Os privilégios salariais do servidor público

Editorial O Globo

A conhecida e repetida frase do bilionário americano Warren Buffett — “sabe-se quem está nadando nu quando a maré baixa” — ajusta-se à perfeição ao efeito pedagógico da maior crise fiscal brasileira de que se tem notícia.

Devido a estudos e debates, ela tem disseminado informações sobre fortes mecanismos de concentração de renda operados pelo Estado brasileiro.

Alguns deles sempre justificados por bons propósitos: por exemplo, os bilhões de reais de crédito do BNDES subsidiados pelo dinheiro do contribuinte vão (ou estavam indo) para grandes empresas em condições de obter financiamentos no exterior, sob o argumento meritório da criação de empregos e de riquezas no país. Principalmente dos controladores das empresas, é certo, constata-se.

A explosão há tempos anunciada do sistema da Previdência apareceu à frente da sociedade, de forma mais visível, e tem sido possível chamar a atenção para o injusto desnível entre a aposentadoria dos servidores públicos e a do assalariado do setor privado. Neste, o limite do benefício, difícil de alcançar, é de cinco salários mínimos (R$ 5.531), enquanto em castas do funcionalismo há aposentadorias de vários milhares de reais.

Nos servidores do Legislativo, por exemplo, a média é R$ 28 mil. Como o Tesouro cobre os inevitáveis déficits do sistema, esta é uma eficiente máquina de transferência de renda de pobres para ricos.

O tratamento preferencial do funcionalismo começa nos salários de carreira, assunto a ser tratado depois de aprovada a reforma da Previdência, segundo o jornal “Valor Econômico”. Será outra batalha no Congresso contra representantes de corporações e de castas.

A intenção do governo, como na reforma da Previdência, tem uma lógica sólida: aproximar os salários de carreira no funcionalismo daqueles pagos na iniciativa privada. Será outra guerra, porque a extensão dos privilégios repete o da seguridade.

Por exemplo, o salário inicial do funcionário de nível superior na função de gestor, no Executivo, no Banco Central e no Tesouro, é de R$ 16.933, e a proposta é que caia para R$ 5 mil, salário de início de carreira de professor universitário.

As vantagens para a sociedade são várias: o servidor se esforçará para evoluir como profissional, e o contribuinte gastará menos com o segundo item do bloco de despesas obrigatórias da União, a folha do funcionalismo (12,6% do total). O primeiro é a Previdência (57,1%).

Outra ideia é criar mecanismos de avaliação, para estabelecer neste mundo à parte do mercado de trabalho o critério do mérito, algo já tentado, sem êxito. Agora, na crise, há uma outra oportunidade.

As mudanças, na Previdência e nos salários, se aprovadas, produzirão efeitos benéficos, boa parte a médio e longo prazos, porque há a garantia dos direitos adquiridos de razoável parcela do funcionalismo. Mas a certeza de que o Tesouro não ficará insolvente já será “precificada” no presente, com uma tendência de queda dos juros. Colhem-se dividendos imediatos com os avanços.

Publicidade

Comentários:

  1. Luiz disse:

    Como funcionário público federal não tem como negar esses números, Há distorções a corrigir.Pena que só falem uma parte da verdade. Porque não os do Judiciário e Legislativo? E os militares? Quanto recolhem à Previdência e com quantos anos se aposentam? Minha filha, por exemplo, não vai ficar nas costas do Estado quando eu morrer…

  2. Hã ???!!! disse:

    Semmmmmpre falam que o servidor público quebra a previdência porque se aposentam com proventos integrais.

    Mas NUNNNNNCA falam que o servidor CONTRIBUI com a TOTALIDADE de seus proventos. Na iniciativa privada, quem ganha 10000, contribui para prev com com percentual sobre 5000. No serv pub quem ganha 10000, contribui com precentual (11%) SOBRE O TOTAL DOS 10000.

    Isso NUNNNNCA falam!!!!!!

    • João Pedro disse:

      O Governo não diz que o servidor além de pagar 11% do salário bruto e quando se aposenta continua contribuindo com 11% do que passa do teto da providência, ou seja, se ele ganha 10.0000, ele continua pagando em cima de R$ 4.470 até morrer = R$ 491, todo mês.

    • Hã ???!!! disse:

      Explicando melhor:
      1. Empregado iniciativa privada ganha 12000,00.
      2. Funcionário publico ganha também 12000,00.
      Quanto cada um paga para previdência?
      Qual o "teto da previdência" ? = 5531,31
      Calculando:
      O primeiro paga 11% sobre o teto da previdência, ou seja, ele paga 608,44.
      O segundo paga 11% sobre o total que ganha, ou seja, ele paga 1320,00 reais.
      Ou seja, o servidor publico contribui muito mais para a previdência e quando se aposenta continua contribuindo.
      PQ será que NUNCA dizem essas verdades? Será que o problema da previdência é causada pelo serviço público? O serviço público contribui com muito mais, essa é a verdade.
      O problema está nas corrupções e pagamentos exorbitantes, desnecessários e vergonhosos aos agentes políticos (deputados, senadores, juizes, promotores, etc).

  3. Mário Bolsonaro disse:

    O que o governo quer é demitir o servidor público, concursado , ingresso e estável por direito para poder modificar a forma de contratar pessoas a bel prazer… assim vai poder contratar empresas prestadoras de serviço e que tenham em seus quadros os seus apadrinhados: o seu motorista particular, sua massagista, seu afilhado débil mental, seu filho que nunca quis estudar, sua filha psicopata, sua manicure, etc… e dos salários destes novos contratados o político irá reter para seu bolso mais da metade a ser paga… e quem será o dono das empresas que serão contratadas: o parente de algum dos políticos envolvidos na maracutaia e sujeira…. no final, tudo corre pro bolso do corrupto e isso tudo à vista de todos, que nada poderão fazer… ô país fudido…..

  4. CECÍLIA NUNES disse:

    FIM DOS CARGOS COMISSIONADOS, TAXAÇÃO DAS GRANDES FORTUNAS, URGENTE!!!

  5. Eleitor disse:

    Rebatendo as mentiras que o Governo prega aos idiotas leitores brasileiros, o servidor público não é a causa da ingestão e defict público. O que o governo quer fazer é forçar uma demissão em massa do servidor público para forçar a contratação de pessoas sem vínculo que aceitem trabalhar com valores mais baixos, mas que posteriormente receberão comissões polpudas, que lógicamente algum político irá receber mais da metade… Servidor público é ser digno de confiança… fez concurso e foi aprovado em vaga que muitos disputaram e outras centenas nem quiseram. Fez estágio probatório e conseguiu passar e hoje detém o direito da estabilidade funcional. E que por causa desta estabilidade está blindado de pressões políticas que venham pedir o apoio destes funcionários em maracutaias…. servidor público não ganha fundo de FGTS…. porém seu salário é estável e só tem reajuste anualmente e não possui direito a sair pulando de empresa em empresa por melhores salários. Fica preso até o resto da vida ao cargo a que concorreu. Já o servidor da iniciativa privada não possui estabilidade, tantas garantias, mas pode se demitir de uma empresa e ir para outra que pague melhor salário, tem FGTS garantido em caso de demissão… se o seu salário não é igual ao do servidor público é pq a iniciativa privada sempre paga menos aos menos capacitados… os mais capacitados não são servidores públicos, mas são servidores muito melhor remunerados… isso o governo não conta né? E você, ainda acredita no governo, no papai noel, na fada da cinderela?

  6. Jorivan disse:

    Privilégios do servidores?
    De que servidores vcs estão falando carás pálidas?
    Só se for dos servidores do judiciário e legislativo, além dos inúmeros comissionados. Pois a realidade da maioria dos servidores do executivo é muito abaixo da linha de privilégiados.

  7. Yb disse:

    O problema do país não é os servidores públicos. Nem todos ganham esses supersalários.

  8. Fábio disse:

    E os 100 mil cargos comissionados que o O Governo Federal tem nas mãos, vão pra onde??? Se cada cargo desse custasse R$ 2.000,00 (valor improvável) custaria quase R$ 10 Bilhões de Reais em apenas um mandato!!!

  9. Elias Dantas disse:

    Os privilégios dos políticos também precisam de revisão

  10. Gutierres disse:

    So quem mama é que acha ruim essa reforma!

  11. Pato Amarelo disse:

    Pronto, já se descobriu o "culpado" de todas as mazelas do Brasil : o funcionário público.
    A cada dia eu me surpreendo mais com a criatividade desses canalhas de paletó e gravata que chamamos de políticos. E o pior, é que sempre existirão os patetas para aplaudi-los.

  12. WalsilWalsil disse:

    Matéria generaliza e trata todo funcionario como os exemplificado, quando na verdade a grande maioria não recebem nem perto do que tentam passar. Deveria mostrar que esses supersalarios estão no âmbito do judiciário e do legislativo que ficarão fora da reforma da previdência.

  13. Charles disse:

    Homi deixem essa dor de cotovelo de lado, vão estudar para serem funcionários públicos. Inveja mata. Kkkkkkk. Metam a cara nos estudos e tentem passar, se tiverem capacidade. Kkkkk

    • enilson. disse:

      Concordo com tds vcs. Não são os culpados mesmo. Mais o que me intristece e ver agora vcs sendo pisotiado e sento o vilão da história na crise da previdência e foram um dos milhões que foram as ruas junto com o pato amarelo pedir a saída dos petralhas. Agora estão prestes a entrar na história como.o.inimigo numuro 1 do sistema previdenciário. Que digo de passagem não são os vilões, os vilões mesmo estão atrás do paletó do judiciário , execultivo e lesgilativo. Bom dia. E viva o Brasil. Panelaços ontem e decepção e nmeancolia hoje. 2018 vem ai. Cuidado.em candidatos que caem de paraquedas.