esses aí são muito mais experientes e "profissionais" em suas safadezas.
    E ainda há trouxas que defendem………………..

    • Eterno Vascaino disse:

      Potyguar, o PMDB é pai e mãe da corrupção no país os outros são alunos incompetentes !

    • Ceará Mundão disse:

      Perdoe discordar quanto ao grau de periculosidade. Os do PMDB, que chegaram ao poder graças ao PT, são os corruptos "clássicos", aqueles que sempre existiram e existirão, os que agem em prol do enriquecimento seu e dos que lhes são próximos (amigos e familiares). Quanto aos petistas e outros "vermelhos", além do enriquecimento ilícito, têm como objetivo a manutenção do poder e a implantação de um projeto ideológico asqueroso e extremamente nocivo ao nosso povo. Afinal, essa gente odeia o nosso Brasil, o nosso povo e a democracia. O que sempre quiseram, desde a época dos "revolucionários", foi a implantação de uma ditadura do proletariado por aqui. Só mudaram de tática.

    • Curioso disse:

      Eterno Vascaino FALOU TUUUUUUUUUUUUDO…

Publicidade

Serraglio diz que aceitou convite de Temer para ser ministro da Justiça

Por Interino

 

O deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR) disse nesta quinta-feira (23) ao Blog que recebeu telefonema do presidente Michel Temer e aceitou o convite para ser o ministro da Justiça.Segundo Serraglio, Temer afirmou que, com o gesto, estava prestigiando a bancada do PMDB na Câmara e disse que o nome dele une perfis político e técnico.Questionado sobre qual procedimento adotará em relação às investigações da Operação Lava Jato – a Polícia Federal é subordinada ao Ministério da Justiça –, Serraglio declarou que ficará distante e não terá qualquer tipo de interferência.

“Vou ficar distante. Não haverá qualquer interferência. Tanto a Lava Jato quanto a Polícia Federal têm seus comandos e seus procedimentos. Quero que a PF tenha a mesma autonomia que eu tive para conduzir a CPI do Mensalão”, afirmou Serraglio, lembro ter sido o relator da comissão.

A primeira conversa entre Temer e Osmar Serraglio foi na noite desta quarta-feira (22). Serraglio chegou ao gabinete presidencial acompanhado do líder do PMDB na Câmara, deputado Baleia Rossi (PMDB-SP).

Naquele momento, ainda havia uma resistência da bancada do PMDB de Minas. Mas Baleia Rossi disse que contemplaria a bancada mineira do PMDB indicando o deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG) para presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

O Palácio do Planalto teve dificuldades para fazer o convite oficial a Osmar Serraglio. Ele estava em Umuarama, no interior do Paraná, onde reside, ele recebia ligações de um número que desconhecia e por isso não atendia. Foi preciso o Palácio do Planalto fazer uma conexão com o gabinete do deputado na Câmara para finalmente Temer conseguir falar com Serraglio.

O deputado lembrou que há 30 anos foi aluno do professor Michel Temer no curso de mestrado em direito na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

 

G1

enviar comentário
Publicidade

Recomendação orienta sobre poluição sonora durante Carnaval em Extremoz e Maxaranguape

Por interino

Para evitar o abuso de paredões de som e similares que causem poluição sonora durante o Carnaval, o Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) emitiu uma recomendação para as autoridades policiais, aos proprietários de bares e estabelecimentos relacionados e à população em geral de Extremoz e Maxaranguape. A Promotoria de Justiça da Comarca de Extremoz, que atende os dois municípios, alerta no documento que poluição sonora é crime passível de punição – previsto no artigo 54 da Lei nº 9.605/98 ou da contravenção penal do artigo 42 do Decreto-lei nº 3.688/41.

Para o comando da Polícia Militar nos municípios o MPRN orienta que adotem as providências necessárias para o cumprimento à recomendação, orientando e prevenindo a realização de condutas que se enquadrem em infrações. Assim, os policiais devem averiguar as denúncias recebidas in loco, portando o aparelho de decibelímetro, além de identificar o reclamante para viabilizar configuração de eventual delito.

Se for verificado abuso, as autoridades encaminharão o responsável à delegacia. No local, o delegado deve efetuar a lavratura de auto de prisão em flagrante ou de termo circunstanciado de ocorrência. Caso o responsável pelo veículo não atenda à determinação, o policial deve apreender o veículo e autuar o infrator também pelo crime previsto no art. 69 da Lei nº 9.605/98, cuja pena é de detenção de um a três anos, além de multa.

Além disso, é indicado que as autoridades policiais apreendam os veículos que forem flagrados produzindo sons ou sinais acústicos capazes de incomodar o trabalho ou o sossego alheios, independentemente da época em que a lei for infringida, sempre observando que: a autoridade responsável pela apreensão fará o procedimento de autuação e encaminhamento do equipamento de som e do veículo para local devido e sendo possível desconectar o som do veículo sem danos, no momento da ocorrência, o policial poderá se restringir à apreensão da aparelhagem sonora. O MPRN ainda orienta que a fiscalização quanto ao abuso do uso de instrumentos sonoros deve ser constante e intensificada após as 22 horas.

Aos proprietários de bares e estabelecimentos congêneres o MPRN recomenda que utilizem sistemas de somde forma moderada e perceptível apenas em seu ambiente, de maneira que não prejudique a tranquilidade da vizinhança, bem como não permitam a presença de som amplificado em seu bar, oriundo de carros de fregueses que estacionam próximo ao local – também foi indicada a fixação de placas proibindo o som de carros no local. Os comerciantes devem, ainda, acionar a polícia local quando o comunicado seja descumprido por terceiros e caso contribuam para a prática, poderão responder a processo judicial com os proprietários dos automóveis e incorrer nas penas da lei.

Por fim, a Promotoria de Justiça da Comarca de Extremoz se dirige à população dos dois Municípios mencionados para que se abstenham de produzir barulho acima do permissivo legal, evitando poluição sonora e danos ao meio ambiente, estando também passíveis de punições.

MPRN

Comentários (9) enviar comentário
  1. Eduardo disse:

    Muito bem!!! Paredão de som é falta de educação!

  2. Gabriel disse:

    Grande bosta, prender bandido ninguém quer né? Dono de som não atira em ninguém. Cada matéria dessa assinala o fim da vida noturna em Natal. Abaixo o ministério público!!! Abaixo a mordaça de Rossana Sudário!!!

  3. Legis disse:

    Um exemplo clássico de crime ambiental por poluição sonora a ser combatido nos termos capitulado no art. 69 da Lei nº 9.605/98….

  4. joaquim disse:

    Em pirangi a polícia ver o paredão e não faz nada

  5. Carlos disse:

    A mate'ria começa com "Para evitar o abuso de paredões de som…" Todo paredão de som já não é um abuso? No mínimo uma estupidez.

  6. Manoel Lucas disse:

    Não sei se o MPRN esqueceu do "Carnaval em Petrópolis " ! Afinal , o prefeito é muito querido por ele. Existem hospitais, maternidade, e acreditem , residências que pagam IPTU, e de forma antecipada e ilegal, onde existem moradores que querem ter o direito de descansar , de crianças e bebês que querem simplesmente DORMIR, e são impedidos pela "panela do Prefeito" que decidem fazer o evento em pleno bairro residencial . Um escárnio , um absurdo , e arrogância pura de quem já devia ter sido cassado por ter infringido a LRF. Desejamos um bom carnaval para o MPRN e seu simpático amigo Prefeito. Aliás MPRN que não consegue ouvir as musicas de carnaval altas, apenas a voz baixa do CHEFE do EXECUTIVO.

    • Carlos disse:

      Correto, o "pau que dá em Chico, deveria dar em Francisco" também.

    • Rachid disse:

      Então não teremos mais nenhum evento na cidade pq senão atrapalha alguns???
      Esse povo não para de reclamar. Se tem Carnaval, reclama do barulho, se não tem, reclama q a cidade é mto parada. Poxa, este carnaval em Petrópolis é uma atração que tá gerando renda p a cidade e para muitos profissionais (formais e informais), aquece a economia, traz alegria para milhares de pessoas e ainda tem gente que só pensa nela? Calma, pessoal. Quarta-feira acaba.
      Não podemos comparar um evento organizado, com data e hora p começar e terminar, com um paredão de som q os bêbados ligam de manhã e só desligam de madrugada.
      FELIZ CARNAVAL!!

  7. torcedor disse:

    Eu gostaria muito de ver essa proibição em Pirangi do Norte. Lá os marginais fazem o querem em relação a som alto em via pública.

Publicidade

Caraúbas: Justiça determina exoneração de secretária impedida de assumir funções públicas

Por interino

Com base em denúncia feita pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN), em ação penal (nº 0100185-67.2017.8.20.01155), a Justiça determinou que o Município de Caraúbas exonere a secretária de Trabalho e Assistência Social. Ao mesmo tempo, o MPRN por meio da Promotoria de Justiça da Comarca ajuizou ação de improbidade administrativa (nº. 0100189-07.2017.8.20.0115) contra Maria Josilene Ferreira Bezerra.

A ré assumiu cargo público ao qual estava impedida por ordem judicial anterior determinando o afastamento das funções públicas – nesta ação penal (nº 0100297-75.2013.8.20.0115) ela é acusada de crimes praticados contra a administração pública.

Ao tomar posse do cargo em janeiro deste ano, Maria Josilene desobedeceu a determinação da Justiça e violou os princípios constitucionais da legalidade, da moralidade, da honestidade, da lealdade às instituições e da supremacia do interesse público, descritos no art. 37, caput da Constituição Federal.

A ré ainda responde a outros seis processos na Justiça, tendo inclusive o Poder Judiciário decretado a indisponibilidade de bens nos montantes de R$ 77 mil e R$ 79 mil em duas dessas ações judiciais.

Ação penal anterior

A fraude ensejadora da ação penal nº 0100297-75.2013.8.20.0115 teria sido perpetrada por servidores do município, no caso, secretários municipais e pela comissão de licitação, com a participação de empresas participantes do processo licitatório. Maria Josilene integra o rol de réus da ação.

Em 2011, a Prefeitura Municipal de Caraúbas abriu licitação para aquisição de pneus e acessórios. O MPRN verificou a ocorrência de ilegalidades, consistente na existência de fraudes desde o princípio, através de solicitações falsas de despesa por secretários municipais, em seguida com abertura de processo licitatório direcionado a contratação da empresa agraciada, mediante acordo entre os empresários participantes. E por fim, com o pagamento do contrato, sem a efetiva entrega dos bens ao município.

Em face dessa ação, o Juízo optou por determinar o afastamento dos envolvidos das funções públicas como forma de defesa da ordem jurídica e do bom trato da coisa pública, incluindo portanto Maria Josilene. À época, a decisão foi cumprida, tomando a ré ciência do caso e comparecendo à audiência judicial por meio de advogado constituído.

Assim, não resta dúvidas ao MPRN de que Maria Josilene deliberadamente, com dolo extremado, de vontade livre e consciente, assumiu em janeiro de 2017 o cargo público, desobedecendo a ordem judicial. Registre-se que a mesma já se encontrava em exercício e praticando atos administrativos de forma ilegal.

MPRN

Comentário (1) enviar comentário
  1. César disse:

    Prefeito Carlos Eduardo, tome isso como exemplo. Averigue se algum secretário seu responde processo na justiça por improbidade administrativa e execução fiscal. Caso haja, mostre que seu governo não admite em seus quadros servidores que provam dano ao erário público.

Publicidade

Liminar do STF não impede TJRN de investir em melhoria do serviço à população

Por interino

A liminar concedida ontem pelo ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal – STF, em atendimento à ação movida pelo governo do estado, não impede que o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte continue a investir os seus recursos em melhoria e agilização dos serviços judiciários prestados à população.

A correta interpretação da liminar do ministro Marco Aurélio mostra que ele autoriza o TJRN a discutir o assunto, se desejar. Na verdade, a decisão do ministro suspende a liminar concedida ao CNJ, em 24 de novembro de 2016, negando a hipótese de repasse dos recursos do Tribunal para o governo. Já a destinação definida pelo Presidente Expedito Ferreira para os recursos do judiciário é melhorar e agilizar os serviços judiciários prestados à população pelo Tribunal e pelas 65 comarcas do estado.

Outro aspecto decisivo da questão é que a Associação dos Magistrados do Rio Grande do Norte – AMARN, o ex-presidente do Tribunal, desembargador Cláudio Santos, e o presidente Expedito Ferreira já tinham pedido ao Conselho Nacional de Justiça – CNJ a extinção do processo da possível doação que, agora, o governo busca com ação no STF.

Um dado importante na liminar do ministro Marco Aurélio é que ele exclui o presidente do TJRN como réu no processo, com destaque de que não há lei que determine a devolução dos recursos.

TJRN

Comentário (1) enviar comentário
  1. escritor disse:

    Tem.conversa nao. O q tem q ter é coragem agora do governador em fazer a compensação. Deixar de repassar oa duodecimos. E quitar fornecesores e servidores.

Publicidade

TCE permite nomeação de professores aprovados em concurso após analisar pedido da Secretaria de Educação

Por interino

O Tribunal de Contas do Estado (TCE/RN) decidiu permitir novas nomeações e posses de professores e especialistas em educação aprovados no concurso público realizado através do edital 001/2015, desde que seja demonstrada a real necessidade e risco de comprometimento de aulas pela falta de pessoal e que sejam vagas oriundas de reposição decorrente de aposentadoria ou falecimento dos servidores.

Segundo o voto do relator, conselheiro Paulo Roberto Chaves Alves, acatado pelos demais conselheiros na sessão desta quinta-feira (23), a Secretaria Estadual de Educação deverá demonstrar o risco de prejuízos ao ano letivo em relação a cada disciplina e escola da rede de ensino. As nomeações do referido concurso estavam suspensas após medida cautelar da Corte de Contas, agora revista em razão pedido de reconsideração da Secretaria Estadual de Educação e da Secretaria Estadual de Administração.

A medida cautelar anteriormente concedida era motivada pela falta de comprovação por parte das secretarias acerca do cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal. “Não resta suficientemente comprovado que as nomeações solicitadas atendem as exigências da Lei de Responsabilidade Fiscal, pois além de não se demonstrar com precisão o impacto financeiro que as novas nomeações causarão em um estado que já em severa crise, nem mesmo se demonstra se as vagas que se pretende ocupar foram abertas em razão da morte ou aposentadoria de servidores, permitindo nomeação excepcional, conforme regulamentado pela já referida LRF”, aponta o voto.

Para conseguir atender tanto à necessidade de realização do ano letivo, tendo em vista que a educação é um direito fundamental, quanto às limitações da LRF, o voto encaminha a liberação das nomeações, mas somente para atender a demanda imediata. “Como forma de balancear a aplicação dos princípios, a permissão para novas nomeações deverá ser limitada, restringindo-as à quantidade estritamente necessária para suprir as necessidades imediatas da SEEC, com o que se observará também a necessidade de respeito à responsabilidade fiscal, evitando-se o aumento descontrolado da despesa pública, o que é vital em momentos de crise financeira como o atual”, diz o voto.

Foi concedido ainda o prazo de 90 dias para que a Secretaria de Administração republique, por incorreção, nomeações para o cargo de Professor realizadas em vagas previamente ocupadas; revise os atos de nomeação publicados em 04/07/2016 e 30/07/2016, para corrigir eventuais admissões para vagas já preenchidas; apresente cálculos que informem a existência de recursos financeiros suficientes para custear as despesas geradas com as admissões; e inicie a criação de um sistema de controle do quadro de pessoal no âmbito do Poder Executivo do Estado do Rio Grande do Norte.

enviar comentário
Publicidade

FOTO: Osmar Serraglio será novo ministro da Justiça

Por interino

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O novo ministro da Justiça será anunciado pelo presidente Michel Temer nesta quinta-feira (23). O nome escolhido por Temer é o do deputado gaúcho Osmar Serraglio, do PMDB do Paraná, segundo informações do jornal O Estado de S.Paulo.

Segundo a publicação, com a nomeação de Serraglio, Temer satisfaz o PMDB e abre a porta para manter o Itamaraty com um tucano, após pediu de demissão do senador José Serra, anunciada na noite de quarta-feira.

Serraglio tem 68 anos e foi professor de Direito Administrativo da Universidade Paranaense em Umuarana. No ano passado foi presidente da CCJ da Câmara e votou a favor do impeachment. Ficou conhecido nacionalmente como relator da CPI dos Correios, encerrada em 2006.

R7

Comentários (2) enviar comentário
  1. Jofran disse:

    O Deputado que defendeu anistia a Eduardo Cunha assume Ministério da Justiça e vc ainda não percebeu que foi usado pra uma operação abafa, visando proteger um grupo que está aninhado nas tetas do poder desde o fim da ditadura militar, o PMDB e o PSDB, com os inocentes Tucanos intocáveis.
    A ida de Serraglio para a Justiça — somada com a aprovação de Alexandre Moraes para o Supremo — é a complementação prática da “Solução Michel” para barrar a Lava Jato em todas as frentes.
    A sangria está sendo estancada, e a rede Globo diz o quê? PLIM-PLIM

    • Ceará Mundão disse:

      Não tem nada sendo estancado. As investigações continuam. Tem um bocado de delação sendo combinada, algumas já colhidas (a da Odebrecht, por exemplo) e muita gente sendo presa. Agora mesmo, tivemos mais uma fase da Lava Jato, que pegou gente muito próxima do Temer. Isso, inclusive, derrubou o Padilha. A única coisa que existe é a enorme vontade dos petistas de para as investigações pois veem o óbvio: estão chegando cada vez mais próximo do "cabeça" da ORCRIM. O PT é o maior interessado em barrar as investigações, além dos seus antigos sócios do PMDB.

Publicidade