Publicidade

Temer e Cunha tramavam ‘diariamente’ queda de Dilma, diz Funaro em delação

O corretor Lúcio Funaro disse em sua delação premiada que, na época do impeachment, o então vice-presidente Michel Temer tramava “diariamente” a deposição da ex-presidente da República Dilma Rousseff com o então presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

A afirmação consta de um dos anexos da colaboração de Funaro, já homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), na qual ele descreve a relação com a cúpula do PMDB e nomeia os “operadores” de Temer em supostos esquemas de corrupção.

Conforme Funaro, Cunha sempre foi o arrecadador de propinas para o chamado “quadrilhão” do PMDB, enquanto Temer atuava no núcleo político, viabilizando interesses de empresas que pagavam subornos ao grupo.

Funaro afirmou que a relação de Cunha e Temer oscilava, dependendo do “momento político”. “Na época do impeachment de Dilma Rousseff, eles confabulavam diariamente, tramando a aprovação do impeachment e, consequentemente, a assunção de Temer como presidente”, exemplificou o corretor num dos trechos do anexo.

Temer e seu partido romperam com Dilma meses antes de o afastamento dela ser aprovado e confirmado, mas o agora presidente sempre rejeitou a pecha de “conspirador” ou “golpista”.

Procurado, o Palácio do Planalto ainda não comentou as declarações de Funaro.

A defesa de Eduardo Cunha se manifestou da seguinte forma: “Enquanto não for levantado o sigilo, a defesa de Eduardo Cunha não comentará os supostos termos de delação.”

Isto É, com Estadão

Comentários (7) enviar comentário
  1. Rolandolero disse:

    CONCORDO QUE FOI GOPI !!!!!!

  2. Rômulo disse:

    E ainda tem gente que não acredita no golpe! Foi um Golpe parlamentar muito bem comprado e orquestrado, já que os políticos é que julgavam se havia crime de responsabilidade ou não de acordo com suas "Convicçõe$ Pessoai$", dando aparência de legalidade. Primeiro insuflaram a classe média contra o governo e depois praticaram o golpe parlamentar, justificando os meios pelos fins. Acabou que a classe média deu um tiro no pé, pois perdeu direitos trabalhistas e ficará sem aposentadoria, enquanto os políticos zombam do povo brasileiro e saqueiam o país a olhos vistos!

Publicidade

Ministro do STF, Marco Aurélio Mello, defende renúncia coletiva de Dilma, Temer e Cunha

CRbo4T0XAAA0MZzRenúncia coletiva O ministro Marco Aurélio Mello, do STF, defende uma forma “não traumática” para o país superar a crise: a “renúncia coletiva” da presidente Dilma Rousseff, do seu vice Michel Temer e do presidente da Câmara, Eduardo Cunha. “Falo isso como cidadão e em uma perspectiva utópica, já que seria algo impensável para os atuais detentores dos poderes”, diz ele. Para o ministro, “o mal maior, a crise econômica,” está sendo deixado “em segundo plano” por “interesses políticos”.

Coluna Painel – Folha de São Paulo

Comentários (10) enviar comentário
  1. Razão e Verdade disse:

    Caro Jacarandá, discordo do seu comentário, o Ministro esta preocupado com o Brasil, a tua presidenta,
    lulalá e o PT estão com os bolsos cheios a crise não os afeta. Cadê o corte dos 3 mil comissionados…
    Quando um Ministro que esta próximo das autoridades dá uma declaração dessa, demonstra sua preocupação com a população e enxerga o melhor caminho para um Brasil melhor.

  2. Junior pinheiro disse:

    O povo Brasileiro é um corno cuscuz que sabe e abafa…..o que dizer de quem devia julgar com imparcialidafe toma partido assim desta forma!!!

  3. Junior pinheiro disse:

    E eu na humildade e pouco conhecimento defendo tabem a saida de todos do STF que sa indicados politicamente e uma eleição tecnica com propostas e curriculum dos pretendentes, ora nao fazem isso na OAB, ou é o que propagam…..as outras categorias nao precisam disso e funcionam perfeitamente…..!!!!!

  4. EDER disse:

    O ministro Gilmar é declarado púbico P S D B. E o ministro Marcos Aurélio é aliado do CUNHÃO ?????????

  5. Luciano disse:

    Ele acha q consegue empossar o Boy do Leblon depois?

  6. Antonio disse:

    Falou tudo .Éra para acontecer o mais rápido possível.

  7. Carlos Augusto disse:

    Ele também deveria renunciar…

  8. Edvaldo Mendes disse:

    Foi muito feliz o Min. Marcos Aurélio, concordo plenamente com ele.

  9. JVictor disse:

    Concordo plenamente com o ministro, e ainda incluía também o presidente do senado Renam

  10. Elves Alves disse:

    Sonhático, esse Marco Aurélio. Nem parece que é primo de Collor.

Publicidade