Publicidade

Delação de Marcos Valério atinge FHC, Lula e Aécio

Marcos Valério, em 2005; condenado no mensalão, o publicitário agora entregou 60 anexos no acordoPOR FOLHAPRESS

acordo de delação firmado entre o publicitário Marcos Valério e a Polícia Federal, que detalha um esquema conhecido como mensalão tucano, também atinge os senadores Aécio Neves (PSDB-MG) e José Serra (PSDB-SP), além dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

Segundo a Folha apurou, a colaboração com a PF incorpora 60 anexos (relatos de episódios de supostas irregularidades) que haviam sido rejeitados pela Procuradoria-Geral da República e pelo Ministério Público de Minas Gerais. O novo acordo ainda ampliaria a lista de implicados.

A delação, assinada neste mês, foi enviada ao STF (Supremo Tribunal Federal) e depende de homologação. Não está claro quais episódios serão considerados e investigados pela PF.

Valério escreveu a delação à mão na prisão e teve os anexos posteriormente digitados. Os relatos contêm erros de grafia, além de equívocos em nomes de personagens e datas.

Condenado a mais de 37 anos de prisão pelo mensalão, Valério também é réu acusado de operar desvios por meio de suas agências de publicidade, a SMP&B e a DNA Propaganda, para financiar a fracassada campanha de reeleição do então governador mineiro, Eduardo Azeredo (PSDB), em 1998.

Uma planilha assinada pelo publicitário aponta que a campanha recebeu cerca de R$ 10 milhões (R$ 33 milhões hoje) em desvios de estatais como a Cemig, Copasa, Furnas, Comig, Eletrobras, Petrobras, Correios, Banco do Brasil e Banco do Estado de Minas Gerais, que seria privatizado ainda em 1998.

O documento, com data de 1999, foi entregue à PF. O relatório aponta ainda que quase R$ 48 milhões (R$ 159 milhões atuais) foram obtidos via empréstimos, especialmente com o Banco Rural. As dívidas, segundo os anexos, seriam quitadas por construtoras, como a ARG e a Andrade Gutierrez.

De acordo com o controle de Valério, foram arrecadados e distribuídos ao menos R$ 104 milhões (R$ 346 milhões corrigidos) na campanha. A lista de recebedores inclui políticos e membros do Judiciário.

Segundo a narrativa do publicitário, o esquema de empréstimos fraudulentos do Banco Rural e ainda um repasse de R$ 1 milhão da Usiminas via caixa dois beneficiaram também as campanhas de FHC (1998), Aécio (2002) e Serra (2002). A siderúrgica também foi usada na eleição de Lula, em 2002, conta Valério.

Os anexos afirmam que Serra atuou, após perder a eleição presidencial de 2002, para resolver pendências do Banco Rural e, em troca, teve R$ 1 milhão de dívidas de campanha pagos pelo banco por meio da SMP&B.

PROPINA

Valério relata, nos anexos apresentados ao Ministério Público, pagamento de propina em troca da obtenção de contratos para suas agências. Durante o governo FHC, afirma, a DNA propaganda repassou a Aécio 2% do faturamento do seu contrato com o Banco do Brasil, que havia sido arranjado pelo senador com o aval do ex-presidente.

O publicitário conta que, no governo Lula, pagava R$ 50 mil por mês ao ex-ministro José Dirceu (PT) como acerto por uma conta de publicidade dos Correios. A troca de favores teria se repetido em órgãos como a Câmara dos Deputados, o ministério dos Esportes e a Assembleia de Minas, entre outros.

Valério afirmou ainda que Aécio encontrou-se, em Belo Horizonte, com a diretoria do Banco Rural e com os então deputados Eduardo Paes (PMDB-RJ) e Carlos Sampaio (PSDB-SP), da CPI dos Correios, de 2005, para blindar investigações sobre a campanha de Azeredo. A maquiagem de dados do banco pelo tucano foi delatada também pelo ex-senador Delcídio do Amaral (ex-PT-MS).

Em outra CPI, a do Banestado, de 2003, o Banco Rural, segundo Valério, repassou R$ 500 mil a parlamentares por meio do deputado federal José Mentor (PT-SP) para escapar de acusações.

MENSALÃO

Os 60 anexos iniciais de Valério narram que o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, foi nomeado pelo ex-presidente para ser o contato com a SMP&B em meio à crise do mensalão, em 2005, e acertou um pagamento via Andrade Gutierrez.

“Ficou acertado uma ajuda no valor de R$ 5 milhões para pagar as despesas dos advogados […]. Ele nos falou que a construtora Andrade Gutierrez faria o pagamento […]. Pagamos os advogados dos réus, dando um pouco para cada um dos seis réus do núcleo político”, relata.

Valério diz ainda que, junto com o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, articulou um encontro entre o banqueiro Daniel Dantas e o ex-ministro Antonio Palocci para resolver problemas do Grupo Opportunity com o governo Lula.

Em troca, a Brasil Telecom, controlada pelo grupo, contratou serviços superfaturados do publicitário Duda Mendonça no valor de R$ 12 milhões.

Os anexos relatam ainda uma série de episódios envolvendo propina, como o pagamento de uma reforma no estádio do Morumbi e em prefeituras mineiras.

TENTATIVAS

As tratativas para delação começaram ainda em meados no ano passado. Um ofício de junho do Ministério Público de MG pede que os relatos sejam enviados à PGR por tratarem de políticos com foro privilegiado no STF. A Procuradoria chegou a enviar representantes a Minas, mas não levou o acerto adiante.

Uma nova tentativa com a 17ª Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público de BH foi recusada em março deste ano.

Sete réus do mensalão tucano, incluindo Válério, ainda aguardam julgamento. O episódio gerou, até agora, a condenação de Azeredo a 20 anos e dez meses de prisão por peculato e lavagem de dinheiro. O julgamento em segunda instância está marcado para o próximo dia 8.

OUTRO LADO

A defesa do ex-governador de Minas Eduardo Azeredo (PSDB-MG) afirma que não irá fazer comentários antes de ter acesso à delação.

Alberto Toron, advogado do senador Aécio Neves (PSDB-MG), diz que as acusações de Marcos Valério são falsas e que o publicitário “busca, reiterada e desesperadamente, benesses para amenizar sua pena”.

“Muitas das acusações que agora faz contra o senador Aécio Neves, antigamente fazia contra o PT. Seu discurso se amolda e seus personagens se alteram, não de acordo com a verdade, mas de acordo com seus interesses privados e escusos”, diz Toron.

O advogado argumenta que o contrato da DNA, de Valério, com o Banco do Brasil foi firmado em 1994, antes do governo Fernando Henrique Cardoso. “O próprio Ministério Público, em outras oportunidades, reconheceu e descartou as inverdades dos discursos proferidos pelo sr. Marcos Valério.”

A assessoria do ex-presidente FHC afirma que ele desconhece a delação e qualquer pagamento de caixa dois em sua campanha à reeleição.

A assessoria do senador José Serra (PSDB-SP) afirmou que “todas as suas campanhas eleitorais foram conduzidas dentro da lei, com as finanças sob responsabilidade do partido”. “Acusações dessa natureza envolvendo o senador são descabidas e completamente absurdas.”

A assessoria do Instituto Lula afirma que, desde 2012, Valério faz acusações sem provas contra o PT e contra o ex-presidente Lula. Diz ainda que todas as investigações foram arquivadas pelo MP e que Paulo Okamotto não irá comentar suposições de delações.

O advogado de José Dirceu, Roberto Podval, diz que dar credibilidade a Valério é “desacreditar o próprio instituto da delação, que deve ser tratado com responsabilidade”.

O deputado José Mentor (PT-SP) afirmou não ter conhecimento da delação e que “não tratou de qualquer assunto da CPI do Banestado com Valério”.

A assessoria do Banco Opportunity afirma que Daniel Dantas não se encontrou com o então ministro Antonio Palocci. “Delúbio Soares pediu ao Opportunity que o ajudasse a pagar dívidas do PT, o que foi rejeitado.”

Segundo a assessoria, a agência de Duda Mendonça foi responsável pelo lançamento da Brasil Telecom GSM, empresa de celular. O publicitário sugeriu o plano “Pula-Pula: o consumidor pagava num mês, não pagava no outro –o que era fácil de entender e foi sucesso.”

A defesa de Duda Mendonça preferiu não se manifestar. A defesa de Delúbio afirma que não teve acesso à delação, mas reafirmou que o ex-tesoureiro do PT nunca cometeu qualquer ato ilegal e está à disposição para esclarecimentos.

A assessoria da Andrade Gutierrez afirma que a empresa, que firmou acordo de leniência, não vai comentar a delação, mas “reforça seu compromisso público de esclarecer e corrigir todos os fatos irregulares ocorridos no passado”.

Folha não obteve sucesso no contato com o ex-prefeito do Rio Eduardo Paes (PMDB), com o deputado federal Carlos Sampaio (PSDB-SP) e com o ex-ministro Antonio Palocci nesta sexta (21).

Comentários (7) enviar comentário
  1. Nazareno disse:

    O golpe só completa-se com LULA inelegível. Nós povo brasileiro estamos pagando um preço muito alto. temos todas as armas, temos urnas no próximo ano vamos banir estes golpista da politica. Porque eles adoram PODER.

  2. Ana disse:

    Acredito q muitos desses políticos corruptos seram condenados. Tinha que pegar de cima a baixo, fazer uma limpeza geral do mensalão nacional ao mensalinho local( que tinha que ser revisto) do contrário sempre haverá uma brecha, uma saida. Portanto cadeia para todos.

  3. Jorge disse:

    Não devemos e não podemos ter LADRAO PREFERIDO,LULADRAO,Aecio ,Temer ,Dilma …Maia ,roubou ,CADEIA

  4. CURITIBA JÁ disse:

    Lula consegue estar envolvido em roubo até dos outros partidos????? com consegue??

  5. Jorjão disse:

    O PSDB e toda direitona vai se fundir num único partido e este será conhecido com TEFLON! Nada pega neles… Viram agora a qustão da obstrução da justiça de Sarney, Jucá e Renam. Escaparam todos. Ilesos. E nos Lesos…

  6. #FORAMAIA disse:

    De antemão já sabemos, a justiça só vai condenar Lula. O resto é blindado pelos 4 poderes!

    • Netto disse:

      Cunha, por exemplo, não tá preso?
      Renan, por exemplo, não tá solto?

Publicidade

Delegada da PF diz que ex-senador Sérgio Machado não é merecedor de benefícios de delação

O Globo

Em relatório entregue ao Supremo Tribunal Federal (STF), a delegada Graziela Machado da Costa e Silva, da Polícia Federal (PF), concluiu que a delação premiada de Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, não foi eficaz. Assim, ela opinou que Machado, um dos delatores da Operação Lava-Jato, não é merecedor dos benefícios concedidos. A avaliação foi feita em relatório no qual a delegada entendeu que os senadores Renan Calheiros (PMDB-AL) e Romero Jucá (PMDB-RR) e o ex-presidente José Sarney (PMDB) não cometeram o crime de obstrução à Justiça.

Os três são investigados em inquérito aberto no STF com base em gravações feitas por Machado sem o conhecimento deles. Segundo a delegada, foi o próprio delator quem instigou seus interlocutores a tratarem de medidas que poderiam significar tentativa de atrapalhar as investigações da Lava-Jato. Machado teve seu acordo firmado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e homologado pelo ministro Teori Zavascki, antigo relator da Lava-Jato no STF e morto em janeiro deste ano.

enviar comentário
Publicidade

PT e PC do B assinam apoio a regime de Nicolás Maduro na Venezuela

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro (Foto: Reuters)O Estado de S.Paulo

Os três principais partidos de esquerda do Brasil – PT, PC do B e PDT – intensificaram o discurso em defesa do regime chavista de Nicolás Maduro na Venezuela no momento que o país vizinho vive uma escalada de violência política que já deixou mais de cem mortos desde abril, segundo o Ministério Público local.

Nesta quarta-feira, 19, o PT e o PC do B subscreveram em Manágua, capital de Nicarágua, a resolução final do 23.º Encontro do Foro de São Paulo, organização que reúne diversos partidos de esquerda da América Latina e do Caribe.

O texto defende a elaboração de uma nova Constituição que amplia os poderes de Maduro, exalta o “triunfo das forças revolucionárias na Venezuela” e diz que a “revolução bolivariana é alvo de ataque do imperialismo e de seus lacaios”.

Comentários (22) enviar comentário
  1. José neto disse:

    Pedem eleições diretas no Brasil mas são contra na Venezuela

  2. Waldemir disse:

    Isso é o PT
    O povo não tem dinheiro para comprar pão
    E o maior líder do PT tem em uma conta do
    9.000.000,00 kkkk tonto desses MILITONTOS
    Kkkkkkk
    FOra PT e os MILITONTOS

  3. Azevedo disse:

    Não sei aonde estavam os militares brasileiros quando não eliminaram de vez essas pragas de esquerda que só querem ver a desgraça do povo. Tem que aparecer alguém para eliminar esse terrorista e sanguinário ditador da Venezuela, pois só assim o povo desse país viverá em paz é livre desse terrorismo que impera atualmente nesse País.

  4. Netto disse:

    Quem for desses partidos, mas que não tiver intenção de fazer carreira dentro deles ou
    do aparato estatal, se desfilia ONTEM , diante de uma notícia dessas.

  5. Marcos disse:

    Os que se intitulam democráticos.

  6. Chico da burra disse:

    Eu já não votava nesses partidos, agora acabou de lascar o resto, além de não votar vou começar a combatê-los o máximo que puder!!! Apoiar um governo falido, autoritário, que fez com que as pessoas da Venezuela passem fome, e ainda apoiar uma ditadura dessas? Agora comprovei que o povo que acompanha o PT são uns alienados de verdade!!!

    • Rick disse:

      Chico, não é alienação. É arrogância misturada com inveja mesmo.
      É a vontade de mandar nos outros, por se julgarem luminares.

  7. Chico disse:

    Eu não acredito, esses 2 partidos são ótimos , é entrega da oposição 😂😂😂😂

  8. Netto disse:

    O chavismo estatizou, nacionalizou, expropriou, inclusive vastas fazendas para fazer a tal 'revolução alimentar' deles, tabelou, criou controles de todos os tipos, incluindo sobre preços, contratos, câmbio, botou milicianos brucutus para achacar comerciantes…. fez tudo o que lhe deu na telha em termos de economia, isso tendo o tão demonizado EUA como maior parceiro comercial (jogar pra pletéia.. tem trouxa que cai) e com o preço do petróleo favorável em grande parte do tempo.

    Só que em vez de pegar as receitas do petróleo para usar de forma sábia (alguns países ajuizados usam para reinvestimentos) preferiu usar para importar produtos e vendê-los em suas cadeias de 'abastos' (supermercados) e em programas sociais. Lindo, né?

    Resultado: com o concurso dos fatores acima, quebrou a cadeia produtiva nacional (inclusive com comprometimento da petrolífera) o que tem levado a uma verdadeira diáspora, já que a elite empreendedora do país vazou para o Exterior, ficando uma nova elite, chamada de boliburgueses (ligada ao chavismo), muito ligada ao narcotráfico e a comercialização dos escaços produtos pela burocracia estatal no mercado negro (bachaqueros). E quanto mais a penúria aumenta, mais o chavismo intervem, aumentando ainda mais a escassez.

    Partidos que apoiam isso merecem ser banidos, como partidos de caráter nacional-socialista.

  9. Jorge disse:

    Esses PTRALHAS tem que morar na Venezuela,

  10. Jones disse:

    Perdem toda a credibilidade.

  11. Blue disse:

    Mostram q só possuem coco na cabeça.

  12. José Dantas disse:

    Doentes sem cura…

  13. Sérgio dias disse:

    Claro que tem que assinar, tudo que não presta eles estão por trás ou apoiam. Essa é o modelo que eles queriam implantar no nosso querido Brasil, digo "Queriam".

  14. paulo disse:

    BG
    Grande novidade esses meliantes apoiando esse palhaço da Venezuela.

  15. Carlos Lima disse:

    Isso PT, mostra a tua cara prá os trouxas do Brasil verem realmente quem são vocês e no queriam transformar nosso país! Xô PT! Lula na cadeia!

  16. Abel disse:

    Quase que embarcamos nessa loucura, ainda bem que só ficou a conta pra nós pagar. PT nunca mais, é nocivo para o país e os brasileiros.

  17. Joao disse:

    Os dois partidos do Gopi contra a democracia e a favor da corrupção venezuelana. Fortes indícios do que pretendiam fazer aqui, transformar o Brasil numa colônia cubana. Petistas parasitas.

    • Jairo Tario disse:

      somos 54 milhões de votos. Pode chorar. 2018 vem ai

    • Sávio disse:

      Não tenha a menor dúvida que uma ditadura de esquerda, será o plano deles, se o PT ganharem novamente em 2018.

Publicidade

Após denúncia do MPRN, Justiça condena ex-prefeito, ex-secretário e ex-vereadores de Vila Flor

A juíza de Direito da comarca de Canguaretama, Daniela do Nascimento Cosmo, julgou parcialmente procedente denúncia do Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) ofertada contra um ex-prefeito de Vila Flor e outras seis pessoas. O ex-gestor municipal Grinaldo Joaquim de Souza e o ex-secretário de Administração Antônio Ivanaldo de Oliveira foram condenados por associação criminosa e corrupção ativa. Já os ex-vereadores Pedro Francisco da Silva, Irinaldo da Silva, Hilton Felipe de Oliveira, Vidalmir Santos Brito e Magno Douglas Pontes de Oliveira foram sentenciados por envolvimento com os crimes de associação criminosa e corrupção passiva. O esquema foi desvendado pelo MPRN na operação Mensalão da Vila.

A denúncia foi decorrente de operação deflagrada pelo MPRN em julho de 2011, que descortinou o pagamento de vantagem ilícita a vereadores da Câmara Municipal de Vila Flor por parte do então prefeito, intermediado pelo ex-secretário municipal de Administração, Antônio Ivanaldo, conhecido por “Antônio de Bea”. O objetivo era a aprovação, pelos então vereadores, de projetos de interesse do Executivo, além de que não fosse exercida a atividade fiscalizatória, por parte dos parlamentares, dos atos praticados pelo ex-prefeito.

Do que foi apurado e provado, a Justiça considerou demonstrada a associação criminosa entre o prefeito, seu secretário de Administração, e o então presidente da Câmara, Pedro Francisco, que formavam o núcleo do esquema, ofertando ou entregando vantagens aos demais vereadores Irinaldo da Silva, conhecido por Pinto, Hilton Felipe de Oliveira, Vidalmir Santos Brito, conhecido por Macinho, e Magno Douglas Pontes.

A juíza Daniela do Nascimento não reconheceu a pretensão punitiva do Estado em desfavor de outros quatro denunciados.

Individualização das penas

A magistrada condenou o ex-prefeito pelo crime de associação criminosa (previsto no art. 288 do Código Penal) e cinco vezes pela prática do crime de corrupção ativa (art. 333 do CP) cominado com os artigos 327 (que prevê aumento de pena por ser servidor público) e 69 (em concurso material), ambos também do Código Penal brasileiro, totalizando para os dois tipos penais (de associação criminosa e de corrupção ativa) a pena de 14 anos de reclusão e mais 330 dias-multa, com regime fechado para o início do cumprimento.

Para o ex-secretário municipal de Administração, a juíza de Direito Daniela Cosmo fixou um total também de 14 anos de reclusão e 300 dias-multa, considerando os mesmos crimes, concedendo igualmente a possibilidade de recorrer em liberdade.

O ex-presidente da Câmara de Vereadores de Vila Flor, Pedro Francisco da Silva, foi condenado por associação criminosa e corrução passiva (tipificado no art. 317 do CP) combinados com os artigos 327 e 69 do Código Penal, totalizando quatro anos de reclusão e 100 dias-multa. Como o réu não é reincidente e a pena não ultrapassou os quatro anos, foi fixado o regime aberto para o cumprimento da pena privativa de liberdade, que foi substituída pela juíza de Direito por duas penas restritivas de direitos: a prestação de serviços à comunidade e o pagamento de trinta salários-mínimos.

A mesma pena fixada ao então presidente da Câmara Municipal foi estipulada para os outros quatro vereadores condenados, Irinaldo da Silva, Hilton Felipe, Vidalmir Santos e Magno Douglas.

Confira as íntegras da denúncia e da sentença.

MPRN

Comentário (1) enviar comentário
  1. Sirlei Bassani disse:

    Parabéns. …. Só prisão é a devolução do dinheiro?

Publicidade

Raniere Barbosa e Cláudio Santos participam de debate sobre Segurança Pública em Pau dos Ferros

A segurança pública do Rio Grande do Norte foi tema de debate realizado em Pau dos Ferros com a presença do ex-presidente do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, desembargador Cláudio Santos na sexta-feira (21).

Ele participou do evento a convite do presidente da Federação das Câmaras Municipais do Rio Grande do Norte (Fecam-RN), vereador Raniere Barbosa. Cláudio Santos já exerceu o cargo de secretário de Estado da Segurança Pública. Também participaram do evento o primeiro vice da Fecam, Odair Diniz; o segundo vice, Iron Júnior, e o presidente da Câmara de Pau dos Ferros, Eraldo Alves.

O debate contou com a participação de parlamentares das cidades de Água Nova, Alexandria, Almino Afonso, Antônio Martins, Coronel João Pessoa, Doutor Severiano, Encanto, Francisco Dantas, Frutuoso Gomes, João Dias, José da Penha, Lucrécia, Luis Gomes, Major Sales, Marcelino Vieira, Martins, Pau dos Ferros, Paraná, Pilões, Portalegre, Rafael Fernandes, Riacho de Santana, São Francisco do Oeste, São Miguel, Serrinha dos Pintos, Taboleiro Grande, Tenente Ananias e Venha Ver.

enviar comentário
Publicidade

Onde foram parar os escudeiros de Dilma

Onde foram parar os escudeiros  de Dilma

Eles haviam alcançado o Olímpo político. Eram figuras do mais alto escalão na Esplanada dos Ministérios em Brasília e donos de trajetória ascendente no PT. Hoje, vivem no ostracismo. E, por ora, por mais contraditório que possa parecer, querem mesmo ficar por lá – de preferência longe das luzes da ribalta. Alvos da Lava Jato, Aloizio Mercadante, Ricardo Berzoini, José Eduardo Cardozo e Erenice Guerra tentam tocar suas vidas de forma reclusa, bem diferente de um passado recente, quando encarnavam os papéis de principais escudeiros da ex-presidente Dilma Rousseff.

Acusado de obstrução de Justiça e delatado por suposto caixa dois, o ex-ministro da Casa Civil, da Educação e da Ciência e Tecnologia Aloízio Mercadante pediu aposentadoria este ano. Recebe R$ 15 mil mensais como ex-senador, ex-deputado e professor da Unicamp. Para complementar a renda, se vira como consultor. “Ele está desenvolvendo uma consultoria sobre política educacional brasileira para um organismo multilateral”, confirmou sua assessoria. Em setembro, foi hostilizado em Portugal. Conhecido por seu temperamento difícil, o ex-senador foi vaiado e xingado de “ladrão” e “corrupto” no Aeroporto de Lisboa, por supostamente furar a fila do check-in. Ele nega.

Tal como o companheiro de partido, Berzoini, hostilizado recentemente num restaurante, só que sem furar o lugar de ninguém, também resolveu submergir. Neste caso, um recuo tático: o petista já trabalha com um olho nas eleições de 2018. Ex-deputado por São Paulo, ele mudou seu domicílio eleitoral para Brasília este ano. Petistas ouvidos por ISTOÉ garantem que ele é um dos cotados para ser candidato a deputado federal ou mesmo a governador do DF.

Funcionário de carreira do Banco do Brasil, Berzoini deixou de disputar as eleições de 2014 para ajudar na campanha de Dilma Rousseff. Agora, avaliam, seria a hora de o PT retribuir o esforço. Em Brasília, o ex-parlamentar disputaria o mesmo nicho de votos da sindicalista Érika Kokay (PT), uma das principais lideranças da legenda na cidade. Segundo Érika, ainda não há definição de nomes para a disputa de 2018. “Mas seria uma honra e um orgulho para o PT ter o ex-deputado Berzoini disputando qualquer cargo”, disse Érika.

O que representa um orgulho para o PT não necessariamente constitui um orgulho para a população. Berzoini foi duplamente delatado na Lava Jato. Em 2016, o executivo da Andrade Gutierrez Flávio Machado contou que Berzoini pediu 1% de propinas de todas as obras da empresa com o governo federal. Já o ex-presidente da OAS Leo Pinheiro envolveu Berzoini numa trama para enterrar a CPI da Petrobras, potencialmente constrangedora para o governo Dilma.

 

ISTOÉ

Comentários (7) enviar comentário
  1. Felipe disse:

    Eu estou sentindo falta das panelas e dos patos. Ninguém se meche, ninguém faz nada. Esse governo aumenta imposto para arrecadar 10 bi para ajustar contas e gasta 15 bi com os deputados da CCJ. Isenta o Itaú em 25 bi; renuncia 220 bi de 300 bi no refis e ainda permite que um deputado sonegador seja relator.

    Ninguém sai de casa, não aparece dança, não aparece pato….eu já tou achando que aquelas coisas todas eram contra um ou outro e não contra a corrupção.

  2. Paulo Cardoso disse:

    O mínimo que o brasileiro pode fazer para afirmar sua insatisfação com o sistema é não comparecer às urnas até mesmo porque o máximo que se tem conseguido com o voto é a substituição do corrupto

  3. paulo disse:

    BG
    Quem foi o anfitrião da Policia Federal ontem em areia preta???????????

  4. Comedor de Coxinha disse:

    Enquanto os ot#$arios se preocupam com o PT, os golpistas vão fazendo a festa, inclusive com aumentos estratosféricos da gasolina.
    Mas para joão e Edu isso é o de menos!
    Doentes.

  5. Joao disse:

    Deviam ir morar na Venezuela já que apoiam a ditadura homicida de maduro.

  6. Junior disse:

    Calma, muita calma, pois tudo se repetirá com esse desgoverno do TEMERoso, a FIESP já está bem mansinha!!! O pato já apareceu!!!

  7. Edu disse:

    Cadê os do RN?

Publicidade

Em imagem de radar, cão parece ‘dirigir’ carro em rua de Blumenau; veja

Imagem foi tirada durante fiscalização de rotina (Foto: Seterb/Divulgação)

Uma imagem de radar de Blumenau, no Vale do Itajaí, flagrou na quinta-feira (20) um cachorro no banco do motorista. Como o real condutor estava na sombra, o cão parece estar “dirigindo” o veículo.

A imagem foi tirada na Rua República Argentina, no bairro Ponta Aguda, segundo o Serviço Autônomo Municipal de Trânsito e Transportes (Seterb).

De acordo com o órgão, a imagem do radar foi feita de manhã, durante uma fiscalização de rotina. A velocidade máxima na via é de 60 km/h e o carro trafegava a 71 km/h. O motorista foi multado com uma infração de natureza média, com o valor de R$ 130,16.

O Seterb também esclarece que cachorros não podem ser transportados dessa forma em carros. Existem duas opções seguras, sempre no banco de trás do veículo.

Uma é levar o cão dentro de uma caixa de transporte e prendê-la no cinto de segurança. A outra é colocar no cachorro um cinto específico, vendido em pet shops, e prender o material no cinto de segurança do automóvel.

G1

enviar comentário
Publicidade

Brasileira tenta visitar amigos na Irlanda e é mandada para a prisão

A brasileira Paloma Carvalho, 24, que foi presa em Dublin

A brasileira Paloma Aparecida Carvalho, 24, chegou a Dublin, na Irlanda, na terça-feira (18), com a expectativa de visitar amigos que fez no país entre 2015 e 2016, quando foi aluna de intercâmbio e “au pair” (babá). No entanto, após cerca de uma hora de conversas com funcionários da imigração do aeroporto, foi enviada à prisão, onde teve que passar a noite e também a maior parte do dia seguinte.

“Foi uma humilhação inacreditável. Não desejo para ninguém o que aconteceu comigo. Fiquei sem comer nem dormir por todo o tempo na cadeia. Não conseguia e ainda não consigo entender exatamente o porquê de terem feito isso comigo”, diz Paloma.

Ela conta que chegou em Dublin no começo da tarde de terça-feira (18), por volta das 16h (horário local), saindo da Suíça, onde estava para visitar os pais de seu noivo, Christian.

Carregando passaporte, passagem de saída (marcada para 25 de setembro), € 1.100 (cerca de R$ 4.000) e contatos de dois moradores locais em cujas casas ficaria hospedada, ela esperava entrar com tranquilidade no país. Não foi o que aconteceu.

“Assim que entreguei meu passaporte, a funcionária da imigração começou a me bombardear com perguntas sem deixar que eu respondesse até o fim. ‘Qual o seu intuito com a visita?’, ‘você estava aqui em dezembro, por que já está voltando?’. E então ela começou a insinuar que eu estava mentindo, dizendo ‘por que você não me fala a verdade? Você não está entrando para trabalhar aqui’?”, relembra Paloma.

Depois de 20 minutos, a brasileira diz que foi informada de que não entraria na Irlanda e seria deportada para a Suíça, de onde havia chegado. Como o próximo voo para lá seria apenas na quinta-feira (20), ela teria que esperar em uma “acomodação.”

Ao entrar na prisão de Dóchas, deparar-se com o aparelho de raio-x e ao passar pela clássica sessão de fotos direcionada a detentas, a ficha caiu: ela estava sendo presa.

A experiência prisional da brasileira, então, foi se tornando cada vez mais concreta.

“Me colocaram em uma salinha comprida, bem estreita, e com chão molhado. E então me pediram para tirar toda a minha roupa. Tive que ficar pelada para mostrar que não estava carregando nada. Eles pegaram meus pertences e me deram um saco com roupa de cama, copo, pijama, toalha.”

Às 18h, já em sua cela, Paloma havia se tornado uma detenta. Pouco depois ela teve acesso ao telefone, que lhe foi negado no aeroporto e na chegada à prisão. Ela, então, ligou para o noivo e para as pessoas que a receberiam na Irlanda e explicou toda a situação.

“Foi uma cachorrada o que fizeram com a menina. Tenho passagem comprada para Dublin, marcada para 5 de setembro, mas agora eu tenho medo de ir para lá visitar a minha filha. Se fizeram isso com uma menina, imagina o que não vão fazer com uma senhora que não fala uma palavra de inglês?”, diz Vandete Carvalho, 52, mãe de Paloma.

Na prisão de Dóchas, já com o pijama padrão, Paloma conhecia sua acomodação. As celas são todas fechadas às 19h30. Um quarto cujo tamanho dava “uns três passos longos”, com três camas, televisão e um banheiro. Paloma pediu água, a guarda pediu para que ela tomasse da pia. Que estava coberta de vômito, já que sua companheira de quarto, conta, era uma alcoólatra de 30 e poucos anos.

“Tirei o lençol do saco para arrumar a cama. Esse lençol estava completamente manchado de sangue velho, já marrom. A moça que estava na cela não parou de vomitar a noite toda. Não consegui dormir.”

Paralelamente, a alemã Karin Muller-Wieland, 38, matriarca da família que receberia Paloma em Galway, oeste da Irlanda, buscava todos os meios possíveis de tirar sua “irmã” da prisão.

Ela procurou um advogado, que precisaria de 48 horas para enfrentar toda a burocracia judicial. No entanto, Paloma seria deportada antes disso, na madrugada de quinta (20). Na embaixada brasileira em Dublin, Karin diz ter sido bem recebida, mas sem qualquer ajuda legal.

“Eles disseram que isso tem acontecido cada vez com mais frequência e que não teria o que fazer a não ser esperar a deportação.”

Na manhã de quarta-feira (20), após tentativas fracassadas de comer (“batata, carne e vegetais que pareciam vômito, e uma sopa que parecia diarreia. As funcionárias pegavam a comida com a mão mesmo, com luvas cirúrgicas, e uma presa ao meu lado comia como uma porca, com as mãos também”), Paloma recebeu ligação de Karin, que dizia que não havia conseguido nada para tirá-la da prisão ou para deportá-la mais cedo.

“Eu me sentia terrível por ter falhado com a Paloma. Somos todos muito gratos à Irlanda, a Paloma também. Mas o sistema de Justiça falhou com ela”, analisa Karin.

No final da tarde, pouco antes do novo toque de recolher, ela recebeu a notícia de que poderia sair dali. Sem perguntar os motivos, ela partiu em disparada.

Antes de sair, teve de ficar nua mais uma vez para ser revistada. Paloma, então, foi informada de que poderia ficar dez dias na Irlanda antes de deixá-la.

“Não nos falaram o porquê da soltura adiantada, mas provavelmente foi por causa da comoção pública. Algo que a Irlanda tem é um incrível senso de comunidade. Falamos com nossos amigos, que também acionaram suas redes de contatos e o caso teve repercussão entre políticos, que se engajaram”, diz Karin.

Em Galway, Karin e Paloma, que tem sido acompanhada por um psicólogo desde o ocorrido, planejam o que fazer nos próximos dez dias.

Elas devem viajar para a casa dos pais de Karin e aproveitar o período juntas com as crianças. Nesta sexta-feira (21) elas vão estudar as medidas legais que podem ser tomadas contra o governo irlandês e também para preservar Paloma –como ela não recebeu de volta seu passaporte, ela teme ter sua entrada dificultada na Europa daqui em diante.

OUTRO LADO

Procurada, a embaixada da Irlanda enviou declaração do Departamento de Justiça e Igualdade do país.

“O Departamento de Justiça e Igualdade não faz comentários sobre casos individuais. A Irlanda opera um sistema de imigração justo, seguro e efetivo e, de fato, o sistema irlandês de imigração é um dos menos onerosos para os visitantes. Os oficiais de imigração respeitam a dignidade de todas as pessoas com quem se envolvem e desempenham suas funções com profissionalismo e cuidado. É igualmente importante que as pessoas que procuram entrar no Estado forneçam informações precisas e completas sobre o propósito de sua entrada”, diz trecho da nota.

A embaixada do Brasil na Irlanda também enviou um posicionamento sobre o tema.

“No caso específico da senhora Paloma Carvalho, o Consulado foi contatado pela senhora Karin Muller-Wieland, para quem a Senhora Paloma teria prestados serviços de ‘au pair’. Na ocasião, representante da embaixada explicou-lhe que a Irlanda tem soberania sobre seu território e, portanto, detém o direito de decidir sobre a recusa de entrada de pessoas no país, de forma discricionária. Salientou, ainda que a embaixada, por diversas ocasiões, já registrou sua posição de desacordo com a prática de envio de cidadão brasileiros inadmitidos a centros de detenção. Por fim, a embaixada registra que a atuação contra a prática denunciada pela senhora Karin Muller-Wieland prosseguirá pelos canais diplomáticos”, finalizam.

 

Folhapress

Comentários (5) enviar comentário
  1. Reginaldo disse:

    Não sabe por que? O noticiário sobre o Brasil no exterior só fala sobre corrupção, roubo, prostituição e etc… Vai ser muito demorada mudar a imagem de nosso país la fora! Infelizmente!

  2. Blue disse:

    Buscar o judiciário para ressarcir prejuízos materiais e morais.

  3. paulo disse:

    BG
    Se o Brasil tivesse um presidente serio, mandava imediatamente desativar a embaixada e rompia relações com o País. Não se trata Cidadãos desta forma,se fosse aqui um Irlandês entraria até com droga e ficava por isso mesmo.

  4. Fabio disse:

    O problema é que o Brasil é malhado no mundo inteiro.

  5. Filipe Araújo disse:

    Brasil deve adotar a reciprocidade com os Irlandeses.

Publicidade

Inframerica se reúne com Governo do RN para tratar das obras e agenda positiva

A Inframerica, administradora do Aeroporto de Natal, reuniu-se com membros do governo do Rio Grande do Norte na manhã desta sexta-feira (21) para discutir uma agenda positiva para o Terminal potiguar. A concessionária busca alinhar ações com o governo estadual a fim de melhor explorar a concessão.

Um dos temas discutidos na reunião foi a obra na pista de pouso do Terminal. A menos de dois meses da reparação – que deve ocorrer entre 11 de setembro e 10 de outubro, a Inframerica garantiu a operação de mais de 90% dos voos durante o período de obras. “Quando a Inframerica assumiu a administração do Aeroporto, o contrato de concessão não contemplava a construção de uma pista de pousos e decolagens. As obras de competência da concessionária, como a construção do Terminal de passageiros, foram entregues sete meses antes do que era previsto no contrato de concessão. A pista que era obrigação do poder concedente foi transferida para a Inframerica e passou a ser utilizada em 2014 com a abertura do Terminal”, comenta Victor Celestino, diretor de assuntos corporativos da Inframerica.

O diretor de operações do Aeroporto, Juan Djedjeian, destacou ainda que para não interditar o aeroporto por 30 dias, a concessionária está investindo em uma obra de preparação da taxiway como pista de pouso e decolagem. “Estes investimentos são realizados com capital próprio do acionista, pois não estavam previstos nos financiamentos existentes. Este aporte esta sendo feito para que o aeroporto não interrompa as operações aéreas, demonstrando o comprometimento da Inframerica com a concessão e a população potiguar”, ressalta o executivo.

No período de manutenção, o Aeroporto continuará funcionar normalmente do nascer do sol ao por do sol. A data escolhida para interrupção das operações noturnas foi justamente em um período de baixa temporada e que não deve afetar na quantidade de passageiros atendidos, pois haverá um aumento na lotação de aeronaves, que durante essa época é de aproximadamente 80%. O Aeroporto também espera uma expansão na quantidade de voos ofertados após a conclusão das obras.

Outro assunto abordado foi a exportação de cargas. “A Inframerica trabalha para manter o Aeroporto de Natal à frente no cenário exportador do Nordeste”, destaca o Celestino. Hoje o Terminal é o maior exportador da região.

O debate contou com a presença de representantes da Empresa Potiguar de Promoção Turística (Emprotur), do departamento de estradas e rodagens e das secretarias de desenvolvimento econômico, gestão de projetos e metas de governo, infraestrutura, comunicação social, relações institucionais.

Comentários (4) enviar comentário
  1. Mércio Torres disse:

    Vai da tudo certo, o Aeroporto é nosso!

    São Gonçalo do Amarante / RN.

  2. Luciana Morais Gama disse:

    Esse aeroporto hoje representa um dos motivos para o RN tá nesse buraco. Ora o aeroporto de Parnamirim tem TRES PISTAS e esse só tem UMA PISTA, motivo desse fechamento de 30 dias, isso se não atrasar a obra. Os políticos que levantavam a bola dele hoje estão todos calados. Fomos enganados, agora é tarde!

    • EMILSON disse:

      Verdade! E o principal político que defendeu o desmonte do Aeroporto de Parnamirim está preso acusado de corrupção. Seu nome é Henrique Alves!

    • Zé Guerreiro disse:

      Alguns estão até presos

Publicidade

PF conclui inquérito e não vê crime de obstrução de Renan, Jucá e Sarney

Da esq. para a dir.: Renan Calheiros, Romero Jucá e José Sarney (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil; Marcelo Camargo/Agência Brasil )

A Polícia Federal enviou nesta sexta-feira (21) ao Supremo Tribunal Federal relatório conclusivo da investigação sobre suposta tentativa de obstrução da Operação Lava Jato pelos senadores Renan Calheiros (PMDB-AL), Romero Jucá (PMDB-RR) e pelo ex-senador e ex-presidente da República José Sarney (PMDB-AP).

No relatório, de 59 páginas, assinado pela delegada Graziele Machado da Costa e Silva, a Polícia Federal conclui que não houve crime de obstrução. Para a PF, a eventual intenção não pode ser considerada crime, e, portanto, os políticos não cometeram atos de obstrução da Justiça.

O inquérito foi aberto pelo ministro Luiz Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, a pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, com base na delação de Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro.

“Não compreendemos existir elementos indiciários de materialidade do crime (…) haja vista que no espectro cognitivo próprio desta sede indiciaria, o conteúdo dos diálogos gravados e a atividade parlamentar dos envolvidos ou no período em comento não nos pareceu configurar as condutas típicas de impedir ou embaraçar as investigações decorrentes da Lava Jato”, diz o texto do relatório.

Comentários (6) enviar comentário
  1. Paulo Cardoso disse:

    Talvez eles mereçam uma medalha!!!

  2. Sirlei Bassani disse:

    Que maravilha e + 3 canalhas na cadeia …..

  3. FRANCISCO DAS CHAGAS AVELINO COSTA disse:

    E AI O QUE VOCÊS QUEREM QUE A GENTE FAÇA? ACHOU TÁ ACHADO. KKKKKKKKKKKKKKKK

  4. Ricardo disse:

    Alguém espera resultado diverso?

  5. Leonardo disse:

    Cuma????? É pracabar!!!

  6. joao disse:

    piada

Publicidade

Comércio ainda descumpre lei que obriga ter código do consumidor visível

A Lei 12.291, que obriga os comerciantes de todo o país e prestadores de serviços deixarem à vista dos clientes uma cópia do Código de Defesa do Consumidor (CDC) completou sete anos nesta quinta-feira (20), mas a sua eficácia ainda é questionada, principalmente pelos consumidores. Eles alegam que nem todos os estabelecimentos cumprem o que determina a lei.

A servidora pública Margarete Lisboa teve o nome colocado no cadastro de inadimplente de uma loja por ter esquecido de pagar uma prestação. E mesmo com a dívida quitada, continuou com o nome no cadastro, o que a impede de fazer novas compras, levando-a recorrer, pela primeira vez, ao Procon do Distrito Federal (DF).

Margarete disse que no estabelecimento onde esteve diversas vezes para tentar regularizar seu cadastro não havia exemplar do código. “Não, não havia nenhum código. Eu estou indo ao Procon também pelo fato de a gerente não ter resolvido nada”, disse.

Segundo Margarete, além de o setor financeiro tardar a corrigir o erro no sistema, a empresa erra, também, ao não ter um CDC à disposição do cliente e nem de seus próprios atendentes. “Ela [a atendente] tentou me ajudar, o tempo todo, e não conseguiu. É uma falta de atenção, de respeito ao consumidor”, reclamou.

Para o analista de direito e legislação do Procon-DF André Borini, o conteúdo do CDC é de fácil compreensão. “A gente brinca que ele não traz tanto ‘juridiquês’. A linguagem é objetiva”.

Borini ressalta a importância do código. “Ele veio complementar algumas lacunas que existiam no direito civil e que surgiram em relação de consumo, que é um campo bem específico. A lei [nº 12.291] traz a possibilidade de acesso à informação para o consumidor, para que ele conheça os direitos básicos que tem, que estão no artigo 6º do código, e para a sociedade ter noção daquilo que ela pode e não pode fazer, até onde vai a obrigação e começa o direito. É tanto sobre os direitos e deveres do fornecedor quanto os do consumidor”, disse.

Publicado em 1990, o CDC sofreu algumas alterações. Atualizações, como a exigência de indicação clara dos tributos que incidem sobre os produtos e serviços adquiridos, foram feitas, nesse tempo. A multa imposta aos estabelecimentos que não disponibilizam a cópia do código é de R$ 1.064,10.

Rede

O Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor revela que 452 Procons estão distribuídos pelo Brasil. Em alguns estados, como Amapá, há apenas uma unidade.

A principal atribuição do Procon é punir as empresas que violam a lei. Nessa tarefa, confluem as delegacias e as promotorias de Justiça de Defesa do Consumidor.

Todos os endereços e telefones de contato dos postos do Procon podem ser consultados no Portal do Consumidor, do governo federal.

Agência Brasil

 

Comentários (2) enviar comentário
  1. Junior disse:

    Besteira, o que diabos não é descumprido nesse imenso país desgovernado!!! Nessa bagunça!!!??????

  2. Bolsonaro disse:

    Se bem aqueles que fazem as leis a respeitam quem dera um Pobre Comerciante

Publicidade

Água de chuva lançada em tubulação de esgotos caracteriza crime, alerta Caern

As chuvas registradas em Natal e em áreas urbanas das cidades norte-rio-grandenses, trazem à tona a existência de ligações clandestinas de água pluvial em tubulações de esgotos. A Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern) vem constatando transbordamentos em vias públicas através das tampas do “Poços de Visita” – local de acesso exclusivo da companhia à tubulação de esgotos, especialmente para desobstruir duto.

Com o avanço nas obras de implantação das canalizações de esgotos em Natal, alguns usuários estão lançando água de chuva ou esgotos na tubulação antes da autorização da empresa, gerando problemas ambientais e atraso nas obras.

A tubulação de esgotos é dimensionada para receber apenas água servida oriunda da pia da cozinha, área de serviço e dejetos do banheiro. Quando águas pluviais são lançadas na tubulação de esgotos, os transbordamentos são quase imediatos, misturando dejetos com água, poluindo o meio ambiente. Alguns tipos de doenças como diarreia, hepatite, gastroenterite, entre outras transmitidas por água contaminada.

LIGAÇÕES

Antes de realizar ligações pluviais (água de chuva) ou de esgotos, é importante que os usuários procurem os órgãos prestadores de serviços para obter as informações necessárias. Quando for água de chuva, procurar a Prefeitura; esgotos, procurar a Caern, ligando para 115. Quando a ligação for esgotos, que está enterrada paralelo as canalizações de água potável e de drenagem, o usuário deve observar que os dutos para dejetos são de PVC na cor coral, enquanto a tubulação de drenagem é de cimento amianto com diâmetro superior as outras tubulações e água é de cor azul ou marrom.

As multas para ligações clandestinas na tubulação de esgotos são calculadas de acordo com o valor da tarifa mínima de cada categoria de usuário, de acordo com Tabela de Serviços e Multas da Caern. Por exemplo, a infração ligação clandestina cometida por um cliente Residencial, receberá multa calculada 20 vezes sobre o valor R$ 38,32 (tarifa mínima da categoria) que totaliza R$ 766,40.

A Caern recomenda sempre que houver dúvidas, ligar para o 115 ou procurar o escritório da empresa indicado na parte superior da fatura de serviços. Para as ruas que possuem tubulação nova, a orientação da empresa é aguardar o comunicado oficial da companhia para então ligar o imóvel à tubulação na rua. Quem ligar antes de receber o comunicado, estará cometendo infração, tendo como consequência poluição ambiental e atraso na conclusão das obras.

enviar comentário
Publicidade