Nota relevante sobre a desclassificação da refinaria do Rio Grande do Norte

Veja Nota abaixo:

 

Chega-me a triste confirmação de que foi oficializada internamente a devolução da Refinaria Potiguar Clara Camarão (RPCC)  para a Diretoria de Exploração & Produção que passará a se chamar “Ativo Industrial de Guamaré“. A medida vinha sendo internamente planejada e discutida, com alto grau de discordâncias, e foi objeto de nossa nota do dia 16 de junho de 2016, alertando para as consequências disso para o RN e para o Nordeste.

O que pode parecer apenas uma decisão interna sem maiores consequências, não é.

Esta decisão significa, em poucas palavras, que a Refinaria Potiguar Clara Camarão, do alto de suas sucessivas conquistas de aumento de capacidade, aprimoramentos técnicos, investimentos em expansão e gestão técnica e comercial especializada, deixará de ser considerada uma REFINARIA. Portanto, ficará totalmente excluída do Plano Estratégico e das discussões da Diretoria de Refino e Gás Natural (anteriormente denominada Refino e Abastecimento).

Isso é decretar a morte da nossa refinaria, assim como se decretou recentemente a suspensão das atividades de perfuração terrestre em todo o País e o fechamento da planta de biodiesel de Guamaré – sem que houvesse qualquer entendimento ou conversa com os líderes políticos e empresariais do nosso Estado, que, durante décadas, promoveu, com prioridade, incentivos fiscais, licenças e parcerias sócio-ambientais com a empresa para ajudar a viabilização de seus projetos.

A reboque desta decisão intempestiva, não há como deixar de trazer à pauta estadual a denúncia de que poderão nos tirar a refinaria simplesmente para alegar uma redução de custos que, na verdade, significará mais um retrocesso do investimento da Petrobras no Estado – o maior de todos.

Ao contrário do que se está planejando internamente, o que deveria ser feito é justamente o contrário: a incorporação de todo o Pólo Guamaré à nova Diretoria de Refino e Gás Natural, incluindo as UPGNs e os terminais de despacho e recebimento de produtos. Isso sim, seria medida de eficientização das estruturas logísticas e da gestão dos ativos da empresa no RN. E também indicaria, claramente, um caminho de avanço – e não de retrocesso – dos investimentos e da presença da Petrobras na nossa região.

Portanto, é hora de nos prepararmos para um amplo debate quanto ao planos reais da Petrobras quanto ao Rio Grande do Norte. E nisso, juntarmo-nos aos nossos vizinhos – Ceará e Paraíba – que também possuem ativos de produção e processamento de petróleo que serão afetados por estas decisões – tanto campos considerados maduros quanto unidades industriais/logísticas e novas fronteiras a ser exploradas.

É urgente agir enquanto tais discussões se encontram em estágio de planejamento e discussão – e, em especial, REQUERER da Petrobras informações claras e efetivas sobre o seus planos reais para esta região, em especial para o Rio Grande do Norte, sua casa e área de operações que sempre a tratou com todo o carinho e merecida atenção.

Vale lembrar que a RPCC passou recentemente por uma ampliação que duplicou a sua capacidade de produção de QAV. Para isto, contou com a contribuição importante do Governo do Estado, que lhe concedeu o diferimento fiscal para o combustível possibilitando atrair novos empreendimentos conexos, incluindo mas não se limitando à possibilidade de acolher centro(s) de conexões de vôos no Aeroporto Internacional Aluisio Alves, em São Gonçalo do Amarante).

A Refinaria Potiguar Clara Camarão (RPCC) recebeu recentemente da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) a autorização para passar a processar 45 mil barris por dia de petróleo com possibilidade de expansão em curto prazo para 66 mil barris por dia de capacidade. Passou assim à frente da Refinaria de Manaus (REMAN) quanto a capacidade de processamento. Uma conquista importante para o RN e que deveria ser comemorada como consolidação de uma jornada que pode levar à revitalização do setor de petróleo no Estado, se devidamente trabalhada. A nova capacidade representa a possibilidade de refinar quase 80% da produção de petróleo atual de toda a Bacia Potiguar (que inclui campos no Rio Grande do Norte e no Ceará), podendo rapidamente se atingir a auto-suficiência em refino no Estado.

Por fim, sabemos que a RPCC é uma unidade lucrativa e que conta com um histórico de gestores e operadores técnicos competentes e bem sucedidos nas suas respectivas missões.  Foi uma conquista histórica para o Estado, e um sinalizador de novos empreendimentos e investimentos no futuro.

Como Secretário de Estado de Energia à época, fui testemunha e partícipe direto da ampla discussão da sociedade civil organizada do RN, do Governo do Estado e de toda a bancada parlamentar federal e estadual em uníssono, com a Petrobras e o Governo Federal. Não houve qualquer interesse escuso, negociata ou picaretagem envolvida nesta decisão e implementação. A principal meta estabelecida foi conseguir processar todo o petróleo produzido no Estado – historicamente um dos mais importantes para a produção nacional e ainda o maior produtor nacional de petróleo terrestre, à época em vias de começar operações em águas profundas também com perspectivas de incrementar a produção local de cru.

Temos a certeza de que esta medida irá, inevitavelmente, criar insegurança quanto à futura capacidade de fornecimento para o mercado local, anulando a conquista concreta de uma operação lucrativa e com potencial de ocupar nichos do mercado regional altamente promissores, para os quais certamente não faltariam atrativos ao financiamento próprio ou externo à companhia. A exclusão desta unidade dos planos regulares quanto ao parque de refino nacional implicará, cedo ou tarde, no FECHAMENTO desta refinaria, que, acompanhado da redução e minimização da participação da Petrobras nos campos produtores ao longo do tempo, resultará na finalização gradual da presença da estatal brasileira no nosso Estado.

Sem a Refinaria de Guamaré, como refinaria, não há como se pensar no futuro do setor de petróleo no Rio Grande do Norte. Seremos relegados a um província decadente e insignificante, e gradualmente a atividade se reduzirá a números meramente simbólicos, tanto de produção quanto de empregos e resultados sociais e econômicos. Não precisa ser assim. Não pode ser assim.

Desta forma, e com alto grau de urgência, gostaria de deixar aqui um apelo firme para que seja revertida imediatamente tal decisão e nos seja confirmada a manutenção do status da refinaria, na sua atual configuração organizacional, subordinada ao REFINO, de forma a assegurar a continuidade do seu planejamento e operação dentro desta área especializada da empresa.

Como cidadão e como líder empresarial do setor energético, em nome dos dois sindicatos empresariais dos quais participo, permito-me sugerir ao Governador do Estado e a seu secretariado que convoquem a bancada de parlamentares do Estado e encaminhem imediatamente à Presidência e à Diretoria da Petrobras pedido formal de esclarecimentos sobre os reais planos de investimento e estrutura de gestão da empresa no Rio Grande do Norte, em especial quanto à Refinaria Potiguar Clara Camarão. E que também se articulem com os nossos estados vizinhos, capitaneados pelos Governadores Camilo Santana (Ceará) e Ricardo Coutinho (Paraíba) para que sejam reforçadas a importância das Bacias Sedimentares do Nordeste Setentrional (Barreirinhas, Parnaíba, Ceará, Potiguar, Paraíba-Pernambuco e Araripe) e dos investimentos e operações nelas desenvolvidas para a geração de emprego e renda nestas região.

 

Jean-Paul Prates

Presidente do Sindicato das Empresas do Setor Energético do Estado do Rio Grande do Norte (SEERN)

Membro do Conselho Fiscal do Sindicato das Empresas do Setor de Petróleo Gás e Combustíveis do Estado do RN (SIPETRO/RN)

Publicidade

Comentários:

  1. LINDENBERG DINIZ DE ARAUJO disse:

    Trabalhei 36 anos na PETROBRÁS e participei das pré-operação da ECUB ( Estação de Compressores de Ubarana), pré-operação e operação da UPGN’s I-II, III, Platas de QAV, DIESEL , GASOLINA e DIODIESEL, isso tudo pertencia ao E&P no Polo Industrial de Guamaré. Com a briga de uma refinaria no Nordeste o Presidente Lula com a Governadora na época Vilma criaram a Refinaria Potiguar Clara Camarão. Que na realidade tudo já existia e foi para abafar a briga e ser criada a refinaria de Pernambuco RENEST. Com isso os custo e a estrutura com essa refinaria RPCC foi para as alturas sem nessecidade. Então o que a PETROBRAS fez agora foi voltar o que era antes sem nenhum prejuízo para o estado.

  2. Alessandro disse:

    Do que está adiantando a MAIORIA da bancada da câmara e do senado apoiarem esse Governo Pavoroso!!! O RN precisa de GESTÃO PÚBLICA e não de gestão POLÍTICA!!!

  3. Augusto disse:

    E onde ficam as panelas, hipócritas?

  4. MFreitas disse:

    Parece ate mentira ler esse texto do grande Jean-Paul; é estarrecedor saber o que a Petrobras está fazendo com o RN.
    Não entendo como essa bancada parlamentar do RN deixa a cada dia o nosso estado definhar e se afundar num mar-de-lama sem fim.
    Vergonha é pouco pra expressar o nojo que eu tenho dessa classe política norte-riograndense; rebanho de safados e aproveitadores do dinheiro do nosso povo sofrido.
    Aposto com qualquer um que esse status de refinaria vai ser rebaixado e em breve a unidade será fechada; sabe porque? … porque os nossos políticos permitirão isso, eles são tudo "farinha do mesmo saco" do presidente safado e é claro que é consenso entre eles, deixar isso acontecer.

    Revoltante saber que nas recentes pesquisas; esses vermes estão ganhando nas intenções de voto; me pergunto como o povo potiguar ainda vota nesses salafrários??

    Pêa é pouco pra o povo "papa jerimum"; quanto mais, melhor.
    Já diz o ditado, "cada povo tem o governante que merece", e aqui no RN esse ditado calha muito bem.

  5. djailson disse:

    Mais uma razão para separação do nordeste do restante do brasil e a criação de um novo pais. Será que o brasil não esta grande de mais? HEIN!!!

  6. Mito disse:

    Isso que está acontecendo na refinaria é a mais um aspecto da crise de inanição que o RN vem sofrendo em todas as suas áreas econômicas. Pode até uma atividade ou outra isolada se destacar por algum aspecto pontual, mas a regra é que o RN está rumando à uma ecatombe. Nosso Estado não tem posicionamento estratégico algum para fomento de seus potenciais, não tem recurso em caixa e vive efetivamente debaixo das asas de uma classe política que somente tem compromisso com a política, com suas biografias e seus cabos eleitorais. Sabe-se também que em decorrência dessa falta de interesse em posicionar-se em defender e fomentar os seus potenciais econômicos a crise no governo federal termina de fechar o pacote. Nisso tudo, o Estado do RN perde a sua governabilidade, a violência explode, o desemprego explode e o turismo, que depende basicamente das obras da natureza vai tomando um respiro aqui ou alí enquanto areia de duna não tiver valor financeiro na bolsa de minerais pq se isso acontecer meus amigos, a areia vai sumir em mais algum escândalo envolvendo algum deputado ou senador, e não achem difícil de acontecer, nem uma coisa, nem outras. Pobre Rio Grande do Norte.

  7. paulo martins disse:

    Novidade zero. É a morte de mais uma "viúva Porcina": a que foi sem nunca ter sido.

  8. Fábio disse:

    Privatização já!
    Estatal é uma porta escancarada p/partidos políticos roubarem. Isso é fato.

  9. Eli disse:

    Tá só começando troxinhas. ..mais panelas, mais panelas. .kkkkkkkkkkkkkkkk