Publicidade

Igreja Católica pede audiência com governador para tratar da luta salarial da UERN e demais servidores

Os líderes da Igreja Católica do Rio Grande do Norte subscreveram ao governador Robinson Faria ofício em que pedem audiência para tratar dos direitos da UERN e dos servidores que se encontram em dificuldades financeiras pelos atrasos salariais. O texto é assinado pelo arcebispo de Natal, dom Jaime Vieira Rocha, e pelos bispos de Mossoró e Caicó,  dom Mariano Manzana e dom Antonio Carlos Cruz, respectivamente.

“Mais do que buscar compreender a temática em tela, a Igreja Católica objetiva contribuir na construção de caminhos para a solução do problema que ora se apresenta”, diz a nota, cuja íntegra vai abaixo.

 

Comentários (4) enviar comentário
  1. Frasqueirino disse:

    Hipocrisia…

  2. Junior disse:

    Em reunião na assembleia no clube tiradentes foi avisado q não existe nenhuma perspectiva de salários para os policiais militares. O que será de nós.

  3. Natal sofrida disse:

    Deviam se preocupar com os padres pedófilos. Só politicagem. Hipócritas!

  4. joao disse:

    Se privatizar resolve… e ainda sobra pra igreja…

Publicidade

Reitoria da UERN é invadida por professores dispensados

Comentários (4) enviar comentário
  1. Edu disse:

    Pense num calo dolorido, essa UERN para o RN.

  2. Ceará-Mundão disse:

    Mais um tiro no pé dessa turma que não gosta de trabalhar nem de prestar conta dos seus atos. Justamente quando a sociedade potiguar está discutindo a conveniência de um estado pobre como o RN sustentar uma universidade, essa turma resolve promover suas badernas.

  3. paulo martins disse:

    A Uern é uma sucursal avançada da Escolinha do Professor Raimundo: uma típica piada pronta.
    Marnum se avexe não, que brevemente Robin vai convidar vocês para sobrevoar o Atlântico no 'Potiguar I', com direito a vista aérea do Carnatal.

  4. Helio Mota disse:

    Ahhh desse jeito eles voltam aos cargos ainda hoje.
    Fora o "oba, oba" dessas invasões, onde acontece de tudo já que o território invadido vira terra sem lei, nunca vi essas coisas darem resultado.
    Mas para quem não tem mesmo o que fazer, tá valendo.
    No mais isso é apenas uma típica ação que apenas fortalece o discurso de extinção da UERN.

Publicidade

UERN: Reitor cobra posição do governador em relação aos conflitos com servidores

Em reunião ocorrida nessa segunda-feira(27) em Natal envolvendo o Fórum dos Reitores do Rio Grande do Norte e a chefe de gabinete Tatiana Mendes Cunha, o reitor Pedro Fernandes Ribeiro Neto cobrou uma posição do governador Robinson Faria em relação aos conflitos com servidores da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN).

O reitor questionou a nota do Governo do Estado que colocou que os salários estão atrasados há 25 dias. “São mais de 20 meses seguidos de atrasos salariais”, frisou.

Admitindo que a situação financeira dos servidores e professores da UERN é delicada ele declarou que é preciso o governador se posicionar. “A situação entre docentes e governo está se tornando muito delicada. O governador precisa receber a categoria e se posicionar sobre os últimos acontecimentos”, declarou.

Nesse momento a secretária chefe de gabinete colocou que não há data para efetuar o pagamento.

O reitor pediu a palavra e lembrou que há tratamento diferenciado entre as categorias. “Isso complica a situação. É difícil lidar com a situação após uma categoria ser paga e outra não. Fica parecendo que o dinheiro está disponível e que não se paga porque não quer”, analisou.

As cobranças de Pedro Fernandes para que o governador receba a categoria foi reforçada pelos demais reitores presentes ao encontro. Cada um deles reforçou o respeito e a admiração pela UERN.

O reitor da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA) Arimatea Matos destacou a importância da UERN para a instituição superior que dirige. “A UERN é nossa vizinha de cerca, sua existência é fundamental para a UFERSA”, frisou.

O reitor do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) Wyllys Farkatt destacou as parcerias com a UERN. “A UERN hoje é a maior parceira do IFRN em relação às pós-graduações onde a experiência da UERN foi fundamental para começar o nosso programa”, destacou.

A reitora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) Ângela Paiva lembrou do peso da UERN no interior do Estado. “Quando eu era criança no Oeste Potiguar, a única esperança que as famílias tinham se chamava UERN”, lembrou.

Ainda participaram do encontro o professor João Batista Xavier, o diretor do Campus de Natal Francisco Dantas e a pró-reitora adjunta de recursos humanos e assuntos estudantis Jéssica Neiva.

Comentários (8) enviar comentário
  1. Romualdo disse:

    Por que não integrar a UERN no Instituto Kennedy e assim acabava com toda essa celeuma. Pois o Estado muito mal consegue manter o ensino médio que é sua obrigação constitucional. Quanto mais a educação superior.
    Melhor então, integrar a Universidade no Instituto Estadual de Ensino Superior e por meio de convênios e parcerias, oferecer formações, capacitações, treinamentos, graduações e pós graduações a todos os norte rio-grandenses.

    • Ceará-Mundão disse:

      Melhor privatizar e por essa gente prá trabalhar. O RN é um estado pobre e não se justifica gastar uma fortuna com a manutenção de uma universidade enquanto o ensino básico e fundamental do estado é uma porcaria. Essas universidades públicas são utilizadas por quem tem condição de pagar os estudos. Melhor seria substituí-las por bolsas de estudo a serem distribuídas por quem realmente precisa delas.

  2. Paulo Silva disse:

    Pergunta a Tatiana se o salário dela está atrasado? Governador faz tempo que não tem o camando deste barco… estamos a deriva…

  3. Ilo disse:

    Tenho grande respeito a UERN. O problema é que o RN não tem recursos para sustentar uma instituição que custa tanto dinheiro, Mormente quando existem outras prioridades. É como um servidor público que resolve comprar uma Ferrari. Vai sofrer muito para mantê-la.

  4. Lorena Galvão disse:

    Quando falo nos fantasmas da assembleia você não publica, é um direito seu, mais que e verdade é, nos ativos que trabalhamos não recebemos mais os fantasmas bolso cheio, tem dinheiro sim, apenas uma grande desorganização e gastos desnecessários, e por cima a bancada estadual, federal e senadores contra nos funcionários, abram do olho, eleição vem ai

  5. Maria de Fátima de Lima disse:

    Poque nossos salário governador do Rio Grande do Norte o primeiro da história eu mesmo compreta hoje dois meses sem receber dinheiro não temos culpa do fracasso do estado e também do desastroso governo que você está fazendo tenha um pouco de dignidade com o povo do seu estado.

  6. Jacio Maranhão disse:

    Situação vai fica pior que Rio de Janeiro servidor pede socorro estamos passando fone

  7. Almir Dionisio disse:

    Parece que a governadora é a Chefe de Gabinete Civil que fala fala e nada, aliás nesse DESgoverno só se fala em Frustração de Receitas e os Cargos Comissionados e Gratificações, gastos com viagens e alimentação nos Camarões tem.
    Agora os duodécimos para a Assembléia Legislativa e os servidores do Executivo ficam na pior sem data para receber, juros e multas nos atrasos.
    Estamos passando fome, necessidades… Daí o desespero já de alguns

Publicidade

UERN, um patrimônio do Rio Grande do Norte

Por Bruno Barreto, diretor da Agência de Comunicação da UERN

Muito se fala sobre a Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), mas pouco se conhece a respeito da real importância dela na nossa sociedade. E de forma equivocada tem se apresentado valores sobre suas despesas que não são verídicas.

A UERN é uma instituição pública de ensino superior de baixo custo para as finanças do Estado, se analisarmos friamente os números veremos o tamanho do retorno.

Praticamente 100% dos professores da rede pública do Estado que atuam nas regiões do Oeste, Alto Oeste, Vale do Açu São formados na UERN. Isso sem contar que a Universidade está instalada em regiões carentes como a Zona Norte de Natal. São 12.652 alunos, sendo 70% deles de origem humilde beneficiados por cotas sociais. Além disso, 5% das vagas são destinadas para pessoas com deficiência.

Que universidade privada conseguiria se dispor a formar professores de História, Geografia, Matemática, Física e Química? Sem a UERN, uma empresa privada, que, legitimamente, visa o lucro, vai bancar cursos deficitários?

“Ah, mas 30% dos alunos da UERN são de outros Estados”, diria o crítico. Primeiro não são 30%, mas 15% de estudantes de outros Estados. Existem alunos do Ceará e da Paraíba por lá, da mesma forma que existem discentes potiguares na UECE e UEPB. Estamos numa sociedade que permite ao cidadão o direito de se mudar e tentar a vida em outro estado. Sem contar que muitos deles fixam residência nas cidades onde fazem faculdade, foi o que aconteceu comigo, inclusive. Mas tudo isso é caro e o Estado não tem condições de manter, alega o cidadão desinformado que não vai com a cara da UERN. Mais caro é aumentar o déficit de médicos e professores que tanto prejudica a nossa sociedade.

E se compararmos com a UEPB (uma universidade estadual com autonomia financeira), por exemplo, veremos como a UERN não é tão cara como dizem. Num levantamento sobre a folha de pagamento (sem incluir os aposentados) entre 2008 e 2015, identificamos uma universidade estadual no RN com média de R$ 45 milhões a menos que a sua congênere paraibana. Ou seja, a folha de pagamento da UERN é menor do que a da UEPB cerca de R$ 45 milhões por ano.

A folha de 2015 foi de R$ 180 milhões na UERN e R$ 225 milhões na UEPB.

Em 2016, o impacto da UERN foi insignificante no orçamento do Estado. O Governo teve R$ 8.904.481.133,49 em despesas.

Desse montante, R$ 21.514.017,77 foram usados para o custeio da Universidade. Isso representa o modesto percentual de 0,2% das despesas do Rio Grande do Norte. As despesas totais da UERN equivalem a R$ 196.264.881,80, que corresponde a 2,2% do Orçamento Geral do Estado.

Isso sem contar que a UERN nos últimos anos tem captado muitos recursos federais por meio de financiamentos, editais de extensão e emendas da bancada potiguar no Congresso Nacional.

Além disso, a UERN vem crescendo vertiginosamente com a criação de cursos de mestrados e doutorados, inclusive temos um doutorado em Pau dos Ferros na área de Letras.

Já pensou um professor com tamanha qualificação dando aulas numa escola pública numa cidade pequena como Encanto no Alto Oeste Potiguar? A UERN é a inclusão de todas as regiões do Estado no ensino superior.

O custo de um aluno é em média R$ 911 e isso inclui cursos como Odontologia e Medicina, que na esfera privada são os mais caros. Imagine que esses alunos atendem diariamente centenas de pessoas carentes em ambulatórios e clínicas odontológicas mantidas pela Universidade com supervisão dos professores. Num único dia esse investimento mensal já é devolvido aos mais pobres.

Vale salientar que tirando o pagamento dos terceirizados, o custeio mensal de toda UERN é inferior ao de uma única UPA.

Na UERN não há exageros em seu quadro docente. A média nacional para as universidades estaduais é de 14 docentes para cada aluno.

Atualmente, o investimento do Estado na UERN, com sua folha de pagamento, representa apenas 4,2% da Folha de Pagamento do Estado. É um montante muito baixo diante do retorno financeiro que ela dá formando médicos, advogados, juízes, promotores, jornalistas, dentistas, professores, economistas, contadores e tantos outros profissionais que só existem no interior do Rio Grande do Norte graças a existência de uma universidade pública e gratuita que já formou mais de 42 mil profissionais que estão contribuindo para o desenvolvimento das cidades potiguares e, portanto, do próprio estado do Rio Grande do Norte.

O retorno que a UERN dá ao Rio Grande do Norte não é só acadêmico, mas principalmente social.

A UERN é um patrimônio.

Comentários (12) enviar comentário
  1. Miriam Carabetti disse:

    Fui informada que há professores médicos em greve há dois meses por salários atrasados, prejudicando aulas de alunos do curso de medicina. Isso procede? Obrigada

  2. Jose Ronaldo disse:

    Bruno, parsbens pelo texto, precisamos escrrver mais sobre isso. Apenas veja essa medida do número de docentes por alunos, a relação parece estar invertda.

  3. Ivanaldo Xavier disse:

    Só quem tem uma mente tacanha, doente e não pensa no social e no coletivo é que afirma ser a UERN um peso para o Estado. A miopia dos insensatos não o deixa ver a realidade. Mossoró e toda a região atendida pela Universidade do Estado não teriam se desenvolvido se dependesse da mentalidade atrasada dos nossos políticos que não veem além da Reta Tabajara.

  4. Bruno Barreto disse:

    Caro Manoel, a Uern não é um luxo e privitazar uma Universidade é uma ideia absurda. Venha ao interior do Estado conhecer a Uern e saber o papel social dela. A constituição fala em prioridade ao ensino médio para os estados e não determina que tenha que ser assim. Prioridade é diferente de obrigação. Por essa lógica as escolas estaduais de ensino fundamental deveriam ser fechadas pq a prioridade é dos municípios.

  5. Bruno Barreto disse:

    Caro Manoel, a Uern não é um luxo e privitazar uma Universidade é uma ideia absurda. Venha ao interior do Estado conhecer a Uern e saber o papel social dela.

  6. Paulo Damasceno disse:

    Tem que vender a UERN já!

  7. Bruno Barreto disse:

    Meu caro "filho de poti" preste atenção que são 4,2% da folha e do orçamento. O impacto da Uern no orçamento é de 2,2%. Além de usar um nome falso tem sérios problemas de interpretação de texto.

  8. Manoel disse:

    A UERN é bom sim, mas o RN não pode bancá-la. Privatizar e logo é o melhor caminho. O Sr. Bruno está cumprindo seu papel de defender mas a maioria da população é consciente do ralo de dinheiro público que é esta instituição que, diga-se de passagem, não faz parte das obrigações estaduais. Ensino superior não cabe aos estados.

  9. Tadeu disse:

    A UERN é mais um desses absurdos existentes no Brasil. Vai ver quem está no curso de Medicina da UERN… só classe média alta, estudando de graça sustentados por um Estado miserável, enquanto isso drena recursos que deveriam ser destinados à educação básica. É como se uma família pobre comprasse uma BMW financiada.

    • Lindercy. disse:

      Tadeu, 50% das vagas são para alunos de escolas públicas.
      Estude.

  10. Filho de Poty disse:

    Cadê meu comentário sobre a UERN? Não pode haver opinião contrária a matéria?
    Como a EURN sozinha consome quase 5% de toda arrecadação do Estado do RN? Onde isso é pouco?
    Se a UERN sabe das deficiência de professores do ensino público do RN, por que não tomou as providências para acabar com isso, em mais de uma década de existência?
    Comparou a folha de pessoal com a UEPB, que tal comparar com a folha da UFRN? Quem ganha mais, um diretor de curso da UERN ou da UFRN?
    A UERN quer ser maior que a UFRN, só que uma tem orçamento federal e a outro depende dos escassos recursos estaduais, de um dos menores Estados da federação.

  11. Lair Solano Vale disse:

    Bruno você deu uma aula sobre a nossa UERN e como o dinheiro aplicado nela afeta o nosso povo, principalmente, os mais pobres. Não se conheçe escândalos com o uso do dinheiro público dentro da Uern desde os tempos dos seus fundadores. Que a mesma continue atraindo pessoas como você para o seu quadro de abnegados colaboradores e enchendo de felicidade os lares de Patu até a Zona Norte da Capital.

Publicidade

UERN: 85% dos estudantes são do Rio Grande do Norte

Por interino

A adesão ao Sistema de Seleção Unificada (Sisu), sistema que utiliza a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) como critério de seleção, permitiu a Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Uern) potencializar a oferta de suas vagas para candidatos de todo país. Ainda assim, a maioria das vagas da Universidade é preenchida por estudantes norte-rio-grandense.

Hoje, 85% dos estudantes que ingressam no curso de graduação da Uern são oriundos de cidades do Rio Grande do Norte. E 70% dos graduandos são provenientes de escolas públicas. “Na última edição do Sisu, 40 mil estudantes de todo o país se inscreveram para concorrer às vagas oferecidas pela Uern. Isso demonstra que nossos cursos de graduação são atrativos, tanto para os estudantes do RN quanto para os outros estados”, avalia o reitor Pedro Fernandes.

Outro dado interessante é que a adesão ao Sisu/Enem credencia a Uern a receber R$ 2 milhões por ano pelo Programa Nacional de Assistência Estudantil (Pnaest). “Desde 2014, temos o convênio assinado, estamos dentro da portaria e estamos aguardando a liberação, em torno de R$ 6 milhões. Estivemos com o Ministro da Educação, Mendonça Filho, e entregamos um ofício solicitando atenção para este caso”, diz Pedro Fernandes.

Os recursos do Pnaest são voltados exclusivamente para assistência estudantil, como alimentação, moradia, creche, atividades de saúde, esporte e cultura.

enviar comentário
Publicidade

Dupla faz arrastão em saula de aula na UERN

O Mossoró Hoje destaca nesta segunda-feira(13) um arrastão registrado por volta de 12h30, em plena sala de aula da Universidasde do Estado do Rio Grande do Norte(UERN). De acordo com a matéria, um homem e um adolescente, aparentemente, com uma arma de cano curto, invadiram o bloco da Faculdade de Ciências Exatas e Naturais(FANAT), e realizaram a ação criminosa, levando celulares e outros pertences de alunos.

Segundo o Mossoró Hoje, os marginais só não levaram mais pertences porque um professor que ministrava aula esboçou reação com uma cadeira, obrigando a dupla a empreender fuga.

Comentário (1) enviar comentário
  1. joao disse:

    Gastaram muito na UERN que nao é obrigaçao do Estado e que traz pouco retorno ao custear alunos para outros mercados. E acharam que investiram na segurança publica que esta reduzida a quase 60% do quadro previsto em Lei.. e este é obrigacao do Estado. O resultado academico é este indice de violencia, falencia da saude e ensino fundamental capenga, o resto é propaganda ideologica que educaçåo resolve o problema da seguranca dos sonhos bolivarianos… Sem segurança, nao ha comercio, nem escola, nem impostos, nem nada.. a exemplo do ES.

Publicidade

UERN divulga nesta sexta número de candidatos em concurso público

A Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) divulgará, juntamente com o Instituto de Desenvolvimento Educacional, Cultural Assistencial (IDECAN), a relação dos candidatos aptos ao concurso público da instituição na próxima sexta-feira, 22.

A confirmação foi feita pela Comissão Central do Concurso que já está trabalhando as próximas etapas do certame, que será realizado dia 14 de agosto.

As orientações gerais estão sendo encaminhadas aos Chefes de Departamento, Coordenadores, Diretores de Unidades Acadêmicas e Fórum de Chefes e Fórum de Diretores. O documento inclui informações sobre a banca examinadora, prova escrita, prova de desempenho didático e avaliação de títulos.

A Comissão orienta que os membros externos devem ser selecionados de acordo com a titulação exigida para o preenchimento da vaga. Para as áreas em que titulação exigida é a de mestre, é obrigatório, no mínimo, um doutor na banca examinadora. Já nas áreas de titulação de doutor, a banca examinadora deve ser composta exclusivamente por doutores.

Os departamentos devem reconfirmar a indicação dos membros da banca examinadora tão logo seja publicada a relação dos concorrentes no site do IDECAN.

O cronograma também determina que cada examinador deverá enviar ao chefe do departamento ou coordenador de curso, a declaração de não impedimento de participação na banca, até o dia 26.

A UERN oferta 116 vagas, sendo 76 para professor e 40 para técnicos de nível superior e agente técnico administrativo (médio).

enviar comentário
Publicidade

Técnicos da UERN aceitam proposta do Governo e encerram greve; docentes seguem paralisação

As informações foram divulgadas no twitter de Saulo Spinelly, pedagogo, ex-presidente do DCE / UERN, ex-Presidente da JSB RN,  e também no site oficial da instituição.

uerndocentesReprodução: Twitter UERN

Comentários (3) enviar comentário
  1. Indignado disse:

    Os vigilantes do campos natal estão a dois meses sem receber saalario

  2. suellen disse:

    Fecha essa UERN e pronto!

  3. henrique disse:

    E agora José? cinco meses de grEve e recebendo seus salários bem direitinho, quando for no próximo ano greve de novo.

Publicidade

UERN: Reitoria e Governo alinham proposta para atender reivindicação de servidores

IMG_2508Foto: UERN

Até a próxima terça-feira, a Associação dos Docentes e Sindicato dos Técnicos Administrativos da Universidade do Estado do Rio Grande Norte (UERN) deverão receber a proposta salarial do governo negociada pela Reitoria, nesta quinta-feira. Como foi anunciado pelo reitor Pedro Fernandes, na audiência pública promovida pela Câmara Municipal, uma nova rodada de negociação aconteceu no início da noite de ontem e a expectativa é de que até essa data as duas categorias em greve possam analisar a proposta.

Na reunião com a secretária-chefe de Gabinete Civil, Tatiana Mendes Cunha, e o secretário de Planejamento, Orçamento e Finanças do Estado, Gustavo Nogueira, Pedro Fernandes apresentou propostas para o fim do impasse. As novas planilhas foram discutidas detalhadamente e, mais uma vez, o reitor insistiu que o enxugamento das despesas feito pela gestão comporta a reposição salarial, sem necessidade de suplementação orçamentária.

A política de austeridade da UERN foi reconhecida pelo Governo e também pelo Ministério Público (MP). Na audiência, que contou com a presença da senadora Fátima Bezerra; deputado Fernando Mineiro e Sindicatos da UERN, o Procurador Geral de Justiça, Rinaldo Reis, elogiou a Universidade pela eficiência da gestão e disse que se outros órgãos seguissem o modelo da instituição, eles contribuiriam significativamente para que o Governo saisse do limite legal da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que impede recomposição de salários dos servidores públicos.

Antes da reunião com os secretários de Estado, o reitor Pedro Fernandes, acompanhado da Pró-Reitora de Planejamento da UERN, Fátima Raquel Rosado de Morais, foi recebido pelo governador em exercício, Fábio Dantas.

Com informações da UERN

enviar comentário
Publicidade

UERN: Procurador diz que “não há saída” para greve com Lei de Responsabilidade Fiscal

“Nesse cenário, não há saída”. Esse o ponto de vista do procurador-geral de Justiça, Rinaldo Reis, à luz da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), sobre o que é pleiteado por técnicos e professores da Universidade do Estado do RN (UERN).

Ele presidiu reunião hoje pela manhã em seu gabinete (veja postagens mais abaixo), envolvendo representantes dos grevistas da universidade, reitor Pedro Fernandes Neto, deputado estadual Fernando Mineiro (PT), senadora Fatima Bezerra (PT) e Tatiana Mendes Cunha – secretária-chefe do Gabinete do Estado.

Também participou o promotor Afonso Ligório.

O impasse foi mantido. O Governo tem boa vontade, diz estar aberto ao diálogo, propõe-se a resolver a questão, mas não tem meios para dar o reajuste salarial de 12,035% – conforme acordo que deriva do final da administração Rosalba Ciarlini, em 2014.

Veja texto completo no link abaixo:

http://blogcarlossantos.com.br/procurador-diz-que-nao-ha-saida-para-greve-com-lrf/

Blog Carlos Santos

Comentários (2) enviar comentário
  1. Roberto disse:

    LRF, crise econômica e arrocho salarial só vale para servidores do Executivo. Para o Legislativo e principalmente o Judiciário num tem isso não: os aumentos são enfiados goela abaixo e o governo é praticamente obrigado a conceder. Isto fora os outros privilégios que os demais servidores não tem.

  2. mucio disse:

    Para o reajuste dos salários do procurador e de seus pares,no início do ano ,não houve lei de responsabilidade fiscal alguma que o impedisse.Um caso típico de dois pesos e duas medidas favorável a uma casta de privilegiados que,ao lado de outras,levam grande parte da folha salarial do estado.

Publicidade

UERN: Obras de adequação do Complexo Cultural para o Campus de Natal estão em fase de conclusão

A Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) espera concluir as obras de adequação do Complexo Cultural localizado na Zona Norte para o Campus de Natal, até a próxima semana. Os serviços estão em fase de acabamento.

Nesta quinta-feira,12, o vice-reitor Aldo Gondim visitou o Complexo Cultural acompanhado do assessor de Obras, Osmídio Dantas, e do engenheiro/eletricista, Kaio Sousa. Eles se reuniram com a diretora do Campus, Ana Dantas, diretora do Complexo Cultural, Irene de Araújo Van Den Berg, professores e técnicos administrativos para tratar da mudança para o novo endereço.

A previsão é que até a próxima semana, o Campus que funciona no bairro Neopólis (Zona Sul) seja transferido para a Zona Norte. Alguns setores já estão se transferindo gradativamente.

A UERN investiu cerca de R$ 300 mil para deixar o Complexo Cultural em condições de se transformar no novo Campus Avançado de Natal (CAN). São 9 salas de aula, laboratórios e salas para as atividades administrativas e também acadêmicas.

O Campus da UERN funcionará no Complexo Cultural até a conclusão das obras da sede definitiva que será construída ao lado. O investimento é de R$ 5,5 milhões, recursos do Pro-Investe, financiamento do governo do Estado junto ao Banco do Brasil.São R$ 6,2 milhões que foram aprovados pela Assembleia Legislativa que garantirão, ainda, o novo Campus de Caicó. A UERN está esperando apenas a liberação dos recursos para retomar a obra.

Com informações da UERN

Comentários (2) enviar comentário
  1. Sergio Raimundo Diniz disse:

    Bom, o que você dirias aos moradores da zn que vão todos os dias a ufrn, tenha vergonha;

  2. Jucielde disse:

    Essa mudança da UERN de neópolis para ZN, vai dá problema com muitos alunos. Como fica os alunos que não puderem ou não quiserem ir para ZN?

Publicidade

UERN: Cessão de terreno para o Campus de Caicó é assinada

O Reitor Pedro Fernandes e prefeito de Caicó, Roberto Germano, assinaram na segunda-feira (12), o documento de cessão do terreno do EEJA para o Campus da UERN em Caicó.

Toda a documentação será encaminhada ao Governo do Estado para que as obras de adequação do prédio sejam iniciadas. Estão alocados recursos na ordem de R$ 1 milhão, pelo Proinvest, para essa obra.

A UERN terá um prazo de dois anos para ocupar a área cedida. Em nome do prefeito Roberto Germano, o Reitor Pedro Fernandes agradeceu o apoio da comunidade de Caicó.

A comitiva da UERN contou com a presença do Vice-Reitor Aldo Gondim, além de pró-reitores e assessores. O Campus da UERN em Caicó oferta os cursos de Enfermagem, Filosofia e Odontologia.

Com informações da UERN

enviar comentário
Publicidade