Nova lista de Janot: Pela média do STF, julgamentos de políticos só viriam em 2022

Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

O pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Federal Tribunal (STF) para investigar políticos citados nas delações da Odebrecht levou a Operação Lava Jato a um novo patamar.

Se a maioria dos pedidos for aceita, um grupo de várias dezenas de políticos –que inclui ministros, governadores e congressistas de diversos partidos, além de ex-governantes e ex-parlamentares– terá suas condutas analisadas pela força-tarefa.

A Lava Jato deverá gerar o maior julgamento por corrupção da história do Supremo. O desfecho do caso, porém, ainda está bem distante –e há temores de que mudanças legislativas ponham em xeque a punição de parte dos crimes cometidos.

Longa duração

“É inevitável algum grau de frustração popular com o tempo [da tramitação da Lava Jato no STF], porque ainda não se percebeu com clareza que o tempo do Judiciário seja tão diferente da ansiedade ou da pauta política do país”, diz à BBC Brasil Rubens Glezer, professor de Direito Constitucional da Fundação Getúlio Vargas (FGV) em São Paulo.

Em 2014, pesquisadores da FGV do Rio de Janeiro analisaram a duração de processos no STF entre 1988 e 2013.

Segundo o estudo, ações que envolviam direito penal – caso de grande parte das denúncias apuradas na Lava Jato – levaram em média 5,5 anos para serem julgadas.

Se seguirem essa média, os julgamentos dos políticos na “nova lista de Janot” que se tornarem réus chegariam a uma conclusão no final de 2022.

Um marco na história do STF, o julgamento do mensalão foi concluído quase nove anos após a abertura dos inquéritos.

Só entre a apresentação das denúncias (quando os investigados se tornam réus) e o início do julgamento se passaram seis anos.

Glezer diz que após o mensalão o Supremo mudou o procedimento para julgar casos semelhantes.

O mensalão foi julgado por todos os ministros do STF, em sessões televisionadas.

Agora julgamentos desse tipo não são transmitidos e ficam a cargo de uma das duas turmas do STF, que contam com cinco ministros cada.

Segundo Glezer, o número menor de ministros e a menor exposição das sessões tendem a acelerar os processos.

Ele afirma que o STF tem tratado a Lava Jato como prioridade.

Prazos

Em março de 2015, o então relator da Lava Jato no Supremo, Teori Zavascki, autorizou a abertura de 25 inquéritos para investigar 50 políticos na Lava Jato. Nessa fase, coletam-se provas contra os suspeitos.

Hoje, cinco desses políticos respondem como réus. A PGR já apresentou outras cinco denúncias e aguarda a posição do Supremo sobre os casos. A última denúncia acolhida, contra o deputado federal Vander Louber (PT-MS), levou um ano e três meses para ser apreciada.

Com a morte de Zavascki, em janeiro, a relatoria do caso passou para o ministro Edson Fachin.

Glezer diz que o intervalo entre a abertura do inquérito e a apresentação da denúncia pode ser longo, mas que isso não é necessariamente um problema. No caso dos novos inquéritos da Lava Jato, ele estima que a fase possa se estender por um ou até dois anos.

“O trabalho tem que ser bem feito para que se ofereça uma denúncia sólida, que seja recebida e leve à condenação dos denunciados. Senão, há o risco de que o Supremo a rejeite”, afirma.

O ritmo da tramitação do processo no STF destoa da velocidade com que a Lava Jato é julgada na primeira instância, onde são analisadas as denúncias contra pessoas sem foro privilegiado.

Em quase três anos de operação, o juiz Sérgio Moro já proferiu mais de cem condenações.

Muitos juristas e até mesmo ministros do Supremo costumam dizer que a corte não tem vocação para julgar casos de grande dimensão e que envolvam crimes complexos.

No Superior Tribunal de Justiça (STJ), a última instância da Justiça brasileira para as causas infraconstitucionais (não relacionadas diretamente à Constituição Federal), em comparação, há mais ministros que no STF (atualmente são 33) e turmas especializadas em temas jurídicos distintos, o que costuma agilizar os casos.

Segundo relatos na imprensa, o STJ deve ficar encarregado de analisar casos de governadores citados nos depoimentos da Odebrecht.

Dúvidas

Apesar da maior lentidão do STF, Glezer afirma que apenas 3% dos casos julgados pelo tribunal prescrevem (quando o prazo para a punição expira e os réus ficam livres de cumprir pena). Ele diz acreditar que a corte cuidará para que isso não ocorra com a Lava Jato, dada a visibilidade do caso.

Outro temor de defensores da operação é que congressistas mudem leis para se livrar de punições.

Vários partidos querem a aprovação de uma lei que anistie casos de caixa dois (quando candidatos recebem recursos não declarados à Justiça Eleitoral) ocorridos no passado, criminalizando apenas casos futuros.

A pressão pela aprovação da lei aumentou após a Odebrecht negociar um acordo de cooperação com a Procuradoria Geral da República para atenuar as penas de executivos condenados na Lava Jato. Muitos políticos temem ter sido delatados com base nas leis atuais.

Há ainda dúvidas sobre como o STF agirá nos casos em que políticos investigados que hoje têm foro privilegiado (governantes, ministros e legisladores) percam esse status, caso não se reelejam ou percam os cargos em trocas de governo.

Segundo Glezer, o Supremo não tem critérios claros para definir quando políticos que perdem o foro privilegiado devem responder em instâncias inferiores.

Na Lava Jato, a corte já adotou posições tidas como conflitantes.

No fim de fevereiro, o tribunal definiu que o ex-presidente José Sarney – que hoje não exerce cargo público e, em tese, não tem foro privilegiado – deveria ter seu caso julgado pelo STF.

Já o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teve seu caso enviado à Justiça Federal em Curitiba, na primeira instância, após perder o cargo de ministro com o impeachment de Dilma Rousseff.

Para Glezer, as mudanças de foro podem gerar “uma ciranda processual, que com certeza prejudica o andamento dos casos e eleva o risco de prescrição”.

UOL

 

Publicidade

Comentários:

  1. Ceará Mundão disse:

    Tá explicado porque os caras defendem o tal foro privilegiado. O Lula faz tempo que peleja prá sair das mãos do juiz Moro. Teve até aquele caso do "Bessias", prá transformá-lo em ministro.

  2. Jean disse:

    Todos vão tirar seus mandatos sem problemas. Só o PT se fodeu perdendo o poder no tapetão comprado. Depois vão botar seus filhos, esposas, sobrinhos e cunhados no lugar deles, como fizeram os vereadores envolvidos na operação impacto. E tudo seguirá como dantes no quartel de abrantes.
    Ou seja, o golpe já foi dado, tiramos o PT do poder, os da turma do #FORAPT ficaram felizes, essas ações levarão séculos para serem jugadas, alguns serão protegidas pela santa Prescrição, e quando finalmente chegar o dia do julgamento, eis que surge o milagre da substituição pelos filhinhos do papai.
    "TUDO MUDARÁ PARA QUE NADA MUDE DE FATO!

    • Ceará Mundão disse:

      Cara, deixa de sandice. Nem precisa conhecimento dos detalhes prá compreender que o PT foi o líder da enorme roubalheira investigada. Afinal, era o dono do poder. Era os presidentes Lula e Dilma quem nomeava todo mundo ao seu bel prazer. Portanto, essa ORCRIM fantasiada de partido é a maior interessada em atrapalhar as investigações e evitar punições. Quanto à demora do STF, não é à toa que o canalha mor, o 9 dedos, peleja faz tempo prá sair das mãos do juiz Moro. Uma das ações em que ele é réu, inclusive, é sobre obstrução da Justiça, naquela triste farsa da sua nomeação a ministro, aquela palhaçada combinada com a Dilma, envolvendo o tal "Bessias". Deixa de "viagem", "cumpanhero".

  3. Zé lizin disse:

    VIVA O BRASIL E SUAS LEIS CAPENGA!!!

  4. Paulo Cardoso disse:

    A justiça no brasil poderia ser reclassificada ao invés de morosa inexistente