Publicidade

O grande reforço do Vasco sou eu. Não tem hipótese de rebaixamento’, diz Eurico Miranda

CJkct0iWEAAbyOPNa mesma entrevista convocada pelo presidente do Vasco, Eurico Miranda, para falar que entrará na Justiça para discutir a divisão de torcida no clássico do dia 19 com o Fluminense, o dirigente voltou a garantir que o clube não cairá para a segunda divisão. Questionado se o elenco atual é melhor do que o do último rebaixamento, ele afirmou:

– Em 2013, eu não estava aqui. O grande reforço do Vasco sou eu – disse, referindo-se ao ano em que o clube era presidido por Roberto Dinamite. – Não tem hipótese de rebaixamento do Vasco. Eu afirmo e garanto em especial ao torcedor do Vasco que não tem hipótese de rebaixamento.

Questionado se estava satisfeito com o desempenho de Celso Roth, que, em quatro jogos, venceu as duas primeiras partidas e perdeu as outras duas, Eurico disse:

– Até agora, se for levado em consideração, ele está “fify-fifty”.

Eurico fez ainda uma análise sobre a classificação do campeonato, em que relacionou a posição do Vasco, vice-lanterna, à capacidade financeira.

– Nós temos uma folha de pagamento que, comparativamente a outros clubes que estão acima de nós na tabela, é superior. Ao mesmo tempo, a gente cumpre com nossas obrigações religiosamente. Só posso dizer que não era para o Vasco estar nesta posição, mas reafirmo que isso é absolutamente temporário – garantiu.

O Globo

Comentário (1) enviar comentário
  1. Sérgio disse:

    Eita cabra macho, vai fazer o quê? Comprar a arbitragem? Sem jogador o lugar do vasco é na série B.
    Qual vai ser o milagre Eurico? Vai ganhar no tapetão? A CBF e arbitragem está toda comprada?
    Como é essa sua arrogância, pode explicar direito, não entendi nada do que falou, parece tudo subliminar. Os tempos mudaram será que as velhas práticas da cartolagem ainda impera no futebol a ponto de um time que frequenta a zona de rebaixamento desde o começo do campeonato está certo que não será rebaixado?

Publicidade

COPA DO BRASIL: Vasco elimina o Cuiabá e pega o América-RN na terceira fase

20150521-0029-4-dagobertoO Vasco mais uma vez não mostrou um bom futebol e ficou no empate por 0 a 0 com o Cuiabá, nesta quarta, em São Januário. Mesmo assim, o resultado classificou os cruz-maltinos para a Terceira Fase da Copa do Brasil. Este foi o quarto empate seguido dos cariocas, sendo o terceiro sem marcar gols.

No primeiro tempo, o Vasco criou algumas chances de gol, mas parou nas boas defesas do goleiro André Luís. Já na etapa final, os cruz-maltinos desperdiçaram um pênalti, com o zagueiro Luan. O Cuiabá pouco foi efetivo na frente e só assustou o goleiro Martín Silva em um lance de Nino Guerreiro.

Na próxima fase da Copa do Brasil, o Vasco terá pela frente o América-RN. A partida de ida será em São Januário, ainda sem data definida.

O JOGO

O Vasco começou melhor a partida e criou a primeira chance de gol aos seis minutos. Dagoberto recebeu passe de Thalles na entrada da área e finalizou para grande defesa de André Luís. O Cuiabá tinha muita dificuldade em avançar, pois parava na marcação cruz-maltina. No entanto, os visitantes conseguiam segurar a pressão carioca.

Depois de um bom início, o Vasco viu o Cuiabá melhorar a marcação e impedir os bons avanços dos cariocas. Somente aos 31 minutos, os cruz-maltinos voltaram a ter chance de abrir o placar. Rafael Silva foi lançado na área e chutou para boa defesa de André Luís, que colocou para escanteio. Na cobrança, Thalles cabeceou, mas parou em mais uma grande defesa do goleiro mato-grossense.

Na parte final, o Cuiabá conseguiu criar sua primeira chance. Aos 41 minutos, Egon aproveitou erro da zaga para cabecear, só que sobre o travessão de Martín Silva. O lance animou os visitantes, que voltaram a assustar no minuto seguinte. Nino Guerreiro foi lançado na área e tentou uma puxada para o gol. Martín Silva estava atento para fazer a defesa. O Vasco ainda tentou se lançar ao ataque antes do fim, mas teve que sair para o intervalo com o empate.

No segundo tempo, o Vasco tentou impor uma pressão, mas esbarrava na dificuldade da equipe em criar boas jogadas no setor ofensivo. O Cuiabá pouco avançava e deixava o jogo em ritmo lento em São Januário.

A partida permaneceu com o mesmo panorama até os 29 minutos, quando Yago deu belo passe para Christiano na área. O lateral esquerdo finalizou, mas o goleiro André Luís fez grande defesa para salvar o Cuiabá.

O lance fez o Vasco crescer na partida. Tanto que aos 36 minutos, os cruz-maltinos tiveram a oportunidade de marcar. Yago sofreu pênalti, mas Luan desperdiçou a cobrança, ao ver André Luís acertar o canto e fazer a defesa.

Nos minutos finais, o Cuiabá passou pressionar em busca do gol da classificação, mas viu o goleiro André Luís salvar a equipe duas vezes em chutes de Marcinho e Yago. Os visitantes tiveram a última oportunidade marcar, em chute de Egon, que Martín Silva salvou. Assim, os cruz-maltinos asseguraram a passagem de fase na Copa do Brasil.

Com informações do NetVasco

Comentários (2) enviar comentário
  1. scaval disse:

    Pq será que os abcdistas incomodam tanto??
    Até um festejo que deveria ser somente de vcs, fazem questão de falar na gente…kkkkkkkkkk
    Otário, comemora pq teu timinho passou de fase.

  2. Renato disse:

    Estou triste… todos os meus amigos abcistas sumiram do whatsapp. 🙁

Publicidade

(VÍDEO) – Rodrigo Pimpão: 'Voltaria sim para o Vasco. Não tenho nenhuma mágoa'

Após abrir o placar para o América-RN sobre o Vasco com um belo gol, Rodrigo Pimpão não enfrenta o América-MG, no estádio Independência, sexta-feira, às 19h30. Feliz com a vitória por 2 a 0, que deixou o time rubro com 33 pontos e apenas dois de deixar a zona do rebaixamento, o atacante se mostrou contente com o bom momento vivido no clube, mas admitiu que não teria receio de voltar a jogar em um grande centro do futebol. E, após deixar o clube cruzmaltino em 2012, Pimpão não vê problema em retornar ao Rio de Janeiro (assista ao vídeo).

– O Vasco abriu as portas para mim. Eu não tinha experiência como jogador, porque cursava faculdade e estava jogando futebol profissional a um ano, mas consegui realizar um bom trabalho, demonstrar um bom futebol em 2009, mas acabei me machucando e tendo algumas lesões. Então, voltaria sim para o Vasco. Não tenho nenhuma mágoa, nenhum receio. Aquele Rodrigo era um pouco inexperiente e, hoje, já está mais experiente, por ter aprendido um pouco no futebol – comentou Rodrigo Pimpão.

Entretanto, no América-RN desde março de 2014, após sair do clube potiguar para se aventurar no futebol iraniano, Pimpão diz querer cumprir seu contrato até maio de 2015. O bom desempenho na série B, já que ocupa a vice-liderança da artilharia com 13 gols, chamou a atenção de clubes da primeira divisão e até do grande rival do Dragão, o ABC. Profissional, Rodrigo diz que não veria problema em defender as cores do alvinegro.

– Já tive algumas propostas para sair esse ano de alguns clubes da série A, do exterior, uma oficial do Qatar, mas eu tenho contrato com o América-RN até mais de 2015. Se eu falar que já tive proposta do ABC, não estaria mentindo. Não vejo como desrespeito, mas sou um atleta profissional e tenho que defender as cores do clube que me contratar – disse o atacante.

Aos 26 anos e com passagens por 10 clubes, Rodrigo Pimpão contou que sente saudade do período que jogou no futebol japonês. Na “terra do sol nascente”, o atacante atuou pelo Cerezo Osaka e pelo Omiya Ardija em 2011. Porém, é do “maior mundo” que o jogador tem a lembrança mais marcante na carreira: o quinto, e gol da classificação, do América-RN sobre o Fluminense na Copa do Brasil, em pleno Maracanã.

– Tenho muita saudade do Japão, porque é um país onde recebi muito carinho de todos e ainda hoje converso com os japoneses. Mas o gol mais inesquecível é o que foi contra o Fluminense. É um gol que deu para a gente uma classificação histórica, com um resultado que todo mundo já dava como perdido. E o gol mais bonito foi contra Luverdense esse ano, pela série B, que vencemos por 2 a 0, em que peguei de vôleio e a bola foi no ângulo do goleiro adversário – concluiu.

Fonte: Sportv.com

enviar comentário
Publicidade

DUELO CONTRA O AMÉRICA: Após desembarque, Vasco treina na manhã desta segunda no Frasqueirão

IMG_7405Foto: Marcelo Sadio – Vasco.com.br

Um dias após sofrer sua primeira derrota sob o comando do treinador Joel Santana, o Vasco da Gama desembarcou na cidade de Natal. Será na capital do Rio Grande do Norte que o Gigante da Colina buscará se recuperar no Campeonato Brasileiro da Série B. Atualmente na terceira colocação, o cruz-maltino precisa de um resultado positivo para se aproximar novamente da almejada primeira colocação, que hoje pertence ao time da Ponte Preta.

Nesta terça-feira (21), às 19h30, o clube de São Januário enfrentará o América de Natal. Válido pela 31ª rodada da competição nacional, o jogo será disputado na Arena das Dunas. Antes disse, o clube carioca treina nesta segunda(20), no estádio Frasqueirão, a partir de 10h. No primeiro turno, na Colina Histórica, o Vasco empatou em 1 a 1 com o clube potiguar. Na oportunidade, o gol vascaíno foi anotado pelo meio-campo e camisa 10 Douglas.

Com informações do Vasco.

enviar comentário
  1. maiskerido disse:

    Vão jogar com as paquitas já rebaixadas. Assim fica muito fácil. kkkkk

Publicidade

FOTO: Atacante do Vasco teve arritmia cardíaca e ficará 3 dias internado; jogador poderia ter morrido se não tivesse recebido atendimento imediato

gggFoto: Lancenet

Exames realizados no atacante vascaíno Everton Costa detectaram uma arritmia cardíaca no jogador, de acordo com informações do programa “Sportv News”, do Sportv. Segundo o médico do Vasco, dr. Clóvis Munhoz, a causa da arritmia não foi descoberta, mas será investigada, motivo pelo qual o atleta vai ficar 3 dias internado numa unidade coronariana em observação. Ainda segundo o médico, no dia 9 de janeiro o atacante foi submetido a um exame e o resultado foi normal.

Everton Costa sentiu-se mal durante o jogo Vasco 1 x 0 Resende, em São Januário, na noite de 4ª-feira (16/04). Após ser substituído, ele teve queda de pressão, convulsão e chegou a desmaiar, sendo encaminhado, de ambulância, para o hospital Quinta D’Or, que fica próximo a São Januário.

NetVasco via Sportv

enviar comentário
Publicidade

GRAVE(FOTOS): Mulher de árbitro que apitará final entre Flamengo e Vasco diz que Crulzmaltino já pode ‘comemorar o vice’

mulher-arbitro-marcelo-lima-henrique-01

A semana do jogo decisivo do Campeonato Carioca começou acirrada, mas não por parte dos jogadores do Flamengo ou Vasco. A mulher do árbitro Marcelo de Lima Henrique, que apitará a final do Estadual, no próximo domingo, fez provocações em uma rede social nesta segunda-feira.

Torcedora do Cruzmaltino, Sandra Henrique afirmou que o clube já pode comemorar mais um vice-campeonato, no mínimo. A partida acontecerá no Maracanã, às 16h.

“A torcida já pode parar de xingar o juiz e começar a erguer a voz impulsionando seu time. Tenho certeza”, escreveu no Facebook, para logo responder nos comentários deixando claro que se trata do Vasco. “Quanto ao vice, isso já é certo, mas vamos esperar domingo que vem. Qualquer coisa a gente comemora o campeonato como vice de novo mesmo”.

mulher-arbitro-marcelo-lima-henrique-5

Em fotos publicadas em 2012 e 2013, Sandra aparece com a bandeira do Vasco no Engenhão. Nos comentários, a mulher deixa claro que o marido não é torcedor do mesmo time que ela, dando a entender que ele torce para o Flamengo. Numa discussão com um torcedor, que perguntou quanto Marcelo Henrique queria receber para parar de roubar, a esposa do árbitro respondeu:

“Para de cagar pela boca, querido. Você não tem cacife para cobrir a oferta. Não deve ter nem emprego. Se tivesse ocupado e não tentando ser engraçado aqui”, respondeu a um torcedor.

mulher-arbitro-marcelo-lima-henrique-1No primeiro clássico entre Flamengo e Vasco da final, o jogo terminou 1 a 1. O árbitro Rodrigo Nunes de Sá foi criticado pelos jogadores do Flamengo, pela direção e pela torcida rubro-negra. Mas Sandra também falou mal do companheiro de profissão do marido.

“Show de lambança hein! Só 22 fazem parte do show, mas é muita gente querendo aparecer. FRACO!”, escreveu Sandra Henrique.

mulher-arbitro-marcelo-lima-henrique-2

Extra – O Globo

Comentários (2) enviar comentário
  1. Manuel Sabino disse:

    Não entendi o drama. O Vasco (e o Flamengo também) já tem o vice-campeonato assegurado pelo fato de estar na final. Quem ganhar domingo será campeão. Quem perder será vice. Então, o mínimo é o vice-campeonato. O que ela falou tá certinho. Tão procurando cabelo em ovo. A mulher não iria dizer que o MARIDO vai roubar o TIME DELA pôxa!

    • Hoje disse:

      eu já vejo de outra forma, o vasco já é vice pelo fato que vai pegar o flamengo e sabe que não tem como vencer um time tão superior a ele..

Publicidade

Novela: Dezenas de torcedores do Vasco já acionaram a Justiça comum

Conforme prometido, dezenas de torcedores do Vasco já acionaram a Justiça comum pedindo a nulidade da partida contra o Atlético-PR pela última rodada do Campeonato Brasileiro de 2013. Eles também estão cobrando indenizações dos responsáveis pela jogo, quando cenas de barbárie tomaram conta da Arena Joinville (SC), local do evento. Os réus do processo são a CBF, o Furacão, a Federação catarinense, a Federação paranaense e o árbitro Ricardo Marques Ribeiro.

A tendência é a de que nos próximos dias outras dezenas de vascaínos espalhados por todo o país tomem o mesmo rumo nos tribunais, o que pode ter, como resultado, até mesmo o não rebaixamento da equipe para a Série B.

Além dos processos individuais dos torcedores, nos próximos dias ações conjuntas também chegarão à Justiça comum. Estas, porém, estão sendo movidas por pessoas que estiveram presentes na Arena Joinville no dia da partida. Quem está coordenando o caso e será o advogado deles é Luiz Roberto Leven Siano, que destacou alguns dos relatos que recebeu:

– Há o de um deficiente físico que estava com o seu pai idoso e ambos foram esmagados na grade. Tem o de um pai que teve sua filha de 12 anos pisoteada. Um outro com um menina de 9 anos e um menino de 7 anos que ficaram a 7 metros da briga e estão em estado de choque até o momento…Fora diversas pessoas dizendo que estavam num estádio de futebol pela primeira vez e nunca mais voltarão.

Para Leven Siano, bem mais que a questão esportiva, que poderá trazer o Vasco à Série A, o objetivo é o caso seja tratado de uma forma mais severa, levando-se em consideração o fator humano e os traumas que foram causados nestas pessoas.

– São relatos que fazem entender que a questão não é somente a situação de Série A ou B. É uma coisa muito mais profunda e, por isso, precisa ser analisada com mais seridedade. A questão esportiva é uma consequência. Isso não é o mais importante na ação que estou movendo. O que estamos querendo é estabelecer a responsabilidade do Atlético-PR, da CBF e do árbitro da partida pelo que aconteceu. Desses torcedores que foram à Arena Joinville, muitos nem estão tão preocupados com a questão esportiva, apesar de também serem a favor. Eles só querem que sejam respeitados seus direitos – disse o advogado.

Leven Siano já separou os torcedores pelas cidades para que os mesmos tenham suas ações movidas onde possuem residências. O caso agora está no recolhimento das documentações necessárias de cada denunciante. Feito isto, os processos terão entrada na Justiça comum, o que pode ocorrer já até o fim desta semana.

Presidente do Vasco, Roberto Dinamite informou que o departamento jurídico do clube acompanha o caso:

– O Vasco vai buscar tudo o que lhe cabe de direito, temos um corpo jurídico. O doutor Leven Siano já esteve em contato com o Gustavo Pinheiro (diretor jurídico). Existe uma manifestação no sentido de alguns torcedores se manifestarem e se posicionarem com relação a isso. Já tive uma conversa e é uma decisão que não cabe só vontade, temos que ver também a parte técnica. Em cima disso, vamos nos posicionar e tomar as decisões que forem melhor para o Vasco. Existe essa possibilidade de buscar esse direito de estar na Primeira Divisão. Estaremos trabalhando nisso.

ENTENDA EM QUAIS MOTIVOS OS TORCEDORES ESTÃO SE BASEANDO

Há duas frentes de processo: a dos que foram ao jogo (que está sob a defesa de Luiz Roberto Leven Siano) e a dos que não foram, onde a maioria se escora em ser possuidor do pacote pay per view do Campeonato Brasileiro, e que, em suas visões, não pagaram para presenciar a violência generalizada que acabou sendo transmitida ao vivo.

Na ação para reparo de danos morais há citações de artigos do Estatuto do Torcedor e do Código de Defesa do Consumidor.

Para comprovar que mesmo a pessoa que não esteve na Arena Joinville pode ser reparada, o documento tem citação inicial a classificação dada pelo Estatuto em seu capítulo 1, no artigo segundo, sobre o termo “torcedor”:

“Torcedor é toda pessoa que aprecie, apoie ou se associe a qualquer entidade de prática desportiva do País e acompanhe a prática de determinada modalidade esportiva.”

Em seguida ao artigo, a ação apresenta sua tese de que um assinante do “pay per view” se enquadra no contexto de “torcedor”, estipulado pelo Estatuto:

“Pois bem, o autor (que irá entrar com a ação) acompanha e aprecia a prática de futebol profissional, sendo torcedor do Clube de Regatas Vasco da Gama, assinante, inclusive, do pacote de serviços pay per view, ofertado pela emissora detentora dos direitos de transmissão das partidas do campeonato, que lhe permite assistir e acompanhar todos os jogos da referida competição nacional, organizada pelo réu, sendo certa e comprovada assim a sua condição de torcedor”.

Posteriormente, o documento faz sua associação e conclusão de que um torcedor enquadrado no Estatuto e que possui um pacote “pay per view”, é um consumidor com direitos a serem respeitados.

Tais direitos que seriam futuramente garantidos são destacados com a referência ao artigo 42, em seu parágrafo terceiro, do Código de Defesa do Consumidor que diz:

“O espectador pagante, por qualquer meio, de espetáculo ou evento desportivo, equiparar-se, para todos os efeitos legais, ao consumidor, nos termos do artigo 2º da Lei nº8.078”.

Tais minutas estão disponibilizadas em um grupo criado no Facebook para este fim.

ADVOGADO GARANTE QUE AÇÃO TEM FUNDAMENTO

Advogado que tem sido consultado pelos vascaínos, Luiz Roberto Leven Siano garante que o argumento, de que até mesmo os torcedores que não estavam na Arena Joinville têm direito a reparação, tem fundamento:

– Os torcedores que consomem ‘pay per view’ também questionam, uma vez que o Estatuto define como torcedor, no seu artigo segundo, qualquer pessoa que aprecie, apoie ou se associe a qualquer entidade de prática desportiva do país. Ou seja, a definição de torcedor é muito ampla, abrangente, e isso faz com que qualquer torcedor esteja legitimado a pedir indenização.

Lancenet

Comentário (1) enviar comentário
  1. rodrigo disse:

    Virou bagunça não tiveram competência no campo ai vão para as ações

Publicidade

Advogado do Atlético-PR se mostra preocupado com possível impugnação da partida com Vasco

Na próxima sexta-feira, será julgado o recurso do Vasco contra a decisão do presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), Flávio Zveiter, de não julgar o pedido de impugnação da partida contra o Atlético-PR, válida pela última rodada do Brasileiro. E, mesmo aparentando confiança, o advogado do Furacão se mostrou preocupado com o julgamento:

– Preocupação sempre existe, o recurso do Vasco é bem articulado. Mas a tendência é que não ocorra o julgamento do pedido. O Zveiter acertou nas duas vezes em que negou o pedido do Vasco. A expectativa é de que não aconteça. – disse Domingos Moro ao LANCE!Net.

O pedido do Vasco se baseia no artigo 19 do regulamento geral de competições da CBF, que prevê que o jogo só pode ser interrompido por até 60 minutos. Devido a barbárie entre torcedores de Atlético-PR e Vasco, o jogo ficou paralisado por 71 minutos. Mas, para Domingos Moro, as decisões do árbitro e do STJD foram corretas, além de afirmar que, caso o Cruz-Maltino consiga a impugnação, seria uma “virada de mesa”:

– O árbitro já foi julgado, absolvido e não houve recurso da procuradoria. Na última sexta, ele se defendeu e explicou que a decisão de voltar a partida foi tomada antes dos 60 minutos. O que atrasou foi a retirada de todas as pessoas do gramado e dos feridos que saíram pelo gramado. Amanhã (sexta-feira) serão julgados outros casos, mas o do Vasco seria a maior tentativa de virada mesmo. O Atlético-PR não deu causa para o atraso no recomeço, foram as torcidas.

Caso o Vasco consiga os três pontos da partida contra o Atlético-PR, e com a perda de quatro pontos pelo Flamengo, após julgamento no STJD, o Vasco se livraria do rebaixamento, empurrando o rubro-negro para a degola. Por envolver outros times, o advogado acredita que a seja difícil ocorrer uma mudança:

– A impugnação da partida acarretaria em muitas mudanças na tabela, podendo envolver o Botafogo, o Flamengo… Até a Conmebol seria envolvida no caso, já que o Botafogo seria beneficiado e teriam que mudar os adversários na Libertadores.

Fonte: Lancenet

enviar comentário
Publicidade

Torcedores vão entrar na justiça comum pedindo punição a responsáveis pela briga em SC e 3 pontos para o Vasco

Toda a confusão gerada por conta da barbárie na Arena Joinville, no jogo entre Atlético-PR e Vasco, está próxima de ganhar mais um capítulo. Um grupo de torcedores do Vasco articula uma ação na Justiça comum onde o principal foco será a exigência de uma indenização e uma punição a quem eles consideram responsáveis pela partida, no caso, o Furacão, a arbitragem, a CBF e a Federação Catarinense de Futebol.

Os vascaínos se escorarão em alguns artigos do Estatuto do Torcedor (veja abaixo quais são) e irão explorar o fato do torcedor ter sido a maior vítima do caos que se instalou em Joinville. A maioria deles esteve na Arena no último dia 8 e não faz parte de nenhuma organizada. Dentre os reivindicantes há, inclusive, um deficiente físico que acompanhou a partida no estádio catarinense e passou por grandes transtornos. A ideia do grupo é entrar com a ação na Justiça comum já no início de janeiro.

Para embasar a tese, os torcedores têm consultado o advogado Luiz Roberto Leven Siano, que hoje tem colaborado indiretamente, mas que pode ser contratado pelo grupo para defender a causa. O profissional destacou que os vascaínos têm total direito ao processo, principalmente os que estiveram na Arena Joinville.

– Eles querem pleitear o que é de direito, que seria uma indenização e aplicação das penalidades baseado no Estatuto do Torcedor. A ação visa responsabilizar os mandantes e os organizadores do evento pelos momentos de terror que estes torcedores passaram. Comprovando o ingresso, qualquer torcedor poderá entrar com uma ação na Justiça Comum. Isso com certeza – informou o advogado.

No fórum organizado pelo grupo na internet, 99 torcedores vascaínos já colocaram seus nomes na ação coletiva que irá à Justiça.

Torcedores também exigirão os três pontos para o Vasco

Na ação, o grupo de torcedores também exigirá os três pontos da partida para o Vasco, embora eles façam questão de frisar que esta não é a prioridade.

– É bom que saibam que não estamos querendo uma virada de mesa no Campeonato Brasileiro. O foco é a punição aos culpados pelos acontecimentos na Arena Joinville. A reversão dos pontos é uma consequência que pode ou não ocorrer, mas não é o foco da nossa ação na Justiça comum – informou Giordano Mochel, um dos idealizadores do processo.

O advogado Luiz Roberto Leven Siano explicou de que maneira eles podem obter esta vitória em específico no tribunal:

– A medida que houver um julgamento que atente a qualquer um destes princípios (dos artigos 34 e 35 – veja abaixo), o Estatuto do Torcedor estabelece que as decisões proferidas na Justiça seriam nulas.

Ação até de quem não esteve no local

De acordo com o advogado Luiz Roberto Leven Siano, o artigo 2 do Estatuto do Torcedor (veja abaixo) pode gerar diversas interpretações. No caso específico da briga na Arena Joinville, até mesmo quem não estava no estádio pode se achar no direito de processar os responsáveis do evento:

– Os torcedores que consomem ‘pay per view’ também questionam, uma vez que o Estatuto define como torcedor, no seu artigo segundo, qualquer pessoa que aprecie, apoie ou se associe a qualquer entidade de prática desportiva do país. Ou seja, a definição de torcedor é muito ampla, abrangente, e isso faz com que qualquer torcedor esteja legitimado a pedir indenização.

Embora apresente este argumento, Leven Siano ainda não está tratando deste caso em específico.

– Por enquanto estou procurando tratar com quem esteve na Arena Joinville – informou o advogado.

Com a palavra

Luiz Roberto Leven Siano
(Advogado)

“Melhor solução é um campeonato com 22 clubes

melhor solução política para esse imbróglio todo seria a CBF fazer um Campeonato Brasileiro com 22 clubes no ano que vem, porque a chance de você não ter controle sobre isso é muito grande, pois são milhões de torcedores que podem entrar com esta ação. O Estatuto do Torcedor legitima e credencia praticamente todas as pessoas a entrarem com essa ação. Não existe um controle. Cada torcedor que achar que qualquer artigo do Estatuto foi infringido, pode entrar individualmente na Justiça comum, se quiser. Talvez possamos ter milhões de ações no país inteiro.”

Artigos que serão citados na ação:

CAPÍTULO I

DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 1o-A. A prevenção da violência nos esportes é de responsabilidade do poder público, das confederações, federações, ligas, clubes, associações ou entidades esportivas, entidades recreativas e associações de torcedores, inclusive de seus respectivos dirigentes, bem como daqueles que, de qualquer forma, promovem, organizam, coordenam ou participam dos eventos esportivos. (Incluído pela Lei nº 12.299, de 2010).

Art. 2o. Torcedor é toda pessoa que aprecie, apoie ou se associe a qualquer entidade de prática desportiva do País e acompanhe a prática de determinada modalidade esportiva.

CAPÍTULO X

DA RELAÇÃO COM A JUSTIÇA DESPORTIVA

Art. 34. É direito do torcedor que os órgãos da Justiça Desportiva, no exercício de suas funções, observem os princípios da impessoalidade, da moralidade, da celeridade, da publicidade e da independência.

Art. 35. As decisões proferidas pelos órgãos da Justiça Desportiva devem ser, em qualquer hipótese, motivadas e ter a mesma publicidade que as decisões dos tribunais federais.

Art. 36. São nulas as decisões proferidas que não observarem o disposto nos arts. 34 e 35.

Fonte: Lancenet

enviar comentário
Publicidade

STJD nega pedido de reconsideração, e Vasco tenta última cartada contra queda

 O Vasco sofreu mais um revés nesta segunda-feira no STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva). O presidente Flávio Zveiter negou o pedido de reconsideração em relação ao recurso pela impugnação da partida contra o Atlético-PR. Desta forma, o time terá de jogar a segunda divisão e vê apenas mais uma chance remota de escapar da queda.

Para isso, o departamento jurídico precisa entrar com um mandado de garantia, o que levaria o caso ao último Pleno do ano, marcado para o dia 27 de dezembro. A situação é delicada, pois o Cruzmaltino já tem conhecimento de que dificilmente o panorama será modificado.

A última sessão do ano terá a apreciação do recurso dos clubes sobre as perdas de mando de campo definidas pela Quarta Comissão Disciplinar. O Vasco deseja provar que o Atlético-PR foi o responsável pela condição de realização da partida marcada pela briga entre torcidas nas arquibancadas da Arena Joinville.

O clube alegou no documento inicial falta de condições de segurança para ter direito aos pontos do jogo e evitar o rebaixamento para a segunda divisão. O Cruzmaltino também lembrou no ofício o tempo excedente de paralisação ao regulamento por conta da briga generalizada entre as torcidas.

Foram 73 minutos de pausa, enquanto o artigo 21 do regulamento feito pela CBF (Confederação Brasileira de Futebol) estabelece um prazo de 30 minutos e mais 30 de acréscimo para situações desse tipo.

Desta forma, o clube ainda pretende ser declarado vencedor nos tribunais, somar três pontos, e anular o rebaixamento, trocando de lugar com o Criciúma.

O departamento jurídico do Vasco consultou especialistas de diversas áreas ligadas ao direito para solucionar a questão. Tanto que existe a certeza nos bastidores de São Januário de que o recurso ainda vai ao Pleno mesmo em última alternativa.

UOL

enviar comentário
Publicidade

Vasco perde oito jogos de mando de campo por briga em Joinville; Atlético-PR punido com 12

2013120833155.jpg-GE31EGJPE.1O Superior Tribunal de Justiça Desportiva julgou na tarde desta sexta-feira Atlético-PR e Vasco pela confusão entre as torcidas na partida de domingo passado, na Arena Joinville. O clube carioca foi punido com oito jogos sem o mando de campo, sendo quatro com portões fechados, e multa de R$ 80 mil. O Atlético-PR recebeu 12 jogos de punição, sendo seis com portões fechados, e multa de R$ 120 mil. A CBF decidirá quais partidas serão jogadas sem a presença de torcida.

Um relator, dois auditores e o presidente da sessão, Paulo Bracks, participaram do julgamento. Os dois times foram condenados por unanimidade. O árbitro Ricardo Marques Ribeiro foi absolvido por três votos a um e as federações catarinense e paranaense foram absolvidos. A Arena Joinville não foi interditada.

Após o julgamento, os advogados de Vasco e Atlético-PR anunciaram que vão recorrer do resultado. O clube paranaense concordou com a pena, mas disse que vai pedir a redução do número de partidas da punição. O Vasco concordou com a multa, mas não quer perder mandos de campo.

– Não acho que o Vasco possa ser lesado, uma vez que foi atacado – disse a advogada do Vasco, Luciana Lopes.

O Globo

enviar comentário
Publicidade

STJD nega recurso do Vasco e resultado de jogo com Furacão é mantido

O Superior Tribunal de Justiça de Desportiva (STJD) negou o recurso do Vasco pedindo a impugnação da partida do último domingo, contra o Atlético-PR. Com isso, não haverá julgamento e a vitória do Furacão por 5 a 1 é mantida, confirmando o rebaixamento do Vasco, embora o clube cruz-maltino ainda possa fazer um pedido de reconsideração do recurso.

O Vasco deu entrada, na última quarta-feira, com recurso pretendendo obter os três pontos da partida na Arena Joinville. O Cruz-Maltino se baseia no artigo 19 do regulamento geral de competições da CBF, que prevê que o jogo só pode ser interrompido por até 60 minutos. Devido a barbárie entre torcedores de Atlético-PR e Vasco, o jogo ficou paralisado por 71 minutos.

Com o recurso, o Vasco pretendia obter os três pontos da partida, o que livraria o time do rebaixamento e empurraria o Criciúma para a degola.

Lance

enviar comentário
Publicidade