Publicidade

Porto de Natal receberá quatro Cruzeiros em janeiro de 2016

zDepois de superar as metas de 2015, o Porto de Natal começa 2016 já superando as expectativas do mês, quando receberá quatro cruzeiros de grande porte, movimentando a economia da cidade e do Estado no período de alta estação.

Já neste domingo, 03 de janeiro de 2016, estará chegando o Amadea, uma embarcação europeia de alto luxo, que tem previsão de chegada para o meio dia e deixará a cidade por volta das 18h. Construído em 1991, ao custo de US$ 151 milhões de dólares, o cruzeiro mede 193 metros de comprimento, trazendo 564 passageiros, distribuídos em 40 suítes e 254 camarotes, sendo que 106 destes têm varanda privada.

A bordo do Amadea, que ainda não teve rota divulgada de antes e depois de Natal, o passageiro encontra várias salas de estar, piscina, teatro, mini-golf ao ar livre, SPA, bares, casino, biblioteca, ginásio, e quatro restaurantes.

Confira a programação de Cruzeiros para o Porto de Natal em janeiro de 2016:

Amadea – 03/01

Ocean Princess – 15/01

MV INSIGNA – 22/01

Silver Spirit – 31/01

enviar comentário
Publicidade

Codern prevê crescimento de 30% no escoamento de frutas pelo Porto de Natal

A movimentação de contêineres contendo frutas poderá crescer cerca de 30% em comparação ao período da safra do ano passado movimentada pelo Porto de Natal. Quem afirma é do presidente da Companhia Docas do RN (Codern) Pedro Terceiro de Melo. “Esse ano nós teremos um acréscimo no escoamento de frutas. Nós cresceremos em relação ao ano passado em torno de 30%”, revela Terceiro de Melo, acrescentando que semanalmente está saindo pelo Porto de Natal aproximadamente 300 contêineres de frutas para a Europa.

Pedro Terceiro garante que esse crescimento se dá pelo trabalho realizado junto aos exportadores do Estado. “Isso nos dá alegria, pois foi um esforço feito junto aos exportadores, de forma que hoje a gente já pode contabilizar esse crescimento”.

MINERAÇÃO

No tocante à exportação de minério de ferro e também como resposta à exportadora Susa Mineração, que afirmou, na semana passada, que o Porto de Natal não tem infraestrutura adequada para realizar esse tipo de operação, Pedro Terceiro foi enfático ao afirmar que o Porto não tem qualquer tipo de dificuldade em realizar operações de exportação de minério.

Ele explica que durante o período em que está à frente da Companhia Docas do RN a Susa Mineração fez apenas uma exportação e não teve dificuldade para operar. A operação foi realizada em agosto de 2012, quando a empresa exportou pelo Porto de Natal uma quantidade de 30 mil toneladas de minério de ferro, que na época foi destinado à China em uma operação que durou cerca de cinco dias.

“Não houve nenhuma dificuldade para que essa operação se realizasse, a não ser o débito já existente que ela tinha com o Porto, mas que nós facilitamos, inclusive parcelamos esse pagamento para que essa operação fosse realizada” explica.

Apesar do ocorrido, Pedro Terceiro se coloca à disposição da empresa de mineração para acordos futuros. “Nós nos colocamos à disposição para que a gente possa, se tiver alguma dificuldade para que o Porto possa vir a fazer esse trabalho, a gente superar. Eu realmente desconheço essas dificuldades. Sempre que a empresa nos procurou nós estivemos à disposição para que fossem efetuadas essas exportações”, esclarece o presidente da Codern.

enviar comentário
Publicidade

Navio de Desembarque de Carros de Combate “Almirante Saboia” atraca no Porto de Natal

O Navio de Desembarque de Carros de Combate (NDCC) “Almirante Saboia”, atracou no Porto de Natal, Rio Grande do Norte, na manhã de 16 de outubro, vindo do Rio de Janeiro-RJ, a caminho da comissão “Haiti XVIII”, não sendo aberto para visitação pública.

O NDCC “Almirante Saboia” realiza as tarefas de transporte de carga e tropa, transbordos de pessoal, Movimento Navio-Terra (MNT) por superfície ou helitransportado, abicagens e operações aéreas. Pode, ainda, lançar e recolher Carros Lagarta Anfíbios (CLAnf), contribuindo para a realização de Operações Anfíbias, Ribeirinhas e de Apoio Logístico Móvel.

O Comandante do NDCC “Almirante Saboia”, Capitão-de-Mar-e-Guerra Gilberto Santos Kerr, estará à disposição para entrevistas com a imprensa, no dia 17 de outubro, às 9h. Os veículos interessados deverão encaminhar seus dados (nomes e números dos documentos de identificação dos repórteres escalados) para o e-mail: [email protected]

enviar comentário
Publicidade

BlogdoBG visita submarino da Marinha do Brasil no porto de Natal

Hoje tive o prazer de entrar em um submarino da Marinha do Brasil. Eu, que desde pequeno sou fissurado em coisas militares, senti uma emoção diferente.

Lembro bem quando se aproximava dos desfiles de 7 de setembro na Praça Cívica. Aquela mostra que acontecia durante o fim de semana era aguardada por mim pelo ano inteiro, para ver aquelas barracas com canhões, metralhadoras, roupas de mergulhador, jipes antigos estacionados e até tanques de guerra.

Quando recebi o convite da assessoria de imprensa da Marinha para visitar um submarino não me contive. De pronto confirmei minha presença e no meio desta manhã de terça-feira (12) parti para o porto armado de máquina fotgráfica, lentes e flash para registrar minha emoção.

Submarino Tapajós por dentro. Foto 1 - Periscópio Foto 2 - Um dos 3 tubos de torpedo Foto 3 - Escotilha de entrada e saída Foto 4 - corredor do submarino

Realmente fiquei impressionado. E olha que a nossa embarcação “Tapajó” passa longe de ser um submarino de ponta. Mas deu para eu sentir o ambiente apertado, muito apertado, o banheiro minúsculo em aço inox, a cozinha também minúscula e do mesmo material, os beliches em tamanho anão e principalmente sentir os 8 grandes tubos de torpedos, o periscópio, os manches de comando e toda parafernália instalada no equipamento: impressiona os tubos espalhados por todo equipamento que levam ar e fazem o Tapajó afundar ou submergir.

Vale lembrar que em submarino não há janela, nem internet, GPS (Sistema de Posicionamento Global), TV ou rádio. Os tripulanes chegam a passar 50 dias desbravando os oceanos até 200 metros de profundidade, como é o caso do “Tapajós”.

Valeu, valeu Marinha. Obrigado.
Hoje voltei a ser o menino que esperava ansioso para ver o desfile de 7 de setembro.

Informações

O S.Tapajó é o terceiro submarino construído no Brasil. Ele teve seu casco fabricado na Nclebrás Equipamentos Pesados S/A (Nuclep) e o seu nascimento foi possível somente com o esforço de enenheiros, técnicos e operários brasileiros do Arsenal da Marinha do Rio de Janeiro (AMRJ). Batizado pela Exmª Srª Anna Maria Ferreira Maciel em 0 de junho de 1998, o S.Tapajó foi incorporado à Armada em junho do ano seguinte.

Trata-se de um navio com 61,2 metros de comprimento, com 6,2 metros de espessura do casco. A velocidade dele chega a passar de 20 nós e operar há profundidades superiores a 200 metros. Sua tripulação conta com oito oficiais e 34 praças. Sua autonomia no mar é de até 50 dias.

Comentários (2) enviar comentário
  1. João Silva disse:

    Pena que não possa haver uma visitação ao público.

  2. Ten Cibele disse:

    Obrigada pela divulgação!

Publicidade

Codern entrega Relatório de Avaliação Ambiental do Porto de Natal ao IDEMA

O Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte (IDEMA) recebeu na manhã desta quinta-feira (30) o Relatório de Avaliação Ambiental (RAA) para o Porto de Natal. O documento foi inicialmente apresentado ao público presente no auditório do órgão ambiental e em seguida entregue ao diretor geral do IDEMA, Gustavo Szilagyi, que o recebeu das mãos do presidente da Companhia Docas do Rio Grande do Norte (Codern), Pedro Terceiro.

O RAA é uma das exigências da Secretaria de Portos (SEP) da Presidência da República e foi elaborado pela Fundação da Universidade Federal de Santa Catarina. De posse do relatório, o IDEMA irá apreciar os estudos para posterior emissão da Licença de Regularização de Operação (LRO) para o Porto de Natal.

De acordo com o presidente da Codern, a obtenção da licença ambiental por parte do IDEMA será o ponto inicial para a implantação das ações previstas no estudo, tais como o Programa de Educação Ambiental com a Comunidade do Entorno e Funcionários; Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS); Programa de Comunicação Social; e Programa de Inserção Social das Comunidades. “Após a regularização ambiental do Porto junto ao IDEMA, será possível implementarmos as atividades contempladas pelo projeto. Daremos ao Rio Potengi o respeito com o qual ele sempre mereceu ser tratado”, analisou Terceiro.

O Relatório de Avaliação Ambiental faz parte do Programa Básico de Regularização Ambiental (PBRA) da SEP e foi elaborado a partir de Termo de Referência do IDEMA. De acordo com o diretor geral do órgão ambiental, o documento trará subsídios aos técnicos do IDEMA para a posterior emissão da licença ambiental e suas condicionantes. “Estejam certos de que o IDEMA possui uma equipe técnica bastante qualificada para analisar esses estudos que serão determinantes para a emissão da licença ambiental do Porto”, observou Szilagyi.

Além dos diretores do IDEMA e do presidente da Codern, a reunião de apresentação e entrega do RAA do Porto de Natal contou ainda com a participação do diretor de revitalização e modernização portuária da SEP, Antônio Maurício Ferreira Neto, técnicos da UFSC responsáveis pela elaboração dos estudos, e técnicos do IDEMA e da Codern.

enviar comentário
Publicidade

Empresa vai investir R$ 700 milhões em mina de Cruzeta, construir mineroduto e ampliar porto de Natal

Parece que, enfim, o porto de Natal vai deslanchar em razão dos grandes investimentos que estão previstos para os próximos anos.

A Susa Mineração, empresa formada pela indiana Zamin Ferrous e pelas brasileiras DP Projetos e Idepp, investirá R$ 700 milhões nos próximos três anos para explorar minério de ferro em Cruzeta (RN).

O aporte, cujo maior volume virá do investidor indiano, será destinado a projetos na mina, de logística e de ampliação do porto de Natal.

A intenção da empresa é construir um mineroduto de 230 km para escoar a produção. No porto, uma parceria público-privada deve garantir a construção de um píer novo para atracação.

A empresa também espera que a profundidade do mar seja ampliada de 10 metros para 17 metros para poder enviar seus produtos em barcos com capacidade para 75 mil toneladas.

O trabalho de dragagem é realizado pelo governo federal. Por enquanto, apenas barcos para 35 mil toneladas podem atracar em Natal.
Em setembro, ocorreu o primeiro embarque. Foram exportadas 32 mil toneladas para a China.
“Mais três embarques sairão neste ano”, diz o diretor da Susa e sócio da DP Projetos, José Fonseca de Oliveira.

A empresa projeta produzir até 5 milhões de toneladas por ano a partir de 2013.
“Mas isso está condicionado aos trabalhos de dragagem e logística. Por enquanto, estamos transportando por rodovia, mas isso não será possível quando aumentarmos a produção.”

A mina tem 150 milhões de toneladas de minério de ferro, segundo estudos.

As informações são do jornal Folha de São Paulo

Comentários (2) enviar comentário
  1. Gustavo Faria disse:

    É bom saber que empresários sérios acreditam no potencial que nosso Porto tem a oferecer! Que sirva de exemplo para tantos outros! Valeu pela cobertura BG.

  2. Paguedez disse:

    Se a notícia se confirmar será uma boa… muito mais pelas reformas no porto do que pela extração do minério… enquanto estamos exportando minério pernambuco recebe uma montadora da FIAT.. o ideal seria usar o minério aqui mesmo!!!

Publicidade