Mudança no Fies atinge mais faculdades menores

As regras, ainda em discussão, do Fies (programa federal de financiamento estudantil), terão impacto maior em instituições de ensino pequenas e médias do que nas grandes, diz Pedro Thompson, diretor-executivo da Estácio.

“O Fies já foi muito reduzido e perdeu seu cunho social”, afirma. Antes de 2015, quando o programa foi alvo de cortes do governo federal, ele chegou a corresponder a cerca de 40 a 50% das matrículas da Estácio.

“Hoje, representa 5% da minha captação.” Para ocupar o espaço aberto pela ausência do Fies, a companhia, que tem 539,9 mil alunos (369,6 mil presenciais), passou a financiar diretamente seus estudantes.

“O aluno entra pagando 50% [da mensalidade] e, no final, 35%”, diz.

Para Abmes, entidade do setor, o governo encaminhou uma proposta que não atende os alunos que precisam do crédito estudantil.

“Eles passam a depender de bancos e não conseguem atender a seus requisitos”, diz Solon Caldas, diretor-executivo da associação.

Entre as regras das quais a Abmes discorda, e que deverão desestimular a adesão, segundo Caldas, está a exigência de as parcelas não financiadas serem pagas ao banco, não à faculdade, o que a fará perder a gestão desse fluxo.

“Sugerimos que o aluno pudesse usar o FGTS para pagar a mensalidade.” Hoje, as instituições privadas têm 75% das matrículas, diz a Abmes.

Sem barreira

O número de pessoas que abriram MEIs (microempreendedores individuais) nos últimos 12 meses ultrapassou 1 milhão, mesmo com a queda do desemprego formal.

A previsão é fechar o ano com 7,7 milhões, segundo Kennyston Lago, analista de pesquisa do Sebrae Nacional.

No começo da crise econômica, o que impulsionou o aumento do número de MEIs foi a taxa de desemprego.

As pessoas que perderam seu cargo ainda são grande parte dos novos empreendedores, mas há outro perfil em crescimento, segundo o Sebrae: o de quem nunca participou do mercado, nem mesmo do informal.

“Quem sai da faculdade e não encontra vaga abre um MEI, porque não há custo nem barreira para ingressar, é só se cadastrar no site.”

 

Folhapress

Publicidade

Comentários: