Planalto aposta em denúncias ‘suprapartidárias’ na lista de Janot

O Globo

No dia em que a Procuradoria-Geral da República (PGR) enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) o pedido de abertura de 83 inquéritos, envolvendo, entre outros, a cúpula do Palácio do Planalto e do PMDB, o presidente Michel Temer tentou manter a tranquilidade. O que faz integrantes do governo manterem o controle é o que chamam de “suprapartidarismo” dos envolvidos nos pedidos da PGR, que atinge tanto as maiores quanto as menores legendas do Congresso.

— Pelas informações, são cerca de 400 políticos envolvidos. Isso não é um problema de governo, é sistêmico — afirmou um auxiliar presidencial.

Na terça-feira, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, minimizou os efeitos da divulgação da lista do procurador-geral da República na votação de temas importantes para o governo no Congresso, como a reforma da Previdência, por exemplo. Ele mencionou que há um trabalho intenso pela frente por parte da Justiça, como aceitação ou não de denúncias, e a abertura de inquéritos. Meirelles destacou ainda que os Três Poderes são independentes.

Publicidade

Comentários:

  1. Carvalho disse:

    Graves acusações pesam sobre o Congresso Nacional, inclusive sobre os ex-presidentes e atuais presidentes das duas casas;
    A imprensa noticia que graves acusações recaem sobre o presidente da República;
    Vários ministros do governo Temer na lista do Janot;
    O STF improdutivo, lerdo e ineficiente não cumpre com excelência as suas atribuições constitucionais;
    Ministros do Poder Judiciário com amizade muito estreita com pessoas nas quais poderá um dia julgar.
    Se os poderes estão em perigo, não estão funcionando ou está funcionando mal, será que os militares poderiam intervir?