Publicidade

Padre fazia orgia com menores em casa paroquial, regada à bebida alcoólica na PB, diz promotor

O Ministério Público da Paraíba (MPPB), através da Promotoria de Jacaraú, vai interrogar nesta quarta-feira (26), adolescentes que tiveram relações sexuais com o padre Adriano José, pároco de Jacaraú, no Litoral Norte do Estado. De acordo com o promotor Marinho Mendes, as orgias sexuais, que ocorriam dentro da casa paroquial e motéis, eram regadas à bebidas alcoólicas. A Arquidiocese da Paraíba confirmou que ele está suspenso de ordem, ou seja, impedido de realizar missas. O padre Jaildo Souto também teve às ordens suspensas suspeito de abuso sexual.

O promotor revelou que as investigações contra o padre Adriano José iniciaram em novembro de 2013, quando furtos foram registrados na casa do sacerdote. “Os menores suspeitos pelos crimes foram interrogados e daí eles revelaram que não roubaram, mas que receberam do padre após relações sexuais com ele”, disse Marinho Mendes.

Após depoimentos, o Ministério Público da Paraíba e a Polícia Civil abriram investigações e já confirmaram o envolvimento do padre Adriano José com 10 adolescentes. “Os rapazes entre 12 e 17 anos, disseram que recebiam entre R$ 50 e R$ 200 para se relacionar com o padre. Eles ainda disseram como ocorriam os encontros sexuais e as farras tanto na casa paroquial como em motéis da região. Os menores confirmaram que recebiam também presentes e sempre viajavam com o sacerdote”, comentou o promotor de Justiça.

O MP ainda disse que um material publicitário começou a circular na cidade denunciando o envolvimento do padre com rapazes menores de idade. O escândalo tomou proporção e o padre foi afastado das funções de sacerdote.

A Arquidiocese da Paraíba confirmou que o padre Jaildo Souto também foi afastado das funções eclesiástica suspeito de manter relações com um menor. Antes a entidade religiosa afirmada que o desligado do sacerdote era por motivo de saúde. Ele está suspenso de realizar missas e fazer batismo.

Padre Jaildo é investigado por abuso sexual na cidade de Pitimbú, Litoral Sul do estado. A Polícia Civil investiga o envolvimento dele com um rapaz, que hoje tem 21 anos, mas na época dos encontros sexuais o jovem tinha 15 anos.

Portal Correio UOL

enviar comentário
Publicidade

Padre pede desculpas após cantar e dançar "Show das Poderosas", de Anitta

o-autor-da-performance-padre-hewerton-de-castro-alves-pediu-desculpas-pela-escolha-do-repertorio-1390568410056_615x300O vídeo de um padre cantando e dançando uma versão de “Show das Poderosas”, hit de Anitta, virou sucesso nas redes sociais e gerou controvérsia na paróquia Santa Luzia, no bairro de Areias, no Recife.

O autor da performance, padre Hewerton de Castro Alves, pediu desculpas pela escolha do repertório durante uma cerimônia de formatura do curso de direito na Universidade Católica de Pernambuco, no dia 13 de janeiro.

Durante sua participação no evento, Padre Hewerton gesticula, canta a letra com referência a Jesus e faz sinal de chifrinho após o verso “quando começo a louvar, eu te enlouqueço, eu sei”. No final, após imitar Anitta com a palma da mão aberta em “pre-pa-ra”, ele manda beijo “para as minhas fãs que estão aqui”.

Com mais 50 mil visualizações, a performance do padre não teria agradado a Arquidiocese de Olinda e Recife, principalmente por se tratar de uma música considerada sensual na versão original.

Tão logo o vídeo começou a ser compartilhado, o padre foi chamado para uma conversa com o arcebispo de Olinda e Recife, Dom Fernando Saburido. Logo em seguida, Hewerton divulgou uma nota afirmando que a música é uma versão já conhecida e apresentada durante a Jornada Mundial da Juventude, durante a visita do Papa Francisco, em julho do ano passado.

Em comunicado, o padre se desculpou pelo ocorrido. “Creio que, de fato, não fui feliz em cantá-la em um culto de formatura, mas a intenção sempre, de minha parte, foi de trazer os jovens para mais perto da igreja. A intenção não foi jamais de afrontar ou escandalizar pessoa alguma”, escreveu.

Em contato com o UOL, a Arquidiocese afirmou que o padre não foi afastado de sua função.

UOL

Comentários (2) enviar comentário
  1. Católico Com Devoção disse:

    Mas não tem que pedir desculpas não, ele é jovem, a igreja é composta por jovens, que ouvem e dançam as músicas de Annita, cantar e dançar não diminui em nada a profissão de padre ou qualquer que seja… A igreja tem que se preocupar é com o bem estar dos seus padres, pois, são estas e outras coisas que tem levado muitos padres a depressão e renúncia.

    • glaucio disse:

      Na evangelização a modernização e adaptação da linguagem é importante porém nem tudo é conveniente. O joio e o trigo deveram crescer junto na esperança de uma colheita feliz mas o trigo não pode se tornar joio. A linguagem deve ser correta para uma evangelização que indica caminhos não apenas suor e sorrisos.Parabéns aos jovens Padres que buscam estar perto dos jovens ensinando o caminho feliz da Cruz de Cristo. Caminho feliz pois é o caminho que leva a salvação mensagem mais importante da Igreja. BEM ESTAR É ESTAR NO VERDADEIRO BEM É ESTAR NA VONTADE DE DEUS.

Publicidade
Publicidade

Relatório da PF aponta patrimônio de padre acusado de desvio de verbas do Ministério do Trabalho

O crescimento patrimonial de um sacerdote impressiona veteranos agentes da Operação Pronto Emprego – missão da Polícia Federal deflagrada no dia 3 de setembro para investigar desvio de R$ 18 milhões de convênios firmados pelo Ministério do Trabalho com a ONG Centro de Atendimento ao Trabalhador (CEAT).

Padre Lício de Araújo Vale, diretor de Relações Institucionais da ONG, ficou 5 dias preso no início de setembro, por ordem judicial. Seu papel, diz a PF, era convencer autoridades de alto escalão da Pasta do Trabalho a assinar aditamentos aos convênios com o CEAT. Fez gestões até junto ao ministro Gilberto Carvalho, secretário-geral da Presidência da República.

Agora ele está em liberdade, mas a PF o enquadrou nos autos do inquérito 01/2013-11 por lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e peculato. A PF dedicou longo trecho do relatório da Pronto Emprego ao estudo da ascensão de bens do religioso, que integra os quadros da Diocese de São Miguel Paulista.

“Lício de Araújo Vale também apresenta movimentação financeira sem lastro”, destaca o documento. A partir de 2009, padre Lício adquiriu apartamento, veículo esportivo e clube de investimento. A PF descobriu que ele recebe “uma mesada” de R$ 11 mil do Instituto Brasileiro de Trabalho, Educação e Capacitação (Ibratec).

Segundo a PF, o Ibratec é uma entidade de fachada contratada pela ONG para “prestação de serviços de apoio administrativo, técnico e operacional”. O contrato foi fechado por R$ 4,47 milhões.

O criminalista Pedro Biokoi, que defende Jorgette Oliveira, presidente da ONG Centro de Atendimento ao Trabalhador (CEAT), rechaça com veemência a suspeita lançada pela PF. Biokoi afirma que a ONG não é uma entidade de fachada e presta relevantes serviços sociais.

O criminalista preparou amplo levantamento sobre as atividades da ONG, inclusive com dados sobre o número de trabalhadores atendidos, que conseguiram colocação no mercado a partir do trabalho da ONG.

Amigos do padre Lício de Araújo Vale, ouvidos pela reportagem, repudiam a informação de que o religioso enriqueceu. O advogado José Carlos Abissamra Filho, que defende o padre, preferiu não se manifestar porque está analisando os autos do inquérito da PF.

Estadão

enviar comentário
Publicidade

Padre Reginaldo Manzotti faz show na programação da Festa de Mártires de Cunhaú e Uruaçú

O dia dos Mártires de Cunhaú e Uruaçú, celebrado em 3 de outubro, em São Gonçalo do Amarante, município da região metropolitana de Natal, conta com uma vasta programação religiosa desde as primeiras horas da manhã.

Na ocasião, o Monumento dos Mártires, na comunidade de Uruaçú, recebe os devotos de todas as partes do RN e estados vizinhos para um dia de orações. A novidade desta ano será o show de evangelização do Padre Reginaldo Manzotti, a partir das 16h.

enviar comentário
Publicidade

Após revelar ter filho, justiça mantém padre no RN afastado e sem recebimento de soldo da Aeronáutica

Um capelão da Aeronáutica foi exonerado do cargo após revelar ao bispo que era pai de um garoto, hoje com 16 anos de idade. Na Justiça Federal o sacerdote, que foi afastado da ordem religiosa pelo Arcebispo de Natal, Dom Jaime Rocha, tentava voltar ao trabalho na Aeronáutica na condição de major capelão e ainda com recebimento dos soldos. Sentença do Juiz Federal Ivan Lira de Carvalho negou o pedido e manteve o homem afastado das funções. O entendimento do magistrado foi que se o homem não tinha os requisitos básicos para ser capelão, que é ser padre, como tal não poderia permanecer no exercício dessa função na Aeronáutica.

“Considerando-se que o demandante foi privado do exercício da atividade religiosa, por ato da autoridade eclesiástica competente, agiu corretamente a União, ao determinar a agregação do demandante ao Quadro de Oficiais Capelães do Corpo de Oficiais da Ativa da Aeronáutica”, destacou o Juiz Federal na sentença.

O magistrado analisou que “o afastamento do sacerdote foi motivado, não apenas pela necessidade de se tutelar os direitos do filho menor de idade do padre, mas também para se prevenir escândalos durante o Processo Administrativo Criminal em curso na sede Arquiepiscopal”.

Destacou ainda o Juiz Federal na sentença: “Há de se considerar que o demandante, na condição de Padre da Igreja Católica e de Capelão Militar, deve se subordinar às normas do Direito Canônico, no que tange ao exercício da atividade pastoral, conforme dispõe o artigo IX do Acordo entre a Santa Sé e a República Federativa do Brasil sobre assistência religiosa às Forças Armadas”, observou o magistrado.

O Juiz Federal Ivan Lira ressaltou que o afastamento do padre da Força Aérea ocorreu em caráter preventivo, portanto, sem configurar uma penalidade administrativa.

No relato feito na ação, o ex-militar padre disse que ingressou na Aeronáutica em 2002 como Segundo-Tenente do Quadro de Oficiais Capelães do Corpo de Oficiais da Ativa da Aeronáutica. Em fevereiro de 2011, foi afastado do ministério sacerdotal pelo Arcebispo do Ordinariado Militar do Brasil. A medida ocorreu no momento em que revelou ser pai de um adolescente. Ele tentou argumentar que “a penalidade aplicada é injusta, pois o nascimento do seu filho ocorreu antes do seu ingresso nos quadros da Aeronáutica”.

JFRN

enviar comentário
Publicidade

Após declaração do papa, padre excomungado por defender gays vai à Justiça contra punição

 Impulsionado pelas declarações do papa Francisco sobre homossexuais, o padre Beto, excomungado em abril deste ano após declarações de apoio a gays, decidiu recorrer à Justiça para tentar anular sua exclusão da Igreja Católica.

Roberto Francisco Daniel, 48, conhecido como padre Beto, contratou advogados e protocolou na segunda-feira uma medida cautelar contra a Diocese de Bauru (329 km de São Paulo). Questiona a forma como foi expulso da igreja, num tribunal em que, segundo ele, compareceu sem saber do que se tratava e sem direito à defesa.

Ele estudava a possibilidade de ir à Justiça desde a época do excomunhão, mas diz que a postura do papa Francisco o estimulou ainda mais. No final de sua visita ao Brasil, o papa fez a mais ousada declaração de um pontífice sobre o homossexualismo. “Se uma pessoa é gay e busca Deus, quem sou eu para julgá-la?”, disse.

A ação judicial tramita na 6ª Vara Cível de Bauru. O religioso alega que tratado assinado entre o Vaticano e o governo brasileiro determina que o sistema constitucional e as leis brasileiras sejam seguidos pela igreja. Beto afirma que, além de não ter tido direito de defesa, a decisão foi publicada no mesmo dia em que foi tomada, no site da diocese.

“Fui tratado como um adolescente. Fui exposto publicamente”, diz. “Essa ação judicial é também para que todo brasileiro entenda que nenhuma instituição pode fazer isso com uma pessoa”.

O ex-padre disse que acreditava que seu processo de excomunhão não estivesse encerrado e ainda teria de ser assinado pelo Vaticano. Ao estudar o caso, descobriu que a decisão da Diocese de Bauru é definitiva na igreja. Por isso resolveu tentar revertê-la na Justiça.

“Não movo uma ação contra a Igreja Católica. Existe igreja e igreja. A ação é contra a diocese”, ressalta.

Antes da excomunhão, Beto havia decidido pedir um afastamento temporário de suas funções. Isso aconteceu depois que o bispo de Bauru, Dom Caetano Ferrari, 70, determinou uma retratação por causa de entrevistas em que o religioso falava sobre os homossexuais e questionava o conservadorismo da Igreja Católica.

A Diocese de Bauru ainda não se manifestou sobre a ação judicial. O argumento oficial para a excomunhão foi que Beto “negou categoricamente a cumprir o que prometera em sua ordenação sacerdotal: fidelidade ao Magistério da Igreja e obediência aos seus legítimos pastores”.

Depois da excomunhão, Beto seguiu dando aulas em universidades, concedeu entrevistas para programas de TV e escreveu o livro “Verdades Proibidas – ideias do padre que a igreja não conseguiu calar”, lançado esta semana.

Folha

Comentário (1) enviar comentário
  1. Maurício Giovani disse:

    Os gays estão equivocados. Não devemos discriminá-los, porém, não devemos permitir que eles imponham que o estilo de vida deles é o correto. Já não se contentam em apenas serem gays e viverem e paz, livre de qualquer discriminação, mas querem doutrinar outras pessoas, sobretudo, os jovens em fase imatura de sexualidade e de discernimento sobre questões psicológicas, para assim, fazerem o lobby da causa sem maiores constrangimentos. O papa disse que não julgará, pois não cabe a ninguém julgar a opção sexual de ninguém, mas o repórter era para ter sido mais explícito e ter perguntado se a Bíblia condena a união sexual de pessoas do mesmo sexo. O papa certamente dirá que sim, que é pecado, mas não pode condenar ninguém, pois Deus aceita a todos os pecadores, mas isso não dá direito aos gays em quererem exercer sua sexualidade se dizendo que estão amparados pela Bíblia, pois sabem que não estão, sabem que estão pecando, e o preço deste, pecado será cobrado de todos no dia do julgamento final, mas mesmo assim, preferem viver uma homossexualidade desenfreada, dando vazão às paixões carnais em detrimento ao sacrifício a essas mesmas paixões. O mesmo recado é dado aos heterossexuais que se deixam levar pela lascívia, vivem um estilo de vida altamente mundano, baseado nos valores materiais, só se preocupando com carros, roupas, dinheiro, bens, posição social, poder, e vivendo muitas vezes em prática de adultério, cometendo abominações carnais por meio de sexo grupal em orgias desenfreadas em episódios de explícita prostituição e uso excessivo de álcool e outras drogas mais pesadas, colocando homens e mulheres em um ciclo vicioso que a cada dia os afastam mais de Deus, tornando assim suas existências vazias, dando lugar muitas vezes ao aparecimento de doenças sexualmente transmissíveis ou mesmo, doenças da alma como a ansiedade e a depressão. É o preço que todo ser humano pecador paga, seja ele, heterossexual ou homossexual, pois se afastam de Deus, achando que todas esta felicidade efêmera um dia, ilusoriamente, poderá se tornar definitiva. Estão destruindo os valores tradicionais da família e acham que estão no caminho certo para uma nova e mais justa ordem social. Pura ilusão.

Publicidade

POLÊMICA: Jogo no Facebook permite que padre mate gays

Um jogo lançado no Facebook está causando grande polêmica na Geórgia. Nele, o jogador pode incorporar um padre ortodoxo e matar gays. “Call of Taburetka” foi criado por Kakha Giorgashvili, que diz não ser homofóbico. Ele garante, de acordo com reportagem do “Huffington Post”, apenas ter tentado recriar um evento ocorrido em Tbilisi, capital da ex-república soviética. Em 17 de maio, um grupo de ativistas anti-gay liderados por padres ortodoxos, atacou gays, lésbicas e transexuais com pedras, pedaços de madeira e excremento. As vítimas participavam de uma marcha em defesa dos seus direitos. Ao menos 17 pessoas ficaram feridas.

“Queridos amigos, esse jogo não é anti-gay. Ele apenas descreve o que ocorreu no dia 17”, explicou-se Kakha no Facebook

Grupos de defesa dos direitos dos homossexuais não aceitaram a desculpa e contra-atacaram.

“O jogo é grosseiramente homofóbico. Não se trata de um episódio casual”, afirmou Sal Mattos, do site “Gay Gamer”.

De O Globo

Comentário (1) enviar comentário
  1. Maurício Giovani disse:

    Faltou só contabilizar os que escaparam fedendo, atingidos pelos excrementos. O protesto virou uma catinga só.

Publicidade

Padre é condenado a 10 anos de prisão por abuso sexual de crianças

Um padre anglicano já aposentado foi condenado a dez anos de prisão nesta segunda-feira, ao ser considerado culpado em dezenas casos de abusos sexuais contra crianças, ocorridos entre 1962 e 1973. Gordon Rideout foi condenado em 34 acusações de ação indecente e duas de tentativa de estupro, envolvendo 16 meninos e meninas dos condados de Hampshire e Sussex. Foi inocentado de apenas uma, envolvendo um menino de 5 anos.

Rideout tem hoje 74 anos e nega as acusações. Os casos ocorreram em sua maioria no lar para crianças Ifield Hall, em Crawley, quando o sacerdote trabalhava como padre assistente na Igreja de St. Mary. De acordo com a promotoria, ele visitava as crianças quando elas estavam doentes e acamadas.

O padre foi preso em 2012 e acusado formalmente cinco meses depois, após uma investigação policial. Ele já havia sido denunciado em 1972 por abusos em uma base do Exército, quando era o pároco da capela de St. Michel, mas foi inocentado em um inquérito militar. Foi ainda alvo de outra investigação em 2001.

Segundo o novo inquérito, “como cura e capelão, Gordon Rideout estava numa posição de confiança, da qual sistematicamente abusou, com ataques indecentes contra jovens vulneráveis que encontrou por anos”.

De acordo com a promotoria, uma das vítimas se lembrou de como as crianças se escondiam embaixo das cobertas quando o padre entrava nos dormitórios.

enviar comentário
Publicidade

Padre celebra missa com iPad e usa Facebook para falar com fiéis no Rio

No altar da Paróquia Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, na Zona Sul do Rio de Janeiro, a Bíblia foi substituída por tablets e smartphones. Com a tecnologia nas mãos, o Padre Jorjão celebra missas, casamentos e batizados com a ajuda de aplicativos que disponibilizam os salmos e os cânticos da liturgia. Queridinho pela elite e disputado pelas celebridades, o padre não esconde que é pop e assume que usa o Facebook e outras redes sociais para conversar e até mesmo ouvir confissões de fiéis.

Padre Jorjão baixou a Bíblia online usa outros aplicativos que disponibilizam os salmos e a liturgia da Igreja (Foto: Tássia Thum/G1)(Foto: Tássia Thum/G1)

A batina de Padre Jorjão, de 51 anos, carrega a última versão do iPhone disponível no Brasil. O aparelho branco chama atenção pela capa roxa e pelos diversos aplicativos que ostenta. Simpático, o pároco mostra que seu celular tem apps de mensagens instantâneas, revistas de entretenimento, portais de notícia, além da Bíblia Sagrada online.O padre conta que ganhou os eletrônicos de jovens que frequentam a igreja, localizada a poucos metros da praia. “Aqui vem várias gerações de uma mesma família, então é natural que se crie uma relação com os frequentadores”, explica Jorjão, que também costuma receber lanches e outros mimos dos fiéis ao longo do dia.Fotos de celebrações por e-mail

Além de armazenar o ritual da missa, o tablet do padre guarda fotos registradas por ele de cerimônias e viagens importantes. Jorjão relembra que certa vez, na celebração de uma bodas de ouro, todos da família haviam esquecido a máquina, e o jeito foi utilizar para registrar o momento, como mostrou a coluna do Ancelmo Gois.

“Tirei as fotos e depois enviei por e-mail para os convidados”, diz o padre, que reza missas na Paróquia Nossa Senhora da Paz há 18 anos.

O religioso acredita que, nos dias de hoje, Jesus Cristo seria fã da internet. “Se Ele vivesse nos dias atuais, Ele utilizaria a internet, que é um excelente meio de comunicação para transmitir uma boa mensagem de fé. A internet alcança de maneira fácil as pessoas, é uma ferramenta impressionante. A Igreja caminha com a comunicação”, filosofa o padre.

Padre Jorjão celebra missa com Ipad (Foto: Divulgação)

Fonte: G1 RIO

 

Comentários (3) enviar comentário
  1. José A. Dias disse:

    Igreja irônica: por um lado a aceitação da
    evolução da sociedade e suas facilidades tecnológicas, por outro, tão
    mergulhada no atraso de sua doutrina. Hipócrita.

    • Jorge Felippe disse:

      O que seria atrasado na doutrina? Ou as pessoas querem adaptar os seus problemas na doutrina?

  2. jjejr disse:

    Padre Walter Colling, vigario da paroquia de Santa Luzia, a muito tempo ja vem usando o seu IPAD, nas celebrações na Catedral de Santa Luzia, isto não é novidade ……

Publicidade

Ex-padre dono de casa de swing pede votos com diabinhas

Campanha eleitoral tem de tudo, palhaço, ator, cantor, professor e até ex-padre na jogada. Mas não qualquer um que abandonou a batina,  o ex-padre também é dono de uma casa de swing. Não é brincadeira, veja a matéria que saiu no Terra.

“Te prepara porque tem muita sacanagem, mas não é nada do que vocês está pensando. É bem diferente”, avisou Roque Rauber, 71 anos, candidato à Câmara Municipal de Porto Alegre pelo PDT, ao ouvir a proposta da reportagem do Terra de acompanhá-lo em uma tarde de campanha. Mais conhecido como Padre Roque, ele é dono de uma das mais famosas casas de swing da capital gaúcha, o Sofazão.

Afastado da igreja desde os anos 70 e casado, Padre Roque recusa-se a abandonar o título católico. Sustenta que “uma vez padre, sempre padre”. A bordo de um ônibus – o mesmo que usa para fazer propaganda de seu estabelecimento – ele percorre as ruas da cidade, acompanhado de duas “diabinhas”, distribuindo santinhos e provocando quem passava pela rua. “Dessa forma, eu atinjo muito mais gente. Tu acha que isso não dá voto?”, perguntou, após uma de suas assistentes brincar com um motoqueiro que passava. “O povo quer isso, panis et circensis”, completou.

Antes mesmo do ônibus deixar o ponto de partida, um homem se aproximou do veículo e disse: “mas essas diabinha são só do padre? De acordo com a igreja católica, temos que dividir tudo”. A brincadeira já dava o tom do que estava por vir. Mulheres empurrando os maridos, gente gritando “Sofazão!” e outros que não entediam o que estava acontecendo. “Nós levamos tudo na esportiva, recebemos todo o tipo de reação, tem gente que se assusta com as diabas, mas é uma festa”, disse Roque, para emendar: “Olha um buteco, se preparem”, já prevendo a reação masculina.

O ônibus não é lá muito novo. De vez em quando a equipe tinha que arrumar os assentos, decorados com o símbolo do Sport Club Internacional, para não cair no chão. “Eu tenho uma ligação com o Inter, mas ontem estivemos no Olímpico e fomos muito bem recebidos pelos gremistas”, dizia Roque.

O apelo das diabinhas era obviamente sexual. Elas gritavam, mandavam beijos e brincavam muito com pirulitos, seguindo as ordens de Roque: “Mostra o pirulito para ele!”. “Comi uns 16 ontem”, contou Stéfany Martins, brincando com o doce na boca. “Se eu votar no senhor, ganho as duas?” e “o senhor me deu o santinho, mas e as diabinhas, não dá?”, foram algumas das manifestações ouvidas, principalmente, pelos profissionais do trânsito.

Apesar do grande assédio masculino, a dupla conseguia também interagir com as mulheres. Cada resposta era comemorada aos gritos. “As mulheres são mais difíceis, por isso comemoramos cada uma”, explicava a secretária do “padre”, Eliane Passos.

“Padre, o senhor lembra de mim? Em 2004 eu fui no Sofazão e tinha banho de espuma. O senhor me deu uma cortesia e quando eu cheguei em casa, minha mulher deu em mim porque achou o papel no meu bolso”, dizia o vendedor de uma loja ao se aproximar do ônibus. “O tempo todo eu escuto histórias de pessoas que foram no Sofazão”, afirmou o candidato.

Segundo Roque, sua fórmula para fazer campanha foi tomando forma aos poucos. “Eu tinha contratado as duas para distribuir panfletos, mas acabou virando isso. Elas são muito espontâneas, gostam da festa”, dizia, ao elogiar o trabalho que é feito por Stéfany e Silvana Claro. “O mais legal é a reação das pessoas, você as vê sorrindo quando o ônibus passa”, completou.

Roque é natural da cidade de Bom Princípio, a 76 km de Porto Alegre. Na década de 70, afastou-se do oficio religioso, e foi para a capital gaúcha na década de 90. Lá, abriu uma agência de matrimônio que mais tarde acabou virando o Sofazão. “No começo eu me escondia, tinha medo do que as pessoas poderiam pensar, mas depois vi que não estava fazendo nada de errado”.

Falando de política, atualmente ele é filiado ao PDT, e diz que sofreu preconceito do PT quando tentou se candidatar a uma vaga na Câmara federal. “Era a época do mensalão e eles estavam com medo de vincular a imagem com o sofazão”. Essa é sua terceira empreitada eleitoral. “Eu quero defender a liberdade das pessoas e acabar com o preconceito”, finalizou.

 

enviar comentário
Publicidade

Arcebispo divulga mudanças na igreja católica local

Antes de viajar a Fortaleza (CE) para o retiro com o clero, o Arcebispo de Natal, Dom Jaime Vieira Rocha, divulgou uma lista com 14 transferências de funções, de sacerdotes:

. Pe. Francisco de Assis Inácio deixa a Paróquia de Nossa Senhora do Livramento, em Taipu, e assumirá a função de pároco, da Paróquia da Imaculada Conceição, de Nova Cruz.

. Pe. Helenildo Marques de Morais, deixa de ser vigário paroquial da Catedral para ser administrador paroquial de Nossa Senhora do Livramento, de Taipu.

. Pe. Paulo Henrique da Silva sai da Paróquia de Santa Clara, no Pitimbu, e assumirá a capelania do Instituto Maria Auxiliadora, no Tirol, Natal.

. Pe. Valdir Cândido de Morais, recém-chegado de Roma, onde concluiu mestrado na área da família, será pároco da Paróquia de Santa Clara, no Pitimbu.

. Pe. Orcenival Maria de Oliveira, deixa a função de vigário paroquial de Nossa Senhora dos Prazeres, de Goianinha, para ser pároco da Paróquia de Santana, no Soledade 2, Natal.

. Pe. Luiz Paulo da Silva, até então, vigário paroquial de Nossa Senhora de Lourdes, em Petrópolis, assumirá as funções de vigário paroquial de Goianinha e responsável pela Área Pastoral de Tibau do Sul, que será criada.

. Pe. Joaquim Ataíde de Araújo sairá da Paróquia de Santana, no Soledade 2, e será pároco da Paróquia de São João Batista, em Arez.

. Pe. Raimundo Renato da Rocha Ciríaco deixará Arez e assumirá a função de vigário paroquial de Nossa Senhora de Fátima, em Parnamirim.

. Pe. Rogério Ferreira Barros, até então administrador da Paróquia de São Paulo Apóstolo, de Pedro Avelino, foi nomeado vigário paroquial de Nossa Senhora da Conceição, de Ceará-Mirim.

. Pe. Antônio José do Vale, que é administrador da Paróquia de Nossa Senhora das Graças, de Afonso Bezerra, assumirá, provisoriamente, a administração da Paróquia de São Paulo Apóstolo, de Pedro Avelino.

. Pe. Cidinei Firmino da Silva deixa a função de vigário paroquial de Ceará-Mirim e passa a ser vigário paroquial de Nossa Senhora da Conceição, de Macaíba.

. Pe. Valberto Messias da Cruz sai da Paróquia de São João Batista, de Pendências, e será paróco da Paróquia de São Gonçalo do Amarante.

. Pe. Jailton da Silva Soares, que era diretor espiritual do Seminário de São Pedro, será o novo pároco da Paróquia de São João Batista, em Pendências.

. Pe. Newton Coelho de Oliveira, responsável pela turma do Propedêutico, do Seminário de São Pedro, assumirá também as funções de diretor espiritual do Seminário e capelão da Escola Nossa Senhora de Fátima, no Tirol.

. Pe. Manoel Henrique de Paiva continua como vigário paroquial de Nossa Senhora de Fátima, em Parnamirim, e será responsável pela futura Área Pastoral da Cidade das Nações, também em Parnamirim.

Fonte: Arquidiocese de Natal

enviar comentário
Publicidade