Reforma da pista do aeroporto de SGA é destaque na Folha de SP

Resultado de imagem para aeroporto de sga

Por FolhaPress

Primeiro aeroporto brasileiro cedido à iniciativa privada, o aeroporto internacional Governador Aluizio Alves, em São Gonçalo do Amarante, na grande Natal (RN), já terá reforma na pista pouco mais de três anos após a sua inauguração, em maio de 2014.

Até o momento, porém, não se sabe exatamente qual será a manutenção a ser feita na pista, mas a obra tem previsão para o início do segundo semestre de 2017, com 30 dias de duração.

Na semana passada, segundo o jornal “Valor Econômico”, técnicos do consórcio Inframerica, que administra o local, comunicaram a membros do governo federal de que há o risco de a pista afundar. A empresa nega.

O leilão do aeroporto vencido, em agosto de 2011, pelo consórcio Inframerica, composto inicialmente pela construtora brasileira Engevix e pelo grupo argentino especializado em concessões aeroportuárias Corporación America —que pagou um lance de R$ 170 milhões pela concessão até 2039 e a assumiu em julho de 2012. Em 2015, a Engevix, envolvida na operação Lava Jato, vendeu sua parte (50%) para a sócia.

O Corporación America foi um dos grupos estrangeiros a anunciar desistência do leilão dos aeroportos de Fortaleza, Salvador, Florianópolis e Porto Alegre, previsto para esta quinta (16).

A construção da pista que será reformada, entretanto, foi realizada pelo batalhão de engenharia do Exército, com dinheiro proveniente da Infraero, órgão do governo federal responsável pela administração dos aeroportos brasileiros não privatizados. O valor total gasto foi de cerca de R$ 120 milhões para a infraestrutura da pista de pouso, dos sistemas de auxílio e de proteção ao voo.

Ao consórcio coube a construção do terminal de passageiros, em valor que bateu os R$ 375 milhões, e, depois de pronto, administrar o aeroporto, uma das obras do chamado legado da Copa do Mundo de 2014 —Natal foi uma das 12 sedes.

“Não há o risco de a pista ceder. A pista do Aeroporto de Natal é segura e atende aos requisitos de segurança operacional e das normas da Anac”, informou à Folha o consórcio, por meio de sua assessoria.

No entanto, o consórcio não explicou qual o motivo da obra, informando apenas que ainda não pode informar porque está discutindo os detalhes com os órgãos competentes e com os “players” envolvidos. O custo terá de ser pago pelo concessionário.

Durante a obra, os pousos e decolagens no aeroporto deverão ser feitos pela pista de taxiamento, o que pode ocasionar menos voos devido à estrutura auxiliar. A Inframerica disse que “está trabalhando para que o prejuízo e o impacto aos passageiros sejam os menores possíveis”.

O Exército informou à Folha que não foi notificado, oficialmente, pela contratante —a Infraero— a respeito da existência de qualquer problema referente à obra realizada no aeroporto. Segundo a instituição, o projeto seguiu todos os parâmetros previstos na legislação técnica e uma equipe, enviada ao aeroporto para avaliar o suposto problema, em uma análise preliminar, constatou que não há sinal de afundamento na pista.

A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), responsável por fiscalizar a aviação civil no Brasil, informou por meio de nota que “no momento a pista do Aeroporto de São Gonçalo do Amarante está operacional e sem reportes ao comprometimento da segurança de suas operações”. Disse ainda que ainda não foi apresentado pela concessionária qualquer projeto de obra.

LEILÃO

A situação do aeroporto de Natal ganha destaque porque nesta quinta (16) mais quatro aeroportos brasileiros serão leiloados : os de Fortaleza (CE), Salvador (BA), Porto Alegre (RS) e Florianópolis (SC). Há hoje outros cinco aeroportos, além do Natal, privatizados —Viracopos (Campinas-SP), Guarulhos (SP), Confins (MG), Galeão (RJ) e o de Brasília.

Como a Folha mostrou em reportagem de maio de 2016, a queda no número de passageiros nos aeroportos, devido à crise econômica, fez com que os concessionários pedissem à Anac para não pagar o aluguel pelo uso das unidades, o que não foi aceito.

No caso do aeroporto de Natal, a Anac informou que, até o momento, não foi apresentado pela concessionária qualquer pleito de reequilíbrio econômico-financeiro no contrato.

Publicidade

Comentários:

  1. Fernando Antonio disse:

    Sou mais o Augusto Severo. Central e muito bonito.

  2. LULA NÃO SEI DE NADA, NÃO VI, TÔ POR FORA disse:

    Quero ver notícia boa sobre o RN sair na FOLHA, só sai desgraça, morte, arruaça e etc, sobre os estados do nordeste!

  3. Genivaldo disse:

    Se a pista não tem risco de ceder qual o motivo da reforma??? Pq o Exército, que executou a obra, não foi notificado??? Que estória esquisita.

  4. Adriana Medeiros disse:

    Essa matéria sobre esse problema no aeroporto de São Gonçalo do Amarante é uma vergonha para o Rio Grande do Norte e sua população, podendo até causar prejuízos financeiros para o Estado, porque o turista que toma conhecimento dessa matéria, jamais teria coragem de pousar no referido aeroporto, presumindo a ocorrência de algum acidente. Lamentavelmente, tudo que se faz nesse país, em matéria de obras públicas, sempre tem muita gente que quer "levar vantagem" financeira, muitas vezes colocando nas obras material de quinta categoria como se fosse de primeira, mesmo que essa imprudência e irresponsabilidade possa por em risco a vida de terceiros, o dinheiro e a vantagem fala ais alto para esses ladrões engravatados. Não sou especialista em aviação e nem em engenharia, mas se uma pista de um aeroporto que foi construída há pouquíssimo tempo para que nela pudesse pousar o maior avião do mundo, o AIRBUS A380, já apresenta esses danos graves, com certeza, esse afundamento poderia causar acidentes graves. A Air Emirates é a maior proprietária desse tipo de avião do mundo, vejam se essa companhia aérea aceitaria que uma de suas aeronaves desse porte pousaria no aeroporto de São Gonçalo do Amarante com esse problema na pista, jamais!!!! Torna-se necessário que o MPF investigue essa obra.

  5. Carvalho disse:

    Essa é a pista que alardearam que poderia suportar o pouso do maior avião de passageiros do mundo: o A380.
    Na realidade, parece que não precisou de absolutamente nenhum peso para que a pista afundasse.