Publicidade

Ou Dilma entrega o que lhe exigem os lobos e as raposas do Congresso ou vai colecionar derrotas legislalivas em conta-gotas

Dilma Rousseff, informam seus auxiliares, aprendeu uma lição no seu primeiro Waterloo no Senado. Não ficou muito claro para o condomínio governista qual foi o aprendizado. É como na história do menino que gostava de puxar o rabo do gato.

Um dia o gato deu uma mordida no menino. E ele aprendeu a lição. Na vez seguinte, o menino deu uma cacetada na cabeça do gato antes de puxar o rabo. O que fará Dilma nas próximas vezes?, eis a dúvida que embatuca os “aliados”.

A maioria dos governistas acha que Dilma respondeu ao recado do Senado com outro recado: às favas com todos os pruridos políticos. Há apoiadores rebeldes no plenário? Cacetada neles!

A troca dos dois líderes –Jucá no Senado e Vaccarezza na Câmara— espalhou no Legislativo um rastilho de rancores. Dona da caneta, Dilma fez o que bem quis. Nem por isso livrou-se do risco de outras derrotas. Ao contrário, potencializou-o.

Pela nova lógica que passou a conduzir os movimentos do Planalto, sob influência da ministra Ideli Salvatti, isso só quer dizer que o que falta para garantir as vitórias legislativas é a permanente ameaça de reações radioativas. Na próxima vez…

Meio zonzos, os comandantes da infantaria congressual crêem que a lição do apagão do Senado deveria ter sido outra. Dilma olharia ao redor e se daria conta de que a causa do curto-circuito está na cozinha do Planalto, não no Congresso.

A base da coligação atual é a mesma que deu suporte a Lula, só que ampliada. Carrega as mesmas virtudes (poucas). São idênticos também os vícios (muitos). Ao absorver a mega-aliança que se formou na eleição de 2010, Dilma sinalizara que jogaria o jogo.

Significa dizer que não teria ministros, mas auxiliares capazes de saciar os apetites dos partidos e providenciar os votos. O consórcio treme porque não se sente suficientemente atendido nas verbas, nos cargos e no prestígio. Pior: avalia-se que Dilma entrega ao PT a mercadoria que sonega aos demais partidos.

Ao servir ressentimento a aliados que pedem os privilégios de que se julgam credores, Dilma produz isolamento, não unidade. Se desejava governar como freira, deveria ter sacado sua castidade no instante em que Lula a levou para passear no bordel.

A tática de Dilma parte de uma premissa falsa. Coisa de política neófita. Onde a presidente enxerga felinos domesticados não há senão feras criadas. Lobos e raposas já farejam os próximos movimentos do porrete. E não se dispõem a oferecer graciosamente nem a cabeça nem o rabo.

No Senado, Dilma entregou a liderança que era exercida desde sempre por Romero Jucá a Eduardo Braga, senador de primeiro mandato. No câmbio oficial, um pemedebê por outro. No paralelo, um novo líder que se aparelha para presidir o Senado e desafia a proeminência de Renan Calheiros e de José Sarney.

Na Câmara, Dilma substituiu Cândido Vaccarezza por Arlindo Chinaglia. No oficial, seis por meia dúzia, um petê por outro. No paralelo, um novo líder que é visto pelos colegas como cultor do sonho de voltar à presidência da Câmara.

Na guerra fria inaugurada por Dilma, ficou entendido que foi armada no Planalto uma bomba atômica: ou o PMDB se enquadra ou o governo moverá céus e terras para impedir que a legenda obtenha em fevereiro de 2013 o comando simultâneo das duas Casas legislativas.

Como não pensa noutra coisa senão em tornar-se novamente o mandachuva do Senado, Renan cuidou de informar que não está morto. Com a rapidez de um raio, valeu-se da prerrogativa de líder do PMDB para converter o “desalojado” Jucá em novo relator da Comissão Mista do Orçamento Geral da União.

Henrique Eduardo Alves, líder do PMDB e candidato à presidência da Câmara, também apressou-se em reavivar da tribuna a memória do Planalto e do petismo. Lembrou que PT e PMDB celebraram um acordo.

Prevê que, saindo o petê Marco Maia, vai ao painel de controle da Câmara um pemedebê. Henrique absteve-se de dizer, por desnecessário, que falava em causa própria. É algo que ninguém ignora.

Henrique também recordou que o contrato atual é mera renovação de outro. Firmado na legislatura passada, o primeiro acerto teve Chinaglia como beneficiário direto. Na época, ele revezou-se na presidência da Câmara com o atual vice-presidente da República Michel Temer.

Quer dizer: levando sua tática às últimas consequências, Dilma arrisca-se a converter o Orçamento de 2013, a ser votado em dezembro de 2012, numa peça tóxica. E comprará uma briga com Henrique, com o pacato Temer e com um PMDB que, embora trincado, costuma unificar-se em tempos de guerra.

De resto, a troca de líderes, idelizada como remédio contra a divisão, terminou resultando numa soma cujo resultado foi menos zero. Onde havia apenas divisão parcial agora existe desconfiança generalizada.

De cabelos hirtos, os aliados enxergam na movimentação de Dilma, tida por amadora, as digitais de Ideli, definida como primária. Eduardo Baga, o novo líder do Senado, integra o chamado G8, grupo de senadores “independentes” do PMDB.

Imaginou-se que, sob a nova liderança, os “independentes” se reposicionariam em cena. Tolice. Jarbas Vasconcelos alinhado ao Planalto? Nem a porretadas. Pedro Simon sem acidez na língua? Pode esquecer. Roberto Requião no cercadinho? Impensável.

Ou seja: além de não dissolver a independência, o Planalto levou os dependentes às armas. Numa brincadeira de corredor, Eduardo Braga disse que já providenciou um “colete à prova de balas”. Nada poderia ser mais acertado. Abriu-se o paiol.

Na Câmara, a ascensão de Chinaglia foi recebida com dezenas de pés atrás. A sessão que entrou pela noite desta terça (13) foi dedicada à despedida de Vaccarezza e à recepção do novo líder.

Coube ao ex-petê Chico Alencar, hoje um combatente do PSOL, traduzir a cena. Impressionado com a enxurrada de elogios ao líder deposto, disse que, se Dilma tivesse ouvido seus aliados, jamais teria dado a “rasteira” em Vaccarezza.

Chinaglia assume sob o signo da desconfiança num instante em que o condomínio arma uma cilada para o governo no Código Florestal. A primeira providência do novo líder foi requerer o adiamento da votação.

Quem olha Dilma a partir das arquibancadas fica com a impressão de que ela responde à chantagem dos aliados com altivez e espírito público. Quem a observa a partir dos plenários da Câmara e do Senado tem a percepção de que a presidente escala o cadafalso acenando para a platéia.

O relacionamento do governo com seu condomínio precisa, não é de hoje, pegar um ar fresco. Mas a lição dessa penúltima crise deveria ser a de que a premissa sobre a qual Dilma ergueu os alicerces políticos do seu governo é feita da mesma matéria prima usada por seus antecessores: o cinismo.

É um pouco tarde para corrigir o erro. Agora, ou Dilma entrega o que lhe exigem os lobos e as raposas ou vai colecionar derrotas legislalivas em conta-gotas. Uma aqui, outra acolá. Pior: arrisca-se a chegar em 2014 assistindo à derrocada do seu projeto reeleitoral e descobrindo que aprendeu a lição errada.

Fonte: Josias de Souza

Comentário (1) enviar comentário
  1. Eduardo disse:

    Esses politicos estão cada vez mais "cara de pau". É escancarado a troca de favores, o pedido de cargos e por ai vai. A cada dia que passa me convenço mais que o problema do Brasil é a classe politica. Nada mais verdadeiro que o filme Tropa de Elite 2, onde o "Coronel Nascimento" luta contra o "SISTEMA".

Publicidade

Ex-senador usava clube de Futebol Brasiliense para lavar dinheiro

O Ministério Público Federal ajuizou em Brasília nova denúncia contra o ex-senador Luiz Estevão. Acusa-o de utilizar as contas bancárias de um time de futebol, o Braziliense, para “lavar” dinheiro sujo, “proveniente de atividades criminosas”.

Os fatos que recheiam a denúncia foram recolhidos num inquérito policial aberto em 2005, no rastro da decretação da indisponibilidade dos bens de Luiz Estevão e das empresas de sua propriedade, vinculadas ao Grupo OK.

O bloqueio visou garantir o ressarcimento de parte das verbas desviadas no célebre escândalo da obra do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo. Coisa de R$ 169 milhões, em valores da época.

No curso das investigações, verificou-se que, a despeito de ter as contas e os bens bloqueados, Luiz Estevão aplicava dinheiro graúdo na reforma de um estádio e na aquisição de jogadores para o clube de futebol.

Obteve-se autorização judicial para varejar a movimentação das contas bancárias do Braziliense no período de 2001 a 2005. Comprovou-se, segundo a Procuradoria, que a conta mais bem fornida do time de futebol não era senão “mera conta de passagem”.

“A maior parte dos valores movimentados na conta do clube referiam-se a créditos ou débitos relacionados a empresas do Grupo OK”, sustenta o Ministério Público. Coisa destinada a “dificultar o rastreamento do dinheiro desviado dos cofres públicos ou oriundo de outras atividades criminosas.”

A denúncia foi protocolada na 10ª Vara Federal do DF. Se for aceita, sera convertida em ação penal. E o ex-senador, cassado por conta do envolvimento no caso do TRT, vai virar réu pela enésima vez.

Fonte: Josias de Soua

enviar comentário
Publicidade

Cosern ganha ação da Caern na justiça de R$ 100 milhões

Um conflito que envolve uma dívida superior a R$ 100 milhões da Companhia de Águas e Esgotos (Caern) com a Companhia Energética do Estado (Cosern) foi julgado ontem pelos desembargadores da 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça (TJ/RN), que por dois votos a um decidiram pela manutenção integral do montante, que está sendo questionado por supostamente estar superestimado. O débito tem origem em faturas mensais das unidades consumidoras da Caern, entre maio de 1992 a junho de 1995 e agosto de 1997 a dezembro de 2002, período em que ambas eram empresas de economia mista e tinham como maiores acionistas o Governo do Estado. A Cosern foi privatizada em dezembro de 1997. A  maior parte do débito, portanto, é anterior à privatização.

A Caern  alega que o débito, além de superestimado, vem comprometendo as finanças já apertadas. Essas dificuldades estariam sendo refletidas nas dificuldades orçamentárias para cumprir os compromissos provenientes das despesas gerais e na qualidade do serviço à população.

O desembargador Vivaldo Pinheiro e o juiz convocado Nilson Cavalcanti foram os responsáveis pelo ganho de causa da Cosern. Foi vencido o desembargador Osvaldo Cruz, que votou em favor da Caern. Eles mantiveram decisão do juiz da 15ª Vara Cível de Natal, Patrício Lobo Vieira, que já havia julgado improcedentes as alegações da autarquia de águas e esgotos. O magistrado de primeiro grau concordou com a empresa de energia elétrica, que questionou um laudo pericial paralelo feito pela Caern, sob o argumento de que se trata de um “amontoado de suposições desenvolvidas sem metodologia”.

A Companhia de Águas e Esgotos reconheceu a dívida com a Cosern em março de 2004, quando o presidente era o atual prefeito de São Gonçalo do Amarante, Jaime Calado. Na época, foi pactuado um Instrumento Particular de Reconhecimento, Consolidação, Pagamento e Parcelamento de Débito (IPRC), que atestava a cifra de R$ 99,5 milhões, a ser quitada em 227 parcelas. A dívida resultara de débito remanescente de um outro IPRC, no montante de R$ 77,1 milhões, cujas 120 parcelas de pagamento somente foram cumpridas até a 72ª. Para chegar aos R$ 99,5 milhões, o acordo celebrado entre as Companhias em 2004 juntou ao débito outros R$ 22,3 milhões que corresponderia às faturas de consumo relativas ao período de agosto de 1997 a dezembro de 2002, que também não teriam sido pagos.

O Governo do Estado não se pronuncia sobre a dívida da Caern, considerada “impagável” de tanto que cresce, sobretudo por causa das fartas correções monetárias. Isso porque a empresa é uma sociedade de economia mista, portanto, tem personalidade jurídica própria. Os advogados da Caern também não comentam o assunto, segundo a assessoria de imprensa, porque há um consenso na empresa de não se pronunciar sobre processos no âmbito do Judiciário. Até ontem a Companhia não havia sido notificada da decisão do TJ/RN, mas já avisou que vai recorrer até a última instância possível. Ainda de acordo com a assessoria de imprensa da Caern, o questionamento da dívida no âmbito do TJ/RN não impede o pagamento mensal dos valores, que estariam fixados atualmente em 2,1 milhões.

Companhia providenciou auditoria

Em 2004, a Caern contratou uma empresa para realizar uma auditoria no débito da companhia para com a Cosern, já na ocasião reconhecido em R$ 99 milhões. O argumento da época era de que a autarquia havia chegado a valores “bem diferentes” dos apresentados.  O procedimento foi feito através de Autorização para Execução de Serviços (AES), que especificou o serviço contratado como um “exame pormenorizado das faturas mensais de energia elétrica das unidades consumidoras da Caern, relativas ao período de 10 de maio de 1992 a 30 de junho de 1995.” As constas desse período estariam, segundo o relatório da AES, entre as que não foram pagas integralmente pela companhia, resultando em uma dívida consolidada de R$ 31 milhões, em julho de 1995, reconhecida em fevereiro de 1996. Somente esse débito, acrescido de correção monetária, juros e multas, representaria quase 80% dos R$ 99 milhões devidos pela companhia de águas à concessionária de energia.

Na época, o ex-presidente da Caern, Jaime Calado, foi acusado de reconhecer uma dívida de maneira ilegal, pouco tempo antes de deixar a autarquia, cuja medida teria fragilizado o já moribundo orçamento. Ele chegou a rebater as acusações feitas explicando que o valor reconhecido em março nada mais era que o total do débito encontrado por ele quando assumiu a pasta em janeiro de 2003, R$ 77 milhões, acrescidos de correção, juros e multas por mais um ano.

Fonte: Tribuna do Norte

Comentário (1) enviar comentário
  1. Christiantjrn disse:

    Tem muita água pra rolar nesse caso!

Publicidade

"Rainha do Twitter" ganha liminar na justiça obrigando estudante de Direito a retirar todas ofensas em até 72 horas

Comentários (3) enviar comentário
  1. Laura disse:

    O juiz deferiu justica gratuita! Baseado em que? A "rainha" tem emprego fixo, pode comprar um iphone, mas nao pode pagar as custas processuais? Piada!

  2. Synckns disse:

    Se ela tá processando dayvson pelo que ele ta falando dela nas redes sociais…. Imagina o que ela faria se soubesse o que metade da cidade fala dela fora do twitter? Xiiiiii….

  3. Narixta-alves disse:

    A justiça de DEUS é maior que tudo nesse mundo aos que pensam que podem mexer com os filhos dele se preparem pq ele nunca dorme, e viu Dayvson Moura tudo que você fez contra minha irmã, como todos viram ela nunca precisou se rebaixar como ele para lhe prejudicar, quando acontecem esses casos sabemos que a justiça tarda mas não falha nunca.
      Obrigada senhor por mais essa vitória na vida da minha irmã, e é so o começo.
     Thainara Milena 

Publicidade

Empresa de ônibus é condenada por fazer exame no Ânus de funcionário na frente de colegas

Um motorista que foi humilhado ao ser submetido a exame físico admissional para verificar a existência de hemorroidas deverá ser indenizado pela Viação Andorinha Ltda. O funcionário, que foi dispensado após quase quatro anos de trabalho, disse que na época de sua admissão foi obrigado a se submeter a exame físico minucioso de inspeção anal diante de colegas, sentindo-se constrangido. A decisão é da 2ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região, que aumentou a indenização fixada na sentença da juíza Luciana Muniz Vanoni, da 22ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro.

O trabalhador recorreu da decisão que estabelecia o valor da indenização por dano moral em três salários. Ele requeriu o aumento do valor para 50 vezes a última remuneração. Por outro lado, a empresa de ônibus também recorreu, alegando que a testemunha não mencionou que o exame médico admissional tivesse sido constrangedor e requerendo a reforma da decisão por falta de fundamento.

O desembargador José Geraldo da Fonseca, relator do recurso, entendeu que a recorrente agiu fora de seus poderes diretivos, pois constrangeu o candidato ao realizá-lo coletivamente, apesar de ter o direito de realizar exame médico admissional nos futuros empregados. Os desembargadores da 2ª Turma do TRT/RJ decidiram aumentar o valor da indenização para dez vezes o valor do salário do empregado.

O advogado Juarez Bonelli, que representa a Viação Andorinha, disse nesta terça-feira que a indenização por danos morais não se justifica. Segundo ele, o exame ao qual o motorista foi submetido foi feito sem testemunhas e por zelo do médico da empresa:

– Como o motorista fica sete horas sentado, sacolejando, pode agravar as hemorroidas, caso as tenha. Por isso, o médico resolveu fazer o exame, para preservar a saúde do canditato. O exame foi feito pelo médico, sem mais ninguém na sala – alegou.

A empresa entrou nesta terça com um recurso contra a decisão.

Segundo o ex-funcionário, caso constatada a propensão ou existência da doença, ou se o candidato se recusasse a realizar o exame, não haveria contratação por parte da empresa. Um outro motorista afirmou também ter se submetido ao exame, ocorrido na sala do médico e na presença de dois funcionários da viação.

Fonte: O Globo
enviar comentário
Publicidade

Anvisa proíbe cigarros aromatizados e com sabor no país

Fumante com cigarro preto

Depois de mais de três horas de debate, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) baniu os cigarros aromatizados e com sabor no país. Em reunião hoje (13), os quatro diretores da agência reguladora decidiram proibir a adição de substâncias que dão sabor e aroma aos cigarros e a outros produtos derivados do tabaco, como os mentolados e os de sabor cravo, chocolate e morango. Os cigarros com sabor vão sair das prateleiras somente daqui um ano e meio.

No caso do açúcar, a Anvisa cedeu aos apelos da indústria do fumo e manteve a adição, porém limitada à reposição do açúcar perdido na secagem da folha de tabaco. Segundo os fabricantes, o tipo de fumo mais usado no país perde açúcar no processo de produção e, por isso, é necessária a reposição. O açúcar foi motivo de impasse entre os diretores na reunião passada, em fevereiro, o que acabou adiando a decisão para hoje (13). A medida vale para os produtos nacionais e importados. Estão isentos os destinados à exportação.

A indústria nacional e as importadoras terão um ano para adaptar o processo de fabricação do cigarro e seis meses para retirar de circulação os aromatizados. Para outros produtos, como charuto e cigarrilha, o prazo foi ampliado. São 18 meses de adequação e seis meses para recolhimento do mercado.

Fica permitido o uso de algumas substâncias nos derivados do tabaco: açúcar, adesivo, aglutinante, agentes de combustão, pigmento ou corante (usado para branquear papel ou na impressão do logotipo da marca), glicerol e propilenoglicol e sorbato de potássio. A proposta aprovada prevê ainda que novos ingredientes precisam passar pelo aval da agência reguladora para serem usados no futuro.

O relator da proposta, diretor Agenor Álvares, considerou a decisão positiva e disse que ela servirá para tornar o fumo menos atrativo aos adolescentes e crianças. “A nossa ideia é diminuir o número de novos fumantes”.

O diretor executivo da Associação Brasileira da Indústria do Fumo (Abifumo), Carlos Galant, disse que o setor ainda vai avaliar o impacto financeiro da decisão. Ele argumenta que a retirada dos aromatizados pode estimular o contrabando. Além do açúcar, o setor queria também a permanência dos cigarros mentolados e dos que têm sabor de cravo, que foram banidos pela Anvisa. Os cigarros de mentol representam apenas 3% das vendas, conforme dados divulgados pelos fabricantes na semana passada.

Antes de tomar a decisão, os diretores da Anvisa ouviram opiniões favoráveis e contrárias ao banimento dos aromatizados. A pesquisadora da Escola Nacional de Saúde Pública, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Vera da Costa, disse que um estudo recente mostra que a maioria dos adolescentes de 13 a 15 anos procura pelos cigarros com sabor para experimentar o tabaco. “Colocar menta, morango, chocolate aumenta a aceitação desse produto e promove a experimentação. É preciso que a Anvisa mostre o que uma agência reguladora dentro do Brasil faz com os produtos do tabaco”, disse.

Já Carlos Galant, representante da indústria tabagista, defendeu a permanência do mentol e do cravo no Brasil, justificando que um estudo norte-americano mostra que o mentolado não eleva o risco à saúde. O número de fumantes, segundo Galant, não caiu nos países que já retiraram esses aditivos. “Os cigarros mentolados já se encontram presentes no mercado brasileiro há décadas. O risco de câncer de pulmão ao cigarro mentolado é 41% menor.”

A versão original da proposta da Anvisa, em discussão desde 2010, era proibir a adição de açúcar e outros ingredientes que mascaram o gosto amargo do tabaco, como mentol, chocolate e baunilha.

Fonte: Exame

enviar comentário
Publicidade

Mais um ministro de Dilma está envolvido em denúncias de corrpução

O conselheiro Fábio Coutinho, integrante da Comissão de Ética da Presidência da República, pediu nesta segunda-feira (12) que a entidade abra investigação formal contra o ministro Fernando Pimentel, do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Coutinho é o relator do caso que apura denúncias de enriquecimento ilícito contra o ministro.

A abertura da investigação, porém, não foi confirmada – o conselheiro Roberto Caldas pediu vistas do processo, o que inibe a abertura do inquérito até, no mínimo, 26 de março, quando a Comissão se reunirá novamente.

As investigações contra Pimentel por parte da Comissão de Ética foram iniciadas após requisição do PSDB. Entre 2008 e 2009, ele foi proprietário de uma consultoria que manteve contratos com empresas que ganharam licitações com a prefeitura de Belo Horizonte, chefiada por ele até o final de 2008. A consultoria rendeu a Pimentel cerca de R$ 2 milhões, quantia superior ao patrimônio declarado pelo ministro ao Tribunal Superior Eleitoral em 2008.

“A decisão do relator da Comissão de Ética da Presidência deixa Pimentel em situação ainda mais complicada. Ele, que se nega a dar explicações sobre as consultorias milionárias, agora é cobrado publicamente por um membro do próprio governo. A situação, que já era ruim, ficou insustentável. Ou explica ou deixa a Esplanada. É isso que se espera de uma figura pública”, afirma o presidente nacional do PSDB, deputado federal Sérgio Guerra (PE).

O PSDB questiona a permanência de Pimentel em um governo chefiado por uma administradora cuja marca, ao menos como é vendida para o público externo, é a intolerância com a corrupção. “A inibição de Dilma no caso Pimentel mostra que a tal ‘faxina’ é para inglês ver”, disse Guerra.

enviar comentário
Publicidade

Presos tentam fuga durante culto evangélico no Complexo Penal João Chaves

Os detentos do Rio Grande do Norte estão variando na forma de fugir das unidades prisionais do estado. No início da tarde desta terça-fera (13), presidiários do complexo penal João Chaves, na zona Norte de Natal, aproveitaram o momento em que era realizado um culto evangélico para tentar fugir. A ação, no entanto, foi impedida pela guarda da Polícia Militar e agentes penitenciários.

Os presos da ala masculina, onde também cumprem pena detentos do regime semi-aberto, utilizaram restos de uma luminária para serrar as entradas de ar em uma parede que fica próxima ao pátio utilizado para os cultos. Os presos conseguiram serrar parte da estrutura, mas a guarda da PM percebeu a ação e os agentes impediram a fuga.

De acordo com informações dos funcionários da unidade prisional, pelo menos 10 presos poderiam fugir caso a ação não fosse frustrada pelos responsáveis pela seguraça local.

Fonte: Tribuna do Norte

enviar comentário
Publicidade

H1N1 tem sete casos confirmados, inclusive provocando morte no RN em 2012

Motivada pelo aumento do número de casos suspeitos da Influenza A (H1N1), nos últimos dois meses, a Subcoordenadoria de Vigilância Epidemiológica (Suvige) da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) divulgou, nesta terça-feira (13), uma Nota com informações detalhadas sobre a situação epidemiológica da doença no Rio Grande do Norte.

Desde o início deste ano já foram 22 notificações para H1N1, sendo 7 casos confirmados e 10 descartados. Os outros aguardam análise em laboratório. Em relação à evolução dos casos confirmados, 4 receberam alta e passam bem, 2 continuam hospitalizados e 1 evoluiu para o óbito.

A equipe da Suvige também enviou nota técnica aos profissionais de saúde – em especial aos pediatras – sobre a necessidade de intensificação da vigilância e monitoramento das doenças respiratórias agudas (resfriados, influenzas e pneumonias). O alerta é para que, diante de casos hospitalizados com febre acima de 38 °C, tosse ou dor de garganta e dispnéia acompanhado ou não de manifestações gastrointestinais, seja solicitada a coleta de secreção, preferencialmente, ate o 7° dia do início dos sintomas.

Desde 2009, trinta e dois hospitais em todo o estado estão preparados e capacitados para receber os casos da doença. Somente em Natal são 18 hospitais entre os da rede pública, privada e filantrópica que estão aptos a identificar os casos e tomar as providências necessárias. Os hospitais referência em atendimento para os casos graves são o Giselda Trigueiro, para adultos e o Maria Alice Fernandes, para as crianças.

Confira nota na íntegra

1- A Subcoordenadoria de Vigilância Epidemiológica-SUVIGE vem por meio desta nota esclarecer a respeito da situação epidemiológica do vírus influenza A(H1N1) no Rio Grande do Norte.

2- Entre os dias 25 de fevereiro e 09 de Março de 2012 o Instituto Evandro Chagas (Belém-PA) emitiu 13 laudos de casos suspeitos para Influenza A(H1N1), tendo sido 3 confirmados para a referida doença e 10 descartados.

3- Os 3 novos casos confirmados foram de pacientes hospitalizados entre os dias 10/01/2012 e 02/03/2012, com melhor descrição abaixo:
• Caso 1- paciente de 8 anos, residente em Natal, sem comorbidade, recebeu alta
dia 19/02/2012.
• Caso 2- Paciente de 6 meses, residente em Extremoz, portador de Síndrome de
Dandy Walker, permanece hospitalizado em enfermaria com quadro estável.
• Caso 3- Paciente de 41 anos, residente em Jardim do Seridó, puérpera, permanece
hospitalizada em UTI com quadro estável.

4- No ano de 2012, já foram recebidas 22 notificações para H1N1, dentre estas 07 casos confirmados de influenza A(H1N1) e 10 descartados.

5- Em relação à evolução dos casos confirmados, 4 receberam alta e passam bem, 2 continuam hospitalizados e 1 evoluiu para o óbito.

6- Dentre os casos descartados, 02 eram de pacientes que faleceram e 08 que tiveram cura.

7- As notificações de casos suspeitos e confirmados de Influenza A(H1N1) tiveram pico nas semanas 05 e 07, o que corresponde ao mês de fevereiro.

8- A distribuição dos casos confirmados segundo faixa etária, mostrou que a maioria (71,5%) deles eram de menores de 14 anos, tendo tido apenas 2 casos em adultos.

MEDIDAS DE PREVEÇÃO:
-Lavar as mãos com água e sabão, especialmente antes de tossir ou espirrar.
-Ao tossir ou espirrar, cobrir a boca com lenço descartável.
-Não compartilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal.
– Lavar as mãos frequentemente e não levar as mãos sujas aos olhos, nariz e boca.

MAIORES INFORMAÇÕES:
• Secretaria de Estado da Saúde Pública-SESAP/RN:
http://www.saude.rn.gov.br/contentproducao/aplicacao/sesap/saude_destaque/gerado
s/influenzaah1n1.asp

• Ministério da Saúde:
http://portal.saude.gov.br/portal/saude/profissional/area.cfm?id_area=1534

Natal, 13 de março de 2012.

enviar comentário
Publicidade

[FOTO] Astronauta fotografa aurora do espaço

A imagem impressionante e realmente bonita foi registrada pelo astronauta holandês Andre Kuipers no dia em que a Terra recebeu grande volume de radiação solar, originado de erupções de plasma. Em contato com a atmosfera, na região dos polos, essa radiação provocou reações que levaram à aparição das auroras sobre o mar. Vale o registro muito bonito desse fenômeno da natureza.

Foto: Reuters/Andre Kuipers/ESA/Nasa/Divulgação/G1

 

enviar comentário
Publicidade

MPF denuncia três brasileiros e um francês por tráfico internacional de drogas

O Ministério Público Federal no Rio Grande do Norte denunciou à 2ª Vara da Justiça Federal, quatro pessoas por tráfico internacional de drogas. De acordo com a denúncia, os brasileiros Andressa Alethea Dalbelo, Maurício Almeida Amorim, Luis Gustavo de Andrade Soifer e o francês Thomas Nicolas Six se associaram para o tráfico internacional. O grupo é acusado de enviar pessoas ao exterior com a finalidade de trazer para o Brasil drogas ou insumos para a preparação, cometendo os crimes previstos na Lei nº 11.343/2006 (Artigos 28, 33, 34, 35, 36 e 40).

O crime foi descoberto pela Polícia no final do ano passado, quando a passageira Andressa Alethea foi flagrada tentando entrar no país com seis quilos da substância metilenodioximetanfetamina (MDMA), utilizada na preparação do ecstasy. Ao ser ouvida, a denunciada, voluntariamente, resolveu colaborar com a investigação. Ela contou que foi contratada pelo denunciado Maurício Almeida Amorim (que se identificou pelo nome falso de “Bruno Freitas Magalhães”) para fazer uma viagem ao exterior, de aproximadamente duas semanas, a fim de realizar trabalhos domésticos em residências alugadas para turistas. A quantia negociada pelos serviços era de R$ 2.500,00.

Andressa Alethea Dalbelo afirmou que foi o francês Thomas Nicolas Six quem lhe deu a mala em que estava a droga, escondida sob o forro. Ela informou que foi orientada a manter contato por telefone, ao chegar no Brasil, com a pessoa conhecida por “Bob”. Com autorização judicial e sob vigilância da Polícia, Andressa fez contato com “Bob”, tendo recebido instruções de embarcar de Natal para o Rio de Janeiro. Chegando ao local combinado para entregar a droga, a denunciada avistou Maurício Almeida Amorim, a quem reconheceu como sendo “Bruno”, que foi preso em flagrante. No mesmo dia, o denunciado Luís Gustavo de Andrade Soifer, conhecido por “Bob”, foi preso em flagrante no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro.

A pena para o tráfico de drogas varia de cinco a 15 anos de reclusão, já a associação para o tráfico é punida com três a 10 anos. Tais penas podem ser aumentadas de um sexto a dois terços em razão da transnacionalidade do delito.

No caso da denunciada Andressa Alethea Dalbelo, o Ministério Público Federal pede a redução de pena, tendo em vista a colaboração voluntária, que contribuiu para o desfecho eficaz da investigação.

enviar comentário
Publicidade

Mulher que deu golpe de mais de R$ 2 milhões volta a Natal e é presa depois de cinco anos

Depois de cinco anos considerada foragida da Justiça, a empresária caicoense Maria Noélia Araújo Pereira da Silva decidiu se entregar à polícia. Ela estava sendo procurada acusada de aplicar um golpe estimado em cerca de R$ 2 milhões vendendo falsos pacotes turísticos para cerca de 150 pessoas. Entre os clientes estão juízes, promotores e grandes empresários.

Ela nem conseguiu respirar direito o ar de Natal e já recebeu voz de prisão em cumprimento ao mandado de prisão que estava aberto contra ela desde 2007, quando ela, em companhia do marido Walter Pereira da Silva, se escafederam do Brasil. Noélia Araújo foi encaminhada para o Presídio Provisório Feminino João Chaves, onde aguarda julgamento pela Justiça.

“Tínhamos a informação de que a Noélia iria chegaria hoje a Natal. Foi a própria família dela que nos comunicou. Diante disso, montamos uma equipe e fomos ao aeroporto Augusto Severo. Lá, a empresária recebeu voz de prisão”, falou o delegado Ben-Hur Cirino de Medeiros, da Delegacia Especializada de Capturas (Decap).

O marido da empresária, Walter Pereira, já havia sido preso no último dia 6 de fevereiro aeroporto de Recife no instante em que desembarcava de um voo vindo de Portugal. O casal fugiu para a Europa dias antes da expedição do mandado.

O esquema

O “modus operandi” usado por Noélia Araújo e pelo marido na agência de turismo Atlantatur  para fraudar as empresas “parceiras” se mostrava simples e eficiente. Ela comparecia à operadora, comprava os pacotes para os clientes e, repassava para o consumidor final. A caicoense pagava à operadora uma pequena parcela em dinheiro e, o restante emitia cheques da pessoa jurídica da Atlantur e também de terceiros, que ela dizia serem “clientes”.

Além de vender pacotes turísticos falsos, Noélia Araújo é acusada de passar cartão de crédito de clientes, furtar folhas de talão de cheque e emitir cheques de terceiros.

Mandado

A empresária caicoense Maria Noélia Araújo Pereira da Silva, acusada de aplicar um golpe superior a R$ 2 milhões com a venda de falsos pacotes turísticos, teve a prisão preventiva decretada no dia 20 de março de 2007. A juíza da 7ª Vara Criminal, Sandra Elali, acatou o pedido do delegado titular da Defraudações da época, Egídio Chagas.

enviar comentário
Publicidade