Publicidade

Receita exigirá mais informações do contribuinte na declaração de 2019

A Receita Federal vai exigir mais informações sobre os bens dos contribuintes no próximo ano. Além disso, será preciso informar o CPF de dependentes de qualquer idade. Em novembro do ano passado, a Receita publicou uma instrução normativa, que trata do Cadastro de Pessoas Físicas (CPF). Por essa norma, os contribuintes que desejarem incluir seus dependentes na declaração do Imposto de Renda de 2018 deverão fazer a inscrição do CPF caso tenham a partir de 8 anos. Até então, a obrigatoriedade valia somente para dependentes com 12 anos ou mais. A partir de 2019, a obrigação é para qualquer idade.

No caso dos bens, neste ano serão incluídos campos para as informações complementares, mas o preenchimento não será obrigatório. No próximo ano, será obrigatório prestar essas informações. O supervisor nacional do Imposto de Renda, auditor-fiscal Joaquim Adir, orienta os contribuintes a preencherem todos os campos na declaração a ser enviada neste ano para facilitar a importação de dados em 2019.

Para cada tipo de bem, será incluído um campo. Por exemplo, no caso de imóveis, será pedido a data de aquisição, área do imóvel, registro de inscrição em órgão público e no cartório. Para veículos, será pedido o Registro Nacional de Veículo (Renavam). A Receita também vai pedir o CNPJ da instituição financeira onde o contribuinte tem conta-corrente e aplicações financeiras.

Outra novidade deste ano é a informação sobre a alíquota efetiva utilizada no cálculo da apuração do imposto. A ideia é informar alíquota efetiva sobre os rendimentos menos as deduções.

Outra mudança é a possibilidade de impressão do Documento de Arrecadação de Receitas Federais (Darf) para pagamento de todas as quotas do imposto, inclusive em atraso.

O prazo para a entrega da declaração de IRPF começa no próximo dia 1º e vai até o dia 30 de abril. O programa de preenchimento da declaração estará disponível na próxima segunda-feira (26).

Com informações da Agência Brasil.

Comentário (1) enviar comentário
  1. Carlos. disse:

    Toda exigência para o coitado do assalariado, que não tem pra onde correr. Enquanto isso os bandidos continuam roubando o dinheiro do assalariado de vocês todos as maneiras. Assalto, roubo, corrupção, etc. Está na hora de nós, pobres coitados, começarmos a reagir de alguma forma, qualquer que seja, doa a quem doer!!?

Publicidade

Escritório do compadre e advogado de Lula recebeu R$ 68 milhões da Fecomércio/RJ

Além da prisão do presidente afastado da Fecomércio-RJ, Orlando Diniz, o maior foco da operação Jabuti, mais uma fase da Lava-Jato, deflagrada nesta sexta-feira, são cerca de R$ 180 milhões pagos pela entidade a alguns escritórios de advocacia nos últimos cinco anos.

O MPF suspeita que esses escritórios receberiam honorários para distribuir propinas.

O principal deles é o de Roberto Teixeira, advogado e compadre de Lula, que recebeu R$ 68 milhões.

Na lista do cinco maiores beneficiados, há ainda o Ancelmo Advogados (de Adriana Ancelmo); o Basilio di Marino e Faria Advogados; o Hargreaves & Advogados; e Ferreira Leão Advogados

Apesar disso, não há na decisão de hoje de Marcelo Bretas quaisquer medidas decretadas contra esses escritórios.

LAURO JARDIM

Comentários (2) enviar comentário
  1. Indignado disse:

    Sabia que alguém tava pagando essa conta.
    Esses medalhões da advocacia não saem de casa e Graça.
    Tão porque se briga tanto pra nomear os presidentes dessas entidades.
    Oh Brasil véi rico de povo besta!

  2. Silva da sillva disse:

    Pagaram também pro escritório da mulher do desbravador Sérgio Cabral 10. Milhões. Esse país é defenitivamente nos dias de hoje uma piada.

Publicidade

Ex-mulher teve papel-chave em investigação que levou a prisão presidente da Fecomércio/RJ

Em depoimento ao Ministério Público Federal (MPF), a ex-mulher de Orlando Diniz, Danielle Paraiso de Andrade Schneider, relatou detalhes dos hábitos de consumo do ex-marido. Entre eles, o de pagar todas as despesas pessoais em espécie. Segundo ela, em viagens internacionais, Diniz costumava levar mais de US$ 10 mil em dinheiro vivo e mantinha “gastos elevados”. Danielle declarou ainda que perguntava ao então marido a origem do dinheiro, que ele afirmava vir de “consultorias”.

Ela foi uma das testemunhas a revelar aos procuradores a relação do ex-marido com o ex-governador Sérgio Cabral. Em seu testemunho, atesta que “para o sucesso de suas empresas contava com a ajuda de Cabral, que lhe indicaria vários clientes”. De acordo com a investigação, o presidente da Fecomércio “adeiriu à Organização Criminosa de Cabral para lavar dinheiro próprio”. O esquema incluia “contratos para dar aparência de licitude ao dinheiro arrecadado pela Organização Criminosa, um grande volume de movimentação financeira e repasse a pessoas jurídicas, com contratos fictícios, sobre serviços não executados”.

Danielle e Diniz foram casados por oito anos. Viviam entre o apartamento no Leblon, vizinhos ao então governador Sérgio Cabral, e a casa de praia em Mangaratiba. Entre obras de arte caras e vinhos raros, o casal mantinha uma vida de luxo. O casal se separou em 2015.

A ex-mulher de Diniz relatou ainda detalhes do período de 17 anos que trabalhou no SENAC. Em 2008, começou a se relacionar com o presidente da Fecomércio. Ela, então, relata que, a partir de 2014, Diniz passou a exercer controle sobre os diretores do chamado sistema S — antes, segundo ela, seu papel era de “representação institucional”. Nenhuma negociação superior a R$ 2 mil era realizada sem autorização dele, relatou ela ao MPF. Ela deu ainda detalhes sobre a contratação do advogado Roberto Teixeira, compadre do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Danielle não é a primeira ex-mulher a ajudar a desvendar esquemas ou supostos crimes de empresários e políticos. Em São Paulo, Nilcéia Pitta, ex do então prefeito Celso Pitta, foi peça-chave na investigação que tornou seu ex-marido réu em treze ações civis públicas, em 2000. Ele chegou a perder o cargo na Justiça no caso conhecido como “escândalo dos precatórios”. O desvio, segundo a Justiça chegou a R$ 3,8 bilhões. Pitta morreu em 2009.

O GLOBO

Comentários (2) enviar comentário
  1. Indignado disse:

    Pense num negócio perigo pra corrupto!
    Pensou?
    Pensou na PF. No ministério público federal. Em Sérgio Moro.
    Errou!
    É divórcio!
    Primeiro mandamento do corrupto: seja fiel e agrade sua esposa!
    Oh Brasil véi rico de povo besta!

  2. Nizardo Wanderley disse:

    A mulher deve saber do marido, apenas o básico, pois quando se separa, vira a pior inimiga deste. Isso vem desde a época de Sansão e dalila e ela nem precisou ser "ex" para destruir seu marido.

Publicidade

Líder do PCC morto em SP é suspeito de participar de assassinato de Gegê do Mangue em Fortaleza

POR ESTADÃO CONTEÚDO

O suposto líder do Primeiro Comando da Capital (PCC) na Baixada Santista, Wagner Ferreira da Silva, o “Cabelo Duro”, que foi assassinado nessa quinta-feira, 22, em São Paulo, era suspeito de participar dos assassinatos de Rogério Jeremias de Simone, o “Gegê do Mangue”, e Fabiano Alves de Souza, o “Paca”. A Justiça do Ceará havia expedido mandado de prisão temporária contra ele e outras cinco pessoas.

As outras pessoas suspeitas são Francisco Cavalcante Cidro Filho, José Cavalcante Cidro, Samara Pinheiro de Carvalho, Magna Ene de Freitas e Felipe Ramos Morais. Este último é apontado como o piloto do helicóptero que levou Gegê e Paca para serem mortos em Lagoa Encantada, na reserva indígena Jenipapo Kanindé, em Aquiraz, na Região Metropolitana de Fortaleza.

A juíza da 1ª Vara da Comarca de Aquiraz afirma, na decisão, tratar-se de “representação por prisão temporária, postulado pela autoridade policial da Delegacia de Representação às Ações Criminosas, com objetivo de elucidar as circunstâncias em que ocorreu o duplo homicídio”.

“Cabelo Duro” estava citado em bilhete apreendido pela Polícia no domingo, 18, na Penitenciária 2 de Presidente Venceslau. Ele foi morto na noite dessa quinta, com tiros de fuzil, na frente do Blue Tree Towers, na zona leste de São Paulo.

O bilhete, apreendido por agentes penitenciários com o parente de um preso, indica que Marcola, chefe do PCC, mandou matar Gegê e Paca, acusados de roubar R$ 20 milhões da organização criminosa e comprar imóveis no Ceará e fazendas na Bolívia.  Segundo o bilhete, a operação para matar os dois foi organizada por Gilberto Aparecido dos Santos, o “Fuminho”. Hoje sócio de Marcola, ele era o gerente dos negócios do líder do PCC no Paraguai.

Wagner é citado duas vezes no bilhete: “Ontem, fomos chamados em umas ideias, aonde nosso irmão Cabelo Duro deixou ‘nois’ ciente que o Fuminho mandou matar o GG e o Paka. Inclusive o irmão Cabelo Duro e mais alguns irmãos são prova que os irmãos estavam roubando (sic)”. Ele foi assassinado horas depois de o bilhete ser divulgado.

O piloto Felipe Ramos Morais já é conhecido pela Polícia do Ceará. Em 2014, foi condenado à prisão por tráfico internacional de drogas e associação ao tráfico depois de ser preso, em 2012, com um grupo que transportava 174,8 quilos de pasta-base de cocaína vinda da Bolívia. A droga estava dentro de seis sacos de ráfia. Um dos réus disse, na época, que Felipe e outros dois pilotos presos com ele receberiam R$ 700,00 por quilo transportado.

‘Cabelo Duro’ havia se hospedado duas vezes no hotel em 2017

Segundo informações da Polícia Civil, Wagner Ferreira da Silva havia se hospedado duas vezes no ano passado no Hotel Blue Tree Towers, onde foi morto na noite dessa quinta-feira, 22. Uma funcionária do hotel relatou aos policiais que Cabelo Duro não estava hospedado no dia da execução, mas uma consulta por seu CPF confirmou que ele havia ficado alojado lá em agosto e em dezembro de 2017. Nas duas ocasiões, a hospedagem durou um dia e foi feita sem reservas.

A Perícia encontrou no local 31 cápsulas de fuzil, calibres 5.56 e 7.62. Após os disparos, a vítima ficou caída de barriga para baixo e teve o crânio esfacelado. Na hora do crime, Cabelo Duro portava documentos, seis celulares e R$ 4.930, que foram apreendidos pela polícia.

Uma hóspede que estava na entrada do hotel também foi baleada, assim como uma amiga dela, que não estava hospedada. As vítimas, de 28 e 59 anos, não correm risco de morte, segundo a assessoria do hotel.

Acompanhadas de familiares, elas iriam sair juntas na hora do crime. Uma foi atingida por um tiro de fuzil na perna e encaminhada ao Hospital Vitória. A outra, atingida na mão e na região do tórax, foi socorrida ao Hospital São Luiz.

enviar comentário
Publicidade

PF encontra remessa da Odebrecht a ex-dono do terreno do Instituto Lula

POR ESTADÃO CONTEÚDO

perícia do sistema de propina da Odebrecht identificou os pagamentos da empreiteira, no Brasil e no exterior, para a compra do terreno do Instituto Lula. Os documentos comprovam as declarações do empresário Marcelo Odebrecht que, em delação premiada, afirmou ter combinado com o presidente do Instituto Paulo Okamotto e o pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a compra do terreno.

Nesta semana, a defesa de Marcelo Odebrecht apresentou ao juiz Sérgio Moro 21 trocas de e-mails que mostram como a empreiteira organizou os pagamentos. Num dos e-mails, o ex-diretor da Odebrecht Realizações Imobiliárias Paulo Melo pede que executivos do setor de propinas programem três pagamentos de R$ 1,057 milhão. São os mesmos valores que aparecem na planilha Italiano relacionados à linha “Prédio IL”.

De acordo com as investigações da Lava Jato, “italiano” é o ex-ministro petista Antonio Palocci, que já confessou em depoimento ter gerenciado propinas ligadas ao PT.

A perícia encontrou, na contabilidade do sistema “Drousys”, usado pela Odebrecht para controlar as remessas ilegais, pagamentos para o condinome “Belluga”. De acordo com as investigações, os repasses para “Belluga” tinham como destinatário contas ligadas a DAG Construtora, empresa usada pelo empreiteira baiana para comprar o terreno do Instituto. A perícia afirma que os pagamentos tiveram como beneficiários as offshores Beluga Holdings LTD, Jaumont Services Limited e a DAG Construtora.

A perícia ainda aponta a DAG Construtora, o engenheiro Glaucos da Costamarques e o escritório Teixeira, Martins Advogados como ‘beneficiários físicos’ dos repasses atrelados ao codinome ‘Beluga’.

Em um dos trechos do documento, anexado ontem pela Polícia Federal nas investigações de compra do terreno do Instituto, a PF diz que há indícios de que parte dos repasses feitos a DAG teriam tido como destino final o empresário Glaucos Costamarques. O valor total retirado da conta de propina sob o codinome seria de R$ 1,034 milhão e Glaucos da Costamarques teria recebido R$ 800 mil por meio da DAG.

Costamarques é dono do imóvel alugado pelo ex-presidente Lula em São Bernardo do Campo (SP). A locação é investigada na mesma ação em que foi anexada a perícia. De acordo com o Ministério Público Federal, que denunciou Lula e Glauco da Costamarques pela prática do crime de lavagem de dinheiro, o apartamento foi adquirido para o ex-presidente e sua real propriedade foi dissimulada por meio de um contrato de aluguel. O imóvel, avaliado em R$ 504 mil, constituía parte do montante de R$ 800 milprovenientes da Odebrecht.

A defesa de Lula afirma que a cobertura usada pelo ex-presidente é alugada de Glaucos Costamarques. Glaucos, no entanto, disse em depoimento que nunca recebeu aluguel. O Instituto Lula nunca usou o prédio comprado pela Odebrecht em nome da DAG e, em depoimento, Lula afirmou que chegou a visitar o imóvel, mas considerou a localização inadequada e, por isso, não aceitou.

O juiz Sergio Moro deu prazo de 15 dias para a defesa de Lula e para o MPF analisarem os arquivos periciados.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO CRISTIANO ZANIN MARTINS, QUE DEFENDE LULA

“A perícia realizada pela Polícia Federal nos autos da Ação Penal nº 5063130-17.2016.4.04.7000/PR, não estabeleceu qualquer vínculo entre contratos da Petrobras com os imóveis indicados na denúncia e muito menos apontou o pagamento de qualquer vantagem indevida a Lula, como sempre foi afirmado pela defesa do ex-Presidente.

Lula jamais solicitou ou recebeu da Odebrecht ou de qualquer outra empresa imóvel destinado ao Instituto Lula, que funciona no mesmo local desde 1991. Tampouco solicitou ou recebeu a propriedade do apartamento que é locado pela família, mediante o pagamento de aluguéis.

Lula jamais praticou qualquer ato para favorecer a Odebrecht ou qualquer outra empresa no cargo de Presidente da República, tampouco pediu ou solicitou vantagens indevidas.

A mesma perícia destacou que não conseguiu “colocar em funcionamento o sistema MyWebDay” e que a análise foi realizada com base “fragmentos de relatórios financeiros, todos em formato PDF” entregues pela Odebrecht, que não servem para fazer prova de qualquer fato. Reforça esse entendimento os peritos da Policia Federal terem identificado arquivos que foram modificados após o MPF ter recebido o material da Odebrecht (página 82 do laudo)”.

CRISTIANO ZANIN MARTINS

Comentário (1) enviar comentário
  1. Indignado disse:

    Omi, isso deve ter sido doação.
    Tem nada a ver com compra e venda.
    Muito menos, ainda, com troca de favores.
    Oh Brasil véi rico de povo besta!

Publicidade

Juíza explica condenação de Robinho por estupro: “Desprezo absoluto”

(Foto: MacNicol/AFP/Getty Images)

De acordo com a agência italiana de notícias ‘ANSA’, uma juíza da nona seção do Tribunal de Milão, na Itália, divulgou nesta quinta-feira os motivos que levaram a condenação de Robinho por “violência sexual em grupo” contra uma jovem albanesa.

Segundo o relatório, o atacante brasileiro e seu amigo Ricardo Falco demonstraram “desprezo absoluto” pela jovem “exposta a humilhações repetidas, bem como a atos de violência sexual pesados”, descrito em suas “conversas interceptadas”.

“Termos chulos e desdenhosos, sinais inequívocos de falta de escrúpulos e quase consciência de uma futura impunidade”, diz o texto, ressaltando que “isso levou o acusado até mesmo a rir várias vezes do incidente, destacando assim um absoluto desrespeito pela condição da vítima”.

Atualmente Robinho está jogando pelo Sivasspor, da Turquia, e marcou dois gols na vitória da equipe no último final de semana, pelo Campeonato Turco.

O caso

O fato ocorreu em 22 de fevereiro de 2013, quando Robinho ainda defendia o Milan e a vítima tinha 22 anos. A investigação mostra a que houve participação de cinco pessoas, além do jogador, mas apenas Ricardo Falco foi identificado. O processo contra os outros foi suspenso porque os réus não foram encontrados. A condenação para Robinho e Falco é de nove anos de prisão.

A juíza Mariolina Panasiti, juntamente com Piera Gasparini e Simone Luerti, decidiu pela pena após “avaliar a personalidade dos perpertradores de abuso”.

Para a Corte a jovem que foi estuprada ainda mostra sinais de “trauma psíquico”. Isso é observado no testemunho. “Uma história caracterizada agora por emoção intensa, por tons subjugados, típicos de uma pessoa que chegou com esforço para fazer a queixa, e isso parece particularmente fraco diante do caso”.

No depoimento a vítima afirma que já conhecia Robinho e alguns de seus amigos e estava com o grupo e outras duas amigas no Sio Café, em Milão, para uma festa de aniversário. Em certo momento, as amigas foram embora e Robinho teria levado sua esposa para casa.

Ainda de acordo com a jovem, os réus ofereceram bebida até “deixá-la inconsciente e incapaz de se opor”. Na reconstrução feita pela Procuradoria, o grupo levou a albanesa para o guarda-volumes da boate e, se aproveitando do estado de embriaguez, manteve “múltiplas e consecutivas relações sexuais com ela”.

A defesa afirma que não há nenhuma prova de que a vítima não tenha consentido com a relação nem de que ela teria ingerido bebida alcoólica. A assessoria de Robinho diz que ele “já se defendeu das acusações, afirmando não ter qualquer participação no episódio”.

Globo Esporte

 

enviar comentário
Publicidade

Toffoli: “Servidor público quer trabalhar pouco, ganhar bem e aposentar cedo”

O ministro Supremo Tribunal Federal (STF) José Antonio Dias Toffoli criticou na manhã desta sexta-feira (23/02) o fato de nenhum partido, a seis meses das eleições, possuir um projeto nacional.

“Hoje, qual é o projeto do PT, do DEM, do PSDB? Não temos nada”, criticou o ministro. Há 20 anos, segundo Toffoli, era possível identificar com maior facilidade os projetos nacionais de cada partido político.

A crítica foi proferida durante o evento sobre a “Transparência do Poder Judiciário e Pesquisa Empírica no Direito”, realizado na escola de Direito da FGV-SP.

De acordo com o ministro, parte desta falta de projeto é explicada pela ausência de uma “elite nacional” que pense o país de forma racional. “O Congresso que temos é o Congresso que foi eleito. Não há projeto nacional — o que interessa são os interesses econômicos, culturais e políticos das bancadas”, disse.

Quem ocupa o lugar da “elite nacional”, segundo Toffoli, são os grupos de interesse, como os servidores públicos e as bancadas ruralista e evangélica. “O servidor público, por exemplo, quer trabalhar pouco, ganhar bem e aposentar cedo. Quem não quer tudo isso? Não tenho nada contra esses interesses, mas eles existem”, declarou.

Transparência e Judiciário

O ministro também afirmou que o STF não pode ser um “clube de amigos”, mas negou que o órgão esteja dividido. Para ele, as discussões e argumentações nas sessões são normais. “É assim que tem que ser”, disse.

O poder Judiciário é o mais transparente de todos, para Toffoli. ” Um deputado só precisa apertar um botão de sim ou não, sem dar satisfação. Em minhas decisões, preciso dar fundamentação, seguir uma linha jurídica, preparar uma argumentação”, argumentou.

Toffoli também citou dois grandes marcos da transparência no Judiciário: as criações da TV Justiça e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). No caso da TV Justiça, o ministro acredita que a transmissão das sessões do STF tornaram os votos mais longos e mudou o comportamento dos advogados nas sessões. Entretanto, ele negou que o canal de transmissão tenha influência nas decisões e votos dos ministros.

Para ele, o principal benefício da TV Justiça foi a democratização e a “possibilidade de o STF entrar na casa de todos os brasileiros”. De acordo com Toffoli, na sociedade contemporânea, não é sustentável realizar sessões com as portas fechadas. “É muito bom quando o brasileiro discute alguma decisão do STF na mesa do bar. Isso mostra que a Constituição tem um valor”, disse.

Sobre o CNJ, cuja presidência será exercida pelo ministro ainda neste ano, Toffoli disse que pretende se reunir com os próximos três prováveis presidentes do órgão para fazer um planejamento de médio prazo e implementar uma certa continuidade nos projetos.

JOTA

Comentários (13) enviar comentário
  1. Invocadão. disse:

    Rapaz, esse ministro merece um óleo de peroba para passar nessa cara de pau.

  2. Indignado disse:

    Falou o concursado!
    Num país onde quem não passa em concurso de magistratura vira Ministro.
    Só se pode ouvir esse tipo de piada.
    A não ser que ele tenha incluído nesse pacote “servidores públicos” a classe da magistratura, e membros do mp, aí teria alguma razão.
    Oh Brasil véi rico de povo besta!

  3. Silas Dantas disse:

    Ele pode falar porque é um exemplo de quem nunca fez nada.

  4. Amigo disse:

    Jamais foi aprovado em concurso.

  5. Mily disse:

    Doa a quem doer! Mais falou a mais pura verdade.

  6. Helio Mota disse:

    Deixa ver se entendi.
    Quem disse isso foi o Ministro do STF que nunca passou num concurso público? Que nunca escreveu sequer um artigo científico? Que nunca fez um mestrado? Aquele com condenação por improbidade no Amapá? Que entrou no serviço público pela janela? Ahhh… então tá.

  7. Sandro Alves disse:

    Vixe! O que aconteceu com este mministro que caiu de para quedas no STF devido o PT?
    Nunca foi se quer juiz. Ele é um homem que nasceu com o cú pra lua.

  8. Zé Guerreiro disse:

    Advogado do PT indicado para o STF por Lula, mesmo sem ter qualificação para tal.

  9. Tomaz disse:

    Há quanto tempo este senhor pediu visto ao processo que trata do forom prviilegiados?

  10. João Carlos disse:

    E esse Ministro é o que? Falando dele mesmo né.kkkk
    Então ele quer que todos os servidores públicos sejam da mesma igualha do Judiciário muito bem princípio da isonomia. Isso aí seu Tóffole gostei tem que ser igual pra todos ganhar muito bem e trabalhar muito pouco só o senhor e seus amigos terem direito não é justo.kkkkkkk
    Esse é o nosso Brasil.

  11. Alexandre Magno disse:

    Mais pura Verdade

  12. Bruno Moura disse:

    E voce quer ganhar auxilio moradia quando ja vive em mansão!!!

  13. Charles disse:

    Resumiu a própria classe dele, simples e objetivo.

Publicidade

Menina de 9 anos, que está na UTI, andou 4 Km para pedir ajuda após acidente com kombi escolar em MG

Onze crianças vítimas de um acidente com uma Kombi nesta sexta-feira (23) em São João Batista do Glória (MG) continuam internadas na Santa Casa de Passos (MG). Uma delas, uma menina chamada Stephany, de 9 anos, que está na UTI, conseguiu sair do veículo e caminhou por cerca de 4 Km para pedir ajuda.

Ao todo, 13 pessoas ficaram feridas no acidente, sendo três crianças com suspeita de traumatismo craniano. Assim que o veículo caiu na ribanceira, a menina conseguiu sair do carro.

Ela subiu o barranco, de cerca de 20 metros e foi direto à pousada mais próxima, que fica a 4 Km do local do acidente. Chegando lá, ela encontrou alguns turistas, entre eles um bombeiro e um médico. Eles foram os primeiros a socorrer as vítimas.

“Quatro quilômetros para pedir socorro, foi um milagre de Deus, como ela saiu de dentro dessa van. Deus vai trazer ela sã de volta porque elas foram heroínas”, disse a avó da menina, Maria Luzia da Silva.

No veículo, estavam um adulto e 12 crianças e adolescentes com idades entre 5 e 15 anos. Os 13 foram atendidos no hospital da cidade e também na Santa Casa de Passos.

Segundo a Santa Casa de Passos, três crianças, entre elas a menina Stéphany, passaram por cirurgia e estão na UTI. Outras oito estão em observação no setor de urgência. Ainda não se saba o que pode ter provocado o acidente.

 

G1

enviar comentário
Publicidade

Polícia investiga quadrilha disfarçada de policiais federais que assaltam na Zona Sul do Rio

A Polícia Civil do Rio de Janeiro investiga uma quadrilha de assaltantes que se vestem como policiais federais para a prática de crimes na Zona Sul do Rio. A tática utilizada pelo grupo é anunciar na portaria dos prédios que integram a equipe da Lava Jato e assim conseguem ter acesso, sem resistência ou violência, ao interior dos edifícios. Na ação mais recente, na manhã desta quinta-feira, às 6h, a quadrilha roubou R$ 110 mil em dinheiro no interior de um apartamento no Leblon.

Os policiais suspeitam que Paulo Roberto da Silva Taveira, conhecido como Cara Preta , faça parte da quadrilha. Cara Preta foi preso em 2009 por agentes da Delegacia de Roubos e Furtos. Na ocasião, ele e sua quadrilha praticava assaltos vestido com uniformes do Correios.

De acordo com testemunhas, deste crime no Leblon, quatro homens e uma mulher se apresentaram ao porteiro do prédio como integrantes da Polícia Federal. Um homem vestia terno e dizia ser delegado. Os outros quatro vestiam coletes da PF. O grupo forjou um mandado de busca e solicitou na portaria que queria ir em um apartamento específico. O morador autorizou a ida dos falsos policiais ao imóvel.

Atendidos pelo morador, que é arquiteto, os falsos policiais informaram que investigavam sonegação de imposto. Uma das vítimas pediu para ter acesso ao teor do mandado mas foi impedida pelos integrantes do grupo que assim tiveram acesso ao interior do imóvel.

Os policiais falsos ainda informaram logo que entraram que buscavam o computador da família. Já no interior do apartamento, eles começaram, pelo escritório, a buscar bens simulando uma busca autorizada pela Justiça.

A vítima chegou a pedir aos falsos agentes para que não levassem o computador que é seu instrumento de trabalho. Na revista, eles encontraram algo em torno de R$ 70 mil em dinheiro em notas de dólares e euros. A partir daí, segundo a vítima, a quadrilha passou a ser agressiva.

Mais R$ 1 mil foram encontrados em pastas e gavetas do escritório. Já no quarto, no criado mudo, o grupo encontrou mais R$ 40 mil. Ainda foram levados pela quadrilha um tablet, o computador e óculos de sol. Na saída, eles amarraram o casal e dois porteiros que após autorizar a entrada no imóvel foram verificar o que estava acontecendo.

 

G1

Comentário (1) enviar comentário
  1. Antônio disse:

    Daqui a pouco ninguém mais vai querer deixar a polícia federal fazer operações…

Publicidade

Lei da Majoração das Diárias Operacionais é sancionada

Foi sancionada nesta sexta, 23, em Diário Oficial, a lei da majoração das Diárias Operacionais, que passará dos atuais R$ 50,00 para R$ 107,40 para os servidores públicos, civil ou militar, vinculados a segurança pública. Veja abaixo todos os detalhes:

 

Comentários (6) enviar comentário
  1. Ciro Coelho disse:

    O governador não ganha mais nem para o Conselho de bairro. As chances dele ir para a cadeia é grande, possivelmente, seja preso pela operação lava jato, porque caso não seja eleito, perca o foro privilegiado.

  2. Ciro Coelho disse:

    Realmente, o governador fará de tudo para tentar a reeleição ou talvez a renúncia para se candidatar a uma vaga na assembleia legislativa, mas ele não está com essa credibilidade toda. Como falou um internauta: "esse governador não mais nem para presidente de Conselho de bairro." Ele que se cuide , caso perca o direito ao foro privilegiado, em não sendo eleito para qualquer cargo eletivo, as dele ser alcançado pela lava jato aumenta e ter seus dias contados na cadeia, que é o local dele.

  3. Tomaz disse:

    E o arrego e os bicos?

  4. Roberto disse:

    Chegando às eleições quê enganar o povo, governador, você é seu filho não ganham nem prá presidente de conselho.

  5. Indignado disse:

    Isso é uma vergonha.
    Mesmo depois do aumento os polícias ganharão por um dia de trabalho, arriscando a vida, o que uma rapariga ruim ganha em um hora!!!
    Eita rn veio sem sorte!!!

  6. Cabo pmrn disse:

    Fala sério… num paga 50,00, vai pagar 100,00🤔 tenho diária de novembro/2017 dezembro/2017 para receber, não tenho de jan/18 pq parei de tirar, papai Noel engana mininuuuu, eu mesmo nao😡

Publicidade

Ministro preferiu evitar prejuízos à cidade e decidir caso em análise final ao manter Hélio Miranda prefeito de Guamaré

por Dinarte Assunção 

Ao manter o prefeito de Guamaré, Hélio Miranda, no cargo, o ministro Luiz Fux considerou que a decisão final deve ser tomada no mérito do caso e que o afastamento iria causar insegurança a Guamaré e desrespeitar a decisão popular.

Preferiu, portanto, a análise derradeira, e não transitória.

“Para o Ministro Luiz Fux a discussão travada no caso do Hélio possui natureza eminentemente constitucional, de modo que entendeu ser prudente aguardar a apreciação de recurso interposto pela defesa, cabendo ao STF pacificar a matéria de forma definitiva. Com isso o ministro evitou indesejável descontinuidade na administração municipal, reforçando e privilegiando a vontade popular”, reforçou o advogado Sanderson Mafra.

Comentário (1) enviar comentário
  1. M. Vinicios disse:

    Não sou da Cidade, tampouco voto por lá, mas sempre a serviço em Guamaré vejo que o cara trabalha bem!

Publicidade

Polêmica do auxílio-moradia está ‘desconfortável’, diz presidente do TRF-4

O presidente do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), o juiz federal Carlos Eduardo Thompson Flores, disse nesta sexta-feira (23) que há desconforto entre os magistrados com adiscussão levantada nos últimos meses sobre a concessão de auxílio-moradia.

“Não vamos negar que isso está desconfortável para a magistratura. Então o que o Supremo [Tribunal Federal] decidir, tem que ser acatado”, afirmou em evento em São Paulo, ao ser questionado pela Folha sobre o tema.

O tribunal que Thompson preside, sediado no Rio Grande do Sul, revisa as ações da Lava Jato julgadas por Sergio Moro. Em janeiro, a oitava turma, composta de três juízes federais, aumentou a pena do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para 12 anos e um mês de prisão.

A defesa de Lula apresentou recurso e nega as acusações.

Thompson afirmou que recebe o auxílio e tem imóvel próprio. Indagado se tinha uma posição sobre o recebimento do benefício, disse apenas que “uma coisa é certa: o que eles [ministros do STF] decidirem,vamos acatar”.

“O auxílio-moradia foi uma decisão judicial do Supremo que se estendeu a toda a magistratura. Então o Supremo [Tribunal Federal] irá decidir agora se é devido ou não é devido”, acrescentou.

O tema está pautado pelo Supremo Tribunal Federal para o dia 22 de março. Desde setembro de 2014, por força de liminares (decisões provisórias) do ministro Fux, todos os juízes federais passaram a ter direito ao auxílio-moradia, hoje no valor de R$ 4.378, sem que o assunto fosse analisado pelo plenário.

No início deste mês, uma série de reportagens da Folha abordou o auxílio-moradia, que beneficia, por exemplo, ministros de tribunais superiores que têm casa própria em Brasília e juízes de todo o país donos de imóveis nas cidades onde atuam, inclusive dois dos três que julgaram Lula, Leandro Paulsen e Victor Laus.

NIXON
Na tarde desta sexta, Thompson Flores discursou por mais de uma hora na Amcham (Câmara Americana de Comércio), na Zona Sul da capital paulista.

Ele fez um paralelo entre a situação do ex-presidente dos Estados Unidos Richard Nixon e a situação atual do Brasil. Nixon renunciou em 1974, em meio a um escândalo de escutas clandestinas conhecido como Watergate.

Disse que estamos em uma fase da democracia similar ao período de Watergate, quando Nixon foi implicado por “obstrução de Justiça e suas consequências e pelo fato de ter mentido ao país”.

Para ele, se mantida a condenação de Lula em segunda instância, ele não terá “recursos fáceis” ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) e ao STF, “porque nem o STJ nem o Supremo Tribunal Federal examinam provas”.

“Esse quadro fático já foi definido. Que é que o supremo e o STJ poderão examinar? Questões de direito. Mas eles não vão ler depoimentos de testemunhas”, disse.

O magistrado voltou a defender que a execução de pena aconteça após decisão de segunda instância e afirma que a Lava Jato tem julgado os casos “não rápido demais e também não demasiadamente demorado”.

Folhapress

Comentários (6) enviar comentário
  1. Eliane Patrício disse:

    Tem que acabar com estes previlégios eles não são melhores que a gente que não temos dereito nem uma saúde de qualidade nem muito menos educação e também segurança pública
    Infelizmente sempre samos nós que pagamos tudo.

  2. Tomaz disse:

    Desconforto com eles no bolso.Descrédito!

  3. Indignado disse:

    Omi, esse dr sabe o que é desconforto não.
    Desconforto dr: é criar uma família com salário mínimo, não é ganhar mais de 4 vezes o mínimo só pra gastar com moradia.
    Agora imagine como a dignidade é relativa. Um trabalhador tem que: comer, vestir e morar, ele é sua familia com novecentos e poucos reais.
    As excelências precisam de 4000 só pra morar e falam em desconforto.
    Eita Brasil rico de povo besta.
    Num país sério por menos do que isso se reativavam as guilhotinas.
    “QUE COMAM BRIOCHES”

    • Raymundo disse:

      Mas é simples. Eu tive alunos com 80 anos terminando a faculdade. Assim, estude, forme-se e pegue um melhor emprego (lógico que deve ser bom no que fizer). Assim, não terá apenas os salários mínimos como referência. O juizes têm que partir do jardim de infância para chegar onde estão. Tenho aproximação de um e sei que luta é grande.

    • Tomaz disse:

      Só lembrando,mesmo que tenha casa própria e mais imóveis alugados.Detalhe a não ser esquecido duas ferias anuais

  4. Beto disse:

    Desconfortável, é pra quem tá pagando!

Publicidade