Publicidade

Marqueteiro de Temer critica programa ‘autocrítico’ do PSDB

PLÁ - Elsinho Mouco, o publicitário do PMDB, e a denúncia de fraude em licitação vencida pelo seu irmão

Elcinho Mouco, marqueteiro do presidente Michel Temer, ironizou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso após saber que o tucano deu aval e fez sugestões para o polêmico vídeo do PSDB no qual o partido faz uma “autocrítica” por ter participado do “presidencialismo de cooptação” que seria praticado pelo governo federal.

“FHC chamou (o governo Temer) pinguela, mas o programa do PSDB é uma pinguela para o passado”, disse Mouco.

No ano passado, o ex-presidente comparou o governo do presidente Michel Temer a uma ‘pinguela’ (ponte frágil, improvisada).

Procurado, o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) não quis comentar a declaração. As assessorias do PSDB e de FHC foram procuradas, mas não se pronunciaram sobre a declaração de Mouco.

Tasso já disse anteriormente que não se arrepende do vídeo exibido na quinta-feira, em cadeia nacional, com críticas indiretas ao governo do presidente Michel Temer (PMDB), e com uma autocrítica do próprio partido por “ter aceitado o fisiologismo”. A peça de dez minutos foi alvo de críticas alguns tucanos e intensificou a crise interna na legenda.

Por se tratar de uma autocrítica do PSDB, Tasso declarou que “uma determinada polêmica” já era esperada. “À essa altura a polêmica é necessária, a discussão é necessária. Então é bom, porque desperta em todos posições diferentes, e eu acho que a população quer isso”, afirmou.

Três dos quatro ministros tucanos no governo Temer fizeram críticas duras ao programa veiculado pelo PSDB. Logo após a veiculação, o ministro da Secretaria de Governo, Antonio Imbassahy (PSDB-BA), divulgou nota na qual afirma que a peça “ofende fortemente” o partido. Segundo ele, o programa “apresenta colocações rasas, genéricas, e não teve a coragem de apontar os culpados pelos vícios e mazelas que o programa condenou.”

“A linha adotada no programa partidário ofende fortemente o PSDB, colocando o partido numa posição extremamente ruim e desconfortável, como se fosse o culpado por todos os problemas, inclusive aqueles criados por governos do PT, dos quais foi oposição”, escreveu Imbassahy.

Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), ministro tucano das Relações Exteriores, fez 38 publicações em sua conta no Twitter, nas quais critica o conteúdo do vídeo. Segundo ele, o programa é “um monumento à inépcia publicitária” e “a expressão de uma confusão política digna de figurar numa antologia do gênero”. “Em suma, esse programa não me representa. Não participei de sua concepção e em nenhum momento minha opinião foi demandada”, escreveu.

O ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB-PE), também divulgou nota rebatendo as críticas de fisiologismo. Ele afirma que os parlamentares do partido têm votado “em ideias em que acreditam”. Para Araújo, a peça não é justa com a história do partido. “O programa não me representa.”

 

Estadão

enviar comentário
Publicidade
Publicidade

Policial que matou 4 terroristas na Espanha fazia hora extra para aumentar renda

O policial que matou quatro terroristas em Cambrils, na Espanha, só estava no local porque fazendo hora extra para aumentar o salário na madrugada de sexta-feira (17), segundo o jornal “El Mundo”.

O agente da Polícia autônoma da Catalunha (Mossos d’Esquadra) vem sendo tratado como herói por ter evitado que o número de vítimas fosse ainda maior. O Estado Islâmico reivindicou o ataque.

De acordo com os serviços de emergência, os atentados a Barcelona e Cambrils deixaram 14 pessoas mortas e 130 pessoas feridas, de 34 nacionalidades.

Menos de 10 horas após o ataque com van nas Ramblas de Barcelona, um Audi A3 ultrapassou já no início da madrugada de sexta um bloqueio policial e atropelou pedestres em Cambrils. As cidades ficam 117 km distantes uma da outra.

O atropelamento deixou sete pessoas feridas – um policial e seis civis. Agentes da Mossos d’Esquadra que estavam em um segundo bloqueio reagiram e mataram os cinco suspeitos que estavam no carro.

enviar comentário
Publicidade

Mega-Sena, concurso 1.960: ninguém acerta as seis dezenas e prêmio vai a R$ 32 milhões

Mega-sena (Foto: Heloise Hamada/G1)

Ninguém acertou as seis dezenas sorteadas no concurso 1.960 da Mega-Sena, realizado neste sábado (19). O sorteio foi realizado às 20h, em Presidente Venceslau (SP).

As dezenas sorteadas foram: 01 – 18 – 25 – 37 – 39 – 43.

No próximo sorteio, que será realizado na quarta-feira (23), o prêmio previsto é de R$ 32 milhões.

Ao todo, 116 apostas ganharam a quina; cada uma vai levar R$ 24.043,13. Outras 6.655 acertaram a quadra; cada uma receberá R$ 598,69.

G1
enviar comentário
Publicidade

Ministério da Justiça prorroga permanência da Força Nacional no Rio Grande do Norte

A Secretária de Segurança Pública e o Comandante Geral da Polícia Militar estiveram reunidos como presidente da República e parlamentares esta semana.

Foi prorrogada até o dia 31 de dezembro, a permanência do efetivo da Força Nacional de Segurança Pública que está atuando no Rio Grande do Norte. A portaria assinada, nessa sexta-feira (18), pelo ministro da Justiça Torquato Jardim, faz parte das ações previstas no Plano Nacional de Segurança Pública.

A decisão do Ministério da Justiça e da Segurança Pública foi tomada um dia após a reunião da secretária de Segurança Pública, Sheila Freitas, do Comandante da PM, Osmar Oliveira, com os parlamentares da bancada do Rio Grande do Norte e o presidente da República, Michel Temer. Na ocasião, Sheila Freitas enfatizou, o pedido já feito pelo governador Robinson Faria, para reforçar o efetivo da FNSP e de recursos na ordem de R$ 300 milhões para Segurança Pública e o Sistema Prisional.

Conforme a portaria, os homens e mulheres continuarão nas ações de policiamento ostensivo, polícia judiciária, e perícia forense, com o objetivo de redução de homicídios dolosos, feminicídios, violência contra a mulher e no combate à criminalidade organizada transnacional, em especial aos tráficos de drogas de armas.⁠⁠⁠⁠

enviar comentário
Publicidade

Sassá é alvo de queixa por confusão em boate de Belo Horizonte

Sassá

O professor Caio de Lana Luiz, de 34 anos, prestou queixa contra o atacante Sassá e os amigos que acompanhavam o jogador em uma boa de Belo Horizonte na madrugada deste sábado. O professor garante que recebeu agressões verbais e foi atingido, junto com sua namorada, por um copo de uísque arremessado pelos amigos do atleta.

De acordo com o boletim de ocorrência registrado na 124ª Companhia de Polícia da capital mineira, Sassá e seus acompanhantes teriam ido tirar satisfação com Caio, que estava tirando fotos do local onde estava o jogador. Além de ter sido agredido verbalmente o professor teria visto Sassá fazendo gestos obscenos em sua direção.

Quando Caio se dirigiu ao banheiro, duas pessoas que estavam com o jogador tentaram pegar o celular dele e deu início a confusão. De acordo com informações cedidas ao Superesportes, Sassá e seus acompanhantes teriam sido expulsos da boa após o ato.

enviar comentário
Publicidade

Crise impulsiona mudança de brasileiros para Portugal e pedidos de visto crescem 50%, em 2017

Impulsionado pela crise, o fluxo migratório de brasileiros para Portugal tem crescido, nos últimos anos. Na representação portuguesa no Brasil, os números de solicitação de vistos em geral subiram em média 50% em 2017, face ao ano anterior. Em 2016, foram emitidos três mil documentos. Além disso, por dia, são protocolados, em média, de 55 a 60 novos pedidos de nacionalidade, no Consulado em São Paulo. No Rio de Janeiro, o crescimento da procura já esgotou as vagas disponíveis na agenda de atendimento da representação esse ano. A única esperança para quem está aguardando é haver desistência ou criação de vagas adicionais. No ano passado, havia 81.251 brasileiros legais morando em Portugal, segundo dados do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF). Entre 2010 e 2016, foram concedidas mais de 87 mil nacionalidades a brasileiros, que hoje é a principal comunidade estrangeira residente no país.

A advogada Luciana Ladeira, que trabalha com pedidos de dupla cidadania, cita a violência urbana, a crise econômica e a insegurança política.

— Percebo que o volume de atendimento no escritório dobrou em relação ao ano passado — afirma ela.

Filho de português, o advogado Marcelo Ramalhete, de 46 anos, está arrumando as malas para se mudar de vez em janeiro de 2018. Ele vai acompanhado da mulher e da filha, de 17 anos. A decisão foi tomada após a família sofrer um assalto em março.

— Fui levado por bandidos e fiquei três horas dentro de uma favela. E se fosse a minha filha? Sei que vou enfrentar um período de adaptação e que a minha renda vai cair um pouco, mas estou em busca de tranquilidade — disse Marcelo.

Mas mudar-se para a “terrinha” exige planejamento, reserva financeira e paciência. Uma nova lei, que prometeu facilitar esse caminho para netos de portugueses, tem causado dúvidas e insegurança nos descendentes. Os solicitantes devem ter “laços de efetiva ligação à comunidade nacional” e declarar que “querem ser portugueses”.

— Para provar o laço, o neto deve, além de comprovar a residência legal em território português, ter participado regularmente da vida cultural da comunidade portuguesa do país onde morava — observa o advogado português Antônio Pardal.

Mas a nova legislação ainda tem gerado interpretações divergentes sobre as exigências para obtenção de nacionalidade para os netos. Para a advogada Luciana Ladeira, a residência prévia em território português não é requisito obrigatório:

— A residência nos 3 anos anteriores ao pedido agora é uma presunção de laço. O que significa que o solicitante não precisará comprovar mais nada se tiver atendido esse quesito. Mas há outros laços que podem ser utilizados nesses pedidos: contrato de aluguel; propriedade em seu nome ou deslocamento frequente para Portugal. Mas como a legislação é nova, ainda há muitas dúvidas em relação a sua aplicação — comenta Luciana.

Para filhos de portugueses, as regras para solicitar a cidadania não foram alteradas. O interessado em solicitar a cidadania portuguesa terá que desembolsar um valor mínimo estimado em R$ 3 mil. O custo leva em consideração a cobrança pelo processo (157 euros), taxa consular, certidões, averbações e envio de documento, isso sem incluir honorários advocatícios para quem deseja uma assessoria jurídica

De acordo com especialistas, para Portugal, a migração também é um bom negócio. Um relatório da ONU mostra que a população lusa se reduziu em média 0,4% por ano entre 2010 e 2016. Além disso, 21% dos moradores de Portugal já completaram 65 anos de idade, o que coloca o país europeu como um dos quatro mais envelhecidos do continente.

Como era antes

A legislação anterior abordava duas situações distintas no caso dos netos de cidadão português. Se o progenitor descendente de portugueses ainda fosse vivo, seria exigido que ele ou ela obtivessem a cidadania para só depois repassar aos filhos. Caso já tivesse morrido, a obtenção direta pelos avós poderia ocorrer, mas seria atribuída a cidadania por naturalização e não a nacionalidade originária, comum nos casos de ascendência.

A alteração na lei presume que os interessados de todos os países que tenham o português como língua oficial há pelo menos dez anos. Dessa forma, esses cidadãos não precisam comprovar seu conhecimento da língua.

Antes da aprovação do decreto, os brasileiros que não viviam em Portugal poderiam obter a nacionalidade se tivessem ascendência lusa, se fossem casados ou estivessem em união estável com um português há, pelo menos, 3 anos.

Filhos de portugueses

Todos os filhos de portugueses já tinham e mantêm o direito de requerer a nacionalidade originária. Para isso, é preciso manifestar-se oficialmente através de um requerimento próprio que deve ser entregue com assinatura reconhecida em um cartório brasileiro. No caso dos menores de idade, o documento deve ser assinado por ambos os pais.

Também é preciso apresentar documentos que comprovem a nacionalidade portuguesa do ascendente direto, como o cartão de cidadão (a carteira de identidade portuguesa), passaporte ou certidão de nascimento.

O descendente que tiver interesse em obter a cidadania deve ainda apresentar original e cópia da sua certidão de nascimento, emitida há meno de um ano; a certidão de nascimento do progenitor que não for português; original e cópia autenticada da carteira de identidade; original e cópia da carteira de motorista ou do passaporte; uma foto 3×4 colorida tirada há menos de um ano; envelope para devolução dos documentos já com os dados do requerente no destinatário, e comprovante de residência.

O requerente também precisa apresentar o comprovante de pagamento da solicitação de cidadania, sem o qual o processo será devolvido.

Cônjuges de portugueses

Os brasileiros casados com portugueses há pelo menos três anos também podem solicitar a cidadania por naturalização. Para isso, é preciso que o casamento já se encontre transcrito em Portugal, ou seja, que conste a averbação da união no local de nascimento do cidadão.

O interessado deve apresentar um requerimento próprio com assinatura reconhecida em um cartório brasileiro; original e cópia das certidões de nascimento e casamento, ambas emitidas há menos de um ano; cópia autenticada do RG ou cópia autenticada do passaporte, caso a carteira de identidade não seja recente, e atestado de antecedentes criminais de todos os países em que já morou. Além disso, é preciso encaminhar um pagamento no valor de 250 euros.

 

 

EXTRA

enviar comentário
Publicidade

Idoso de 64 anos é preso suspeito de estuprar e fotografar adolescentes em MT; mulher ajudava

Um idoso de 64 anos foi preso em Cuiabá suspeito de estuprar e fotografar pelo menos três adolescentes, segundo a Polícia Militar. No celular do suspeito, foram encontradas fotos das vítimas feitas na casa dele durante os abusos. Ele foi detido na sexta-feira (18) na casa dele no Bairro Pedra 90, na capital. A mulher dele também foi presa por suposta participação nos abusos. Os dois foram encaminhados para a Central de Flagrantes.

As prisões foram feitas depois que a mãe e a irmã de duas vítimas procuraram a polícia. Elas contaram que o suspeito teria aliciado e estuprado as vítimas. Em depoimento, elas confirmaram o abuso e apontaram uma terceira vítima, que também disse ter sido estuprada. As vítimas têm 12 anos.

Em diligência, a polícia prendeu o idoso, a mulher dele, que segundo a PM, ajudava a aliciar as vítimas e um sobrinho que teria presenciado um dos estupros ocorrido na sexta-feira.

Durante buscas na casa dele, foram encontradas uma arma, munições intactas e deflagradas e apetrechos para recarga. No celular do suspeito, a polícia encontrou fotos das adolescentes nuas tiradas por ele na residência.

À polícia, as adolescentes contaram que eram estupradas com frequência e que o suspeito ameaçava matar a família delas, caso fosse denunciado. As vítimas contaram também que o idoso já abusou de bebês.

Os suspeitos e os objetos apreendidos foram encaminhados para uma delegacia, onde eles devem prestar depoimento.

enviar comentário
Publicidade

Lava-Jato avança na investigação de compra de votos para a Rio 2016

Olivier Morin

A Lava-Jato já avançou bastante na investigação acerca de uma suposta compra de votos que colaborou para fazer do Rio de Janeiro a sede da Olimpíada 2016.

Os procuradores do MPF no Rio contaram com a cooperação de vários países. Quem já teve acesso ao material garante que será um Deus nos acuda.

As encrencas passam por Arthur Soares Filho, um dos maiores fornecedores dos governos Sérgio Cabral. Imóveis no exterior do Rei Arthur, como é conhecido, teriam sido usados para comprar apoio à candidatura brasileira.

 

O Globo

Comentário (1) enviar comentário
  1. Blue disse:

    Seu Lula tá enrolado nesse caso.

Publicidade

Contador forja morte de 3 esposas fictícias e dá golpe de R$ 500 mil na Previdência

Marcelo amou Luciana. Amou Maria Aparecida. Amou Mariana. Casou-se com as três. Elas têm um grande semelhança: nunca existiram. Foram inventadas por ele para fazer parte de um golpe contra a Previdência Social. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), o contador paranaense, após os fictícios matrimônios, forjou a morte das mulheres e garantiu, assim, rica pensão. Segundo os investigadores da força-tarefa, esse serial killer previdenciário conseguiu receber R$ 500 mil dos cofres públicos.

Na vida real, Marcelo Roberto Ferrarin é casado. Para não ser preso ou processado por fraude, ou até mesmo por bigamia, criava outras identidades para forjar o casamento com cada uma de suas mulheres. Montava ainda uma estrutura para cada uma de suas uniões.

RG, HABILITAÇÃO E CARTÃO

Nomes para seus pais e sogros também eram criados por Ferrarin, como relata o MPF. Para a união com Luciana Bezerra dos Santos, ele mudou apenas o sobrenome. Batizou-se de Marcelo Antônio Pereira.

Já a personalidade de Ferrarin que se uniu em matrimônio com Maria Aparecida da Costa foi Luiz Roberto Parise. Ele tinha RG, carteira de habilitação e até cartão de banco. Segundo o MPF, no cartório da cidade de Nova Esperança conseguiu o registro falso para ele e para a noiva. Casaram-se em Iracema do Oeste.

Já “viúvo”, Parise requereu pensão por morte na agência da Previdência Social de São José dos Pinhais. Poucos meses antes, a pseudo morta tinha sido cadastrada como “segurada facultativa”. De agosto de 2009 até novembro daquele ano, Parise recolheu quatro contribuições mensais com valores bastante expressivos. A vida de Maria Aparecida teve fim apenas três dias após o Natal de 2009, traz sua falsa certidão de óbito.

Segundo levantamento realizado pelo INSS, Ferrarin recebeu só de pensão com a morte de Maria Aparecida um total de R$ 265.251,28. O valor mensal era de R$ 4.600.

A mesma estratégia foi utilizada para a prática de outros estelionatos. Num outro inquérito da Polícia Federal, os investigados são Márcio de Paula Santos e Mariana Pereira de Oliveira Santos. Márcio, segundo o MP, é outra personalidade de Ferrarin.

O Globo

enviar comentário
Publicidade

Homem é executado a tiros em Ceará-Mirim

Um homem identificado como Hudson Pereira Luciano Barros, de 25 anos de idade, foi assassinado na cidade de Ceará-Mirim, na Grande Natal. O homicídio aconteceu entre as 4h e as 5h da manhã deste domingo (20), de acordo com a Polícia Militar.

Quando os policiais chegaram ao local, encontraram Hudson Pereira já morto, em frente a uma residência na Rua Bela Vista, bairro Carrasco. Ainda segundo a polícia, moradores da região escutaram os disparos, entretanto ninguém presenciou o crime.

Com informações do G1/RN

enviar comentário
Publicidade

Previdência gasta R$ 56 bilhões por ano com fraudes e erros, estima TCU

O Brasil é um país em que ricos fingem ser pobres, presidiários reconhecem a paternidade de filhos de mulheres que nunca viram, crianças recebem licença-maternidade, bebês indígenas são adotados e esquecidos em suas tribos, homens assassinam esposas fictícias e ciganos mudam de identidade como trocam de cidade. O Brasil é um país que paga por tudo isso. E a conta imposta por tanta “criatividade” à Previdência Social é alta. Uma fatura maior que o governo supunha: pode chegar a R$ 56 bilhões por ano. Ao cruzar dados de uma força-tarefa — formada por Secretaria de Previdência, Ministério Público Federal (MPF), Polícia Federal e os ministérios do Trabalho e do Desenvolvimento Social — e pedir uma análise de especialistas, o Tribunal de Contas da União (TCU) chegou à conclusão de que a “percepção de irregularidades” é que um, em cada dez benefícios, é pago com erros ou por fraude.

Com um rombo recorde previsto para este ano, a Previdência é considerada um empecilho para o Brasil voltar a crescer. Em 2017, devem faltar R$ 185,8 bilhões para fechar a conta. Sem fraudes e erros, esse déficit poderia ser 30% menor. No entanto, a fiscalização, apesar dos avanços obtidos nos últimos anos, ainda está bem longe de conseguir impedir tudo o que desfalca o sistema de aposentadorias e benefícios assistenciais do país.

Essas fraudes e erros ocorrem no momento em que a sociedade se confronta com o dilema de reformar a Previdência, ou começar a cortar despesas em áreas essenciais. Tudo porque falta dinheiro. Mas foram as contribuições pagas pelos brasileiros que bancaram a luxuosa jornada de uma família de ciganos pelo país. O ponto de partida foi uma das áreas mais pobres do Brasil: o Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais. De cidadezinha em cidadezinha, eles requisitaram uma coleção de certidões de nascimento tardias. Com elas, conseguiram vários benefícios, entre eles, aposentadorias rurais. A pobreza dos lugares por onde o grupo passou contrastava com as caminhonetes de luxo usadas para trilhar o caminho. Foram presos em Sergipe. Os 11 parentes foram condenados por estelionato contra a Previdência.

 

O Globo

enviar comentário
Publicidade