Publicidade

‘Ninguém pode ser obrigado a fazer nada’, diz Crivella sobre ausência no carnaval

Por interino

Crivella canta em cerimônia no Aterro – Gabriel de Paiva / Agência O Globo

Mesmo sem anunciar a agenda no dia do aniversário do Rio, o prefeito Marcelo Crivella esteve presente na apresentação da Banda da Guarda Municipal e do grupo vocal Uma Só Voz, no monumento a Estácio de Sá, no Aterro do Flamengo. O evento aconteceu na manhã desta quarta-feira.

Na cerimônia, o prefeito comentou sobre o fato de não ter comparecido à entrega da chave da cidade ao Rei Momo, na última sexta-feira, e a nenhum outro evento oficial da folia do Rio:

— Nós temos que respeitar as pessoas. Ninguém pode ser obrigado a fazer nada. Esse assunto já está superado. A agenda do prefeito deve ser cumprida, o que não necessariamente é a agenda da imprensa — alegou Crivella.

No discurso de abertura, o prefeito destacou que o Rio é um exemplo extraordinário de encontro de povos, com um “caldeirão racial” único. Segundo Crivella, ainda há coisas para se lamentar, mas também muitas outras a serem comemoradas.

— Se Estácio de Sá estivesse aqui, fazendo um balanço após esses 452 anos, ficaria orgulhoso da gente — acredita o prefeito do Rio, que deu uma palinha da sua música “Rio de Janeiro” junto com a banda.

O Globo

Comentários (2) enviar comentário
  1. Gustavo Melo disse:

    Um belo exemplo de como se governar com pré conceitos e além de tudo de como será a política e religião andando de mãos dadas, palmas para um Rio de Janeiro plural !!!

  2. paulo disse:

    BG
    O Rio de janeiro sempre "Inovando" Mario Juruna, Freixo, jean wyllys e agora Crivella. Eu acho é pouco.

Publicidade