Publicidade

Detran renovou carteira suspensa do motorista que atropelou 18 pessoas em Copacabana

A situação junto ao Detran do motorista Antônio de Almeida Anaquim, que atropelou 18 pessoas e causou a morte de uma bebê de 8 meses, na noite de quinta-feira (18), na Praia de Copacabana, mostra uma série de irregularidades. O motorista conseguiu renovar a carteira de habilitação mesmo após o processo de suspensão já ter sido transitado em julgado em fevereiro de 2015, como divulgou reportagem do jornal O Globo neste sábado (20).

Além disso, o administrador de empresas, de 41 anos, tinha 62 pontos na carteira e 14 multas, algumas por infrações gravíssimas, como dirigir acima da velocidade permitida.
Entenda:

Maio de 2014 – início do processo de suspensão do direito de Antônio Anaquim dirigir por acumular multas e pontuação alta na carteira. O documento revela que o motorista tinha um prazo até julho do mesmo ano para apresentar sua defesa. No entanto, dois meses depois ele não tinha entrado ainda com um recurso.

Novembro de 2014 – o processo do Detran, aplicando a penalidade de suspensão do direito de dirigir, tem data do dia 19. Com a carteira suspensa, o motorista devia entregar o documento e fazer o curso de reciclagem. Em seu depoimento na delegacia, o motorista declarou que não foi notificado pelo Detran e que recebeu apenas as multas em sua casa.

Fevereiro de 2015 – reportagem do jornal O Globo constatou que o processo já tinha transitado em julgado.

Março de 2015 – No dia 9, o Detran informa ter emitido notificação para entrega da carteira suspensa. No dia 16 de março, a notificação foi recebida e assinada por uma pessoa chamada Benedito Alberto.

Dezembro de 2015 – mesmo impedido de dirigir, com a habilitação suspensa, Antônio Anaquim conseguiu renovar a carteira de motorista, quase dez meses depois do processo concluído. Ao longo desse tempo ele continuou sendo multado, o que poderia resultar num outro processo, o de cassação de carteira.

Em nota, o Detran informou que o processo de suspensão da carteira de Antônio só foi encerrado em fevereiro de 2017. O órgão não explicou o motivo da demora de dois anos para perceber que o processo estava em aberto. Nesse período, Antônio Anaquim fez a renovação da carteira de motorista e continuou dirigindo.

 

G1

enviar comentário
Publicidade

Moro condenou Lula por ‘ato de ofício indeterminado’, ou seja, não existente

Por Folha de São Paulo

Batalhar com a defesa de Lula é só uma das tarefas, e talvez não a mais árdua, do trio de magistrados que julgará o recurso de Lula daqui a três dias. A outra tarefa é batalhar com a sentença do juiz Sergio Moro que condenou Lula a nove anos e meio, no caso do apartamento de Guarujá. A rigor, estarão em julgamento o réu Lula e a sentença de Moro, a ser julgada em seus possíveis erros e acertos. E nesse julgamento paralelo os três juízes federais se deparam com malabarismos dedutivos, justificativas gelatinosas e vazios que, para serem aceitos, exigiriam o mesmo do novo julgador.

O próprio julgamento pelo trio é uma atribuição problemática. A ser obedecida à risca a determinação legal, os casos do apartamento (julgado agora) e do sítio teriam tramitado e seriam julgados na região em que se localizam, São Paulo. A alegação artificiosa, por Moro, de que os dois casos relacionavam-se com as ilegalidades na Petrobras, levou o então relator Teori Zavascki a autorizar o deslocamento. Nem por isso a alegação ganhou legitimidade, porque a tal ligação com os fatos na Petrobras nunca se mostrou. O processo e o julgamento ficaram fora do lugar, e o recurso entrou no mesmo desvio, até o tribunal em Porto Alegre.

A diferença é que, ao contrário do pescador, que respondia por estelionato, as ações pelos crimes imputados ao ex-presidente não costumam ser decididas em período tão rápido na corte.

Levantamento feito pela Folha aponta que, em 2017, apenas dois processos públicos por corrupção foram decididos em menos de 150 dias no TRF-4. No caso de lavagem de dinheiro, nenhum de mérito foi julgado –foi apenas decidido em um caso que a competência para decisão é da Justiça Federal do Rio Grande do Sul.

A velocidade da tramitação levantou questionamentos da defesa de Lula e, no último dia 15, o presidente da corte, juiz federal Carlos Eduardo Thompson Flores, rebateu as indagações. Ele juntou uma lista de 1.326 ações julgadas em até 150 dias no tribunal em 2017 –48,9% do total das decisões criminais.

“Verifica-se que a celeridade no processamento dos recursos criminais neste Tribunal Regional Federal constitui a regra e não a exceção”, disse no documento.

Contudo, entre os 1.263 processos públicos (63 estão em segredo de Justiça) relacionados por Flores, apenas os dois por corrupção –menos de 0,2%– tratam dos mesmos crimes da ação contra o petista, que ainda tem réus como o ex-líder da OAS Léo Pinheiro e o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto.

O julgamento está marcado para 24 de janeiro e pode não se encerrar nessa data, porque um dos três juízes da turma julgadora pode, por exemplo, pedir vista para ter mais tempo de analisar o caso.

No geral, uma minoria de crimes de colarinho branco e desvios são julgados no TRF-4 com a rapidez do processo de Lula. Da lista de Flores, apenas 11 tratam de peculato (desvios cometidos por servidores). Ainda assim, a maioria diz respeito a pequenos furtos em órgãos federais –por exemplo, um funcionário dos Correios acusado de se apropriar de dez telescópios.

Há, também, dois processos por fraudes a licitações em cidades do interior.

Outros processos dizem respeito a ações da Polícia Federal de combate a lavagem de dinheiro e corrupção –mas foram julgados pedidos de desbloqueios e restituição de bens, e não as acusações contra os réus.

Não há ações de mérito, por exemplo, sobre questões da Lava Jato. Da operação, só foi analisado um processo de desbloqueio de bens de um ex-gerente da Petrobras.

Também foi julgado pedido de prescrição do crime de um réu do caso Banestado, precursor da Lava Jato.

Quase metade (49,1%) dos processos julgados é relacionado a crimes de contrabando e descaminho (mercadoria que entra no país sem pagar tributos). Na maior parte, sobre motoristas flagrados com produtos irregulares nas estradas –muitas vezes são pacotes de cigarros.

DIFERENCIADO

Apesar da tramitação rápida, o recurso de Lula não é o mais célere da Lava Jato no TRF-4. Em 2015, a apelação do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró foi analisada em 138 dias.

Este ano, o processo mais rápido é o que diminuiu a pena do ex-deputado Eduardo Cunha. Correu em 173 dias.

Lula foi condenado na primeira instância, pelo juiz Sergio Moro, a nove anos e seis meses de prisão em julho e o recurso chegou em 42 dias no TRF-4, recorde na Lava Jato.

A defesa de Lula diz que o recurso “tramitou com velocidade diferenciada”. “Esse fato, associado a declarações anteriores do presidente do TRF-4 sobre o mérito do recurso de Lula, sugerem que o ex-presidente não está tendo direito a um julgamento independente”, diz o advogado Cristiano Zanin Martins.

“O processo do tríplex começou com 16 mil páginas e hoje tem cerca de 250 mil.”

Lula foi acusado de receber um tríplex reformado da OAS como propina. Ele nega. Se condenado em segunda instância, pode ter que cumprir pena e ainda ficar inelegível.

enviar comentário
Publicidade
Publicidade

Bitcoin já tem mais que o dobro de investidores da bolsa no Brasil

O número de investidores de bitcoins no Brasil já ultrapassou o total de pessoas físicas cadastradas na B3 (a bolsa de valores paulista). Este grupo também superou a soma de todos os investidores ativos do Tesouro Direto, uma das aplicações mais populares do país, com recordes recentes de adesão.

Nas três maiores casas de câmbio de bitcoin do país – empresas que fornecem acesso a cerca de 95% de todas as transações com a criptomoeda – havia 1,4 milhão de cadastros em dezembro. Este número representa mais que duas vezes as 619 mil pessoas físicas cadastradas na B3 até o fim do ano passado, e também os 558 mil investidores de títulos públicos em novembro.

Pode haver CPFs duplicados tanto na bolsa quanto no caso dos bitcoins, já que os dados não excluem possíveis investidores cadastrados em mais de um lugar.
Apesar da popularização do bitcoin, o investimento não é recomendado pelo Banco Central do Brasil, que enxerga na criptomoeda riscos de uma bolha financeira.

Com mais clientes negociando bitcoins, o faturamento das empresas explodiu. A receita da Bitcoin to You, por exemplo, cresceu 50 vezes, para R$ 1,5 milhão por mês.

 

G1

enviar comentário
Publicidade

Grupo de advogados recorre ao STF para suspender novamente posse de Cristiane Brasil

Um grupo de advogados trabalhistas entrou com um pedido de liminar na noite deste sábado (20) no Supremo Tribunal Federal (STF) para voltar a suspender a posse da deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) no Ministério do Trabalho. As informações são do jornal O Globo. Os responsáveis pelo pedido fazem parte do Movimento dos Advogados Trabalhistas Independentes (Mati).

Depois de ficar suspensa por duas semanas, desde que a Justiça Federal em Niterói tomou a decisão, a posse da futura ministra foi marcada para segunda-feira (22). A Advocacia-Geral da União (AGU) anunciou neste sábado que reverteu o quadro e conseguiu no Superior Tribunal de Justiça (STJ) uma liminar liberando a posse antes do presidente Michel Temer viajar para a Suíça. A decisão foi tomada pelo vice-presidente do STJ, ministro Humberto Martins, que está no exercício da presidência e argumentou que o cargo é de livre nomeação do presidente da República.

“Ocorre que em nosso ordenamento jurídico inexiste norma que vede a nomeação de qualquer cidadão para exercer o cargo de ministro do Trabalho em razão de ter sofrido condenação trabalhista. O fumus boni iuris acerca da questão é evidente”, afirmou o ministro.
Já os advogados que entraram com o pedido de liminar criticam a falta de tempo hábil para “oferecimento do contraditório”:
“Certo é – e ninguém duvida – que deverá ser concedido aos reclamados, no curso do processo, pleno direito de defesa e contraditório. No entanto, o deferimento da medida liminar para suspender, ao menos temporariamente, a decisão do Superior Tribunal de Justiça é medida que se impõe à vista do balizamento entre os valores, princípios e riscos envolvidos nessa demanda, principalmente porque a cognição exauriente para julgamento da reclamação consumirá tempo demasiado para evitar os danos que poderão advir. Fato é (público e notório, aliás), noticiado pelo oficialmente Governo Federal, que a posse da Ministra está agendada para a próxima segunda-feira, dia 22 de janeiro de 2018. Não há, portanto, tempo hábil para se aguardar dilação probatória ou oferecimento do contraditório”.

 

Zero Hora

enviar comentário
Publicidade

23 senadores investigados na Lava Jato ficam sem foro privilegiado se não se elegerem em 2018

Vinte e três senadores alvos da Operação Lava Jato – ou de desdobramentos da investigação – ficarão sem o chamado foro privilegiado se não se elegerem em 2018.
O número de parlamentares nessas condições é quase metade dos 54 senadores cujos mandatos terminam neste ano.

O foro por prerrogativa de função, o chamado “foro privilegiado”, é o direito que têm, entre outras autoridades, presidente, ministros, senadores e deputados federais de serem julgados somente pelo Supremo.
Sem isso, os senadores passariam a responder judicialmente a instâncias inferiores. Como alguns são alvos da Lava Jato, poderiam ser julgados pelo juiz Sérgio Moro, responsável pela operação em Curitiba.

Nas eleições gerais de outubro, dois terços (54) das 81 cadeiras do Senado serão disputadas pelos candidatos. Os mandatos de senadores são de oito anos – para os demais parlamentares, são quatro.

A cada eleição, uma parcela do Senado é renovada. Em 2014, houve a renovação de um terço das vagas (27). Cada unidade federativa elegeu um senador.
Neste ano, duas das três cadeiras de cada estado e do Distrito Federal terão ocupantes novos ou reeleitos.

 

G1

enviar comentário
Publicidade

Papa alerta para violência contra a mulher na América Latina

Em uma celebração mariana em Trujillo, terceira maior cidade do Peru, o papa Francisco pediu neste sábado (20) para os latino-americanos lutarem contra a “praga” do feminicídio.

O Pontífice falou a uma multidão na Plaza de Armas, em encontro dedicado à Virgen de la Puerta, venerada pela população da região. “Quero os convidar a lutar contra uma praga que atinge nosso continente: os numerosos casos de feminicídio. E são muitas as situações de violência que foram mantidas sob silêncio e além de tantas paredes”, declarou o Papa.

Francisco ainda pediu para os cidadãos cobrarem das autoridades “uma legislação e uma cultura de repúdio a todas as formas de violência”. “Olhando para Maria, não gostaria de concluir sem convidá-los a pensar em todas as mães e avós dessa nação, a verdadeira força motriz da vida e das famílias do Peru”, disse.

Durante a cerimônia, o líder católico ainda proclamou a Virgen de la Puerta como “mãe da misericórdia e da esperança”, recebendo os aplausos dos fiéis. Antes da celebração na Plaza de Armas, Francisco se encontrara com o clero de Trujillo e criticara as divisões e “guerras” na Igreja.

“No mundo fragmentado no qual vivemos, que nos empurra a nos isolar, o desafio para nós é sermos artífices da comunidade, porque ninguém se salva sozinho. E gostaria que ficasse claro: a fragmentação e o isolamento não é algo de fora, como se fosse um problema do mundo. Irmãos, as divisões, as guerras e os isolamentos são vividos até dentro de nossa comunidade, de nossas conferências episcopais”, alertou.

O Papa fica no Peru até este domingo (21), quando retorna ao Vaticano.

 

Terra

enviar comentário
Publicidade

Família de bebê atropelada em Copacabana quer indenização

A família da bebê Maria Louize, de 8 meses, que morreu depois de ser atropelada no calçadão da Praia de Copacabana, na última quinta-feira (18), entrará com ação na Justiça pedindo que o motorista do carro pague uma indenização e os custos do tratamento da mãe da menina, Niedja da Silva Araújo – uma das 18 vítimas do acidente. Ela escapou da morte, mas teve fraturas pelo corpo e está em uma cadeira de rodas. Até hoje, Niedja não pôde voltar para a própria casa, na Ladeira dos Tabajaras, uma favela na zona sul, de difícil acesso.

A informação foi dada hoje (20), pelo advogado da família, Carlos Alberto Nascimento, à TV Brasil, durante o enterro da bebê, no Cemitério São João Batista, na zona sul.

“A princípio, entraremos com uma medida cautelar para que o causador do acidente custeie o tratamento e a sobrevivência da mãe da criança, que ele machucou também”, afirmou Nascimento. “Ela está desempregada, não tem condições de se tratar, de comprar medicamentos, de sobreviver, o pai é freelancer, não tem um trabalho fixo”, completou.

Segundo o advogado, até agora, nem o motorista do carro que matou Maria Louize nem a família dele prestaram auxílio ou solidariedade pela morte da menina. “Ele não mandou uma mensagem, nada, ele não nos procurou”, disse.

Carlos Alberto Nascimento também pretende acompanhar o inquérito aberto pela Polícia Civil para investigar o caso. Ele defende que o motorista seja processado por dolo eventual, no qual o autor assume o risco de matar. “Acho que foi, inclusive, um equívoco [da polícia] não ter prendido o autor do fato em flagrante. Um carro que estava em alta velocidade – não estava em velocidade normal, o carro ficou totalmente destruído – uma menina faleceu, outra [vítima] está em estado grave no hospital, pessoas acidentadas, um motorista que estava com a carteira vencida, que omitiu a informação que era portador de epilepsia, provavelmente, não conseguiria tirar a carteira, ele mentiu desde o início.”

A 12º Delegacia de Polícia, que investiga o ocorrido, indiciou Antônio de Almeida Anaquim por homicídio culposo, quando não há intenção de matar, uma vez que o motorista afirma ter sofrido ataque epiléptico enquanto dirigia, na pista ao lado do calçadão. No entanto, ele negou ao Detran que sofresse da doença em um questionário de 2015, quando renovou a habilitação. Na época, já havia contra Anaquim um processo de suspensão da carteira.

Enterro

O corpo de Maria Louize foi enterrado hoje no fim da tarde, sob protestos. Parentes e amigos chamaram Anaquim de assassino e cobraram justiça. “Tirou a vida de um anjo”, disse um dos homens que carregava o pequeno caixão, na saída da capela. O velório começou por volta das 10h.

A mãe, visivelmente abalada, ainda machucada, se abraçou ao caixão por longos minutos, antes do sepultamento. E desabafou: “Ele tem que pagar. É um irresponsável que acha que só porque tem dinheiro pode sair por aí dirigindo, acabando com a vida dos outros. Eu quero justiça”. A outra filha dela, uma criança, estava inconsolável.

O enterro foi custeado pela prefeitura da cidade, segundo os pastores que acompanham a família. Sem emprego, os pais da bebê não tinham como arcar com os custos.

Dos sobreviventes do acidente, oito permanecem internados, com fraturas pelo corpo. Um deles, um australiano de 68 anos, em estado gravíssimo, na Unitade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Miguel Couto, na zona sul. Os demais estão no Hospital Municipal Souza Aguiar, no centro. Quatro têm cirurgias marcadas para a próxima segunda-feira (22). Entre eles, um turista argentino de 61 anos e uma menina de 7. O quadro deles é estável, segundo a última atualização da Secretaria de Saúde.

 

Agência Brasil

enviar comentário
Publicidade

Imagens mostram PMs deixando banco com R$ 300 mil que sumiram após assalto

Imagens de câmeras de segurança cedidas pela Polícia Civil mostram o momento em que os policiais militares Vanderlei Silva e Erasmo Furtado deixam o banco do Nordeste, alvo de assalto no dia 19 de dezembro, com duas caixas de dinheiro.

Veja o vídeo AQUI

Metade do valor que quase foi levado por assaltantes sumiu após a chegada da Polícia Militar e nunca foi recuperado. Os dois militares continuam presos por não terem preservado a cena do crime.

Segundo a Polícia Civil, o procedimento mais correto seria levar todo o valor apreendido imediatamente ao local onde a investigação aconteceria, a sede do Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco). O percurso seria de 15 minutos, mas os militares chegaram ao local cerca de 1h30 depois da retirada do valor do banco.

“Tinham que ter agido com cautela, por ser uma grande quantia, poderia ser solicitado apoio do banco para recolher o dinheiro, contar e ficar no banco. Seria uma opção. O fato de ter sido levado ao Greco era o que a medida legal previa, porém eles assumiram o risco por esse deslocamento”, disse o delegado responsável pelo caso, Gustavo Jung.

Segundo ele, o Greco recebeu o dinheiro somente após a contagem por parte do banco. No total, R$ 608 mil foram levados do banco e seriam roubados pelo grupo criminoso, mas R$ 310 mil não retornaram. Agora, a PM está responsável por apurar a atuação dos PMs no caso e o comandante da PM-PI, coronel Carlos Augusto Gomes informou que pediu mais prazo para a conclusão do inquérito.

“Ainda há alguns fatos sendo investigados. Vamos nos pronunciar ao fim do inquérito com o que realmente aconteceu. De início entendemos por bem fazer a prisão administrativa e que foi ratificada pela prisão preventiva expedida pela Justiça”, declarou o coronel Carlos Augusto.

O assalto

A Polícia Civil, que ficou responsável pela investigação do assalto, informou que aguarda da justiça que seja expedido o mandado de prisão dos dois outros envolvidos no assalto. Eles aguardavam do lado de fora do banco pelo comparsa que entrou no local e fugiram com a chegada da PM.

No dia do assalto, um grupo de criminosos fez reféns a tesoureira do banco e sua família. Um dos homens seguiu com a mulher para o banco enquanto outros ficaram com a família e mais dois esperavam o colega fora do banco. Um funcionário percebeu uma movimentação suspeita da tesoureira, o gerente e um dos assaltantes, no cofre da agência, e acionou a PM, que chegou ao local, fez o isolamento e prendeu um dos suspeitos.

G1

enviar comentário
Publicidade

VÍDEO: Leitor denuncia churrascaria na zona Sul de Natal por crime ambiental

Um leitor enviou ao BlogDoBG denúncia sobre crime ambiental praticado pela Churrascaria Gaúcha, localizada no cruzamento das avenidas Prudente de Morais com a Miguel Castro.

A reclamação é pela realização de eventos que terminam incomodando a vizinhança em razão do som alto.

“Já foi feita a denúncia na SEMURB no dia 13/9/17 (protocolo de atendimento 025401/2017) e até hoje os shows nem sequer diminuíram. Em contato com a delegacia do meio ambiente fui informado que é muito óbvio que esse bar não possui uma licença para operar com apresentações desse tipo sem qualquer isolamento acústico, e que uma simples visita da SEMURB questionando isso já poderia evitar a continuação desse absurdo”, escreveu o leitor.

No texto enviado ao Blog, o leitor ainda destaca que está publicizando o caso porque as autoridades competentes para agir não tomaram providências.

“Estou recorrendo a vocês porque não sabemos mais quem pode nos ajudar. Espero que um veículo de comunicação com o alcance do Blog do BG possa influenciar às autoridades tomarem alguma providência”, anotou ele.

enviar comentário
Publicidade

Prefeitura de São Gonçalo lança programa “Luz Pela Paz”

O prefeito de São Gonçalo do Amarante/RN, Paulo Emídio (Paulinho), lançou nesta sexta-feira (19) o programa “Luz pela Paz”, que consiste na substituição de lâmpadas de vapor de sódio, as chamadas ‘lâmpadas comuns’, por luminárias de LED – alimentadas através de chip. O objetivo é melhorar a iluminação pública e garantir mais segurança ao cidadão.

De acordo com prefeito Paulinho, essa troca pela tecnologia LED será realizada em 100% da cidade. A estimativa do investimento é no valor aproximado de R$ 10 milhões, e a primeira fase contempla os principais corredores de ônibus do município. Os serviços já iniciaram na comunidade de Jardim Lola, onde o prefeito lançou e já entregou à população as primeiras ruas iluminadas pelo programa.

“A situação da violência está tão terrível no nosso estado que temos que lutar pela paz – de todas as formas possíveis. Do gesto simples de gentileza e solidariedade com o próximo até a busca incessante de recursos e soluções para auxiliar o estado na sua tarefa de zelar pela segurança pública”, afirmou Paulinho.

O gestor ainda reforçou que, mesmo sendo uma responsabilidade do Estado, o município precisa realizar ações administrativas que também possam ajudar a melhorar essa situação. “E a iluminação da cidade é uma delas. Uma cidade iluminada é uma cidade onde as pessoas vão se sentir mais seguras para exercer o seu direito de ocupar o espaço urbano, as ruas, praças, calçadas… afastando a violência”, pontuou.

Tecnologia e economia

As luminárias com tecnologia de LED são alimentadas através de chip e possui protetor de surto contra variações de picos e transientes da rede elétrica. Ou seja, nos picos de variação de energia, as ‘lâmpadas comuns’ se apagam e, em muitos casos, queimam; diferentemente das luminárias de Led que permanecem acesas mesmo sofrendo essa inconstância.

De acordo com Basílio Júnior, secretário municipal de Serviços Urbanos, além de gerar uma maior segurança à população e garantia na melhoria do serviço de iluminação pública, essas luminárias permitem uma economia em mais de 65% no consumo de energia. “Só pra ter uma noção, nessa primeira etapa a Prefeitura investiu mais de 100 mil reais, e, em apenas 11 meses, com a economia gerada, o valor será recuperado”, observou.

enviar comentário
Publicidade

Padrasto acusado de matar menino Joaquim chega à penitenciária de Tremembé após extradição da Espanha

Extraditado após ser preso na Espanha, Guilherme Longo, acusado pela morte do enteado Joaquim, de 3 anos, chegou por volta de 8h30 na penitenciária 2 de Tremembé (SP), onde deve permanecer preso enquanto aguarda o julgamento, que não tem prazo para acontecer.

Guilherme Longo chegou às 6h10 deste sábado (20) ao aeroporto de Guarulhos (SP) em um voo que partiu da Espanha. De lá, seguiu em uma viatura da Polícia Federal para o presídio no interior de São Paulo. Longo estava algemado e com uma blusa com capuz.

Guilherme foi preso pela última vez em abril do ano passado em Barcelona. Antes de fugir do Brasil, ele respondia em liberdade por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver, mas deixou o país ilegalmente pelo Uruguai, usando um passaporte falso.

Na Espanha, ele tentava emprego quando foi preso por falsidade ideológica.

Como o crime de falsidade ideológica não é considerado grave no país, ele poderia ser solto ainda neste mês. Por isso, o governo brasileiro agilizou o processo de extradição dele – ele voltou ao Brasil em um voo comercial sob vigilância de escolta.

Essa não é a primeira vez que Longo fica preso em Tremembé. Entre janeiro de 2014 e fevereiro de 2016 ele esteve na unidade conhecida por abrigar detentos de casos de grande repercussão. Entre os internos da penitenciária 2 estão Alexandre Nardoni, condenado pela morte da filha Isabella e o ex-seminarista Gil Rugai, condenado pela morte do pai e da madrasta.

Longo conseguiu deixar a unidade em 2016 beneficiado por um habeas corpus concedido pelo Tribunal de Justiça. No mesmo ano ele deu início à fuga.

Por nota, a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) informou que Guilherme Longo “está seguindo os procedimentos padrões da SAP e deverá ficar isolado em regime de observação pelos próximos dez dias”. Somente após esse período deve ter contato com os demais detentos.

 

G1

enviar comentário
Publicidade