Publicidade

Congressistas avaliam que fim do foro privilegiado vai deixar País ingovernável

Foto: Dida Sampaio/Estadão

Congressistas contrários ao fim da prerrogativa de foro avaliam que o País ficará ingovernável com a medida. Como a regra cairá para todos, do presidente da República, a ministros do STF, todos ficarão a mercê de juízes de primeira instância.

Coluna do Estadão – Andreza Matais e Marcelo de Moraes

Comentários (14) enviar comentário
  1. Cabral disse:

    vai sobrar algum político limpo quando retirarem o foro privilegiado???? e olha o quanto eles falaram mal dos militares… e acabaram fazendo muuuuiiiito pior….

  2. Albafares disse:

    Será que eles estão com medo do Moro, aí fala em juízes de 1ª instância

  3. Albafares disse:

    Roubar pode ir para a cadeia não era só o que me faltava.

  4. Jofran disse:

    A verdade é que o problema não está na existência do "Foro Privilegiado". Mas sim na inoperância e lentidão do STF, QUE TEM SIDO INCAPAZ DE FUNCIONAR ALÉM DO TRADICIONAL PROTEGER E ATACAR.
    O STF precisa mudar!

  5. Paulo Cardoso disse:

    O brasil ainda não está ingovernável mas está desgovernado e quem se sente necessitado de foro privilegiado é quem está predisposto a cometer crime

  6. Jv disse:

    Ingovernável está, por conta da inlindade que existe

  7. cabral disse:

    Não existe maior declaração de corrupção do que esta.

  8. Fran disse:

    É a primeira vez que ouço falar que com a prisão ou interdição de políticos corruptos, um país ficaria ingovernável.

  9. INDIGNADO! disse:

    Quem não deve, não teme! Agora já os ladrões corruptos…

  10. Curioso disse:

    Nem todo mundo é corrupto. Com certeza existe político integro também.

  11. Foraptzadacorruptos disse:

    É se não tivesse tantos bandidos e ladrões não precisaria se incomodar com isso.
    Quem sabe tirando toda a quadrilha,assim não consertaria esse país.

  12. paulor disse:

    É por essa proteção que existe tento roubo nesse pais sem lei…vcs não são melhores do que ninguém , isso é bom porque vcs pensaram duas vezes antes de fazer besteira…

Publicidade

Quanto tempo você precisa ficar longe do celular e das redes para uma ‘desintoxicação digital’ efetiva?

Foto 1: SRDJANPAV / BBCBrasil.com. Foto 2: Getty Images / BBCBrasil.com

Na era de “ansiedade digital” em que vivemos, mais e mais pessoas optam por uma medida radical – divulgada por um movimento que começou há cinco anos nos Estados Unidos – para lidar com a dependência da internet e das redes sociais: “desconectar” de tudo.

O princípio é semelhante ao do tratamento de pessoas com adicções a substâncias químicas, a ideia de “limpar” o corpo.

E se você não lembra da última vez que foi dormir sem usar o celular pouco antes de fechar os olhos, e se faz muito tempo que não deixa de conferir as redes sociais ou sai de casa sem o telefone, pode estar precisando de uma “desintoxicação digital”.

“Disconecte para reconectar” é o lema da Digital Detox, uma das organizações que iniciaram o movimento em San Francisco (EUA), em 2012, apenas um ano antes do dicionário Oxford incluir pela primeira vez o termo “desintoxicação digital” em suas páginas.

Seu fundador, Levi Felix, trabalhava 70 horas sem descanso por semana em uma start-up, até ser hospitalizado por exaustão em 2008.

Pouco tempo depois, ele trocou seu computador por uma mochila. Foi com sua namorada viajar pelo mundo e se mudou para uma ilha remota no Sudeste Asiático.

A experiência abriu seus olhos e o inspirou a criar a sua própria empresa – dois anos e meio e 15 países depois – com a ideia de organizar retiros de ioga e meditação para ajudar as pessoas a se desconectar da tecnologia.

Desde então, o número de iniciativas para o mesmo fim não parou de crescer. Veja abaixo algumas delas e o tempo de “desintoxicação” que sugerem:

Um descanso digital: pelo menos 3 dias

“Vivemos em um mundo cada vez mais digitalizado”, conta à BBC Mundo Martin Talk, fundador da Digital Detoxing, uma empresa com sede no Reino Unido que “ajuda pessoas a encontrar um equilíbrio saudável entre as tecnologias digitais e o mundo não digital.”

Martin organiza “retiros digitais” para que seus clientes possam deixar o mundo tecnológico de lado por um tempo e curar seu vício digital ,”geralmente por um período mínimo de três dias.”

“As pessoas precisam de tempo para se adaptar”, diz ele. “A reação inicial é o horror de ter o telefone longe ou efeitos como a ‘vibração fantasma’ no bolso, o que os faz pensar que o dispositivo está tocando, mesmo quando ele não está lá.”

No entanto, e apesar do sofrimento inicial, Martin diz que as pessoas começam a se sentir “muito mais relaxadas” à medida que o processo avança,

“Muitos descrevem a sensação como uma respiração profunda de ar fresco. As pessoas se sentem mais envolvidas com o mundo ao seu redor”, diz o especialista.

Retiro de silêncio: 10 dias

Carla, uma jovem espanhola que mora na Holanda, teve uma experiência semelhante há apenas um mês em Mianmar. Durante 10 dias, desligou completamente seu telefone e as redes sociais e participou de um retiro de silêncio em um monastério budista. Longe da tecnologia, com o único propósito de meditar e se “reconectar” com ela mesma.

“Nos primeiros cinco dias, eu estava querendo fazendo as malas para ir embora. Foi difícil. Mas eu não desisti e decidi viver a experiência até o fim”, disse ela à BBC Mundo.

Geralmente, esse tipo de retiro não pode durar menos tempo. A experiência implica em levantar-se todos os dias às 4h00 e meditar por duas horas, tomar café da manhã, fazer meditação em grupo, comer, e meditar até o fim do dia (e ir para a cama sem jantar).

Mas como é voltar ao “mundo digital”, depois de uma experiência como essa?

“Eu me senti diferente, como se estivesse faltando alguma coisa, como se não estivesse conectada com o mundo”, diz Carla.

“Usar o celular de novo foi o mais estranho. Não tinha certeza se queria ligar de novo. Mas acho que mais pessoas deveriam ter a mesma experiência para aprender a controlar o hábito.”

Carla fala do retiro como uma provação – que ela não se arrepende de ter enfrentado.

Terapia de desconexão: ao menos 6 meses

Marc Masip, psicólogo e diretor do Instituto de Psicologia Desconecta, em Barcelona, disse à BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC, que “é muito difícil largar [o telefone e redes sociais], mas é muito fácil voltar a se envolver”.

Masip diz que a “intoxicação digital” é tratada como qualquer outro vício, embora, neste caso, sem substâncias relacionadas a ele, mas comportamentos.

Ele enfatiza que cada caso é diferente, mas é necessário ao menos seis meses de terapia cognitiva-comportamental para mudar de hábitos e o tratamento ser eficaz.

“Na verdade, não se trata de quanto tempo de terapia é necessário. Trata-se de averiguar por que houve tal vício e que conflitos ele causou”.

Seu programa inclui acampamentos de desintoxicação, com esportes, meditação e sessões psicológicas.

“No início, os pacientes nos dizem que têm ansiedade, mas, em seguida, se sentem mais relaxados. Eles melhoram todos os aspectos de sua vida, do trabalho às relações sociais”, explica Masop.

“A conscientização social é necessária para percebermos que temos um problema e fazer um plano individualizado para cada pessoa. Há um perfil de um viciado e um roteiro, mas cada caso é diferente.”

A parte mais difícil, diz Masop, é perceber que existe uma dependência.

Adotar a ideia: um dia

Frances Booth, especialista em desintoxicação digital e autora de The Distraction Trap: How to Focus in a Digital World ( A Armadilha da Distração: Como se Concentrar em um Mundo Digital , na tradução livre) diz que precisamos nos desconectar do mundo digital por razões de “saúde e produtividade.”

“Muitas pessoas estão estressadas e sobrecarregadas pelo excesso de informação e sofrem pela demanda de estar constantemente conectada. Precisamos alcançar um melhor equilíbrio”, disse a jornalista à BBC Mundo.

Booth aponta que fazer uma desintoxicação digital “pode ajudá-lo a recuperar o equilíbrio e, quando você retornar ao trabalho, você estará mais produtivo.”

Mas por quanto tempo é necessário?

“É incrível a diferença que pode fazer apenas um dia sem estar constantemente conectado”, diz a autora.

“Você começa a ter a noção de ter tempo para outras coisas e pensar sem interrupções constantes.”

E para descobrir se você precisa da desintoxicação, recomenda fazer a pergunta: “Você é capaz de ir até a loja da esquina sem levar seu smartphone?”

Tanya Goodin, fundadora da empresa especializada em desintoxicação digital Time To Log Off (Hora de desconectar), em Londres, diz que “inclusive uma hora ou duas são suficientes para se ‘reiniciar’ e acalmar a mente da constante estimulação digital.”

“Mas para melhores benefícios (especialmente um melhor descanso) recomendamos 24 horas”, diz à BBC Mundo.

Em seus retiros especializados, Goodin garante que os hóspedes ficam longe de “todos os dispositivos digitais” e os armazenam em um lugar reservado, a sete chaves.

Mas não há necessidade de ir a um retiro para fazer uma desconexão digital.

“Se você quiser fazer isso em casa, basta colocar todos os seus equipamentos em uma gaveta ou em um armário fechado. Não tente desconectar do mundo digital com seu celular e laptop por perto”, recomenda Goodin.

E, para ser eficaz, precisa “desligar completamente o seu telefone, tablet, computador ou qualquer outro aparelho digital. Isso significa não se conectar a redes sociais e se isolar completamente (de forma temporária) do mundo digital.”

E para quem ainda tem dúvidas sobre a necessidade ou não de se desconectar ou mesmo “desintoxicar”, Goodin oferece o seguinte conselho: “Se você perceber que você tem falta de sono e que você tem dificuldade para se concentrar ou que seu humor se deteriora sempre que você usa redes sociais, uma desintoxicação digital será, sem dúvida, de grande ajuda.”

Terra via BBC Brasil

 

enviar comentário
Publicidade

Ampern critica uso de atentado no MPRN como dividendo eleitoral no âmbito da sucessão

O portal No Ar destaca nesta segunda-feira(27) a crítica do presidente da Associação do Ministério Público do Rio Grande do Norte, Fernando Vasconcelos, no que se refere a utilização do atentado no Ministério Público do Rio Grande do Norte como dividendo eleitoral no âmbito da sucessão de Rinaldo Reis como chefe do órgão. Para ele, na verdade, a sucessão e a tragédia que se abateu sobre o MPRN na semana passada não têm relação. Ele reconhece que o sindicato dos servidores ganhou protagonismo recentemente ao se opor ferrenhamente à gestão atual, mas, por outro lado, Vasconcelos analisa que o direcionamento do Sindsemp não se aplica à maioria dos servidores do Ministério Público.

“É desonesto tentar tirar proveito político da situação. Nesse momento, precisamos estar unidos”, conclamou Fernando Vasconcelos. Abertamente, nenhum membro do MP ousa relacionar os dois assuntos. Nos bastidores, no entanto, promotores especulam o impacto do atentado e seu simbolismo sobre a gestão de Rinaldo Reis.

“Foi algo reprovável. Não há nada que justifique. Se todas as pessoas que tiverem desagrado partir para isso, voltaremos à Idade da Pedra”, ironizou o presidente da Ampern.

Comentários (4) enviar comentário
  1. Albafares disse:

    Sim eu me lembrei, em 2015 deram um valor menor de reajuste aos servidores e aprovaram o auxílio moradia de cinco mil e tarará para cada promotor e em 2016 não deram nada aos servidores e brindaram os promotores com + ou – 7.000 reais no final do ano.

  2. Albafares disse:

    Poderiam deixar o sindicato dos servidores fora disso, que eu saiba por matérias da imprensa, quem não queria negociar com o sindicato era o próprio Procurador-geral.

  3. soraia disse:

    Muito bem! Deve estar havendo muito descalabro! Como é um órgão muito corporativista, vao botar pra lascar no rapaz! Deus que tenha misericórdia dele, que claramente se ver que está com problemas mentais!

  4. Hoje disse:

    Não há nada aue justifique a violência. Não sou a favor da pena de morte. Mas não dá pra tapar o sol com a peneira e falar que somente uma minoria de "privilegiados" (os antigos assessores) estava sendo massacrada pelo atual gestor.
    Isso é mentira!!!
    Todos servidores (técnicos e analistas) que não tiverem rabo preso (gratificação) poderão falar o que acontece por trás dos muros do mp.

Publicidade

RUPTURA: Cidades no Oeste potiguar entram em colapso devido a problema no sistema adutor; Caern fala em “danos irreparáveis”

As chuvas caídas na região oeste do Estado provocaram danos ao sistema adutor Arnóbio Abreu (Médio Oeste), localizado no oeste potiguar. Os municípios de Campo Grande, Janduís, Messias Targino, Patu, Paraú, Triunfo Potiguar estão sem o fornecimento de água através da Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern).

Nos últimos dias a Caern tem reunido todos os esforços possíveis para a regularização do abastecimento, mas as fortes chuvas criaram correntezas que deslocaram a adutora, trazendo danos irreparáveis para os equipamentos. A região onde é feita a captação da adutora Médio Oeste é de difícil acesso e fica próximo a uma região com muitas serras. A Caern avalia medidas para reparar o sistema, mas ainda não é possível prever o prazo de conserto.

Desde o segundo semestre do ano passado que as cidades abastecidas pela Adutora Médio Oeste estão em rodízio de abastecimento em função da redução do volume de água no Rio Piranhas/Açu. Com a entrada na lista de colapso as cidades estão com o faturamento suspenso.

enviar comentário
Publicidade

Desvios no Idema/RN: Senador e deputados são citados em delações

O portal G1-RN teve acesso a um documento em que constam homologações pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Fux em 3 de março. Ainda em sigilo, elas se referem as delações premiadas celebradas entre o Ministério Público Federal, o Ministério Público potiguar, o ex-diretor administrativo do Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte (Idema) e uma professora universitária.

Segundo a reportagem, um senador da República e dois deputados federais do Rio Grande do Norte foram citados em delações premiadas celebradas. As citações são relativas ao esquema de desvios dentro do Idema que resultou na deflagração da operação Candeeiro, em setembro de 2015.

Ainda segundo a reportagem, Luiz Fux lembra, no documento, que a Operação Candeeiro investigou “esquema de corrupção desvio de recursos públicos e lavagem de dinheiro no âmbito do Idema”. Ainda não se sabe quem são os políticos citados por Gutson Reinaldo e Vilma Rejane nas delações, mas o ministro esclarece que “em face da menção dos colaboradores ao envolvimento de parlamentares federais, especificamente dois deputados federais e um senador, nos fatos delituosos, configura-se a competência do Supremo Tribunal Federal para a homologação dos acordos”.

Veja mais detalhes aqui

Comentários (11) enviar comentário
  1. Helio disse:

    FaFaFatalmente iremos saber…

  2. Marcos Bilro Júnior disse:

    Dizem que JáJá saberemos, mas fico tb preocupado que esse processo demore uns 9.090 anos, daí ficarei GáGá e não saberei nunca quem danado tava misturado e escondido nesse saco preto de danadices do Idema.,…né?

  3. Juca disse:

    Já Já saberemos . . .

  4. Luiz Gomes disse:

    Todos leitores já deduzem quem são só parlamentares Candeeeiros. Certamente, se vc ligado à esquerda já estaria na manchete.

  5. Maria Lúcia Ferreira disse:

    Tem que um político, é o cabeça da quadrilha.

  6. Impertinente disse:

    E por que não revelam os nomes?
    Porque não são do PT?
    Ah, esqueci esse detalhe.

  7. vida de brasileiro é dura. disse:

    Todo dinheiro e tempo investidos nessa operação não prendera qualquer politico do RN. Pode prender sim, qualquer outras pessoas. BRASIL!!!!!!

  8. Val Lima disse:

    Quem serão??!!Rsrsrsrs

  9. escritor disse:

    Deve ser um senador de outro Estado. Não acredito que seja daqui do RN. Acaba vazando. Jajá a gente sabe.

  10. Zé lizin disse:

    Vamos ver no que dar!!!

Publicidade

FOTOS: Lava Jato inspira motel no DF; designer já planejou mais de 350 suítes ‘curiosas’

VEJA GALERIA DE FOTOS

Além de prender políticos e empresários do primeiro escalão e dominar o noticiário dos últimos três anos, a operação Lava Jato também mexeu com o imaginário de casais do Distrito Federal. As investigações inspiraram a decoração de uma suíte de luxo de um motel reformada para simular uma cela.

A responsável pelo projeto é a arquiteta brasiliense Cristina Bertozzi. Com mais de 350 quartos de motel no currículo, a designer recebeu a missão de repaginar as suítes do Motel Altana, em Sobradinho. Após fazer uma pesquisa sobre os fetiches dos brasileiros, ela diz ter descoberto que “motivos policiais” despertam a curiosidade e os prazeres de boa parte da população.

Ao saber desse resultado, o dono do motel pediu que a designer transformasse um dos quartos em prisão. Assim, a suíte número 8 ganhou grades de ferro, paredes de cimento queimado e recortes de jornais e revistas sobre os desdobramentos da Lava Jato.

Ao estacionar o carro na garagem, o cliente percebe que a suíte não é a melhor opção para quem busca o romantismo tradicional. Em uma das paredes, um grafite estampa presidiários dentro de uma cela. Na outra, executivos se abraçam e trocam “propina” em solo parisiense.

Subindo as escadas, três painéis com fotos dos principais investigados pela operação da Polícia Federal e com reportagens sobre o assunto acompanham aqueles que optam pelo tema. Os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, o juiz federal Sérgio Moro e outros personagens da operação – Nestor Cerveró, Eduardo Cunha e Delcídio do Amaral, por exemplo – são algumas das figuras que podem encarar os amantes no trajeto até a suíte.

A capital francesa volta a aparecer no interior do quarto de quase 20 metros quadrados. A foto, no entanto, foi posicionada atrás das grades. A designer explica a escolha: “Quis simular o presidiário rico que está confinado, mas sonha estar em Paris”.

Para realizar a fantasia, é preciso desembolsar entre R$ 129 e R$ 156 – o preço varia de acordo com o dia da semana e o tempo de permanência. Além da decoração e dos itens triviais, a suíte tem banheira de hidromassagem e vista panorâmica da capital federal.

Outros temas

No motel de Sobradinho, Cristina desenvolveu outros espaços temáticos. Para aqueles que desejam reproduzir cenas do filme e do livro “Cinquenta tons de cinza” – sucessos do gênero “soft-porn” –, há uma suíte sadomasoquista. No quarto náutico, uma cama que simula um barco compõe a decoração. Em outra suíte, paredes pretas e brancas dão um ar de estúdio fotográfico.

A designer também criou aposentos em outros motéis da cidade. Suítes decoradas com temas aquáticos, quartos que simulam cabines de avião e enfermarias – todos com a assinatura de Cristina – estão espalhados pelo DF. “Tudo para apimentar a relação dos candangos”, resume.

O trabalho da profissional chamou a atenção e, até o fim deste ano, ela deve finalizar o projeto de um motel no Rio de Janeiro. Ao G1, ela disse que não pretende limitar o currículo às suítes conhecidas pelo espelho no teto. Cristina também faz decoração de casas, mercados e outros ambientes. “Vou do motel à igreja”, brinca.

G1

 

enviar comentário
Publicidade

Paredões de som são apreendidos e festas interditadas em Natal em operação da Guarda Municipal, Sermub e Cipam

Nove paredões de som automotivo foram apreendidos e três festas realizadas em estabelecimentos não licenciados foram interditadas em operação conjunta que aconteceu nas noites da sexta-feira (24) e do sábado (25), pela Guarda Municipal do Natal (GMN), Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb) e a Companhia Independente de Proteção Ambiental da Polícia Militar (Cipam). A operação teve como foco o combate a utilização irregular de paredões de som em via pública, como também o abuso dos níveis de som fora do que é permitido pela legislação.

Somente via Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp), que responde pelo número 190, foram atendidos 22 chamados de pertubação do sossego pelos agentes da operação conjunta. A guarnição do Grupamento de Ação Ambiental da GMN informou, que além do desrespeito por parte de proprietários de veículos com paredões de som e organizadores de festas não licenciadas, os guardas municipais registraram ocorrências de som em alto volume em quatro residências. Nesses casos, os responsáveis foram orientados a regular o som e foram notificados pelos fiscais da Semurb.

A operação mobilizou cerca de 16 agentes entre guardas municipais, fiscais ambientais e policiais militares. Foram utilizadas sete viaturas de patrulhamento, sendo três na noite da sexta-feira e quatro na do sábado. Durante a operação as equipes patrulharam bairros situados nas quatro zonas administrativas da capital. Em nenhum momento foi registrada alteração que resultasse em prisão dos envolvidos.

O Artigo 3º da Lei nº 6246, sancionada em 20 de maio de 2011, versa sobre a proibição do funcionamento dos paredões de som nas vias, praças, praias e demais logradouros públicos do município de Natal, define “paredão de som” como “todo e qualquer equipamento de som automotivo rebocado, instalado ou acoplado nos porta-malas ou sobre a carroceria dos veículos”.

O descumprimento da lei municipal 6.246/2011 (paredões de som) é passível de multa que pode variar de 300 a 3.000 unidades fiscal de referência (Ufir). Outro agravante é que o proprietário de veículo flagrado perturbando o sossego público pode ser multado sem a necessidade de medição dos decibéis, com base em resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran). Nessa situação, basta que o agente registre no auto de infração a forma de constatação da transgressão. A infração é considerada grave, registra cinco pontos na CNH e tem penalidade pecuniária de R$ 195,23.

enviar comentário
Publicidade

Confiança do Consumidor sobe e atinge maior nível desde dezembro de 2014

Índice de Confiança do Consumidor subiu 3,5 pontos em março e atingiu 85,3 pontos, em uma escala de zero a 200Marcelo Camargo/Agência Brasil

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), subiu 3,5 pontos em março. O indicador atingiu 85,3 pontos, em uma escala de zero a 200, o maior nível desde dezembro de 2014 (86,4).

A alta foi influenciada pelos aumentos da confiança no presente e do otimismo em relação ao futuro. O Índice de Expectativas, que avalia as opiniões dos consumidores em relação aos próximos meses, avançou 5,1 pontos e alcançou 95,7 pontos, o maior patamar desde fevereiro de 2014 (100,7).

Já o Índice da Situação Atual, que mede a confiança dos consumidores, subiu 1,2 e atingiu 71,5 pontos, o maior nível desde agosto de 2015 (71,8).

Agência Brasil

Comentários (2) enviar comentário
  1. carlos augusto disse:

    Matéria Chapa Branca

  2. Reginaldo disse:

    Isso é uma piada, va as ruas e verás que essas manchetes não condiz a verdade, querem iludir a população com essa propraganda governamental

Publicidade

Fim de semana registra 18 homicídios no RN e mortes violentas chegam a 565

O Rio Grande do Norte contabilizou mais um fim de semana violento. Até o fim da noite desse domingo (26), foram computados 565 crimes violentos no Estado, de acordo com nova atualização de CVLIs, no período compreendido entre 1 de janeiro a 26 de março de 2017 comparado ao mesmo período dos anos de 2015 e 2016. Os dados do Observatório da Violência Homicida no RN(OBVIO) apontam para um aumento de 26,97% em relação ao ano passado.

Segundo relatório, Natal e municípios da Região Metropolitana registraram a maioria das mortes violentas nesse final de semana. A capital Natal lidera com 6, seguido de Macaíba, Mossoró e Parnamirim com 2 ocorrências cada.  Outros municípios registraram 1 crime violento cada. Foram eles: Baraúna,  Alto do Rodrigues, Ceará-Mirim, Nova Cruz, São Gonçalo do Amarante e São José do Campestre.

Ainda segundo o OBVIO, 16 crimes violentos foram praticados em vias públicas, o que corresponde a 89% dos casos. Demais em bares festas, e outros locais.

 

Comentários (4) enviar comentário
  1. João Maria felizardo Fernandes disse:

    Senhor madair mais paz ao coração destes homens senhor.

  2. Ja disse:

    Parabéns governador da segurança

  3. escritor disse:

    O Governador da segurança ta precisando ir a Colombia novamente, para ver como se faz.

  4. BarbyBarby disse:

    Vai ser daí a pior…. Já não tinha policiais e agora com as diárias não pagas não haverá segurança alguma pq ninguém vai se sacrificar por esse GOVERNO.

Publicidade

Avalanche mata pelo menos oito adolescentes no Japão

Pelo menos oito adolescentes morreram e 30 pessoas ficaram feridas depois que uma avalanche surpreendeu um grupo de estudantes em uma pista de esqui no centro do Japão. A informação é da Agência EFE.

Cerca de 60 adolescentes e professores de sete colégios estavam na pista de esqui do complexo Nasuonsen Family Ski Resort, da cidade de Nasu – a cerca de 200 quilômetros ao norte de Tóquio – no momento da avalanche, segundo informações das autoridades da região divulgadas pela emissora pública NHK.

O departamento regional de bombeiros recebeu uma ligação de emergência por volta das 9h20 (horário local, 21h20 de domingo em Brasília).

Oito menores foram achados mortos, enquanto 30 pessoas ficaram feridas, duas delas em estado grave, segundo a agência de notícias Kyodo.

A polícia e as equipes de resgate continuam vasculhando a área em busca de outras pessoas sob a neve.

A Agência Meteorológica Japonesa (JMA) tinha ativado, no dia anterior, um alerta para avalanches na região, depois que se acumularam 33 centímetros de neve em apenas oito horas.

O governo japonês já iniciou um esquema especial de atendimento.

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, afirmou, durante sessão parlamentar, que o governo “fará qualquer esforço para responder a este desastre” e que “a prioridade se concentra agora em resgatar as vítimas”.

Os estudantes estavam no complexo fazendo um programa de alpinismo, que começou no sábado (25) e que deveria ter sido concluído hoje ao meio-dia.

Agência Brasil

enviar comentário
Publicidade

‘Por pouco não fiquei tetraplégico’, diz promotor de Justiça Wendell Beetoven baleado no MPRN

É destaque no portal G1-RN na manhã desta segunda-feira(27). “Estou na UTI, ainda muito mal, com um pulmão perfurado e costelas quebradas. O projétil passou raspando na coluna vertebral. Escapei de morrer e por pouco não fiquei tetraplégico”. O relato é do próprio paciente. No caso, o promotor público Wendell Beetoven Ribeiro Agra, que falou com exclusividade ao G1 por meio do WhatsApp. Beetoven foi baleado nas costas durante um atentado ocorrido na última sexta-feira (24) dentro da sede do Ministério Público do Rio Grande do Norte, em Natal. O procurador-geral adjunto de Justiça Jovino Pereira Sobrinho também foi atingido. Ambos pasaram por cirurgias e se recuperam dos tiros que levaram.

Veja aqui reportagem completa com relato do promotor, que permanece em estado de saúde delicado.

Comentários (32) enviar comentário
  1. gregorio disse:

    Promotor não desembagador

  2. Ja disse:

    Promotores agora vcs viraram que não são Deuses

  3. Joao disse:

    Sou servidor do MPRN e até hoje nunca presenciei um promotor faltar com respeito a algum servidor nem a ninguém. Isso tudo que estão falando da gestão atual beira o ridículo. Parem para pensar um pouco e usem o bom senso. Recebemos nessa gestão o que nenhum outro servidor publico estadual recebeu nos últimos anos. Ou vcs conhecem algum servidor que não seja do MPRN que ganha auxílio alimentação (que foi majorado na gestão atual), auxílio saúde, data-base (pergunta lá no TJRN quem recebeu data-base nos últimos 2 anos). Procurem no diário oficial os cursos e ventos fora do estado que foram oferecidos a servidores do MPRN! Nós servidores tínhamos um plano de cargos e salários de mais de 30 anos e foi reduzido nessa gestão para 16 anos. Já tratei com os promotores que sofreram o atentado e, para mim, são pessoas do bem. É um absurdo o que estão dizendo.

  4. Servidor disse:

    O MP adoeceu.
    Servidores doentes, membros indiferentes. Os ex-colegas que encontro do breve período que ali passei ocupando cargo comissionado me dão um panorama de entristecer e de estarrecer. Ainda me comunico com vários deles, pois o MP/RN é daqueles locais pitorescos para quem quer estudar a alma humana e suas mazelas, ainda que só como observador. Mantenho vários ex-colegas nas redes sociais. Há poucos dias acompanhei uma discussão no facebook de um deles a respeito de reclamação do sindicato (a que nunca me filiei, diga-se de passagem) sobre recente determinação do PGJ de fazer obrigar os servidores a entrarem com seus carros unicamente pelo "portão dos fundos" do prédio, ainda que estivessem apenas sendo deixados no trabalho por seus cônjuges. Veja bem, esses servidores sequer estacionariam seus carros, estavam de carona tentando entrar no trabalho pelo portão que fica mais próximo da porta de entrada do prédio, como deve parecer óbvio…Pare aqui, caro membro, caso ainda esteja lendo. Tente se imaginar nessa situação embaraçosa, pra dizer o mínimo. Pense no lugar daquele servidor que trabalha com você todos os dias, tem família pra sustentar, filhos, contas a pagar etc. Imagine você tentando entrar no seu local de trabalho, de carona com seu cônjuge, com seu filho no carro, e sendo "barrado" no portão mais próximo da entrada por ter havido determinação no sentido de que por ali só entra promotor e procurador e que você – servidor, ou seja, um "zé ninguém" – tem de dar a volta em todo o quarteirão e entrar pela "porta de trás" do órgão. Humilhante – e ainda por cima esse constrangimento se deu na frente da sua família. Não, a mim não me pareceu mero "ato falho" da Administração. Deve ter sido algo muito bem pensado por essa gestão. E não é algo isolado. Já vi ali de um tudo. É servidor obrigado a servir cafezinho, a dirigir carro oficial tendo feito concurso pra outra função, servidor ordenado a "arrumar gavetas" quando falta energia, ordenado a retornar do hospital onde acompanha filho doente para que a chefe "não perca prazo de trabalho" a apresentar para postular o "innovare", a dar plantão sem direito à folga, viajar à trabalho sem direito à diária, servidor convidado à provar que se ausentou porque realmente perdeu um pai/mãe apesar de ter apresentado atestado comprovando tal condição, servidor que não tem o ponto abonado (e o dia de salário descontado) por ter ido ao enterro do pai em outro estado, servidor sendo exonerado por telefone, membro mandando servidora "pegar seus troços e sair da sala", por ter conseguido "removê-la" pra outro lugar, servidora exonerada porque pagou viagem nas férias já programadas e não quis cancelá-las, servidor sendo dispensado no meio de uma licença médica por depressão, servidor vivendo sob contínua ameaça de exoneração, como me pareceu ser o caso do rapaz que, num verdadeiro ato de loucura, atirou contra dois promotores na sexta-feira. Sim, precisamos falar sobre Guilherme. Li a carta que escreveu e fiquei abismado, pois se percebe, claramente, que esse cara surtou. Não o conheço, mas de todas as pessoas com quem falei ouvi que se tratava de um servidor pacato, boa gente e gentil até. Estavam todos, portanto, chocados não só com os fatos, mas em saber do autor dos fatos, tido por todos como alguém "incapaz de fazer mal a uma mosca". Por isso entendo que é chegada a hora de falar sobre o tipo de ambiente de trabalho que transforma servidores pacatos em atiradores. Foi uma tragédia, isso é inegável. E não é isso que está em discussão. O dia 24/03/17 marcará a vida de todos ali, negativamente, para sempre. Foi surreal. Deixará sequelas, para membros e servidores. Mas demanda uma profunda reflexão de todos ali, pois está evidente que o MP/RN "adoeceu", por assim dizer. Também é preciso dizer que essa gestão será inesquecível, não só por esse acontecimento trágico, mas também pelas inúmeras brigas institucionais que não raro paravam nos jornais. Era uma escalada de ódio que não parava mais. Era feio demais! E acabava resvalando nos servidores que nada tinham a ver com isso. A gestão de Rinaldo Reis será lembrada como a gestão que levou o MP a adoecer e ir parar na UTI em matéria de relações humanas e institucionais. E, por algum motivo, virou um ambiente hostil para os servidores, que deveriam ser tratados como colaboradores, não humilhados e reduzidos. Senhores membros, tenham a nobreza de fazer essa reflexão, pois ela é fundamental para que se restaure o equilíbrio ali, se é que é possível, num ambiente que produz servidores depressivos e revoltados. Sabemos que há assédio moral em vários órgãos públicos. Mas ali no MP/RN há uma situação que precisa ser urgentemente revertida. Chegou-se aos extremos. E é preciso admitir que em ambiente de trabalho onde se cultiva o ódio e a beligerância, o inesperado um dia acaba por acontecer. Não continuem indiferentes a tudo isso! Pessoalmente, sei que há muitos membros que são gente boa. É nesses que deposito a esperança de que o MP um dia volte a ser o que era antes: um bom ambiente de trabalho também para o servidor e não um ambiente onde reina a hostilidade e a indiferença para com este e para com sua saúde mental e bem-estar. É preciso cultivar a paz e o respeito no trabalho. Mais humanidade! Mais amor, por favor!
    Reflitam sobre isso.

    • Caicoense Fingido disse:

      HOMI, milhões de brasileiros gostariam de ter empregos com esses salários e você faz um choro de 30 linhas por conta de pequenos aborrecimentos do cotidiano? Vá trabalhar, rapaz. Deixe de mimimi. Se acha ruim, faça concurso para ser membro.

    • Cris disse:

      Isso só pode ser alguém que gostaria de ser servidor e não conseguiu . Tudo mentira !!! Estão fazendo uso político de uma situação muito triste .

    • Denilson disse:

      O Caicoense Fingido pensa que tudo é dinheiro.
      Coitado. Mas a vida ensina.

  5. DUBODE disse:

    Promotor é apenas um advogado do Estado,ou não????

    • Julião disse:

      Advogado do Estado chama-se Procurador. O Promotor pode atuar como fiscal, bem como defensor de alguns direitos, a depender da atuação.

  6. Roberto disse:

    Está errado, mais ninguém queira estar na pele desse homem, porquê gente, é um desespero muito grande pra chegar aonde chegou, esse rapaz deve ter sido muito humilhado, desmoralizado, pôr esses promotores, ninguém faz isso só porquê não gosta de alguém não.

    • Cris disse:

      Como ele pode ter sido humilhado por esses Promotores se ele trabalhava direto com o concunhado ??? Como os mesmo poderiam ter humilhado se ele afirma que desde o primeiro dia da gestão já havia traçado o plano ?? Acho que ninguém o conhecia !! Quantos loucos foram assassinos e amigos e familiares afirmaram que eram pessoas tranquilas !!
      Muito ódio e falta de Deus

  7. Getro lucas disse:

    Só existe um deus….portanto vcs promotores pensam que são….ficam exonerando servidores, abrindo processos administrativos, orientando o governo a ñ da aumento, suspendendo concursos….enquanto que um simples processo para vcs opinar passam um ano ou mais para despachar.

  8. fernando disse:

    Os deuses são mortais. O povo é ralé.

  9. Antonio Dantas disse:

    Deus é maior que tudo,todos nós viemos do pó e do pó voltaremos somos todos iguais. Não há pra que tanta arrogância se estamos só de passagem aqui dinheiro não é tudo nessa vida sejam humildes.

  10. Junior disse:

    Verdade observadora, deus castiga aqui aqueles que fazem maldade, eles(os promotores e juizes, alguns) sao arrogantes e podem tudo, so porque ganham um auxilio moradia de r$ 4500. Enquanto meu salario é 1500, e olhe que estudei.

    • mauricio disse:

      estudou muito pouco, volte e estude tudo novamente.

    • Junior disse:

      Deve ter sido, afinal estudei em lugares que preceituam a honestidade.

    • JUNIOR disse:

      Faltou o ensino básico da velha língua de Camões…Deus(Letra Maiúscula).

    • Cris disse:

      Não podemos ficar com raiva pelos que obtiveram êxito por esforço próprio . Deveremos batalhar e nos esforçar para ir atras e alçarmos êxito também .
      Está turma que hoje fazem parte estão por esforço próprio .
      Antes falavam que os médicos queriam ser Deuses , ganhar horrores … Hoje é a classe jurídica … Vamos estudar !!!
      A classe que deve ser combatida é a política . Essa ganga horrores as nossas custas .
      Promotores e juízes não fazem lei , fazem cumprir a lei

    • Acorda Brasil disse:

      Cara Cris, não se trata de "ficar com raiva de quem obteve êxito por esforço próprio"; exigir, como cidadãos, salários mais justos para essas categorias é um dever de nossa sociedade.
      Vivemos em um país subdesenvolvido com 'castas' recebendo R$30 mil mais auxílios que dariam vergonha a quem tivesse o mínimo de caráter (é bem verdade que alguns poucos o tem e por isso abdicaram desses penduricalho).
      Isso não é justo. Como pode então esses homens fazer justiça? Temos um judiciário mais caro que o de muitos países desenvolvidos, mas eficiência parecida com a de países pobres da África. Entende agora?

    • Denilson disse:

      O "x" da questão não é mandar o outro estudar, Promotor.
      Muitos Promotores tbem passam no concurso e depois esquecem tudo e ficam dependendo dos servidores pra tudo.

  11. Crash disse:

    Situação delicada… por um lado, meus préstimos aos srs promotores, por outro, QUE OS OLHOS DA SOCIEDADE CAIAM EM CIMA DESSES ACIMA DA LEI do Ministério Público! O que leva alguém a atirar em outro? A que ponto o desespero chega? Urge investigação séria.

  12. Victor Hugo Lima disse:

    Tentativa de chamar a atenção da população que, por mais incrível e estranho pareça, ficou pouco preocupada com o estado de saúde dos promotores. Que fique o recado: a população não é mais idiota como alguns anos atrás.

  13. Observadora disse:

    Nada explica essa violência contra esses homens…..mas uma coisa é certa: Juízes e promotores tratam servidore, advogados e cidadãos como se fossem lixo. Servidores, para eles, são empregados que devem estar à sua disposição 24 h por dia. Se acham acima do bem e do mau. Humilham os servidores na frente de outras "autoridades"; tratam advogados como se um dia não tivessem feito a mesma faculdade.
    Como disse, nada explica o que esse homem fez e por isso merece a devida punição. Mas tb está na hora dessas "autoridades" reverem suas posições.
    Lembram do caso do "promotor da Mercatto"?

Publicidade

VÍDEO: Tentativa de arrombamento em residência em Cidade Verde durante a madrugada

Registro na madrugada desta segunda-feira(27), no bairro de Cidade Verde, pertencente ao município de Parnamirim, na Grande Natal. Ação criminosa por volta das 3h, na rua Gameleira. Segundo família, marginal chegou a entrar na varanda forçando o portão, e logo após abriu os carros. Como não encontrou nada de valor, não levou nada.

“Nós só acordamos porque alguém passou na rua, viu o portão aberto e interfonou”, disse um morador da residência, de identidade preservada, que confirmou que as câmeras no imóvel registraram a pressa do bandido e seu objetivo naquele momento, de tentar subtrair algum de interesse, não encontrado nos veículos.

enviar comentário
Publicidade