Publicidade

Correios estudam ‘megademissão’, destaca reportagem

Com prejuízo de quase R$ 500 milhões nos dois primeiros meses do ano e depois de frustrar-se com o baixo número de adesões ao plano de desligamentos voluntários aberto em janeiro, a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) avalia uma medida radical para fechar o rombo em seus cofres, que desperta a ira dos sindicatos de trabalhadores.

Sob o argumento de que a situação financeira é extremamente grave, o departamento jurídico da estatal foi acionado para verificar se há meios de driblar a estabilidade dos empregados e fazer “demissões motivadas”, com o objetivo de reduzir o quadro de pessoal. Estimativas preliminares indicam a necessidade de enxugamento de 20 mil a 25 mil funcionários para equilibrar as despesas operacionais e dar sustentabilidade aos Correios.

Caso a medida realmente vá adiante, seria um precedente importante para outras estatais em crise, ao relativizar a estabilidade de trabalhadores que ingressaram por meio de concurso. Hoje eles só podem sair voluntariamente ou por justa causa, mediante a abertura de processo disciplinar. A diretoria dos Correios prepara sua sustentação com base no artigo 173 da Constituição, que permite adotar em empresa pública o regime jurídico de empresas privadas. Haveria brecha legal também para as dispensas motivadas na CLT, com a alegação de que a ausência de medidas pode colocar a estatal em colapso.

Segundo dados da vice-presidência de finanças e controle interno, a folha de pagamento da estatal aumentou de R$ 3 bilhões para R$ 7,5 bilhões entre 2006 e 2015. Com isso, os custos trabalhistas subiram de 49% para 62% dos gastos totais. No mesmo período, o “tráfego de objetos” caiu de 8,6 bilhões para 8,2 bilhões por ano e o nível de produtividade diminuiu de 80 para cerca de 70 objetos por cada trabalhador.

Com pouco mais de 117 mil empregados atualmente, os Correios abriram um PDV em janeiro. A expectativa era atrair em torno de 8 mil funcionários com mais de 55 anos e tempo de casa suficiente para requerer aposentadoria, mas houve 5,5 mil adesões. O prejuízo acumulado nos últimos dois anos chega a R$ 4 bilhões e não dá sinais de reversão.

O presidente da ECT, Guilherme Campos, confirmou ao Valor a existência das discussões, mas disse que nenhuma decisão foi tomada até agora. “Não estamos fazendo isso com nenhum requinte de sadismo. O que não dá é para manter uma situação em que dois terços dos custos totais são de pessoal”, afirmou o executivo. Ele se recusa, no entanto, a falar sobre o número de desligamentos supostamente necessários para estancar a sangria. “Seria leviano expressar isso agora.”

Os trabalhadores prometem reagir. A Fentect, principal federação de empregados dos Correios, convocou todos os sindicatos da categoria para uma reunião de emergência na terça-feira. O encontro, em Brasília, debaterá a possibilidade de greve na estatal.

“A empresa está se aproveitando do argumento de crise financeira para impor uma estratégia de sucateamento”, afirma Suzy Cristiny da Costa, diretora da Fentect. Para ela, o mecanismo das demissões motivadas está em linha com outro medida tomada recentemente: o fechamento de 250 agências próprias em todo o país. Suzy acredita que isso afetará a qualidade na prestação dos serviços e sobrecarregará os trabalhadores. “Estão se mexendo para fazer a abertura de capital.”

Na avaliação de Marcos César Alves Silva, representante dos empregados no conselho de administração, não há amparo legal nas demissões planejadas e a crise da estatal tem causas mais profundas: “Os resultados negativos não são decorrentes de problemas do mercado e nem do inchaço nos quadros de pessoal”.

Silva aponta pelo menos três razões para o agravamento da situação financeira dos Correios: o recolhimento exagerado de dividendos (foram transferidos R$ 6 bilhões ao Tesouro Nacional), represamento de tarifas postais em anos eleitorais e excesso de indicações políticas no comando da estatal.

Reduto do PMDB no governo Luiz Inácio Lula da Silva, a diretoria dos Correios foi loteada entre dirigentes petistas durante o primeiro mandato da ex-presidente Dilma Rousseff. Seis meses antes do impeachment, ela entregou os cargos para o PDT. Michel Temer colocou o PSD na empresa.

Antes mesmo de anunciar as demissões motivadas, a atual cúpula da ECT precisa lidar com outro desgaste. Há poucos dias, os empregados foram avisados de que só poderão tirar férias ao fim do segundo período aquisitivo. Trata-se de uma forma de economizar, no curto prazo, com o adicional de 70% de férias garantido pelo acordo coletivo da categoria (normalmente é um terço).

Para os sindicatos, a medida alivia artificialmente o caixa e desorganiza a alocação de recursos humanos nos próximos anos.

Valor

Comentários (5) enviar comentário
  1. paulo martins disse:

    Apesar de ser um monopólio, os Correios são hoje uma empresa sem valor de mercado. Praticamente ninguém mais usa cartas e telegramas, suplantados pelo surgimento do e-mail e das redes sociais. O Sedex, serviço de cargas e encomendas, enfrenta concorrência acirrada do setor privado, cujas organizações exibem plantas bem mais enxutas e eficientes que a estatal. Como qualquer empresa pública tupiniquim, os Correios não se modernizaram, perderam o bonde da história e ficaram a ver navios. Ainda que demita todo mundo e faça uma "lipo" em suas contas, com o portfólio jurássico de que dispõe. é pouco provável que venha a despertar interesse do mercado num hipotético processo de privatização.

  2. Julião disse:

    Falir o monopólio é complicado… só sei que no mês de Março ainda não recebi nenhuma das minhas contas, preciso ficar emitindo a 2ª via de tudo por causa dessa péssima prestação de serviço..

  3. Val Lima disse:

    Já passou da hora, a privatização dessa empresa…..

  4. escritor disse:

    Pra isso que existem estatais. Para lotear entre os partidos. Era do PMDB, foi do PT, passou para o PDT, agora é do PSD. E por isso não pode em hipotese alguma ser privatizada. Não se pode perder a boquinha.

  5. Brasil disse:

    Cadê os sindicatos que ficaram calados durante 14 anos na era PTRALHA, aonde os fundos de pensão foram saqueados pelos Cumpanheiros !!!eu acho é pouco ,pra mim enfiava o pé na bunda de todos os funcionários e entregava essa empresa para iniciativa privada

Publicidade

Desembargador concede prisão domiciliar para preso no RN portador do vírus HIV

O desembargador Saraiva Sobrinho, do Tribunal de Justiça do RN, converteu a prisão de um preso portador do vírus HIV, causador da AIDS, em prisão domiciliar até o julgamento final do pedido de Habeas Corpus. A decisão liminar atende ao princípio da dignidade da pessoa humana.

De acordo com a defesa do acusado, preso em flagrante por furto qualificado na zona rural de Pedro Avelino, o mesmo está detido há onze meses e não vem recebendo os coquetéis de medicamentos necessários à sua sobrevida.

O magistrado aponta que é fato notório que o estabelecimento prisional não tem estrutura necessária para transportar o preso ao Hospital Giselda Trigueiro, para que lá receba os respectivos coquetéis, necessários e imprescindíveis à sua sobrevida.

“Com efeito, o inciso II do art. 318 permite expressamente a concessão de prisão domiciliar quando evidenciada a extrema debilidade da saúde do preso, em decorrência de doença grave”, lembra o desembargador Saraiva Sobrinho em sua decisão.

O magistrado também cita o jurista alemão Gustav Radbruch: “O Direito deve-se prolongar para fora de nós mesmos, para que o façamos coincidir com a realidade, de acordo com as necessidades de sua aplicação ao caso concreto. Por isso a jurisprudência nem sequer tem princípios estáveis e critérios universais: umas vezes pedirá à própria lei a regra de sua aplicação, reduzindo a lei à letra do texto ou interpretando-a pelo espírito que guiou o legislador; outras vezes abandonara a lei, para invocar os princípios que estão de certo modo consagrados pela doutrina, ou até os sentimentos naturais de eqüidade, que todos os homens se orgulham de possuir”.

(Habeas Corpus Com Liminar n° 2017.001617-7)
TJRN

enviar comentário
Publicidade

Previdências de 22 Estados e do DF operam com déficit

Na semana em que o presidente Michel Temer anunciou que os servidores dos Estados e municípios ficariam de fora da reforma da Previdência, um estudo mostra o tamanho do problema deixado para os governadores. Atualmente, as previdências do Distrito Federal e de 22 dos 26 Estados operam no vermelho.

Em apenas seis anos – entre 2009 e 2015, último dado disponível –, o rombo passou de R$ 49 bilhões para R$ 77 bilhões, em valores atualizados pela inflação. Para pagar os aposentados, os Estados usam o dinheiro do seu caixa. A parcela da receita comprometida com a Previdência, na média, subiu de 9,5% para 13,2%. Santa Catarina, Minas Gerais e Rio Grande do Sul já gastam mais de 20% da receita com Previdência (ver quadro).

Os números que mostram a nova dinâmica de gastos, Estado por Estado, constam de uma nota técnica do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Três fatores levaram à deterioração acelerada, explica um dos autores do trabalho, Claudio Hamilton Matos dos Santos, técnico de Planejamento e Pesquisa da área macroeconômica do Ipea.

O primeiro deles até contraria outros levantamentos: o número de funcionários na ativa está caindo – o que leva à redução das pessoas que contribuem com a Previdência. Na média, a retração foi de 3,6% em sete anos. Mas, em alguns Estados, foi bem maior porque os governadores tentam cortar despesas reduzindo a máquina pública. No Rio Grande do Sul, houve corte de 18% no pessoal. Em São Paulo, de 12%.

Por outro lado, ocorre uma aceleração nos pedidos de aposentadorias. O número de inativos cresceu 25% entre 2009 e 2015. Há Estados em que o ritmo foi frenético. No Acre e Tocantins, o número de aposentados praticamente dobrou.

O terceiro fator foi pontual, mas nefasto: houve reajustes generalizados nos salários dos servidores, que foram repassados, em sua maioria, integralmente para os aposentados. Não há espaço para mais reajustes, mas o número de aposentados vai continuar a crescer e o de servidores, a cair. “Esse descompasso não vai apenas aumentar o déficit, mas também prejudicar a qualidade dos serviços públicos dos Estados”, diz Claudio Hamilton, do Ipea.

Realidade. “O que o Ipea constatou é a mais pura realidade: sem uma reforma, em cinco ou dez anos todos os Estados estarão como o Rio de Janeiro”, diz o secretário da Fazenda de Alagoas, George Santoro. Sua gestão fez um PDV, plano de demissão voluntária, seguiu o exemplo da União e apertou as regras para concessão de pensões, e agora estuda a criação de um fundo para amparar a Previdência. Mas ele alerta: “Uma hora seremos obrigados a contratar, porque não tem como fazer segurança sem policial na rua ou dar aula sem professor; a qualidade do serviço público está caindo no País todo”, diz.

Na tentativa de aliviar a crescente pressão sobre as contas, nos próximos dias os Estados voltarão a procurar o governo para pedir o compartilhamento das contribuições (tipo de tributo que é de exclusividade da União). “Não vamos conseguir oferecer todos os serviços se a receita não aumentar”, diz André Horta, presidente do Consórcio Nacional de Secretarias da Fazenda (Consefaz).

ESTADÃO

Comentários (8) enviar comentário
  1. Junior disse:

    Ta certo, tem é mais que cobrar do povo, aumentar impostos e tudo mais, quero ver o cancao piar.

  2. Joao fernandes da Costa Filho disse:

    Isso tudo e´mal gestor que não faz concursos para substituir os aposentados, colocando cargos commissionários que rende votos.

  3. Ojuara disse:

    Previdência não é pra ter superávits,pagamos muitos impostos no decorrer da vida que não botam na conta

  4. silva disse:

    Muitas vezes o problema está na corrupção, falta de gestão, dinheiro público jogado fora, mas como querem a todo custo que o povo pague ( como sempre!!), a conta, preferem jogar tudo na reforma da previdência!!!

  5. cabral disse:

    Seria interessante se alguém perguntassem ao atual presidente, o que é déficit e previdência.

    • Claudiomiro disse:

      Que tal você fazer essa pergunta e ele? Mas existem outras que não foram respondidas ainda, como:
      Porque o PT deixou 13 MILHÕES de trabalhadores SEM EMPREGO até junho 2016?
      Porque o PT deixou a inflação de dois dígitos voltar e acabar com o poder de compra do trabalhador?
      Porque o PT não concluiu a transposição do rio São Francisco e ainda multiplicou o valor da obra em 10x?
      Porque o PT se diz um partido do trabalhador e vive acompanhado, sendo financiado pelos maiores empresários e empresas do Brasil?
      Porque o PT levou a petrobras a ter prejuízo por 03 anos seguidos?
      Porque o PT destruiu as finanças e a credibilidade dos correios?
      Porque o PT critica tanto a ditadura no Brasil e apoia, financiando as ditaduras de Cuba e Venezuela?
      Porque o PT tem tantos membros investigados e condenados por corrupção?
      Porque o PT não deu qualidade ao ensino público?
      Porque o PT não resolveu o problema da saúde pública e ainda deixou termos os piores índices da história em falta de leitos, hospitais e atendimento?
      Porque o PT deixou a insegurança tomar conta das ruas e cidades brasileiras?
      Porque o PT repetiu tantas promessas e depois de 13 anos de poder, só realizou 10% delas?
      Porque o PT não fez as reformas trabalhista, eleitoral e tributária depois de prometê-las por 12 anos?
      Quando você e seu partido, o PT responderem a essas preguntas, terão o direito de começar a cobrar algumas coisa?

    • cabral disse:

      Quem ver este rapaz escrevendo as besteiras todas, vai pensar que o pais antes do PT era uma maravilha. Cresce rapaz!

  6. MARIVALDO LOPES disse:

    QUAL SERVIÇO PÚBLICO NA RESPONSABILIDADE DE POLÍTICA NÃO ESTÁ DEFICITÁRIO???? ALGUÉM SABE DE ALGUM???
    COMO VAI A SAÚDE PÚBLICA???
    COMO ESTÁ A SEGURANÇA PÚBLICA???
    A EDUCAÇÃO PÚBLICA???
    A PREVIDÊNCIA SOCIAL???
    A MANUTENÇÃO DAS CIDADES E RODOVIAS???
    OS PORTOS???
    OS AEROPORTOS CONSTRUÍDOS PARA COPA???
    O TRANSPORTE PÚBLICO???
    O EXCESSO DE CARGOS E ÓRGÃOS PÚBLICOS???
    ALGUÉM PODE MOSTRAR, APONTAR, CITAR UM BOM SERVIÇO ADMINISTRADO PELOS POLÍTICOS QUE FUNCIONE??? NÃO SERVE AQUELES QUE O POLÍTICO COLOCOU NA MÃO DA INICIATIVA PRIVADA.

Publicidade

Assu lidera o 2º turno e o América continua sem vencer

Após quatro rodadas da COPA RN, o Assu lidera e o América se encontra na última posição ainda sem vencer nesse 2º turno. O ABC se encontra em terceiro, mas tem duas partidas a menos.

Comentários (14) enviar comentário
  1. Edu disse:

    Chora mequinha inquisidor kkkkkkk teu lugar é no matutão kkkk

  2. Totinha Rocha disse:

    Mimimimimimimimimimimimimimi da bexiga, imagina em 2018 com o mekinha só com o Estadual para disputar, vai ter muita paquita perdendo as penas por ai.

  3. João Bosco disse:

    O merrequinha está em coma, não cabe gozações, sejamos solidários !

  4. Anderson Problema disse:

    O América hoje é uma equipe pequena. Os arbitros tradicionalmente so ajudam os times grandes. Como o Globo é maior que o América, logicamente ajudou o globo.

    O América hoje é equiparado a um time qualquer do RN, do patamar do Alecrim, Palmeira de Goianinha etc.

    Pra vc ver como exemplo disso, vejam que os embates contra o Santa Cruz da Zona Norte. O America foi a unica equipe q nao ganhou e nem fez gol nesse time amador da Zona norte. O America esta no mesmo patamar. Disputa acirrada pela lanterna entre esses 2.

  5. Rapaz disse:

    Paquita Inquisitora,

    Entao pq o Mequinha nao aproveitou as 3 expulsoes (Renatinho, Denis e Romarinho) e nao aproveitou para ganhar o jogo ? kkkkk

    Oh time ruim esse mequinha viu ? Sempre querem colocar a culpa da incopetencia e ruindade deles no ABC.

    44444
    DDDD
    Lanterninha
    kkkkkkk

  6. Inquisidor disse:

    O árbitro ontem expulsou DOIS atletas do Globo e só um imbecil não percebeu que foi porque o próximo adversário do time de Barreto é o AB6!O tal do romarinho,praticamente "pediu" prá ser expulso,um moleque complexado dispensado do AB6 mas que vive sonhando em voltar prá lá.
    Sempre foi assim,tabela feita pro AB6 chegar sempre nas finais,desde os tempos em que farache era diretor de futebol do AB6 e presidente da liga (hoje,federação).Não á toa essa ruma de títulos,muitos deles inventados.
    A bola da vez é essa "invencibilidade" idiota do AB6 no fresqueirão,como se fosse um grande feito.
    Da última vez que fizeram isso foi no ano do centenário.Tudo certinho desde a confecção da tabela,até o jogo final ser no fresqueirão.A idéia era o mais protegido ser campeão "invicto" (NUNCA foi campeão invicto,mesmo com todos os favorecimentos!)e diante de sua torcida,dentro do fresqueirão.
    Só que o Papai Mecão foi lá e mostrou quem manda naquele cafôfo!
    E as xikitas bacanas da estrada de pium quebraram a cara!!!!!!
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Quem nasce prá lagartixa,mesmo sendo protegida e favorecida,nunca vai ser jacaré!

    • Verys disse:

      E com 3 expulsão do globo o merreca não venceu. Pense numa murrinha. Kkkk. Bota Baé

    • Curioso disse:

      Amigo decepcionado com o América mude de time e venha torcer pelo ABC que aqui você só terá alegrias. A frustração faz parte dos seres revoltados e insatisfeitos como você. No próximo ano você vai economizar dinheiro pois o calendário do seu time deverá ser até o mês de abril aí você pega a grana poupada e ajuda o seu time a recuperar o tempo perdido.

    • Lobo disse:

      Eu só sei que o Mequinha vai ficar igual o Barcelona: um time fora de série.
      KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    • ABC o MAIS QUERIDO disse:

      Inquisidor ou sei lá o que!

      quando seu merdão… ou desculpa Mecao, sair da quarta divisão… sai da lanterna, ter um estadio, for o maior campeão estadual…. tiver a maior torcida… vc se pronunciei…

      Esse dragão está mais para largatixa mesmo…..

    • Machado disse:

      Incrível….é muita sofrencia!
      Escreveu tantas bobagens que esqueceu de falar do principal : a incompetência do timeco dele que já é D+.
      E o choro? O choro tá só começando !

    • Jonas disse:

      #choranãobebê
      #ficabetosantos

    • Invicto disse:

      Ok, amigo. Agora volte para sua pokebola e acorde na série D.

    • ABC disse:

      Lamentável…. o choro é livre meu nobre…. DDDDDDDDDD e o próximo ano o q vão fazer heimmmmm?

Publicidade

VidaPipa apresenta: QUINTA DO RIO Casas e BOSQUE DA PRAIA Flats

Praias lindas, muito sol e mar calmo. Tranquilidade, natureza, gastronomia e trilhas maravilhosas. Pipa é tudo isso! E um pedaço de Pipa pode ser seu.

Estamos falando de VidaPipa. Excelentes casas, flats e lotes, num projeto bem diferenciado.

QUINTA DO RIO. CASAS. Um condomínio com o jeitinho gostoso de pipa. Apartamentos com 70 m2, 2 dormitórios e ampla área comum.

BOSQUE DA PRAIA. FLATS. Um novo jeito de se hospedar e investir em Pipa, em condomínio fechado. Casas com 60 e 45 m2. Integrado a reserva de Mata Atlântica preservada. Trilhas exclusivas, com acesso à Praia do Madeiro.

Agende uma visita pelo ZapPipa +55 84 99955-7987 ou visite vidapipa.com.br. Fale direto com o dono e faça sua proposta.

enviar comentário
Publicidade

FOTOS: Uma foto de um presidente com uma modelo sem calcinha que quase provoca um golpe no Brasil

Resultado de imagem para ITAMAR FRANCO E LILIAN MOURA

Resultado de imagem para ITAMAR FRANCO E LILIAN MOURA

Resultado de imagem para ITAMAR FRANCO E LILIAN MOURAPor JOSIAS DE SOUZA:

Num instante em que o valor do político brasileiro é medido pela quantidade de mochilas que ele recebeu da Odebrecht num cabaré, é interessante recordar que houve no Brasil um presidente atípico. Chamava-se Itamar Franco. A exemplo de Michel Temer, foi uma espécie de interlúdio entre um impeachment e a eleição seguinte. Balançou no cargo. Quase caiu. Mas o escândalo que estremeceu sua autoridade foi causado não por propinas ou desvios milionários de verbas públicas, mas por uma calcinha. Ou, por outra, o cargo de Itamar esteve por um fio em função da falta de uma calcinha. Fernando Henrique Cardoso desenterrou o caso no seu novo livro, o terceiro volume da série Diários da Presidência, que acaba de chegar às prateleiras.

A encrenca nasceu no Carnaval de 1994. Acompanhado de um séquito de auxiliares, Itamar foi ao Sambódromo, no Rio de Janeiro. Desimpedido, derreteu-se por Lilian Ramos, uma modelo que exibira suas formas no desfile da Escola de Samba Grande Rio. Olha daqui, repara dali, a foliã foi parar no camarote presidencial, ao lado de Itamar. Vestia apenas um camisão, que lhe recobria desde as formas do torso até o início das coxas. No mais, estava como viera ao mundo. Desavisado, Itamar deixou-se fotografar, de baixo para cima, ao lado da genitália desnuda de sua acompanhante. As imagens correram o noticiário. Seguiu-se em Brasília um estrépito mais forte do que o barulho de todas as baterias que haviam soado na avenida.

Ministro da Fazenda de Itamar, FHC conta que foi procurado pelo general Romildo Canhim, então ministro da Administração. Falando em nome dos comandantes militares, Canhim queria saber se o interlocutor toparia permanecer à frente da pasta onde se costurava o Plano Real na hipótese de Itamar ser afastado da Presidência da República. “Eu disse ao Canhim que não, que nem um dia”, escreveu o grão-tucano no seu livro. As memórias de FHC resultam de uma coleção de segredos e impressões que ele ditou para um gravador ao longo dos oito anos de sua presidência. No caso da crise da calcinha FHC foi econômico nas palavras. Absteve-se de revelar os detalhes.

O episódio veio à luz pela primeira vez no final de 1994, nas páginas do livro “A História Real, trama de uma sucessão”, escrito por mim e pelo repórter Gilberto Dimenstein. A obra nasceu de um projeto que visava contar os bastidores da sucessão presidencial em que FHC, cavalgando o Plano Real, prevaleceu sobre Lula pela primeira vez. Entre janeiro de 1994 e a abertura das urnas, fizemos 124 entrevistas. A maioria dos entrevistados concordou em falar sob a condição de que as informações só fossem publicadas depois das eleições presidenciais.

Conversei com o general Romildo Canhim (1933-2006) por mais de três horas. Nessa conversa, ele relatou o que sucedera nas pegadas da aventura carnavalesca de Itamar. Antes de procurar FHC, Canhim tivera um longo encontro com o então ministro do Exército, general Zenildo de Lucena. Ouvira um relato sobre a inquietação dos quarteis com as cenas do Sambódromo. Preocupados, os ministos militares haviam discutido a encrenca numa reunião sigilosa.

Pela Constituição, o presidente da República é o “comandante em chefe” das Forças Armadas. E os ministros fardados avaliavam que, depois que Itamar posara em público ao lado de uma genitália sem camuflagem, esse preceito constitucional parecia revogado. Para eles, a dignidade do cargo de presidente fora, por assim dizer, carnavalizada, trincando o princípio da autoridade, tão caro para um militar quanto o ar que ele respira. Os ministro discutiram a sério a hipótese de substituição do presidente.

Os militares mencionavam um “complicador”. Como se não bastasse o presidente ter sido fotografado de mãos dadas com uma modelo sem calças, o então ministro da Justiça, Maurício Corrêa, entornara no Sambódromo mais álcool do que seria recomendável para uma pessoa na sua posição. Até as fotos, estáticas, denunciavam um Corrêa trôpego, copo de uísque na mão. Tramou-se negociar com Itamar a sua renúncia, abrindo espaço para uma solução constitucional.

O plano esbarrou na recusa de FHC de permanecer no cargo sem Itamar e na má qualidade das opções de substituto. Percorrendo a linha sucessória, a eventual renúncia de Itamar levaria, nessa ordem, aos presidentes da Câmara e do Senado, deputado Inocêncio Oliveira e senador Humberto Lucena. Que os militares consideraram desqualificados. O presidente do Supremo Tribunal Federal, Octávio Gallotti, terceiro na linha de sucessão, era visto como um personagem fraco, sem pulso. A turma do quepe concluiu que a República nunca estivera em mãos tão débeis. Avaliou-se que o resultado da troca não compensaria o desgaste de uma articulação para a saída de Itamar.

Entretando, os comandantes militares decidiram que Itamar precisava lhes fornecer algo que pudessem exibir à tropa. O escalpo de Maurício Corrêa pareceu-lhes uma compensação adequada. Enxergaram em FHC a melhor pessoa para informar ao presidente sobre a conveniência de levar à bandeja a cabeça do ministro da Justiça, seu velho amigo. Acionado pelo general Romildo Canhin, FHC encontrou-se com Itamar fora da agenda, na Base Aérea de Brasília.

Ao farejar o cheiro de queimado, Itamar não opôs resistência à substituição do titular da Justiça. Tinha inclusive o nome de um substituto no bolso do colete: Alexandre Dupeyrat, um advogado que o assessorava no Planalto. Informados, os militares serenaram os ânimos. Mandaram circular pelos quartéis a informação sobre a queda iminente de Maurício Corrêa. Do Planalto, vazaram informações a respeito da decisão do presidente de trocar o titular da Justiça.

Maurício Corrêa ainda teria uma sobrevida de dois meses na Justiça. Itamar recusou-se a demiti-lo com humilhação. Deixou o posto a pretexto de disputar o governo de Brasília —candidatura que seria inviabilizada posteriormente. O caso da calcinha, por folclórico, escorregou naturalmente das manchetes para o esquecimento. Hoje, frequenta as páginas de livros como uma passagem pitoresca de um Brasil que ainda não sabia que seus flagelos se tornariam mais superlativos do que o Collorgate, escândalo que levou o vice Itamar à poltrona de presidente. A crise brasileira apaixonou-se pela desinência ‘ão’. E foi plenamente correspondida no mensalão, no petrolão, na recessão… Tudo isso mais o mochilão da Odebrecht, nova unidade monetária do país da corrupção.

Comentários (5) enviar comentário
  1. José Evaristo disse:

    Bg essa modelo é nota 10 nossa

  2. cabral disse:

    Comprovação de que o PT consertou este país. Vejam como era.

    • Claudiomiro disse:

      Foi não Cabral, se isso fosse com o PT a moça não teria ficado nem com a camiseta, estaria nua e despida de qualquer recurso sobre alegação da igualdade, ou seja, todos no fundo do poço, todos iguais, sem nada, na total dependência do governo corrupto.

    • Foraptzadacorruptos disse:

      Ta delirando Cabral?neste caso do Itamar ele por ser um homem educado,não iria perguntar a moça se ela estava ou não de calcinha,pq o certo é usar calcinha.

      Já um certo Ministro do Turismo a bem pouco tempo,(no desgoverno de uma Anta)teve uma mulher siliconada a ("ESPOSA") dentro do seu gabinete no Planalto tirando fotos peladas para uma revista masculina….E TODOS OS PTRALHAS ACHOU LINDO E NORMAL,PQ SERÁ QUE FORAM DESENTERRAR ESSA HISTÓRIA?COISA BOA NÃO VEM POR AÍ.

  3. Curioso disse:

    A grande diferença é que hoje provavelmente a calcinha teria sido desviada pela quadrilha de vermelho que enterrou o país em 13 anos de desgoverno e corrupção.

Publicidade

Moradores de Felipe Camarão vão protestar em frente a Semurb nesta segunda por regularização de área

Uma comunidade localizada em uma região de Felipe Camarão segue ameaçada de despejo por ação da Prefeitura Municipal de Natal. Através da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo (SEMURB), o executivo municipal vem enviado notificações para desocupação da área e multa para os moradores. Muitos deles residem na área desde a década de 60 e pagam IPTU, além das ruas terem recebido obras de urbanização e saneamento.

Localizado nas proximidades da Rua dos Campos e Rua da Fé, o terreno é ocupado por cerca de 100 famílias. A partir de uma sessão popular da Câmara, os moradores decidiram fazer uma manifestação na porta da SEMURB nesta segunda, 27/03, como forma de pressionar por uma resolução para o problema que não passe pela desocupação da área, dada a vulnerabilidade social e o tempo de permanência das pessoas na região. Segundo direcionamento tirado pelos próprios moradores, a manifestação na SEMURB está marcada para 9h30.

enviar comentário
Publicidade

Público deixou muito a desejar nos protestos deste domingo no Brasil

Fim do foro privilegiado

Os principais grupos que se mobilizaram em 2015 e no ano passado pelo impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff e contra o PT voltaram neste domingo, 26, às ruas – a defesa da Lava Jato, o fim do foro privilegiado e a reforma política estavam na pauta –, mas viram o público diminuir não só na manifestação em São Paulo, como em outras capitais do País.

Em março de 2015, protesto contra Dilma reuniu 1 milhão de pessoas na Avenida Paulista, segundo a Polícia Militar. Há um ano, ato pelo afastamento da petista atraiu, também conforme números oficiais, 1,4 milhão. Neste domingo, a PM não fez estimativa de público nem os organizadores Movimento Brasil Livre (MBL) e Vem Pra Rua. Apenas o grupo NasRuas informou que a manifestação na Paulista recebeu 10 mil pessoas.

Em Natal o público deixou muito a desejar, segundo informações que chegaram ao blog, cerca de 200 pessoas se concentraram no Midway.

Com informações do Estadão;

Foto: Estadão

Comentários (11) enviar comentário
  1. Césio R. Dantas disse:

    Será que ninguém enxerga que qualquer movimento sem o apoio da mídia televisada principalmente a rede Globo, não tem repercussão significativa.

  2. cabral disse:

    Não houve interesse da globo. E os coxinhas só obedecem a globo.

    • Matiniano disse:

      Lamentável ver que você continua torpe de raciocínio, parece ser um caso perdido.
      O movimento do povo de bem do Brasil não é financiado por ninguém, não há R$ 0,01 de nenhum partido, entidade de classe, sindicato ou mídia. São manifestações independentes que conta com pessoas produtivas que não recebem nada por isso.
      Bem diferente das manifestações manipuladas do PT onde tudo é financiado, com preço, tem show contratado de artistas para juntar mais gente, tem distribuição de pão com mortadela, camisas e bandeiras, tem promessa de cargo e ameaças de perdas de benefícios se não comparecer.
      Cabral você vê um mundo que não existe, e se está ruim, mude logo para Cuba ou Venezuela, países com o regime que vocês apoiam e acham que é o melhor para o povo. Vá viver a realidade que você gosta.

    • cabral disse:

      Nunca tinha visto tanta inocência junta. Cresce rapaz!

  3. Eduardo Cosme. disse:

    Os Patos amarelos, morreram afogados !!!! Bando de trouxas !!!!

  4. paulor disse:

    se fosse para brincar o carnaval essas avenidas estavam lotadas….o brasileiro não sai para defender os seus direitos…só sabe reclamar.

  5. escritor disse:

    Todos na rua. Contra a Corrupcao. kkkkkk. O Brasil ta mudando. So nao ver quem nao quer. kkkkkk. Vao para rua não lutar contra a reforma da previdencia, contra a reforma trabalhista, contra a terceirizacao não, e deixe está.

  6. Potiguara disse:

    Um mar de gente. Só que não

  7. João disse:

    Imprensa amiga é bom demais. Ajuda antes e depois, para atrair os otários a um movimento liderado por empresários e partidos corruptos. Caras de pau que apoiam a reforma da previdência e a trabalhista. Parece que os burros acordaram.

    • Potiguara disse:

      Verdade

    • Claudiomiro disse:

      Não João, você como bom petista inverteu a situação, os burros irão as ruas sim, para protestar, principalmente contra corruptos. Mas essas manifestações são feitas VOLUNTARIAMENTE, NÃO tem PARTIDO FINANCIANDO, NÃO tem CUT, CGT, TMST, MST por trás para bancar as despesas com recursos públicos, distribuir agrados, nem bancar o lanche de pão com mortadela e refresco.
      Vai quem tem o compromisso com o melhor para o Brasil, lá não tem ninguém atrás de cargo público e fica usando camisa vermelha e bandeira vermelha para mostrar apoio. Você ainda não entendeu não é João, tá certo, podemos compreender suas limitações, por isso apoia o pessoal de devastou os cofres públicos do país em nome do crescimento imoral e ilegal de 01 partido.

Publicidade

Tentando manter o foro, parlamentares mudam planos para 2018

O Estado de S.Paulo

O avanço da Lava Jato, com a expectativa da divulgação das delações da Odebrecht, está fazendo parlamentares repensarem seus planos para as eleições de 2018, quando estarão em disputa todas as 513 vagas da Câmara e dois terços das 81 cadeiras do Senado. Políticos buscam “caminhos” para manter o foro privilegiado e continuar sob a alçada do Supremo Tribunal Federal (STF), onde o ritmo é mais lento em comparação à primeira instância.

No Congresso, há pelo menos três movimentos nesse sentido. O primeiro é de senadores que queriam disputar governos estaduais, mas já pensam em não arriscar e devem tentar a reeleição. Outro movimento é de senadores que reconhecem a dificuldade que terão para se reeleger e cogitam disputar uma vaga para a Câmara. Há, ainda, deputados que pretendiam disputar o Senado, mas estão refazendo planos para tentar se manter no cargo.

No primeiro grupo está, por exemplo, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (CE), um dos 15 senadores do PMDB que devem disputar novo mandato na Casa. Eunício tinha planos de disputar de novo o governo do Ceará mas, segundo aliados, mudou de ideia. Para tanto, vem se aproximando do governador Camilo Santana (PT), que o derrotou em 2014.

Comentários (2) enviar comentário
  1. Hudson disse:

    Realmente são uns salafrários mesmo.
    Será possível que com tanta informação da mídia e provas expostas pela PF e LAVA JATO, ainda tem cidadãos que irão votar neste inergumenos?
    Não acredito e se isto ocorrer, então o povo que eleger estes corruptos, (que sabemos não se safar nenhum,) realmente merecem o destino e caos.

  2. cabral disse:

    Tenho pena deste país sem o PT. Volta Lula 2018.

Publicidade

‘Duvido que tenha um político no Brasil eleito sem caixa 2’, diz Marcelo Odebrecht

Marcelo Odebrecht (Foto: Agência Brasil)

O Estado de S.Paulo

O empresário Marcelo Odebrecht, ex-presidente e herdeiro do grupo que leva seu sobrenome, disse em depoimento ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), no início de março, que o financiamento ilegal de campanhas é tão comum no País que inclui todos os candidatos eleitos. “Duvido que tenha um político no Brasil que tenha se eleito sem caixa 2. E, se ele diz que se elegeu sem, é mentira, porque recebeu do partido. Então, impossível”, afirmou.

As declarações constam do depoimento prestado na ação que apura abuso de poder político e econômico pela chapa Dilma Rousseff-Michel Temer nas eleições de 2014. Naquele ano, além da então presidente, 1.626 pessoas conseguiram votos para ocupar os cargos em disputa.

No caso da Odebrecht, o empreiteiro pontuou que, dos recursos disponíveis para campanhas, 75% eram pagos fora do sistema oficial. “Caixa 2, para a gente, e eu acho que para todas as empresas, era visto como natural. Os valores definidos pelos candidatos eram tão aquém do que eles iam gastar que não tinha como a maior parte das doações não ser caixa 2. Era impossível”, declarou ao TSE.

Comentários (7) enviar comentário
  1. Ricardao disse:

    Até hj nunca descobriram e munca provaram nada do galego do alecrim, agora do PT conta nos dedos os honesntos.
    Zé Agripino tem meu voto

  2. claudio disse:

    Esse sabe das coisas !!!

  3. cabral disse:

    Um bandido condenando quem ele quer e bem entende, Sobre a orientação da quadrilha golpista.

    • Silva disse:

      Desculpa aí Cabral, mas ele sabe muito mais que vc, além de ter estudado mais e ter mais posses…. suas palavras soam apenas como revolta de um esquerdista derrotado,.,,, pronto ! falei !!!

    • cabral disse:

      Era melhor ter ficado calado, meu caro Silva.

  4. Impertinente disse:

    Alguém é capaz de diz dizer o que Marcelo está dizendo?

  5. Cobre disse:

    Como é? Como tem

Publicidade

Juiz federal manda soltar os três últimos presos temporários da Operação Carne Fraca

Os três presos da Operação Carne Fraca que tiveram a prisão temporária prorrogada foram libertados na tarde deste domingo (26). Rafael Nojiri Gonçalves, Antônio Garcez da Luz e Brandízio Dario Júnior estavam presos havia 10 dias na carceragem da Polícia Federal (PF), em Curitiba.

O juiz federal Marcos Josegrei da Silva determinou, no sábado (25), a soltura dos três. Josegrei e a PF argumentaram a libertação do trio dizendo que “as diligências preliminares que justificavam a medida de prisão temporária dos investigados estão cessadas”.

Os outros oito presos temporários, que também estavam na carceragem da PF em Curitiba, foram libertados na quarta-feira (22). Sidiomar de Campos, Celso Dittert De Camargo, Alice Nojiri Gonçalves e Luiz Alberto Patzer saíram por volta da 1h30.

 

G1

Comentários (3) enviar comentário
  1. cabral disse:

    Eu já sabia!!!!!!!

  2. Impertinente disse:

    Rápido para soltar por que?
    Ah, os envolvidos não são do PT…
    ISSO É UMA VERGONHA!!!

  3. anderson disse:

    Parece que a PF se lambuzou no sangue da carne podre. Quais interesses movimentaram essa operação? Será que rolou um café gourmet para chefes da PF vindo da Austrália, por exemplo?

Publicidade

Junta Médica do IPERN paralisará suas atividades nesta segunda; Veja Nota

Veja Nota abaixo:

 

A Junta Médica do IPERN paralisará suas atividades amanhã, segunda feira 26/03,
Em repúdio aos acontecimentos recorrentes de atos de abuso de autoridade, desrespeito e assédio moral contra a servidores médicos, assistentes sociais e outros profissionais pelo o Presidente do IPERN, Sr José Marlucio. Entendemos que esse tipo de prática na tem mais nenhum espaço no mundo atual. Participarão do ato o Presidente do CRM, o Presidente da Confederação Nacional dos Médicos, Associação Medica do RN e a assessoria jurídica dos respectivos órgãos. As Profissionais vítimas desse tipo de abuso entrarão com queixa crime por assédio moral. A OAB mulher já recebeu as denúncias e deverá se manifestar.

Comentários (5) enviar comentário
  1. Maria Lucena disse:

    Assédio moral é um servidor público doente, ter que validar o atestado médico na junta médica do IPERN, sair do interior de madrugada, chegar na juta e ficar esperando o médico chegar pra trabalhar na hora que ele quer.

  2. Flavio Andrade disse:

    No mínimo esse Presidente deve ser indicação de alguma dessas oligarquias que acham que os servidores públicos são seus serviçais e devem ser tratados na ponta do chicote. Ridículo esse tipo de procedimento externado na reportagem, por Presidente de um órgão que deveria dar o exemplo e merece todo repúdio da sociedade Civil organizada.

  3. Hoje disse:

    Assédio moral, abuso de autoridade, prepotência e desrespeito parece que estão na moda.

  4. Frasqueirino disse:

    É importante que o Sr. José Marlucio, presidente do IPERN também seja ouvido. Assim teríamos as versões das partes.

Publicidade