Publicidade

ATÉ QUANDO? Senadores cogitam adiar decisão sobre afastamento de Aécio

Depois da retirada do apoio da bancada do PT e de uma decisão da Justiça de Brasília determinar que a votação do caso Aécio Neves (PSDB-MG) será aberta, parlamentares do comando da Mesa do Senado já não descartam a possibilidade de adiar a sessão que decidirá sobre o afastamento do tucano, marcada para amanhã.

Preocupados, aliados de Aécio avaliam que, com a votação aberta e sem a ajuda dos petistas, diminuem as chances de o tucano se salvar. A esperança desses parlamentares era que Aécio pudesse ter votos mesmo na oposição se a votação fosse secreta. Diante do cenário atual, a avaliação é que o placar será muito apertado, mas o senador ainda conseguirá sair vitorioso e retomar o mandato.

— O placar será apertadíssimo. Acho que ele ganha, mas bem apertado. O voto aberto afugenta o PT, mas também parte do PMDB — disse um dos aliados de Aécio.

A situação do senador afastado é delicada. Se ele não tiver 41 votos a favor da suspensão das medidas cautelares impostas pela Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), poderá ficar afastado do mandato por tempo indeterminado, e ainda terá de derrubar, no Conselho de Ética do Senado, o processo aberto pelo PT por quebra de decoro, que pode, aí sim, resultar na cassação de seu mandato.

Para garantir que será respeitada a decisão da Justiça Federal de Brasília de fazer a votação aberta, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) entrará hoje com um mandado de segurança no STF.

— A regra da Constituição é clara: o voto neste caso tem que ser aberto, claro e transparente — disse o senador, que criticou a possibilidade de a sessão que vai deliberar sobre o caso de Aécio Neves seja adiada. — Mesmo sob a minha divergência, o STF definiu que cabe a nós decidirmos sobre a situação do senador Aécio. Não há razão alguma para esse tema ser postergado.

Na luta por votos, e com o desânimo dos últimos dias, Aécio deve perder mais um apoio importante: o do líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), que só deve voltar a Brasília na quarta-feira, um dia depois da data marcada para a votação ocorrer. A sessão do Senado foi adiada para que o STF pudesse deliberar sobre a questão antes dos senadores.

Internado há duas semanas por conta de uma diverticulite aguda, Jucá teve alta ontem do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, mas só voltará ao Senado na quarta-feira. No início do mês, já em crise de diverticulite, no entanto, Jucá usou um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) para se deslocar entre Roraima e Brasília e defender que o Senado não afastasse o colega tucano. O peemedebista fez um discurso do plenário, relatando a internação e argumentando que, mesmo assim, fazia questão de comparecer à Casa para decidir sobre o futuro de Aécio.

O GLOBO

Comentários (5) enviar comentário
  1. Mortadela com pão disse:

    Os Coxas fogem dessa página de comentários assim como o diabo foge da cruz.
    Ahhh povinho hipócrita.

  2. arnaldo lopes disse:

    PT ,vai votar pra absolver Aecio…..

  3. Jorivan disse:

    Onde estão os comentários raivosos?
    Cadê as manifestações revoltadas?
    Afinal, Aécio só recebeu um (1) milhão de reais, não é mesmo?
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Se tivesse cometido uma pedalada…

    • Waldemir disse:

      E que os petistas estão com medo de que o Aecio caía aí como vão se segurar no emprego kkk

  4. Galdino disse:

    Aí sim , é uma frescura

Publicidade

PM prende suspeito de abusar sexualmente menina de 5 anos no Alecrim

Um policial militar, de folga, conseguiu efetuar a prisão de um homem, suspeito de abusar sexualmente de uma menina de 5 anos de idade, nesse sábado, no Alecrim.

Ele teria empurrado a criança para dentro de uma casa localizada em uma vila residêncial, mas quando iniciou as carícias sexuais, foi presenciado pela irmã da menor, que gritou por ajuda.

Ao ouvir o pedido de ajuda, o cabo PM Glaybson se deslocou até o local, mas o suspeito já havia fugido. Após buscas pela região, com as características físicas do homem, o militar encontrou Francisco Flávio do Nascimento e deu voz de prisão.

O suspeito tentou novamente fugir, mas foi capturado. Ele já tinha mandado de prisão em aberto e foi autuado por estupro de vulnerável, ficando à disposição da justiça.

AGORA RN

Comentários (3) enviar comentário
  1. Observador RN disse:

    Parabéns ao CB-GLAYBSON, que mesmo estando de folga não mediu esforços para capturar esse estuprador. É de policiais assim que precisamos, a sociedade agradece.

  2. Chico disse:

    Amanhã estará de volta a sua residência e fará tudo novamente.

  3. Zinebrino disse:

    Vai ser solto na audiência de custódia para continuar agindo livremente e impunemente.

Publicidade

População de baixa renda volta às compras

Shopping

Depois de passar dois anos consumindo apenas o básico, as famílias de baixa renda estão aos poucos retomando as compras. O recuo no preço dos alimentos, que pesa mais no bolso dos mais pobres, está abrindo espaço para gastos que até pouco tempo essa parcela da população não pensava em fazer, como comprar um eletrodoméstico novo ou trocar o carro usado por um melhor.

Os dados oficiais ainda não capturaram o efeito que o aumento do poder de compra das famílias de baixa renda teve no consumo nos últimos meses, por causa da queda da inflação. Mas uma série de indicadores já apontam nessa direção. Em setembro, o fluxo de pessoas nos shoppings do País teve o maior crescimento desde 2015, puxado pelos shoppings populares. Trabalhadores que ganham até dois salários mínimos são maioria entre os que limparam o nome no serviço eletrônico da Serasa Experian. E nas lojas de eletrodomésticos, outro sinal concreto: a venda de TVs básicas, por exemplo, está crescendo mais do que a dos aparelhos mais sofisticados.

As mudanças no cenário mais favorável ao consumo começaram em meados do ano, quando a inflação, especialmente a dos brasileiros de menor renda, bateu no fundo do poço. Em junho, tanto o custo de vida das famílias que ganham até R$ 4.685, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), do IBGE, quanto as com renda de até R$ 37.480, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), registrou deflação. Mas a queda maior ocorreu entre os mais pobres. O INPC caiu 0,30% em junho, enquanto o IPCA recuou 0,23% no mesmo período. De lá para cá, o cenário só tem favorecido os mais pobres. Em agosto e setembro, o INPC teve deflação, enquanto o IPCA foi positivo, porém em níveis baixos.

ESTADÃO CONTEÚDO

Comentários (8) enviar comentário
  1. Mortadela com pão disse:

    Onde? Na Coxinlandia?

  2. Waldemir disse:

    Quem votou no Temer foram os petista agora fica falando kkkkkkkk
    Da próxima vez aprenda a votar
    Vocês so colocaram bandidos no poder kkkkkk tem que se fu kkkkkk

    • Mortadela com pão disse:

      Esse bateu panela e hoje nao sabe onde enfiou a panela mas os vizinhos q nao bateram sabem.

  3. Qué isso Companheiro? disse:

    Isso é propaganda para o Governo Temer? História mais MENTIROSA! Foram 12 anos de POBRES CONSUMINDO. Sim, no Governo LULA/DILMA que vocês tanto jogam pedras!

  4. Jorivan disse:

    Isso é a sessão de piadas?

  5. Dr. Veneno disse:

    Só se for lá no sudeste/sul, pq aqui, o comércio tá mais parado q a praia do forte com maré baixa.

  6. Lorena disse:

    Que mentira da mulesta, tudo mais caro, não seu como o governo faz estes cálculos, ladrões

Publicidade

Procuradoria ampliará o sigilo sobre delações até a aceitação da denúncia

POR FOLHAPRESS

No comando da Procuradoria-Geral da República há quase um mês, Raquel Dodge quer manter sob sigilo delações premiadas e investigações ligadas a elas até a aceitação da denúncia pelo STF (Supremo Tribunal Federal), ou seja, durante toda a fase de inquérito.

O antecessor de Dodge, Rodrigo Janot, criou prática diferente, pedindo muitas vezes o levantamento do sigilo no início das investigações. Foi o que ocorreu em grandes delações como a da Odebrecht e também a da JBS.

A lei que regulamentou o instituto da delação, de 2013, estabelece que “o acordo de colaboração premiada deixa de ser sigiloso assim que recebida a denúncia”, mas não trata sobre manutenção de sigilo durante a apuração.

No caso da Odebrecht, por exemplo, assim que o Supremo autorizou a abertura dos inquéritos, quase todos se tornaram públicos, dando publicidade inclusive para medidas de investigação solicitadas pela Procuradoria.

A conduta de Dodge pode refletir nos casos de potenciais delatores, que buscam um acordo com a PGR, entre eles o ex-ministro Antonio Palocci e o ex-deputado Eduardo Cunha, ambos presos. Nos bastidores, outro delator cogitado é o ex-ministro Geddel Vieira Lima, detido desde setembro na Papuda.

Ao todo, são 14 acordos em negociação com a Procuradoria.

Embora a íntegra de delações dos executivos da Odebrecht ainda esteja em tese em segredo, depoimentos dos colaboradores referentes a cada inquérito foram divulgados pelo STF.

Críticos de Janot apontavam que a ausência do sigilo dava ao investigado conhecimento das apurações, permitindo, eventualmente, a destruição de provas.

À Folha a Procuradoria afirmou que Raquel Dodge decidiu privilegiar “o critério estabelecido pela legislação, e eventuais posicionamentos diferentes dependerão de cada situação”.

De acordo com o órgão, o objetivo é preservar a investigação. “A publicidade poderá ser requerida pelo Ministério Público Federal quando existir plena segurança de que a divulgação dos fatos não acarretará qualquer prejuízo ao trabalho apuratório do MPF e da Polícia Federal”, informou o órgão.

Defensores da prática adotada por Janot, por outro lado, apontam que o novo procedimento pode criar uma caixa-preta, fazendo com que nunca se conheçam suspeitas sobre políticos delatados.

Parlamentares vêm defendendo a medida de preservar o sigilo há tempos, com o argumento de que tinham suas imagens prejudicadas antes da investigação. Quando absolvidos, diziam que o dano já estava consumado desde que seus nomes tinham sido publicados pela imprensa.

ANÁLISE DA EFICÁCIA

Outro ponto em que a atual procuradora-geral da República deve divergir de seu antecessor é no posicionamento quanto ao momento de analisar a eficácia de uma colaboração premiada.

Esse é um ponto importante para garantir os benefícios concedidos ao delator -como redução da pena, regime de cumprimento (fechado ou domiciliar) e até a imunidade (não oferecimento de denúncia à Justiça).

Os benefícios são negociados entre a Procuradoria e o delator antes da assinatura do acordo e da homologação pelo Supremo.

Sob Janot, a PGR defendia que a eficácia dos depoimentos só podia ser analisada na fase da ação penal, após o recebimento da denúncia pela Justiça. Um dos argumentos era que mexer no benefício acordado antes do fim do processo causaria insegurança jurídica -o delator não teria garantia de que, contribuindo com as investigações conforme combinado, ganharia a contrapartida esperada.

Com Dodge, diferentemente, o posicionamento da PGR sobre o momento de avaliar a eficácia de um acordo vai se dar em cada caso concreto.

FOLHA

enviar comentário
Publicidade

Vídeos de Funaro abrem nova crise Temer-Maia

O Estado de S.Paulo

A divulgação dos vídeos da delação premiada do operador Lúcio Funaro causou um novo confronto entre o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o presidente Michel Temer. Para interlocutores do Palácio do Planalto, a medida é mais uma ação de Maia para tentar constranger o governo e mostrar descolamento do presidente. O governo avalia que o deputado não tinha a obrigação de colocar os vídeos no site da Câmara.

O episódio levou a um bate-boca público entre Maia e a defesa de Temer, justamente na semana em que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara vai analisar o relatório da segunda denúncia contra o presidente, por obstrução da Justiça e organização criminosa no caso J&F. Neste sábado, 14, o advogado Eduardo Carnelós publicou nota para criticar “vazamentos criminosos”. Maia contra-atacou e disse que o defensor é “incompetente”. Carnelós recuou e, também em nota, disse que “jamais” imputou “a prática de ilegalidade” ao deputado.

Os vídeos da delação de Funaro foram divulgados no site da Câmara com documentos relacionados à segunda denúncia contra Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral). O material foi enviado pela presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, com ofício expedido em 21 de setembro, uma semana após a Procuradoria-Geral da República (PGR) apresentar a segunda denúncia contra Temer.

 

enviar comentário
Publicidade

Preço dos alimentos cai e mais pobres voltam às compras

 

Depois de passar dois anos consumindo apenas o básico, as famílias de baixa renda estão aos poucos retomando as compras. O recuo no preço dos alimentos, que pesa mais no bolso dos mais pobres, está abrindo espaço para gastos que até pouco tempo essa parcela da população não pensava em fazer, como comprar um eletrodoméstico novo ou trocar o carro usado por um melhor.

Os dados oficiais ainda não capturaram o efeito que o aumento do poder de compra das famílias de baixa renda teve no consumo nos últimos meses, por causa da queda da inflação. Mas uma série de indicadores já apontam nessa direção. Em setembro, o fluxo de pessoas nos shoppings do país teve o maior crescimento desde 2015, puxado pelos shoppings populares. Trabalhadores que ganham até dois salários mínimos são maioria entre os que limparam o nome no serviço eletrônico da Serasa Experian. E nas lojas de eletrodomésticos, outro sinal concreto: a venda de TVs básicas, por exemplo, está crescendo mais do que a dos aparelhos mais sofisticados.

As mudanças no cenário mais favorável ao consumo começaram em meados do ano, quando a inflação, especialmente a dos brasileiros de menor renda, bateu no fundo do poço. Em junho, tanto o custo de vida das famílias que ganham até 4.685 reais, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), do IBGE, quanto as com renda de até 37.480 reais, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), registrou deflação. Mas a queda maior ocorreu entre os mais pobres. O INPC caiu 0,30% em junho, enquanto o IPCA recuou 0,23% no mesmo período. De lá para cá, o cenário só tem favorecido os mais pobres. Em agosto e setembro, o INPC teve deflação, enquanto o IPCA foi positivo, porém em níveis baixos.

O quadro nem sempre foi assim. Em janeiro de 2016, quando a inflação estourou por causa dos alimentos e atingiu 11,31% em doze meses, o índice dos mais pobres estava acima da inflação da classe média. “Agora a situação se inverteu e é uma mudança qualitativa importante”, diz o professor da Faculdade de Economia da USP Heron do Carmo. Quando a inflação perde força, diz Heron, o padrão de vida melhora. E as famílias mais pobres, pelo fato de gastarem praticamente toda a renda com itens básicos, ganham um alento para comprar outros produtos. “São os 20 reais a menos gastos com alimentação que pagam a prestação do tanquinho.”

 

Veja

Comentários (9) enviar comentário
  1. Mortadela com pão disse:

    Só se for na Coxilandia.

  2. Qué isso Companheiro? disse:

    Que notícia MENTIROSA! Se eu que sou classe média saio tonto e triste das compras, avaliem os pobres! E ainda essa foto fazendo propaganda gratuita do EXTRA! Que de mais barato não tem NADA!

  3. Chico disse:

    Nunca vi tanta mentira junta.
    Matéria comprada, só pode.
    Diga o nome dos bois: Qual Supermercado? Qual Posto? Qual feira?

  4. Almir Dionisio disse:

    Só se for em outro país pq se formos ao supermercado toda semana tem alteração de preços. O povo tá é passando fome, ainda mais no RN com salários atrasados da prefeitura e governo – Notícias mentirosa essa.

  5. josé disse:

    O que mais vejo é o pessoal comprando: Fubá de milho, sardinha, salsicha e ovo!!! Reportagem fora da realidade!!!!

  6. anderson disse:

    quem lê a veja, estadao, folha e se acha informado está passando da hora de rever os conceitos. matérias completamente tendenciosas e parciais. quanto cu$tou ao governo publicar esse artigo?

  7. coxinhabuchadecanhao disse:

    deveria combinar com os comerciantes, diga-se, o butijão e os combustiveis. kkkkkkkk vai mentir assim lá no inferno.

  8. Marcos Paiva disse:

    Caiu onde?
    Poderiam informar o nome do supermercado, posto de gasolina ou lojas?
    Só vejo aumento. Em tudo. O gás de cozinha vai chegar a 100 reais. Até abril de 2018.
    Vamos voltar a cozinha à lenha, e para quem pode, fogão elétrico.

  9. Agnaldo disse:

    Que mentira safada

Publicidade

Em sete anos, a doação aos partidos terá engordado 880%

Por Lilian Witte Fibe

Custei a acreditar. Fiz e refiz as contas várias vezes. Consultei a calculadora oficial do Banco Central.
É isso mesmo: 881%.
Leio no Globo que, em 2011, você e eu demos aos partidos políticos R$265 milhões.
E que, no ano que vem, daremos R$2,6 bilhões, incluído o recém-nascido fundo eleitoral de R$1,7 bilhão.
Levei um susto. Resolvi conferir qual foi a evolução da inflação, bem como do salário mínimo, no mesmo intervalo de tempo.
Entre janeiro de 2011 e dezembro de 2017, os preços com os quais lidamos no orçamento nosso de todo dia terão aumentado, na média, uns 54% (embute, claro, a estimativa para este último trimestre).
E o salário mínimo, 78%.
Em 2011, o salário mínimo valia R$545,00. Em 2018, deve ficar em torno de R$970.

enviar comentário
Publicidade

Maia se diz perplexo com acusação de advogado: ‘Depois de tudo que fiz pelo presidente’

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, reagiu neste domingo (15) às acusações do advogado do presidente Michel Temer de que a divulgação dos vídeos do operador financeiro Lucio Funaro no site da Câmara dos Deputados se tratou de um “criminoso vazamento”.“Da minha parte, uma perplexidade muito grande ver o advogado do presidente da República, depois de tudo que fiz pelo presidente, da agenda que construí com ele, de toda defesa que fiz na primeira denúncia, ser tratado de forma absurda e – vamos chamar assim – sem nenhum tipo de prova, de criminoso.” No sábado (14), Eduardo Carnelós divulgou uma nota na qual apontava um “criminoso vazamento” dos vídeos com depoimentos à Procuradoria Geral da República. O material, porém, estava disponível no site oficial da Câmara desde o mês passado.Neste domingo, Carnelós divulgou uma nova nota justificando que não poderia supor que os vídeos eram públicos e que “jamais pretendi imputar ao presidente da Câmara dos Deputados a prática de ilegalidade, muito menos crime”.Maia, no entanto, não aceitou integralmente a nota. “A nota do advogado não esclarece o ponto mais importante. Ele fala apenas que não sabia que o site da Câmara tinha dado publicidade. Ele deveria saber que todos os documentos encaminhados pelo STF estavam à disposição dele, dos advogados, dos ministros. (..) Então, o advogado faz uma meia justificativa, o que não esclarece os fatos e o que vai obrigar – infelizmente – a que os funcionários da Câmara tomem atitudes, inclusive na Justiça, porque são servidores, têm fé pública e, com a nota dele, continuam sendo desrespeitados.” Segue a íntegra da manifestação do presidente da Câmara:
A nota do advogado… ela dá uma resposta parcial. Ele fala da publicidade dos vídeos, dos documentos no site da Câmara a partir do dia 29. Mas, três, quatro dias antes, a Câmara dos Deputados, através do seu secretário-geral, deputado Giacobo, entregou ao assessor Gustavo toda documentação alertando que a pet 7099 estava sob sigilo e assim foi encaminhada para a Comissão de Constituição e Justiça. A nota do advogado não esclarece o ponto mais importante. Ele fala apenas que não sabia que o site da Câmara tinha dado publicidade. Ele deveria saber que todos os documentos encaminhados pelo STF estavam à disposição dele, dos advogados, dos ministros. Eu, inclusive, estive com a presidente Cármen Lucia e com o ministro Fachin perguntando o que estava sob sigilo e a única peça que estava sob sigilo é a pet 7099, que não tem relação com os vídeos do Lúcio Funaro. A pet 7099 é anterior à delação do Lúcio Funaro. Então, o advogado faz uma meia justificativa, o que não esclarece os fatos e o que vai obrigar – infelizmente – a que os funcionários da Câmara tomem atitudes, inclusive na justiça, porque são servidores, tem fé pública e, com a nota dele, continuam sendo desrespeitados.E, da minha parte, uma perplexidade muito grande ver o advogado do presidente da República, depois de tudo que fiz pelo presidente, da agenda que construí com ele, de toda defesa que fiz na primeira denúncia, ser tratado de forma absurda e – vamos chamar assim – sem nenhum tipo de prova, de criminoso. Porque quando ele diz “aqueles que divulgaram os áudio são criminosos” e foi a Câmara que colocou de forma legítima, respeitosa, tudo aquilo que estava na denúncia de forma pública no site… quando ele diz que é criminoso, eu preciso, de fato, defender a minha posição porque eu não posso aceitar de nenhuma forma que um advogado possa me tratar desta forma. Acho que o advogado não respondeu de forma correta o que deveria e a minha posição é apenas que tudo fique claro. Os documentos que estão públicos são documentos que vieram sem nenhum tipo de ressalva por parte do Supremo, que foram esclarecidos comigo, com a presidente Cármen Lúcia e com o doutor Fachin. E se há alguma dúvida por parte do advogado, ele não deveria primeiro atacar. Ele deveria primeiro avaliar, investigar para ver se de fato existia alguma atitude criminosa que, eu tenho certeza, muito menos da minha parte, mas também da parte dos servidores da Câmara, não houve nenhuma atitude que não fosse apenas preservar a transparência e a possibilidade de cada um dos 513 deputados pudessem ter acesso a todos os documentos da denúncia apresentada pelo doutor Janot.

enviar comentário
Publicidade

Jatinho que levava dupla Maiara e Maraisa sai da pista em aeroporto após pneu estourar, diz assessoria

Um jatinho que transportava a dupla sertaneja Maiara e Maraisa saiu da pista após um pneu da aeronave estourar, no Aeroporto de Maringá, no norte do Paraná, na tarde deste domingo (15), de acordo com a assessoria de imprensa das cantoras.

Conforme a assessoria, ninguém ficou ferido no incidente, e elas já seguiram viagem em outro avião.

Maiara e Maraisa se apresentaram em Maringá na noite de sábado (14) e, conforme a assessoria, foram para São Borja (RS), onde vão cumprir a agenda de shows.

A produção da RPC Maringá tentou entrar em contato com o aeoroporto e com a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) para obter mais informações sobre o ocorrido, mas as ligações não foram atendidas.

 

G1

enviar comentário
Publicidade
Publicidade

Setor de buggy comemora demanda recorde

Um dos principais cartões postais do Rio Grande do Norte, o setor de buggy celebrou neste último fim de semana um momento há muito esperado: toda a oferta de serviço de passeios foi preenchida durante a sexta e o sábado. Uma demanda inédita há pelo menos oito anos, segundo o Sindicato de Bugueiros.

“É um fato realmente emblemático para nosso turismo já que o passeio de buggy é uma oferta procurada por turistas. E ainda estamos no período considerado baixa temporada. Isso reflete nosso trabalho de promoção e divulgação dos nossos destinos”, destacou o secretário estadual de Turismo, Ruy Gaspar.

Para o presidente do Sindibuggy, Luiz Thiago Manoel, a categoria tem comemorado o momento pelo qual o turismo do Estado passa. “Tivemos um fim de semana de muito trabalho onde faltaram buggys para atender toda a procura. Só temos a agradecer ao trabalho desenvolvido pelo Governo do Estado, através da Setur RN e da Emprotur, em especial ao secretário Ruy”, ressaltou.

Hoje há 723 bugueiros cadastrados na Setur RN, distribuídos em Natal, Extremoz, Tibau do Sul e Baía Formosa, com passeios regulamentados pela lei especial 8.817, de 29 de março de 2006.

Nos últimos eventos do Feirão da Flytour, a Setur RN e a Emprotur idealizaram levar um buggy para o estande do Governo do RN, onde o visitante tinha a oportunidade de fazer um passeio pelas dunas em cima do veículo, em um filme exibido em um óculos eletrônico. A ideia chamou a atenção no evento e o estande do Estado potiguar foi um dos mais visitados.

Comentários (5) enviar comentário
  1. Lima disse:

    Enquanto os Buggys gera uma cadeia de serviços e empregos, o Bugueiro fica apenas com um pequeno lucro pelo trabalho honesto.

  2. Luciana Morais Gama disse:

    Quanto o setor arrecada de ISS??? Deve ser um dos maiores contribuintes.

Publicidade

Justiça absolve Ciro Gomes da acusação de atentar contra a honra de Temer

O ex-ministro Ciro Gomes foi absolvido na Justiça Federal em Brasília da acusação de ter atentado contra a honra do presidente Michel Temer, chamado pelo presidenciável do PDT, entre outras coisas, de “capitão do golpe” e integrante de “quadrilha do PMDB…”. O juiz entendeu que Ciro dirigiu críticas a um adversário no momento em que a política está conturbada.

 

Época

enviar comentário
Publicidade