Petistas e movimentos sociais admitem preocupação após protestos

Integrantes da cúpula do PT e líderes de movimentos sociais manifestaram na noite deste domingo preocupação com a repercussão dos protestos pelo impeachment.

O presidente do PT, Rui Falcão, se disse preocupado com o fato de os políticos terem sido hostilizados na Avenida Paulista. Ele estabeleceu um paralelo com o golpe militar de 1964, lembrando que civis apoiaram o movimento na expectativa de chegar ao poder, mas que o país amargou 21 anos de ditadura.
“Me preocupa que a oposição que fomenta este ato seja hostilizada em plena avenida Paulista. Me preocupa porque, em 64, os golpistas apoiaram os militares e houve 21 anos de ditadura sanguinária”.

Coordenador nacional do MST, João Paulo Rodrigues se disse preocupado com a “abrangência” do ato. Não só do ponto de vista geográfico.
“Até então era só a classe média coxinha. Agora houve maior participação dos trabalhadores, que historicamente sempre estiveram com a gente”, lamentou.

O deputado federal Vicente Cândido (PT-SP) disse que mudar a política econômica é a última chance de sobrevivência.
“Se quiser se manter vivo, tem que mudar a pauta econômica.”

FolhaPress

Publicidade

Comentários:

  1. Alguém disse:

    É colega o povao ja está sabendo de todos os desmandos e dar uma de João sem braço não vai colar!!!! Lula como Ministro não irá salvar Dilma, na verdade vai terminar de torrar a imagem dele e colocar em prática a mesma política econômica razão de estarmos nessa situação de hoje certamente não colara!!!! A única saída é RENUNCIANDO!!! O POVO QUER OS CORRUPTOS NA CADEIA e como diz o frase que circula "QUEM TEM BANDIDO DE ESTIMAÇÃO É O PT".