Publicidade

TSE e Rocha Loures são os temores de Temer

JOSIAS DE SOUZA

Com uma capacidade cada vez mais limitada de fazer e acontecer, Michel Temer tornou-se presidente de prioridade única. Ele se dará por satisfeito se conseguir cumprir seu novo objetivo estratégico: não cair. Compartilhou com pessoas de sua confiança duas inquietações. Receia que o Tribunal Superior Eleitoral lhe casse o mandato. E teme que uma eventual delação do ex-assessor Rodrigo Rocha Loures —o homem da mala— elimine sua margem de manobra antes mesmo do início do julgamento do TSE, marcado para 6 de junho.

Antes do pacote de delações da JBS, Temer havia apagado o TSE da sua lista de problemas. Estimava que teria uma vitória na Justiça Eleitoral pelo placar de pelo menos 4 a 3. As posições dos sete julgadores eram antecipadas no Planalto como se o jogo estivesse jogado. Salvariam Temer os ministros Gilmar Mendes, Tarcísio Vieira, Admar Gonzaga e Napoleão Nunes Maia. Votariam pela cassação o relator Herman Benjamin, Rosa Weber e, talvez, Luiz Fux.

Depois que vieram à luz os resultados da colaboração judicial da JBS, o que o Planalto considerava um grande trunfo voltou-se contra Temer. Dizia-se que a maioria dos ministros faria uma leitura atenuatória dos fatos relacionados ao presidente para não conturbar uma administração que começava a exibir resultados na economia.

Agora, o feitiço do julgamento político começa a se voltar contra o feiticeiro, cuja permanência no cargo passou a ser vista como ameaça à tímida recuperação dos indicadores econômicos. O Planalto ainda contabiliza um placar de 4 a 3, só que contra a permanência de Temer.

Ironicamente, uma adesão do TSE ao ‘fora, Temer’, levaria a um resultado mais técnico. O veredicto não precisaria comprar a fábula segundo a qual Temer assumiu a cadeira de presidente por ser beneficiário dos 54 milhões de votos que os brasileiros deram a Dilma, mas não tem nada a ver com a dinheirama suja que financiou a campanha que produziu esse resultado.

A esperança de Temer de se salvar no TSE diminui na proporção direta do agravamento da crise. À procura de uma porta de incêndio, caciques do Congresso assediam a Justiça Eleitoral com pouca cerimônia. Para complicar, os operadores do presidente estão inseguros em relação aos humores de Rocha Loures, o personagem filmado recebendo a mala com propina de R$ 500 mil da JBS, dias depois de ter sido credenciado por Temer como sua ponte de ligação com o delator Joesley Batista.

Num primeiro momento, o ex-assessor de Temer, hoje deputado federal afastado do exercício do mandato pelo STF, mandara recados tranquilizadores para o Planalto. Sinalizara a intenção de matar a encrenca no peito, como se diz. Distanciaria a mala de dinheiro da figura de Temer, assumindo todas as culpas. Nos últimos dias, porém, Rocha Loures passou a sofrer pressão de sua família para tornar-se um colaborador da Justiça, negociando uma redução de castigo. De repente, fecharam-se os dutos de comunicação com emissários do governo.

Em viagem à Itália, o senador Roberto Requião (PMDB-PR) comentou com um amigo, pelo telefone: “O Rocha Loures foi meu chefe de gabinete no governo do Paraná. É moço de família rica, um rapaz de ouro. Não vai suportar essa pressão. Vai entregar.”

Um auxiliar de Temer sustenta que não há o que “entregar”. A declaração não combina com o medo que se espraia pelo Planalto. Contrasta também com o relato do delator Ricardo Saud, executivo da J&F, a holding que controla a JBS. Ele contou aos procuradores que o interrogaram que Rocha Loures era um mero intermediário. A negociação da propina era feita, segundo Saud, diretamente com o presidente Temer.

“Eu tenho certeza absoluta que nós tratamos propina com o Temer, nós nunca tratamos propina com o Rodrigo [Rocha Loures]”, declarou o delator. “O Rodrigo foi um mensageiro que Michel Temer mandou para conversar com a gente, para resolver os nossos problemas e para receber o dinheiro dele.”

O interrogador indagou: “Essa é a visão também que o Joesley [Batista] passou pra você. Quem teve pessoalmente contato com o Temer para esse assunto foi o Joesley, né?” E Saud: “Foi o Joesley. Eu tô afirmando para o senhor porque não tratamos de propina com Rodrigo Rocha Loures.”

enviar comentário
Publicidade

Protesto convulsiona Brasília e Temer é criticado por convocar Forças Armadas

O Estado de S.Paulo

A grave crise política na qual o Brasil está mergulhado transformou Brasília num campo de batalha entre policiais e manifestantes que pedem a saída do presidente Michel Temer (PMDB) do poder e a sua substituição por meio de eleições diretas. Ao menos 49 pessoas se feriram nos confrontos ocorridos durante um dos maiores protestos que a cidade registrou desde o impeachment de Fernando Collor, em 1992. Dezenas de milhares de manifestantes caminharam pelas ruas gritando “Fora, Temer”. Diante da violência que também resultou na depredação de ao menos sete ministérios, o presidente determinou que 1.500 homens das Forças Armadas passassem a fazer o policiamento de prédios públicos até o próximo dia 31 de maio.  Ainda que os militares já tenham atuado em crises estaduais e durante os Jogos Olímpicos, é a primeira vez, na democracia, que a capital federal será policiada por militares. Antes, isso ocorrera apenas durante a ditadura militar (1964-1985).

Mais do que entregar a segurança aos membros das Forças Armadas, Temer decidiu que repetirá a dose sempre que julgar ser necessário. Um texto enviado pela Secretaria de Comunicação do Palácio do Planalto diz: “O Presidente da República ressalta que não hesitará em exercer a autoridade que o cargo lhe confere sempre que for necessário”. O comunicado frisa que, “assim que a ordem for restabelecida”, o ato será revogado.

Convocado pelas principais centrais sindicais brasileiras, o ato denominado “Ocupa Brasília” reuniu 150.000 pessoas segundo os organizadores e 45.000 de acordo com a polícia.

Comentário (1) enviar comentário
  1. Junior Pinheiro disse:

    Os militares deviau era tomar logo o poder desses corruptos e não defende-Los!!!!e mais quem os defendem serem acusados de associação ao crime!!!!

Publicidade

‘Em respeito ao Brasil’, churrascaria deixa de comprar da JBS

A churrascaria curitibana Devons, uma das mais tradicionais da cidade, deixou de comprar carnes da JBS, após as revelações da delação de executivos da companhia.

Em uma faixa estendida no local nesta quarta (24), o estabelecimento informa que tomou a decisão “em respeito ao Brasil, à sociedade e aos trabalhadores”.

“Eles saquearam o país e estão rindo da nossa cara”, diz o proprietário Augusto Santos, 63, que abriu a churrascaria há 30 anos.

Para ele, a delação dos empresários Joesley e Wesley Batista foi “um engodo” e eles deveriam estar presos pelos crimes que confessaram. “Me revoltou o cinismo com que o cara [Joesley] falou.”

Ele defende o boicote à empresa e a outras que pratiquem atos de corrupção. “Até a Odebrecht. Tinha que boicotar, mesmo. Deixar de ir a estádio, tudo.”

Para Santos, manifestações não vão mais mudar a situação.

A JBS representa cerca de 35% do fornecimento da churrascaria, que serve quase 4.000 pessoas todo mês.

O restaurante parou de comprar carnes do frigorífico na segunda-feira (22).

Os clientes, segundo ele, aprovaram -boa parte deles são políticos que frequentam o Centro Cívico, bairro em que a churrascaria está localizada e que reúne as sedes dos três poderes no Paraná.

“Eu não posso deixar de receber [políticos] porque são clientes; é um estabelecimento comercial, seria discriminação. Mas parar de comprar eu posso”, comenta o empresário. “Eu tomei uma atitude. E me senti bem fazendo isso.”

 

 

Folha

Comentários (2) enviar comentário
  1. Julius Araújo disse:

    Hahahaha….vai servir apenas para perder fregueses, apenas isso…..tolinho

  2. Edu disse:

    Excelente medida, nós Brasileiros responsáveis deveríamos fazer o mesmo, boicotar essa empresa desses ladrões, pois são tão ou mais corruptos que os pregos nas gravações.

Publicidade

Fátima Bezerra condena violência em manifestação na Esplanada dos Ministérios

Em pronunciamento, a senadora Fátima Bezerra (PT-RN) manifestou repúdio às cenas de “truculência e violência” verificadas hoje na Esplanada dos Ministérios. Para ela, a reação da polícia contra os manifestantes mostra o “apodrecimento” do governo de Michel Temer.

A senadora salientou que o ato é pacífico e o vandalismo partiu de indivíduos que não seguem a orientação do próprio movimento, mas, conforme sublinhou, não se justifica a violência policial contra uma marcha que reúne milhares de pessoas.

Fátima Bezerra entende que é dever dos parlamentares estar ao lado do povo e restaurar sua dignidade através da saída de Temer e a realização de eleições diretas. Ela opinou que somente um governo legitimado pelas urnas poderá dar um rumo ao país.

— O recado foi dado. O recado de que esse governo apodreceu, de que ele não tem mais condições de continuar, e o remédio para isso é ouvir o povo através das eleições diretas — frisou.

Comentários (9) enviar comentário
  1. Coxa de morttandella disse:

    Por um momento pensei que ela tivesse falando do incêndio aos ministérios, devia ter condenado mais veemente já que não partiu da mortandelagem. De qualquer forma tudo foi repúdiável, inclusive a cena da cavalaria que remeteu a uma batalha de Vikings. Mas que foi bom de ver aquilo pegando fogo foi…

  2. Edu disse:

    Recebeu propina, perdeu meu voto, a polícia era para danar bala mesmo, depredar o patrimônio público, bando de bandidos.

  3. Tarcísio Medeiros disse:

    Então que a senadora fique com este povo, recolha-o em sua casa. O jogo de lançar a culpa no seu opositor não vale mais, Precisamos de políticos que defendam o país e sua população, não de políticos envolvidos em ações contra a corrupção.

  4. Andre disse:

    Em tempos de nervos à flor da pele, é importante avaliar com cautela tudo o que ocorre.

    Será que não há gente infiltrada entre os manifestantes querendo manchar o ato?

    Não sou fã de Magno Malta (Senador) mas achei oportuna sua fala:

    "É difícil pra o povo ver várias grandes empresas devendo INSS e, agora, o Governo querer que o trabalhador pague a conta?"

  5. Giovanni disse:

    Petralhas sempre contra a Polícia. Porque será?

  6. Carlos Magno dá Silva disse:

    Podre são vcs políticos que não pensam no cidadão, pobre são vcs de esquerda que não satisfeito com a perca do poder fazem baderna e promove baderna junto com bandidos com rosto cobertos,lute e trabalhe por um país melhor,de maneira civilizada

  7. Fran disse:

    Você apoia vândalos e criminosos. Vá explicar a grana que você recebeu da JBS. Você engana os maconheiros da UFRN, o povo de bem sabe perfeitamente quem é você, uma forasteira.

  8. Gervasio Mila disse:

    Quem apodreceu foram estes petistas que roubaram o que poderem e deixaram um país falido.Esta senadorinha incentiva a violença destes baderneiros e depois quer dar uma santa.Ela primeiro explique o dinheiro da corrupção na campanha dela.

  9. Silvio disse:

    "Gópi" e a JBS? Não vai falar nada?

Publicidade

PF prende foragido da Justiça que há 20 anos se passava por outra pessoa

A Polícia Federal prendeu na terça-feira (23/5), em Assú, a 214 km de Natal, um homem de 51 anos, catarinense, condenado por homicídio. A prisão se deu por força de um mandado de prisão expedido pela 1ª. Vara Criminal da
comarca de Joinville/SC.

O homem foi acusado de há duas décadas ter cometido um assassinato naquela cidade. Após o crime, fugiu para o Nordeste onde viveu todo esse tempo com documentos falsos.

Inicialmente, ele fixou residência em Fortaleza/CE, aonde casou e constituiu família. Tempos depois, se mudou para Natal e, posteriormente, Assú, onde foi localizado e, em cuja cidade, exercia a profissão de churrasqueiro.

Apenado a 24 anos de reclusão, o preso permanece sob custódia da Polícia Federal em Natal e aguarda ordem da Justiça para ser transferido para Santa Catarina.

enviar comentário
Publicidade

Entidades e sindicatos patronais pressionam em favor de reformas

Greve geral 28/04: sindicatos protestos contra reformas trabalhista e da Previdência

Entidades do setor privado e sindicatos patronais se uniram para tentar impedir que as votações das reformas trabalhistas e da Previdência sejam interrompidas. Com o mote ‘O Brasil não pode parar’, representantes dos setores tentam aumentar a pressão sobre os congressistas.

Desde a crise que quase abateu o governo Temer, políticos admitem que ficou mais difícil a aprovação de tais medidas no Congresso. Assim, algumas entidades decidiram ampliar a influência e se reunir com congressistas para tentar manter a pauta no cronograma previsto.

A reforma da Previdência pode ser votada no dia 12 de junho na Câmara, enquanto que a trabalhista avançou na na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado na terça e deve chegar ao plenário da Casa.

Segundo José Carlos Martins, presidente da Cbic (Câmara Brasileira de Indústria e Construção), a entidade tinha um encontro com o presidente Michel Temer (PMDB) e com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE).

“Tínhamos marcado esse encontro, mas devido a todo esse tumulto e por segurança, tivemos que cancelar”, afirmou Martins, em referência aos protestos que ocorrem nesta quarta-feira, em Brasília. Ele disse ainda que vai tentar remarcar tais encontros até o final de semana.

“O Congresso tem que entender que tudo bem ter uma agenda política, mas respeitem a vida das pessoas atingidas pela crise”, disse.

A Abit (associação das empresas têxteis) também afirmou que continua a conversar com deputados e senadores para que eles possam aprovar as reformas.

“A nossa posição é de que apesar de toda essa incerteza, o Brasil não pode parar. Se é que vai haver um movimento de troca [de presidente] agora, ou em 2018, o próximo deve estar rezando para que essas reformas passem”, diz Fernando Pimentel, presidente da entidade.

Na segunda-feira, o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, também havia pedido que o país “não parasse”, durante a abertura de um congresso em São Paulo.

Além de reuniões, algumas entidades também apelaram a publicidade. A Abrainc (Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias), por exemplo, publicou em alguns jornais do país um anúncio no qual afirmava que o ‘Brasil não pode parar’, em referência a dificuldade do governo em seguir com as reformas.

 

VEJA

enviar comentário
Publicidade

Perícia constata que carro utilizado em tentativa de roubo ao Banco do Brasil foi adulterado

A perícia do Instituto de Criminalística do ITEP constatou que o veículo Corolla, utilizado no dia 9 de maio em uma tentativa de roubo a agência do Banco do Brasil da BR-101, foi adulterado e tinha registro de roubo. Segundo o perito criminal André Rocha, a descoberta aconteceu após uma minuciosa avaliação de todos os sinais identificadores do veículo.

“O veículo tinha vários elementos de identificação alterados, inclusive a placa e o chassi, mas nós conseguimos encontrar um desses sinais que estava sem alteração, possibilitando a identificação precisa do veículo, inclusive constatando que o mesmo tinha queixa de roubo”, destacou o perito.

Em casos como este, o trabalho da perícia é fundamental no auxílio às investigações da Polícia Civil. “Com a comprovação de que o veículo era adulterado é possível chegar aos suspeitos através das informações acerca do roubo do carro”, conclui André Rocha.

enviar comentário
Publicidade

Segurança em Brasília terá 1.500 militares do Exército e da Marinha

O patrulhamento da Esplanada dos Ministérios contará com 1.500 militares – sendo 1.300 do Exército e 200 da Marinha – e deverá começar ainda na noite desta quarta-feira. Numa primeira etapa da operação, receberão reforço no policiamento os prédios do Palácio do Planalto, do Itamaraty, do Ministério da Defesa e das três forças, Exército, Marinha e Aeronáutica. Prédios que foram atacados também receberão reforço de tropas, assim com nos Palácios da Alvorada e do Jaburu.

O Ministério da Defesa informou também que não vai atuar nos gramados e nas vias, cujo policiamento ficará a cargo da Polícia Militar e, eventualmente, da Força Nacional de Segurança. A ideia é garantir o direito de ir e vir dos funcionários.

O presidente Michel Temer acionou nesta quarta-feira a Garantia da Lei e da Ordem (GLO) para que as Forças Armadas façam a segurança da Esplanada dos Ministérios, após protesto que deixou prédios de várias pastas depredados.

O decreto de Temer foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União e estabelece que as tropas federais atuarão na capital por uma semana, até o dia 31. A área específica de atuação, no Distrito Federal, será delimitada pela Defesa.

A GLO é invocada, segundo a Defesa, quando há “esgotamento das forças tradicionais de segurança pública, em graves situações de perturbação da ordem”. O dispositivo constitucional, que é de atribuição exclusiva do presidente da República, prevê que os militares podem, provisoriamente, atuar com poder de polícia.

O governo explica que emprego da GLO é diferente de autorizar a intervenção militar, o que acontecia na ditadura. Ele foi utilizado durante as Olimpíadas e a Copa do Mundo para garantir a segurança das pessoas no Distrito Federal.

Os manifestantes quebraram vidros, picharam e invadiram os prédios na Esplanada. Segundo funcionários do Ministério da Agricultura, os manifestantes invadiram o prédio e atearam fogo no auditório, no térreo. Além disso, quebraram os porta-retratos na galeria dos ex-ministros. A tropa de choque entrou e ajudou os servidores a deixarem o local.

Próximo ao ministério da Saúde e do Planejamento, também havia outros focos de incêndio. No Ministério do Planejamento, os manifestantes pegaram os sofás da portaria, os colocaram do lado de fora do prédio e atearam fogo. No ministério da Cultura, documentos e computadores foram jogados para fora do prédio.

Também houve registro de depredação nos ministérios da Fazenda, Turismo e Minas e Energia.

 

O Globo

 

Comentários (3) enviar comentário
  1. BRUNNO disse:

    custo a entender que ainda tem gente defendendo esse temer. O cara é um bandido. ACORDA BURGUESIA ! FORA TEMER ! FORA DILMA ! FORA AECIO ! FORA TODOS LADRÕES!

  2. joao disse:

    Isso é coisa de terrorista e bandido, isso é coisa planejada por um grupo envolvido em corrupcao que esta brigando com outro que era socio na mesma corrupcao. Nao tem carater esse povo que incentivou a destruição do patrimonio publico em prol do PT. Roubaram a naçao e estao agora tentando destruir. Fora Lula, Temer e Dilma. Bando de corruptos ladroes. Lula e toda sua quadrilha era pra estar preso junto com Temer.

    • osvaldo disse:

      Isso ñ é coisa de terrorista , isso faz parte da democracia .diretas já .que os trouxas queiram ou ñ.aceita que é melhor.

Publicidade

Alunos de Jornalismo da UFRN apelam para a reitora que combata o consumo e tráfico de drogas na instituição

Comentários (16) enviar comentário
  1. Zedobode disse:

    Tem Reitor(a),nessa Universidade???????

  2. Leticia disse:

    Alunos do curso de jornalismo? Acho que teve um pequeno erro aí. Não tenho uma opinião sobre tal assunto, mas como aluna de jornalismo não assinei em baixo dessa carta e de tais coisas que foram ditas. Na próxima, assine com seu nome. Obrigada!

  3. BRUNNO disse:

    MUITOS DESSES QUE TÃO FALANDO AI NO TEXTO E AQUI NOS COMENTARIOS SÃO USUARIOS DE ALGUMA DROGA SEJA ELA MACONHA , ALCOOL , COCAINA E ETC… APENAS SÃO HIPOCRITAS !!!

  4. Marcílio disse:

    Estudei na UFRN de 1997 a 2016, da licenciatura ao doutorado em Química, e sou um dos que sofreram com a presença de diversos maconheiros naquela instituição. Fui obrigado muitas vezes a sair de locais dentro da instituição por não querer exalar o odor desta droga maldita!

  5. Fran disse:

    Deve ser um grupo que ainda não deu o primeiro trago. Logo estarão iguais aos outros: um mói de estrume

  6. Daniel Dantas Lemos disse:

    Como docente do curso de Jornalismo só tenho uma coisa a dizer: ninguém é obrigado, nem no Labcom, nem na UFRN, nem em qualquer lugar a consumir drogas de qualquer tipo (maconha, cocaina, álcool ou cigarro). Além disso, no Brasil, a Lei de Drogas não mais criminaliza o consumo de drogas. A UFRN tem programas eficientes de acompanhamento social, médico e psicológico para todo aquele ou aquela de sua comunidade que abusa do uso de drogas. A política repressiva nunca foi ou será eficiente, muito menos no ambiente universitário.
    Essa é uma questão para se lidar com maturidade e acolhimento – e falo na condição de quem, inclusive, enfrenta às vezes a dificuldade de ter um discente com uso abusivo.
    Só uma observação: ao contrário do que texto pode dar a entender, o consumo de drogas no Labcom não é generalizado (o texto faz parecer o setor uma cracolandia) nem sequer levanta questões ou problemas mais sérios.

  7. ELION disse:

    MUITO BOA A INICIATIVA. FAÇO APENAS UMA CRITICA: MELHOREM A PONTUAÇÃO CONTIDA NA CARTA.

  8. disse:

    Façam um disque denúncia na UFRN para pegarem os traficantes.

  9. eliana torres disse:

    bravoooo ate que enfim os alunos com bom senso… a universidade .. cumprir seu papel…PRECISA se posicionar DEMOROU

  10. Meu Deus disse:

    Sensacionalista safado.

  11. Luciana Morais Gama disse:

    Alô MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

  12. Sandra disse:

    Carta sem autoria? Sem assinatura? E ainda envolvendo outras pessoas que NÃO foram consultadas. Não merece o menor crédito.

  13. joao disse:

    Estranho, certos grupos de alunos nao gostam da presença da policia ostensiva na universidade, porque inibe a venda de drogas?

  14. Rafael disse:

    O bom é que é assinada por alunos de jornalismo da UFRN. Pergunte nos corredores quantos pelo menos souberam da existência da carta. Eu como aluno do curso me sinto desrespeitado em não ter sido consultado.

  15. Rodrigo Maker disse:

    O mesmo grupo social que levanta a bandeira das minorias, é o mesmo que alimenta o tráfico que recruta, destrói sonhos, e mata os jovens menos favorecidos da sociedade. #PARADOXAL

  16. George Viana disse:

    Já tem Cracolândia na UFRN?

Publicidade

Iate de Joesley avaliado em US$ 10 milhões deixou o Brasil dias antes de o empresário ir para Nova York

Já com o acordo de colaboração premiada fechado na Procuradoria-Geral da República, o empresário Joesley Batista embarcou com a família no seu jato particular de 20 lugares para Nova York no dia 10 de maio, mas antes tomou cuidado para não deixar para trás um outro brinquedo de luxo: o iate Leonardo 100, do estaleiro Azimut. O barco deixou a Marina Itajaí, em Santa Catarina, no dia 8, em direção a Miami, nos Estados Unidos, transportado dentro de um navio.

A informação foi revelado pelo jornal “Diário Catarinense” na terça-feira e confirmada pelo GLOBO. O iate estaria atracado desde março em Itajaí e não teria sido usado até ser levado para Miami.

O iate é um dos lançamentos mais luxuosos da Azimut e foi batizada com o sugestivo nome de “Why Not” (Por que não) por Joesley. A embarcação tem 30,4 metros de comprimento (98 pés), três andares, quatro quartos, incluindo uma suíte de 20 metros quadrados, cozinha, salas de estar, banheira de hidromassagem e capacidade para 25 pessoas.

O Why Not tem dois motores de 2.216HP, capacidade para 10 mil litros de combustíveis e pode chegar a uma velocidade de 60 quilômetros por hora.

Segundo o Diário Catarinense, a embarcação chegou à Marina Itajaí no dia 15 de março, em meio à negociação de Joesley com a PGR, e a empresa de logística Dacon fez o transporte já com a papelada necessária para envio do iate para o exterior.

O jornal catarinense explica ainda que o iate foi levado da Marina Itajaí até o Porto de Itajaí, e a operação delicada de içá-lo para dentro do navio demorou cerca de cinco horas, das 15h às 20h. A data de desembarque do barco em Miami não foi divulgada.

Oficialmente, a Marina Itajaí disse que não poderia comentar as informações por obrigações de sigilo contratual. Uma pessoa próxima ao empreendimento, porém, confirmou ao GLOBO que o iate é de Joesley e foi transportado para o exterior no dia 8, dois dias antes de o empresário deixar o país.

A Marina Itajaí começou suas atividades em 2015 e tem espaço para atracar 320 embarcações. A família Schurmann, que ficou conhecida por dar voltas ao mundo pelo mar, concluiu a última de suas três jornadas na Marina Itajaí.

Em resposta, a JBS afirmou que: “O iate é de propriedade de Joesley Batista. A embarcação saiu de Itajaí, com destino aos Estados Unidos e será reparada para venda.”

 

Comentários (2) enviar comentário
  1. eliana torres disse:

    nós vamos pagar o preço pela ignorancia politica… DEVERIAM está todos presos e DEVOLVER TUDO QUE ROUBARAM… O CRIME É O MESMO PRA QUEM COMPRAR PRA QUEM S VENDER

  2. Everton disse:

    Joesley tá quase superando a classe política…

Publicidade

COLEÇÃO: Lula é acusado de 10 crimes de corrupção e 44 de lavagem

Lula: segundo a denúncia, a Odebrecht e a OAS pagaram propinas no valor total de R$ 155 milhões a partidos políticos da base de Lula (Paulo Whitaker/Reuters)

Na denúncia criminal apresentada nessa segunda-feira, 22, contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no caso do sítio de Atibaia (SP), o petista é acusado por 10 atos de corrupção e 44 atos de lavagem de dinheiro, no esquema de corrupção descoberto na Petrobrás pela Operação Lava Jato. O petista ainda pode ter que pagar R$ 155 milhões, com os demais acusados, pelos supostos crimes.

Terceira acusação formal na Justiça Federal, em Curitiba, o Ministério Público Federal afirma que as empreiteiras Odebrecht, OAS e Schahin reformaram a propriedade, Sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP), como forma de pagar propinas a Lula. A propriedade do imóvel, registrado em nome de dois sócios dos filhos, e que a Lava Jato diz ser de Lula – que nega – não integra a denúncia.

Investigadores da força-tarefa, em Curitiba, reuniram elementos que consideram provas de que empreiteiras Schahin, Odebrecht e OAS pagaram R$ 1,02 milhão em reformas do sítio de Atibaia, no interior de São Paulo.

Segundo a denúncia, a Odebrecht e a OAS pagaram propinas no valor total de R$ 155 milhões a partidos políticos da base de Lula, relativas a 7 contratos firmados com a Petrobras.

“Esses valores (R$ 155 milhões) foram repassados a partidos e políticos que davam sustentação ao governo de Luiz Inácio Lula da Silva, especialmente o PT, o PP e PMDB, bem como aos agentes públicos da Petrobras envolvidos no esquema e aos responsáveis pela distribuição das vantagens ilícitas, em operações de lavagem de dinheiro que tinham como objetivo dissimular a origem criminosa do dinheiro”, afirma a força-tarefa da Lava Jato.

Esquema

A Lava Jato imputa a Lula atuação efetiva no esquema de cartel e corrupção que vigorou de 2004 a 2014, na Petrobras – e teria sido espelhado em outras áreas do governo, como contratos do setor de energia, concessões de aeroportos e rodovias.

Com base em uma sistemática padrão de corrupção como “regra do jogo”, empreiteiras, em conluio com agentes públicos e políticos da base, PT, PMDB e PP, em especial, desviavam de 1% a 3% em contratos das estatais. Um rombo de pelo menos R$ 6,2 bilhões, só na Petrobras.

Além de ser apontado como um dos “mentores” da sistemática de desvios, Lula teria recebido “benesses das empreiteiras Odebrecht, OAS e outras”, ocultas nas reformas do sítio e do apartamento tríplex do Guarujá (SP) – com processo já em fase final.

A denúncia foi apresentada pelo Ministério Público Federal ao juiz federal Sérgio Moro, que conduz os processos da Lava Jato em primeira instância e deve decidir se abre novo processo ainda esta semana.

Defesa

A defesa do petista afirma que o sítio não pertence ao ex-presidente e que tudo que ele teria para esclarecer sobre a propriedade já foi dito por Lula.

O criminalista José Roberto Batochio, ao longo do inquérito, ressaltou que o sítio está registrado em nome de Fernando Bittar e Jonas Suassuna que já “declararam e apresentaram documentos que comprovariam a propriedade do imóvel e a origem dos recursos para sua compra”.

“Quem é dono de um imóvel, é quem consta no cartório de registro de imóveis. Não obstante essa prova material, se quer dizer que o imóvel pertence ao presidente Lula. Seria o esmo que dizer que a Torre Eiffel pertence a qualquer um de nós”, disse. A defesa do ex-presidente também nega que ela seja proprietário do apartamento no Guarujá.

Exame, com Estadão

 

Comentários (4) enviar comentário
  1. Sérgio dias disse:

    Com tudo isso quando vai preso? O povo que saber. Esta navhora

  2. Giovanni disse:

    Esse rapaz é um santo do pau oco. Ah ladrão, meu medo é que ele consiga o que os irmãos da jbs conseguiram, roubaram a nação brasileira estão livres.

  3. Luciana Morais Gama disse:

    E ainda tem gente que defende esse bandido.

  4. joao disse:

    Esse povo que foi a Brasilia destruir o patrimonio publico, deveria ter ido no sitio de lula agradecer pela herança de corrupcao, instabilidade politica do ex-socio (Temer) e mazelas economicas deixadas por ele e a gerentona. LULA que iniciou esse processo de destruiçao do país, Dilma jogou fermento e Temer cavou o buraco. Agora Lula ta terminando de enterrar o defunto com essa corja de sindicalistas que estao provocando desemprego e instabilidade.

Publicidade

Corrida Miranda 30 Anos tem inscrições prorrogadas

 As inscrições para as vagas remanescentes da Corrida Miranda 30 Anos, que acontece em Natal no próximo dia 03 de junho, foram prorrogadas para até o domingo (28) ou enquanto durarem as vagas. Os interessados devem inscrever-se através do site do evento (www.corridamiranda.com.br), mediante pagamento da taxa de R$ 65. As provas de 5Km e 10Km terão largada às 16h, na Praça Cívica de Natal, e recebem o patrocínio da DELL, Samsung, HP, TIM, Elgin, TomTom Sports, Multilaser, Harman e D-Link.

Parte da verba arrecadada com as inscrições da corrida será destinada aos jovens carentes do projeto sócio-esportivo “Atletismo, Educação e Cidadania”, da Federação Norteriograndense de Atletismo (FNA). Segundo o organizador do evento, o empresário Afrânio Miranda, a corrida veio não apenas para celebrar o aniversário da empresa, reunindo colaboradores, fornecedores, parceiros, clientes, mas também disseminar o esporte como instrumento de inclusão social para os jovens carentes que, muitas vezes, possuem talento para a modalidade, mas necessitam ser descobertos.

“É por esse motivo que estamos apoiando este projeto que busca incentivar jovens carentes da comunidade a prática esportiva e para que eles possam representar o atletismo do RN em competições nacionais e internacionais”, explica.

A expectativa do evento é reunir mais de 1.500 atletas pelas ruas da capital potiguar, com medalha para todos que concluírem as provas de 5Km e 10Km e diversas atividades que acontecerão na Praça Cívica de Natal, com sorteio de prêmios para os inscritos, aula de dança, interatividade e muita tecnologia.

Serviço

Corrida Miranda 30 Anos
Data: 03 de Junho
Largada: Praça Cívica de Natal, às 16h
Percursos: 5Km e 10Km
Inscrições: www.corridamiranda.com.br (ÚLTIMAS VAGAS)
Taxa: R$ 65

enviar comentário
Publicidade