GRAVE: Há 6 anos, a Petrobrás valia R$510 bilhões. Hoje, vale R$165 bilhões e tem R$300 bilhões em dívidas

Por Estadão

A Petrobrás precisou de apenas 69 dias de 2014 para captar um total de US$ 13,6 bilhões, ou R$ 32,1 bilhões, e, com isso, aproximar ainda mais seu nível de endividamento da marca de R$ 300 bilhões. Em dezembro, a dívida total da Petrobrás somava R$ 267,8 bilhões.

A projeção não considera a possibilidade de a Petrobrás utilizar parte dos recursos captados em duas operações, realizadas nos dias 7 de janeiro e ontem, para pagar dívidas a vencer no período. Da mesma forma, não inclui eventuais novas dívidas contraídas entre janeiro e março. Procurada, a Petrobrás não comentou a captação antecipada peloBroadcast. De igual maneira, a estatal adota a postura de não comentar sua política de amortização de dívidas.

A marca de R$ 300 bilhões, embora meramente simbólica, ajuda a dimensionar o momento delicado pelo qual passa a estatal. Em dezembro passado, a alavancagem líquida, calculada a partir de uma relação entre a dívida líquida e o patrimônio líquido da companhia, estava em 39%, já acima do limite de 35% considerado aceitável pela diretoria da Petrobrás. A relação entre dívida líquida e Ebitda, por sua vez, estava em 3,52 vezes, superando assim o patamar desejado de 2,5 vezes.

O endividamento elevado alimenta rumores de que a classificação da Petrobrás pelas agências de rating pode ser revista caso os indicadores financeiros da estatal não se recuperem no curto ou médio prazos. A operação confirmada ontem, de US$ 8,5 bilhões, acontece às vésperas do encontro de uma comitiva da Standard & Poor’s (S&P) com empresários e o governo brasileiro.

“Se pensarmos em um movimento de cautela, a Petrobrás aproveitou um mercado líquido no exterior e fechou uma operação em um valor alto, provavelmente devido à demanda pujante e às taxas atraentes”, destaca a analista da Concórdia Corretora, Karina Freitas. A especialista lembra que a nota da Petrobrás, assim como de outras empresas controladas pelo governo de um país, tende a acompanhar as notas do próprio país. “Nesse caso, uma redução da nota (do Brasil) imputa um prêmio maior de bônus (à Petrobrás)”, relaciona Karina.

Além disso, outras notícias recentes também evidenciam o desafio enfrentado pela estatal em 2014. As importações de petróleo apresentaram forte elevação no início do ano e o dólar valorizado prejudica a Petrobrás, que se encontra na condição de importadora líquida de combustíveis. Os dados de produção de petróleo no Brasil também foram desfavoráveis, o que reforça o cenário traçado pela própria presidente da Petrobrás, Maria das Graças Foster.

No final de fevereiro, a executiva havia sinalizado que os indicadores financeiros da estatal devem começar a melhorar principalmente a partir de 2015. Segundo ela, o ano de 2014 já está “posto”. Ainda assim, a forte demanda pelos títulos da Petrobrás nesta segunda-feira, superando o patamar de US$ 20 bilhões, demonstra a receptividade do mercado externo à petrolífera brasileira.

Captação. Ainda que já esperada por analistas ouvidos pelo Broadcast, a operação chama atenção pelo fato de ser a segunda emissão externa em pouco mais de dois meses. Foram captados, no período, aproximadamente US$ 13,6 bilhões, superando assim a necessidade atual de US$ 12,1 bilhões citada no Plano de Negócios e Gestão (PNG) 2014-2018 da Petrobrás.

No total, a Petrobrás deve captar US$ 60,5 bilhões até 2018. Durante esse mesmo período, as amortizações somarão US$ 54,9 bilhões. Não há, porém, qualquer relação direta entre captações e amortização de dívidas. Logo, o recurso captado ontem pode ser utilizado para pagar antecipadamente dívidas já contraídas ou simplesmente para viabilizar investimentos previstos para o ano.

“Se for utilizado para cumprir com as obrigações de curto prazo em relação a vencimentos ou antecipações de dívidas mais caras, falamos de um efeito zero (sobre a alavancagem). Mas se os recursos forem utilizados para reforçar caixa ou viabilizar investimentos, teremos um maior endividamento”, destacou Karina, da Concórdia. A possibilidade de a dívida ter atingido R$ 300 bilhões será confirmada ou não no balanço referente ao primeiro trimestre de 2014, a ser divulgado entre abril e maio.

Em janeiro, a Petrobrás realizou captações no exterior em euro, no total de 3,05 bilhões, e em libra esterlinas, no total de 600 milhões. Na oportunidade, a captação totalizou R$ 12,1 bilhões ou US$ 5,1 bilhões, conforme a cotação da época. Somados aos US$ 8,5 bilhões de ontem (R$ 20 bilhões), já são R$ 32,1 bilhões em recursos novos para a Petrobrás, o equivalente a pouco mais de um terço do investimento de R$ 94,6 bilhões previsto pela estatal para 2014. O montante também equivale a mais de uma vez e meia a dívida total de curto prazo da Petrobrás, estimada em R$ 18,8 bilhões ao final de dezembro.

 

    9 Comentários

    1. JOSÉ DOS SANTOS NETO disse:

      O Brasil começou a tomar rumo depois do plano real. Isso só foi possível porque tivemos um governante corajoso (Fernando Henrique) que arriscou sua biografia pelo interesse do povo brasileiro. FHC ficou com o ônus de privatizar centenas de empresas estatais improdutivas, que não passavam de cabides de empregos para pelegos e parasitas, mantidos às custas do sofrido povo brasileiro e Lula ficou com o bônus de ver a economia deslanchar, graças justamente à privatização que o pt tanto combatia

    2. Paulo Uracan disse:

      Se o PT está quebrando a Petrobras, imagina o que o PMDB fez há alguns anos, antes do PT reassumir. Porque no governo dos tucanos eles venderam cerca de 40% das propriedades da PETROBRAS, não tinhamos concursos publicos pra petrobras ou qualquer outro. Os trabalhadores da estatal trabalhavam totalmente desestimulados porque a ordem do governo dos tucanos era acabar com a estatal, com o argumento que ela não gerava lucros, ora, se não gera como pode os trabalhadores ganharem tão bem quanto ganham hoje? como podem receber valores de PL tão boas quanto recebem hoje? como pode sempre existir concurso publico pra a estatal se ela não gera lucro? Isso é conversa fiada! Não apoio o governo do PT, mas coloca os Tucanos no governo que vocês vão sentir na pele o que é sofrer. Bando de imbecil desinformados. Vão estudar que é melhor!

      • Amarildo Lopes de Paula disse:

        É, a Petrobras valia apenas U$ 16 bilhões em 2003. E hoje todas as suas ações juntas valem U$ 186 bilhões.
        Só que hoje ela deve U$ 334 bilhões. Deve praticamente o dobro do que vale.
        Resumindo, Está Praticamente falida.
        Embora que o seu passivo + ativo valem juntos U$ 300 bilhões.
        O mercado não paga o valor, por não acreditarem numa administração atada a um
        Governo que por falta de capacidade, usa a empresa para consertar seus erros
        grotescos na economia, camuflando a real inflação as custas do preço do combústivel !

    3. Luciano disse:

      BG, coloca o valor da empresa na época em que os seus pares, do PSDB, governava esse país.

    4. Josafá Faustino disse:

      Eu não acredito que o povo Brasileiro ainda votará no PT e aliados, pois esse povo tá acabando o nosso país. A indústria sucateada, sem prospecção. Isso é uma vergonha!!!

      • Paulo Uracan disse:

        Põe o governo dos tucanos que vc não vai ver só a industria sucateada, vc vai ver o indice de desemprego disparando como nunca se viu antes. FHC foi uma piada nesse pais, uma piada que nos afundou!

    5. primo das primas disse:

      Empresa Estatal (termo contraditorio) é so cabide de emprego. Melhor privatizar! Esses 300 bilhoes quem vai pagar a conta é o povo otario que acredita em nacionalismo estatal, nao sabe cantar o hino nacional e acha que a bandeira nacional é vermelha. Nem precisa dizer em qual administração quebrou, porque ta na cara. O povo esqueceu que a bandeira nacional tem escrito “ordem e progresso”, mas so vemos desordem e roubalheira.

    6. Carvalho disse:

      O PT está destruindo tudo.
      Nesse país do PT falta tudo. Só não falta incompetência.

    7. Sergio Nogueira disse:

      Parabéns ao PT. Quebrar uma petrolífera não é para qualquer um.