Publicidade

Documento mostra que Henrique Alves atuou junto ao TCU para favorecer OAS, diz MPF

O ex-ministro Henrique Eduardo Alves, preso pela PF em sua casa em Natal (RN) – Estadão Conteúdo

Uma troca de mensagens entre Henrique Eduardo Alves, ex-presidente da Câmara dos Deputados, e Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, mostra que o ex-parlamentar se comprometeu a atuar junto ao Tribunal de Contas da União (TCU) em favor dos interesses da empreiteira em um processo que poderia barrar financiamento do BNDES para a Arena das Dunas. É isso o que aponta a denúncia feita nesta terça-feira — e informada nesta quarta — pelo Ministério Público Federal (MPF).

“Seg, em BSB, vou pra cima do TCU. Darei notícias!”, escreveu Alves ao empresário.

Em outro trecho da denúncia, os procuradores apresentaram uma mensagem em que Léo Pinheiro pergunta a Eduardo Cunha se foi aprovada a rolagem da dívida no município de São Paulo. Cunha respondeu, segundo a investigação:

“Sim”; “Aprovamos”.

Na denúncia, que reúne mensagens de celulares, prestações de contas eleitorais, dados bancários e telefônicos, depoimentos e documentos, o MPF do Rio Grande do Norte acusa os ex-presidentes da Câmara Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves por corrupção e lavagem de dinheiro no âmbito da Operação Manus, um dos desdobramentos da Lava-Jato. Os dois estão presos.

Além dos dois ex-deputados, também foram denunciados pelo MPF José Adelmário Pinheiro Filho, o Léo Pinheiro, presidente da construtora OAS, mais outras três pessoas.

Henrique Eduardo Alves também foi ministro do Turismo no início do governo do presidente Michel Temer. Ele foi preso no início deste mês. Cunha está preso em Curitiba e já foi condenado pelo juiz Sergio Moro.

Os dois peemedebistas são acusados pelos procuradores de de terem recebido propinas disfarçadas de doações eleitorais, oficiais e não oficiais, entre 2012 e 2014. Em troca, afirma o MPF, eles teriam atuado para favorecer empreiteiras como OAS e Odebrecht, que fez acordo de delação premiada.

O Ministério Público pede que os acusados sejam condenados ao pagamento de R$ 15,5 milhões por danos materiais e morais para ressarcir os crimes que teriam cometido.

O Globo

enviar comentário
Publicidade

OAS usou conta de campanha de Temer para pagar propina a Henrique Alves, diz MPF

Foto: Pedro Ladeira/Folhapress

O MPF (Ministério Público Federal) afirma que a empreiteira OAS pagou R$ 500 mil em valores ilícitos ao ex-deputado federal e ex-presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) por meio da conta de campanha do então candidato a vice-presidente Michel Temer (PMDB) em 2014. A afirmação foi feita no pedido de prisão preventiva contra o ex-parlamentar à Justiça Federal do Rio Grande do Norte. Henrique Alves foi preso na última terça-feira (6) em Natal em uma operação relacionada à Lava Jato.

Da conta de Temer, o dinheiro foi destinado ao diretório do PMDB potiguar, que teria repassado o valor à campanha de Henrique Alves ao governo do Rio Grande do Norte em 2014, de acordo com o MPF. Todas as transações foram feitas em 11 de setembro daquele ano.

Na prestação de contas de Alves enviada à Justiça Eleitoral, consta a movimentação de R$ 500 mil em 11 de setembro de 2014 em uma doação do diretório estadual do partido, citando que o “doador originário” é a OAS S.A..

“Além disso, é relevante consignar que a conta mantida por Henrique Alves na Suíça, para recebimento de propina, foi fechada exatamente em março de 2015, quando as investigações da Operação Lava Jato tiveram início perante o Supremo Tribunal Federal”, lembra o MPF.

O saldo, segundo os procuradores, foi transferido para outras contas secretas, “uma mantida no Uruguai e outra nos Emirados Árabes Unidos”. “Ele continua, pois, ocultando quantias ilícitas no exterior, incidindo em conduta criminosa permanente”, diz o MPF em função de os valores não terem sido sequestrados pela Justiça.

Sem ter sido eleito ao governo potiguar em 2014, Henrique Alves deixou a Câmara em 2015, quando foi escolhido pela então presidente reeleita Dilma Rousseff (PT) como ministro do Turismo. Aliado de Temer, ele deixou o cargo pouco antes do impeachment da petista, tendo retornado ao mesmo posto no governo interino do peemedebista.

Alves deixou a pasta de vez em junho de 2016 após seu nome ter sido envolvido na Lava Jato.

O MPF, porém, viu com estranheza o fato de ele ter viajado constantemente a Brasília entre a saída do cargo e abril deste ano. “Apesar de não ter nenhum cargo no Governo Federal, viaja constantemente, com periodicidade praticamente semanal, entre Natal e Brasília”.

Para os procuradores, esse trânsito “aponta no sentido de que Henrique Alves persiste atuando na mesma esfera de atividades na qual foram praticados os crimes ora investigados”.

O MPF ainda liga as suspeitas contra Alves ao atual presidente da República. “Concretamente provável que o ora investigado se dirija a Brasília exatamente para com ele estabelecer articulações da mais diversa ordem”.

Procurada pelo UOL, a assessoria do Palácio do Planalto ainda não se manifestou. A reportagem também busca um posicionamento de Henrique Alves e da OAS.

Temor no Planalto

Henrique Alves tinha trânsito livre no Palácio do Planalto, segundo assessores da Presidência. Reconhecido como uma figura do alto escalão do PMDB e do governo, Henrique Alves costumava frequentar o terceiro andar do Planalto para conversar com Temer no gabinete presidencial.

Os encontros de Henrique Alves com o presidente, porém, nem sempre eram registrados na agenda oficial. Neste ano, por exemplo, o nome de Alves não aparece em nenhuma data.

Questionada pelo UOL sobre quando foi a última vez que Henrique Alves se encontrou com Temer no Palácio do Planalto, e qual foi o assunto tratado na ocasião, a Presidência informou que o encontro derradeiro ocorreu em 30 de março de 2017. “Na audiência, foram tratados temas de interesse do estado do Rio Grande do Norte”, disse a Presidência em nota.

Nas palavras de um assessor do governo, a prisão de Alves foi “inesperada”. A divulgação nesta terça-feira (6) –dia em que o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) retomou o julgamento da chapa Dilma-Temer– de eventuais gravações que envolvessem de alguma forma o presidente não eram descartadas por sua equipe. Entretanto, a prisão de um auxiliar tão próximo a Temer não estava no radar.

UOL

 

enviar comentário
Publicidade

Gravação de Temer é audível e apresenta sequência lógica, diz MPF

O Ministério Público Federal produziu quatro laudos de “verificação de gravação do arquivo de áudio” nas gravações entregues pelo empresário Joesley Batista no acordo de colaboração premiada assinado com a Procuradoria-geral da República e homologado pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF). A análise é inicial e ainda devem ser realizadas outras perícias com a instauração da investigação contra o presidente Michel Temer.

Para a analista Elaine Sobral e para o técnico Eder Gabriel, ambos do Ministério Público da União, o diálogo do arquivo PR1 14032017.wav, que contêm a gravação da conversa entre Temer e Joesley, “encontra-se audível, apresentando sequência lógica”.

Os analistas ponderaram que o arquivo possui “alguns ruídos e a voz de um dos interlocutores apresenta-se com maior intensidade em relação à voz do segundo interlocutor” – no caso o presidente Michel Temer. O laudo aponta também que em alguns momentos o áudio fica incompreensível “sem a utilização de equipamentos especializados”.

A questão sobre a qualidade e possível veracidade da gravação foi levantada pelo Palácio do Planalto. O Palácio decidiu fazer perícia no material para descobrir se houve algum tipo de edição no conteúdo no material.

Fausto Macedo, Estadão

Comentário (1) enviar comentário
  1. Blue disse:

    Só Nelsinho Mouco não ouviu.

Publicidade

Geddel e Cunha formaram quadrilha na Caixa, diz MPF

O ex-ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima: suspeito de participar de esquema de arrecadação de propinas na Caixa (Ueslei Marcelino/Reuters)

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta sexta-feira a operação “Cui Buno?”, expressão em latim que significa “a quem interessa?”, que deixou o Planalto de cabelo em pé. Na mira dos investigadores, está o ex-ministro Geddel Vieira Lima, responsável, até pouco tempo atrás, por fazer a articulação política entre o governo de Michel Temer e o Congresso. O peemedebista baiano é suspeito de ter participado de um esquema de corrupção na Caixa Econômica Federal entre 2011 e 2013, período em que ocupou o cargo de vice-presidente de pessoa jurídica do banco estatal. Além de Geddel, também são apontados como integrantes da quadrilha que atuava recolhendo propinas na Caixa: o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, o doleiro Lúcio Funaro, presos na Operação Lava-Jato, e o vice-presidente da instituição financeira pública Fábio Cleto, além de grandes empresários que teriam pago propinas para receber recursos da instituição financeira.

“Os elementos de prova colhidos até o presente momento apontam para a existência de uma organização criminosa integrada por empresários brasileiros e agentes públicos que, ocupando altos cargos na Caixa Econômica Federal e no Parlamento brasileiro, desviavam de forma reiterada recursos públicos a fim de beneficiarem a si mesmos, por meio do recebimento de vantagens ilícitas, e a empresas e empresários brasileiros, por meio da liberação de créditos e/ou investimentos autorizados pela Caixa Econômica Federal em favor desses particulares”, escreveu o procurador Anselmo Henrique Cordeiro Lopes, em sua representação.

Segundo o Ministério Público, Geddel, enquanto ocupava o cargo de vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa entre 2011 e 2013, agia internamente “de forma orquestrada” para beneficiar empresas como a BR Vias, a Oeste-Sul Empreendimentos Imobiliários, a Marfrig e companhias do grupo JBS, entre outras. Depois de defender os pleitos de cada companhia, Geddel repassava informações confidenciais para os demais integrantes da quadrilha, como Eduardo Cunha e Lúcio Funaro, para que pudessem achacar empresas que pleiteavam recursos do banco estatal.

A principal prova da atuação da quadrilha está em mensagens enviadas do celular de Cunha para Geddel. As trocas de informações entre os dois aliados peemedebistas reforçam os indícios de que recolhiam propinas das empresas que buscavam liberação de créditos ou investimentos junto à Caixa e ao FI-FGTS, fundo com recursos dos trabalhadores administrados pelo banco estatal. As propinas eram pagas tanto em contas na Suíça como em dinheiro vivo e para empresas do operador Lúcio Funaro.

Ao discutirem o caso Marfrig, em julho de 2012, Geddel reporta ao ex-deputado que o “voto sai hj”, em referência à liberação dos recursos que beneficiariam a empresa. Um mês depois, a Marfrig, quando estava com a corda no pescoço e prestes a se desfazer de alguns negócios para quitar a sua dívida, fechou um empréstimo de 350 milhões de reais com Caixa. “As empresas Marfrig e Seara se beneficiaram do esquema ilícito para a obtenção de recursos da caixa mediante contraprestação, sendo que dessa vez, ficou ainda evidente que os repasses foram realizados por meio das empresas do operador Lucio Bolonha Funaro”, diz o MPF.

No farto material em poder dos investigadores, Geddel Vieira Lima relata, também por mensagem, a Eduardo Cunha pendências do grupo J&F Investimentos com o FI-FGTS e avisa: “Fala p regularizar la”. No caso do Grupo Bertin, cujos dirigentes também caíram na rede de investigações do petrolão, a Polícia Federal mapeou uma mensagem de setembro de 2012 na qual Cunha intercede junto a Geddel em favor do grupo e cobra: “Precisa ver no assunto da bertin a carta de conforto com os termos que necessita”.

“A narrativa exposta demonstra que Geddel Quadros Vieira Lima, juntamente com Eduardo Consentino da Cunha, Lúcio Bolonha Funaro e ainda contando em alguns momentos com a participação de Fabio Ferreira Cleto, agiram de forma ilícita para a liberação de créditos da área da Vice-Presidência de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica Federal, a qual era dirigida por Geddel Quadros Vieira Lima”, aponta o MP.

Ao longo das investigações da Operação Lava-Jato, Ministério Público e Polícia Federal já haviam recolhido indicativos da atuação criminosa de Eduardo Cunha junto ao fundo de investimento do FGTS (FI-FGTS). Em delação premiada, Fábio Cleto, por sua vez, detalhara que o esquema de Cunha no FI-FGTS também era replicado na Caixa Econômica, tanto na vice-presidência de Fundos de Governo e Loterias, presidida pelo próprio Cleto, quanto na vice-presidência de pessoa jurídica, sob responsabilidade de Geddel. Ele próprio disse que o peemedebista embolsava 80% das propinas recolhidas no esquema de corrupção no banco público. Na Caixa, a atuação de Eduardo Cunha era, segundo o MP, como intermediador na liberação de empréstimos a empresas que estivessem dispostas a realizar negociações ilícitas.

Veja

 

Comentários (6) enviar comentário
  1. Paulo disse:

    BG
    Esse gedel participou dos anões do orçamento anos atrás, PILANTRA SEMPRE PILANTRA. Terá que se construir muitos presídios para abrigar esses políticos cínicos e safados canalha e BANDIDOS..

  2. Cidadão disse:

    Para quem serviu o golpe mesmo?

    • Cardoso de Araújo disse:

      Não foi golpe, mas se fosse, só em tirar os marginais do PT, já estaria de bom tamanho…LULA NUNCA MAIS! L A D R Ã O

  3. Felicio Honório disse:

    DURMA COM MAIS ESSA…
    Crédito na Caixa saía com propina a Cunha e Geddel

    Relatório da Polícia Federal aponta que empresários tinham que pagar propina a Eduardo Cunha e Geddel Vieira Lima, dois dos políticos mais próximos a Michel Temer, para obter empréstimos na Caixa Econômica Federal; segundo o documento, Geddel atuava "em prévio e harmônico ajuste" com Cunha no esquema para liberar empréstimos a empresas em troca de propinas; Cunha está preso em Curitiba e Geddel caiu por tentar usar o cargo para obter vantagens pessoais; fraudes investigadas teriam ocorrido entre 2011 e 2013, época em que Geddel ocupava uma das vice-presidências da Caixa na cota do PMDB de Michel Temer.

  4. Blue disse:

    E esse Gedel vai ficar solto. Prisão imediata pra ladrao do colarinho branco.

  5. Potyguar disse:

    Cadeia nesses pilantras e devolução do que foi roubado da nação JÁ !!

    # CHEGA DE SUSTENTAR POLÍTICO LADRÃO #

Publicidade

Cabral recebeu “mesadas” de empreiteiras de 2007 a 2014, diz MPF

Preso hoje (17) pela Polícia Federal, o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral teria recebido propina de construtoras em seus dois mandatos, entre 2007 e 2014, afirmaram hoje (17) a Polícia Federal, a Receita Federal e o Ministério Público Federal. Segundo as investigações, o ex-governador chefiava um esquema de corrupção que cobrou propina de construtoras, lavou dinheiro e fraudou licitações em grandes obras no estado realizadas com recursos federais.

De acordo com Ministério Público Federal, Sérgio Cabral chegou a receber R$ 350 mil de “mesada” da Andrade Gutierrez e R$ 200 mil da Carioca Engenharia que, no segundo mandato, aumentou o pagamento para R$ 500 mil.

As investigações começaram em julho, a partir de informações colhidas em acordos de delação premiada de executivos da Andrade Gutierrez e da Carioca Engenharia. A PF e o MPF se concentraram na apuração de irregularidades em três obras, cada uma orçada em mais de R$ 1 bilhão: a reforma do Maracanã para a Copa de 2014, o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Favelas e o Arco Metropolitano. A força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, por sua vez, investigou a contratação da Andrade Gutierrez para a obra de terraplanagem do Complexo Petroquímico do Estado do Rio de Janeiro (Comperj).

Segundo a apuração, a propina de 5% sobre as obras era paga em espécie. Havia ainda uma “taxa de oxigenação” de 1% para operadores do esquema. Com esses valores, os investigadores afirmam que chega a R$ 224 milhões a propina paga nas três obras investigadas pela força-tarefa no Rio de Janeiro, e a R$ 2,7 milhões na que foi objeto da apuração em Curitiba.

Todo o dinheiro era movimentado em espécie e era ocultado com a compra de obras de arte, objetos de luxo, barcos e roupas, além da realização de consultorias fictícias. Entre os integrantes da quadrilha, estariam o amigo de infância de Cabral, Luiz Carlos Bezerra, e o marido de uma prima de primeiro grau, Carlos Miranda, que, segundo a força-tarefa, seriam responsáveis por receber o dinheiro na sede das empreiteiras.

Em troca do dinheiro, as empreiteiras tinham sua participação garantida em obras por meio de fraudes nas licitações. O MPF e a PF afirmam que, além de Cabral, participavam do esquema o secretário de obras, Hudson Braga, e de governo, Wilson Carlos.

A operação cumpre hoje dez mandados de prisão e duas pessoas não foram encontradas em casa. Há ainda 14 mandados de condução coercitiva, incluindo a ex-primeira dama Adriana Ancelmo, e 38 mandados de busca e apreensão Decisões judiciais da 7ª Vara Criminal do Rio de Janeiro e da 13ª Vara Criminal de Curitiba também determinaram o sequestro e arresto de bens de Cabral e mais 11 pessoas físicas e 41 pessoas jurídicas.

Segundo a Polícia Federal, o ex-governador será encaminhado para o Complexo Penitenciário de Bangu.

A Agência Brasil entrou em contato com a assessoria de Cabral, mas não recebeu retorno até a publicação desta matéria.

Agência Brasil

 

Comentários (3) enviar comentário
  1. Augusto Filho disse:

    Besteira!!!
    Todo mundo passa a mão no dinheiro público
    Querem pegar o pobre pra Cristo

  2. Chico Santiago disse:

    Conforme avançarem os planos golpistas de retomada do que foi dado ao povo, esse povo vai começar a ficar suscetível a ouvir, vai abrir olhos, ouvidos e a própria mente, vai ter uma epifania e vai se descobrir com a cara daquele pato colocado na sala da cidadania brasileira pelos bilionários da Fiesp.

  3. moreira disse:

    PT?

Publicidade

NÃO FAZEM PARTE DO IMPEACHMENT: ‘Pedalada’ de Dilma no Plano Safra não foi operação de crédito nem crime, diz MPF

2016-922256006-201607081814335740.jpg_20160708Foto: Marcos Alves / Agência O Globo

O Ministério Público Federal (MPF) concluiu que a “pedalada” fiscal envolvendo o Plano Safra – uma das duas bases do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff no Senado – não se configurou operação de crédito nem crime. O mesmo entendimento foi aplicado a outras “pedaladas”, que não fazem parte do impeachment, como os atrasos de repasses da União para a Caixa Econômica Federal (CEF) referentes a programas sociais como o Bolsa Família, seguro-desemprego e abono salarial.

O procurador da República Ivan Cláudio Marx, responsável pelo procedimento criminal aberto no MPF no Distrito Federal, pediu nesta quinta-feira à Justiça Federal o arquivamento do inquérito. Na última sexta-feira, Marx já havia decidido arquivar parte das investigações, referente à “pedalada” com o BNDES. Os atrasos do governo nos repasses de auxílio de taxas de juros de financiamentos do banco foram entendidos como um “simples inadimplemento contratual”.

Este tipo de subsídio é o mesmo usado no Plano Safra: o governo, para garantir taxas menores nos financiamentos, faz aportes como compensação ao Banco do Brasil. O processo de impeachment no Senado diz que os atrasos do governo em relação ao Plano Safra configuram uma operação de crédito, uma infração à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e crime de responsabilidade de Dilma.

O crime descartado pelo procurador está previsto no Código Penal. É punido com prisão de um a dois e diz respeito a ordenar, autorizar ou realizar operação de crédito sem prévia autorização legislativa.

PROCURADOR VÊ APENAS IMPROBIDADE

O procedimento criminal no MPF foi aberto a partir dos processos do Tribunal de Contas da União (TCU), que listou 17 responsáveis pelas “pedaladas” fiscais e considerou a manobra como operação de crédito e infração à LRF. Os mesmos 17 eram alvos no MPF, entre eles os ex-ministros da Fazenda Guido Mantega e Nelson Barbosa, o ex-secretário do Tesouro Nacional Arno Augustin e o atual ministro interino do Planejamento, Dyogo Oliveira. Se a Justiça aceitar, eles ficam livres da acusação criminal referente às “pedaladas”.

A conclusão do procurador da República responsável pelas investigações é que não houve crime, mas improbidade administrativa, uma vez que se objetivou uma maquiagem das contas fiscais com as “pedaladas”. “Todos os atos seguiram o único objetivo de maquiar as estatísticas fiscais, utilizando-se para tanto do abuso do poder controlador por parte da União e do ‘drible’ nas estatísticas do Banco Central”, disse Marx no pedido de arquivamento.

Um inquérito civil público investiga a prática de improbidade. O procedimento está na fase de apontar os responsáveis pelas manobras apuradas.

O procurador detalhou o entendimento sobre o Plano Safra. “Nos casos da equalização de taxas devidas pela União ao BNDES no PSI e ao Banco do Brasil no Plano Safra, não há que se falar em operação de crédito, já que o Tesouro deve aos bancos a diferença da taxa e não aos mutuários.”

O mesmo entendimento, de que não houve operação de crédito, se aplica aos atrasos para pagamento do Bolsa Família e outros programas sociais. A Caixa se viu obrigada a fazer esses pagamentos. Marx disse que havia previsão contratual para isso e que a prática vem desde 1994. “Todos seus praticantes devem ser responsabilizados ou nenhum o deve, no caso de se entender que não tinham conhecimento de que o tipo penal criado no ano de 2000 se amoldava àquela praxe preexistente e que permanecera até 2015 sem qualquer questionamento por parte das autoridades de controle.”

No despacho pelo arquivamento o procurador informou a abertura de um novo procedimento criminal, para apurar outra prática detectada pelo TCU. O tribunal apontou a existência de crime no pagamento de dívidas da União do Minha Casa Minha Vida sem autorização da lei orçamentária anual.

O Globo

Comentários (4) enviar comentário
  1. Paulo dantas disse:

    E ainda dizem que não é golpe!!

  2. ta ligado. disse:

    É pedalada, nao é pedalada. Talvez sirva para uma análise historica no futuro. No julgamento pelo Senado nao vai mudar um unico voto.

  3. JEAN CARLOS disse:

    E ainda dizem que não é golpe!

Publicidade

28ª fase da Operação Lava-Jato: Gim Argello usou até igreja para movimentar parte da propina de R$ 5,3 milhões, diz MPF

Cf2Kn-CWQAQQJXgO Ministério Público Federal (MPF) disse nesta terça-feira que as propinas pagas ao ex-senador Gim Argello (PTB-DF) chegaram a mais de R$ 5,3 milhões. Este seria o montante recebido por ele para barrar investigações relacionadas às empreiteiras UTC e OAS na CPI da Petrobras, instalada em 2014. O ex-senador Gim Argello (PTB-DF) foi preso preventivamente na manhã de hoje 28ª fase da Operação Lava-Jato. A Força-Tarefa frisou que esta operação não investiga outros políticos envolvidos no esquema.

Segundo os procuradores, Argello recebia dinheiro para não convocar empreiteiros para depor na Comissão Parlamentar de Inquérito. Além de delações que indicavam a participação de Argello no esquema , a Polícia Federal disse que houve interceptações de ligações telefônicas e outros materiais apreendidos que comprovam o crime de corrupção.

A propina era recebida também por partidos e grupos políticos indicados pelo então senador — foram citados DEM, PR, PMN e PRPB. O dinheiro vinha por meio de doações a partidos políticos que compunham a CPI. Além disso, R$ 350 mil foram pagos à Paróquia São Pedro, em Taguatinga, no DF, frequentada por Gim. Segundo a Força-Tarefa, a paróquia foi indicada por Gim para receber doação — numa conta corrente da igreja.

— Não temos, nos documentos da Lava-Jato, documentos de qualquer pessoa com foro — disse o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, salientando que esta investigação ocorreu após a separação dos processos entre quem tem foro (com o Supremo Tribunal Federal e a Procuradoria Geral da República) e quem não tem (com Curitiba).

Segundo o procurador Athayde Ribeiro Costa, “é uma gravidade e audácia de Gim (Argello) usar a CPI para cometer crimes (…) é gravíssimo usar uma CPMI para praticar crimes que deveriam ser investigados”.

— Travestir propina em forma de doações legais é uma coisa que existe há muito tempo, agora vamos nos aprofundar sobre isso — ressaltou Carlos Fernando.

DELCÍDIO E UTC DELATARAM

Gim Argello apareceu nas delações do senador Delcídio Amaral (sem partido-MS) e do dono da empreiteira UTC, Ricardo Pessoa na Lava Jato. Segundo o Ministério Público, há evidências do pagamento de propina a Gim de R$ 5 milhões pela UTC e de R$ 350 mil pela OAS. Também estão sob investigação pedidos de propina dirigidos a outras empreiteiras envolvidas no esquema de corrupção na Petrobras.

A Polícia Federal cumpriu 22 mandados judiciais sendo dois de prisão temporária, um de prisão preventiva, 14 de busca e apreensão e cinco de condução coercitiva. A sede da empreiteira OAS, na região central de São Paulo, é um dos alvos de busca e apreensão da nova fase.

Os presos temporários são Paulo Cesar Roxo Ramos e Valério Neves Campos, ambos ligados a Argello e que foram presos em Brasília. Eles serão levados a Curitiba ainda na tarde desta terça-feira.

Foram conduzidos coercitivamente: Jorge Argello Júnior, filho do ex-senador Gim, Roberto Zardi Ferreira Jorge, Gustavo Nunes da Silva Rocha, Dilson de Cerqueira Paiva Filho e Marcos Paulo Ramalho. Esses dois últimos foram ouvidos na Polícia Federal em São Paulo.

Segundo o MPF, o pagamento à paróquia é associado a uma pessoa identificada como “Alcoólico”, que seria o apelido de Gim Argello, por ser um trocadilho com a bebida “Gim”. O apelido apareceu em troca de mensagens de Léo Pinheiro com Otávio Marques de Azevedo, presidente da Andrade Gutierrez, outra empreiteira envolvida no esquema da Petrobras.

O Globo

Comentários (3) enviar comentário
  1. Felicio Honório disse:

    vou acreditar na VAZA A JATO no dia em que Aécio, Zé Agripino, Temer, Cunha, sua mulher e filha, forem intimados para depor.
    POIS ACREDITAR QUE SERÃO "CONDUZIDOS COERCITIVAMENTE" É UMA COMPLETA IMPOSSIBILIDADE!

    • Verdade seja dita disse:

      Chorar faz parte

    • Ceará Mundão disse:

      A Lava Jato não é obra da oposição política ao PT. São as instituições nacionais em ação: Polícia Federal, Min. Público (estaduais e federal) e Justiça (diversas instâncias). Quem duvida de seus resultados, está pondo em dúvida o próprio Estado brasileiro. Partindo de militantes petistas, que não têm o menor respeito por lei, ordem, ética e democracia (embora usem o termo em vão e de forma errada), não causa espanto a ninguém. O Brasil precisa defenestrar essa corja, para o bem das pessoas de bem.

Publicidade

Lula é um dos principais beneficiários da Petrobras, diz MPF; veja nota oficial

size_810_16_9_presidente-lula-reuniaoFoto: Fabio Rodrigues Pozzebom/AGÊNCIA BRASIL

Na 24ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada na manhã desta sexta-feira (4), a Polícia Federal (PF) cumpre mandatos de busca e apreensão na casa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de seu filho, Fabio Luiz Lula da Silva.

Neste momento, a PF está no entorno da casa do petista em São Bernardo do Campo, no ABC paulista.

A operação, batizada de Aletheia em referência a expressão grega que significa busca da verdade, investiga a compra e a reforma de um sítio em atibaia frequentado por Lula e a possível relação do ex-presidente com um apartamento tríplex no Guaruja, reformado pela OAS.

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), em nota, o petista é um dos principais beneficiários da Petrobras. “O ex-Presidente Lula, além de líder partidário, era o responsável final pela decisão de quem seriam os diretores da Petrobras e foi um dos principais beneficiários dos delitos”.

Na tarde de ontem, a reportagem da revista IstoÉ estremeceu Brasília ao revelar que Delcídio teria dito que o ex-presidente Lula teria interferido na apuração do esquema de corrupção da Petrobras.

Se a denúncia for confirmada, as investigações da Operação Lava Jato podem ser levadas ao Palácio do Planalto – cenário mais temido pelo governo Dilma.

Veja a nota oficial emitida pelo MPF

“Estão sendo cumpridos, nesta data, mandados de busca e apreensão e de condução coercitiva para aprofundar a investigação de possíveis crimes de corrupção e lavagem de dinheiro oriundo de desvios da Petrobras, praticados por meio de pagamentos dissimulados feitos por José Carlos Bumlai e pelas construtoras OAS e Odebrecht ao ex-Presidente da República Luis Inácio Lula da Silva e pessoas associadas. Há evidências de que o ex-Presidente Lula recebeu valores oriundos do esquema Petrobras por meio da destinação e reforma de um apartamento triplex e de um sítio em Atibaia, da entrega de móveis de luxo nos dois imóveis e da armazenagem de bens por transportadora. Também são apurados pagamentos ao ex-Presidente, feitos por empresas investigadas na Lava Jato, a título de supostas doações e palestras.

Ao longo das 23 fases anteriores da Lava Jato, avolumaram-se evidências muito consistentes de que o esquema de desvio de dinheiro da Petrobras beneficiava empresas, que enriqueciam às custas dos cofres da estatal, funcionários da Petrobras, que vendiam favores, lavadores de dinheiro profissional, os quais providenciavam a entrega da propina, e os políticos e partidos que proviam sustentação aos funcionários da Petrobras e em troca recebiam a maior parte da propina, a qual os enriquecia e financiava campanhas.

Esse grande esquema era coordenado a partir das cúpulas e lideranças dos partidos políticos que compunham a base do governo federal, especialmente o Partido dos Trabalhadores, o Partido Progressista e o Partido do Movimento Democrático Brasileiro. O ex-Presidente Lula, além de líder partidário, era o responsável final pela decisão de quem seriam os diretores da Petrobras e foi um dos principais beneficiários dos delitos.

De fato, surgiram evidências de que os crimes o enriqueceram e financiaram campanhas eleitorais e o caixa de sua agremiação política. Mais recentemente, ainda, surgiram, na investigação, referências ao nome do ex-Presidente Lula como pessoa cuja atuação foi relevante para o sucesso da atividade criminosa, tanto no tocante à quitação do empréstimo obtido pelo Partido dos Trabalhadores junto ao Banco Schahin, por meio do direcionamento ilícito de contrato da Petrobras ao grupo Schahin, a pedido de José Carlos Bumlai, como para que um negócio entre OSX e Sete Brasil se efetivasse. No último caso, há notícia de pagamento de propina que seria destinada, segundo Bumlai teria informado, para parente do ex-Presidente.

O avanço das investigações revelou, também, evidências de que o ex-Presidente recebeu, em 2014, pelo menos R$ 1 milhão sem aparente justificativa econômica lícita da OAS, por meio de reformas e móveis de luxo implantados no apartamento tipo triplex, número 164-A, do Condomínio Solaris, em Guarujá. Embora o ex-Presidente tenha alegado que o apartamento não é seu, por estar em nome da empreiteira, várias provas dizem o contrário, como depoimentos de zelador, porteira, síndico, dois engenheiros da OAS, bem como dirigentes e empregado da empresa contratada para a reforma, os quais apontam o envolvimento de seu núcleo familiar em visitas e tratativas sobre a reforma do apartamento.

Há evidências de que a OAS pagou despesas elevadas para reformar o imóvel (mais de R$ 750 mil), arcou com móveis de luxo para cozinha e dormitórios (cerca de R$ 320 mil), bem como de que tudo isso aconteceu de modo não usual (foi o único apartamento que sofreu tal intervenção) e com o envolvimento do próprio presidente da OAS, Léo Pinheiro. A suspeita é de que a reforma e os móveis constituem propinas decorrentes do favorecimento ilícito da OAS no esquema da Petrobras, empresa essa cujos executivos já foram condenados por corrupção e lavagem na Lava Jato. Além disso, há fortes evidências de que outros líderes e integrantes do Partido dos Trabalhadores foram agraciados com propinas decorrentes de contratos da Petrobras, inclusive por meio de reformas e após deixarem o cargo público, como no caso de José Dirceu, o que já ensejou acusação criminal formal contra este.

As apurações apontam também para o fato de que o ex-Presidente Lula, em 2010, adquiriu dois sítios em Atibaia mediante interpostas pessoas, pelo valor de R$ 1.539.200,00, havendo ainda fortes indícios de que, entre 2010 e 2014, recebeu pelo menos R$ 770 mil sem justificativa econômica lícita de José Carlos Bumlai e das empresas Odebrecht e OAS, todos beneficiados pela corrupção no esquema Petrobras. De fato, dois sítios contíguos, um colocado em nome de Jonas Suassuna e outro em nome de Fernando Bittar, foram adquiridos na mesma data, em 29/10/2010. Tanto Jonas como Fernando são sócios de Fábio Luís Lula da Silva como foram representados na compra por Roberto Teixeira, notoriamente vinculado ao ex-Presidente Lula e responsável por minutar as escrituras e recolher as assinaturas. Encontrou-se, ainda, mensagem eletrônica que aponta o uso dos adquirentes nominais como interpostas pessoas. Ademais, o ex-Presidente determinou que parte de sua própria mudança, quando do fim do exercício da presidência, fosse entregue na sede dos sítios, para onde foi, com expressiva frequência, ao longo dos últimos anos.

Para além da suspeita sobre a ocultação de propriedade em nome de terceiros, há fortes indícios, consistentes na palavra de diversas testemunhas e notas fiscais de compras de produtos, de que reformas e móveis no valor de pelo menos R$ 770 mil foram pagos, sem razão econômica lícita, por Bumlai e pelas empreiteiras Odebrecht e OAS, todos favorecidos no esquema Petrobras. Bumlai e a Odebrecht se encarregaram da reforma. A OAS adquiriu móveis no valor de aproximadamente R$ 170 mil para a cozinha, comprada no mesmo estabelecimento em que aquela empresa adquiriu móveis para o triplex 164-A, o que também indica que o imóvel pertencia ao ex-Presidente. Foram encontradas mensagens, ainda, no celular de Léo Pinhero, indicando que os beneficiários da cozinha eram o ex-Presidente e sua esposa, ex-Primeira-Dama. A suspeita, aqui novamente, é que os valores com que o ex-Presidente foi agraciado constituem propinas pagas a título de contraprestação pelos favores ilícitos obtidos no esquema Petrobras.

Surgiram, ainda, fortes indícios de pagamentos dissimulados de aproximadamente R$ 1,3 milhão pela empresa OAS em favor do ex-Presidente, de 01/01/2011 a 01/2016, para a armazenagem de itens retirados do Palácio do Planalto quando do fim do mandato. Apesar de a negociação do armazenamento ter sido feita por Paulo Okamotto, que foi um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores, presidente do Instituto Lula desde o fim de 2011 e sócio do ex-Presidente na LILS Palestras desde sua constituição em março de 2011, o contrato foi feito entre a OAS e a empresa armazenadora. Nesse contrato, seu real objeto foi escondido, falsificando-se o documento para dele constar que se tratava de “armazenagem de materiais de escritório e mobiliário corporativo de propriedade da construtora OAS Ltda.” Paulo Okamotto assinou ainda, em 12 de janeiro de 2016, procuração autorizando a retirada dos bens.

Por fim, investigam-se pagamentos vultosos feitos por construtoras beneficiadas no esquema Petrobras em favor do Instituto Lula e da LILS Palestras, em razão de suspeitas levantadas pelos ingressos e saídas dos valores. De fato, a maior parte do dinheiro que ingressou em ambas as empresas, ao longo de 2011 a 2014, proveio de empresas do esquema Petrobras: Camargo Correa, OAS, Odebrecht, Andrade Gutierrez, Queiroz Galvão e UTC. No Instituto Lula, foram 20,7 dentre 35 milhões que ingressaram. Na LILS, foram 10 dentre 21 milhões. Quanto às saídas de recursos, além de beneficiarem pessoas vinculadas ao Partido dos Trabalhadores – cumprindo recordar que o esquema da Petrobras era partidário -, elas beneficiaram parentes próximos do ex-Presidente, por meio de pagamentos a empresas de que são sócios. Além de tudo isso, a própria presidência do Instituto foi ocupada, em dado momento, por ex-tesoureiro de sua campanha que é apontado por colaboradores como recebedor de propinas que somaram aproximadamente R$ 3 milhões, decorrentes de contratos com a Petrobras, o que, mais uma vez, mostra o vínculo de pessoas muito próximas ao ex-Presidente com os crimes e indica possível ligação das próprias empresas ao esquema ilícito e partidário que vitimou a Petrobras.

Todos esses fatos estão sendo investigados no âmbito da Lava Jato porque eles se relacionam com o destino de verbas desviadas da Petrobras por empresas e pessoas participantes do megaesquema criminoso. Os fatos são de competência federal não só por se relacionarem com crimes financeiros e de lavagem de dinheiro transnacional, mas também por haver fatos praticados quando o ex-Presidente estava no exercício de mandato no âmbito da União Federal, onde possivelmente sua influência foi usada, antes e depois do mandato – o que é objeto de investigação –, para que o esquema existisse e se perpetuasse.

Ressalta a Força Tarefa do Ministério Público Federal que a investigação sobre o ex-Presidente não constitui juízo de valor sobre quem ele é ou sobre o significado histórico dessa personalidade, mas sim um juízo de investigação sobre fatos e atos determinados, que estão sob suspeita. Dentro de uma república, mesmo pessoas ilustres e poderosas devem estar sujeitas ao escrutínio judicial quando houver fundada suspeita de atividade criminosa, a qual se apoia, neste caso, em dezenas de depoimentos e ampla prova documental. Conforme colocou a decisão judicial, “embora o ex-Presidente mereça todo o respeito, em virtude da dignidade do cargo que ocupou (sem prejuízo do respeito devido a qualquer pessoa), isso não significa que está imune à investigação, já que presentes justificativas para tanto.”

Exame

Comentários (3) enviar comentário
  1. SERGIO disse:

    SENADORA FATIMA , DEPUTADO MINEIRO , VEREADOR QUE GOSTA DE BRIGAR LUCENA , VAI FALAR O QUE AGORA , O QUE VCS VÃO FAZER AGORA NESSE PARTIDO DE BANDIDOS

    • Paulo disse:

      Vão pronunciar um monte de palavras difíceis e que ninguém usa no dia a dia para tentar justificar. É uma corja!

    • Moreira disse:

      Ou então dizer que a corrupção sempre existiu kkkkkkkk

Publicidade

Marqueteiro do PT e mulher mentiram em depoimento à polícia, diz MPF

CcKdanaXIAAnfQLNo pedido de prorrogação da prisão temporária do marqueteiro do Partido dos Trabalhadores (PT) João Santana e da mulher Mônica Moura, o Ministério Público Federal (MPF) alegou que o casal mentiu perante a autoridade policial.

“Apesar de João Santana e Mônica Moura terem negado veemente utilizarem o apelido ‘Feira’ para o recebimento dos valores, as anotações manuscritas apreendidas na residência de Maria Lucia revelaram claramente que a menção ‘Feira-Mônica’ corresponde ao casal João Santana e Mônica Moura, uma vez que os telefones anotados abaixo de ‘Feira’ correspondem aos números utilizados por ambos”, diz um trecho do documento protocolado no processo eletrônico na Justiça Federal na tarde desta sexta-feira (26).

A prisão temporária do casal, que foi detido pela 23ª fase da Operação Lava Jato na terça (23), vence no sábado (27). A Polícia Federal (PF) também pediu a prorrogação da temporária deles por mais cinco dias.

G1

Comentários (5) enviar comentário
  1. Fernando Antonio R. Bastos disse:

    Isso é que se pode se chamar JOÃO SATANÁS JUDAS BRASILEIRO.

  2. Verdade seja dita disse:

    Esse casal são os pais da mentira, são os diabos, e seu caminho será o inferno.

  3. Val Lima disse:

    Alguém tem dúvida q as prisões se transformarão em preventiva??…Esse povo não aprende….qdo a PF ouve um suspeito já tem em mãos todos os elementos do interrogatório,fica aguardando o vacilo do depoente ai xeque -mate…

  4. BRASIL MOSTRA TUA CARA disse:

    Esse cara é quem orienta LULA pra sempre negar tudo…Vcs acham que ele ia confirmar algo errado que fez? Nunca!

  5. Marconi disse:

    Qual a novidade nisso? Esse marqueteiro é um dos mentores das mentiras que tanto o PT vem falando, repetindo e insistindo. Alguém esperava que ele chegasse aqui e falasse uma frase sem mentiras?
    Porém o papel da PF, em provar as mentiras não será facil, mas vão conseguir desmascarar de vez o PT e suas ilegalidade. Agora vai!

Publicidade

Dono da UTC e executivo da Odebrecht são líderes de organização criminosa, diz MPF

A força-tarefa da Operação Lava Jato apontou o dono da UTC Engenharia, Ricardo Pessoa, e o executivo da Odebrecht, Márcio Faria, como líderes da organização criminosa denunciada à Justiça Federal, que entre 2004 e 2014 teria desviado mais de R$ 6 bilhões da Petrobrás, por meio do pagamentos de propinas, que variavam de 1% a 3% dos contratos da estatal, a agentes públicos e políticos.

“Na organização de tal esquema, comandando o núcleo econômico, estava Pessoa e Márcio Faria, o primeiro pela UTC e o segundo pela Odebrecht. Ambos dirigiam as atividades da Orcrim (organização criminosa)”, registram os nove procuradores do Ministério Público Federal, que subscrevem a primeira alegação final de uma ação penal envolvendo executivos do cartel como réus.

QUALIFICA-MARCIO-FARIASTrecho de inquérito da Lava Jato que qualifica Márcio Faria, da Odebrecht / Reprodução

Os executivos da Odebrecht ainda não foram denunciados pela Lava Jato. A empreiteira e seus dirigentes são alvos de inquérito da Polícia Federal. A empresa nega envolvimento com o esquema. Faria e outros dois executivos, Rogério Araújo e Alexandrino Alencar, foram apontados em delações premiadas como elos do cartel e das propinas no esquema da Petrobrás.

O processo em que os Procuradores apontam o papel de liderança do dono da UTC e do executivo da Odebrecht responsabiliza três executivos da Camargo Corrêa – afastados dos cargos em novembro, após serem presos pela Lava Jato -, Dalton Avancini, ex-presidente; Eduardo Leite, ex-vice-presidente; e João Auler, ex-presidente do Conselho de Administração da empreiteira. Eles são acusados de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

pessoa-e-walmir1Trecho de inquérito da PF com qualificação de Ricardo Pessoa / Foto: Reprodução

Pessoa também é réu no processo da Camargo Corrêa, no entanto, a força-tarefa deixou de apresentar pedido de condenação contra ele. O motivo é notícia de que o empresário está em tratativa de delação premiada com a Procuradoria Geral da República, no âmbito dos inquéritos que envolvem políticos – que têm foro especial por prerrogativa de cargo.

“Pessoa tinha função de destaque na convocação de reuniões e na formulação das regras para a divisão de obras, eliminação da concorrência e fraudes aos certames”, explicam os procuradores.

Para isso, destacam a delação premiada de Leite, um dos executivos da Camargo, em que diz como funcionavam as reuniões do cartel. Os três executivos da empreiteira estão presos em regime domiciliar.

“Esse grupo já era formado, e tinham empresas e pessoas tradicionais nesse setor (óleo e gás). Então a Odebrecht e o Márcio Faria era uma pessoa que era líder, era, já trabalhava há muito tempo, sei lá, mais de 20 anos talvez, aí nesse setor. Da mesma forma, o Ricardo Pessoa também era uma pessoa que tinha realmente uma, então naturalmente eles eram pessoas que tinham maior capacidade aí de conversar com as empresas, conhecimento das empresas, das outras empresas.”

No memorial, penúltima fase do processo antes do juiz federal Sérgio Moro dar sua sentença, os procurados assim descrevem o esquema desbaratado pela Lava Jato: “Apurou-se um gigantesco esquema criminoso voltado para a prática de crimes contra a empresa Petrobrás, o qual ocorria através de um núcleo econômico formado pelas grandes construtoras do País, que constituíram um verdadeiro cartel”.

Segundo a força-tarefa, “houve o pagamento de propina a pessoas que detinham altos cargos na referida estatal, além de agentes políticos, a fim de preservar o alto lucro das empresas formadoras do cartel e a divisão das obras na forma escolhida pelos executivos das empreiteiras. Frustrava-se, assim, a competição dos certames e garantia-se a hegemonia das empresas cartelizadas”

Trecho-memoriais-da-AP-CC-e-UTC-do-MPF-sobre-marcio-fariaTrecho do pedido de condenação dos executivos da Camargo Corrêa, em que MPF cita UTC e Odebrecht / Foto: Reprodução

Núcleos. No processo, os acusados foram divididos em núcleos, agrupados por seu papel no esquema criminoso instalado de 2004 a 2014. “O primeiro núcleo era formado pelos administradores das empreiteiras Odebrecht, UTC, Camargo Corrêa, Techint, Andrade Gutierrez, Mendes Júnior, Promon, MPE, Skanska, Queiroz Galvão, Iesa, Engevix, Setal, Setal Óleo e Gás, GDK e Galvão Engenharia, voltando-se à prática de crimes de cartel e licitatórios contra a Petrobrás, de corrupção de seus agentes e de lavagem dos ativos havidos com a prática desses crimes.”

Os procuradores afirmam que “o núcleo formando pelas empreiteiras, aproveitando-se da garantia de altos lucros pela eliminação da concorrência, subverteu fundamentos da República Federativa do Brasil, como a livre concorrência e o pluralismo político”.

“As empreiteiras reuniram-se em conluio para inicialmente fraudar a concorrência dos certames da Petrobrás; posteriormente tal prática se tornou sofisticada, ocorrendo reuniões com representantes das empresas cartelizadas para a divisão de obras mediante regras previamente estabelecidas.”

Partidos. São quatro núcleos, segundo MPF. Além do núcleo econômico, o segundo é o de agentes públicos corrompidos pelos integrantes do primeiro. “Passando a auxiliá-los na consecução dos delitos de cartel e licitatórios. O terceiro núcleo era integrado por operadores do mercado negro que atuavam para operacionalizar o pagamento das vantagens indevidas”, além de promover a lavagem do dinheiro.

O quarto núcleo é o de políticos, sendo que a maioria segue investigada nos casos que estão no Supremo Tribunal Federal. Três deles já foram denunciados em primeiro grau, André Vargas (ex-PT, hoje sem partido), Pedro Corrêa (ex-PP) e Luiz Argôlo (ex-PP, hoje afastado do SD).

Segundo os procuradores, Avancini, Leite e Auler integraram o núcleo empresarial do esquema, que pagava de 1% a 3% de propina a agentes públicos indicados por PT, PMDB e PP em diretorias da Petrobrás. Em troca, o grupo controlava e dividia contratos bilionários – 16 empresas são apontadas no cartel. O desvio já reconhecido pela estatal é de R$ 6 bilhões.

No caso desse processo em que o MPF pediu a condenação de três dirigentes da Camargo Corrêa, o caso envolve os atos praticados na Diretoria de Abastecimento, que era cota do PP no esquema.

Na ação contra o trio da Camargo, os procuradores pedem o “perdimento do produto e proveito dos crimes”, num total de R$ 50,8 milhões, e multa de R$ 343 milhões, correspondente a 3% do valor dos contratos e aditivos mencionados na denúncia, relativos a obras da empreiteira nas refinarias Getúlio Vargas (Repar), no Paraná, e Abreu e Lima (Rnest), em Pernambuco, além do Complexo Petroquímico do Rio (Comperj).

Os projetos foram contratados pelo ex-diretor Paulo Roberto Costa. Ele e o doleiro Alberto Youssef, delatores da Lava Jato, também são réus nessa ação, além dos “carregadores de mala” Adarico Negromonte e Jayme Alves de Oliveira, o Careca.

Esses são os primeiros memoriais apresentados pelo Ministério Público em ação penal contra membros do núcleo empresarial. Nessa etapa do processo, a acusação reforça o pedido de condenação feito na denúncia usando como base provas colhidas na fase de instrução. Há ainda outras cinco ações contra ex-dirigentes de mais cinco empreiteiras contratadas pela estatal.

“Tais empresas em momento algum podem ser referidas como se tivessem feito parte do progresso da Nação, pois, através dos seus dirigentes, corromperam diversos agentes públicos e impediram o sucesso de empresários que atuam dentro dos ditames legais.”

COM A PALAVRA, A DEFESA

CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT

“A Odebrecht nunca participou de cartel, nem de oferecimento ou pagamento de propina em contratos com qualquer cliente público ou privado. Para o entendimento geral, é importante ressaltar que ‎sempre foram públicas as desavenças entre a Camargo Corrêa e a Odebrecht na disputa de importantes contratos, o que não surpreende que o presidente da Camargo, sentindo-se obrigado a prestar declarações em troca de sua liberdade, o faça motivado por um sentimento de vingança concorrencial.”

Fausto Macedo – Estadão

enviar comentário
Publicidade