GERAÇÃO PERDIDA: Brasil leva "surra" da Sérvia nas quartas do Mundial de Basquete e dá adeus ao sonho de medalha

A meta da seleção brasileira neste Mundial da Espanha era conseguir superar o quinto lugar da Olimpíada de 2012 e conquistar uma medalha. Mas, assim como em Londres, o Brasil caiu nas quartas de final.

Depois de uma vitória histórica sobre a Argentina nas oitavas, a seleção do técnico Rubén Magnano teve que se despedir do Mundial após perder para a Sérvia nesta quarta-feira (10) em Madri por 84 a 56. Um rival do qual o Brasil já havia ganhado na primeira fase por 81 a 73, numa de suas melhores exibições no torneio.

Quem somente viu o jogo desta quarta-feira (10) provavelmente não entendeu como o Brasil chegou tão longe no Mundial. Foi de longe a pior atuação da equipe de Magnano. Apática, a equipe só demonstrou algum poder de reação no segundo quarto.

Era evidente a dificuldade da equipe para acertar a cesta. Encerrou o jogo com um pífio aproveitamento de 33%, muito abaixo dos 52% que apresentou durante o resto do campeonato. Antes da partida contra os sérvios, o Brasil era a segunda equipe com melhor pontaria do Mundial, atrás apenas da Espanha.

Já os sérvios contaram com grande exibição do armador Milos Teodosic, que encerrou o jogo como cestinha, com 23 pontos. Assim como no último Mundial, em 2010, a equipe do leste europeu chega às semifinais. Agora, a Sérvia aguarda o vencedor de Espanha x França para saber quem será seu rival na próxima fase.

O JOGO

O Brasil iniciou o jogo com a mesma formação titular que entrou em quadra na vitória contra a Argentina nas oitavas e final: Marcelinho Huertas, Leandrinho, Marquinhos, Tiago Splitter e Anderson Varejão.

A equipe esteve irreconhecível no primeiro tempo, com falhas incríveis nos arremessos e marcação frouxa no perímetro.

A marcação no garrafão esteve bem. Varejão, por exemplo, cuja média de rebotes no campeonato era de 8,3, encerrou os dois primeiros períodos com oito rebotes. O problema é que a equipe deixou livre a linha de três pontos, permitindo que o principal jogador sérvio, Milos Teodosic, atuasse com facilidade. O armador foi o cestinha do primeiro tempo, anotando 16 pontos.

Se Teodosic liderava sua equipe no ataque, o Brasil encontrou imensas dificuldades para pontuar. Ao fim do primeiro quarto, somente Marquinhos, Varejão e Splitter haviam conseguido acertar a cesta.

No segundo período, até que o Brasil conseguiu reagir. Logo no início, Alex acertou duas cestas de três pontos, que levaram a seleção brasileira à liderança no placar: 23 a 21.

Os sérvios voltaram a dominar, fazendo uma sequência de oito pontos: 29 a 23. Com uma série de contra-ataques, o Brasil se recuperou e anotou nove pontos consecutivos: 32 a 29.

Depois disso, a equipe de Magnano praticamente parou em quadra. Os sérvios, liderados por Teodosic, fizeram mais uma sequência de oito pontos e fecharam o primeiro tempo em 37 a 32.

No retorno do intervalo, o Brasil voltou ainda pior. Confiantes, os sérvios dispararam no contador. Nervosa, a seleção brasileira tomou duas faltas técnicas. A partir de então, o time desmontou em quadra e os sérvios fecharam o terceiro quarto com larga vantagem de 22 pontos: 66 a 44.

No último período, os sérvios mantiveram o ritmo e o Brasil não conseguiu reagir. O desapontamento era evidente na cara dos jogadores vestidos de verde e amarelo. Pareciam não acreditar que a pior exibição no campeonato ocorrera justamente no mais importante jogo da fase eliminatória.

84 a 56 anotava o placar ao fim do jogo. Era o fim melancólico de uma equipe que, apesar de ter chegado ao Mundial como convidada, encantou o público na Espanha com exibições aguerridas e um jogo coletivo eficiente. Agora, resta esperar a Olimpíada de 2016, em casa.

Folha Press

Publicidade

Comentários: