Privatização de 168 estatais poderia render até R$ 500 bilhões

Não é só a Eletrobras. É também a Agência de Pesca do Amapá. Não é apenas a Sabesp, em São Paulo, ou a Cedae, no Rio. É a Empresa Baiana de Alimentos, o Jardim Botânico de Brasília ou mesmo a Companhia de Processamento de Dados da Paraíba.

A lista de empresas públicas com potencial para serem privatizadas é longa. Mais precisamente, são 168 estatais e 109 subsidiárias, na União e em todos os Estados.

O potencial de arrecadação, por sua vez, é elevado: gira entre R$ 400 bilhões e R$ 500 bilhões.

Os dados constam de uma pesquisa realizada pela consultoria internacional Roland Berger. Foram avaliadas 496 estatais. Dessas, 219 ficaram de fora do cálculo, por não serem passíveis de venda ou não terem informações disponíveis —o que quer dizer que o montante poderia ser ainda mais elevado.

O maior potencial de arrecadação estaria no governo federal. Tomando com base um valor de R$ 421 bilhões com as vendas, 71% estariam concentrados na União.

Para ter uma dimensão, os recursos seriam suficientes para cobrir quase três vezes o deficit primário do setor público, segundo o resultado mais recente divulgado pelo Banco Central.

O cenário apresentado pelo estudo, porém, é hipotético -não quer dizer que seja factível ou mesmo desejável, segundo Antonio Bernardo, presidente da consultoria no Brasil e na América Latina.

“A ideia foi mostrar o potencial máximo para que o Estado reduza a sua participação no mercado, mas isso pode ser feito de diferentes formas que não necessariamente a venda completa da empresa. Há alternativas como concessões ou uma abertura gradual do capital.”

O estudo de fato expõe um cenário drástico, mesmo para os maiores entusiastas.

Dos R$ 421 bilhões de potencial identificado, a maior fatia (47%) viria do setor financeiro, e a maior parte desse valor seria referente à venda da Caixa Econômica Federal, do Banco do Brasil e do BNDESPar (braço de participação acionária do BNDES) —privatizações que hoje nem sequer são cogitadas e que são, no mínimo, polêmicas.

Em seguida, vêm empresas dos setores de óleo e gás (15%), saneamento básico (15%), transportes (8%) e energia (5%).

 

Veja a matéria completa da Folha de São Paulo AQUI

Publicidade

Comentários:

  1. Alyson disse:

    Vendam logo o Brasil todo, a Amazônia, as praias, as serras tudo. Nós brasileiros pagamentos aluguel.

  2. Keyla disse:

    É isso aí, vamos incentivar a venda de ativos públicos e jamais veremos os cortes nas regalias aconteceram. Talvez, quando todos os ativos estiverem extintos, aí então o assunto voltará à pauta!

  3. Ana disse:

    Você venderia seu património por 10% do seu valor. Isso é o que estão propondo para termimar de nos escravizar. O que temos que fazer é limpar toda essa casta política e judicial de suas mordomias. Tornar esse um país sério, nós povo, merecemos. Abram os olhos, do contrário isso aqui vai virar o inferno na terra.