Publicidade

Moro decreta bloqueio de R$ 128 milhões de Palocci, empresas e dois assessores

o-ex-ministro-antonio-palocci-1465472158211_615x300O juiz federal Sergio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, decretou o bloqueio de até R$ 128 milhões em contas-correntes do ex-ministro da Fazenda e da Casa Civil Antonio Palocci e de dois assessores. O bloqueio foi determinado no último dia 12, mas só foi divulgado nesta segunda-feira (26) após a deflagração da 35ª fase da operação, que prendeu Palocci e os assessores.

O bloqueio de bens determinado por Moro foi solicitado pelo MPF (Ministério Público Federal). Segundo as investigações, Palocci e outros integrantes do PT foram beneficiados com o pagamento de recursos de origem ilegal feito pela Odebrecht.

Segundo as investigações, a companhia teria pago em torno de R$ 128 milhões a Palocci e outros agentes do partido. Ainda segundo o MPF, Palocci teria atuado em benefício da empreiteira em temas de interesse da companhia enquanto exercia cargos públicos como o de deputado federal.

Entre os projetos de interesse da Odebrecht que, segundo as investigações, teriam tido a interferência de Palocci está a MP (medida provisória) 460/2009 que resultaria em benefícios fiscais a empresas que exportadoras para Angola, país com no qual a Odebrecht mantém operações.

As informações sobre os pagamentos foram encontradas em uma planilha chamada “Posição Programa Especial Italiano”. O MPF sustenta que o termo “italiano” se refere a Palocci.

Além de Palocci, tiveram suas contas bloqueadas Branislav Kontic, Juscelino Antônio Dourado (ambos assessores de Palocci) e as empresas Projeto – Consultoria Empresarial e Financeira LTDA e J & F Assessoria LTDA (empresa da qual Juscelino é sócio, segundo o MPF).

Moro disse, em seu despacho, que não há problema se o bloqueio determinado por ele atingir valores de origem lícita. “Não importa se tais valores, nas contas bancárias, foram misturados com valores de procedência lícita. O sequestro e confisco podem atingir tais ativos até o montante dos ganhos ilícitos”, afirmou Moro.

Críticas

O advogado de Palocci, José Roberto Batochio, criticou a atuação da Operação Lava Jato nesta segunda-feira e fez uma comparação com a ditadura militar.

“Não conheço a acusação porque ela é até o presente momento absolutamente secreta. No melhor estilo da ditadura militar. Você não sabe de nada, não sabe do que está sendo investigado. Um belo dia batem a sua porta e o levam”, disse o advogado antes da entrevista coletiva realizada pela Força-Tarefa da Operação Lava Jato sobre o assunto.

Batochio classificou a ação da Lava Jato como autoritária e arbitrária. “Nós estamos voltando nos tempos do autoritarismo, da arbitrariedade. Qual é a necessidade de prender uma pessoa com domicílio certo, que é médico, que foi duas vezes ministro, que pode dar todas as informações quando for intimado. É por causa do espetáculo?”, indagou Batochio.

UOL

Comentários (8) enviar comentário
  1. Cavalcante disse:

    So Otário para acreditar que esse bandido é inocente… vai dizer que é dinheiro de trabalho honesto

  2. Puro Realismo disse:

    Até onde sei, todo assassino, estuprador, assaltante tem endereço fixo e isso é razão para não ser preso?
    A diferença é que os bandidos menores não tem recursos para pagar um criminalista a preso de ouro.
    Quem desvia R$ 128 milhões deixa de manter, adquirir e viabilizar quantos leitos de hospitais?
    Quem desvia R$ 128 milhões evita que sejam viabilizadas quantas escolas?
    Quem desvia R$ 128 milhões inviabiliza a construção e reforma de quantas delegacias e presídios?
    Com a palavra a vida real?

  3. Inara disse:

    Dr. Botochio quando não tiver dinheiro, quero ver você brigar pôr esse Bandido.

  4. Fora PT Cramunhão disse:

    Lula é o Capo, Ladrão Mor, chefe.

  5. Fora PT Cramunhão disse:

    O PT e Lula são achacadores do povo brasileiro. O Brasil era governado por uma quadrilha de assaltantes, bandidos, ladrões do povo brasileiro comandado por Lula e o PT.

  6. Fora PT Cramunhão disse:

    Lula, vai roubar no inferno seu ladrão.

  7. Val Lima disse:

    Dr Botochio, o sr tem todo direito de achar q seu cliente foi preso de forma arbitrária…
    Agora,faça jus aos honorários q recebe,e vá contestar na justiça,não na imprensa….

  8. Senhor Cidadão disse:

    DALI MORO SENTA A PUA NESSE LADRÃO !!

Publicidade

Procuradores encontraram "fatos novos" ao examinar os negócios particulares de Palocci

O Ministério Público Federal prepara-se para abrir um inquérito criminal para investigar a atuação do ex-ministro Antonio Palocci como consultor de empresas, informa reportagem de Andreza Matais e Felipe Seligman, publicada na Folha desta terça-feira.

Procuradores que analisam o caso informaram a Procuradoria-Geral da República de sua intenção e relataram que encontraram “fatos novos” ao examinar os negócios particulares de Palocci.

Palocci deixou a Casa Civil em junho do ano passado, após a Folha revelar que ele multiplicou seu patrimônio por 20 entre 2006 e 2010, quando foi deputado federal e manteve, paralelamente, uma consultoria privada.

(mais…)

enviar comentário
Publicidade

O Eficiente Rogério Marinho

Como coordenador da bancada do PSDB na Comissão Mista de Orçamento, o deputado federal Rogério Marinho realizou no final da tarde de ontem, uma palestra para toda a bancada tucana na Câmara dos Deputados. O parlamentar potiguar detalhou a nova Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que deve ser votada antes do recesso, previsto para o dia 17 de julho.

Rogério Marinho explicou aos tucanos os avanços conquistados até agora e os objetivos da bancada nos pontos que ainda estão sendo discutidos. Ao lado do líder do PSDB na Câmara, deputado Duarte Nogueira, Rogério Marinho também definiu qual será a estratégia da oposição para obter suas reivindicações dentro da LDO, já que a Comissão de Orçamento só aprova as medidas consensuais.

Entre os pontos que ainda deverão ser alvo de discussões em plenário estão a tentativa do governo em dificultar a paralisação de obras pelo Tribunal de Contas da União (TCU); a retirada de emendas individuais do contingenciamento do governo; e a identificação e transparência das obras relativas a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016.

Rogério também conseguiu aprovar na Comissão de Educação da Câmara o requerimento  para realização de audiência com o ex-ministro da Casa Civil Antonio Palocci. O pedido foi feito em parceria com o também deputado tucano Otávio Leite (PSDB-RJ).

O objetivo é debater projetos de lei, inspirados numa proposta arquivada do próprio petista determinando que informações biográficas de “pessoas de notoriedade pública ou cuja trajetória pessoal ou profissional tenha dimensão pública ou esteja inserida em acontecimentos de interesse da coletividade” poderiam ser publicadas sem a autorização do biografado.

“Se ele aceitar o convite será a chance de termos a condição de conversamos um pouco a respeito das respostas que não foram dadas. Ele deve explicações em relação às suas atividades como coordenador de campanha de Dilma Rousseff e do aumento de seu patrimônio. As denúncias de tráfico de influência não podem ser varridas para debaixo do tapete”, afirmou o deputado.

enviar comentário
Publicidade

A anarquia "legal" de LULA

O ex-presidente Lula, sentado sobre altos índices de aprovação, praticamente em todo o seu governo, atuou sempre com indisciplina no trato das questões legais. Não foi uma nem duas vezes que o presidente atropelou as leis e até a Constituição. Não podemos negar, apesar de uma tropa que lhe cerca, que Lula sempre respeitou as instituições democráticas nesse País.

No caso de Cesare Battisti, o nosso ex-presidente deixou o Brasil de cócoras perante o mundo civilizado. Lula apequenou o Brasil de uma forma tão ridícula que nos colocou no submundo do respeito a tratados e acordos internacionais.  Não julgo aqui os ministros do STF que foram a  favor dessa aberração. Eu analiso a posição de um ex-presidente de anistiar um criminoso terrorista, ou terrorista ativista, ou até mesmo um santo que matou quatro pessoas no seu País, que foi julgado e condenado e fugiu gritando aos quatro cantos que os crimes foram cometidos por uma causa justa.

Sinceramente, pouco me importa se ele tinha o direito ou não de matar. O que me importa é que o Brasil não tinha o poder nem muito menos o direito de tirar da Itália a prerrogativa de tratar um caso que é de foro íntimo. Essa mesma irresponsabilidade o ex-presidente teve no trato a base de camaradagem com acordos comerciais com Bolívia, Venezuela, Paraguai e Cuba, acordo que sangra os bolsos do povo brasileiro que cada dia tem que pagar mais impostos para ajudar pseudoditadores e irresponsáveis a frente de economias dos seus países. Nem em nome de um possível apoio desse quarteto para a obtenção da tão almejada cadeira permanente no Conselho de Segurança da ONU – a ajuda desses países ao Brasil politicamente e nada são a mesma coisa – justificaria tais ações. A  imagem do Brasil que roda o mundo agora é de insubordinado, de falta de ética com países parceiros. Não se enganem o senhores que os dissabores desse ato ainda hão de vir. 

Talvez nem LULA esteja mais aqui para sentir, mas um dia o troco virá, e pode começar pelo tribunal de Haia ao qual a Itália vai recorrer. Vale lembrar que toda essa ação do suposto “ativista” foi engenharia do ex-ministro e hoje governador do Rio Grande do Sul, o Sr Tarso Genro. Eu tento ter simpatia pelo PT, mas confesso que quando estou conseguindo como era o caso do inicio de Dilma, que cheguei a elogiar varias vezes, aí vem essas aberrações dessa anistia e o PalocciGate para arrasar com o meu bem querer pelo partido.

Comentários (2) enviar comentário
  1. @borgesneto12 disse:

    Nunca votei no PT, apesar de antes deste chegar ao poder simpatizar, de longe, com Mercadante e Suplicy. Ambos, no governo Lula (8 anos) e no governo Dilma (6 meses), se mostraram e se mostram fracos, sem ação e coniventes com a corrupção reinante. Mas, apesar de nunca ter votado no PT, esperava que este, como paladino da verdade, do desenvolvimento, da moral, da ética e da justiça socil, realizasse boas ações. Me enganei. Os companheiros, do alto escalão ao filiado de ontem, só querem saber de ludibriar a pobre viúva. E que viúva rica essa, pois aguentar Dirceu, Erenice, Delúbio, Sivio Pereira, Lulinha Gamecorp, Palocci duas vezes, mensalão, dólar na cueca, contratos "mágicos" na Petrobras, Eletrobras, rodovias, ferrovias, transposição do São Francisco, verba não contabilizada, sobra de campanha, etc, etc, etc, e ainda não está quebrada… É forte! E olhe que vem mais escândalos com as obras da Copa e da Olimpíada. Essa questão de Batistti, assim como a dos passaportes diplomáticos, é exposição ao ridículo e só seria cômica se não houvesse tanta corrupção. PT: Era o diferente, agora é o mais incoerente…

  2. Eduardo disse:

    A diplomacia brasileira da era PT é a seguinte : terrrorista de direita é bandido e para ele todos os rigores da lei. Terrorista de esquerda é martir. Dar apoio a Chaves, Morales, e outros papangus do mesmo naipe é uma sandice sem tamanho.

Publicidade

Sai a fera, entra a bela

Se a senadora Gleise Hoffmann (PT-PR) é o melhor quadro de que dispõe o PT para a Casa Civil, então as coisas vão muito mal lá pelas bandas do partido. Atenção! Nem eu considero isso! O PT é bem mais profissional e dispõe de mais quadros do que sugere essa indicação. Trata-se de uma decisão pautada principalmente pelo marketing político. Sai a fera, e entra a bela, para sugerir um governo conduzido por mulheres. A mensagem subliminar é que corrupção, ilegalidade, lambança e coisas inexplicáveis estão relacionadas ao mundo dos homens.

Nada contra a moça em particular, a não ser a sua espetacular inexperiência para cargo tão importante. Parece brincadeira! O maior trunfo político de Gleisi é seu marido, o ministro Paulo Bernardo, das Comunicações, que já foi muito próximo de Antonio Palocci. Ainda é, mas acabou ganhando autonomia. Ele, diga-se, era um dos cotados para o cargo, não ela.

Qual é? Viverá o PT uma crise tal de quadros que é preciso ter marido e mulher no primeiro escalão de governo? Na prática, o ministro será Bernardo — não porque ele é homem e feio, mas porque é aquele que realmente tem trânsito político.

Poderíamos ter uma coisa a favor de Gleisi: foi a primeira petista de alguma importância a apontar o óbvio: Palocci estava nu; não havia como defendê-lo. Mas ela o fez da pior maneira possível. Aludindo ao mensalão, observou que aqueles crimes, ao menos, diziam respeito ao partido. As eventuais lambanças de Palocci seriam apenas privadas. Ou por outra: malfeito para o bem do partido, tudo bem! Não dá!

Há pouco, Candido Vaccarezza (PT-SP), líder do governo na Câmara, explicava por que a Casa Civil é tão importante: coordena a ação de todos os ministérios e faz o contato do Executivo com o Congresso. E com um desconsolo que quase chegava a comover, disse: “A senadora Gleisi está muito preparada para o cargo”.

Em suma, entre todos os petistas disponíveis para o cargo, João Santana indicou a mais bonita. Nada contra! Em certa medida, como sugere Thomas Mann na novela Tonio Kröger, a beleza pode até ser vista como uma forma de pensamento. Havendo algum pensamento, emendaria eu… É isto: Dilma está lendo Thomas Mann…

Por Reinaldo Azevedo

enviar comentário
Publicidade

No Senado "PalocciGate" vai passar

Por Rosa Costa, da Agência Estado:
Inconformados com a decisão do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, de arquivar representação da oposição para apurar a evolução patrimonial do ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, os senadores Cristovam Buarque (DF) e Pedro Taques (MT), ambos do PDT, assinaram nesta terça-feira, 7, requerimento pedindo a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o ministro. Cristovam Buarque lembrou que há dez dias chegou a dizer que não assinaria pedido de investigação antes de conhecer o parecer do Ministério Público (MP).

“Mas não houve parecer. Houve uma simples decisão de arquivamento. Continuo sem saber quem pagou ao ministro Palocci, para que fez esse pagamento e quanto ele teria recebido”, afirmou o senador do DF. Cristovam Buarque disse que a sua iniciativa, ao assinar o requerimento, se deve ao empenho de ajudar o governo da presidente Dilma Rousseff. “E a permanência de um ministro sob suspeita atrapalha muito o governo”, afirmou. No twitter, Taques também justificou a decisão: “Sou do PDT, tenho orgulho disso. Mas ser da coalizão não significa submissão. Não posso fugir do meu passado. Meu patrimônio é minha coerência”.

O líder do DEM no Senado, Demóstenes Torres, informou nesta terça que falta apenas uma assinatura para alcançar as 27 necessárias para a criação de uma CPI que investigue Palocci. Além das 23 assinaturas já obtidas, o líder do DEM dá como certo o apoio dos senadores Pedro Simon (PMDB-RS) e Itamar Franco (PPS-MG), o que elevaria o número para 25. Ele conta, ainda, com o apoio do peemedebista Ricardo Ferraço (ES), que já adiantou a decisão de ser o 27.º parlamentar a apoiar a CPI no Senado.

enviar comentário
Publicidade

Palocci gastou R$ 150 mil de celular em 20 meses quando era Deputado

Congresso em Foco:

Estão guardadas em salas da Câmara informações importantes sobre o sigilo telefônico do ministro da Casa Civil, Antonio Palocci. São dados que podem subsidiar esclarecimentos que a Procuradoria da República no Distrito Federal busca para dirimir as suspeitas da oposição de que o braço-direito da presidenta Dilma Rousseff praticou improbidade administrativa e enriqueceu de modo ilícito, suposições que vieram à tona após a revelação de que o ministro multiplicou seu patrimônio por 20 durante quatro anos. Ontem (6), o procurador geral da República, Roberto Gurgel, arquivou pedido de investigação criminal contra Palocci, mas ainda prossegue a apuração cível, por conta da Procuradoria da República do DF.

A mil metros do edifício da PGR, no subsolo do Anexo IV da Câmara, na Coordenação de Gestão da Cota Parlamentar (Cogep), e nas salas do Centro de Documentação da Câmara, no Anexo II, estão originais de todas as contas telefônicas do então deputado Palocci entre 2007 e 2010.

Os documentos contêm as datas e números de telefones de pessoas, empresas e órgãos públicos que receberam chamadas do hoje ministro enquanto ele era deputado e sua consultoria, a Projeto, estava ativa e fechando contratos com clientes dos setores de finanças, engenharia e serviços, pelo que se sabe até agora. Só em 2010, a Projeto faturou cerca de R$ 20 milhões, valor concentrado no final do ano, após a vitória de Dilma na campanha eleitoral. Assessores do ministro Palocci afirmaram ao Congresso em Foco que ele jamais usou os telefones da Câmara para atividades fora do exercício do seu mandato. Sem a apresentação das faturas telefônicas à Câmara, os deputados não obtêm reembolso das despesas com telefonia feitas por eles.

R$ 150 mil com telefone

Dados do Legislativo mostram que, de maio de 2009 a fevereiro de 2011, o então deputado Palocci gastou quase R$ 150 mil com os telefones à sua disposição: seu celular e os aparelhos em seu gabinete, seu imóvel funcional em Brasília e em escritórios políticos no estado de São Paulo. Os valores incluem gastos do próprio ex-parlamentar e de seus auxiliares. As despesas refletem uma média de cerca de R$ 7 mil por mês, descontados os dois meses de 2011, que contabilizam despesas remanescentes da época em que ele ainda era deputado, mas já estava no Executivo.

Os gastos de Palocci com telefones representaram 45% de todas as despesas dele com o chamado “cotão”. O “cotão” é uma verba guarda-chuva de R$ 27 mil mensais usada para pagar uma série de itens, como bilhetes de passagens aéreas, aluguel de escritórios políticos, divulgação do mandato, telefonia, alimentação, transporte, hospedagem e segurança. Antes de maio de 2009, a divulgação das despesas era restrita e não incluía os gastos com telefonia.  Mesmo assim, as informações anteriores a esse momento também guardadas nos arquivos da Câmara.
(mais…)

enviar comentário
Publicidade

O Triste resumo da "sentença" da Procuradoria Geral da República sobre o caso Palocci

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, produziu  27 páginas em juridiquês bonito e teatral para engavetar por falta de provas os pedidos de investigação do milagre da multiplicação do patrimônio do chefe da Casa Civil, Antonio Palocci.

As 27 páginas podem ser resumidas em seis tópicos:

1. O procurador-geral da República é o chefe do Ministério Público da União e do Ministério Público Federal. Também atua como procurador-geral eleitoral.

2. O ocupante do cargo é nomeado pelo presidente da República e a escolha deve ser ratificada pela maioria absoluta do Senado.

3. O mandato de Roberto Gurgel termina em 22 de julho.

4. Ele é candidato a mais um mandato de dois anos.

5. Se decidisse investigar Palocci, Gurgel estaria admitindo que há um caso de polícia no Planalto. O arquivamento das representações encaminhadas por partidos de oposição pavimenta a saída esperta: o governo agora pode alegar que afastou o chefe da Casa Civil não para livrar-se de um pecador, mas para evitar o agravamento de uma crise forjada por adversários políticos.

6. Para não ter de procurar outro emprego daqui a um mês e meio, o procurador-geral preferiu não procurar nada de errado num caso exemplar de tráfico de influência.

Antonio Fernando de Souza, o antecessor de Gurgel, denunciou o escândalo do mensalão e o estupro da conta bancária do caseiro Francenildo Costa, entre outras demonstrações de independência e altivez. Honrou o Ministério Público, esteve sempre a serviço da Justiça e nunca se curvou aos interesses do Executivo. Dele, Roberto Gurgel só herdou o cargo.

Comentário (1) enviar comentário
  1. @borgesneto12 disse:

    O MP do RN e a maioria dos integrantes do MP brasileiro, de um modo geral, são dignos de aplausos e parabéns pelo combate à corrupção e por ser fiscal da lei em favor da população, da cidadania, do Brasil. Esse Roberto Gurgel envergonha os membros do parquet. Pensou na cadeira que senta e no salário que recebe. Entrou na história do Brasil pelas portas dos fundos. Anotem aí: a próxima vaga do STF pode ser dele. Esse é o Bra$il de favore$ dos PTralha$. Lamentável sob todos os aspectos.

Publicidade
Publicidade

Procuradoria Geral da República livra Palocci

Folha Online:

A presidente Dilma Rousseff acabou de ser informada que o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, decidiu arquivar a denúncia contra o ministro Antonio Palocci (Casa Civil).

Segundo a Folha apurou, a presidente foi avisada no início da noite.

A PGR ainda não se manifestou oficialmente.

Com a decisão, o ministro pode ganhar uma sobrevida e se manter no cargo. Tudo irá depender da vontade de Dilma em permanecer com Palocci na pasta, apesar do desgaste.

Gurgel enviou um pedido de explicações a Palocci em 20 de maio, cinco dias depois que a Folha revelou a multiplicação por 20 do patrimônio do ministro da Casa Civil entre 2006 e 2010.

O procurador não fez perguntas específicas a Palocci, apenas pediu que ele esclareça os fatos presentes nas duas representações encaminhadas à PGR por partidos da oposição na semana anterior.

O ministro entregou o relatório requisitado uma semana depois, no dia 27 e, na semana seguinte, encaminhou mais documentos à procuradoria.

enviar comentário
Publicidade

O Sujo pedindo a cabeça do mal lavado

Logo um puritano do quilate de Paulinho, da Força Sindical, cobrando publicamente a saída de Palocci:

Por Ranier Bragon, na Folha Online:

A Força Sindical, central ligada ao governista PDT, divulgou nota nesta segunda-feira pedindo o “afastamento imediato” do ministro Antonio Palocci (Casa Civil).

O documento é assinado pelo presidente da central sindical, o deputado federal Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), que protagonizou forte embate com o governo durante a votação do salário mínimo pelo Congresso e que durante a atual crise já havia dado declarações pessoais defendendo a saída do ministro.

“As tentativas de esclarecimento do ministro da Casa Civil, apenas para cumprir formalidades, não foram suficientes para arrefecer o desgaste a que vem sendo submetido o braço direito da atual presidenta”, diz a nota, que acrescenta: “O povo brasileiro está vendo com ceticismo a defesa apresentada para tais denúncias, e anseia por uma resposta convincente e verdadeira. As evidências de ter praticado atitudes não republicanas que pairam sobre o ministro fazem com que sua credibilidade vá, a cada dia, se deteriorando. O imediato afastamento do ministro só trará benefícios para o país”.

(mais…)

enviar comentário
Publicidade

O nefasto efeito Palocci

– O Estado de S.Paulo

Só há uma maneira de colocar um ponto final na crise política provocada pela revelação do prodigioso enriquecimento de Antonio Palocci antes de se tornar o principal ministro da presidente Dilma Rousseff: seu afastamento da chefia da Casa Civil. A exoneração tornou-se iminente a partir do instante em que Palocci desperdiçou a última oportunidade de colocar a situação em pratos limpos, ao não apresentar em sua defesa nenhuma informação nova e relevante nas entrevistas seletivas e tardiamente concedidas na sexta-feira à Rede Globo e à Folha de S.Paulo.

O ministro se limitou a protestar inocência diante das suspeitas de tráfico de influência, negando-se a fornecer qualquer informação ou esclarecimento sobre seus clientes ou sobre a natureza dos serviços a eles prestados. Não fez mais do que deixar no ar um apelo que, nas circunstâncias, soou patético: acreditem em mim.

Os dois argumentos principais apresentados por Palocci em sua defesa são, primeiro, o de que não ficou comprovada nenhuma “ilegalidade” nos fatos que lhe são imputados e o ônus da prova cabe a quem acusa – o que seria correto se a questão fosse apenas jurídica – e, depois, o de que está eticamente impedido de divulgar os nomes de seus clientes porque não pode “expor terceiros nesse conflito”. As duas alegações são insubsistentes.

A primeira porque o escândalo assumiu proporções tão graves que, até pela necessidade de dissipar a crise política criada dentro do governo, já havia algum tempo se impunha, para além de qualquer consideração jurídica, a necessidade de que explicações cabais fossem dadas à opinião pública. Era mais do que hora, portanto, de Palocci provar a improcedência das suspeitas que sobre ele pesam. Na mesma linha de raciocínio, o impedimento ético para nomear as empresas às quais prestou serviços se anula diante da maior relevância da exigência de atender ao clamor público por transparência no comportamento de uma figura proeminente do governo.

(mais…)

enviar comentário
Publicidade