Publicidade

Google descobre vazamento de dados que pode ter afetado 2 milhões de sites

Por interino

Um pesquisador ligado ao Google foi o responsável por encontrar um vazamento de dados envolvendo a CloudFlare, empresa que fornece criptografia SSL para cerca de 2 milhões de sites e para serviços como Uber, Fitbit e OkCupid. O ataque está sendo chamado de CloudLeak ou CloudBleed e pode comprometer os dados dos usuários que usam as páginas e os serviços ligados aos servidores da empresa.

O incidente foi descoberto pelo pesquisador Tavis Ormandy, funcionário da iniciativa de segurança Project Zero, do Google. Ao que ele indica, a falha foi descoberta no dia 18 de fevereiro, mas já poderia estar ativa desde setembro do ano passado

Para piorar, não é nem preciso ser algum especialista em invasão de sistemas para conseguir o acesso aos dados sensíveis das páginas afetadas. “Até a minha mãe pode ter as senhas de outras pessoas armazenadas no seu navegador apenas ao visitar outro site hospedado na CloudFlare”, explica Ormandy.

Em sua defesa, a CloudFlare alega que o vazamento de informações confidenciais começou no dia 13 de fevereiro. Em seu blog oficial, a companhia afirma que já corrigiu o problema, que foi causado por um erro em seus códigos, e que não registrou o uso malicioso das informações vazadas.

Olhar Digital, UOL

enviar comentário
Publicidade

Um terço dos presos no Brasil são provisórios, aponta pesquisa do CNJ

Por interino

Foto: Márcio Fernandes/Estadão

Existem 654.372 presos no Brasil, dos quais 221.054 – um terço do total – são provisórios. Estes são os números divulgados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) nesta quinta-feira, 23, após a análise e organização de dados solicitados, em janeiro, aos Tribunais de Justiça Estaduais e do Distrito Federal.

O levantamento mostra que o tempo médio da prisão provisória no Brasil é de um ano e três dias. Pernambuco é o Estado que segura por mais tempo os presos provisórios: 974 dias. Enquanto Rondônia é o que os mantêm por menos tempo: 172.

O balanço aponta também que a proporção de presos provisórios nos Estados oscila entre 13%, caso do Amazonas, e 82%, caso do Sergipe. São Paulo tem o terceiro índice mais baixo: 15%.

A iniciativa do levantamento partiu do CNJ, dias após as mortes no Amazonas e em Roraima, em janeiro, diante da constatação de que não haviam números atualizados da quantidade de presos no Brasil. O último balanço, do fim de 2014, feito pelo Departamento Nacional Penitenciário (Depen), do Ministério da Justiça, apontava um total de 607.731 presos no Brasil – 7% a menos do que o agora divulgado pelo CNJ.

O levantamento é uma espécie de base para a futura realização do censo penitenciário nacional, que o CNJ planeja executar com o apoio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, do Exército Nacional e da Pastoral Carcerária.

Em uma reunião, no dia 12 de janeiro, a presidente do CNJ e do Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia, pediu que os presidentes dos Tribunais de Justiça estaduais enviassem os dados e, além disso, também elaborassem um plano de ação para acelerar o julgamento de réus presos e ajudar a diminuir a duração das prisões provisórias, com prazo de 90 dias, até abril.

O relatório do CNJ lista as medidas que cada Estado tomou desde janeiro em busca de cumprir esta missão. Apenas Mato Grosso do Sul e Tocantins não informaram que ações foram realizadas.

O CNJ estima que, até o final de abril, as ações definidas na primeira fase da “Reunião Especial de Jurisdição” estarão concluídas.

As planilhas foram analisadas pelo Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas (DMF) em conjunto com o Departamento de Pesquisa Jurídica.

Outros dados revelados mostram que o crime com base no qual há um maior porcentual de presos provisórios é o de tráfico de drogas: 29%. Roubo vem em seguida, com 26%.

Estadão

Comentários (2) enviar comentário
  1. Jean disse:

    JUSTIÇA MOROSA, INEFICIENTE E PASSIONAL!
    Quando a causa é de interesse de pessoas da alta corte econômica, social ou/e política…
    A Justiça só é rápida para proteger os amigos e perseguir os adversários.
    Em cada Estado existem os Feudos dominados por Oligarquias familiares que se revesam no Poder local, indicando desembargadores, conselheiros pros Tribunais de Contas, etc.
    E assim, vamos fingindo que saímos da fase do Coronelismo e não percebemos que o "Patrimonialismo", no dizer de Raimundo Faoro, continua forte e atuante, minando qualquer tentativa de avançarmos rumo ao Republicanismo.
    OBS: Bom ler sobre o patrimonialismo pra entender o contexto do que está sendo dito.

  2. Charles disse:

    Problema deles. Se andassem dentro da lei estariam no meio de nós. Já que não quiseram que se lasquem. Era pra passar no mínimo 15 anos só pra se fazer a capa do processo.

Publicidade

Sesed detalha o Plano de Operações do Carnaval 2017 no RN

Por interino

A Secretaria do Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed) iniciará, nesta sexta-feira (24) até a próxima quarta-feira (1º), a Operação Carnaval 2017. Estarão nas ruas do estado do Rio Grande do Norte um efetivo de 2.761 agentes de segurança. Serão 1.370 policiais militares do Comando de Policiamento do Interior (CPI), 577 do Comando do Policiamento Metropolitano (CPM), 200 do Comando do Policiamento Rodoviário Estadual (CPRE), 114 do Corpo de Bombeiros e 500 policiais civis.

“Usaremos a escala ordinária ao máximo, mas contaremos com a entrada do serviço extraordinário também. É importante ressaltar que as equipes da Força Nacional continuarão atuando dentro do planejamento previsto anteriormente junto ao Ministério da Justiça”, explicou o secretário de Segurança Pública e Defesa Social, Caio Bezerra. A Polícia Militar investirá R$ 680 mil em diárias operacionais, a Polícia Civil R$ 79.950 e o Corpo de Bombeiros R$ 23.200.

Polícia Militar

Embarcarão nesta sexta-feira (24), às 8h, no quartel da Polícia Militar o efetivo que viajará ao interior do estado. De acordo com o comandante do Comando do Policiamento do Interior (CPI), Coronel Eliause Moreira, o trabalho ostensivo será realizado em todo estado, mas as principais áreas são: Caicó, Areia Branca, Tibau, Macau, Assú, Touros, Barra de Maxaranguape, São Miguel do Gostoso, Pipa, Barra de Cunhaú e Baía Formosa.

Já o trabalho do Comando de Policiamento Metropolitano (CPM) estará com foco principal no litoral sul (até Barreta) e Norte (até Muriú), e nos polos do Carnaval de Natal (Petrópolis, Ribeira, Rocas, Centro Histórico, Ponta Negra e Redinha). “Vamos trabalhar para garantir que a população possa aproveitar o período na maior tranquilidade possível”, afirmou o coronel Osmar, comandante do CPM.

Polícia Civil

A Polícia Civil disponibilizará 500 policiais civis realizando um policiamento ostensivo/repressivo e exercendo as funções de polícia judiciária, visando reprimir crimes como o porte ilegal de armas; o furto e roubo aos foliões, veranistas, turistas, moradores e comerciantes; o furto e o roubo de veículos; o tráfico de entorpecentes; a exploração sexual infanto-juvenil, como também, outras modalidades de delito.

A Diretoria de Polícia Civil da Grande Natal (DPGRAN) montou um esquema, no qual os policiais civis trabalharão em delegacias de Natal, do litoral sul e litoral norte. Funcionarão em esquema especial as delegacias instaladas nas praias de Pirangi e Barra de Maxaranguape; a 1ª Delegacia de Plantão da Zona Sul; a 2ª Delegacia de Plantão da Zona Norte e a Delegacia Especializada Assistência ao Turista (DEATUR).

No interior do Estado estarão funcionando dez Delegacias Regionais da Polícia Civil (DRPC) que ficam localizadas nas cidades de São Paulo do Potengi, Mossoró, Caicó, Pau dos Ferros, Macau, Nova Cruz, Patu, Alexandria, Santa Cruz e João Câmara. Além do reforço nas delegacias regionais, as delegacias municipais de Apodi, Tibau do Sul e Canguaretama tiveram aumento no seu efetivo.

As delegacias que fazem parte da Operação Carnaval atenderão os cidadãos das 18 horas de sexta-feira até às 08 horas da quarta-feira (01) para registro de ocorrências. A delegacia móvel da Polícia Civil ficará na cidade de Caicó.

Corpo de Bombeiros

O Corpo de Bombeiros Militar do RN (CBMRN) atuará com 114 militares espalhados pelas áreas de maior movimento no Rio Grande do Norte. Em Natal, o CBMRN estará nas quatro regiões da cidade, além de equipes de salva-vidas que ficarão nas praias de Ponte Negra, Búzios, Redinha, Praia do Forte, Praia dos Artistas, Praia do Meio e Areia Preta.

Mossoró, Pau dos Ferros e Caicó, cidades que todos os anos atraem um grande fluxo de pessoas durante esse período, também receberão efetivos dos Bombeiros. As praias do Ceará e Manuela, em Tibau, região Oeste do RN, ainda contarão com equipes de salva-vidas.

“Atuaremos nas praias como o trabalho dos salva-vidas e na fiscalização dos locais de evento”, reforçou o comandante do Corpo de Bombeiros, Coronel Sócrates Vieira. O CBMRN ainda fará distribuição de pulseiras para crianças nas praias, distribuição de folders educativos e a sinalização da orla com placas e bandeiras.

ITEP

O Instituto Técnico-Científico de Perícia (ITEP) irá reforças suas equipes em Caicó e Mossoró durante o período do Carnaval. Na cidade seridoense, a regional do instituto com duas equipes de perícia criminal, composta por motorista e auxiliar de perícia. Na medicina legal, haverá o incremento de uma equipe de remoção de corpo, totalizando duas equipes formadas por motorista e necrotomista.

As necropsias dos corpos da região do Seridó serão realizadas na sede do ITEP em Mossoró, que contará com dois médicos por dia durante o período, com exceção do domingo.

Em Natal, as equipes de perícia e medicina legal permanecem com a escala normal.

 

Comentários (2) enviar comentário
  1. Leonardo disse:

    Estão devendo mais da metade das Diárias do Carnatal, todas as diárias do Réveillon, da Operação Verão dos meses de Dezembro e Janeiro. Ninguém da sociedade civil organizada, do MP, da OAB, os Blogs e os Jornais não se manifestaram até agora, mas qndo a PM pensa em parar, aí todos emitem Notas e mais Notas, e a imprensa emite juízo de Valor, todos tem uma opinião para dar, mas exigir das autoridades que honrem o compromisso com os Policiais, nada. Absurdo.

  2. BarbyBarby disse:

    As diárias da operação verão que bom nada…..

Publicidade

Força Nacional ficará mais 30 dias no Rio Grande do Norte

Por interino

O Ministério da Justiça e Segurança Pública autorizou a permanência da Força Nacional por mais 30 dias no Rio Grande do Norte. A tropa está no estado desde setembro de 2016, atuando com a Polícia Militar em ações de policiamento ostensivo.

Segundo portaria publicada hoje (23), no Diário Oficial da União, o número de profissionais obedecerá ao planejamento definido pelas autoridades estaduais.

A presença da Força Nacional no estado foi solicitada pelo governador Robinson Faria, em agosto de 2016, e autorizada pelo ministério em setembro do mesmo ano. O pedido estadual foi motivado pelo agravamento da situação da segurança pública.

Em janeiro deste ano, em meio a uma crise no sistema penitenciário do estado, o governador Robinson Faria pediu aumento do efetivo da Força Nacional no estado.

No dia 14 de janeiro, a Penitenciária Estadual de Alcaçuz foi palco de uma rebelião, com detentos armados de paus, pedras e facas, além de bandeiras com as siglas de facções criminosas. Ao menos 26 presos foram assassinados brutalmente. Nos dias que se seguiram, presos de facções rivais voltaram a se enfrentar e a situação só foi contida depois da construção de um muro de contêineres dentro do presídio. O governo do estado anunciou a intenção de fechar o presídio e transferir os detentos para outros estabelecimentos.

Agência Brasil

enviar comentário
Publicidade

“CARNAVAL” -VÍDEOS: Moradores da beira-mar de Olinda flagram arrastão; brigas de grupos rivais também registradas

Por interino

Às vésperas do carnaval e com as prévias carnavalescas a todo vapor, a Avenida Ministro Marcos Freire, à beira-mar de Olinda, Região Metropolitana do Recife (RMR), foi cenário de arrastão no último domingo (19).

Moradores assustados usaram as redes sociais para mostrar o caos vivido, provocado por cerca de 30 homens munidos com paus. Relatos apontam que a Polícia Militar chegou rápido ao local, mas não agiu.

“Era por volta das 16h30 quando ouvimos os gritos. Quando olhamos eram quase 40 homens correndo pela avenida. Eles pegaram os paus de guarda-sol e saíram quebrando coisas e assustando as poucas pessoas que estavam na rua”, declarou uma moradora que não quis se identificar.

Ela ainda acrescenta que “eles ameaçaram os moradores do prédio que estavam embaixo e nos assustou muito. Fiquei num misto de revolta e medo”, detalha. A moradora apontou um fato curioso. “A Polícia Militar chegou bem rápido com uma equipe, mas não agiu contra os baderneiros. Não fizeram nada e foram embora, passaram direto”.

Em nota ao LeiaJa.com, “a Polícia Militar informa que a ação dos suspeitos foi contida pelo policiamento empregado no terreno. A ação ostensiva da PMPE tenta evitar e finalizar qualquer tipo de crime que pode ser agravado caso não haja a intervenção”.

O documento também aponta para o procedimento tomado pelas autoridades em casos como este. “Em brigas generalizadas, o policial militar poderá conduzir o envolvido para a delegacia, caso identifique sua ação. Mas na maioria das vezes, com a chegada do efetivo, há uma dispersão que dificulta identificações”.

Um vídeo mostra o momento em que o grupo passa por um trecho da Avenida, correndo por toda a via e moradores gritando pela polícia. CONFIRA aqui em texto na íntegra.

Briga de grupos rivais é registrada no Sítio Histórico de Olinda

Uma briga de galera foi registrada final da tarde de domingo (19), por volta das 17h30, nos Quatro Cantos, no Sítio Histórico de Olinda, na Região Metropolitana do Recife. A confusão foi filmada por um leitor do FolhaPE. Nas imagens, é possível ver grupos rivais dando, entre eles, socos, pontapés e chutes na subida para a Ribeira.

Ainda nas imagens, é possível ver a chegada da Polícia Militar, que conseguiu agir, rapidamente, com cassetetes, e foi bastante aplaudida pelos foliões. Segundo o major Geovani Nascimento, comandante da Companhia de Apoio ao Turista (Ciatur), não houve arrastão. “Foi uma briga de galera. Não teve arrastão e nem tiros”, comentou Nascimento, que informou que os envolvidos na confusão haviam saído das Virgens de Bairro Novo.

Ao todo, ainda segundo o comandante, seis pessoas foram detidas e levadas ao posto de comando da Ciatur para averiguação. Em seguida, serão encaminhadas para a delegacia local. Apesar do tumulto, não houve feridos. Veja a confusão:

Com acréscimo de informações do Tribuna da Bahia e Folha de Pernambuco

Comentário (1) enviar comentário
  1. sergio macaiba disse:

    O diabo é quem vai para um lugar deste,acho melhor ir para a EUROPA.

Publicidade

Para não perder recurso de mais de R$ 30 milhões, RN tem até 10 de março para definir local de construção de presídio; Assú é cogitada

Por interino

O Governo do Rio Grande do Norte tem até o dia 10 de março para apresentar ao Departamento Penitenciário Nacional (Depen) o imóvel viável para a construção de uma nova unidade prisional. A indicação desse imóvel está vinculada à liberação dos R$ 31,9 milhões pelo Ministério da Justiça. “Se não indicarmos o imóvel até o dia 10 de março podemos perder esse recurso”, explicou o general Araújo lima, coordenador da comissão de elaboração do Plano Diretor do Sistema Penitenciário do Estado.
O Estado tem que apresentar ainda o cronograma de execução da obra e a opção técnica viável.

De acordo com o general, o Governo pretende criar 3.900 vagas no sistema prisional do estado em 5 anos. Segundo ele, até abril de 2018 serão criadas 1 mil vagas. Neste número, já estão incluídas as 603 vagas da Cadeia Pública de Ceará-Mirim, que está em construção e deve ser entregue em julho deste ano.

As outras 400 vagas que se pretende criar até abril de 2018, segundo o general, seriam nesta nova unidade prisional que ainda não tem local definido para ser construída.

O general afirmou ainda que serão apresentadas ao governador várias opções de terrenos em diversos municípios do Estado para que ele defina o local da construção do presídio. Uma dessas cidades é Assu. “De fato lá (em Assu) existe um terreno que atende todas as especificações necessárias, mas a decisão é do governador”, disse.

Com informações do G1-RN

http://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/2017/02/rn-tem-ate-10-de-marco-para-definir-local-de-construcao-de-presidio.html

Comentários (3) enviar comentário
  1. Nice disse:

    Melhor área possível, na minha opinião, seria no Centro Administrativo, ao lado do gabinete do governador. Poderia assim ele sentir o medo q nós sentimos todos os dias, q são de estruturas falidas dos presídios, e lá não seria diferente em relação a fulgas….

  2. Brasileiro disse:

    De deixar para esses incompetêntes dos nossos governantes irão perder esse recurso ou farão o presídio em cima das das de genipabu

Publicidade

Força Nacional prende quatro homens em Natal durante patrulhamento

Por interino

A Força Nacional de Segurança Pública (FNSP) prendeu, na noite dessa terça-feira (21), um homem por porte ilegal de arma de fogo. A prisão aconteceu durante uma barreira montada no bairro Nossa Senhora da Apresentação, na zona Norte de Natal. Na ocasião, um jovem de 18 anos, acabou recebendo voz de prisão e foi conduzido à Delegacia Polícia Civil.

Já na Avenida Mario Negócio, no bairro das Quintas, a Força Nacional prendeu três suspeitos de praticarem diversos crimes de roubo nas zonas Oeste e Leste da cidade. Jepherson Alcaniz Maia Pereira, 30 anos, Matheus Fernandes Barros, 19 anos, e Daniel Roseno Celestino Marques, de 21 anos. Eles foram conduzidos em flagrante à Delegacia de Polícia Civil e ficaram à disposição da Justiça.

enviar comentário
Publicidade

SEGURANÇA PÚBLICA: PMs de 25 Estados não têm o mínimo de soldados previsto nas leis estaduais; RN tem déficit de mais de 5 mil

Por interino

Polícia do DF atua em manifestação em novembro de 2016. Foto: Adriano Machado/Reuters

Os efetivos das PMs (Polícias Militares) pelo Brasil não alcançam o previsto pelas respectivas leis estaduais. Um levantamento feito pelo UOL revela que 25 das 27 PMs têm menos militares que o previsto em lei estadual que fixa o número ideal de cada batalhão. A única exceção é o Espírito Santo –o Maranhão não foi levado em conta no levantamento, uma vez que a assessoria do governo diz desconhecer uma lei que determine este número.

As leis estaduais estipulam, em média, que as PMs deveriam ter quase 600 mil policiais. Atualmente, a média é de 430 mil militares por Estado –em 11 deles, a tropa vem caindo anualmente desde 2012. Somando os batalhões, o deficit nacional é de cerca de 170 mil militares.

Para criar os quadros e vagas, as corporações devem ter leis específicas que fixam o efetivo de policiais, com distribuição dos cargos –por patentes e batalhões de atuação, por exemplo. A lei, porém, não obriga os Estados a manterem os quadros preenchidos, então os números são tratados como o que seria o efetivo ideal do Estado.

Para fazer o levantamento das tropas atuais, o UOL consultou as 27 PMs nas unidades de federação. Nos casos de Goiás e Mato Grosso do Sul, as entidades afirmaram que não poderiam informar o total presente na tropa porque se trata de um “dado sigiloso”. Já Santa Catarina não respondeu ao pedido do UOL. Nesses casos, a reportagem usou como parâmetro o dado mais recente informado pelo Estado ao Anuário Brasileiro da Segurança Pública 2016.

22 Estados têm menos de 80% do que é fixado em lei

Das 27 unidades da federação, apenas quatro têm tropas com mais de 80% do efetivo fixado em lei: São Paulo, Ceará e Minas Gerais, além do Espírito Santo.

Na outra ponta, há casos em que a tropa não é nem sequer metade do efetivo fixado em lei. Em Goiás, onde há a maior distorção, em 2014 o efetivo era de quase 12 mil militares, quando o número previsto em lei supera os 30 mil –38,9% do ideal.

Há um projeto em discussão na Assembleia Legislativa goiana, enviado pelo governo, que reduz o efetivo fixado para 16 mil. O governo alega que a lei em vigor é antiga (de 2002) e despreza, por exemplo, reserva de 10% para mulheres.

Nos últimos anos, as tropas também foram se reduzindo em muitos casos. Onze unidades viram o número de efetivo cair: Acre, Amapá, Amazonas, Bahia, Distrito Federal, Goiás, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Rondônia, São Paulo e Tocantins.

O caso mais emblemático é o Rio Grande do Sul, que entre 2012 e fevereiro deste ano perdeu mais de 5.000 militares da ativa –caindo de 24,1 mil para 18,8 mil. O Estado passa por uma grave crise financeira nos últimos anos e, sem recursos, praticamente não contratou policiais para suprir os que foram para reserva.

Não há responsabilização prevista aos Estados

A discussão sobre policiais militares ganhou força após a paralisação de PMs no Espírito Santo. Mesmo sendo o único Estado que cumpre a lei, com a paralisação, 143 pessoas foram mortas durante 11 dias.

Segundo um procurador de Estado consultado pela reportagem, não há responsabilização prevista aos gestores estaduais por não preencher os cargos porque o governo deve ter como parâmetro a lei federal. “Tudo dependerá da possibilidade de provimento e, principalmente, a capacidade financeira para contratação, levando em conta aos questões orçamentárias e o cumprimento da LRF [Lei de Responsabilidade Fiscal]”, afirma.

A LRF determina que os Estados não podem gastar mais do que 49% da receita corrente líquida com a folha de pagamento. Caso excedam, sofrem sanções, que chegam á suspensão de repasses federais ao ente e responsabilização do gestor.

O pesquisador Ivênio Hermes, que também é advogado e membro sênior do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, explica que os governos e Tribunais de Contas levam em conta os limites propostos da LRF para não contratar mais PMs. Para ele, a lei deveria ser flexibilizada porque “é imprudente falir todo o sistema de segurança.”

“Defendi em artigo científico na Senasp [Secretaria nacional de Segurança Pública] é que deve ser feita um flexibilização da LRF exclusivamente para concurso público e contratação de operadores de Segurança Pública. Sem isso, não se tem acesso à saúde, educação, equipamentos públicos como praças e quadras, lazer, trabalho, transporte e outros”, alega

“Impunidade impera em decorrência da falta de efetivo”

Ivênio Hermes, pesquisador e coordenador do Observatório de Violência Letal Intencional, ligado à Universidade Federal Rural do Semi-Árido, afirma que, em regra, há um baixo efetivo de PMs no Brasil –o que seria um indicador importante para explicar a alta violência.

“A impunidade impera em decorrência da falta de efetivo. No Brasil é um bom negócio matar, afinal as possibilidades de ser preso e indiciado são mínimas. A polícia ostensiva trabalha com o mínimo de efetivo e a máxima da desvalorização”, afirma.

Hermes avalia que, além da falta de pessoas, há também pouca preparação dos policiais. “Os Estados não promovem capacitação continuada para todo o efetivo, nem a reposição de efetivo planejada conforme as previsões de aposentadoria e defasagem de acordo com a legislação das instituições. Vemos espasmos de contratações que se tornarão levas de aposentadorias no futuro.”

“Nosso problema tem a ver com modelo de policiamento”

Para Robson Sávio Reis Souza, coordenador Núcleo de Estudos Sociopolíticos da PUC (Pontifícia Universidade Católica) de Minas Gerais e membro do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, as leis que fixam efetivo não devem ser encaradas como referenciais perfeitos das tropas das PMs.

“A fixação de efetivo geralmente é feita pela Assembleia, ou indicadas pelas próprias corporações, mas é mais um número discricionário, não leva em contas vários critérios que devem ser analisados. Muitas vezes o aumento de efetivo atende muito mais a interesses corporativos do que serve para reduzir a criminalidade”, afirma.

Souza diz que não há como estipular um número genérico de policiais por habitantes. Ele acredita que o número ideal de PMs em um Estado deve levar em conta muitas variáveis locais. “Não existe conta milagrosa. Isso depende, em parte, da própria efetividade da polícia, como de outros indicadores, como a efetividade da Justiça, percepção do crime. Área menos violenta demanda menos que uma violenta”, explica.

Ainda segundo Souza, o aumento no número de PMs não significa, necessariamente, resultados positivos na luta contra a violência. “No caso brasileiro, o grande drama é que, nos últimos 15 anos, houve um aumento exponencial do investimento em segurança, e os indicadores têm piorado. O nosso problema tem a ver com o modelo de policiamento. São duas polícias que trabalham de forma competitiva, disputam espaços institucionais e não trabalham de forma cooperativa. Há muito desperdício de recursos humanos”, afirma.

UOL

Comentários (7) enviar comentário
  1. NELSON disse:

    UM CERTO DIA SAI DE NOVA PARNAMIRIM ATÉ GENIPABU COM O MEU PAI E ELE FEZ UMA APOSTA COMIGO, VAMOS ATÉ LÁ E NÃO VAMOS VER UM ÚNICO CARRO DE POLÍCIA, NEM PRECISA DIZER QUE ELE GANHOU A APOSTA NÉ? APROXIMADAMENTE 40 KM.

  2. Luciana Morais Gama disse:

    Alô MINISTÉRIO PÚBLICO eu confio em vocês. Vamos fazer cumprir a lei!

  3. Potyguar disse:

    E "tio Temer" deixa os Estados contratarem policiais ??

    • LULA NÃO SEI DE NADA, NÃO VI, TÔ POR FORA disse:

      UMA DEFICIÊNCIA DE DÉCADAS E O CARA QUER DIZER QUE A CULPA É DO TEMER, AI EU DIGO QUE É LAVAGEM CEREBRAL QUE OS COMUNISTAS FAZEM E ELES ACHAM RUIM!

    • IB disse:

      LULA NÃO SEI DE NADA, NÃO VI, TÔ POR FORA e pq não? O ensino básico e médio que é deficitario sempre foi de responsabilidade dos Estados e Municipios, mas a conta sempre caiu para Dilma e Lula. Querem mudar a lógica sempre que convêm né!

    • Ceará Mundão disse:

      A ideologia de esquerda, com o PT à frente, é a maior defensora da impunidade e da bandidagem. Os "direitos dos manos" que o digam. O desarmamento das pessoas de bem é outra de suas heranças. A demonização das forças policiais é outra tática nojenta deles. E a perversão dos costumes sociais acaba por completar a obra. O PT passou quase 14 anos no poder e nos deixou um país falido, onde nada funciona a contento. O que essa gente fez pela segurança pública? E com relação aos presídios? Esses hipócritas não enganam mais o povo. Parece que, finalmente, estamos (o povo) abrindo os olhos.

    • JCabral disse:

      “Se é vontade do povo brasileiro
      eu promoverei a Abertura Política no Brasil.
      Mas, chegará um tempo que o povo sentirá saudade da Ditadura Militar.
      Pois muitos desses que lideram o fim da ditadura
      não estão visando o bem do povo mas sim seus próprios interesses”
      General Ernesto Geisel
      Governo: 1974-1979)

      Se foram corruptos?? Então procurem algum familiar rico e envolvido em escândalos milionários. Nenhum Deputado Federal que votou pelo afastamento do Presidente da República, falou pelo povo brasileiro, mas por familiares. Vamos eliminar partidos e ficar com apenas 2 ou 3!!!

Publicidade

Plano de Operações do Carnaval 2017 no RN será divulgado nesta quarta

A Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed) convida a imprensa para uma coletiva às 10h da próxima quinta-feira (23), na própria Sesed, localizada no Centro Administrativo.

Na ocasião serão detalhadas as ações do Plano de Operação do Carnaval 2017. O secretário da Segurança do RN, Caio Bezerra, assim como representantes da Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros Militar e Instituto Técnico-Científico de Perícia (ITEP), estarão presentes

Comentários (3) enviar comentário
  1. BarbyBarby disse:

    As diárias de Janeiro serão pagas antes do Carnaval?

  2. gela no pedrão disse:

    digaí os canto que vai ter blitz lei seca que eu vou beber é no meu posto

  3. Ricardo disse:

    Tirem os polícias da degepol que não fazem nada e coloquem na rua para trabalhar , o comércio de ouro e grande por lá

Publicidade

Secretaria de Segurança apresenta orientações sobre realização de eventos privados no Carnaval

Em coletiva de imprensa realizada na manhã desta terça (21), a Secretaria Municipal de Segurança, Defesa Civil, Mobilidade Urbana e Trânsito apresentou as orientações sobre as responsabilidades dos organizadores de eventos de carnaval em Mossoró no que diz respeito aos aspectos que envolvem segurança e legislação ambiental. A reunião contou com a presença da secretária executiva de Meio Ambiente e Urbanismo, Doriana Burlamaqui, além de autoridades das polícias militar e civil.

O secretário Eliéser Girão informou que existem cerca de 20 eventos privados previstos no período que antecede e durante o carnaval. “Estamos reunindo a imprensa para informar também que todos os eventos realizados em via pública precisam ser autorizados pela Prefeitura”, orienta e cita ainda que é de responsabilidade dos organizadores a segurança interna, balizamento e isolamento da área.

Para garantir a segurança da área, a Polícia Militar também precisa ser informada. O encontro contou com a presença dos comandantes dos batalhões da Polícia Militar e do II Distrito de Polícia Rodoviária Estadual ( DPRE), que garantiram o apoio necessário. “Estamos realizando esse trabalho ostensivo nos eventos privados e também nas festas públicas realizadas na região. A Polícia Rodoviária Estadual não isola as ruas, mas garante a segurança da população”, destaca o comandante do II DPRE, capitão Lima.

A secretária executiva de Meio Ambiente e Urbanismo, Doriana Burlamaqui, precisa de tempo hábil para fazer a análise urbanística e ambiental do evento. “ Essas informações precisam ser autorizadas pela Prefeitura com antecedência. Isso inclui a localização da festa, percurso, número de participantes e volume do som”, conclui.

enviar comentário
Publicidade
Publicidade

Marinha realiza nesta terça vistoria no complexo penitenciário de Alcaçuz

Esta é a quinta unidade prisional a ser inspecionada no Rio Grande do Norte

Com militares altamente qualificados, equipamentos modernos e cães treinados, a Marinha realiza, nesta terça-feira (21), vistoria no Complexo Penitenciário de Alcaçuz. A ação faz parte da Operação “Varredura”, que visa verificar a existência de materiais proibidos no interior das Unidades Prisionais, como armas, drogas, equipamentos de telefonia móvel e itens ilícitos.

Até o momento, já foram inspecionadas a Penitenciária Estadual de Parnamirim (PEP), a Penitenciária Agrícola Dr. Mario Negócio, a Cadeia Pública de Mossoró e a Cadeia Pública de Natal.

Para a atuação da tropa, os militares não têm contato com os detentos, e, para isto, contam com o apoio de agentes penitenciários, no interior da cadeia, e da Polícia Militar, na contenção da área externa.

No Estado, o Complexo Penitenciário de Alcaçuz é a quinta unidade prisional a ser vistoriada. A Operação desenvolve-se dentro da normalidade e conforme planejada.

Comentários (3) enviar comentário
  1. bate ferro disse:

    Saudades dos militares, naquele tempo as coisas funcionavam . Segurança, educação, saúde, habitação e emprego.

  2. sergio dias disse:

    Estava na hora das Forças Armadas dá uma contribuição, para ajudar no caos que se encontra o Sistema Penitenciário.

  3. Brasileiro disse:

    Parabéns a iniciativa desses militares ….só assim teremos o real controle do sistema prisional

Publicidade