Publicidade

Assessoria do ministro da Justiça confirma que Daiello fica na direção da PF

O ministro da Justiça, Torquato Jardim, reuniu a imprensa neste sábado (24), em Brasília, para confirmar o delegado Leandro Daiello no comando da Polícia Federal. Mas, em seu pronunciamento, não deixou claro o que pretendia fazer, e a permanência do delegado no cargo acabou sendo confirmada mais tarde por uma mensagem da assessoria do ministério.

Na edição deste sábado, o jornal “Folha de S.Paulo” informou que, em reunião com sindicalistas na quinta-feira (22), Torquato Jardim disse que pretendia fazer mudanças na Polícia Federal, entre as quais a troca do diretor-geral. Na instituição, segundo a reportagem, a eventual substituição de Daiello é interpretada como uma tentativa de interferência na Operação Lava Jato.

No fim da manhã, a assessora do ministério Kátia Cubel avisou que o ministro Torquato Jardim e Daiello dariam uma entrevista coletiva. Ao blog de Andreia Sadi, a assessoria afirmou que o ministro anunciaria a permanencia de Daiello à frente da Polícia federal.

Torquato Jardim fez somente um pronunciamento, sem responder a perguntas, e afirmou que ele e o diretor-geral da PF trabalham em “absoluta harmonia”. Mas não disse que Daiello permaneceria nem que sairia. No pronunciamento, sem se referir à reportagem do jornal, Torquato chamou de “pós-verdade” o “noticiário que está aí”.

“O Ministério da Justiça e a Polícia Federal fazem questão de expressar à sociedade brasileira a sua absoluta harmonia na condução das duas instituições. O noticiário que está aí é, para usar um termo moderno, a pós-verdade. Não corresponde à realidade, não constrói afabilidade e não ajuda a boa condução dos interesses públicos”, disse Torquato Jardim.

“O dr Daiello e eu temos trabalhado desde que aqui cheguei na mais absoluta harmonia e camaradagem, ambos igualmente comprometidos com a instituição Polícia Federal”, declarou o ministro, que acrescentou na mesma fala: “Não estamos preocupados com personalidades. Estamos comprometidos com a instituição”.

 

G1

enviar comentário
Publicidade

Wikileaks: CIA tem software para extrair dados de PCs ‘desconectados’

O Wikileaks liberou novos documentos na série “Vault 7”, trazendo desta vez informações sobre um programa chamado “Brutal Kangaroo” destinado a permitir a extração de dados de computadores desconectados. Segundo as informações, a Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA) usava um conjunto de programas executados através de pen drives USB para contaminar e extrair dados de computadores que não podiam ser acessados pela internet.

O “Vault 7” é uma série de vazamentos iniciada no dia 7 de março e que expõe documentos e programas da CIA. O Wikileaks afirma que essas informações já estavam fora do controle da CIA e que elas circulavam até entre “hackers governamentais” que não deviam ter acesso a esses documentos. Um desses hackers teria decidido repassar tudo ao Wikileaks. Não há confirmação da legitimidade dos documentos.

Diferente do “Shadow Brokers”, que vem vazando informações da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA), o Wikileaks não disponibiliza as ferramentas de espionagem em si, apenas a documentação que detalha o funcionamento dos programas.

A “suíte” de ataque Brutal Kangaroo, segundo os documentos, é composta dos seguintes programas:

Drifting Deadline: Um programa para infectar computadores através de pen drives

Shattered Assurance: Uma ferramenta que infecta automaticamente pen drives, instalando neles o “Drifting Deadline”.

Shadow: o componente de persistência instalado pelo Drifting Deadline. Ele é capaz de formar uma rede entre os computadores infectados, com os pen drives servindo como meio de comunicação e controle. Por exemplo, se três computadores com o Shadow formam uma rede fechada entre si, mas sem acesso externo, é possível enviar comando ao “Shadow” nos três computadores apenas conectando um pen drive em um deles.

Broken Promise: Um “pós-processadores” do Brutal Kangaroo. Os documentos expostos pelo Wikileaks não descrevem em detalhes essa ferramenta, mas é descrita outra ferramenta, que talvez seja a mesma, que é chamada de “Shadow postprocessor”. Ela é capaz de juntar os arquivos coletados pelo Shadow e exportá-los para um formato legível.

Os documentos expostos pelo Wikileaks dizem ainda que a extração dos dados pode se dar através de diversas formas. Entre elas, é possível usar o chamado Alternate Data Stream (ADS), um recurso do Windows para armazenamento de metadados que fica oculto na interface do sistema. Assim, é possível gravar uma série de arquivos sem que nada fique listado no pen drive.

Também é possível esconder dados em arquivos de imagem. E o “Shadow” é capaz de criar repartições ocultas em todos os pen drives conectados ao computador, de modo a garantir que um espião consiga extrair informações do computador alvo.

O documento principal do Brutal Kangaroo é um dos mais recentes já lançados pelo Wikileaks, pois é datado de fevereiro de 2016. Mas outros documentos indicam que o projeto do Brutal Kangaroo em si é mais antigo: o “Drifting Deadline”, por exemplo, já é segunda ferramenta da suíte para infectar computadores. A original, chamada de “EzCheese”, chegou à versão 6.3 em 2013.

G1

enviar comentário
Publicidade
Publicidade

Temer embarca para São Paulo sem compromissos oficiais previstos

O presidente Michel Temer embarcou na tarde deste sábado para São Paulo. Segundo a assessoria de imprensa do Palácio do Planalto, não há compromissos oficiais previstos na cidade. Ainda não há definição na data do retorno de Temer a Brasília.

Na capital paulista, Temer tem se reunido com o seu advogado, Antonio Claudio Mariz. Ontem, a Polícia Federal concluiu que o áudio da conversa gravada pelo empresário Joesley Batista com o presidente no dia 7 de março, no Palácio do Jaburu, não foi editado ou adulterado. O Planalto ainda não se manifestou sobre o assunto.

Estadão
enviar comentário
Publicidade

Funaro promete ‘acabar’ com Temer em delação

AMEAÇA - O doleiro Lúcio Funaro: seu depoimento é uma amostra do estrago que ele pode causar

Antes de ser preso, Lucio Funaro teve uma discussão com Antonio Mariz, seu então advogado e amigo de Michel Temer. Na ocasião, o doleiro disparou: “Se eu delatar, vou acabar com o seu chefe”.  A ida à PF foi o início.

Mas Funaro ainda não fechou nada com a PGR. Palavras de um procurador familiarizado com o caso: “Ele é igual ao Eduardo Cunha. Vai e volta”.

Quem mais incentiva Funaro a delatar é o ex-senador Luiz Estevão. Eles são colegas inseparáveis nos corredores da Papuda, onde ambos residem.

Radar

enviar comentário
Publicidade

7 a 1? Löw vê Brasil consolidado e diz: “É sempre favorito na Copa”

Joachim Löw sorri ao ser perguntado sobre o Brasil (Foto: Ivan Raupp)

A chegada de Tite fez com que a Seleção voltasse a ser respeitada no cenário mundial. O técnico deu nova cara ao time e transformou o Brasil no primeiro classificado à Copa do Mundo de 2018 – fora a Rússia, que sediará o torneio. Em termos de futebol, o país vivia uma profunda crise desde a fatídica derrota por 7 a 1 para a Alemanha na semifinal do Mundial de 2014, em casa.

Os alemães, por sinal, passam por uma fase de renovação nesta Copa das Confederações e neste domingo enfrentam Camarões com o objetivo de carimbar a vaga nas semifinais. Na véspera do duelo em Sochi, o treinador Joachim Löw participou de uma coletiva de imprensa, e o GloboEsporte.com aproveitou a oportunidade para pedir a opinião dele sobre o atual momento da Seleção. Será que o comandante enxerga o Brasil como forte candidado ao título no ano que vem?

– Acho que o Brasil já se recuperou daquela experiência na semifinal. Eles mudaram bastante, e os resultados depois da Copa de 2014 foram muito positivos de maneira geral. Venceram muitas partidas e consolidaram a força deles. Para mim, o Brasil sempre chega entre os favoritos para os torneios porque tem excelentes jogadores, que estão nas melhores ligas do mundo. Tem muito talento ali. O Brasil é sempre favorito na Copa do Mundo – afirmou.

Durante a pergunta, alguns jornalistas alemães até riram de forma sutil quando a semifinal de 2014 foi citada. Löw também deu um sorriso, mas voltou ao normal e respondeu de forma cordial.

Globo Esporte
enviar comentário
Publicidade

Ministro chama de ‘pós-verdade’ saída de Daiello da PF, mas não garante que ele fica

O ministro da Justiça, Torquato Jardim, fez neste sábado (24), na sede do ministério, um rápido pronunciamento sobre a eventual saída do delegado Leandro Daiello da direção-geral da Polícia Federal.

Na edição deste sábado, o jornal “Folha de S.Paulo” informou que, em reunião com sindicalistas na quinta-feira (22), Torquato Jardim disse que pretendia fazer mudanças na Polícia Federal, entre as quais a troca do diretor-geral. Na instituição, segundo a reportagem, a eventual substituição de Daiello é interpretada como uma tentativa de interferência na Operação Lava Jato.

Sem se referir à reportagem do jornal, Torquato, no pronunciamento, chamou de “pós-verdade” o “noticiário que está aí”, mas não fez nenhuma afirmação assegurando que o delegado permanecerá no cargo.

Antes do pronunciamento, ao blog de Andreia Sadi, o ministro disse, por meio da assessoria, que Daiello fica. Ao blog, a assessoria informou que o motivo da convocação da imprensa para o pronunciamento do ministro era o anúncio da permanência de Daiello.

Durante a fala de Torquato, Daiello permaneceu sentado ao lado do ministro. Imediatamente após o pronunciamento, Torquato levantou e saiu, sem responder a perguntas sobre a permanência do diretor da PF, deixando Daiello sozinho diante dos jornalistas. Indagado se permanecerá, o delegado não respondeu.

 

G1

enviar comentário
Publicidade

Lewandowski nega liberdade a procurador e advogado acusados de atrapalhar investigação

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou dois habeas corpus apresentados pela defesa do procurador da República Ângelo Vilela e do advogado Willer Tomaz. Eles são acusados de atrapalharem investigações feitas pela Procuradoria da República no Distrito Federal contra o frigorífico JBS. Lewandowski negou por razões técnicas e nem chegou a analisar o mérito dos pedidos.

Os habeas corpus foram apresentados contra decisões monocráticas tomadas por ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Uma decisão monocrática é aquela em que apenas uma pessoa decide, sem consultar outros ministros. E a jurisprudência do STF é de que pedidos assim não são analisados. Para ser examinado no tribunal, é preciso que passe primeiro por um órgão colegiado do STJ.

O procurador solicitou uma liminar para que prisão seja substituída por medidas cautelares, como uso de tornozeleira, afastamento das atividades profissionais, proibição de deixar o país e de manter contato com outros investigados. Ao fim do julgamento, requeria a liberdade. Tomaz solicitou diretamente que seja soltou ou, alternativamente, medidas cautelares. Eles estão detidos desde 18 de maio deste ano.

Num dos depoimentos da delação premiada, o empresário Joesley Batista, dono da JBS, acusou Vilela de vazar informações de um inquérito da Operação Greenfield, que investiga desvios em fundos de pensão. O procurador teria sido cooptado pelo advogado Willer Tomaz, que ofereceu seus serviços à JBS.

Já é a segunda vez que Lewandowski nega um habeas corpus de Vilela. Ele e Willer Tomaz foram presos por ordem do ministro Edson Fachin, relator dos processos da Operação Lava-Jato no STF. Mas depois ele enviou a investigação para o Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3), com sede em São Paulo. A presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, também negou um habeas corpus feito em nome do empreiteiro Marcelo Odebrecht, que fez acordo de delação premiada, mas continua preso em Curitiba, em razão da Lava-Jato. Nesse caso, a solicitação foi feita por uma advogada que não atua na defesa dele. A praxe no STF é recusar pedidos feitos por terceiros sem relação com o preso.

O Globo

enviar comentário
Publicidade

BNDES aprova financiamento de R$ 2,6 mi para empresa de games; confira

Em apoio à indústria de games , o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou financiamento de R$ 2,6 milhões para a Sioux Serviços de Informática Ltda. Com a verba a empresa de games poderá realizar o seu plano de investimentos 2016-2018, que tem valor total de R$ 5 milhões.

De acordo com a instituição financeira, o apoio corresponde a 51% do total e será feito por meio de seu programa para o Desenvolvimento da Economia da Cultura ( BNDES Procult), previsto para ser apresentado neste sábado (24), na quinta edição do Brazil’s Independent Games (BIG Festival) realizado no Centro Cultural São Paulo, ao lado do Metrô Vergueiro.

Projeta-se que o financiamento da entidade pública impactará positivamente em 50% nos postos de trabalho da empresa nas mais diversas áreas de funcionamento, como setores de planejamento, design de jogos, projeção gráfica 3D, programação, suporte, gerenciamento de projetos, além de assessoria de imprensa e outras funções.

O incentivo parte da realidade de que a base produtiva de jogos no Brasil é formada majoritariamente por micro e pequenos negócios, sendo que 75% delas declaram receita anual inferior a R$ 240 mil, como informa uma pesquisa da Universidade de São Paulo (USP) em 2014 com 133 empresas.

Foco
Para o banco, o fortalecimento no cenário nacional será realizado com base no aprimoramento da comercialização dos jogos desenvolvidos no Brasil, por meio das publicações, e desenvolvimento de novos modelos de negócio, que visem à geração de propriedade intelectual própria. O financiamento foca também na utilização de games para transmissão de conhecimento com o apoio à plataforma “Ludos Pro” e o portal “Brincando na Rede”.

Panorama
“Os jogos digitais são estratégicos para o desenvolvimento tecnológico , na medida em que apresentam alto grau de dinamismo, inovações tecnológicas e produção de conteúdo inédito. Além disso, as cadeias produtivas de jogos oferecem oportunidades de trabalho a profissionais de variadas formações”, avalia a estatal.

Vale ressaltar que, em 2016, no mercado global de games transitou cerca de 2,2 bilhões de consumidores que geraram uma receita de aproximadamente de US$ 101 bilhões, segundo registros da pesquisa The Global Games Market 2017, da Newzoo.

Brazil’s Independent Games
O BIG acontecerá entre os dias 24, 25, 27, 28, 29 e 30 de junho e 1 e 2 de julho no Centro Cultural São Paulo, próximo ao Metrô Vergueiro. A entrada é gratuita e contará com oficinas de robótica para crianças, oficina de Pitch para quem está pensando em empreender, palestra sobre as vantagens de atuar no cenário independente de games. O evento também prevê uma entrevista com Gerard Marino, compositor das trilhas sonoras do game God of War. Confira toda a programação do evento aqui . A apresentação do BNDES do sobre os seus instrumentos de apoio acontecerá na terça-feira (28) às 14h30.

IG

enviar comentário
Publicidade

EDITORIAL: PMDB Potiguar, quem te viu e quem te vê…

Resultado de imagem para aluisio, henrique, garibaldi
Foto do PMDB reunido no início dos anos 90 na Assembleia Legislativa. Henrique discusando e Garibaldi, Geraldo Melo e Aluízio Alves acompanhando na mesa.

 

Desde que o presidente do diretório estadual, Henrique Eduardo Alves, foi preso no dia 06 de junho na operação MANUS, o PMDB, como partido mesmo, está praticamente parado. De direito ainda há comando, mas de fato o partido está, como diz no ditado popular, “ao Deus dará”. Não há um presidente e não aparece ninguém para falar por ele. Pelo menos dá uma satisfação a sociedade potiguar. O próprio Senador Garibaldi Filho, a maior expressão eleitoral da agremiação no estado, não apareceu para da um pio.

Preso para não atrapalhar as investigações de que é suspeito de organizar um grande esquema de propina para compra de votos durante a campanha de 2014, desvios de dinheiro do FGTS e ter conta no exterior, Henrique Alves não delibera nada pelo partido. Quem poderia vir a assumir seria o vice, o deputado federal Walter Alves, porém Walter nem assume, nem demonstra interesse em assumir a Presidência.

Aliados que têm procurado Walter, têm dito que ele anda com medo de pegar a Presidência. Sim. O que mais se comenta é o medo de Waltinho em terminar virando alvo de ataques políticos e até investigações. Ele, que anda “mergulhado” com medo das repercussões negativas provocadas pelas reformas do governo do presidente e aliado Michel Temer, não quer ganhar holofote como presidente do PMDB do EReeeneee. Por enquanto, o deputado apenas ignora o partido. Finge que nem existe. Inclusive, ele não pisa na sede há muito tempo. Aliás, que é próximo do deputado sabe que ele comanda de fato o PTB no estado.

Se Walter não quiser assumir, o segundo vice-presidente é o deputado estadual Nélter Queiroz. Nélter é considerado um verdadeiro “homem-bomba” por outros filiados do PMDB. Tanto por ter uma postura independente como inconsequente. Além disso é aliado do governador Robinson Faria desde o primeiro dia de governo e foi citado na coletiva desta semana pelos procuradores do MPF como tendo ameaçado o próprio Henrique Alves por causa de um cheque não honrado relacionado a campanha de 2014.

Nesse imbróglio, o partido segue seus dias sem rumo correndo o risco até de não conseguir liberar o fundo partidário. Sim. O partido pode ficar sem o famoso dinheiro usado para custear a manutenção. Algumas pessoas, entre elas funcionários e políticos, estão correndo para arrumar um jeito de não perder a verba. O risco é grande.

Os próprios prefeitos e vereadores que trabalharão nas eleições do próximo ano para eleger seus deputados não sabem o que fazer. Não sabem a quem procurar. Estão tão sem diálogo com o partido que o único meio de conseguir uma orientação é exatamente no contato direto dos deputados com quem têm o apoio mútuo. A insegurança e a aflição de filiados importantes é grande.

Vale lembrar que as eleições do partido são em novembro e que, se o partido continuar inerte, o diretório vai ter que convocar as eleições pela primeira vez sem a figura de um presidente. A situação do PMDB, como um navio à deriva e sem comandante, é culpa dos próprios peemedebistas que estão inertes, principalmente as grandes lideranças.

Será que Caetano Veloso, ao compor “Alegria, Alegria”, no trecho que escreveu “caminhando contra o vento, sem lenço e sem documento, no sol de quase dezembro, eu vou”, estaria prevendo o futuro do PMDB no Rio Grande do Norte?

Em tempo, fica a pergunta: o PMDB vai continuar inerte ou vai ter postura?

Fico imaginando Aluízio Alves nesse momento assistindo tudo isso.

PMDB Potiguar, quem te viu e quem te vê….

Comentários (3) enviar comentário
  1. Nostradamos disse:

    Deixei de votar no PMDB há tempos, apesar de sempre ter sido fiel, junto com minha família.

    Na" minha opinião" o PMDB é um dos principais partidos corruptos do Brasil e o RN não seria diferente.

    Resta saber se o MPF e demais autoridades irão investigar os destinatários a quem esse dinheiro sujo beneficiou, aliás, a quem o dinheiro da roubalheira beneficiou nas cidades do RN? An? An? An?

  2. Dr. Veneno disse:

    Esse momento do PMDB, retrata muito bem o caráter dos políticos q nos representam:
    Se o negócio é bom, todos querem está à frente. Se é uma bomba, ninguém quer assumir.

  3. Carlos Maia disse:

    E o PSD ? Com Robinson ??? Ezequiel era do PMDB ??? Vai chegar a hora !!!

Publicidade

Apesar da aparência, carne não oferece risco, diz secretário

O secretário-executivo do Ministério da Agricultura, Eumar Novacki, disse hoje que a carne brasileira não oferece riscos à saúde pública. Os Estados Unidos anunciaram a suspensão da carne in natura do Brasil após identificação de alguns problemas, como abscessos.

De acordo com o Departamento de Agricultura americano, 11% de toda a carne bovina “in natura” comprada do Brasil foi barrada devido a preocupações com a saúde pública, condições sanitárias e problemas com a saúde dos animais.

Para Novacki, há indicações de que os abscessos encontrados no produto são uma reação à vacinação do gado contra febre aftosa. Segundo ele, esses problemas não colocam em risco a saúde pública, mas “causa aparência não muito conforme” no produto.

“Tudo indica que sejam problemas causados pela vacinação. Mas pode haver também problemas de manuseio, de operação. Vamos detectar quando tivermos investigação concluída”, afirmou.

Ele não descartou motivações econômicas por trás da suspensão à carne in natura do Brasil por parte das autoridades norte-americanas, anunciada na véspera. “Temos que acreditar que todos os parceiros comerciais do Brasil agem com lealdade, da mesma forma como país age. Queremos crer que existe uma lealdade, mas não podemos descartar que haja motivações econômicas nesse processo”, disse Novacki. “Tudo isso nós vamos levantar”, acrescentou.

Em carta enviada ao governo brasileiro, o Departamento de Agricultura dos EUA apontou a necessidade de uma revisão abrangente do programa de inspeção de segurança alimentar do país após a identificação de violações na carne in natura, como abscessos e material estranho não identificado.

Novacki disse que esse material estranho pode ser osso.

Segundo Novacki, haverá uma auditoria rígida para verificação da qualidade das vacinas contra aftosa. Ele também afirmou que foram suspensas as exportações das 15 plantas habilitadas no país para exportação da carne in natura para os EUA.

Estão entre as atingidas pela suspensão a JBS (cinco unidades), Minerva (quatro) e Marfrig (quatro), que lideram as exportações de carne bovina do país, o maior exportador global.

Novacki afirmou ainda que o ministério está trabalhando para reverter a suspensão o mais rápido possível e que, dentro desses esforços, há visita técnica aos EUA prevista para a primeira semana de julho.

Carne Fraca
A suspensão ocorreu após os Estados Unidos terem aumentado em março a realização de testes para a carne in natura e produtos prontos de carne do Brasil, como precaução após a operação policial Carne Fraca, que revelou um esquema ilegal de fornecimento de produtos alimentícios alterados ou adulterados com a participação de empresários e fiscais do Ministério da Agricultura.

Após 17 anos de negociação, o Brasil conseguiu apenas no segundo semestre do ano passado acesso ao cobiçado mercado norte-americano do produto in natura.

O país ainda exporta pequenos volumes aos EUA, de janeiro a maio, foram 49 milhões de dólares, ou 2,79 por cento do total embarcado pelo Brasil, segundo o ministério.

Mas suspensão norte-americana pode levantar preocupações, já que os critérios dos EUA costumam ser observados por outros importadores, preocupação que foi ressaltada por Novacki.

“O mercado americano para nós é importante não só pelo volume de exportação. Mas porque é mercado que serve de referência para vários outros”, disse.

(Com Reuters)

enviar comentário
Publicidade

Hamilton anota 66ª pole na carreira e supera marca de Senna, no Azerbaijão

Os três primeiros colocados no grid para o GP do Azerbaijão (Foto: Getty Images)

O treino classificatório para o GP do Azerbaijão estará marcado na história como o dia em que Lewis Hamilton superou o número de pole positions de Ayrton Senna, anotando a 66ª da carreira, com o tempo de 1m40s593. O inglês largará na primeira colocação pela segunda vez consecutiva, quinta na temporada, e terá o companheiro de equipe Valtteri Bottas dividindo a primeira fila. Atrás dos carros da Mercedes estará a dupla da Ferrari, com Kimi Raikkonen em terceiro, e Sebastian Vettel, líder do campeonato, em quarto.

Entre a “segunda divisão” da Fórmula 1, Max Verstappen sairá em quinto, com as Force India na sequência, sendo Sergio Pérez o sexto e Esteban Ocon o sétimo. Tendo marcado seus primeiros pontos na categoria no GP do Canadá, Lance Stroll parece ter ganhado confiança, e superou Felipe Massa para ser o oitavo, enquanto o brasileiro foi o nono. Daniel Ricciardo, que bateu no Q3, causando uma bandeira vermelha, largará em décimo no grid em Baku.

Globo Esporte

enviar comentário
Publicidade