Em VÍDEO na CNN, leilão vende jovens negros na Líbia por R$ 1.300

Em destaque na CNN desde o final da última semana, a reportagem “Pessoas à venda: Onde as vidas são leiloadas por US$ 400” reproduz em vídeo gravado por celular um leilão de imigrantes negros, realizado no mês de agosto, na Líbia.

“800… 900… 1.000… 1.000”, fala o leiloeiro, acima. Os dois jovens não identificados, “meninos grandes e fortes para trabalhar em fazenda”, foram vendidos por 1.200 dinares, cerca de R$ 2.600, R$ 1.300 cada um.

O canal de notícias mobilizou quatro repórteres na Líbia para confirmar a autenticidade do vídeo e encontrar dois dos jovens escravos. Com medo, eles se recusaram a falar.

A CNN informou depois que “autoridades líbias” abriram investigação, mas o país está em guerra civil.

BBC e outros repercutiram, ouvindo do presidente da União Africana que a organização “usará todas as ferramentas à sua disposição para acabar” com o “comércio desprezível, de uma outra era”.

‘ÇA, C’EST UN TRUC DE NOIR’

Publicada por franceses como a revista “Le Point”, a agência France Presse despachou longa reportagem com o enunciado “As desigualdades raciais minam o mito de um Brasil mestiço”, marcando o Dia da Consciência Negra. No final, registrou, sobre William Waack:

— Semana passada, um famoso apresentador de TV foi suspenso. Irritado por uma buzina, ele escorregou, sarcástico: “Isso é coisa de preto”.

‘VULNERABILIDADE’

Com fotos de Dado Galdieri, de crianças treinando para se proteger de tiroteio numa escola da favela da Maré (acima) e outras, o “New York Times” noticia que o Rio de Janeiro enfrenta um “surto de violência”.

Folha de São Paulo

 

 

Publicidade

Comentários:

  1. Robson disse:

    A grande mídia comemorou a morte de Muamar Kadafi, a queda da déspota diziam… Olhem o resultado!!! Há de se anotar que durante o governo de kadafi, a Líbia ostentava bons resultados nos índices de desenvolvimento humano, tinha o hospital mais moderno do norte africano. Ele foi um líder brutal. Todavia, sem kadafi o país está completamente destruído. Neste caso, o remédio foi pior que a doença.

  2. escritor disse:

    Pensei q os americanos tivessem libertado a Libia, depois de Kadaf.