Publicidade

Secretaria Municipal de Saúde de Natal divulga balanço de atendimentos realizados durante o Carnaval

Por interino

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) divulgou o balanço final de atendimentos realizados durante o período de Carnaval em Natal, nesta sexta-feira (03). Foram 2.160 procedimentos desenvolvidos pelas equipes do Hospital Municipal de Natal Dr. Newton Azevedo e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU Natal), além de 39 ações de fiscalização feitas pela Vigilância Sanitária (Visa Natal).

Entre os dias 24 e 28 de fevereiro, foram realizados 1.311 atendimentos no pronto-socorro do Hospital Municipal, sendo 617 adultos e 485 crianças acolhidas no período. Outros 209 atendimentos foram relacionados a consultas e procedimentos ortopédicos. Os dias de maior movimento durante o período foram a segunda e a terça-feira de Carnaval, com 280 e 288 ocorrências.

Com um esquema preparado especialmente para o evento, o SAMU Natal recebeu 849 chamados no Carnaval. Destes, os casos destinados ao atendimento clínico e de trauma representaram 67,8% do total. As ambulâncias usadas como ponto de apoio para os polos de Ponta Negra e Redinha atenderam 235 ocorrências.

Fiscalizações

Responsável pelas fiscalizações em estabelecimentos que produzem, manipulam e/ou comercializam alimentos e bebidas, bem como a rede hoteleira e o comércio informal, a VISA Natal realizou 39 ações no período, sendo 26 inspeções sanitárias em bares, restaurantes, hotéis e quiosques de praia.

Distribuição de preservativos

O Núcleo de IST/AIDS e Hepatites Virais intensificou a distribuição de camisinhas no período carnavalesco. Ao todo, 100 mil preservativos foram distribuídos em duas ações: antes do carnaval, por meio das Unidades de Saúde, e durante as festividades, por meio das ONGs parceiras do programa. As ONGs trabalham com causas específicas, como a comunidade LGBT, as profissionais do sexo e pessoas que convivem com HIV/AIDS. A entrega dos preservativos foi feita pelos agentes da prevenção nos polos de carnaval de Natal: Redinha, Ponta Negra, Ribeira, Rocas, Centro Histórico e Petrópolis.

Emily Miranda, responsável técnica pelo núcleo, afirma que o resultado da ação preventiva foi bem satisfatório. “A ação surtiu o efeito esperado, que era o de conscientizar a população para brincar o carnaval de maneira segura e focar realmente na questão da prevenção, porque o uso de preservativo é a forma mais eficaz de se prevenir qualquer IST e também a AIDS, que vem crescendo nessa população jovem”.

enviar comentário
Publicidade

Secretaria Municipal de Saúde de Natal informa sobre a Zika virus e orienta profissionais de saúde sobre manejo

21404A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) Natal, por meio do Departamento de Vigilância em Saúde (DVS), e o Setor de Vigilância Epidemiológica (SVE) informa a circulação do vírus Zika no país.

“Essa é uma continuidade das investigações sobre a síndrome exantemática, e a Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (SVS/MS) informou que o Laboratório de Referência Nacional (LRN), Instituto Evandro Chagas (IEC), localizado em Belém/Pará, realizou as contraprovas e ratifica a confirmação de ka vírus em Natal/RN e Camaçari/Bahia”, afirmou Aline Bezerra.

Por se tratar de uma doença nova, seguindo as orientações do MS, dada aos estados e municípios, está trabalhando na estruturação de procedimentos de vigilância epidemiológica direcionada ao Zika Vírus. Desse modo, mantendo o monitoramento já estruturado localmente dos casos de síndrome exantemática e continuando informando os demais níveis sobre a situação.

A SMS Natal solicita aos profissionais de saúde que independentemente da confirmação das amostras para ZIKAV, é importante que se mantenham atentos frente aos casos suspeitos de dengue nas unidades de saúde, e adotem as recomendações para manejo clínico, conforme o preconizado no protocolo vigente, na medida em que esse agravo apresenta elevado potencial de complicações e demanda medidas clínicas específicas, incluindo-se a classificação de risco, hidratação e monitoramento.

Aline Bezerra, chefe do Setor de Vigilância Epidemiológica da SMS Natal, informa que o “Instituto Evandro Chagas, órgão vinculado à Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (SVS/MS), está desenvolvendo a tecnologia necessária para que os testes laboratoriaispara diagnóstico de novos casos possam ser utilizados na rotina dos serviços de saúde pública”.

Em caso dúvidas, orientamos aos profissionais de saúde da rede de saúde municipal, incluindo hospitais e e unidades públicas e privadas que contactem os seguintes núcleos do Setor de Vigilância Epidemiológica do Departamento de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde do Natal:

Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (CIEVS) Natal, pelo telefone: 0800 285 9435 e o Núcleo de Agravos Notificáveis (NAN) no número: 3232 8532.

1. O que é a febre por Vírus Zika?

É uma doença viral autolimitada, via de regra, de evolução benigna, caracterizada pelo quadro clínico de febre, hiperemia conjuntival não pruriginosa e não purulenta, artralgia e exantema maculo-papular.

2. Como é transmitida?

A principal via de transmissão é vetorial, por meio da picada de mosquitos Aedes aegypti e após um período de incubação (período entre a picada do mosquito e o início de sintomas) de cerca de aproximadamente 4 dias, o paciente poderá iniciar os primeiros sinais e sintomas.

3. Quais são os principais sinais e sintomas?

A febre pelo vírus Zika é uma doença pouco conhecida e sua descrição está embasada em um número limitado de relatos de casos e investigações de surtos.

Com base nessas publicações, os sinais e sintomas incluem exantema maculopapular de início agudo (erupção cutânea com pontos brancos ou vermelhos) e pode ser acompanhado de febre, hiperemia conjuntival não purulenta e sem prurido, artralgia ou artrite, mialgia, cefaleia e dor nas costas.

4. Qual o prognóstico?

Segundo os relatos disponíveis, não há registro de óbitos por esta doença. A doença é considerada benigna e autolimitada, com os sinais e sintomas durando, em geral, de 2 a 7 dias.

5. Há tratamento ou vacina contra o Zika vírus?

O tratamento é sintomático e baseado no uso de acetaminofeno (paracetamol) para febre e dor, conforme orientação médica. Orienta-se procurar o serviço de saúde para orientação adequada.

6. Quais as medidas de prevenção e controle?

As medidas de prevenção e controle são semelhantes às da dengue e chikungunya. Dessa forma, o controle está centrado na redução da densidade vetorial, como por exemplo, mantendo o domicílio sempre limpo, eliminando os possíveis criadouros.

Comentários (2) enviar comentário
  1. Isabel Helena Meira eSilva Cavalcanti Marinho disse:

    Quais os sintomas?

Publicidade

Secretaria Municipal de Saúde de Natal realiza coletiva de imprensa nesta quinta-feira

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Natal realiza na manhã desta quinta-feira (7) uma coletiva de imprensa, com a presença do secretário Luiz Roberto Fonseca, para apresentar as novas diretrizes que normatizam as portas de entrada de urgência do município, como o Pronto Socorro Infantil Sandra Celeste, o Hospital dos Pescadores, as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) Esperança e de Pajuçara, as Unidades Mista de Saúde de Cidade Satélite e Mãe Luiza e as três maternidades da rede municipal de Saúde: Maternidade das Quintas, de Felipe Camarão e a Maternidade Leide Morais.

A coletiva será realizada no auditório da SMS às 8h30.

enviar comentário
Publicidade

Secretaria Municipal de Saúde de Natal assina ordem de serviço para reforma de três unidades de saúde e construção de um CAPS

O secretário municipal de Saúde de Natal, Luiz Roberto Fonseca, assinou na manhã desta terça-feira (14) quatro ordens de serviços, sendo três referentes a reforma de prédios de unidades de Estratégia de Saúde da Família (ESF) e uma para construção de um Centro de Atenção Psicossocial – CAPS Álcool e Drogas (CAPS AD III Norte), na zona Norte de Natal. O investimento será de R$ 2.064.183,25, com recursos próprios e do Ministério da Saúde.

As obras fazem parte do Programa de Requalificação das Unidades de Saúde, uma estratégia do Ministério da Saúde para a reestruturação e o fortalecimento da atenção básica, dentro dos melhores padrões de qualidade.

A unidade de Estratégia de Saúde da Família (ESF) de Parque dos Coqueiros será reformada pela empresa Hel Construções, orçada em R$ 201.224,16, com previsão de conclusão em cinco meses. Já a reforma da unidade de ESF de Pajuçara terá um investimento de R$ 611.836,89 e deve ficar pronta em quatro meses. A obra é de responsabilidade da empresa Vale Vale Construções.A reforma da ESF do Paço da Pátria ficará a cargo da empresa Terra Planagem Construções e custará R$ 190.637,55, com previsão de ficar pronta em três meses.

A construção do CAPS AD III Norte ficará sob a responsabilidade da empresa M. da S. Ferreira e a obra deve durar dez meses. O investimento total é de R$ 1.060.484,65.

 

enviar comentário
Publicidade

Secretaria Municipal de Saúde de Natal emite nota de esclarecimento sobre atendimento no SUS em hospital

NOTA DE ESCLARECIMENTO – ATENDIMENTO SUS NO HOSPITAL SEVERINO LOPES

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Natal vem a público prestar os seguintes esclarecimentos em relação ao Hospital Severino Lopes e às reivindicações apresentadas por aquela unidade hospitalar para continuar prestando serviço na área da saúde mental aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

1) No dia 26 de dezembro de 2014, via o Ofício nº 116/14/ADM/HSL, a diretoria do hospital, alegando baixa remuneração e atrasos nos pagamentos, comunicou à SMS que, a partir daquela data, não receberia mais os pacientes portadores de transtornos mentais e dependentes químicos conveniados ao SUS, oriundos do Pronto Socorro do Hospital Dr. João Machado.

2) No dia 29 de dezembro de 2014, a SMS expediu Nota de Esclarecimento sobre o assunto e, na tarde da última quinta-feira 8, promoveu reunião com a direção do hospital reafirmando a impossibilidade de atender as reivindicações nos moldes solicitados, momento que ficou acertado que a SMS e a Secretaria Estadual de Saúde (SESAP) fariam uma auditoria compartilhada  (já que os usuários também são de outros municípios) para buscar a viabilidade do hospital assinar contrato com o SUS. A auditoria já está em curso e às 8h da aproxima quarta-feira 14 haverá uma visita ao hospital.

3) A SMS recebeu, na manhã desta segunda-feira 12, um oficio do hospital informando que entrará na Justiça para paralisar o serviço. A secretaria, por intermédio da Procuradoria Geral do Município (PGM) também solicitou ajuizamento de ação desde o dia 30 de dezembro, pedindo tempo para assumir gradativamente os atendimentos, visto que atualmente a rede não comporta todos os pacientes.

4) O hospital pleiteia uma diária no valor de R$ 300,00 (trezentos reais), a ser pago a partir de 01 de dezembro de 2014, com base na Portaria GM/MS nº 148/2012. A referida Portaria trata das normas de funcionamento e habilitação do Serviço Hospitalar de Referência para atenção a pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades de saúde decorrentes do uso de álcool, crack e outras drogas, do Componente Hospitalar da Rede de Atenção Psicossocial, e institui incentivos financeiros de investimento e de custeio. Esse incentivo é destinado a Hospitais Gerais, preferencialmente públicos ou filantrópicos. A Portaria define, no seu § 2º, que  o valor das diárias obedecem a um escalonamento de acordo com o tempo de internação do usuário:   R$ 300,00 (trezentos reais) por dia até o 7º dia de internação;  R$ 100,00 (cem reais) por dia do 8º ao 15º dia de internação; e R$ 57,00 (cinquenta e sete reais) por dia a partir do 16º dia de internação.

5) O hospital reclama do atraso nos pagamentos da sua produção. O problema decorre do fato que o Severino Lopes não se habilitou à chamada pública da SMS e, consequentemente, não assinou contrato com a Secretaria. Sem contrato, as prestações de serviços são pagas via processo de indenização, que é mais burocrático.  No momento, os  pagamentos reclamados seguem o trâmite na Comissão de Sindicância. A SMS também aguarda pronunciamento da Procuradoria Geral do Município sobre a possibilidade desses pagamentos.

6) Em relação inexistência de contrato, é oportuno informar que o referido hospital não se habilitou na chamada pública realizada anteriormente pela SMS, por não dispor da documentação exigida legalmente para a contratação. Segundo informações da própria instituição, ela não possui o “Habite-se”, documento que comprova que um empreendimento ou imóvel foi construído seguindo as exigências (especialmente o Código de Obras do município) estabelecidas pela prefeitura para a aprovação de projetos.

7) Os serviços prestados pelo Hospital Severino Lopes são remunerados conforme o preconizado pela legislação do SUS vigente.

8) A SMS reafirma o compromisso e o interesse em manter os serviços ofertados pelo Hospital Severino Lopes, e torce para que as pendências legais sejam regularizadas possibilitando a assinatura de contrato.

Natal, 13 de janeiro de 2015.

enviar comentário
Publicidade