Padre surfista passa por beatificação e canonização

(Fotos: Reprodução/ TV Globo)

Uma missa que aconteceu no domingo (8) marcou o fim da primeira etapa do processo de beatificação e canonização do médico Guido Schäffer. Ele também era seminarista e morreu em um acidente quando surfava, em 2009, aos 34 anos.

O evento contou com várias histórias de fé de pessoas que tiveram graças alcançadas e acreditam na capacidade de intercessão de Guido. “Ele ajudou uma pessoa só, ele ajudou várias. Vieram me falar, sou portador de esquizofrenia, sou depressivo, como ele achou tempo para atender cada uma dessas pessoas, para dar um conselho? Para mim isso é extraordinário”, explicou Angela Schäffer, irmã de Guido.

Os pais de Guido também compareceram à missa. “Para mim, é uma grande satisfação, uma alegria. Eu me sinto muito honrada, porque eu sei que tudo é graça de Deus. Fico feliz de ver que as virtudes dele estão sendo reconhecidas e que ele continua, mesmo tendo partido deste mundo, fazendo o bem a tantas pessoas”, contou Maria Nazaré Schäffer.

Maria Eduarda teve um problema no baço e, junto com a mãe, pediu proteção.

“Os médicos não entendiam, Eles viam o exame. Como assim? Ela não teve febre, ela não ficou prostrada? Não, ela não ficou, eu a deixei em casa, mas os resultados poderiam ser piores. Então, eu tenho certeza que ela foi curada. Ela sabia o que tinha que ir junto comigo ficava ali forte na fé”, contou Maria Marta Ferreira.

O encontro de jovens católicos começou em Copacabana e percorreu a orla até a Paróquia de Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, na Zona Sul. Uma cerimônia deu sequência ao processo que pode levar à canonização de Guido Schäffer. A primeira etapa aconteceu em 2014. Uma biografia do jovem surfista foi entregue à Santa Sé, em Roma, que aceitou o pedido da Cúria do Rio de Janeiro para seguir adiante. Guido foi declarado servo de Deus.

“Ele tinha encontrado uma felicidade que não se encontra nas drogas, no vício, no álcool. Ele era um exemplo daquilo que o jovem procura hoje”, destacou o Padre Jorjão.

Nesta segunda etapa, duas mil páginas distribuídas em cinco pacotes reúnem uma série de documentos e testemunhos. O material, reunido durante dois anos e meio, foi selado pelo cardeal Dom Orani Tempesta e será enviado ao Vaticano.

“Esperamos que o exemplo do Guido suscite muito mais gente do bem”, destacou o cardeal.

Se o Vaticano reconhecer a documentação como prova de que Guido Schäffer viveu as virtudes cristãs de forma heroica, ele passa a ser declarado venerável.

A partir daí, passa a ser declarada a terceira etapa, de beatificação, se comprovado um milagre. A quarta e última fase, de canonização, depende de um segundo milagre para ele ser declarado santo.

G1

 

Publicidade

Comentários: