Publicidade

Casamentos longos: G1 analisa mudanças com tempo e expectativas

A maioria das pessoas se surpreende ao ver casais que estão juntos há décadas, como se a longevidade de um relacionamento fosse inviável nos tempos de hoje. Mas será que não há uma receita para dar mais chances de um casamento vingar? Para Eli Finkel, psicólogo e professor na Northwestern University, criar expectativas muito altas em relação à união pode funcionar em fases de bonança, mas acaba trazendo problemas na hora de enfrentar uma situação de crise. Finkel viveu isso na pele, depois de sua mulher enfrentar duas gestações difíceis e depressão pós-parto. Amor, intimidade e sexo pareciam ter desaparecido, mas eles conseguiram dar a volta por cima e o processo todo se transformou no livro “The all-or-nothing marriage” (em tradução livre, “O tudo ou nada do casamento”). Sua fórmula: durante alguns anos, ambos baixaram as expectativas em relação à vida a dois. Também ajudou conversar sobre o empenho de cada um para fazer o relacionamento funcionar, o que aumentou o comprometimento.

Talvez o erro esteja na pergunta: como é possível ficar com uma pessoa por tanto tempo? Porque a resposta é que não ficamos, todos mudamos muito ao longo dos anos. O problema é que os compromissos e a pressão do dia a dia nos levam a não acompanhar as mudanças – de repente, dois estranhos habitam a mesma casa e perdemos a oportunidade de manter a chama acesa. Em “O curso do amor”, o filósofo Alain de Botton afirma que o começo de um relacionamento recebe atenção desproporcional, porque é visto como se contivesse, de forma concentrada, tudo o que é importante no amor, apesar de ser uma fase entre muitas outras. “Permitimos que as histórias de amor que vivemos acabem cedo demais. Aparentamos saber muito sobre como começa o amor e quase nada acerca de como ele pode durar”, escreveu. A maturidade estaria relacionada a reconhecer que o amor romântico representa apenas um aspecto, e limitado, da vida emocional.

O psiquiatra e psicanalista Flavio Gikovate, com quem tive o privilégio de conviver, dizia que o amor é como uma estação de águas: uma sucessão de dias tranquilos e prazerosos, de cumplicidade e planos em comum. Um sentimento de aliados, amigos, parceiros. Botton vai na mesma linha em seu livro: “na verdade, o amor chega a seu ápice nos momentos em que o ser amado se revela capaz de entender, com mais clareza do que os outros – e talvez até melhor que nós mesmos – nossas partes caóticas, embaraçosas e vergonhosas”. Por isso ele prega que, muitas vezes, as fantasias são “o melhor que podemos extrair de nossos desejos múltiplos e contraditórios. Fantasiar poupa nossos entes queridos da plena responsabilidade e da assustadora estranheza de nossas compulsões”.

Na edição do fim de novembro, a revista britânica “The Economist” fez uma reportagem especial sobre a instituição do matrimônio, concluindo que ela vai bem, obrigada, nos países que vêm se despindo da sua obrigatoriedade e rigidez. Se até o meio do século 20 o casamento era praticamente inevitável, os números atuais são bem diferentes. Em 1972, 87% das mulheres francesas entre 30 e 34 anos estavam casadas; hoje são 43%. Na Noruega, elas se casam em torno dos 32 anos. Justamente porque o casamento deixou de ser uma obrigação, um rito de passagem entre a adolescência e a vida adulta, transformou-se numa celebração de amor e compromisso. Quando as pessoas têm mais tempo para escolher seu parceiro ou parceira, mais chances de a união ter sucesso. A maturidade ajuda a perceber que os dois podem evoluir juntos e por muito tempo.

G1

enviar comentário
Publicidade

Dois jovens e um adolescente são assassinados em menos de meia hora na Zona Norte de Natal

Em menos de meia hora, três jovens foram assassinados a tiros na noite desta segunda-feira (11) na Zona Norte de Natal. Segundo relatórios da Polícia Militar, os crimes aconteceram entre 22h e 22h30. O primeiro caso foi no conjunto Vale Dourado, no bairro de Nossa Senhora da Apresentação. O segundo, um duplo homicídio, em Cidade Praia, no bairro de Lagoa Azul. Ninguém foi preso. Veja detalhes em reportagem do G1-RN clicando aqui

enviar comentário
Publicidade

Cadernetas dos anos 1980 e 1990: Bancos vão pagar até R$ 5 mil à vista a poupadores de planos econômicos

Representantes dos poupadores e dos bancos fecharam, na noite desta segunda-feira (11), os últimos detalhes do acordo para o ressarcimento de correções das cadernetas de poupança dos anos 1980 e 1990.

Os poupadores receberão à vista as indenizações de até R$ 5.000.

Quem tiver a receber valores superiores a esta cifra, receberá em até seis parcelas semestrais —a depender da ação (individual, coletiva ou civil pública).

As parcelas semestrais serão corrigidas por uma cesta de índice de preços, que terá como principal referência o IPCA (índice de inflação oficial).

O valor do ressarcimento sofrerá um desconto, que vai variar de acordo com o plano econômico que afetou o poupador.

A partir de R$ 20 mil, os descontos variam de 8% a 19%, segundo apurou a Folha.

A ideia é que os pagamentos possam ser feitos o quanto antes, mas a avaliação inicial é que não dará tempo para sair ainda neste ano. Isso porque o acordo ainda depende de homologação pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

O acordo valerá para os poupadores que tinham caderneta durante a vigência dos planos Bresser (1987), Verão (1989) e Collor 2. O plano Collor 1 (1991) ficou de fora do acordo final. A avaliação é que uma decisão anterior do STJ (Superior Tribunal de Justiça) havia derrubado o direito à indenização aos poupadores deste plano.

Os detalhes do acordo deverão ser divulgados pela AGU (Advocacia Geral da União) na noite desta terça-feira (12).

Todos que tiverem ações na Justiça, individuais, coletivas e ações civis públicas, poderão aderir ao acordo em um prazo máximo de dois anos.

O valor total de ressarcimento é de cerca de R$ 10 bilhões e R$ 12 bilhões.

Folha de São Paulo

enviar comentário
Publicidade

Secretário sugere venda da Potigás e concessão do Centro de Convenções para desafogar caixa do RN

O secretário Extraordinário para Gestão de Projetos e Metas de Governo, Vagner Araújo, defendeu, em entrevista à Tribuna do Norte, a venda de ativos do Estado como saída, a médio prazo, para a crise financeira enfrentada pelo Rio Grande do Norte.

Ao matutino, Araújo listou quais equipamentos poderiam ser incluídos na lista de ativos: o Centro de Convenções, em modelo de exploração por concessão, e ativos da Potigás.

As informações sobre a estatal de gás incluíram a divulgação de negociação entre o Estado e a Gaspetro, subsidiária da Petrobas. “O Estado tem essa opção porque [a Potigás] é uma empresa que hoje não está com função social”, defendeu Vagner Araújo.

A curto prazo, Vagner, que também é titular do Trabalho, Habitação e Assistência Social (Sethas), explicou que a única saída são os aportes de recursos por duas vias: liberação do governo federal e contratação de empréstimos.

Segundo explicou, há a sinalização imediata por parte do governo Temer da liberação de R$ 500 milhões. Além disso, há duas operações de crédito autorizadas pela Assembleia Legislativa, de R$ 698 milhões junto à Caixa Econômica, e de R$ 850 milhões junto ao Banco do Brasil. Os empréstimos dependem apenas de aval do Tesouro Nacional.

Comentários (8) enviar comentário
  1. Dilermando disse:

    Esse aí mostra total desconhecimento dos ativos do Estado. Caso se desfaça da Potigás, o governador pode dar adeus as poucas indústrias que ainda se mantém no Estado graças ao subsídio do gás incentivado (RN Gás Mais, antigo Progás), além do que o capital do Estado é pequeno devido sua fatia de participação enquanto acionista. O Centro de Convenções também é muito mal aproveitado e poderia gerar um retorno bom se bem administrado. A pergunta é: A QUEM interessa a venda desses ativos???

  2. Paulo disse:

    Desta vez foi prometido para quem a venda ? é igual ao caso da JBS da promessa de compra e venda da Caern ? o Governo do RN querendo reduz muita coisa mais estamos a poucos meses da eleição vai reduzir não ne?

  3. Paulo disse:

    Deveria começar logo reduzindo pela metade os cargos de comissão , os serviços prestados, os convenios que não resolvem nada, e reduzir a verba com publicidade , os celulares,

  4. paulo martins disse:

    O portfólio de nulidades governamentais é bem mais extenso: Parque Aristófanes Fernandes (Festa do Boi), Aeroclube Natal, Estádio Juvenal Lamartine, Hotel Barreira Roxa, Parque das Dunas, Ceasa, Uern, a participação no Arena das Dunas…
    Se é por falta de dinheiro, governador, eu te dou trabalho na feira: se você não quiser tem quem queira.
    Se te dou esse conselho é pra tu sair dessa pasmaceira: se você não quiser tem quem queira.

    • Dono da OAS disse:

      Pode retirar estes bens amigo. Já estão todos em garantia ao consórcio elefante branco Arena da Dunas,inclusive os royaltes do petróleo.

  5. José de Arimateia disse:

    O secretário mostra total desconhecimento do que é a Potigás. A empresa exerce sim importante papel social na atração e manutenção de indútrias que geram emprego e renda no Estado, além de fomentar o uso de um combustível de baixa emissão em substituição a combustíveis poluentes como a lenha e óleo combustível. Além disso, o valor da participação societária na companhia, que hoje é de 17%, não chega a valor R$ 20 MIlhões. O que é que o Estado consegue pagar com esse valor? A empresa é superavitária, deu lucro todos os anos e pagou dividendos ao Estado no valor de R$ 6 Milhões no ano passado e investe todos os anos R$ 10 Milhões na expansão de sua rede para atender a novos clientes.

  6. Felipe disse:

    #PrivatizaTudo

    • Pato Amarelo disse:

      Kkkkkk, inclusive segurança, saúde e educação. Em um Estado onde todos são ricos e podem pagar, não há problemas………………….
      Essa forma de pensamento é tudo que os políticos profissionais mais gostam de ver.

Publicidade

Mídias sociais favoreceram a imbecilidade, diz filósofo

O filósofo Mário Sérgio Cortella

O filósofo Mario Sergio Cortella comenta, em entrevista à DW Brasil, a cultura do ódio que se disseminou pelo país. Para o escritor, na internet todos têm uma opinião, mas poucos têm fundamentos para ancorá-la.

A instantaneidade e conectividade das mídias sociais fomentam um ambiente hostil em que todos têm “alguma opinião sobre algo, mas poucos têm fundamentos refletidos e ponderados para iluminar as opiniões”, diz o filósofo e professor universitário Mario Sergio Cortella, em entrevista à DW Brasil.

Cortella é uma figura influente na sociedade brasileira como palestrante, debatedor e comentarista de rádio. Com mais de um milhão de livros vendidos entre seus 33 títulos lançados, Cortella traduz à linguagem coloquial e adapta à realidade atual do Brasil complexos temas filosóficos, existenciais e políticos como “se você não existisse, que falta faria?” ou “o caos político brasileiro”. Nesta entrevista, ele analisa como a cultura do ódio é alimentada por “analfabetos políticos”.

FOLHA SP

 

Comentário (1) enviar comentário
  1. J. Silva disse:

    Nem precisa ser filósofo para atentar a isso. As redes sociais são esgotos à céu aberto, onde as pessoas vomitam todas as suas essências.

Publicidade

MOURÃO: General pode ser preso se voltar a defender intervenção militar

A paciência se esgotou com o general Hamilton Mourão, que há meses vem pregando “intervenção militar”, na verdade um golpe, e criticando o governo ao qual tem a obrigação profissional de prestar continência. Se fizer de novo, pode até ser preso, segundo especialistas no tema. Até quem o apoia lamenta a insubordinação, desafiando o paciente general Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército. Leigos não entendem como militar da ativa pode defender golpe sem receber voz de prisão.

Na caserna, dá-se como certa a candidatura de Mourão a deputado, em 2018. Ele deve vestir o pijama em março, aos 64 anos.

No fim de semana, Villas Bôas decidiu punir Mourão deixando-o sem ter o que fazer, como noticiou em primeira mão o site Diário do Poder.

O general Villas Bôas rejeita a tese de “intervenção militar” porque tem compromisso com as instituições democráticas e a estabilidade política.

A suposta prisão de Mourão, ontem, criou clima de tensão em Brasília. Era boato. “Seria nitroglicerina”, resume um militar de alto escalão.

CLÁUDIO HUMBERTO

Comentários (5) enviar comentário
  1. Júnior cortês disse:

    Quer dizer que a hierarquia militar , tem que se opor a ditadura disfarçada de democracia. O BRASIL pede socorro há anos , se os militares não pode salvar o país . Entregue de uma vez por todas aos comunistas disfarçados de democráticos.

  2. Darwin disse:

    A formiga sabe a folha que rói

  3. Bruno Moura disse:

    Que país é esse!!!! Uma corja de ladrão no poder e ainda com direito a punir o Exercito Brasileiro, isso é incrível!! Vamos pra frente!!

  4. Marcílio disse:

    Mexe com Mourão, e verás um exército de verdade pronto para defendê -lo.

Publicidade

Lula e Bolsonaro podem ser condenados, diz Gilmar Mendes

POR ESTADÃO CONTEÚDO

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, disse nesta segunda-feira, 11, que atos antecipados de campanha de Luiz Inácio Lula da Silva e Jair Bolsonaro poderão levar à condenação por abuso de poder econômico e à cassação de uma eventual diplomação caso sejam financiados de maneira irregular.

Na semana passada, Gilmar foi voto vencido em decisões que rejeitaram processos contra os dois pré-candidatos sob a acusação de antecipação da campanha eleitoral. Segundo ele, o tribunal voltará a discutir o assunto em fevereiro e poderá adotar uma posição mais “enfática”.

Em sua avaliação, a pergunta que deve ser respondida é não apenas se há campanha antecipada, mas quem a está financiando. “Há estruturas aí que já passam – jatinhos, deslocamentos de caravanas, ônibus, reunião organizada de pessoas e tudo mais. Tudo isso precisa ser avaliado. Acho que esse vai ser o tema do tribunal já em fevereiro”, afirmou o ministro em Washington, onde participou de assinatura de convênio que prevê o envio de observadores da Organização dos Estados Americanos (OEA) para acompanhar as eleições presidenciais do próximo ano. “Alguém está financiando isso.”

Gilmar disse que os ministros terão de traçar uma “linha”, além da qual atividades de candidatos antes do início oficial da campanha serão consideradas irregulares. Para ele, esse limite já foi ultrapassado por Lula e Bolsonaro. “Quem está financiando? Isso pode levar ao reconhecimento de abuso de poder econômico, que pode levar à própria cassação do diploma. É preciso ter muito cuidado com isso”, afirmou.

“Mas isso está sendo registrado, embora nós tenhamos evitado – eu fui voto vencido – a aplicação de uma sanção”. Gilmar reconheceu que há uma “lacuna” na legislação, que dificulta a fiscalização de atos na fase de pré-campanha. O ministro voltou a manifestar preocupação sobre a potencial influência econômica do crime organizado nas eleições gerais de 2018, nas quais serão escolhidos o presidente, governadores, senadores e deputados federais e estaduais.

Cruzamento de dados revelaram que quase metade dos 730 mil doadores na disputa municipal do ano passado não tinha capacidade econômica para realizar as contribuições, ressaltou. A suspeita é que cerca de 300 mil pessoas tenham sido utilizadas como laranjas para canalizar recursos para candidatos.

O modelo teria se disseminado depois da mudança na legislação eleitoral que proibiu doações de pessoas jurídicas. “Nós temos preocupação hoje, inclusive por conta desse novo modelo, com o crime organizado, com a participação nas próprias eleições, porque essa gente já dispõe de recursos”, disse o ministro. “Eu acompanhei as eleições do Rio de Janeiro, onde vocês sabem nós temos uma situação muito peculiar, com milícia, tráfico e tudo mais.”

Comentários (5) enviar comentário
  1. J. Silva disse:

    Esse daí quer ganhar por W.O. Sabe que os candidatos de seu grupo político não têm chance alguma na eleição. Se for só eles é capaz que o número de brancos e nulos superem os candidatos do PSDB/PMDB. É uma lástima esses ocupantes da Suprema Corte. Pobre de um país que tem um STF como o nosso. São 11 ilhas de vaidade e iniquidade. Pena.

  2. Patricia disse:

    E Aécio não por corrupção ?

  3. Bruno Moura disse:

    Gilmar Mendes , o Sr é uma piada!! Kkkkkk

  4. Pato Amarelo disse:

    Se depender de Gilmar Mendes, os únicos candidatos em 2018 serão os seus "patrões".

  5. João Lourenço Souza disse:

    Em Passa e Fica RN o atual prefeito fez várias carreatas ilegais,doou 500 cestas básicas,doou vários terrenos da prefeitura,usou a estrutura da prefeitura e ainda não deu em nada.Força do dinheiro.

Publicidade

VÍDEO ASSUSTADOR: Assistam o 1º episódio da séria mostrando as “adoções ilegais” em Portugal pela Igreja Universal

Com informações do El País

Os netos do líder da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), Edir Macedo, um das maiores denominações evangélicas do Brasil presente em quase 200 países, foram ilegalmente adotados em Portugal nos anos 90 como parte de um esquema mantido pela IURD para levar crianças ao Brasil à revelia de suas mães. A informação é parte de uma reportagem da emissora portuguesa TVI, que ouviu a suposta mãe das crianças e a babá que cuidou deles. Segundo jornais e agências do país, o Ministério Público português abriu inquérito para investigar o caso. A Universal afirma que as adoções foram legais e diz que tomará as medidas legais cabíveis.

“Eu nunca vi esse meu filho dar um passo”, diz, aos prantos, uma mulher apresentada na reportagem como a mãe de Vera, Luis e Fábio. Segundo a série, que terá dez episódios, as crianças, que então tinham 3 anos, 2 anos e 9 meses, foram foram levadas em 1995 a um abrigo mantido pela Universal em Lisboa após a mãe ter sido denunciada por deixá-los sozinhos em casa enquanto trabalhava. Os três foram levados aos Estados Unidos e, depois, adotados por Viviane Freitas, uma das filhas de Macedo. Outros bispos e pastores teriam também obtido crianças no mesmo lar, que foi regularizado em 2004 e só encerrou as atividades em 2011. A reportagem afirma que a onda de adoções na igreja ocorreu como parte de uma política de Macedo: primeiro ele recomendou vasectomia a pastores e bispos e, depois, passou a orientar adoção.

Abaixo segue o primeiro episódio da série:

enviar comentário
Publicidade

Escolas separam melhores alunos e ‘criam resultados’ no Enem

POR FOLHAPRESS

Motivo de críticas em divulgações anteriores dos dados do Enem por escola, unidades com poucos alunos no 3º ano, e cujas aulas ocorrem dentro de unidades maiores, registram as maiores médias também no exame de 2016.

Os resultados segregados deste ano foram levantados pela Folha partir da tabulação dos dados brutos fornecidos pelo MEC (Ministério da Educação).

Em um ranking sem levar em conta o porte da escola, seis das dez maiores médias são de escolas com menos de 50 participantes na prova. As duas maiores médias, do Colégio de Aplicação Farias Brito (CE) e do Objetivo Integrado (SP), tiveram 34 e 44 alunos na prova, respectivamente.

O Farias Brito, tradicional grupo educacional do Nordeste, trata o Colégio de Aplicação como uma escola independente. Mas na prática, são turmas formadas com os melhores alunos de outras unidades, selecionados desde o 6º ano.

Os funcionários têm dificuldade de indicar onde ficaria a escola de aplicação e no site não há informações. Mas um anúncio sobre o resultado está lá: “1º do Brasil no Enem. É o MEC que diz”.

Ao todo, nessa unidade, são 223 alunos, com duas turmas nos 1º e 2 º anos do ensino médio, e uma no 3º. Ou seja: estudantes com nota ruim passam a não fazer parte no 3º ano.”Esses jovens são beneficiados porque estão dentro do centro universitário, utilizam os laboratórios, alguns professores são os mesmos. Somos procurados por jovens de todo o Brasil”, disse Tales de Sá Cavalcante, 67, diretor-geral da organização.

As notas dos 44 alunos registrados na unidade de aplicação garantiram uma média de 743,42 na parte objetiva, a mais alta do país. Já as outras quatro unidades do Farias Brito, também em Fortaleza, têm notas inferiores.

A maior unidade do grupo, o Colégio Central Farias Brito, com 388 alunos no Enem 2016, teve média 603,22. O que deixa a unidade na 452ª posição no ranking que leva em conta apenas escolas com mais de 61 alunos.

Pioneiro nessa estratégia, o Objetivo criou a unidade Integrado em 2010. O endereço é o mesmo da escola tradicional, na avenida Paulista.

Com as notas dos 44 alunos que fizeram a prova em 2016, a média foi de 743,21. Sem nenhuma filtro, é a segunda maior do país. A escola segue o mesmo rito: turmas com bons alunos são formadas no 1º ano, mas só uma classe chega ao 3º ano.

Segundo o diretor, José Augusto Nasser, isso foi uma demanda de alunos com foco nos em vestibulares difíceis.

“Quando faz um colégio com uma completa diferenciação, com aulas à tarde, é algo totalmente diferente. A ideia não foi para ser primeiro lugar do Enem”, afirma Nasser. “O número de alunos diminui porque nem todos aguentam o ritmo”.

O diretor questiona o resultado dos dados oficiais. Três participantes estão cadastrados no Enem 2016 com sendo da escola, mas não constam como matriculados no 3º ano. “Com a média só dos nossos 41 concluintes, ficamos em primeiro”.

Com 331 alunos na prova, o Objetivo Unidade Paulista teve média de 620,89. O que a coloca na 199ª entre as escolas com mais de 61 alunos.

Levando em conta esse critério de porte de escola, o melhor desempenho foi alcançada pelo Colégio Bernoulli (MG). Os 312 alunos tiveram média de 730,6 nas objetivas e 843,6 na redação.

“Qualquer escola é muito mais complexa e abrangente do que o resultado do Enem, mas ele tem valor porque consegue dizer como a turma está em termos dos conhecimentos que são cobrados”, diz o diretor, Rommel Domingos.

enviar comentário
Publicidade

ESCÂNDALO: Igreja Universal manteve rede de adoções ilegais em Portugal, diz TV

Reprodução de reportagem da TVI com neta de Macedo.
Reprodução de reportagem da TVI com neta de Macedo.

POR EL PAÍS

Os netos do líder da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), Edir Macedo, um das maiores denominações evangélicas do Brasil presente em quase 200 países, foram ilegalmente adotados em Portugal nos anos 90 como parte de um esquema mantido pela IURD para levar crianças ao Brasil à revelia de suas mães. A informação é parte de uma reportagem da emissora portuguesa TVI, que ouviu a suposta mãe das crianças e a babá que cuidou deles. Segundo jornais e agências do país, o Ministério Público português abriu inquérito para investigar o caso. A Universal afirma que as adoções foram legais e diz que tomará as medidas legais cabíveis.

“Eu nunca vi esse meu filho dar um passo”, diz, aos prantos, uma mulher apresentada na reportagem como a mãe de Vera, Luis e Fábio. Segundo a série, que terá dez episódios, as crianças, que então tinham 3 anos, 2 anos e 9 meses, foram foram levadas em 1995 a um abrigo mantido pela Universal em Lisboa após a mãe ter sido denunciada por deixá-los sozinhos em casa enquanto trabalhava. Os três foram levados aos Estados Unidos e, depois, adotados por Viviane Freitas, uma das filhas de Macedo. Outros bispos e pastores teriam também obtido crianças no mesmo lar, que foi regularizado em 2004 e só encerrou as atividades em 2011. A reportagem afirma que a onda de adoções na igreja ocorreu como parte de uma política de Macedo: primeiro ele recomendou vasectomia a pastores e bispos e, depois, passou a orientar adoção

A mulher ouvida na reportagem diz que jamais deu os filhos para adoção e que esperava reavê-los assim que sua situação financeira melhorasse. Já a IURD diz que o processo de adoção foi legal. Vera e Luís, os netos adotivos de Macedo, gravaram vídeo criticando a reportagem e prometendo processar a emissora. “Contam-se pelos dedos de uma mão as crianças que foram adotadas por essa via – com decisão judicial, sublinhe-se – por casais ligados à Universal”, diz a nota da igreja. A Universal afirma ainda que a reportagem é uma tentativa de difamar a instituição porque traz o depoimento de Alfredo Paulo Filho, um ex-integrante da Igreja Universal que saiu do grupo em 2013 e que mantêm batalha legal com Macedo.

A emissora portuguesa diz que as jornalistas Alexandra Borges e Judite França trabalharam no material durante sete meses até encontrar documentos e as mães das crianças “roubadas”. A série traz também um crítico histórico da chegada da IURD à Portugal e um apanhado dos problemas com a Justiça da igreja, a terceira com mais fiéis do Brasil, fque controla a segunda maior rede de TV do país, a Record.

Comentário (1) enviar comentário
  1. Picos disse:

    Só besteira, diante do mar de lama dos nossos parlamentares., e isso é problema da justiça Portuguesa, portanto vamos ficar de olho grande na safadeza aqui no BRASIL varonil!!!

Publicidade

PT já espera queda de 43% das candidaturas em SP

O Estado de S.Paulo

Um levantamento interno realizado pelo PT de São Paulo aponta para uma queda expressiva das candidaturas a deputado estadual e federal no Estado em 2018. O número de filiados dispostos a disputar as eleições pelo partido é, hoje, de no máximo 99 nomes. Em 2014, foram 174 candidatos a cargos legislativos, o que representa uma queda momentânea de 43%.

O extrato foi levantado pelo ex-deputado federal Jilmar Tatto, que nos últimos quatro anos foi secretário municipal de Transportes na gestão petista de Fernando Haddad. O números já foram apresentados à Direção Estadual da legenda e ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Os números obtidos pelo Estado mostram que, apesar de Lula liderar as pesquisas de intenção de voto à Presidência em 2018 e ver sua taxa de rejeição cair, a Operação Lava Jato e o impeachment de Dilma Rousseff ainda refletem negativamente no PT paulista, o maior colégio eleitoral do País.

Comentário (1) enviar comentário
  1. CURITIBA JÁ disse:

    so isso???

Publicidade

Candidato apoiado por Temer teria 40% do tempo de TV na campanha

TEMPO ELEITORAL Partidos da base de Temer terão maior fatia

POR FOLHAOPRESS

Caso se concretize a união de partidos governistas em torno de um candidato comum à Presidência, o nome apoiado por Michel Temer terá um importante trunfo em 2018, a maior fatia da propaganda eleitoral na TV e rádio.
A dez meses das eleições, Temer tem o governo reprovado por 71% da população, segundo o Datafolha, mas tenta construir uma candidatura que defenda a sua gestão.

O mais cotado para a missão, por ora, é seu ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), embora ele tenha conseguido apenas 2% das intenções de voto na pesquisa, em seu melhor cenário.

Temer tem hoje como principal sustentáculo ao seu governo os partidos do chamado “centrão”, siglas médias lideradas por PP, PSD, PR, PTB e PRB.

Na hipótese de elas não migrarem para nenhuma coligação concorrente, o candidato oficial do governo ficará com 39% do tempo total de propaganda na TV e rádio -quase 5 minutos em cada bloco de 12 minutos e 30 segundos.

O PT de Lula o PSDB de Geraldo Alckmin que abandonou recentemente a base de apoio ao Palácio do Planalto- terão, respectivamente, 13% (1min35s) e 10% (1min18s) se não conseguirem promover alianças. O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) ficaria com 4% (33s).

Por entrarem na disputa abrigados em legendas nanicas, Jair Bolsonaro (deve ser lançar pelo Patriota) e Marina Silva (Rede) terão tempo ínfimo se não convencerem outras legendas a ingressas em suas chapas -10 e 12 segundos, respectivamente.

Apesar de pontuarem bem nas pesquisas, os dois por enquanto têm baixas perspectivas de fechar alianças relevantes na disputa de 2018.

Embora o PSDB esteja em processo de desembarque, Alckmin tenta manter pontes de olho em possível apoio do PMDB e de outras siglas governistas à sua candidatura. Se tiver sucesso, pode dominar quase a metade do tempo de propaganda na TV.

O cenário de sonhos do PT seria liderar novamente uma frente de partidos de esquerda, o que renderia ao seu candidato cerca de 25% do tempo. No momento, porém, até o aliado histórico PC do B já lançou oficialmente um pré-candidato, a deputada estadual Manuela D’Ávila (RS).

REGRAS

O tempo da propaganda é dividido, em sua maior parte, de acordo com o tamanho dos partidos da aliança.

O “palanque” na TV para os candidatos a presidente é formado por dois blocos de 12min30s cada um, à tarde e à noite, nas terças, quintas e sábados. Começa em 31 de agosto e vai até 4 de outubro, três dias antes do primeiro turno das eleições, no dia 7. São, ao todo, 35 dias.

Há ainda as “inserções”, que são peças curtas veiculadas nos intervalos comerciais das TVs.

Por alcançarem até os eleitores que não assistem à propaganda em horário fixo, são consideradas mais importantes. Serão 14 minutos diários, por emissora, também divididas de acordo com o peso partidário de cada coligação -e no mesmo período, de 31 de agosto a 4 de outubro.

A propaganda na TV tem influência decisiva nas campanhas, mesmo com a popularização da internet.

Em 2002, por exemplo, Ciro Gomes (então no PPS) foi abatido pela campanha negativa tucana, que veiculou, entre outros ataques, cena em que ele chamava de “burro”, durante entrevista, um ouvinte de uma emissora de rádio.

Em 2014, Marina Silva chegou a empatar na liderança das pesquisas com Dilma Rousseff (PT), mas acabou derretendo após ser alvo de fortes ataques da propaganda petista, comandada pelo marqueteiro João Santana.
Em uma das peças o PT atacava autonomia do Banco Central defendida por Marina -pratos de comida sumiam da mesa de uma família, enquanto banqueiros sorriam.

Das 7 eleições presidenciais do atual período democrático, em 4 o vitorioso foi aquele que teve o maior tempo de propaganda na TV (FHC em 1994 e 1998, Dilma em 2010 e 2014). Em 2 o vitorioso foi o que teve o segundo maior tempo (Lula em 2002 e 2006). O ponto fora da curva ocorreu na primeira disputa, em 1989 -Ulysses Guimarães (PMDB) teve o maior tempo mas ficou em sétimo.

No artigo “Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral e a Formação da Opinião Pública”, os cientistas políticos Felipe Borba e Alessandra Aldé afirmam, com base em análise de pesquisas do Datafolha entre 1989 e 2014, que o interesse na propaganda televisiva cresce na reta final e “aumenta o nível de conhecimento dos eleitores sobre os candidatos e os temas debatidos na campanha.”

Comentário (1) enviar comentário
  1. JOAO disse:

    lula 2018

Publicidade