Rogério Marinho: “Ação do MPT contra Pró-Sertão é desastrosa, contrária ao RN e afronta a lei”

SONY DSC

Um dos maiores projetos de desenvolvimento econômico já criados no Rio Grande do Norte está ameaçado. O Programa de Industrialização do Interior (Pró-Sertão), responsável pela geração de quase 3 mil empregos em pequenas cidades do Estado é o alvo principal de uma ação movida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) contra a empresa Guararapes, gigante do setor têxtil que tem capitaneado o projeto desde a sua implantação em 2013. Na Justiça, o MPT pede que seja aplicada uma multa de R$ 38 milhões no grupo empresarial.

“A postura do MPT, representado pela procuradora Ileana Neiva, é claramente doutrinária, ideológica, e está ultrapassando o seu limite como órgão fiscalizador da legislação trabalhista”, disse o parlamentar, criador do Pró-Sertão durante sua passagem pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Rio Grande do Norte. “A ação do MPT visa multar a Guararapes, que é uma empresa com décadas de atuação no RN, por levar emprego para dezenas de municípios que só tinham como alternativa de renda a previdência social, o Bolsa Família e os salários pagos pela Prefeitura”, disse.

De acordo com Rogério, o processo movido pelo MPT é “desastroso, contrário à economia do RN e ainda afronta a lei, porque a terceirização já foi aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo Executivo desde março deste ano. Não é possível que, em um momento grave como o atual, de crise econômica e desemprego, o MPT atue dessa forma”.

Segundo o deputado, o que está ocorrendo é um “atentado contra o RN e deve ser repudiado por toda a sociedade. A ação do MPT coloca o Estado em uma situação vexatória. Vivemos em um ambiente hostil, onde se encara o empreendedor como um inimigo, como se não bastasse a alta carga tributária do nosso país, a falta total de logística, não temos ferrovias ou um porto adequado. E ainda essa postura agressiva, irracional, baseada em questões ideológicas, doutrinárias, de quem interpreta a lei de uma forma peculiar”.

Publicidade

Comentários:

  1. José Ramalho Júnior disse:

    Não moro no RN. Não conheço o estado, muito menos seu interior (zona rural).
    Mas zona rural é igual em qualquer recôndito de nosso país, você tem emprego nas prefeituras e câmaras, um ou outro estabelecimento comercial e na roça.
    Sou defensor dos direitos do trabalhador! Entre eles os principais:
    1. Direito a comer e dar de comer a seus filhos!
    2. Direito a moradia.
    3. Direito a escolher mudar de emprego (quando a oportunidade aparece ou não está feliz onde está) ou de escolher não trabalhar, ou ainda empreender.

    Se esses DIREITOS estão assegurados, todos os outros passam a ser negociados e até supérfluos! Claro que todos querem trabalhar na Google ou Microsoft e a série imensa de benefícios que oferecem aos seus colaboradores, mas isso é irreal em um país como o Brasil, quanto mais no sertão!

    Portanto sejamos realistas e aproveitemos e defendamos as oportunidades que surgem. Pois sem comida e moradia TODO O RESTO é NADA!

  2. Waldemir disse:

    É por isso que o RN tem o maior números e desemprego do país
    Imagine a Guararapes fechando e indo para fora do estado
    Esse pessoal do MPT vai pagar os salários dos desempregados ou vamos ter que mudar de estado fica aí a pergunta para os defensores dos trabalhadores e dos direitos deles "desempregados"
    Uma outra pergunta para o MPT qual o direito que tem um desempregado ???????

  3. Fábio Pereira disse:

    Corrijam os problemas detectados nessas facções problemáticas pra ficarem iguais as outras facções que trabalham de forma LEGAL!!! Aí tudo se resolve e os empregos ficam no Estado!!! Não adianta ficar culpando o MPT do RN, pois os problemas detectados irão causar processos em qualquer estado que forem!! Do modo como defendem o empresariado parece que ter carteira assinada já um grande favor e que receber salário e ter um mínimo de condições de trabalho é bônus!!

  4. JR disse:

    Então é fácil de resolver. O grupo guararapes paga a multa, sai do RN e vai levar os empregos para o Paraguai. O RN deve ser um estado muito rico, não precisa nem dos empregos e nem dos impostos pagos pelo Grupo ! É Brasil !

  5. djalma disse:

    Quem vota nele, com certeza não é um fanático seguidor do lula ladrão e sua coja de larápios do dinheiro público. Raciocínio deste tipo como o seu é que leva a 14 milhões de desempregados, como a dilmAnta deixou…acorda e começa e pensar, acho que fazendo muita força vc para de repetir mantras idiotas e começa a entender o que esta gangue petista fez ao Brasil.

  6. Marcos Bezerra disse:

    Quero ver esta valentia toda depois que perder o mandato no próximo ano.
    Será que teremos resposta do MPT?

  7. anderson disse:

    o 'nobre' deputado investigado em 4 processos no STF não sabe o que é costurar 500 calças por hora
    http://reporterbrasil.org.br/2016/01/condenacao-do-grupo-riachuelo-revela-o-adoecimento-das-trabalhadoras-da-moda/

    http://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/riachuelo-vai-pagar-pensao-mensal-a-costureira-que-colocava-elastico-em-500-calcas-por-hora/
    Só sabe falar merda e aumentar esse bucho com o dinheiro do povo. Até imagino o tipo de gente que vota num cunhã desse…

  8. Monkey disse:

    FIEL ESCUDEIRO DE FLÁVIO ROCHA, defensor do chicote contra a classe trabalhadora, empresário de terceirizados e gestor rebaixador do MAIS QUERIDO DO RN para a serie C, é um suspeito para falar dessa AÇÃO.

  9. Ricardo disse:

    Na linha desse deputado, as instituições a seguir parece que não prestam: O MPT, a Justiça do Trabalho, e os auditores fiscais do trabalho. Ah, ainda tem os próprios trabalhadores: Esses, sim, são terríveis!!!!

  10. Pato disse:

    Caro Sr. Deputado,

    Por acaso o MPT vai agir de forma ideológica ou Vossa Senhoria não conhece a legislação vigente que queres trocar por outra que degrada ainda mais a vida do trabalhador?

  11. Luiz Fernando disse:

    Quero ver o MPT assumir o salário dessas pessoas que ficarão desempregadas.

  12. Coocker Spaniel Inglês disse:

    Todo apoio ao MPT. A terceirização é desastrosa aos trabalhadores. A reforma trabalhista, relatado pelo deputado em questão, mais desastrosa ainda.