Publicidade

FOTO: PF indicia ex-capa da Playboy na Lava Jato

Taiana Camargo: modelo contou que foi a primeira pessoa a quem o doleiro Youssef mandou mensagem após cair na Lava Jato (Facebook/Playboy/Reprodução)

Três anos após receber um telefonema do doleiro Alberto Youssef avisando que havia caído na Operação Lava Jato, a modelo Taiana de Souza Camargo entrou na mira da maior investigação contra corrupção no País.

Ex-amante do doleiro, Taiana foi indiciada pela Polícia Federal na segunda-feira, 13, pelo crime de lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores.

Grande operador de propinas no esquema instalado na Petrobras entre 2004 e 2014, o doleiro é um dos primeiros delatores da Lava Jato. Youssef revelou pagamentos de vantagens ilícitas por empreiteiras a políticos, entre deputados, governadores e senadores.

Em janeiro de 2015, Taiana foi capa da Playboy. Nas páginas da revista ela exibiu charme e curvas generosas. E também contou que foi a primeira pessoa para quem o doleiro mandou mensagem, já na prisão da Lava Jato, em março de 2014.

“Ele nunca mais me ligou depois daquela mensagem. Acho que ele primeiro pensou em se preservar. Fiquei magoada”, disse Taiana, na época.

O ex não mais apareceu para Taiana – até porque ficou preso em regime fechado por dois anos e meio -, e ela, por sua vez, não apareceu para a Polícia Federal. Ao promover seu indiciamento indireto, a PF destacou as “inúmeras tentativas” de ouvir a moça.

“Intimada em 3 de março de 2016, não compareceu pedindo para ser ouvida por precatória. Expedida carta precatória, não compareceu às oitivas marcadas para o dia 25 de julho de 2016, apesar da intimação. Em nova intimação para o dia 6 de outubro de 2016, obteve-se a informação que se encontrava no exterior. A carta precatória foi devolvida sem cumprimento. Taiana deixou o País dia 11 de julho de 2016, retornando dia 23 de dezembro de 2016”, narra a PF.

Negócios

Relatório da Polícia Federal, subscrito pelo delegado Ivan Ziolkowski, aponta que o doleiro, “a título de doação, transferiu um apartamento em São Paulo e uma sociedade em um restaurante para Taiana de Souza Camargo” para ocultar seu patrimônio.

“Alberto Youssef mantinha um relacionamento com Taiana Camargo e transferiu diversos bens e patrimônio para ela a título de ‘presentes’. Além de quitar diversas despesas cotidianas de Taiana como condomínio e escola de seu filho, Youssef pagou para ela em 2011 um veiculo BMW 2007”, identificou a PF.

A declaração de Imposto de Renda de Ajuste Anual/Ano 2010 de Taiana aponta recebimento de RS 44.894,00 de Pessoa Física no Exterior. Em 2011, segundo o relatório, foram transferidos R$ 62.991 mil à modelo.

“Ainda em 2011, Taiana apontou na sua declaração anual um patrimônio total em 31 de dezembro de 2011 de R$ 98.940,04. Chama a atenção, no entanto, que na declaração de 2012, declarou que seu patrimônio na mesma data de 31 de dezembro de 2011 totalizava R$ 1.098.500,00. Ao que tudo indica introduziu valor injustificado como Saldo em Giro e Domicílio para justificar o apartamento que recebeu de Alberto Youssef em 2012”, destaca o delegado.

O relatório destaca que o valor estimado do imóvel, atualmente, é R$ 871.733.66. “Com as oscilações do mercado imobiliário experimentadas nesta década pode-se inferir que o valor declarado em 2012 foi compatível com a realidade”, aponta o delegado.

Para a PF, há “prova indiciária de má-fé” ao ocultar a origem do patrimônio. Segundo o relatório, Alberto Youssef declarou que a ex-amante recebeu a sociedade do restaurante Aracari “porque ele tinha restrições perante a Receita Federal, constituindo-se, portanto, Taiana, como pessoa interposta (laranja) na sociedade”.

“Evidentemente, Taiana tinha conhecimento das atividades ilícitas de Alberto Youssef, ou ao menos, era presumível que soubesse delas. Desta forma, havendo configuração clara da materialidade e autoria, pelos indícios apresentados, determino o indiciamento indireto de Taiana de Souza Camargo pelo crime de lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores de Alberto Youssef”, afirma o delegado.

Na entrevista à Playboy, em 2015, Taiana relatou que, durante o namoro, tomou conhecimento de casos de corrupção envolvendo o doleiro, mas sucumbiu. “Cheguei a confrontá-lo. Mas ele disse que essas acusações eram isso, passado, e que eu estava sendo preconceituosa. Acabou me dobrando”, contou.

A reportagem deixou recado no escritório de advocacia ligado à defesa de Taiana de Sousa Camargo. Não houve retorno. O espaço está aberto para manifestação da defesa da ex-amante de Alberto Youssef.

Exame

Comentários (7) enviar comentário
  1. Foraptzadacorruptos disse:

    😂😂😂😂😂 H O M E N S !!!

  2. Walter disse:

    Me ponho a disposição da justiça para guardar essa bandida lá em casa

  3. Verys disse:

    Tanto político daqui do RN pra PF indiciar e ficam pegando uma inocente destas. Homens da PF, foquem nos políticos do RN.

  4. torcedor disse:

    Pelo menos soube empregar bem o dinheiro.

  5. Edu disse:

    Nem se de coisas ruins a lavajato proporcionou, esse dinheiro aí foi muito bem empregado, parabéns Youssef.

  6. JC disse:

    É o maior bicho que come terra… kkkkk

  7. Ceará Mundão disse:

    Ai, sim. Pode-se dizer que foi dinheiro bem empregado. kkkkkkk

Publicidade

Moro diz que há risco de retrocesso na Lava Jato

Sergio Moro deu uma entrevista ao Valor. Ele falou sobre os golpes articulados contra a Lava Jato no Congresso Nacional:

“Eu realmente acho que há risco de retrocesso. Fatos como aquela tentativa de anistia”.

A reportagem perguntou:

“O senhor se refere à anistia ao caixa dois ou à tentativa de anistia geral que a Câmara dos Deputados encampou?”

Ele respondeu:

“Se fosse ao caixa dois seria algo menos preocupante. Digo a tentativa de anistia geral. E ainda tem uma incógnita, porque há muitas investigações em andamento. Teremos de ver qual será o destino delas”.

O Antagonista

Comentários (4) enviar comentário
  1. paulo martins disse:

    Enquanto o eleitor bitolado insistir no culto sistemático e recorrente a seus "bandidos de estimação", sejam eles quem forem, o Brasil continuará sendo referência permanente de corrupção em todo o mundo. Aliás, esse mesmíssimo eleitor deve avocar para si todas as mezelas da política tupiniquim, posto que é as escolhas políticas equivocadas é responsabilidade exclusiva dele.

  2. Jofran disse:

    Aécio vai pegar Liberdade perpétua com Gilmar desdizendo tudo que dizia antes…
    Moro é Tucano desde menininho em Maringá onde seu pai fundou e dirigiu o PSDB local.
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    • Jean disse:

      Exatamente Jofran. Com ironia e sarcasmo vc definiu muito bem a situação:
      "o Dr. Moro não ouve testemunha para formar convicções. As suas estão formadas, e formadas desde muito antes, até, que se iniciasse qualquer processo".
      Lula está vivo, mesmo com todo esse ataque midiático constante, diário e massacrante. E isso faz a Casa Grande Pirar. Pois se for candidato, ganhará as eleições de novo. O povo mais pobre, discriminado e sofrido do Norte e Nordeste, os membros das diversas minorias excluídos socialmente e todos que almejam por justiça social e melhores oportunidades para todos que desejarem, estão acordadas e querem se expressar novamente.

  3. adauto disse:

    INTERVENÇÂO MILITAR EO REMÈDIO.

Publicidade

Cabral é denunciado pela sexta vez na Lava Jato, agora com ‘Juca Bala’

Por interino

Foto: Estadão Conteúdo

A força-tarefa da Lava Jato no Rio de Janeiro denunciou pela sexta vez o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB), desta vez pelos crimes de evasão de divisas, lavagem de dinheiro e corrupção passiva. A denúncia apresentada nesta quarta-feira, 8, inclui ainda outros seis investigados incluindo o doleiro Vinícius Claret, conhecido como “Juca Bala” e preso na última sexta-feira no Uruguai.

A denúncia é um desdobramento das operação Eficiência e que apontou que o esquema do ex-governador teria movimentado US$ 100 milhões no exterior.

Além de Sérgio Cabral, também foram denunciados: Carlos Miranda (25 crimes de evasão de divisas e 21 crimes de lavagem de dinheiro); Wilson Carlos (25 crimes de evasão de divisas e 18 de lavagem de dinheiro); Sérgio Castro de Oliveira – Serjão (8 crimes de evasão de divisas); Vinicius Claret – Juca Bala (25 crimes de evasão de divisas, 9 de corrupção passiva, 9 de lavagem de dinheiro e crime de pertencimento à organização criminosa); Claudio de Souza – Tony/Peter (25 crimes de evasão de divisas, 9 de corrupção passiva, 9 de lavagem de dinheiro e crime de pertencimento à organização criminosa); e Timothy Scorah Lynn (9 crimes de corrupção ativa e 9 de lavagem de dinheiro).

A denúncia imputou, ainda, 25 crimes de evasão de divisas, 30 crimes de lavagem de dinheiro e 9 crimes de corrupção passiva a duas pessoas que fizeram acordo de colaboração premiada com o Ministério Público Federal.

A denúncia desta quarta abrange, especificamente, os crimes envolvendo a evasão de divisas do grupo criminoso por meio de operações dólar-cabo, expediente utilizado por operadores do mercado negro para remeter recursos para o exterior sem passar pela fiscalização das autoridades bancárias.

De acordo com o MPF, o total ocultado no exterior corresponde a R$ 318.554.478,91, “que representa apenas parte do que amealharam dos cofres públicos, por meio de um engenhoso processo de envio de recursos oriundos de propina para o exterior.”,

Com o acordo já foi possível repatriar US$ 85.383.233,61 provenientes das contas Winchester Development SA, Prosperity Fund SPC Obo Globum, Andrews Development SA, Bendigo Enterprises Limited e Fundo FreeFly em nome dos colaboradores. Os recursos encontram-se depositados em conta judicial na Caixa Econômica Federal.

Atualmente o ex-governador está preso preventivamente em Bangu 8, no Rio e já responde a outras quatro ações penais na Justiça Federal no Rio e a uma na Justiça Federal no Paraná, todas desdobramentos da Lava Jato.

R7 com Estadão

Comentários (2) enviar comentário
  1. Blue disse:

    Haja corrupção desse rapaz. Destruiu a economia do Rio e o presidente da Câmara fica falando merda na imprensa, o porquinho invocado com cara devwuem quer soltar um flato.

  2. fernando disse:

    Agora , munição não vai faltar.

Publicidade

Lava-Jato: Fachin nega pedidos de Lula, Aécio, Cunha, Dirceu e Gim a delações

Por interino

O ministro Edison Fachin, durante sessão do Supremo Tribunal Federal – Ailton de Freitas / Agência O Globo/08-02-2017

O ministro Edson Fachin, relator dos processos da Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), negou pedidos feitos pelo ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva; pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG); pelo ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ); pelo ex-ministro José Dirceu (PT-SP); e pelo ex-senador Gim Argello (PTB-DF). Dos cinco, três se encontram presos atualmente no Paraná: Cunha, Dirceu e Gim. Lula e Aécio solicitavam acesso a delações premiadas.

Lula queria ter acesso à delação do ex-deputado Pedro Corrêa, firmada com o Ministério Público Federal (MPF), mas ainda não homologada pelo STF. O próprio MPF foi contra o pedido do ex-presidente, uma vez que não houve a homologação até agora. Fachin acrescentou que, mesmo se o acordo já estivesse homologado, o sigilo deveria ser mantido até a instauração de inquéritos baseados na delação, de forma a não comprometer as investigações.

“Assim, enquanto não instaurado formalmente o inquérito, o acordo de colaboração e os correspondentes depoimentos estão sujeitos à tramitação sigilosa. Com a instauração do inquérito, nada obstante o acesso aos autos seja restrito ao juiz, ao Ministério Público e ao delegado de polícia, como forma de garantir o êxito das investigações, assegurado também será ao defensor legalmente constituído amplo acesso aos elementos de prova que digam respeito ao exercício do direito de defesa”, decidiu Fachin.

Aécio pedia acesso à delação de Benedicto Júnior, ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura, e Sergio Neves, ex-diretor da Odebrecht em Minas, além de “qualquer outro que tenha mencionado” seu nome. Ele citou matéria do site “BuzzFeed”, publicada em 30 de janeiro, segundo a qual a Procuradoria Geral da República (PGR) pediria investigação para apurar irregularidades nas obras da Cidade Administrativa, a sede do governo de Minas Gerais construída quando ele era governador do estado.

DEFESA DE CUNHA PROTESTA

Diferentemente de Pedro Corrêa, as delações de executivos da Odebrecht já foram homologadas pelo STF. Mas, da mesma forma que fez no pedido de Lula, Fachin destacou que o sigilo deve ser mantido para preservar as investigações. Disse ainda que “eventual menção em termo de colaboração não confere ao peticionário (Aécio), automaticamente, a condição de investigado”.

Cunha pedia que fosse suspensa sua transferência da carceragem da Polícia Federal (PF) em Curitiba para o Complexo Médico Penal em São José dos Pinhais, na região metropolitana da capital paranaense. A medida foi determinada pelo juiz Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava-Jato na primeira instância. A defesa de Cunha alegou que a transferência tem por objetivo forçá-lo a celebrar um acordo de delação premiada. A Superintendência da PF fica numa região mais central que o Complexo Médico Penal. Além disso, permite um acesso mais fácil aos advogados.

O Globo

enviar comentário
Publicidade

Lava-Jato: Cabral, Adriana e mais cinco são denunciados na Lava-Jato no caso Comperj

Por interino

O ex-governador do Rio chega ao IML de Curitiba (PR) acompanhado por agentes da PF – Geraldo Bubnia

O ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB), a mulher Adriana Ancelmo e mais cinco investigados na Operação Calicute foram denunciados por crimes como corrupção passiva e lavagem de dinheiro nesta sexta-feira pelo Ministério Público Federal (MPF), em Curitiba, no âmbito da Operação Lava-Jato. A força-tarefa pede o ressarcimento, em prol da Petrobras, de R$ 2,7 milhões.

De acordo com o MPF, o grupo teve envolvimento no pagamento de vantagens indevidas a partir do contrato da Petrobras com o Consórcio Terraplanagem Comperj, formado pelas empresas Andrade Gutierrez, Odebrecht e Queiroz Galvão.

Também foram denunciados além de Cabral e Adriana, Wilson Carlos (ex-secretário de Governo e considerado seu braço-direito), Carlos Emanuel Miranda (sócio do ex-governador Sérgio Cabral, apontado como operador exclusivo do ex-governador); Rogério Nora (ligado a Andrade Gutierrez); Clóvis Primo ( ligado a Andrade Gutierrez) e Monica Carvalho (mulher de Wilson Carlos e ex-assessora de Cabral no Senado).

Na quarta-feira, a Polícia Federal em Curitiba já tinha indiciado o ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB), seu braço-direito e ex-secretário de governo, Wilson Carlos, e Carlos Emanuel de Carvalho Miranda, o Carlinhos, apontado como um dos operadores do esquema.

ENTENDA O CASO

Cabral é acusado pela Lava-Jato de liderar um grupo que teria cometido os crimes de corrupção, organização criminosa e lavagem de dinheiro. As investigações apuraram um desvio de cerca de R$ 224 milhões com diversas empreiteiras, dos quais R$ 30 milhões somente com a Andrade Gutierrez e a Carioca Engenharia, em obras como a reforma do Maracanã e o Arco Metropoliltano, em troca de aditivos em contratos públicos e incentivos fiscais, que estão na base da atual insolvência financeira do Estado.

O Globo

enviar comentário
Publicidade

Janot denuncia Renan Calheiros na Lava-Jato

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou nesta segunda-feira o presidente do Senado, Renan Calheiro (PMDB-AL), por corrupção e lavagem de dinheiro. O senador é acusado de usar intermediários para pedir e receber dinheiro de uma empresa com contratos com a Petrobras.

O Globo

Comentários (8) enviar comentário
  1. escritor disse:

    Esquenta nao Renan. O STF vai fazer justiça.

  2. Fernando Antonio Ribeiro Bastos disse:

    Ainda bem que seu nome é Maracujina, nada melhor para acalmar os nervos, será que o PT não se valeu do tamanho do PMDB, para tentar se perpetuar no poder, esqueceu que o Temmer foi vice, tudo farinha do mesmo saco e mel do mesmo pote. Lembrar-lhe da famosa música do Caetano: PODRES PODERES.

  3. Maracujina disse:

    Tenho notado um aumento da perturbação dos coxinhas . Compreensível diante da lambança que foi feita . Agora , diante do quadro instalado dizer o que ? A culpa foi do PT ! A culpa foi de Lula ! Hora Meus amigos . O governo ê de TEMMER E DO PSDB . Todos enrolados na lama e melados nas cordas da corrupção . Não adianta MI, MI,MI . O que se quer agora é a mesma energia de mudança para tirar essa cambada que vocês ajudaram a colocar . As evidências são miito mas fortes do que as que afastar Dilma . Ela vai sair limpinha dessa zorra . E Aécio ? E Temmer ? E José Gripado ? E o reitor ? E o CAJÚ ? Vamos aproveitar para limpar ? Assepsia total ? Bora , vamos bater panela ? Bora ! Que se investigue Lula ! Que esta mais do que investigado . Vamos agora aproveitar o momento para oasoar o tacho da corrupção . Vovô Severino já dizia " pau de galinheiro , vacaria e banheiro de cabaré , memo limpo tá é sujo "

    • beto costa disse:

      ei tá falando mal do sócios é? Incautos, o pmdb é sócio do pt até na hora da morte..

    • Helio Motta disse:

      Acho que o amigo não está levando em consideração que quem votou em Temer foram os mesmos ungulados que votaram em Dilma.
      Desta forma que tal assumir a responsabilidade pelo ato?
      Sabemos todos que assumir responsabilidade não é característica de petralhas, mas ao menos finja.

  4. Jofran disse:

    A lista de Furnas está nas mãos de Janot…
    Quando o nobre Procurador vai denunciar Aécio?

Publicidade

Lava Jato: MPF anuncia devolução de R$ 204 milhões à Petrobras, maior já feita pela justiça penal no país

size_810_16_9_logo-petrobrasO Ministério Público Federal anunciou nesta sexta-feira (18) a devolução de mais de R$ 200 milhões de reais aos cofres da Petrobras, recuperados pela Operação Lava Jato. “Trata-se da maior devolução de recursos já feita pela justiça penal no nosso país”, disse a procuradora-chefe do MPF, Paula Cristina Conti Thá, ao lado de representantes da Polícia Federal, da Receita Federal e da Justiça Federal do Paraná. No total, já foram devolvidos mais de 500 milhões de reais.

“Na primeira ocasião foram devolvidos 157 milhões de reais e na segunda, mais 139 milhões. Essas duas primeiras restituições envolveram recursos provenientes da devolução de apenas dois investigados, ex-funcionários da estatal”, disse Paula Cristina. Ela também explicou que os valores estão sendo devolvidos à estatal porque o entendimento da Justiça é de que “a empresa é vítima direta dos crimes praticados por alguns de seus ex-executivos e ex-funcionários”.

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, destacou que além do prejuízo econômico, os atos ilícitos praticados na estatal afetaram moralmente a força de trabalho da empresa, milhares de funcionários que nunca participaram de irregularidades. “Uma minúscula minoria de funcionários e executivos envergonhou a imensa maioria de colaboradores e aposentados que construíram a grandeza da companhia”, disse.

Segundo ele, a empresa atua para prevenir que a situação se repita e se empenha em contribuir com investigadores para recuperar todo o potencial de ressarcimento, calculado em 5,5 bilhões de reais. “Estamos com uma atitude proativa no combate a desvios, fraudes e corrupção”, disse Parente.

10 medidas contra a corrupção

O procurador da República Deltan Dallagnol avalia que “esse dinheiro impressiona, mas não é só o dinheiro”. “O que nós temos satisfeito hoje é o sentimento de justiça de todo o povo que não está acostumado a ver nem um tostão retornar aos cofres públicos. Não podemos mais considerar normal o que é anormal”, disse.

Em sua fala, o procurador destacou a importância do apoio e pressão da sociedade para a aprovação das 10 medidas contra a corrupção. Elas foram propostas pelo MPF para prevenir desvios públicos por meio do Projeto de Lei nº 4850/16, em trâmite na Câmara dos Deputados. “No nosso país as pessoas têm o direito de reaver o dinheiro desviado dos cofres públicos, mas aqui, via de regra, nem um centavo é recuperado. No Brasil, é a vítima quem paga o pato porque o sistema favorece a impunidade”.

As 10 medidas receberam o apoio de 2,3 milhões de assinaturas, coletadas por voluntários em todo o país, e têm previsão de ser votadas na Comissão Especial no dia 22 de novembro.

Agência Brasil

 

Comentário (1) enviar comentário
  1. Luciana Morais Gama disse:

    Interessante que não vi nenhuma manifestação dos funcionários da Petrobras, do Sindicato dos Petroleiros, da Associação dos Engenheiros da Petrobras, em defesa da estatal pela roubalheira na Operação Lava Jato. Muito estranho. São cúmplices????

Publicidade

Lava Jato: Moro decide julgar mulher de Cunha

56ycg1pa7k_7r5b2qhmb3_fileFoto: Dida Sampaio/05.11.2015/Estadão Conteúdo

O juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba (PR), decidiu na última terça-feira (8) ter competência para julgar a jornalista Cláudia Cordeiro Cruz, mulher do ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

A defesa de Cláudia solicitou a transferência do processo para a Justiça Federal do Rio de Janeiro. A alegação é de que as movimentações bancárias dela nada tem a ver com o esquema de corrupção da Petrobras, investigado pela Operação Lava Jato.

Para Moro, porém, esse argumento “não faz sentido, pois é ela acusada exatamente de ocultação e dissimulação de produto de crime de corrupção no esquema criminoso da Petrobras”.

Moro assinalou ainda que, “se houve ou não lavagem, se agiu ela ou não com dolo, é questão de mérito e não de competência”.

Com a decisão do juiz federal, o depoimento de Cláudia Cruz permanece marcado para o próximo dia 14 de novembro. Ela deverá se manifestar sobre as acusações que sofre na Lava Jato.

Cláudia Cruz é ré na Lava Jato por, supostamente, ter recebido US$ 1 milhão em propinas de contratos da Petrobras. Por isso, vai responder pelos crimes de lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

R7

Comentários (3) enviar comentário
  1. JC disse:

    Huuunrra! Agora arroxou o cunhão.

  2. IB disse:

    Abre o bocão Cunha. Delação "bomba-atômica" proxima!

  3. alf disse:

    Maravilhoso. Taca-lhe pau Moro!!!!!!

Publicidade

Lava Jato: Lula, Delcídio e outros 5 viram réus

Former Brazilian President (2003-2011) Luiz Inacio Lula da Silva gestures during a meeting with the Workers' Party (PT) members in Sao Paulo, Brazil on March 30, 2015 AFP PHOTO / Nelson ALMEIDA        (Photo credit should read NELSON ALMEIDA/AFP/Getty Images)
Former Brazilian President (2003-2011) Luiz Inacio Lula da Silva gestures during a meeting with the Workers’ Party (PT) members in Sao Paulo, Brazil on March 30, 2015 AFP PHOTO / Nelson ALMEIDA (Photo credit should read NELSON ALMEIDA/AFP/Getty Images)

O juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara da Justiça Federal de Brasília, aceitou denúncia apresentada pelo Ministério Público e transformou em réus o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-senador Delcidio do Amaral (sem partido-MS), o ex-chefe de gabinete de Delcídio Diogo Ferreira, o banqueiro Andre Esteves, o advogado Edson Ribeiro, o pecuarista José Carlos Bumlai e o filho dele, Maurício Bumlai. Eles são acusados de tentar obstruir a Justiça tentando comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró.

A TV Globo entrou em contato com a assessoria do Instituto Lula, mas até a última atualização desta reportagem não havia obtido resposta.

A denúncia foi apresentada ao Supremo Tribunal Federal (STF) no começo deste ano, mas o ministro Teori Zavascki, relator dos processos da Lava Jato na Corte, determinou que fosse enviada para a Justiça Federal de Brasília depois que Delcídio foi cassado no Senado e perdeu o foro privilegiado.

Segundo a Procuradoria, o procurador Ivan Cláudio Marx fez “acréscimos à peça inicial, com o objetivo de ampliar a descrição dos fatos e as provas”, e aponta os mesmos crimes que a Procuradoria Geral já havia identificado: embaraço à investigação de organização criminosa, patrocínio infiel (quando advogado não defende interesses do cliente) e exploração indevida de prestígio.

O MP informou que os detalhes do aditamento da denúncia não serão divulgados em razão do sigilo, mas esclareceu que o procurador pediu o fim do sigilo no caso.

Ida do processo para Brasília

Quando Delcídio perdeu o foro, o procurador-geral da República pediu ao Supremo que o caso fosse remetido para o juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato no Paraná, por entender que havia conexão dos fatos com o esquema de corrupção na Petrobras.

Segundo Janot, alguns dos denunciados, como o empresário José Carlos Bumlai, o filho dele Maurício Bumlai e o próprio Cerveró já são alvos de processo no Paraná. Advogados de defesa dos acusados, no entanto, contestaram o pedido de envio ao Paraná.

O banqueiro André Esteves, um dos denunciados, argumentou que o suposto crime foi cometido em Brasília. Já o ex-presidente Lula afirmou que o caso deveria ir para Justiça Federal de São Paulo porque fatos narrados ocorreram naquele estado.

O ministro Teori Zavascki reconheceu que o que permitia que o inquérito seguisse no Supremo era o foro privilegiado de Delcídio. Mas, depois que ele foi cassado, o caso deveria continuar na primeira instância, frisou o ministro.

Mas ele entendeu que o próprio Supremo já decidiu que não há a chamada “prevenção” para o que não se referir especificamente à corrupção na estatal. Segundo o ministro, a definição do juízo que deve tocar o caso deve ser feita conforme o local onde o crime foi cometido.

Conforme o ministro, os delitos ocorreram no Rio de Janeiro, em São Paulo e em Brasília, “com preponderância desta última porque onde desempenhava o ex-parlamentar sua necessária atividade”.

Teori Zavascki também frisou que foi em Brasília que o filho de Cerveró, Bernardo, gravou a conversa que deu origem à descoberta da trama.

G1

Comentários (11) enviar comentário
  1. Fora PT! disse:

    O "cumpanheiro" achou que aqui era a Venezuela… mas não é não.
    Nenhum brasileiro é ingênuo a ponto de acreditar que partidos como PMDB, DEM, PSDB e todos os outros sejam éticos, mas o PT, amigos, levou a corrupção a níveis estratosféricos; tanto que a BBC Londres classificou o caso 'Abreu e Lima' e 'Petrobras', isoladamente, o maior esquema criminoso da história moderna da humanidade.

  2. Wolverine disse:

    #SIFU

  3. Kall disse:

    Sua hora tá chegando Lulinha….
    #PEGALADRAO

  4. Tatuverdadeiro disse:

    Demorou muito para enquadrar esse corrupto compulsivo !!!

  5. Ponto Final disse:

    Começoooouuuu, começççoooouuuuu. Demorou demais, finalmente virou réu, aberta a porteira, passa a boiada, muitos outros, via Curitiba, estão na agulha, basta pronunciamento do MP.
    A "alma mais honesta do país" começa a apresentar pontos negros, manchas de difícil remoção.
    Muito longe de um final, é apenas o começo e quem planta um dia colhe os frutos. Começa a colheita do PT e seus mentores, todos devidamente processados e unidos, afinal possuem uma única forma em todos eles: RÉU.

  6. Djalma disse:

    Olha aí petralhada.. Não foi o Moro… kkkkk.. ainda vem mais chumbo grosso pegando esta cambada de corruptos.. e vem de: Portugal, Estados Unidos, Suiça…. Roubos na Petrobrás, Eletrobrás, Nuclebrás, Fundos de Pensão, etc.. Desvios direto do patrimônio público com o saque patrocinado por Dona Letícia Lula da Silva e seus famigerados filhos nos tesouros do Palácio do Planalto; ontem a Polícia Federal que o molusco larápio mandou as empresas corruptas do petrolão gastarem um milhão e meio de reais numa reforma ao seu gosto em um sítio "que não era seu".. Não sei onde vai ficar a cara deste pessoal da seita petista.. vão arranjar alguma desculpa.. coisas da CIA, do FBI.. que mandara eles roubarem descaradamente … Vai "filosofa" Marile Chauí, conta ou conto da carochinha para ver se a petralhada acredita…

  7. sergio dias disse:

    Pronto. Quem vem a Natal dia 02.08;16, não é o ex-presidente Lula e sim o réu da Lava-jato Lula. Bem perto de ir para Papuda.

  8. Heineken disse:

    SIFU.. hahahaha

Publicidade

PF abre 29° fase da Lava Jato; mandados em Brasília, Pernambuco e Rio de Janeiro

Por interino

A Polícia Federal está realizando na manhã desta segunda-feira (23) a 29ª fase da Operação Lava Jato. Estão sendo cumpridos mandados em Brasília, Pernambuco e Rio de Janeiro. A ação foi batizada de “Repescagem”.

Os nomes dos investigados não foram revelados. Um dos alvos é um ex-tesoureiro do PP e ex-assessor do deputado José Janene, que morreu em 2010.

Segundo a PF, ele foi condenado no escândalo do mensalão por ter sacado R$ 1,1 milhão das empresas do publicitário Marcos Valério.

Ainda segundo a PF, “foram encontrados elementos probatórios” que apontam a participação do investigado também com o esquema de corrupção na Petrobras. As investigações apontam que ele continuou recebendo repasses mensais de propinas, mesmo durante o julgamento do mensalão e após ter sido condenado, repasses que ocorreram pelo menos até o ano de 2013.

Ao todo, estão sendo cumpridos seis mandados de busca e apreensão, um de prisão preventiva e dois de prisão temporária.

Folha Press

 

enviar comentário
Publicidade

Defesa de Lula pede afastamento de procurador da Lava Jato

lula-ministro-adriano-machado-reuters-575x350Os advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entraram hoje (27) com uma representação no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) para afastar o procurador da República Carlos Fernando dos Santos Lima, um dos integrantes da força-tarefa de investigadores da Operação Lava Jato. A defesa alega que o procurador antecipou pré-julgamento em relação a culpabilidade de Lula em entrevistas à imprensa.

De acordo com nota divulgada pelo Instituto Lula, a defesa afirmou que o procurador, ao acusar Lula antecipadamente, “alimenta a perseguição midiática que tem o objetivo de atacar a honra e a imagem do ex-presidente”.

Segundo a defesa, Carlos Fernando revelou seu “anseio pessoal em envolver indevidamente o ex-presidente nas investigações.”

”Isso mostra evidente pré-julgamento e a busca não da verdade, mas apenas de elementos que estariam de acordo com o pré-julgamento público emitido pelo procurador”, acrescentou o instituto.

O ex-presidente é investigado sobre supostas irregularidades na compra da cota de apartamento tríplex no Guarujá (SP) e em benfeitorias em um sítio frequentado por sua família em Atibaia (SP).

Na semana passada, o Supremo Tribunal Federal (STF) adiou o julgamento sobre a validade da nomeação de Lula para ocupar o cargo de ministro-chefe da Casa Civil, suspensa no mês passado, por meio de uma liminar do ministro Gilmar Mendes. Não há data para retomada do julgamento.

Comentários (6) enviar comentário
  1. Robson disse:

    Esse foto já diz tudo…olha a expressão da mão desse MENTIROSO.

  2. Dary Filho disse:

    Procurador não julga, denuncia. Quem julga é o Juiz, Desembargador ou Ministro do STF ou STJ.

  3. Felicio Honório disse:

    O veto a Mariz torna explícito lado político da Lava Jato!
    Para o colunista Janio de Freitas, o veto à hipótese do advogado Antonio Mariz de Oliveira assumir a Fazenda eleva o envolvimento político da operação das ações artificiosas, revestidas de aparentes justificativas judiciais ou operacionais, para a ação direta; “a maneira de prevenir ou combater limitações à ação investigatória e judicial legítima não é exceder das funções e deveres de conduta, nem, em última instância, o autoritarismo contra o direito de pensamento e opinião” .

  4. Falando Sério disse:

    Qual o poder que Lula tem será que ele pensa que ainda é presidente e que pode intimidar qualquer pessoa.
    Será que vão cuspir em mim pelo meu comentário? Eu vou me antecipar FDP vai cuspir no teu macho.

  5. Sem partido disse:

    😂😂😂😂esse corrupto ,demagogo e mentiroso ainda não caiu a ficha ??? O próximo local será PAPUDA para esse psicopata

  6. JOAO MARIA disse:

    o reu é que escolher por quem vai ser julgado?????????????? eu creio que só no Brasil pode acontecer um fato desta natureza

Publicidade

STF inclui menções a Dilma, Temer e Lula em inquérito da Lava-Jato

O ministro Teori Zavascki, relator dos processos da Operação Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a inclusão de trechos da delação do senador Delcídio Amaral (sem partido-MS) no inquérito que investiga a quadrilha que desviava recursos na Petrobras. Nesses trechos, há citações à presidente Dilma Rousseff, ao vice Michel Temer, ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a alguns parlamentares.

A pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), foram juntados ao inquérito os termos de colaboração números 2, 13, 19, 20 e 21 de Delcídio ao inquérito 3989, o maior de todos da Lava-Jato, com 39 réus. O termo número 2 é o que contém mais citações e trata, entre outras coisas, da possível ingerência de Dilma Rousseff na nomeação de Nestor Cerveró para uma diretoria na BR Distritbuidora. Cerveró, que antes já tinha sido diretor da Área Internacional da Petrobras, também é investigado e firmou um acordo de delação premiada para colaborar com as investigações. Dilma nega ter participado da nomeação dele, mas o senador mencionou telefonemas dela sobre o assunto.

Delcídio relata que estava em Salvador quando recebeu uma ligação de Dilma, então ministra da Casa Civil, questionando se Cerveró seria indicado ou não para a Diretoria Financeira da BR Distribuidora. Delcídio respondeu não saber e, algumas horas depois, Dilma lhe retornou para informar que ele seria realmente indicado. O senador diz acreditar que foi um prêmio de consolação pela atuação de Cerveró no caso da sonda Vitória 10.000. O contrato da sonda ficou com o grupo Schahin, que, com isso, considerou quitado um empréstimo feito pelo PT. O empréstimo seria usado para pagar o empresário Ronan Maria Pinto, que estaria chantageando o partido com informações relacionadas à morte do prefeito de Santo André Celso Daniel, assassinado em 2002.

Também no termo número 2, Delcídio relata cargos ocupados por pessoas indicadas pelo PMDB. Segundo ele, após o escândalo do mensalão, o partido aproveitou a fragilidade do governo Lula para fazer algumas nomeações, inclusive assumindo indicações feitas por outras siglas. Questionado sobre o que diretores de estatais podem fazer pelos partidos, Delcídio disse que, além do peso político, eles “atendem as demandas” das legendas e que “se trata não apenas de influência política, mas também de ‘doações’ e ‘outros objetivos não republicanos'”.

No termo número 20, Delcídio relata a instalação da CPI do Cachoeira em 2012, incentivada por Lula para atingir o governador de Goiás, o tucano Marconi Perillo. Mas, depois, a avaliação foi de que os trabalhos da comissão poderiam pôr em cheque o financiamento da campanha de 2010, especialmente a do PT, uma vez que envolveu também as empresas de Adir Assad. Assim, a própria base governista articulou para acabar com a CPI. “José de Filippi era o tesoureiro da campanha da presidente Dilma Roussef à época e era quem orientava as empresas doadoras no sentido de atender eventualmente a campanha presidencial ou as demais campanhas do PT e aliados a utilizarem as empresas de Adir Assad”, diz trecho do termo de colaboração.

No termo número 13, Delcídio diz que Temer era “muito ligado” a João Augusto Henriques, lobista preso em setembro do ano passado na 19ª fase da Operação Lava-Jato. Henriques é suspeito de operar propina para o PMDB. Ele foi diretor na BR entre 1998 e 2000 e uma de suas atribuições era a compra de etanol, o que levava a uma “relação estreita” com usineiros. Depois, “em 2007 ou 2008”, segundo Delcídio, Henriques foi cotado para ser diretor da Área Internacional da Petrobras “com o apadrinhamento de Michel Temer e da bancada do PMDB na Câmara”.

A então ministra Dilma Rousseff vetou o nome, conforme a delação. O diretor acabou sendo Jorge Zelada, também ligado ao PMDB e preso na Lava-Jato suspeito de operar o esquema de propina na Petrobras. Quando a delação de Delcídio se tornou pública, em março, a assessoria de imprensa de Temer informou que ele nunca foi padrinho de Henriques e que a indicação de seu nome foi feita pela bancada do PMDB na Câmara, assim como a de Zelada.

“No que tange ao desvio de verbas em favor do PMDB, o possível esquema de financiamento ilícito desse e de outros partidos constitui um dos objetos do inquérito nº 3989/STF. Desta feita, por ora, basta a juntada de cópia do termo a esse inquérito”, escreveu o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, na petição em que pede a inclusão desse trecho da delação de Delcídio.

No termo número 19, o senador relata irregularidades na aquisição de sondas e plataformas da gestão de Joel Renó, quando ele foi diretor da Petrobras, entre 1999 e 2001, durante o governo Fernando Henrique Cardoso. No termo número 21, apenas diz que não tinha nada de relevante a acrescentar ao que já tinha relatado.

Fonte: O Globo

Comentários (7) enviar comentário
  1. Nelson Tavares disse:

    Já era Dilma !!!!!

  2. #CUNHAmeumalvadopreferido disse:

    João e José,chupa essa manga….kkkkk

  3. João disse:

    Mas Aécio fica fora pela enéssima vez, não é?
    Como podemos acreditar que essa LAVAAJATO é isenta e séria?

    • Verdade seja dita disse:

      Cunha da de 10 a zero na cambada desse Partido das Trevas.

    • João disse:

      Primeiro tiramos o tubarão da água, depois tiramos os bagres, lulas, ostras e companhia…

  4. José Cresio disse:

    BG favor acrescentar a manchete: "e gestão FHC" . Para não parecer, que você está sendo parcial. Ver manchete do UOL: "STF autoriza usar delação contra Dilma, Lula, Temer e gestão FHC em inquérito.

    • Augusto disse:

      Mas NÃO tem essa parte de FHC no UOL…
      "STF autoriza incluir delação contra Dilma, Lula e Temer no petrolão
      Pedro Ladeira – 20.out.2015/Folhapress"

Publicidade