Publicidade

Quadrilha é presa após assalto em Ielmo Marinho

Três homens e uma mulher foram presos na manhã desta quarta-feira (11), após assaltarem uma farmácia em Ielmo Marinho, no Agreste Potiguar, distante 54 quilômetros de Natal.

Segundo informações de populares, a quadrilha chegou à Drogaria Guedes – que fica na rua José Camilo Bezerra, no centro da cidade – por volta das 7h, quando a única funcionária do estabelecimento ainda abria as portas do comércio.

Os bandidos renderam a vendedora e esvaziaram o caixa da farmácia, fugindo logo depois em direção a Macaíba. Quando se aproximavam de Igreja Nova, distrito de São Gonçalo do Amarante que fica entre Ielmo Marinho e Macaíba, foram surpreendidos e presos por policiais militares.

Ainda não se sabe quanto em dinheiro foi roubado.

Na quarta-feira passada (4), a agência dos Correios da cidade foi roubada por dois homens armados.  De acordo com informações da própria Polícia Militar, apenas um PM dá plantão por dia na cidade e não há viatura. A delegacia está em reforma e os carros, quebrados.

Com informações da Tribuna do Norte

enviar comentário
Publicidade

Recapturados de Alcaçuz são investigados por explosão de banco no Ceará

Dois apenados que estavam entre os 41 detentos que participaram de uma das maiores fugas já registradas no Presídio de Alcaçuz foram recapturados na manhã de ontem, em Mossoró. No momento da prisão, a dupla estava fortemente armada e agora está sendo investigada de ter participado de um assalto ao Banco do Brasil da cidade cearense de Pentecoste, quando cerca de 15 bandidos explodiram e roubaram a agência.

O assaltante Anderson Carlos Inácio do Nascimento, 26 anos, natural de Arez/RN, e seu comparsa mossoroense Jorge Rodson da Silva Fernandes, de 21 anos, foram presos por agentes da Delegacia Especializada no Combate às Drogas (DENARC) de Mossoró em um Corsa de placa MNZ-9528, tomado de assalto na cidade de Santa Rita, no Estado da Paraíba.

Com eles, a polícia apreendeu ainda uma espingarda calibre 12 com seis projéteis intactos, uma munição calibre 38, R$ 50,00, e duas identidades falsas.

Segundo o titular da Denarc, Denis Carvalho, a polícia chegou até a dupla através de denúncias anônimas informando sobre a existência de traficantes atuando no Loteamento Santa Helena. Os agentes averiguaram as denúncias a conseguiram prender os assaltantes por volta das 11 horas.

Os dois fugiram no dia 19 de janeiro deste ano, na última fuga ocorrida na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, em Nísia Floresta.

O delegado Romério Moreira de Almeida, titular da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF) do Ceará, entrou em contato com Denis Carvalho pedindo informações sobre os detentos recapturados.

As suspeitas de envolvimento de Anderson e Rodson no assalto ocorrido ontem em Pentecoste surgiram devido à arma apreendida com os assaltantes.

A espingarda é do mesmo calibre da utilizada pela quadrilha que atacou o destacamento da cidade cearense de Pentecoste e destruiu as viaturas que estavam no pátio da polícia.

Assalto em Pentecoste – Ontem, por volta de 1h15 da madrugada, cerca de 15 assaltantes fortemente armados com fuzis, pistolas e escopetas explodiram e roubaram o Banco do Brasil da cidade de Pentecoste, a 89 km da capital cearense.

A quadrilha se dividiu e, enquanto uma parte explodia e roubava a agência, outra parte dirigiu-se para o destacamento policial. Eles atiraram na delegacia e na viatura que estava no pátio, como forma de impedir a ação dos policiais.

Na fuga, o bando ainda sequestrou três funcionários do hospital que fica ao lado da agência bancária. As vítimas foram liberadas logo em seguida.

DN Online

enviar comentário
Publicidade

Grávida é detida tentando entrar em cadeia de Mossoró com maconha na vagina

Mesmo  grávida de três meses, a namorada de um preso da Cadeia Pública Juiz Manoel Onofre de Souza, em Mossoró,  foi detida ontem tentando entrar no estabelecimento prisional portando cerca de 150 gramas de maconha. A doméstica  Francisca Lucineide Madeiros Lourinho, de 22 anos, levava a droga em uma camisinha escondida na vagina.

O namorado da jovem é Leonardo Bastos Cardoso, que está preso  sob acusação de homicídio. Lucineide disse ao delegado Denis Carvalho, titular da Delegacia Especializada no Combate às Drogas (DENARC), que não foi obrigada a levar a droga e que estava fazendo aquilo por iniciativa própria e porque o companheiro havia pedido.

Lucineide  foi conduzida para a Delegacia Especializada em Narcótico, no Alto de São Manoel, onde foi lavrado o flagrante por tráfico de drogas e por tentar levar drogas para um estabelecimento prisional.

A doméstica, que já tem dois filhos menores de idade, será removida para o Centro Provisório de Detenção Feminino de Mossoró (CDPFM), no Nova Betânia.

Com informações da Gazeta do Oeste

enviar comentário
Publicidade

Dibson Nasser a um voto de perder o mandato

Mais uma vez o congo livrou o deputado Dibson Nasser (PSDB) de perder o mandato.

Mais uma vez entrou na pauta de julgamento a Ação de Investigação de Mandato Eletivo (AIME), para impugnar o mandato eletivo do tucano, mais uma vez parou por pedido de vista.

Dessa vez pelo juiz Nilo Ferreira.

Mas, a situação está crítica para Dibson Nasser. O julgamento já tem três votos a favor da cassação: um do relator Jailsom Leandro e dos juízes Ricardo Moura e Ricardo Procópio.

São previsto cinco votos.

Se for decidida a cassação, quem assume o mandato é o primeiro suplente José Adécio (DEM).

A ação foi a julgamento pela primeira vez na Sessão Plenária do último dia 13 de fevereiro.

 

A AIME foi proposta pelo PRB. Pede a cassação do mandato e a declaração de inelegibilidade do deputado.

Alegação: fortes indícios de concessão de benefícios previdenciários em troca de votos no município de Areia Branca; doações de recursos para a campanha realizadas por detentores de cargos comissionados da Câmara Municipal de Natal (CMN), quando o pai Dickson Nasser era presidente; doações vultosas para a campanha por empresas que venceram licitações na CMN e prestação de serviços dessas empresas para a campanha, evidenciando que as contratações para a campanha estariam ligadas à percepção de recursos públicos.

A Procuradoria Regional Eleitoral opinou pela improcedência do pedido. Considera que não há nos autos prova robusta e consistente da existência dos ilícitos.

Fonte: Abelhinha.com

enviar comentário
  1. Francisco Pereira disse:

    É agora José? Pai e filho sem mandato, será que finalmente irão trabalhar? E o dinheiro público que foi usado nessa palhaçada será devolvido?

  2. Falecom Prb10rn disse:

    É BOM LEMBRAR QUE O PRB NÃO TEM NADA A VER COM O PROCESSO, O ADVOGADO MAURO GUSMÃO USOU UMA PROCURAÇÃO COM A ASSINATURA SCANEADA DO EX-PRESIDENTE DO PRB (JUTAY MENESES) E DE CERTA FORMA SE TORNA FALSA A PROCURAÇÃO ONDE ELE USA O NOME DO PRB, QUE NÃO TEM NENHUM INTERESSE DE OBTER O MANDATO DO DEPUTADO DIBSON

  3. Shatonson disse:

    bem se for assim, perder o mandato por uso da máquina gerenciada por parentes, devemos ver mais gente nesse rol! 
    O Deputado Galanteador – MAIA
    O Deputado Namorador – FARIA
    O Vereador "justamente,certamente,realmente,atualmente" – MOTTINHA

    será?

Publicidade

STF decide nesta quarta se aborto de feto sem cérebro será crime ou não

Ao final de quase oito anos de discussão, o Supremo Tribunal Federal (STF) definirá se grávidas de fetos sem cérebro podem abortar sem que a prática configure um crime.

A tendência é que a interrupção da gravidez seja autorizada nesses casos. Durante o julgamento, que começa nesta quarta-feira e pode se estender até quinta, ministros ressaltarão que uma decisão favorável não é um primeiro passo para a descriminalização total do aborto ou a abertura para a interrupção da gestação em outros casos de deficiência do feto.

Quatro ministros já se pronunciaram favoravelmente à possibilidade de interrupção da gestação – Celso de Mello, Marco Aurélio Mello, Carlos Ayres Britto e Joaquim Barbosa. Cezar Peluso, hoje presidente do tribunal, indicou que pode ser contrário.

Os votos de outros ministros são uma incógnita. Cármen Lúcia, Rosa Weber, Luiz Fux, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski não integravam a Corte quando o assunto foi discutido. Gilmar Mendes, apesar de ter participado do julgamento, não indicou como votará.

Os ministros que se manifestaram em favor da liberação da interrupção da gravidez nesses casos argumentam que, por não haver chances de vida, a prática não poderia ser criminalizada. Não se poderia sequer se falar em aborto, pois não haveria uma vida a ser protegida. “O crime deixa de existir se o deliberado desfazimento da gestação já não é impeditivo da transformação de algo em alguém (…) Se a criminalização do aborto se dá como política legislativa de proteção à vida de um ser humano em potencial, faltando essa potencialidade vital, aquela vedação penal já não tem como permanecer”, disse Britto em 2004.

Contrariamente a essa tese, ministros devem argumentar que o Código Penal só prevê duas exceções ao crime de aborto: quando a gravidez resulta de estupro ou a interrupção da gestação visa a salvar a vida da mulher. Se o Código não prevê expressamente o aborto em caso de anencefalia, argumentou reservadamente um ministro, não caberia ao STF essa decisão.

Há projeto de lei tramitando no Congresso sobre o assunto. Recentemente, a comissão de juristas convocada para reformar o Código Penal propôs a mudança no texto para permitir o aborto em caso de anencefalia.

A discussão no STF se arrasta desde fevereiro de 2004, quando um primeiro habeas corpus chegou com o pedido de uma grávida de anencéfalo que tentou, sem sucesso, uma decisão judicial que lhe garantisse o direito de interromper a gravidez.

O julgamento desse processo foi iniciado, mas ao longo dele o tribunal recebeu a informação de que a mulher havia dado à luz e a criança viveu 7 minutos. Em razão disso, o julgamento foi encerrado sem uma definição.

Meses depois, a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Saúde (CNTS) ajuizou no STF a ação que deve ser julgada hoje. Em julho de 2004, quando o tribunal entrava em recesso, o ministro Marco Aurélio concedeu liminar autorizando a interrupção de gravidez em caso de anencefalia em todo o País, cassada em outubro daquele ano. Em 2008, o STF discutiu o assunto em audiência pública com médicos, cientistas e representantes de entidades religiosas.

Fonte: Estadão

enviar comentário
Publicidade

COMPLICOU: Carlos Eduardo depende da Câmara Municipal para ser candidato

A candidatura do ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves (PDT) à sucessão da prefeita Micarla de Sousa (PV) está nas mãos da Câmara Municipal de Natal (CMN). Isso porque o pedetista teve as suas contas referentes ao exercício do ano de 2008 aprovadas com ressalvas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE). Quando esse fato ocorre, a decisão é enviada para a Câmara Municipal, que decide, em plenário, se aprova ou não as contas da administração.

Caso tenha o balanço financeiro de sua gestão desaprovado, o ex-prefeito será enquadrado na Lei da Ficha Limpa, que deixa inelegível por oito anos o gestor que tiver suas contas rejeitadas pelo TCE. Para rejeitar a prestação de contas de Carlos Eduardo, dois terços da Casa, ou seja, 14 vereadores, precisam votar contra o ex-gestor. De acordo com o advogado eleitoral Tiago Cortez, mesmo que tenha as contas rejeitadas o ex-prefeito ainda pode recorrer.

“A tendência é que a Câmara siga o parecer do TCE, que foi favorável ao ex-prefeito Carlos Eduardo. Caso o contrário, os dois terços da Casa precisam votar contra com parecer fundamentado, pois é um julgamento político-administrativo. Os argumentos utilizados pelos vereadores ao votar contra a aprovação das contas, poderão ser questionados judicialmente pelo ex-prefeito caso as contas sejam reprovadas”, explicou o advogado eleitoral.

Na avaliação de Cortez, o risco de Carlos Eduardo se tornar inelegível é muito pequeno. No entanto, ele frisou que, se as contas forem rejeitadas, o ex-prefeito ficará inelegível até que, caso ele recorra, a Justiça julgue os argumentos utilizados pelos vereadores. As contas de Carlos Eduardo já foram encaminhados à Câmara. Serão analisadas primeiro pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Em seguida, pela Comissão de Finanças e Fiscalização (CFF), para só então ir ao plenário.

Na atual configuração política da Câmara, 13 vereadores fazem parte da bancada da prefeita Micarla de Sousa, adversária ferrenha de Carlos Eduardo. Dos oito vereadores que fazem oposição à prefeita, nem todos são simpáticos ao ex-prefeito. A votação das contas de Carlos Eduardo darão um tempero a mais à pré-campanha da sucessão municipal deste ano. Nossa equipe de reportagem tentou entrar em contato com o pedetista para comentar o assunto, mas não obteve sucesso.

Diário de Natal

Do Blog: Não será fácil a aprovação das contas do ex-prefeito Carlos Eduardo na Câmara, quem não se lembra como era a relação do ex-prefeito com os vereadores na gestão passada? Quem não se lembra que a operação impacto teve total apoio do ex-prefeito? Fora a bancada de Micarla, que dificilmente votará a favor das contas de Carlos Eduardo, na oposição também tem alguns vereadores que deverão vota a favor da rejeição das contas do ex-prefeito que são os casos de Fernando Lucena, Adão Eridan e Assis Oliveira. Ontem escutei de um edil, “Bruno o mundo gira”. Muito difícil a posição do ex-prefeito no parlamento municipal.

enviar comentário
  1. beto disse:

    todos tem seu preço la na CMN…E aqui para nós, e dai? Essa farsa de certos vereadores, sem escrupulos, só fazem aumentar a revolta da população que cada dia mais entende que esse pessoal é descartavel e desnecessário. CE vai botar preço e a maioria vai comer na mão dele. Detalhe: o jornal que faz oposição ferrenha a ele é proprietario de areas non-edificandi de Ponta Negra, que o ex prefeito vetou a liberação na época e foi um dos pontos da Impacto, por isso a briga com ele, ou vc não sabia disso?. Mas, ele é ALVES! TRIBUNA DO NORTE! Rádios etc….

  2. caio fábio disse:

    Se isto acontecer, será um golpe contra a população de Natal.
    Os eleitores devem ficar atentos aos "vereadores" que por ventura assim venham a agir,  já que são os mesmos que aprovam a toque de caixa todos os desmandos da atual administração municipal.
    É bom eles lembrarem que este ano é de eleição!

Publicidade

Contrato de locação software pela Câmara Municipal será investigado pelo MP

O contrato firmado pela Câmara Municipal de Natal com a empresa CSL Comércio e Serviços Ltda, no valor de quase R$ 600 mil para locação de programas de computador por um ano, será alvo de investigação pelo Ministério Público Estadual. Foi instaurado inquérito civil para apurar o caso, que foi noticiado há dez dias pela TRIBUNA DO NORTE.

O contrato do Legislativo da capital potiguar com a CSL chama atenção por vários fatores. O primeiro deles é que o valor de quase R$ 600 mil é referente apenas ao aluguel de nove programas por um ano. O que também chamou atenção dos promotores foi que a empresa não funciona no endereço constante no registro da Junta Comercial e nem na localização apontada pelos sites de busca da Internet.

Pelo registro na Junta Comercial do Rio Grande do Norte a CSL funciona no centro de Natal, em um edifício instalado na rua João Pessoa. No entanto, a sala 404, do prédio Sisal, está desocupada há um ano.

Segundo informações de funcionários que atuam no próprio edifício, a sala foi comprada há um ano por uma pessoa chamada Dionísio Dias Airtes de Carvalho. É no nome dele que está o registro na administração do condomínio. No entanto, segundo os próprios funcionários, Dionísio comprou a sala apenas como “investimento”, todas as correspondências de despesas de manutenção, como energia e condomínio, são remetidas para a residência do proprietário da sala, na zona Sul de Natal.

A TRIBUNA DO NORTE também buscou o funcionamento da CSL Comércio e Serviços em um endereço de Nova Parnamirim, onde a empresa está registrada em sites de busca na Internet. No entanto, na rua Aníbal Brandão, no número identificado que seria o funcionamento da CSL, não há qualquer placa de informação de empresa.

Outro lado

Em entrevista a TRIBUNA DO NORTE, publicada há dez dias, o diretor geral da Câmara, Pedro Jorge Ferreira, negou qualquer ilegalidade. Ele inclusive convocou o Ministério Público e todos os órgãos de fiscalização para acompanharem a execução do contrato da CSL com a Câmara.

“O serviço já está sendo prestado e só pagarei o valor mediante a prestação do serviço”, disse.

Pedro Jorge ressaltou que não há nepotismo no fato de uma das sócias da empresa ser de um familiar do chefe de Recursos Humanos Francisco Gilson Dias Aires de Carvalho. Sobre o referencial da empresa para a atuação, ele disse que a CSL prestou serviço para as Prefeituras Municipais de Parnamirim e São Gonçalo do Amarante.

Titulares dos contratados têm mesmo sobrenome

O contrato firmado pela Câmara Municipal de Natal com a CSL Comércio e Serviços Ltda no valor de R$ 564 mil expõe também a negociação do Legislativo com pessoas que têm os mesmos sobrenomes: “Dias Aires de Carvalho”. A empresa contratada por quase R$ 600 mil é de propriedade de José Everaldo Lopes, que detém 3,33% das ações; Liduína Maria Dantas Pessoa, sócia com 56,77% e Raimundo José Dias Aires de Carvalho, que possui 40%, segundo registro na Junta Comercial do Rio Grande do Norte.

Com o mesmo sobrenome “Aires Dias de Carvalho” consta um contrato firmado pela Câmara Municipal com a empresa Dionísio D A de Carvalho ME, que recebeu R$ 57.600 para o serviço de “atualização e manutenção do portal da internet da Câmara” pelo período de maio a dezembro de 2011.

A “coincidência” é que o proprietário da sala comercial onde deveria funcionar a CSL, instalada no prédio Sisal, é exatamente o proprietário da empresa que recebeu os R$ 57.600 para manter o portal da Câmara.

Além disso, outro integrante da família Dias Aires de Carvalho” atua na Câmara Municipal. Francisco Gilson Dias Aires de Carvalho é chefe da Divisão de Recursos Humanos da Câmara Municipal. Ele foi nomeado através de ato assinado pelo presidente do Legislativo, vereador Edivan Martins, e publicado no Diário Oficial do dia 4 de janeiro de 2011.

Em menos de um ano a Câmara Municipal de Natal já firmou três contratos com a CSL Comércio e Serviços Ltda, empresa que não funciona no endereço registrado na Junta Comercial.

No período de menos de um ano a Câmara Municipal destinou aos contratos com a CSL o valor de R$ 628 mil. Além disso, contabilizando os R$ 57.600, firmados com a empresa de Dionísio Dias Aires de Carvalho (real proprietário da sala onde deveria funcionar a CSL), a somatória chega a R$ 685.600.

Fonte: Tribuna do Norte

enviar comentário
Publicidade

Ministério Público abre inquérito sobre precatório da Henasa

O Ministério Público Estadual instaurou inquérito civil para investigar o precatório da Henasa, que, segundo informações do Tribunal de Contas do Estado, possui irregularidades. O MPE recebeu do Tribunal de Contas as informações  relativas ao cálculo da correção monetária do precatório e ao acordo firmado entre o município de Natal e a Henasa. O procedimento ficará sob responsabilidade da promotoria do Patrimônio Público. Ontem, o conselheiro Carlos Thompson, embora tenha citado, não se deteve sobre o caso da Henasa.

A constatação de irregularidades, apontadas pelo Tribunal de Contas do Estado, no cálculo e acordo do precatório da Henasa com o Município de Natal tem como base a correção monetária do valor sentenciado pela Justiça em 1995. À época, a Prefeitura do Natal foi condenada a pagar cerca de R$ 17 milhões por ter embargado a construção de um hotel em Ponta Negra no início da década de 90.

O TCE chegou ao valor corrigido de R$ 72 milhões, contra R$ 191 milhões do cálculo da Divisão de Precatórios. Como o acordo entre Município e Henasa fixou em R$ 95 milhões o pagamento, é como se o Município tivesse concordado em pagar R$ 22 milhões a mais do que o devido à Henasa. Até agora foram pagos R$ 19 milhões pela Prefeitura. O prejuízo real ainda não aconteceu.

Vejam tabela elaborada pelo TCE que se encontra dentro do relatório parcial apresentado ontem pelo conselheiro Carlos Thompson. Nessa tabela nota-se facilmente o método usado para calcular o valor no acordo entre os advogados,  Prefeitura do Natal, TJ e o método que o TCE recomenda. Diferença de “apenas” R$ 22 milhões: Acima da tabela no relatório os inspetores e auditores do TCE faz um comentário. Segue:

Tanto Bruno Macedo quanto Fernando Caldas negam a existência de “conluio”. Para o procurador geral, o processo transcorreu dentro da legalidade.

Em defesa elaborada pelo advogado Fernando Antônio Leal Caldas Filho e entregue ao TCE em nome do Conselheiro Carlos Thompson Costa Fernandes o mesmo afirma que o valor – R$ 95 milhões, não foi acordado apenas entre o município e a empresa e diz. “Assim, se houve falha, esta foi coletiva, mas, não foi orquestrada”.

“Os inspetores falham grosseiramente quando não mencionam um fato importante. Não foram somente os Advogados e servidores da Divisão de Precatórios que participaram do Termo de Compromisso Judicial de n°.13/2009, 13/2009, existe ainda um Juiz de Direito e dois (02) representantes do Ministério Público (Promotores de Justiça), que participaram ativamente de todos os atos que culminaram na homologação do Termo de Compromisso”, diz trecho do documento.

Além disso, o documento de defesa ressalta que, diante do que o advogado chama “equívoco”, o fato de não terem sido mencionados os partícipes no relatório, a comissão de inspeção “lança conclusões apressadas e graves”.

A forma de cálculo equivocada utilizada no precatório da Henasa foi estendida para outros precatórios. Isso motivou um pedido por parte do TCE para modificação na tabela de cálculo. O pedido foi atendido pelo TJRN, tanto que a medida cautelar que determinaria a alteração não foi votada pelo plenário do TCE na manhã de ontem.

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte determinou a atualização dos cálculos dos valores dos precatórios quando for ocorrer o efetivo pagamento no âmbito do Poder Judiciário potiguar. A determinação foi da presidente do TJ, desembargadora Judite Nunes, acatando notificação do conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, Carlos Thompson, relator da Inspeção Extraordinária que ocorre na Divisão de Precatórios do TJ. No momento dos cálculos, o valor dos juros de mora simples será de 0,5%, conforme o modelo 04 da Tabela da Justiça Federal. Os valores pagos indevidamente poderão ser devolvidos aos cofres públicos.

Com informações da Tribuna do Norte

enviar comentário
Publicidade

Advogado desmente informações dadas por Carla Ubarana em depoimento

Em contato com esse blogueiro, o advogado Sebastião Leite apontado pela ex-chefe da DIvisão de Precatórios, Carla Ubarana, de ter sido o interlocutor de um possível vazamento de informação privilegiada negou qualquer participação com o relatado em depoimento.

De acordo com Carla, Sebastião teria recebido a informação antecipada do bloqueio de bens dela da filha do desembarbador Caio Alencar, Débora Alencar, e repassado para o antigo advogado de defesa Felipe Cortez. Mas Sebastião rebateu as acusações.

“Repudio totalmente este depoimento prestado em juízo. Nego com veemência a referida informação. Esta conversa nunca existiu e deve fazer parte da estratégia da defesa para desqualificar a comissão que está investigando o caso”, declarou.

Perguntado sobre a que fato ele atribuía a declaração, o defensor disse acreditar que o objetivo e desqualificar a todos, principalmente o desembargador Caio Alencar, que é quem está a frente da sindicância do TJ.

enviar comentário
  1. Ricardo_jose disse:

    Fácil esclarecer essa pendência. Basta disponibilizarem todos seus sigilos telefônicos ou as faturas detalhadas dos celulares.

Publicidade

Precatórios do TJ: Vejam quanto cada envolvido recebeu e sacou do dinheiro desviado

No relatório parcial apresentado hoje no plenário do TCE pelo conselheiro Carlos Thompson, tem uma tabela discriminando quanto cada envolvido sacou e recebeu dos pagamentos desviados dos precatórios do TJ. Lembrando que o valor que consta nesse relatório parcial já sofreu alteração no dia de ontem com novos documentos auditados pelo TCE. Lembrando mais uma vez, esse relatório é parcial…

enviar comentário
  1. Ricardoaugusto disse:

    Pena tratar-se de relatório parcial…… Não apontou todos os envolvidos citados por Carla no seu diário esquecido por todos.

Publicidade

Partidos têm até segunda-feira (16) para encaminhar lista de filiados

Termina na próxima segunda-feira (16) o prazo para o envio das relações de filiados pelos partidos políticos via Internet por meio do sistema Filiaweb. Aqueles que pretendem concorrer aos cargos de prefeito, vice-prefeito e vereador nas Eleições 2012 devem contar com, no mínimo, um ano de filiação partidária.

Após receber a relação dos filiados, a Corregedoria-Geral Eleitoral inicia o procedimento de identificação das duplicidades de filiação partidária, isto é, daquelas pessoas que estão ligadas a mais de uma legenda. Essa etapa será realizada entre os dias 17 e 22 de abril. Ainda neste período, aqueles que forem identificados como filiados a duas agremiações diferentes serão notificados para informar a qual estão efetivamente associados e comprovar eventual desfiliação que não foi registrada pelo seu antigo partido. Os partidos também são notificados nos casos de dupla filiação.

A divulgação na internet das relações oficiais de filiados está prevista para o dia 23 de abril. Cabe ressaltar que, segundo a legislação eleitoral, se a relação não for enviada até o prazo mencionado, permanece inalterada a filiação constante da relação remetida anteriormente.

Consulte os filiados no Filiaweb.

enviar comentário
Publicidade

Precatórios do TJ: Carla revela que mais "laranjas" participaram do esquema

Como todos sabem, o Blog do BG teve acesso ao vídeo do depoimento que Carla Ubarana concedeu ao juiz José Armando Ponte, da 7ª Vara Criminal, no dia 30 de março passado. O blog já noticiou vários detalhes desse depoimento, mas Carla deixou um detalhe revelador no final: mais pessoas faziam parte do esquema como laranjas, ou seja, emprestavam as contas pessoais para recebimento dos valores e posterior saque para os reais beneficiários.

Carla revelou a participação de mais laranjas durante o depoimento prestado ao advogado Heráclito Noé, que faz a defesa da ex-secretária particular Claudia Sueli. Até agora, apenas os empresários Carlos Eduardo Palhares e Carlos Augusto Fasanaro, além da própria Claudia, foram identificados como laranjas.

Confira como foi o trecho do depoimento:

Heráclito Queria aproveitar a oportunidade para questionar a denunciada apenas se, além dos três que aqui estão [Claudia Sueli, Carlos Eduardo Palhares e Carlos Augusto Fasanaro], outras pessoas também foram utilizadas da mesma forma, sem o conhecimento do que estava ocorrendo no âmbito do Tribunal, para recebimento desses valores?

Carla – Foram. Foram utilizadas outras pessoas, mas ninguém teve o conhecimento do que se tratava.

Heráclito –O conhecimento de como funcionava estava restrito a…

Carla – A mim e a George

Heráclito – No âmbito do Tribunal?

Carla – O presidente do Tribunal

Heráclito –  Nas duas gestões?

Carla – Nas duas gestões. Os dois presidentes  [desembargadores Oswaldo Cruz e Rafael Godeiro], no caso.

 

enviar comentário
Publicidade