Publicidade

F1: Williams renova com Massa e Bottas

massa-bottas-williams-2014-originalValtteri Bottas e Felipe Massa durante apresentação do carro de 2015 da Williams(Carl Court/AFP/VEJA)

A Williams confirmou na manhã desta quinta-feira a permanência de sua dupla de pilotos, formada pelo brasileiro Felipe Massa e pelo finlandês Valtteri Bottas, para a temporada de 2016 da Fórmula 1. Massa, de 34 anos, completará três anos na equipe britânica e celebrou a confiança do time de Frank Williams. “Estou no meu segundo ano aqui e muito feliz por fazer parte da família Williams, já que estamos trabalhando muito bem como equipe”, afirmou o brasileiro, que ocupa a quinta colocação do Mundial de Fórmula 1, com 82 pontos, os mesmos que o finlandês Kimi Raikkonen, da Ferrari, quarto por ter conseguido melhores posições nas corridas.

O piloto paulista chegou à Williams em 2013 após oito temporadas na Ferrari, onde foi vice-campeão Mundial em 2008. Na nova equipe, ele cravou uma única pole, no Grande Prêmio da Áustria, em 2014, e subiu ao pódio em quatro oportunidades. Já Valtteri Bottas, que teve o nome especulado na Ferrari antes da renovação do compatriota Kimi Raikkonen com a escuderia italiana, ressaltou a recente evolução da Williams e mostrou estar confiante em resultados mais expressivos.

“Temos crescido e nos tornado cada vez mais fortes como equipe e já estou ansioso para ver o que nos espera no ano que vem”, declarou Bottas, sexto colocado da atual temporada, com 79 pontos. Os dois irão à pista na madrugada de quinta para sexta-feira, às 5 horas (de Brasília), para o primeiro treino livre do GP da Itália. A expectativa dentro da Williams é que o carro consiga um bom desempenho em Monza, brigando de igual para igual com a Ferrari, mas ainda abaixo das Mercedes de Lewis Hamilton e Nico Rosberg.

(Veja, com Gazeta Press)

enviar comentário
Publicidade

F1: saiba quais foram os maiores salários em 2014

Em 2014, Sebastian Vettel, Fernando Alonso e Kimi Raikkonen foram os pilotos mais bem pagos da Fórmula 1. Segundo o jornal francês L’Équipe, o alemão da Red Bull e os pilotos da Ferrari faturaram 22 milhões de euros (75 milhões de reais) no ano. Em 2015, Vettel lucrará ainda mais. Agora piloto da Ferrari, o tetracampeão mundial receberá 25 milhões de euros (86 milhões de reais). O brasileiro Felipe Massa foi o sétimo mais bem pago: 4 milhões de euros (13,7 milhões de reais).

Outra estatística levantada pelo L’Équipe é a rentabilidade de cada piloto. O jornal francês levou em conta o salário anual e dividiu pelo número de pontos conquistados em toda a temporada. Nessa conta, Daniel Ricciardo, da Red Bull, foi o mais rentável, já que cada ponto seu custou 3.150 euros (10.700 reais). O menos rentável foi Adrian Sutil, da Sauber-Ferrari, que não pontuou e recebeu dois milhões de euros (6,8 milhões de reais) na temporada. O campeão, Lewis Hamilton foi apenas o 10º mais rentável – recebeu 20 milhões de euros (69 milhões de reais) e fez 384 pontos, resultando em 52.000 euros (177.000 reais) por cada ponto. Felipe Massa foi o quarto mais rentável com 29.850 euros (101.000 reais) por ponto.

Confira os dez maiores salários de 2014 clicando no link abaixo:

http://veja.abril.com.br/noticia/esporte/f1-saiba-quais-foram-os-maiores-salarios-em-2014?utm_source=redesabril_veja&utm_medium=twitter&utm_campaign=redesabril_veja&utm_content=feed&

Veja

enviar comentário
Publicidade

F1: Vettel comemora acerto com Ferrari, "maior time da história

vettel-alonso-091014O alemão Sebastian Vettel finalmente foi anunciado como piloto da Ferrari nas próximas três temporadas da Fórmula 1. Tetracampeão do Mundial com a Red Bull, o piloto comemorou o acerto com a tradicional escuderia italiana, apesar dos resultados ruins nos últimos anos.

O acerto de Vettel com a Ferrari já era previsto porque a Red Bull anunciou a saída do piloto alemão da equipe ainda no início de outubro. Ele substituirá Fernando Alonso na escuderia italiana, formando dupla com o finlandês Kimi Raikkonen. O espanhol ainda não anunciou seu futuro.

“Não preciso nem mencionar a história da Ferrari. É provavelmente o maior time no esporte. Então estou muito animado e motivado para tentar fazer meu melhor, colocar meu coração nisso e obviamente ter sucesso”, disse Vettel nesta sexta-feira, pouco depois de o acordo com a Ferrari ser anunciado.

O piloto alemão chegou à F-1 em 2007, ano em que fez uma prova pela BMW Sauber e sete pela Toro Rosso, escuderia que defendeu em 2008. No ano seguinte, foi à Red Bull e já na temporada de estreia foi segundo colocado. Nas quatro temporadas posteriores, levou o Mundial.

“Acho que foi a hora certa. Não é uma decisão fácil de tomar. Estive com a Red Bull a minha vida toda, desde que tenho 12 anos de idade, eles me ajudaram e tenho uma grande conexão com as pessoas na Áustria”, afirmou. “Foi um caminho incrível, mas em algum momento você quer um desafio novo, tentar algo diferente”.

O anúncio do acerto de Vettel com a Ferrari foi anunciada nesta quinta-feira, às vesperas dos inícios das atividades do Grande Prêmio da Abu Dhabi, última prova da temporada de Fórmula 1.

Terra

enviar comentário
Publicidade

Sauber diz ter interesse em contratar Barrichello para 2014

13276177Monisha Kaltenborn, chefe da Sauber, disse nesta quinta-feira na Coreia do Sul que trabalha com a possibilidade, mesmo que remota, de ter Rubens Barrichello em sua equipe no ano que vem.

“Temos algumas opções para o próximo ano. Sabemos que ele tem experiência. Ele gostaria de voltar à F-1, então vamos ver o que acontece”, afirmou a dirigente, que descartou no entanto qualquer possibilidade de o piloto brasileiro, que se aposentou da F-1 no final de 2011, quando perdeu a vaga na Williams para Bruno Senna, correr apenas o GP Brasil deste ano, como chegou a ser especulado na semana passada.

“Absolutamente. Não vejo nenhuma chance de que isso ocorra. Temos dois pilotos [Nico Hulkenberg e Esteban Gutierrez] e não vejo nenhum motivo para mudarmos isso para o Brasil”, disse Monisha.

Barrichello, 41, que depois de deixar a F-1 passou a trabalhar como comentarista da TV Globo neste ano, disputa atualmente o campeonato da Stock Car. No ano passado, competiu na Indy, nos EUA. Ele é o recordista de corridas disputadas na F-1.

Folha

enviar comentário
Publicidade

Rubens Barrichello pode voltar à F-1 em 2014

barrichelloA solução para a Rede Globo tentar salvar a audiência das transmissões da F-1 em 2014 pode estar dentro de casa: Rubens Barrichello. Isso mesmo, o site espanhol F1aldia.com, afirmou que o veterano piloto de 41 anos estaria muito próximo de assinar contrato com a mediana Sauber, para ser companheiro do estreante russo Sergey Sirotkin, de apenas 18 anos.

Ano que vem, a categoria passará por uma profunda modificação no regulamento, que implicará em carros totalmente novos. Para se ter uma ideia, os atuais motores V8 aspirados de 2.4 litros, passarão a ser V6 turbos de apenas 1.6 litro.

Com isso, a equipe de origem suíça poderá optar pela propagada experiência de Barrichello em desenvolver e acertar carros, além de usá-lo como mentor do estreante (e milionário) russo.

Os atuais pilotos, o alemão Nico Hulkenberg e o mexicano Esteban Gutiérrez, não devem continuar na Sauber para 2014. Se a informação se confirmar, o futuro de Felipe Massa na F-1 ficará muito, mas muito ameaçado.

Comentários (3) enviar comentário
  1. Amaral disse:

    Deve chegar em 2015!!! Kkkk

  2. Cláudia Souto disse:

    Rubinho "Pé-de-chinelo" vai fazer o que na f1? Eu, hein?!!

    • David disse:

      mais que vc vai..tenho certeza

      e muito "piloto" querendo falar quem e bom ou não

Publicidade

F1: Hamilton vence na Hungria; Massa colide na 1ª volta e termina em 8º

Lewis Hamilton fez por merecer sua primeira vitória na temporada. O inglês havia feito a pole position no sábado, largou bem neste domingo e conquistou seu quarto triunfo no GP da Hungria na carreira. Hamilton realizou uma prova segura e soube controlar Sebastian Vettel no início, líder na temporada e 3º colocado na prova.

Raikkonen foi o segundo colocado; Vettel, Webber e Alonso vieram logo em seguida.

Já Felipe Massa teve corrida comprometida devido a uma colisão logo na 1ª volta e terminou a prova na 8ª colocação.

A Ferrari de Massa tocou na Mercedes de Nico Rosberg. Na batida, parte da asa dianteira da Ferrari foi danificada. Massa segurou a 5ª colocação (ele largou em 7º), mas seu desempenho começou a cair, tendo Raikkonen se aproximando. Já Rosberg caiu para a 12ª posição.

Em contato com a equipe na 10ª volta, Massa avisou pelo rádio que o dano na Ferrari estava trazendo instabilidade. Ele foi para os boxes na 12ª volta. Desde então, esteve sempre atrás dos cinco primeiros.

O GP de Budapeste definitivamente não traz boas lembranças ao ferrarista. Em 2009, Massa sofreu gravíssimo acidente ao ter seu capacete atingido por uma mola. A lesão o afastou do restante daquela temporada.

Em 2008, ele abandonou a prova a 3 voltas do fim quando liderava. Massa jamais venceu na Hungria, tendo como melhor posição uma 4ª colocação.

Sebastian Vettel segue disparado na liderança na classificação geral, com 172 pontos. Raikkonen reassumiu o segundo posto, com 134 pontos, um a mais que Fernando Alonso. Hamilton chegou a 124 pontos. Felipe Massa é o sétimo na classificação, com 61 pontos.

Pole position, Hamilton fez boa largada, manteve a ponta e não foi ameaçado. Alonso e Massa ganharam posições nas duas primeiras curvas.

Hamilton liderou até a primeira parada nos boxes dos pilotos do pelotão de frente. Webber assumiu provisoriamente o posto, mas Hamilton logo reassumiu o primeiro posto na volta 23.

Antes da prova, os pilotos destacaram a dificuldade de ultrapassagem em razão do traçado travado do GP de Budapeste. Mas a corrida deste domingo apresentou boas disputas por posição.

A 24ª volta reservou ultrapassagem de Vettel sobre Button. Grosjean veio logo atrás e também superou Button. Alongo aproveitou o embalo e ultrapassou o piloto da McLaren.

Massa começou a rodar 2seg mais lento do que o grupo de frente. A diferença ficou nítida na 30ª volta. Grosjean, que havia parado para pit-stop, voltou à pista e foi para cima de Felipe Massa. O francês ultrapassou o brasileiro com facilidade e logo abriu boa vantagem.

A prova em Budapeste marcou a estreia de pneus mais resistentes. Os compostos foram alterados após seguidos estouros de pneus e enorme pressão das escuderias. Não houve registros de problemas relacionados aos pneus Pirelli neste domingo.

Hamilton fazia prova perfeita, abrindo 15seg de diferença para Vettel, a 22 voltas do fim. O piloto da Mercedes manteve a tranquilidade sobre os rivais, chegando à sua 1ª vitória no ano.

Raikkonen confirmou a fama de excelente administrador de carro. O finlandês novamente usou a estratégia de fazer menos pit-stops (2 vezes, contra 3 dos adversários), segurando enorme pressão de Vettel a 2 voltas do fim.

UOL Esporte

enviar comentário
Publicidade

Webber passa Alonso no fim e vence o GP da Inglaterra; Massa é quarto

 Mark Webber venceu sua segunda corrida na temporada de F1. O piloto australiano, que havia largado em segundo, ultrapassou Fernando Alonso faltando quatro voltas para o fim e triunfou no Grande Prêmio da Inglaterra. Seu companheiro de Red Bull, o alemão Sebastian Vettel, completou o pódio.

Felipe Massa chegou em quarto, seu melhor resultado em 2012. Bruno Senna conseguiu uma ultrapassagem sobre Nico Hulkenberg no fim da prova e cruzou a linha de chegada em nono

A corrida

Na largada, Alonso apostou em uma mudança de trajetória e manteve a ponta, seguido por Mark Webber e Michael Schumacher. Massa começou bem a prova e, nos primeiros metros, conseguiu tomar a quarta colocação de Sebastian Vettel.

Senna também conseguiu uma boa largada. O piloto brasileiro da Williams partiu em 13º e chegou a estar em oitavo ao fim da primeira volta.

Após largar bem, Massa passou a tentar atacar Schumacher. Na primeira tentativa, o brasileiro errou e acabou pressionado por Vettel. No entanto, o piloto da Ferrari conseguiu defender-se da investida do atual campeão mundial e, no 12º giro, passou o alemão da Mercedes.

Na volta seguinte, Sergio Perez e Pastor Maldonado se chocaram em uma tentativa de ultrapassagem do mexicano sobre o venezuelano. O acidente beneficiou Senna, que saltou para a sétima colocação.

Com o início da primeira rodada de pit stops, Massa passou a usar os pneus duros. Dos pilotos do pelotão da frente, Lewis Hamilton foi o último a parar – antes disso, o britânico ainda conseguiu segurar Fernando Alonso por alguns metros na briga pela liderança, mesmo com pneus mais desgastados.

Em relação às posições originais, o principal beneficiado pelas paradas foi Vettel, que acabou tomando a terceira colocação de Massa.

Após retardar ao máximo sua primeira parada, Hamilton foi o primeiro a ir pela segunda vez aos boxes. Alonso foi o último a trocar os pneus, e voltou para a pista poucos segundos à frente do vice-líder Webber.

No entanto, a estratégia fez a diferença a favor do australiano. O piloto da Red Bull fez seu último trecho com pneus duros, enquanto o espanhol deixou os macios para o fim. O desgaste dos pneus da Ferrari fez diferença e, no giro 48 – quando faltavam apenas quatro para o fim –, Webber passou Alonso para não perder mais a ponta.

No fim, Senna, que havia terminado a segunda rodada de pit stops em décimo, ainda conseguiu uma ultrapassagem sobre Nico Hulkenberg para terminar a corrida em nono. Massa, por sua vez, ainda precisou defender-se de ataque de Kimi Raikkonen para garantir o quarto lugar.

Fonte: Uol

enviar comentário
Publicidade

Alonso vence segunda nesta temporada da F1 e assume liderança

Fernando Alonso foi perfeito dirigindo e ainda contou com a sorte para vencer
Foto:UOL

Em casa, diante da torcida espanhola,Fernando Alonso provou que campeões são feitos de talento, audácia e um punhado de sorte. Com uma exibição brilhante, o piloto da Ferrari venceu de forma surpreendente o GP da Europa, em Valência. Largou na 11ª posição, levantou a arquibancada com belas ultrapassagens e viu a vitória cair no colo quando o líder Sebastian Vettel teve problemas com a RBR e abandonou na 34ª das 57 voltas. E a estrela do espanhol continuou a brilhar. Romain Grosjean o acompanhava e perto, mas a Lotus também quebrou e o francês deixou a corrida.

Em êxtase com a vitória em seu país, Alonso quebrou o protocolo e levou a torcida ao delírio. Desfilou com a bandeira espanhola, largou o carro na pista para comemorar com os conterrâneos e precisou ser buscado pelo safety car para seguir para a cerimônia do pódio. No degrau mais alto, não escondeu a emoção e desabou em lágrimas durante o hino espanhol.

Com a segunda vitória no ano, de forma tão espetacular quanto a primeira, no GP da Malásia, o bicampeão interrompe a série histórica de vencedores diferentes na temporada e reassume a liderança do Mundial com 111 pontos, 20 a mais que o novo vice-líder, Mark Webber – o australiano da RBR fez bela corrida de recuperação e completou em quarto após largar em 19º. Antigo líder, Lewis Hamilton caiu duas posições na tabela. O inglês da McLaren abandonou ao se chocar com Pastor Maldonado na penúltima volta, quando tentava assegurar o terceiro lugar.

E Alonso não foi o único campeão com sorte em Valência. Raikkonen garantiu a segunda colocação ao ultrapassar Hamilton a duas voltas do fim. Outra estrela que voltou a brilhar foi a de Michael Schumacher. Com a sequência de incidentes entre os primeiros colocados, o heptacampeão herdou o terceiro lugar, seu melhor resultado desde o retorno à Fórmula 1, em 2010, fechando o pódio estelar, com três campeões e dez títulos.

Confira a classificação final do GP da Europa, em Valência:

1 – Fernando Alonso (ESP/Ferrari) – 1h44m16s449
2 – Kimi Raikkonen (FIN/Lotus-Renault) – a 6s421
3 – Michael Schumacher (ALE/Mercedes) – a 12s639
4 – Mark Webber (AUS/RBR-Renault) – a 13s628
5 – Nico Hulkenberg (ALE/Force India-Mercedes) – a 19s993
6 – Nico Rosberg (ALE/Mercedes) – a 21s176
7 – Paul di Resta (ESC/Force India-Mercedes) – a 22d886
8 – Jenson Button (ING/McLaren-Mercedes) – a 24s653
9 – Sergio Perez (MEX/Sauber-Ferrari) – a 27s777
10 – Pastor Maldonado (VEN/Williams-Renault) – a 34s630
11 – Bruno Senna (BRA/Williams-Renault) – a 35s900
12 – Daniel Ricciardo (AUS/STR-Ferrari) – a 37s000
13 – Vitaly Petrov (RUS/Caterham-Renault) – a 1m15s871
14 – Heikki Kovalainen (FIN/Caterham-Renault) – a 1m34s654
15 – Charles Pic (FRA/Marussia-Cosworth) – a 1m36s565
16 – Felipe Massa (BRA/Ferrari) – a uma volta
17 – Pedro de la Rosa (ESP/HRT-Cosworth) – a uma volta
18 – Narain Karthikeyan (IND/HRT-Cosworth) – a uma volta
19 – Lewis Hamilton (ING/McLaren-Mercedes) – a duas coltas
Romain Grosjean (FRA/Lotus-Renault) – abadono na volta 41
Sebastian Vettel (ALE/RBR-Renault) – abandono na volta 34
Kamui Kobayashi (JAP/Sauber-Ferrari) – abandono na volta 34
Jean-Eric Vergne (FRA/STR-Ferrari) – abandono na volta 27
Timo Glock (ALE/Marussia-Cosworth) – não largou

Fonte: G1

enviar comentário
Publicidade

Williams confirma Bruno Senna para temporada 2012 da F1

A Williams veio confirmor hoje o que Eike Batista tinha confirmando semana passada, que Bruno Senna será seu piloto na temporada 2012 da Fórmula 1. Por meio de seu Twitter, a escuderia anunciou o fim da negociação que se arrastava há meses e pode ter antecipado o fim da carreira de Rubens Barrichello na categoria.

Senna e Barrichello brigavam pela vaga há meses com o alemão Adrian Suttil, que também sonhava com um dos últimos bons espaços vagos na Fórmula 1. Com o um valor de patrocínio maior, que inclui o bilionário Eike Batista, Bruno Senna acabou ganhando a concorrência e vai correr ao lado de Pastor Maldonado em 2012.

Pelo Twitter, Rubens Barrichello deu os parabéns ao amigo e foi enigmático quanto ao seu futuro. “Fala galera. Pois é, não estarei guiando o carro da Williams este ano. Desejo ao meu amigo Bruno Senna muita sorte. O futuro está em aberto”, resumiu o piloto, recordista de GP’s disputados na Fórmula 1.

Sem espaço na Williams, Barrichello tem apenas uma vaga possível para se manter na categoria: a da Hispania, que tem um nível bem pior como as demais concorrentes e está ameaçada de sequer começar a temporada por falta de dinheiro. Neste ano, o brasileiro que foi vice-campeão pela Ferrari em 2002 e 2004, completaria 20 anos na Fórmula 1 e pretendia aumentar ainda mais o recorde de GP’s disputados, que já é dele com 326.

Por outro lado, Bruno Senna, como não poderia deixar de ser, se mostrou animado. “Vai ser muito interessante dirigir para um time no qual o meu tio já esteve, principalmente porque tem pessoas aqui que chegaram a trabalhar com ele. Espero que a gente possa trazer algumas memórias e também criar boas notícias”, disse o piloto.

“As circunstâncias das duas primeiras temporadas de Bruno na Fórmula 1 não deram a ele a oportunidade ideal de trabalhar com consistência, então é fundamental que a gente gaste muito tempo com ele para que seja possível entendê-lo e avaliá-lo como piloto”, disse Frank Williams, dono da escuderia.

enviar comentário
Publicidade

Ao vivo e a cores a Ferrari dá ultimato em Felipe Massa

Diante do fraco desempenho do brasileiro Felipe Massa nos dois últimos campeonatos, Stefano Domenicali, diretor da Ferrari, deu ontem um ultimato público a seu piloto: “Temos de ser realistas, a temporada é crucial para ele e o seu futuro”, afirmou o dirigente em Madonna di Campiglio, na Itália, onde a equipe italiana recebe a imprensa.

No próximo dia 3, a Ferrari apresentará o modelo de 2012 em Maranello, a sua sede, mas já nos dias 7 e 8 Massa o pilotará em Jerez de la Frontera, na Espanha. O espanhol Fernando Alonso assumirá o carro nos dois dias seguintes.

Felipe Massa já ouviu de Domenicali que desde as primeiras experiências terá de produzir bem mais que nos Mundiais de 2010 e 2011. “Faremos de tudo para Felipe poder dar tudo de si. Seu potencial é bastante elevado, sabemos”. Perdeu o campeonato de 2008 por um ponto, 98 a 97, para o inglês Lewis Hamilton, da McLaren. E Domenicali completou: “Mas esperamos também muito dele”.

O mais importante nessa postura agora exposta do diretor da Ferrari é a forma como colocou a pesada cobrança. O italiano justificou: “Sob pressão Felipe reage melhor”. É uma filosofia distinta da usada até agora. Domenicali e o presidente da empresa, Luca di Montezemolo, questionavam a enorme diferença de desempenho para o companheiro, Fernando Alonso, mas sem serem ameaçadores. Nas entrevistas, Massa não sugeria estar preocupado com o seu futuro, apesar de ser bem menos eficiente do que o espanhol. Pois a partir deste ano terá de responder a cada novo fracasso e compreender que, se não reagir, como ocorreu nas duas últimas temporadas, não prosseguirá na escuderia, o que vai significar, provavelmente, renunciar à possibilidade de lutar pelas primeiras colocações e depositar na conta bancária valores bem menores dos de hoje.

Fonte: Agência Estado

enviar comentário
Publicidade

Fórmula 1: Eike Batista garante que Senna correrá na Williams

A disputa pela vaga na Williams e é disputada por Bruno Senna, Adrian Sutil e Rubens Barrichello. Nesta sexta-feira, o empresário mais rico do Brasil, Eike Batista, usou sua conta no Twitter e garantiu a ida do sobrinho de Ayrton Senna para a Williams. ‘Simples, ele vai correr pela Williams!’, escreveu em resposta a uma pergunta sobre o futuro de Bruno. Batista ajudou a patrocinar Senna em sua passagem pela Renault.

O piloto também se manifestou, pelas redes, para afirmar que ainda continua com o futuro incerto e procura uma chance na Fórmula 1. ‘Apesar de alguns rumores, a minha situação permanece a mesma de antes, ou seja, ainda não estou confirmado em nenhuma equipe e continuo batalhando por uma vaga.’

Só restam duas vagas na categoira para 2012: uma na equipe Williams e outra na pequena HRT.

Fonte: Gazeta Esportiva

enviar comentário
Publicidade

Bruno Senna vai substituir Heidfeld na Renault até final da temporada

O brasileiro Bruno Senna substituirá o alemão Nick Heidfeld na Renault a partir do GP da Bélgica, em Spa-Francorchamps, neste final de semana.

Segundo a Folha apurou, Bruno, que é piloto de testes da equipe, deve ocupar a vaga até o final da temporada.

Sem correr desde o fim do ano passado, quando fez sua temporada de estreia na F-1 pela nanica Hispania, o piloto brasileiro foi testado pela Renault no GP da Hungria, no fim de julho. Bruno participou da sessão da manhã na sexta-feira e agradou à equipe.

Bruno será companheiro de equipe de Vitaly Petrov na vaga deixada por Robert Kubica, acidentado no início do ano durante um rali.

enviar comentário
Publicidade