Publicidade

Prefeitura de Mossoró assegura fornecimento de oxigênio

A Secretaria Municipal de Saúde informa que já está em tramitação o processo para o pagamento da empresa ING – Gases, que fornece oxigênio para o município.

Tão logo os trâmites burocráticos sejam finalizados, o pagamento será efetuado.

Enquanto o pagamento não é efetivado, o município está disponibilizando um atendimento paliativo com outro fornecedor de oxigênio para que a população que precisa do serviço não fique desassistida.

enviar comentário
Publicidade

107 estudos publicados em revista sobre câncer foram cruelmente retirados do ar

107 estudos sobre pesquisa de câncer acabaram de ser retirados do jornal acadêmico sobre câncer,Tumor Biology. “Depois de uma investigação completa, temos fortes razões para acreditar que o processo de revisão pelos pares foi comprometido“, escreveu o editor-chefe do jornal Torgny Stigbrand. A revisão pelos pares é um dos padrões que tornam o processo uma parte integral da publicação acadêmica.

Mas há uma enorme pressão editorial na comunidade científica, e com cerca de 2,5 milhões de artigos publicados a cada ano, alguns deles inevitavelmente acabam deixando passar algo. Neste caso, a transgressão foi o que é conhecido como “falsa revisão por pares”. Os cientistas são muitas vezes solicitados a fornecer recomendações para potenciais revisores do seu trabalho. Enquanto isso soa como um convite óbvio para enganar, ele realmente faz sentido no meio acadêmico, quando o trabalho é muito específico e poucos outros fazem uma pesquisa semelhante.

Mas é fácil de enganar o sistema, fornecendo um endereço de e-mail de um falso revisor representando um pesquisador real e enviando para o jornal uma revisão positiva em seu nome. “Os artigos foram enviados com sugestões de revisores, que tinham nomes reais de pesquisadores, mas com falsos endereços de e-mail“, disse o representante da Springer, Peter Butler.

É um lote bastante grande de retratações, mas alguns dos grandes editores acadêmicos foram limpando seus portfólios de possíveis violações, incluindo falsa revisão por pares, plágio, fabricação de dados e muito mais.Desta vez, os 107 artigos foram publicados entre 2012 e 2016, e a maioria foi de autoria de pesquisadores chineses, embora isso não reflita automaticamente em seu trabalho científico.

Sabe-se que os cientistas chineses dependem de agências que fornecem serviços de edição de idiomas, que dão aos jornais um polimento, aumentando a chance de serem aceitos. Mas é possível que essas empresas também tenham feito esse um enorme desserviço. “Existe alguma evidência de que os chamados serviços de edição de idiomas de terceiros desempenham um papel na manipulação do processo de revisão“, disse um porta-voz da Springer.

“Se os autores não perceberem que isso é o que a editora estava fazendo, acho que os autores deveriam ter uma boa chance“, disse Elizabeth Wager, editor da revista Research Integrity & Peer Review. “Provavelmente não há nada de errado com a pesquisa, mas ela simplesmente não foi revisada pelos pares”, completou. A China é um dos maiores contribuintes científicos do mundo, produzindo mais de 300.000 artigos por ano. Com avanços na fusão nuclear e experiências revolucionárias, os pesquisadores chineses são os principais da cena internacional da pesquisa.

Quanto à Tumor Biology, a revista realmente mudou de Springer para SAGE no ano passado, e o novo editor foi informado sobre a potencial fraude de revisão de pares. A revista é dirigida pela Sociedade Internacional de Oncologia. “A sociedade estava aberta sobre os casos passados ​​de fraude na revisão por pares e, como parte do relançamento, eles queriam abordar as razões subjacentes“, disse um porta-voz da SAGE. “Como parte da transição para um novo editor, a equipe editorial da Tumor Biology já introduziu novas práticas robustas de revisão por pares esperadas de todos os periódicos SAGE“, finalizou.

Jornal Ciência via Science Alert

enviar comentário
Publicidade

EUA: consumo ilegal de maconha e incidência de doenças relacionadas aumentaram nos estados onde o uso medicinal foi permitido

Pesquisadores da Universidade de Columbia (EUA) analisaram dados sobre três pesquisas nacionais sobre o consumo de maconha entre 1991 e 2013. Eles descobriram que os estados que legalizaram a maconha medicinal viram um aumento no número de usuários ilegais, bem como nos casos de transtorno associados ao uso de cannabis, de acordo com informações do Daily Mail. A pesquisa, publicada recentemente na revista JAMA Psychiatry, é a primeira a fazer uma revisão abrangente de dados que se estendem desde antes as leis de legalização.

As leis e atitudes em relação à cannabis mudaram drasticamente nos últimos 20 anos. Em 1992, nenhum norte-americano viveu em estados onde a maconha para uso medicinal era permitida. Diferente disso, até 2012, mais de um terço deles vivem em estados nestas condições. Hoje, os EUA somam 29 estados e o Distrito de Columbia que permitem o consumo medicamente prescrito da droga. Oito desses estados, além do Distrito, também legalizaram a droga para uso recreativo. Isso significa que quase um quarto dos norte-americanos (mais de 20%) tem acesso à maconha recreativa, e mais de 60%, à medicinal.

Contudo, especialistas, incluindo o médico da Casa Branca, General Dr. Vivek Gupta, advertem que a legalização está avançando mais rápido do que as pesquisas sobre o assunto. Em um relatório divulgado em novembro passado, Dr. Gupta pediu aos usuários que tivessem cautela, dizendo que “a maconha é de fato viciante”. Para o estudo mais recente, os pesquisadores consultaram dados do Levantamento Epidemiológico Nacional Longitudinal Alcoólico (1991-1992), do Inquérito Epidemiológico Nacional sobre o Álcool e Condições Relacionadas (2001-2002) e o Inquérito Epidemiológico Nacional sobre o Álcool e Condições Conectadas III (2012-2013).

Os resultados indicaram que, entre 1991-1992 a 2012-2013, o uso ilícito de cannabis aumentou significativamente (1,4%) nos estados em que a droga medicinal é legalizada, bem como o número (0,7%) de desordens relacionadas ao uso. Agora, como próximo foco de pesquisa, os autores planejam confirmar por que essas leis estimulam o mercado ilegal de cannabis, que também experimentou um “boom” nestes estados.

“As leis de maconha medicinal podem beneficiar alguns com problemas médicos”, escreveu a autora principal Deborah Hasin, do Columbia University Medical Center. “No entanto, as mudanças nas leis estaduais (medicinais ou recreativas) também podem ter consequências adversas para a saúde pública”. “Uma interpretação prudente dos nossos resultados é que os profissionais e o público devem ser informados sobre os riscos do consumo de cannabis e os benefícios do tratamento e prevenção/serviços de intervenção para as doenças relacionadas devem ser fornecidos”, concluiu.

Jornal Ciência via DailyMail

 

Comentários (2) enviar comentário
  1. Coxinha de Mortadela disse:

    Você postou o único estudo provindo de um tablóide não confiável (Daily Mail). Todos os outros estudos correlacionam a legalização ao decréscimo do uso (tanto legal quanto ilegal) e à queda de vícios.

    O texto também está mal traduzido, bem mal, o texto original cita que o Vivek Gupta falou dos benefícios para doenças como "epilepsia, dores, nausea, obesidade, vício, doenças autoimunes, etc."

    "He cited 'a growing body of research' suggesting marijuana's chemicals can help with 'pain, nausea, epilepsy, obesity, wasting disease, addiction, autoimmune disorders, and other conditions."

  2. Fran disse:

    Maconheiro é pra se fuder mesmo.

Publicidade

Substância presente na maconha e na pimenta pode controlar diabetes

Pesquisadores descobriram que a maconha e a pimenta possuem uma substância que reduz a inflamação intestinal. Estima-se que no futuro essas substâncias possam fornecer remédios para a cura de diabetes tipo 1 e da colite, que é a inflamação no intestino grosso. O estudo foi realizado pela Universidade de Connecticut e testou uma substância chamada capsaicina, presente em pimentas e pimentões.

Eles testaram ratos de laboratórios, e os resultados mostraram que os ratinhos que aderiram a essa dieta tiveram menor índice de inflamação intestinal. Alguns dos ratos utilizados no teste chegaram a ficar curados da diabetes tipo 1. A capsaicina se conecta a um receptor chamado TRPV1, que está presente em todo o sistema gastrointestinal.

Isso acaba resultando em um composto chamado anandamida, que é semelhante aos canabinoides presentes na maconha. A anandamida reage com um receptor diferente e dá origem a macrófagos imunológicos que reduzem inflamações no pâncreas, estômago, intestino e esôfago.

Mas, onde a fica a maconha nisso tudo?

Os receptores aos quais a anandamida se conecta que estão no intestino, também estão presentes no cérebro.Esses receptores cerebrais se unem aos canabinoides e criam o efeito da droga. Não se sabe exatamente qual é a função desses receptores presentes no cérebro, mas estima-se que seja parecida à descoberta pelos pesquisadores da Universidade de Connecticut.

Portanto, será possível no futuro que remédios à base de maconha possam ser feitos para curar doenças intestinais e diabetes tipo 1. Mas, para tal feito, a legislação sobre o uso medicinal da maconha precisa avançar consideravelmente. Essa pesquisa aponta que os sistemas digestivos e nervosos estão mais conectados do que se pensa.

“Isso nos permite imaginar formas de como o sistema imunológico e o cérebro podem conversar um com o outro, já que possuem uma linguagem comum”, disse Pramod Srivastava, coautor da pesquisa.

Jornal Ciência via IFL Science 

enviar comentário
Publicidade

Presidente do Senado Eunício Oliveira está em UTI após desmaio

Eunício em entrevista no Senado nesta quarta-feira (26) (Foto: Marcos Brandão/Senado)

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), sofreu um desmaio na madrugada desta quinta-feira (27) e foi internado na UTI de um hospital em Brasília, de acordo com a assessoria do senador.

Ainda segundo a assessoria, inicialmente a suspeita era de que Eunício tivesse sofrido um acidente vascular cerebral, mas os exames não confirmaram esse diagnóstico.
Um boletim médico divulgado pelo hospital onde Eunício foi internado afirmou que o senador apresentava, no início do dia, estado estável e exames de imagem do crânio com resultados normais.

Ainda segundo a equipe médica, o senador será reavaliado ao longo do dia.

Em fevereiro, dias após ter sido eleito presidente do Senado, Eunício passou por uma cirurgia de retirada de vesícula.

G1

Comentários (4) enviar comentário
  1. Tarcisio disse:

    Já ficou doente nem na frente de moro ficou

  2. Romeiro disse:

    Fazer amor é outra coisa. Isso é trepar mesmo. Não pode!

  3. Helio Motta disse:

    Não há com que se preocupar. Vaso ruim não quebra.

Publicidade

Inocentada, ex-chefe de UTI no PR que ficou conhecida como “doutora morte”, vive reclusa e trabalha como telemarketing

Quatro anos após ter ficado conhecida como a “doutora morte”, a médica Virgínia Soares de Souza, 60, hoje vive reclusa em seu apartamento, na região central de Curitiba, onde mora com um filho e a cachorra Naomi.

Sem perspectivas de continuar na medicina, ela trabalha como uma espécie de telemarketing, em uma pesquisa por telefone para uma clínica de radiologia local.

Na semana passada, ela foi inocentada pela Justiça da acusação de ter matado sete pacientes, entre 2011 e 2013, na UTI do Hospital Evangélico em Curitiba –unidade de terapia intensiva chefiada por ela na ocasião. O Ministério Publico do Paraná vai recorrer da decisão, com pedido para um júri popular.

Andre Rodrigues – 20.mar.13/Gazeta do Povo/Folhapress

Virgínia e outros cinco funcionários da UTI (três médicos e duas enfermeiras) foram acusados pela Promotoria de prescrever medicamentos e alterar padrões de ventilação com o propósito de encerrar a vida de pacientes da unidade para liberar leitos.

Em interceptações telefônicas autorizadas pela Justiça, a médica falava sobre a necessidade de “sair” com pacientes e “desentulhar a UTI”.

Na última segunda (24), Virgínia falou à Folha sobre os anos em que foi tachada de assassina e sobre a responsabilidade de decidir sobre a distribuição dos leitos em uma UTI​ –comparado por ela a uma “escolha de Sofia”, em referência ao filme em que a personagem-título tem de optar pela vida de somente um de seus dois filhos.

*

Folha – Nesses quatro anos desde o início do processo, como tem sido sua vida pessoal e profissional?

Virgínia Soares de Souza – Estudei. Fiz pós-graduação em auditoria interna. Posteriormente fiz mais um curso de pós-graduação para qualificação de clínicas de imagem. É minha perspectiva trabalhar numa parte burocrática.

Eu fazia um curso no centro de Curitiba todos os dias às 18h. Muitas pessoas vinham e falavam: “Eu acredito na senhora”. Mas também teve algumas chamando de “assassina”. Aí eu me isolei. Brinco que foram férias forçadas, porque eu nunca tinha férias. Agora resgatei o convívio com familiares, amigos.

Na sua carreira, a sra. se arrepende de algum ato médico?

Não, nunca. Não seria diferente, não agiria diferente. Porque fiz exatamente aquilo que tinha vocação e amor. É um serviço exaustivo, fisicamente e emocionalmente. Porque você atende o paciente e a família. Às dores de uma família, você não fica imune.

A que a sra. atribui a acusação de que atuou para abreviar a vida dos pacientes?

Até hoje eu não sei exatamente. Acredito que tenha sido fruto de inexperiência, falta de escrúpulos, de conhecimento, de treinamento de alguns colaboradores.

Como normalmente eu já sou uma pessoa mais exigente, eu evitava falar com os técnicos e me dirigia aos enfermeiros responsáveis. Isso não é um desprestígio, mas pode ter sido interpretado assim. É uma questão de hierarquia.

Se for olhar a colocação do juiz, nas oitivas, era papo de corredor, tipo papo de bar. Ninguém viu, mas ouviu falar. O desconhecimento sobre as patologias, sobre os pacientes. Foi um conjunto de coisas.

Em escutas telefônicas feitas pela polícia, a sra. diz frases como ‘sair’ com pacientes, ‘desligar’ pacientes e que quer ‘desentulhar a UTI’. O que significam?

As frases estavam descontextualizadas e foram editadas. Um paciente tinha perdido todos os acessos, a médica estava discutindo comigo, e eu disse: “Perderam os acessos [às veias]?”. E ela: “Perderam”. E eu disse: “Mas só matando essa gente”. Isso é um comentário informal, um desabafo, porque só matando de vez em quando [risos]. Porque a pessoa não pensa no paciente como se fosse um seu [familiar ou amigo].

“Girar a UTI” é um termo que a gente usa, a demanda de leito de UTI é muito alta e a oferta é ínfima. Você abre uma vaga e tem cinco, seis pessoas esperando. Você tem uma responsabilidade muito grande e acaba ficando numa situação do livro e o filme “A Escolha de Sofia”. É extremamente cruel, porque não tem como saber se o que tem mais chance é o que vai sobreviver.

O que a sra. pensa sobre a eutanásia e ortotanásia?
A eutanásia é proibida por lei. Acho que o nosso país precisa de uma discussão muito séria, mas acho que não é o momento. Tem família que te propõe isso independente se o doente tem chance ou não.
Você tem um pensamento como médico, pela literatura e por leis. Como cidadão, muitas vezes você dá alta e fica refletindo.

O que pretende fazer agora?
Eu faço pesquisa num processo de auditoria externa pra ver grau de confiabilidade dos laudos de exame, diretamente com o paciente, via telefone. Eu converso, pergunto tudo. Tem sido uma receptividade muito grande até pra uma espécie de telemarketing. Fora isso vou aguardar o processo, que vai ter andamento.

Folha de São Paulo

 

enviar comentário
Publicidade

Âncora do Cidade Alerta da PB morre após passar mal em voo

Imagem: Divulgação/TV Correio

O apresentador Jota Júnior, que comandava o “Cidade Alerta da TV Correio”, afiliada da Record na Paraíba, morreu na madrugada de segunda-feira (24). Ele estava internado em um hospital de Belo Horizonte (MG) desde domingo depois de passar mal durante o voo que o levava até Porto Alegre (RS), onde daria continuidade a um tratamento médico. No hospital, Jota sofreu uma parada cardíaca, de acordo com o pneumologista que o acompanhava, Ronaldo Rangel. O apresentador tratava de uma doença no pulmão desde o ano passado e que se agravou recentemente.

Jota chegou a gravar uma mensagem para os fãs no domingo antes da decolagem do avião. “Obrigado por tudo, um beijo a toda Paraíba. Obrigado pelo carinho, que Deus me abençoe. Continuem orando por mim. Até a volta, se Deus quiser”, disse. O apresentador estava afastado do trabalho desde abril de 2016.

Jota Júnior tinha 52 anos. Em 2004 foi eleito prefeito de Bayeux e reeleito em 2008. Como comunicador, começou a carreira no rádio até ir para a TV.

UOL

enviar comentário
Publicidade

Potiguar Renan Barão volta ao peso do título no UFC para não comprometer saúde

Durou apenas duas lutas a passagem de Renan Barão pelo peso-pena (até 66kg) do Ultimate. O ex-campeão dos galos (até 61kg) decidiu voltar para a sua categoria de origem, conforme apurou o Combate.com. O lutador, que teve uma vitória e uma derrota na divisão de cima, ainda não tem compromisso marcado e aguarda a definição de seu próximo adversário pela companhia, enquanto treina nos Estados Unidos.

Renan Barão voltará aos pesos-galos em sua próxima luta (Foto: Evelyn Rodrigues)

Quando subiu para os penas, em maio do ano passado (derrota por decisão unânime para Jeremy Stephens), a intenção de Barão e sua equipe era minimizar os danos causados pelo corte de peso, já que em seu último combate pelos galos, quando perdeu revanche pelo cinturão para TJ Dillashaw, o atleta teve problemas de pressão alta. Entretanto, o potiguar tem treinado mais leve ultimamente, já visando um corte mais tranquilo para bater 61kg sem comprometer a sua saúde.

Além da derrota para Stephens, Barão também enfrentou Phillipe Nover pelos penas, em setembro do ano passado, quando venceu por decisão unânime. No cartel, são 34 vitórias, quatro derrotas e um “No Contest” (luta sem resultado).

Combate – Globo

enviar comentário
Publicidade

Servidores da saúde farão ato público em frente à Sesap nesta terça

Nesta terça-feira (25), os servidores da saúde estadual irão realizar um ato público em frente à Sesap, às 09h. O protesto tem a iniciativa de fortalecer a campanha salarial 2017, que reivindica pontos como o pagamento do salário em dia e o cumprimento do acordo judicial da greve passada, na qual o governo se comprometeu com o concurso público, a progressão de 2015 e a revisão da lei da Produtividade, para acabar com as distorções. Os servidores também cobram a reposição salarial – as perdas chegam a 32,06%, segundo estudo do Dieese.

Além disso, o ato também faz um chamado à Greve Geral do dia 28 de Abril. Na qual, diversas categorias dos setores público e privado de todo o País irão cruzar os braços contra as reformas da Previdência e Trabalhista e a lei da Terceirização já sancionada pelo governo Temer. Em Natal, o ato sairá em frente ao Shopping Midway Mall, às 15h.

No dia 04 de maio, os servidores realizarão uma assembleia com indicativo de greve, em frente à Governadoria, às 09h.

Comentários (3) enviar comentário
  1. M. D. R. disse:

    Vamos pedir a DEUS, que o prazo de validade desde GOVERNO passe logo. É verdadeiro massacre ao funcionalismo nesta gestão, atraso nos SALÁRIOS, suspendeu os empréstimos CONSIGNADO e congelou os salário dos servidores.

  2. Henrique disse:

    Esse povo so pensam neles, enquanto isso 13mi de desempregados no Brasil.

Publicidade

Crescimento constante: taxa de suicídio entre jovens sobe 10% desde 2002

Suicídio ainda é tabu, mas especialistas defendem que deve ser mais debatido

De assunto mantido entre quatro paredes a tema de série na internet, o suicídio de jovens cresce de modo lento, mas constante no Brasil: dados ainda inéditos mostram que, em 12 anos, a taxa de suicídios na população de 15 a 29 anos subiu de 5,1 por 100 mil habitantes em 2002 para 5,6 em 2014 – um aumento de quase 10%.

Os números obtidos com exclusividade pela BBC Brasil são do Mapa da Violência 2017, estudo publicado anualmente a partir de dados oficiais do Sistema de Informações de Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde.

Um olhar atento diante de uma série histórica mais longa de dados permite ver que o fenômeno não é recente nem isolado sobre o que acontece com a população brasileira. Em 1980, a taxa de suicídios na faixa etária de 15 a 29 anos era de 4,4 por 100 mil habitantes; chegou a 4,1 em 1990 e a 4,5 em 2000. Assim, entre 1980 a 2014, houve um crescimento de 27,2%.

Criador do Mapa da Violência, o sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz destaca que o suicídio também cresce no conjunto da população brasileira. A taxa aumentou 60% desde 1980.

Em números absolutos, foram 2.898 suicídios de jovens de 15 a 29 anos em 2014, um dado que costuma desaparecer diante da estatística dos homicídios na mesma faixa etária, cerca de 30 mil.

“É como se os suicídios se tornassem invisíveis, por serem um tabu sobre o qual mantemos silêncio. Os homicídios são uma epidemia. Mas os suicídios também merecem atenção porque alertam para um sofrimento imenso, que faz o jovem tirar a própria vida”, alerta Waiselfisz, coordenador da Área de Estudos da Violência da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso).

O sociólogo aponta Estados do Centro-Oeste e Norte em que a taxa de suicídio de jovens é maior, num fenômeno que os especialistas costumam associar aos suicídios entre indígenas: Mato Grosso do Sul (13,6) e Amazonas (11,9).

Na faixa etária de 15 a 29 anos, a taxa de suicídio tem se mantido sempre um pouco acima da verificada na população brasileira como um todo, segundo a publicação “Os Jovens do Brasil”, lançada por Waiselfisz em 2014, com um capítulo sobre o tema.

Segundo a publicação, o Brasil ainda apresenta taxas de suicídio relativamente baixas na comparação internacional feita com base em dados compilados pela ONU.

Em países como Coreia do Sul e Lituânia, a taxa no conjunto da população supera 30 por 100 mil habitantes; entre jovens, supera 25 por 100 mil habitantes na Rússia, na Bielorússia e no Cazaquistão.

Em números absolutos, porém, o Brasil de dimensões continentais ganha visibilidade nos relatórios: é o oitavo país com maior número de suicídios no mundo, segundo ranking divulgado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) em 2014.

TERRA

enviar comentário
Publicidade

Acordo judicial prevê edital para concurso da saúde para Prefeitura do Natal em 90 dias

O Município de Natal tem 90 dias para contratar empresa que realize o concurso público para a área da Saúde, publicar o edital e efetuar as inscrições de candidatos para o certame
A medida foi firmada em audiência judicial com o Município, ocorrida nesta quinta-feira (20), na 4ª Vara da Fazenda Pública de Natal. O juiz Cícero Macedo homologou por decisão judicial o acordo celebrado perante as promotoras de Justiça da Saúde da Comarca de Natal, Elaine Cardoso e Kalina Filgueira, representantes do Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN).

A ação envolve Execução de Obrigação de Fazer de Termo de Ajustamento de Conduta firmado com o Município de Natal objetivando a realização do concurso público para servidores da saúde, pois, embora tenha sido realizado o concurso ano passado, este foi anulado por problemas durante sua execução, e precisa ser efetivamente viabilizado.

O prazo de 90 dias começará a contar a partir do próximo 1º de maio. O acordo firmado ainda prevê que as provas do concurso mencionado sejam realizadas, preferencialmente, até o final do mês de setembro deste ano.

Nesse período o processo ficará suspenso e o Município de Natal deverá adotar as providências necessárias para cumprimento dos pontos definidos em audiência. Na oportunidade, uma próxima audiência já ficou aprazada para 27 de julho de 2017, na qual será analisada eventual necessidade de prorrogação dos contratos temporários vigentes e a quantidade de vagas remanescentes na área da Saúde. O acordo desta quinta-feira já incluiu a intimação do Município e do MPRN para esta audiência aprazada.

Assinaram o acordo homologado judicialmente representando o Município, os procuradores de Natal, Aurino Lopes e Fernando Gaburri, as secretárias adjuntas da Saúde, Maria da Saudade Azevedo e Terezinha Guedes, a diretora do Departamento de Pessoas da Secretaria de Saúde, Isabelle Cocentino, presidente da Comissão do Concurso da Área da Saúde e servidora, Leila Carolina Carvalho e a secretária de Administração, Adamires França.

 

Comentário (1) enviar comentário
  1. Francisco Fagner disse:

    E o pessoal que fez o concurso passado como fica? lesado mesmo?, Por ventura vão perder todas as despesas de passagem ospedagen e taxa de inscrição?

Publicidade

Servidores da saúde farão ato público no Walfredo Gurgel nesta quinta

Nesta quinta-feira (20), os servidores da saúde estadual irão realizar um ato público em frente ao hospital Walfredo Gurgel, às 09h30. O ato marcará o lançamento da campanha salarial 2017 aprovada na assembleia que ocorreu no dia 12 de abril. Além disso, os servidores também irão protestar contra o desmonte da saúde pública que se aprofunda cada vez mais. Os servidores irão denunciar o fechamento das enfermarias do Walfredo Gurgel e fortalecerão a campanha contra a reforma da Previdência do governo Temer e o chamado para a Greve Geral, no dia 28 de abril.

No dia 25, ocorrerá um novo ato em frente à Sesap, às 09h e no dia 04 de maio, os servidores realizarão uma assembleia com indicativo de greve, em frente à Governadoria, às 09h.

enviar comentário
Publicidade