Publicidade

Mega-Sena, concurso 2006: ninguém acerta e prêmio acumula em R$ 20 milhões

O sorteio 2006 da Mega-Sena, realizado neste sábado (20) em Itupeva (SP), acumulou. O valor estimado para o prêmio do próximo concurso, na quarta-feira (24), é de R$ 20 milhões, segundo a Caixa Econômica Federal.

Confira as dezenas sorteadas: 01- 09 -14 – 20 – 25 – 54.

De acordo com a Caixa, 71 apostas acertaram a quina e vão receber R$ 31.319,78 cada uma. Outros 5.500 bilhetes fizeram a quadra e vão levar R$ 577,58 cada um.

Para apostar

As apostas podem ser feitas até as 19h (de Brasília) do dia do sorteio, em qualquer lotérica do país. A aposta mínima custa R$ 3,50.

 

 

enviar comentário
Publicidade

Faturamento de Marília Mendonça chega a R$ 10 milhões por mês e sertaneja é a mais pedida

Marília Mendonça tem tudo para fazer de 2018 mais um ano próspero. Ela fatura R$ 10 milhões por mês com shows e arrecadação com suas músicas cantadas nas vozes de outros sertanejos.

Das “feminejas”, ela é a que mais tem pedido de shows, pelos quais os cachês variam de R$ 200 mil em dias de semana até R$ 350 mil aos sábados e domingos. Nestes valores não estão incluídos transporte e alimentação. Normalmente, R$ 30 mil são destinados a isso pelos contratantes.

Apesar de a crise ter atingido o mercado musical no ano passado, a agenda de Marília continua lotada. Só em janeiro, a cantora tem 11 shows agendados. Ou seja, só com apresentações já são mais de R$ 3 milhões. Das 100 músicas brasileiras mais tocadas em rádios do país, Marília aparece com três.

Além disso, a cantora de 22 anos tornou-se uma espécie de influenciadora digital. Se em 2015 ela somava 191 mil seguidores no Instagram, esse número saltou a olhos vistos. Hoje, quase 8 milhões de fãs (e haters) seguem o perfil da moça. Não é por acaso que a loura é chamada de “maquininha” no meio.

 

EXTRA

enviar comentário
Publicidade
Publicidade

Automação vai mudar a carreira de 16 milhões de brasileiros até 2030

A elite política e econômica global está preocupada com o futuro do trabalho.

Além das já conhecidas ameaças geopolíticas e ambientais, as transformações do mercado de trabalho também ganharam lugar de destaque na agenda do Fórum Econômico Mundial, que começa nesta terça-feira (23) em Davos, na Suíça.

Só no Brasil, 15,7 milhões de trabalhadores serão afetados pela automação até 2030, segundo estimativa da consultoria McKinsey.

Uma amostra recente foi o corte de 60 mil cargos públicos anunciado pelo governo Michel Temer este mês, boa parte em razão da obsolescência, como no caso de datilógrafos e digitadores.

No mundo, no período entre 2015 e 2020, o Fórum Econômico Mundial prevê a perda de 7,1 milhões de empregos, principalmente aqueles relacionados a funções administrativas e industriais.

A avaliação de especialistas da área é que o mercado de trabalho passa por uma grande reestruturação, semelhante à revolução industrial. A diferença é que agora tudo acontece muito mais rápido: desde 2010, o número de robôs industriais cresce a uma taxa de 9% ao ano, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT).

No Brasil, cerca de 11.900 robôs industriais serão comercializados entre 2015 e 2020, segundo a Federação Internacional de Robótica.

A Roboris, que tem entre seus clientes a Embraer, é uma das fornecedoras que atuam no país. Segundo o presidente da empresa, Guilherme Souza, 30, o interesse da indústria brasileira pela automação vem crescendo.

“Acredito que os custos falam por si só, são um fator bem convincente. Mas, mais do que os custos, as empresas perceberam que se não aderissem a essa tecnologia, elas não seriam mais competitivas”, afirma.

No mundo, entre 400 milhões e 800 milhões serão afetados pela automação até 2030, a depender do ritmo de avanço tecnológico, segundo a McKinsey. Isso equivale a algo entre 11% e 23% da população economicamente ativa global, calculada pela OIT em 3,5 bilhões de pessoas.

Isso não significa que todos perderão o emprego, mas que serão impactados em algum grau, que vai de desemprego a ter um “cobot” (colega de trabalho robô com quem divide as funções).

 

Folhapress

Comentários (3) enviar comentário
  1. renildo disse:

    …interessante vai ser a máquina comprar pão na padaria e comer, indo ao mercado, fazer compras e consumir, como a economia vai girar ?

  2. Gustavo Ferreira disse:

    O dia que Albert Einstein temia chegou!
    "Eu temo o dia em que a tecnologia ultrapasse e substitua a nossa interação humana. O mundo terá uma geração de idiotas."
    Albert Einstein

  3. Luciana Morais Gama disse:

    Muitos direitos, pouco trabalho!

Publicidade

Para que serve o Ministério do Trabalho?

Por trás da polêmica em torno da posse da deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) no Ministério do Trabalho, há outra discussão ainda mais importante e que tem sido deixada de lado. Para que serve o Ministério do Trabalho? Qual sua importância para o País? Justifica todo orçamento e estrutura que possui? A pasta conta, segundo o Portal da Transparência, com 7.046 servidores e gastou, no ano passado, R$ 3,3 bilhões apenas com pessoal e encargos sociais e investiu pouco mais de R$ 94 milhões. A previsão orçamentária para 2018 é de aproximadamente R$ 9 bilhões para administração direta – sendo R$ 3,4 bilhões para despesas com pessoal e encargos social e apenas R$ 64 milhões para investimentos.

Conforme consta em seu site institucional, o Ministério do Trabalho possui competências previstas na Constituição: política e diretrizes para a geração de emprego e renda e de apoio ao trabalhador; a modernização das relações do trabalho; fiscalização do trabalho, inclusive do trabalho portuário, bem como aplicação das sanções previstas em normas legais ou coletivas; política salarial. Porém, muitas dessas atribuições acabam ficando com o Ministério Público do Trabalho (MPT) e com a Justiça do Trabalho. Por exemplo: o combate ao trabalho escravo e infantil é uma das responsabilidades do MPT, assim como a aplicação de sanções a empregadores que desrespeitam os direitos de seus funcionários cabe à Justiça trabalhista.

Ações trabalhistas, dissídio coletivo, resolução administrativa de conflitos, nada disso passa pelo Ministério do Trabalho mais. Antigamente, o ministério era mais robusto. Administrava o imposto sindical, uma aberração existente desde a época de Getúlio. “Era o paraíso dos sindicatos e dos sindicalistas. Com o fim do imposto, a pasta ficou com apenas duas funções básicas: a gestão dos fundos (FGTS e Fundo de Amparo ao Trabalhador) e a manutenção das cartas sindicais”, afirmou Gil Castelo Branco, presidente da ONG Contas Abertas. Para ele, num momento de ajuste fiscal e aperto das contas públicas, o órgão até poderia ser extinto, gerando grande economia aos cofres públicos: “Os fundos podem ser geridos pela Fazenda, o que, de fato, já ocorre. A fiscalização do trabalho pode ser incorporada na fiscalização previdenciária. E os sindicatos são entidades privadas que devem aprender a viver às custas dos filiados”.

Apesar da ociosidade do principal gabinete da pasta, quase ninguém, nas últimas semanas, sentiu falta do Ministério do Trabalho. É a prova de que, para além da posse de uma nova ministra, é hora de questionar e debater sua real importância. Ou, ao menos, maneiras de incrementá-lo.

 

ISTOÉ

Comentários (7) enviar comentário
  1. paulo martins disse:

    Substituição à vista.
    Sai a "Jabuticaba" do Trabalho, entra a Justiça Robótica.
    E sairá muito mais eficaz e menos dispendiosa.
    Ah, tempos pós-modernos!

  2. Caio leoa disse:

    Serve pa nada !!! Absolutamente nada !! Bando de burocratas

  3. Chico disse:

    Serve e muito esses Ministérios, mas só pra engolir o dinheiro do contribuinte e da vida boa para um monte de desonesto.

  4. Edu disse:

    Hora de extinguir essa Justiça cara e ineficaz, ponto final.

  5. Luciana Morais Gama disse:

    Temos o Ministério do Trabalho com sua Delegacia Regional do Trabalho(DRT)……. Tribunal Regional do Trabalho (TRT)…… Ministério Público do Trabalho (MPT)…….

  6. Gustavo Ferreira disse:

    Onde estão o MBL e o Vem pra Rua?
    Onde estão os manifestantes vestidos em camisas da CBF e Máscaras do Japonês da Federal, desfilando com Patos gigantes nas tardes de Domingo?
    Onde estão os Paneleiros de Plantão?
    Onde andam os Guardiões da Moral, da Ética e dos Bons Costumes?
    Protestantes contr

  7. CIÇO disse:

    É a babá dos “trabalhadores” e a madrastas dos empreendedores !!!

Publicidade

Câmara deve instalar na volta do recesso comissão especial para proposta que restringe foro privilegiado

A comissão especial da Câmara dos Deputados destinada a discutir a restrição ao foro privilegiado deverá ser instalada na volta do recesso parlamentar, em fevereiro.

Deputados que já foram indicados pelos seus respectivos partidos para fazer parte do colegiado consideram viável a aprovação da proposta ainda neste ano.

Dos 35 integrantes, faltam as nomeações de 22. Assim que todos os nomes estiverem indicados, a comissão deverá começar a funcionar.

Atualmente, além dos presidentes da República, da Câmara, do Senado e do Supremo Tribunal Federal (STF), deputados, senadores, ministros e o procurador-geral da República só podem ser investigados ou processados no Supremo Tribunal Federal (STF); governadores, no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

 

G1

enviar comentário
Publicidade

Radar que mais multa em Natal está, pasmem, sobre a água

por Dinarte Assunção

O radar que mais multa em Natal está sobre o rio Potengi.

É na descida da Ponte Newton Navarro, no sentido Praia da Redinha, que está o equipamento que mais multou por excesso de velocidade no ano passado: foram 3.223 infrações.

Curiosamente, no sentido oposto, também há um equipamento, e ambos são conhecidos por motoristas que costumam passar no local. Mas o radar do sentido contrário sequer aparece no topo da lista dos equipamentos que mais multam.

Importante esclarecer que radar e lombada eletrônica só são capazes de capturar infração por excesso de velocidade, ao contrário de fotossensor, que captura infração por avanço do semáforo.

Em segundo lugar no ranking dos radares que mais multam está o equipamento situado na Avenida Bernardo Vieira, sentido zona Norte, antes do cruzamento com a Avenida 5. Foram 1.872 multas no ano passado.

Concluindo o ranking, é na Avenida Felizardo Moura, nas imediações da Rua Boa Vista, também no sentido zona Norte, que está o terceiro equipamento que mais multou por excesso de velocidade. Foram 1.516 infrações no ano passado.

No total, em 2017, radares e lombadas eletrônicas registraram em Natal 66.192 infrações por excesso de velocidade.

Confira:

Total por Radares e lombadas eletrônicas: 66.192

1º – Ponte Newton Navarro, sentido Praia da Redinha: 3.223

2º – Av. Bernardo Vieira, defronte ao nº 2453, sentido Zona Norte: 1.872

3º – Av. Felizardo Moura, imediações da Rua Boa Vista sentido Zona Norte: 1.516

Comentários (7) enviar comentário
  1. Nerivan disse:

    Devemos ter mais cuidados e obedecer a sinalização que por sinal deixa muito a desejar, agora pergunto para onde vai esse dinheiro dessas multas? Ruas esburacadas é uma sinalização precária!

  2. #ficadica disse:

    Aqui cai uma pergunta: pq os carros ainda saem das montadoras com potência de velocidade acima da permitida em todo território nacional….POR QUE? POR QUER? ALGUÉM SABE RESPONDER?

    • #ficadica disse:

      A lei q regulamenta a velocidade dos veículos é do tempo q as nossas estradas eram corroças …. tá na hora de ser revista….. falaram mto das leis trabalhistas q estavam atrasadas e essa não está?1

    • Tomaz disse:

      Estude!

  3. WRM disse:

    Se cometeu a infração tem que multar mesmo, no entanto é desanimador você ver tanto dinheiro que entra no DETRAN e o sua péssima qualidade no atendimento. Passei quase 8h pra renovar uma carteira. Má vontade dos atendentes é impressionante.

  4. Chico disse:

    Pra onde vai o dinheiro arrecadado???

Publicidade

Principal polêmica do ‘BBB da STTU’ ficou de fora do ranking das infrações do videomonitoramento

por Dinarte Assunção

Em vigor desde setembro do ano passado, as infrações por videomonitoramento despertaram em Natal o debate sobre o uso do celular ao volante, já que as 54 câmeras são capazes de registrar o que se passa dentro dos veículos.

Mas o uso do celular não está nas infrações mais cometidas dessa categoria. No ranking das multas, estacionar sobre a calçada lidera os registros, com 1.030 autuações.

Já estacionar na via em local proibido aparece logo atrás, com 615 infrações.

Por fim, aquela pressa que leva o natalense a fazer um retorno em local proibido rendeu 581 multas.

As multas dessa categoria são realizadas por agentes de mobilidade que monitoram o trânsito de maneira virtual. Por isso, o valor total das multas aplicadas por agentes inclui o videomonitoramento.

> Total videomonitoramento: 2.832

1º – Estacionar sobre o passeio (calçada): 1.030

2º – Estacionar em local proibido: 615

3º – Retorno em local proibido: 581

enviar comentário
Publicidade

Amarelinho x fiscalização eletrônica: quem multa mais? A resposta está aqui

por Dinarte Assunção

Os mais de 270 amarelinhos que Natal tem autuaram no ano passado 138.334 infrações de trânsito, o que representa 60% das multas registradas em 2017, maior, portanto, que os registros de radares e das multas captadas pelos fotossensores.

Os números já consideram as 2.832 infrações feitas por videomonitoramento – que dependem de um agente de trânsito para lavrar o auto a partir das imagens registradas na cidade. O sistema de vídeo opera desde setembro do ano passado.

Todas as infrações que compõem o pódio de multas são condutas sabidamente ilegais até no reino mineral.

Em primeiro lugar, estão os registros de quem deixou de usar o cinto de segurança. Foram 12.573 infrações.

Estacionar sobre o canteiro central aparece logo atrás, com 11.563 registros.

Já usar a faixa exclusiva é a terceira conduta no pódio, com 11.059 infrações.

Confira:

> Total por agente de mobilidade (incluído o videomonitoramento): 138.334

1º – Deixar o condutor de usar o cinto de segurança: 12.573

2º – Estacionar ao lado ou sobre o canteiro central: 11.563

3º – Transitar em faixa/via de trânsito exclusivo: 11.059

Comentários (4) enviar comentário
  1. Luciana Morais Gama disse:

    O carro é multado quando entra na faixa "SEMI EXCLUSIVA" , agora os ônibus circulam fora da faixa e não são multados, e ainda tem as motos que circulam entre uma faixa e outra. Pense numa zona!!!

  2. Sergio Nogueira disse:

    Ao blog, como leitor, contribuo com a seguinte reflexão sobre as faixas de ônibus.
    Verdade que elas são previstas no CTB, mas o que a STTU fez foi "inventar a roda". Criou a faixa "semi-exclusiva".
    O termo por si só já mostra o erro. Não existe, nem no CTB nem em qualquer lugar "semi exclusiva" da mesma forma que não existe "semi grávida". Quando uma faixa é destinada ao transporte público o é de forma absolutamente única, exclusiva, como dito.
    Aqui, para agradar taxistas e até dono de van escolar, permitem o uso das tais faixas por estes. E aí vem outra aberração. A autorização "é de boca". Não é oficial, pelo menos nunca achei a tal autorização na internet e duvido que exista e tenha sido publicada.
    Mas os erros de "arrecadação" não param aí. A forma como foi criada torna a punição dos motoristas uma ilegalidade gritante.
    O artigo do CTB que trata do tema, o 184 diz exatamente isso:
    Art. 184. Transitar com o veículo:
    I – na faixa ou pista da direita, regulamentada como de circulação exclusiva para determinado tipo de veículo, exceto para acesso a imóveis lindeiros ou conversões à direita:
    Infração – leve;
    Penalidade – multa;
    II – na faixa ou pista da esquerda regulamentada como de circulação exclusiva para determinado tipo de veículo:
    Infração – grave;
    Penalidade – multa.
    III – na faixa ou via de trânsito exclusivo, regulamentada com circulação destinada aos veículos de transporte público coletivo de passageiros, salvo casos de força maior e com autorização do poder público competente: (Incluído pela Lei nº 13.154, de 2015)
    Infração – gravíssima; (Incluído pela Lei nº 13.154, de 2015)
    Penalidade – multa e apreensão do veículo; (Incluído pela Lei nº 13.154, de 2015)
    Medida Administrativa – remoção do veículo.
    Vamos esquecer o inciso II porque em Natal a faixa de ônibus é a da direita.
    O inciso I diz claramente "circulação exclusiva para determinado tipo de veículo…" A faixa, como dito, é semi exclusiva, permitida para ôninus, vans e táxis, então não é exclusiva para determinado, no singular, tipo de veículo, mas DETERMINADOS, no plural. Repito: essa autorização é de boca, mas seguida pelos amarelinhos como se fosse oficial.
    O inciso III diz EXCLUSIVA para "transporte PÚBLICO de passageiros…" da mesma forma, como é liberada para vans e táxis que não são transporte público, como multar alguém por transitar na faixa por este inciso?
    Bom, sei que o interesse da STTU é arrecadar e não se prender a legislação, sempre mero detalhe para seus objetivos, mas é bom que mais pessoas saibam disso.

  3. Frasqueirino disse:

    Funarte, aprofunde a sua pesquisa e procure saber para o item 3° transitar em faixa exclusiva, quantos desses veículos são ônibus? Esse tipo de veículo praticamente são ignorados pelos agentes de trânsito, diferentemente dos carros de passeio. Muitas vezes os ônibus formam fila tripla!

    • Frasqueirino disse:

      Para deixar mais claro: os ônibus, apesar da faixa exclusiva sempre ocupam as outras duas destinadas aos carros de passeio.

Publicidade

Ninguém consegue entender por que no mesmo ponto dessa avenida há mais infração em uma mão do que na outra

por Dinarte Assunção

Avenida Jaguarari tem fotossensor nos dois sentidos, mas apenas um deles multa mais

 

Se a região Norte da cidade concentra as infrações por excesso de velocidade, por um lado; a Sul, por outro, concentra as multas por avanço do sinal vermelho ou parar sobre a faixa de pedestres.

Os fotossensores, que registram esse tipo de infração, captaram no ano passado 24.530 infrações. Vamos ao ranking.

No cruzamento das avenidas Jaguarari com Amintas Barros está o campeão. Ali, no sentido Centro de Natal, foram registradas 8.070 infrações no passado. O mesmo ponto, no sentido contrário, ocupa ainda o terceiro lugar do pódio, com 1.571 infrações.

Já o segundo lugar da lista está nos cruzamentos da Avenida Alexandrino de Alencar com a Rua Fonseca e Silva, no sentido Base Naval. Foram 4.677 infrações no ano passado.

> Total por fotosenssores: 24.530

1º – Rua Jaguarari x Av. Amintas Barros sentido centro: 8.070

2º – Av. Alm. Alexandrino de Alencar x Rua Fonseca e Silva sentido Base Naval: 4.677

3º – Rua Jaguarari x Av. Amintas Barros sentido bairro: 1.571

Comentários (9) enviar comentário
  1. Júnior disse:

    Só mesmo Carlos Eduardo pra botar esse estado nos eixos. Carlos Eduardo 2018

  2. Gustavo disse:

    O tempo do sinal amarelo sempre foi extremamente rapido e o foco do semáforo estava torto.

  3. Antônio Câmara disse:

    O problema ali é o tempo do sinal no sentido que mais multa. Até dezembro o amarelo era rápido demais, raras vezes dava pra atravessar sem ser multado. Minha esposa foi 2x, em uma delas eu estava no carro e vi que não foi culpa dela.
    Imoral esse roubo! Carlos Eduardo nunca mais! Quero que seja candidato ao governo e perca pra ficar sem administrar nada nesse estado. Fora Alves!

  4. Fácil disse:

    É óbvio. Um sentido é descida (mais multas). O outro é subida (multa menos).

  5. Anacleto disse:

    Vivemos nas mao da indutria de multa para que sejam continua a os previlegios dos senhores politicos e cia .

    • Tomaz disse:

      Vamos exterminar a indústria dA MULTA respeitando às normas de trânsito

  6. Cláudio disse:

    Qualquer um consegue entender… além da razão já exposta da descida/subida, há também o fato que no sentido Centro o pessoal tá indo pro trabalho, às vezes com maior rigor de horário, não se atrasar, etc, o que não ocorre na volta, que o motorista vem mais relaxado

  7. Sergio Nogueira disse:

    Pouca gente teve a curiosidade de tirar uma foto daquelas letrinhas miúdas embaixo da foto do carro. Durante um bom tempo aquele sensor da Jaguarari com Amintas, sentido centro, estava com a certificação vencida, mas mesmo assim as multas foram aplicadas e cobradas.

  8. DUDU disse:

    É que no sentido que mais multou é uma descida, logicamente, o modista, desatento, tende a dirigir em velocidade mais alta do que no sentido contrário que é uma subida.

Publicidade

Infração de trânsito mais cometida pelo natalense em 2017 foi flagrada por equipamento eletrônico

por Dinarte Assunção

Todos os dias, 627 infrações de trânsito, em média, são registradas em Natal, de acordo com levantamento disponibilizado pela Secretaria de Mobilidade Urbana (STTU) a pedido do BlogdoBG.

Os erros cometidos nas vias da cidade são flagrados por agentes de trânsito, fotossensores, lombadas eletrônicas, radares e, mais recentemente, videomonitoramento.

As infrações mais cometidas são justamente as condutas que são senso comum, ou seja, conhecidas exatamente porque não podem ser feitas. É como se o natalense decidisse se arriscar contrariando a lei.

Ao longo de 2017, foram exatas 229.055 infrações registradas por amarelinhos e equipamentos eletrônicos nas ruas de Natal.

A infração campeã e que depende da fiscalização eletrônica para ser flagrada foi o excesso de velocidade.

Já aquela que depende da fiscalização humana para ser apanhada foi a falta de cinto de segurança.

Confira o ranking geral:

> Total geral (agentes e equipamentos eletrônicos): 229.055

1º – Transitar em velocidade superior a máxima em até 20%: 63.465 | 27,71% do total

2º – Avançar o sinal vermelho do semáforo (eletrônico): 15.044 | 6,57 % do total

3º – Deixar o condutor de usar o cinto de segurança: 12.573 | 5,49% do total

Comentários (3) enviar comentário
  1. Júnior disse:

    Só mesmo Carlos Eduardo pra botar esse estado nos eixos. Carlos Eduardo 2018

  2. Kennedy Diniz disse:

    Sem duvida o local de maior números de inflaçoes aconteceram na Bernardo Vieira.

  3. CHICO-CHIC disse:

    Certíssimo.
    Parabéns aos amarelinhos, deve ser horrível trabalhar com tanta pressão desses natalenses boçais, que se acham dono de tudo e parente de toda a gente importante.
    E mesmo assim, esses condutores incapazes dizem que é indústria da multa. Não sabem nem entrar e sair de uma rotatória e quando sã autuados, esperneiam que é indústria da multa.

Publicidade

O mapa da multa em uma imagem: infográfico resume tudo que você precisa saber

Comentários (3) enviar comentário
  1. CARLA disse:

    O bom mesmo era saber pra onde vai o dinheiro arrecadado. Uma prestação de contas a toda sociedade. Pq esse valor se mistura com os orçamentos q a secretaria de trânsito tem direito, ai ninguém sabe pra onde vai….

  2. Fernando Antônio Bastos disse:

    E a maldade continua, lógico, para sustentar parcerias com empresas de tecnologia, manter cabides de emprego público e ARRECADAR, nada melhor do que a indústria das multas, campanhas educativas, orientação no transito, fica por conta dos contribuintes mesmo.

    • Tomaz disse:

      Se eu não infringir as normas de trânsito serei multado?ajude a exterminar a indústria respeitando às normas de trânsito.

Publicidade