Publicidade

Trump diz que deveria ter deixado jogadores da UCLA na prisão na China

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse no Twitter neste domingo que deveria ter deixado na prisão os três jogadores de basquete da UCLA que foram detidos na China por suspeita de furto em loja depois que o pai de um dos jogadores questionou o papel de Trump na libertação deles.

“Agora que os três jogadores de basquete estão fora da China e a salvo de anos na prisão, LaVar Ball, o pai de LiAngelo, não aceita o que eu fiz por seu filho e que furto em loja não é grande coisa. Eu deveria ter deixado eles na prisão”, escreveu o presidente.

Em suas primeiras declarações públicas desde que foram detidos, os três se desculparam na semana passada e agradeceram Trump por ajudar a garantir sua libertação ao levantar a questão com o presidente chinês, Xi Jinping, durante sua visita.

 

G1

enviar comentário
Publicidade

Lula afirma que “não vai ser difícil” ganhar as eleições de 2018

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que “não vai ser difícil” ganhar as eleições presidenciais de 2018, mas defendeu uma mudança de estratégia dos partidos de esquerda para barrar as propostas do governo Michel Temer no Congresso. Durante o Congresso do PCdoB, Lula avaliou que a oposição está fragilizada e lamentou que não tenha conseguido barrar o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff e propostas que, na sua avaliação, representam um retrocesso com relação aos avanços das gestões petistas, como a reforma trabalhista.

“Éramos contra reforma trabalhista, e ela aconteceu. Éramos contra a Previdência, e se não tomarmos cuidado, vai acontecer”, disse o petista em seu discurso. Lula afirmou que o governo Michel Temer é “fraco” e, por isso, se submete “aos interesses do mercado”. “Nenhum presidente fraco é respeitado.” “Os congressistas que estão votando pelo desmonte não têm compromisso conosco. Nunca vi tanto deputado reacionário, tanto troglodita, e se não tomarmos cuidado vai piorar na próxima eleição”, disse.

Ele declarou que é preciso evitar a aprovação da reforma da Previdência, que “está acontecendo concomitantemente com o desmonte da Petrobras”. “Não tenho mais idade de ficar criando movimento ‘fora Temer’ e ele estar dentro, de ficar gritando não vai ter golpe e ter golpe. Vamos ter que parar de gritar e evitar que isso aconteça mesmo. Isso não pode continuar acontecendo debaixo da nossa barba.” Segundo ele, estão querendo desmontar a Petrobras porque “eles não são políticos, são usurpadores.” E continuou: “Eles não têm compromisso com o povo brasileiro, querem fazer o desmonte, destruir o BNDES, a Eletrobras, a Caixa, desmontar a cidadania.”

No discurso, Lula disse que, se não fosse pela sua teimosia e a do PT, não teria chegado à Presidência da República. E que provou que era possível a esquerda transformar este País, citando melhorias em salário, educação e na própria inserção do Brasil no exterior. “Deixamos de falar ‘fino’ com os Estados Unidos.” “Tiramos o País do mapa da fome.” E lamentou que o sonho que a gestão petista sonhou “infelizmente está sendo aos poucos desmontado”. “Estava tudo preparado para o Brasil se tornar a 5ª economia do mundo.”

 

Veja

enviar comentário
Publicidade

Deputado Edson Albertassi acompanha Picciani e também irá se licenciar do cargo na Alerj

Seguindo os passos do presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, Jorge Picciani, o deputado estadual Edson Albertassi, também do PMDB, comunicou por meio de sua assessoria de imprensa, neste domingo (19), que também irá se licenciar do cargo. O deputado, segundo o texto, quer se concentrar em sua defesa após a Operação “Cadeia Velha”.

Albertassi está sendo investigado pelo Ministério Público Federal e pela Polícia Federal por suposto envolvimento num esquema criminoso ligado à cúpula da Alerj. Ao parlamentar, os órgãos federais atribuíram pagamentos mensais por meio de empresas ligadas à família dele. Os crimes seriam de recebimento de propina e lavagem de dinheiro.

De acordo com o texto divulgado nesta tarde, o parlamentar irá se licenciar na terça-feira (21) para “cuidar de sua defesa”. A licença, informa a nota, não será remunerada e “inicialmente, será até o fim do recesso parlamentar de janeiro”.

É dito também que Albertassi, também na terça, “vai protocolar ofício se desligando de todas as comissões permanentes que participa”. Atualmente, o deputado preside a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e é líder do governo na Casa.
Sobre a posição de líder, Albertassi informou que “enviará ofício ao governador, comunicando seu desligamento da Liderança do Governo”. “O deputado Edson Albertassi confia na Justiça e estará sempre à disposição para esclarecer os fatos”, ressalta o texto do parlamentar.

 

G1

enviar comentário
Publicidade

Rapper que estava desaparecido havia duas semanas é encontrado morto, diz TV

O rapper norte-americano Bambino Gold foi encontrado morto após duas semanas dado como desaparecido, disse neste domingo (19) a rede de TV Fox5, do Alabama. Também foi encontrado o corpo de um primo do músico.

O cantor de 29 anos, conhecido na cena de rap de Atlanta, tinha sido visto pela última vez no dia 5 de novembro em Montgomery, no Alabama. Os corpos foram achados em Macon County.

A polícia disse ao site Al.com que acredita que eles foram assassinados em outro local e o corpo foi levado para Macon County.

enviar comentário
Publicidade

Em jogo com briga de Rhodolfo e Vizeu, Fla goleia e carimba faixa do campeão

O Flamengo venceu o campeão brasileiro Corinthians por 3 a 0 na Ilha do Urubu, na tarde deste domingo, pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro, num jogo que será mais comentado pela briga entre os flamenguistas Rhodolfo e Vizeu do que por qualquer outra coisa.

O zagueiro e o atacante, companheiros de time, discutiram feio no final do primeiro tempo e, na opinião do comentarista de arbitragem da TV Globo, Paulo César de Oliveira, deveriam ter sido expulsos. O árbitro Wagner Reway (MT – Fifa), porém, nem os advertiu com cartão amarelo – deixou tudo aos cuidados da turma do “deixa disso”.

 

GE

enviar comentário
Publicidade

Lula volta a desafiar Moro a ‘provar um real de sua vida que não seja legal’

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva declarou, neste domingo, 19, não possuir os R$ 24 milhões que a Procuradoria da República pretende bloquear. Em pedido encaminhado à Justiça Federal, no âmbito da Operação Zelotes, na última quinta-feira, 16, os procuradores pediram para confiscar R$ 21,4 milhões em bens do petista e mais R$ 2,5 milhões de seu filho, Luiz Cláudio. “Às vezes fico chateado com todas essas bobagens que falam a meu respeito, mas, como sou católico, acho que é uma provação. Já provei minha inocência, quero agora que eles provem. O cidadão deveria ter a decência de dizer onde tenho R$ 24 milhões”, reclamou durante o 14º Congresso do PCdoB.

Em seu discurso, Lula voltou a desafiar os procuradores e o juiz federal Sergio Moro “a provar um real de sua vida que não seja legal”. Para Lula, os investigadores inventaram mentiras sobre ele, e agora “não conseguem mais sair”. “Se tem político com rabo preso por causa do que a Operação Lava Jato está fazendo, eu não tenho rabo para prender. Não estou acima da lei, só quero respeito”, disse. “Quando a polícia entra na casa de alguém, adora mostrar dinheiro, joia, mas quando entra na minha e dos meus quatro filhos, revira tudo, levanta colchão, e não encontra nada, esses sacanas deveriam ter coragem de chamar a imprensa e dizer que na casa do Lula não tinha nada”, afirmou.

Ele parabenizou a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), por apresentar uma representação criminal à Procuradoria-Geral da República (PGR) contra a Rede Globo, após a emissora ser acusada de pagar propina para adquirir os direitos de transmissão de partidas de futebol. Em tom de brincadeira, o ex-presidente disse para o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) que “ele não sabia de nada” sobre o caso e provocou risadas entre os presentes. Silva foi ministro dos Esportes de 2006 a 2011, durante o governo Lula, mas pediu demissão após denúncias de irregularidades.

Lula está em Brasília para participar do 14º Congresso do PCdoB. Lula chegou por volta das 11 horas, em um avião privativo, e foi recebido por Gleisi Hoffmann.

 

Estadão

Comentários (2) enviar comentário
  1. Moabe Bond disse:

    Quem e Lula ? esse ser prepotente e arrogante que roubou o Brasil e diz que tudo de amigo……kkkķkkkkkkkk

  2. Fora PT Cramunhão disse:

    Organização criminosa é dividida em vários grupos com lucros e dividendos.

Publicidade

Ministros pressionam Temer a fazer trocas ministeriais até terça-feira

O presidente Michel Temer foi aconselhado por seus auxiliares durante o final de semana a anunciar até terça-feira (21) as duas principais trocas ministeriais em discussão – Secretaria de Governo e Ministério das Cidades.

Como o blog publicou ontem, Temer sinalizou ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que deve indicar o deputado Alexandre Baldy para a pasta das Cidades, desocupada desde a demissão de Bruno Araújo.

Baldy é amigo de Maia, que patrocina sua indicação. Mas a escolha dele é resultado de uma espécie de consórcio entre DEM-PMDB-PP.

Com o Ministério das Cidades resolvido, o impasse está na substituição de Antonio Imbassahy.

Temer está convencido de que precisa trocar o ministro da articulação política, pressionado pelos partidos da base, mas se diz “constrangido” por ser grato ao trabalho do tucano durante o auge da crise política do governo – as duas denúncias que o presidente enfrentou na Câmara.

Além disso, os próprios partidos que querem indicar o novo ministro ainda não chegaram a um acordo.

Também tem incomodado peemedebistas da Câmara a movimentação de Moreira Franco (ministro da Secretaria Geral) para chancelar o substituto de Imbassahy.
Segundo relato de um aliado de Temer, o processo de escolha do novo articulador político precisa ser uma decisão daqueles que terão “linha direta” com o ministro, ou seja, os parlamentares.

Neste domingo, para tentar concluir as negociações ministeriais, Temer voltará a conversar com Rodrigo Maia, em encontro na residência oficial da Câmara.

 

 

G1

enviar comentário
Publicidade

Tenho certeza que juiz vai condenar Cabral em todos os processos, diz advogado

“Sou intenso; tudo o que faço, faço muito”, diz o advogado do ex-governador Sérgio Cabral, Rodrigo Roca, depois de pensar um pouco sobre uma característica que o definiria bem. Roca tem 46 anos, e 21 de profissão. A intensidade autorreferida acumula histórias conhecidas, como a de ser advogado de militares acusados de torturas e assassinatos – em casos momentosos, como os do Riocentro e Rubens Paiva -, ou de policial militar sentenciado pela chacina de Vigário Geral, ou do agora em evidência caso do ex-governador do Rio, sentenciado por corrupção.

Na sexta-feira, Cabral completou um ano na cadeia. Já tem três sentenças de primeira instância – uma do juiz Sérgio Moro e duas de Marcelo Bretas. Somadas, já o condenaram a 72 anos de prisão. O ex-governador responde, ainda, a outros 12 processos que aguardam sentença de Bretas. “Tenho certeza de que ele vai condenar o ex-governador em todos os processos”, disse Roca em seu escritório no centro do Rio.

“Quando o condenou a 45 anos na Operação Calicute, o processo-mãe, o juiz Bretas criou para si próprio uma armadilha, um círculo vicioso que o impede, por coerência, de o absolver nos demais casos.” Procurado, Bretas não quis comentar. “Não gosto de falar sobre a atuação de advogados”, zapeou.

Nos quase seis meses em que está no caso Cabral, Roca manteve-se discreto. Ficou mais visível para o público no mês passado, quando seu cliente soltou o verbo para o juiz, durante uma audiência. Bretas entendeu como ameaça, perguntou ao advogado se ele tinha algo a ver com a revolta do cliente – não tinha, respondeu – e pediu a transferência do ex-governador para um presídio de segurança máxima fora do Rio, sustada por um pedido de liminar de Roca deferido pelo ministro Gilmar Mendes.

Rodrigo Henrique Roca Pires, niteroiense, divorciado de dois casamentos – um filho em cada um, de 15 e 5 anos – é mestre em Ciências Penais pela Universidade Cândido Mendes, onde se formou em 1996, e mestrando em Direito Canônico pela Universidade Católica de Petrópolis. O Roca, de raiz boliviana, é da mãe, já falecida. Pires é do pai, um projetista da construção civil, que também já se foi, há pouco, dor ainda viva. Foi o pai que o levou a um júri, ali pelos 19 anos. “É isso que eu quero fazer na minha vida”, resolveu

Até a última vez que fez as contas, e já faz tempo, já fizera 80 júris. Continua fazendo. O último foi em outubro – de um cliente que não quis dizer o nome. Em outro, de grande repercussão, Roca defendeu o ex-soldado da PM do Rio Paulo Roberto Alvarenga, o principal denunciado pela chacina de Vigário Geral, a matança de 21 moradores ocorrida em agosto de 1993.

No primeiro júri, em abril de 1997, Alvarenga foi condenado a 449 anos de prisão. De recurso em recurso, todos perdidos, o advogado foi bater no Supremo Tribunal Federal – que reduziu a pena para 57 anos e mandou anular o primeiro julgamento. No segundo, Roca não era mais o advogado do ex-PM. “Foi um caso muito especial, profissionalmente falando.”

 

Época

enviar comentário
Publicidade

Mugabe é expulso da liderança do partido que fundou há 37 anos no Zimbábue

O Comitê Central da União Nacional Africana do Zimbábue-Frente Patriótica (ZANU-PF), do presidente Robert Mugabe, decidiu expulsá-lo da liderança do partido neste domingo (19), substituindo-o pelo ex-vice-presidente, Emmerson Mnangagwa. Além de Mugabe, a legenda também expulsou a primeira-dama, Grace Mugabe , e outros muitos aliados da base.

Mnangagwa foi destituído da vice-presidência na semana passada, depois da pressão realizada pela facção vinculada à primeira-dama, que ambicionava suceder seu marido no poder. A escolha pelo ex-vice-presidente para a liderança da ZANU-PF aconteceu durante uma reunião extraordinária do principal órgão executivo do partido, logo após a retirada do apoio a Robert Mugabe feita pelas seções provinciais.

Com a decisão de hoje, a ZANU-PF encerra a liderança do seu fundador, que governou o Zimbábue por 37 anos. Antes da reunião extraordinária, o presidente do Comitê Central do partido, Obert Mpofu, se referiu a ele como “um presidente em fim de mandato”, ainda elogiando a intervenção das Forças Armadas, que segundo ele “abrem uma nova era, não só para o partido, mas também para o país”.

Mpofu afirmou que o presidente “tinha feito um grande trabalho até que Grace e seus parceiros se aproveitaram dele quando envelheceu”. Mais cedo, as alas jovens do ZANU-PF , que até então apoiavam o casal, se manifestaram pedindo a renúncia do governante e a expulsão da primeira-dama.

De acordo com a imprensa local, a sessão parlamentar para encerrar o mandato do presidente pode acontecer até a próxima terça-feira (21).

Mugabe tem 93 anos e é o presidente mais velho em atividade do mundo.

 

IG

 

enviar comentário
Publicidade

Após seis meses, delação da JBS tem efeito limitado na Justiça

A delação da JBS ficou conhecida por mencionar 1.829 políticos, mas completou seis meses de divulgação nesta sexta (17) com poucos desdobramentos nos tribunais superiores fora dos núcleos Michel Temer e Aécio Neves.

Acusações de delatores contra nomes importantes do governo e do Congresso, como os ministros Gilberto Kassab (Comunicações e Ciência) e Marcos Pereira (Indústria e Comércio), ainda não viraram inquéritos formais.

Desta vez, a estratégia da PGR (Procuradoria-Geral da República) não foi a de lançar uma nova “lista de Janot”, como as feitas em 2015 e logo após a delação da Odebrecht, em abril passado.

Naqueles dois casos, o então procurador-geral Rodrigo Janot pediu em bloco a abertura de inquéritos contra dezenas de políticos, que também foram autorizados em uma mesma leva.

Agora, as citações a políticos com foro estão em procedimentos que foram redistribuídos entre vários ministros do Supremo Tribunal Federal.

Dois casos enviados à ministra Rosa Weber, envolvendo o senador tucano José Serra (SP) e a família do deputado Fábio Faria (PSD-RN), já tiveram investigações abertas.

 

Folhapress

 

enviar comentário
Publicidade

Lava Jato acelerou processos, mas ‘direito penal de Curitiba’ é criticado

Quando o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes quis alfinetar a Operação Lava Jato, considerada arbitrária e abusiva por ele, disse que procuradores e o juiz Sergio Moro criaram “o direito penal de Curitiba”.

Para ele, esse novo direito não respeita “parâmetros legais”, a Constituição sofre violações em série e delações são até encomendadas.

Aliado e conselheiro de alvos da Lava Jato como o presidente Michel Temer e o senador Aécio Neves (PSDB-MG), a visão de Gilmar não é endossada por pesquisadores do direito, mas sua crítica roça numa novidade, ainda de acordo com especialistas: a Lava Jato inventou não um novo direito penal, algo que demanda tempo para cristalizar, mas uma nova maneira de conduzir processos penais.

Não é só na velocidade acelerada dos processos que a força-tarefa da Lava Jato em Curitiba e o juiz Moro inovaram, reduzindo o tempo de um ação de 4 anos e 4 meses, a média nacional apurada pelo CNJ (Conselho Nacional de Justiça) em 2016, para 9 meses e 12 dias.

Há novidades também no uso de recursos que são mais comuns no direito anglo-saxão, o chamado “common law”, do que na tradição romana a que o Brasil se filia, como os acordos de delação e de leniência e os pedidos de ajuda a outros países para obter provas.

 

Folhapress

enviar comentário
Publicidade

Filha de Lula é nomeada na Assembleia do Rio

Filha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Lurian Cordeiro Lula da Silva foi nomeada neste mês assessora parlamentar da deputada estadual Rosângela Zeidan (PT) na Assembleia Legislativa do Rio. A deputada é casada com Washington Quaquá (PT), presidente do partido no Estado.

A nomeação foi publicada no Diário Oficial de 6 de novembro. O salário de Lurian como “assessora parlamentar IV” no gabinete de Zeidan (como é conhecida) é de R$ 7.326,64. A assessoria de imprensa da deputada afirmou que a filha do ex-presidente já dá expediente no gabinete.

Zeidan disse que conhece Lurian há 15 anos, da militância do PT. “As escolhas do meu mandato, quem faz sou eu. É assim na maioria dos mandatos, qualquer que seja o partido. E no PT temos mulheres militantes, como eu fui e ainda sou, que são quadros qualificados para assumir essas tarefas. Resumir isso a uma relação de parentesco ou é desconhecimento ou é misoginia”, disse a deputada, em mensagem escrita.

Quaquá afirmou que não influi nem questiona os critérios da deputada ao nomear seus assessores. “São critérios da empresa de um lado e do mandato de outro”, afirmou Quaquá, também por escrito.

O presidente do PT fluminense foi prefeito por dois mandatos em Maricá (RJ), e fez seu sucessor, o atual prefeito, Fabiano Horta (PT). Lurian mora em Maricá e preside o PT local há cinco meses. A reportagem não conseguiu localizá-la ontem.

Há 30 anos no PT, Quaquá é ligado a Lula. Apoia o ex-presidente em sua defesa das acusações de corrupção e pediu suporte financeiro dos militantes para viabilizar as caravanas dele pelo País. Em junho, um mês antes da sentença do juiz Sergio Moro condenando Lula a nove anos e meio de prisão por corrupção, no caso do apartamento no Guarujá, ele publicou nota em que aventou “confronto popular nas ruas” para a defesa do ex-presidente.

 

Estadão

Comentários (7) enviar comentário
  1. Teixeira disse:

    Acreditam

  2. Teixeira disse:

    Ainda tem otários que acredita no PT.

  3. Sérgio Dias disse:

    Deve ser por comp$tencia, igual ao pai. O Rio só arruma dessas. Coitado do Rio.

  4. Seletivista disse:

    O mais interessante da pagina aqui, é que quando ha o nome de Lula todo mundo comenta e bla bla bla, indignados!!! diferente de outras postagens mais escandalosas por sinal! e o silencia reina!

  5. Joel disse:

    Mito mito mito.

  6. Joel disse:

    Só bandido.

  7. Carlos Augusto disse:

    Uma fantasma. Como tem fantasmas no Brasil. Um país espírita

Publicidade