‘Operação Cidade Luz’: Na Paraíba, denúncia sugere e expõe investimentos políticos que empresários fizeram em Natal

Na denúncia em que apresentou ao Tribunal de Justiça da Paraíba, a Procuradoria Geral de Justiça daquele estado relaciona os crimes da Operação Cidade Luz perpetrados na cidade de Patos e relaciona crimes associados no Rio Grande do Norte, especialmente em Natal.
Uma das revelações divulgadas pelos promotores é de uma conversa de WhatsApp entre o empresário Maurício Guerra e Allan Rocha, em que associam a continuidade do esquema criminoso à vitória nas urnas de 2016. Nessa conversa, Allan Emanuel fala que o grupo saiu vitorioso em Patos, Natal e Parnamirim, conforme afirma o documento do Ministério Público da Paraíba.
Na sequência, há uma referência a “Kleber vereador aleito” [sic], que se trata do vereador licenciado Kleber Fernandes, de Natal, cuja campanha já foi citada por delatores como beneficiária do esquema descoberto na Secretaria Municipal de Serviços Urbanos.
Em nota ao blog, Kleber Fernandes afirmou que “é completamente descabido e irresponsável ele dar a entender, nas conversas que constam na denúncia que tem ‘acesso’ a mim e me citar como possível alvo de assédio da sua empresa para a prática de algum ato ilícito”. Kleber ainda ressaltou que não com o investigado que lhe citou, Allan Emanuel, “nenhum relacionamento mais próximo que pudesse ensejar tal insinuação” e que “jamais tratou com ele de qualquer assunto relacionado a contratos de fornecimento para a Prefeitura de Natal ou qualquer órgão público”.
Em Natal e Parnamirim, as gestões têm informado que colaboram com as investigações. Elas afastaram os servidores implicados no caso, fizeram substituições, reforçaram a transparência e não têm se omitido quando são instadas a se manifestar sobre o assunto. O vereador Kleber Fernandes tem optado pelo silêncio desde que seu nome foi implicado no caso.
Modelo
As cidades potiguares são referenciadas como modelo de fraudes que poderiam ser copiadas para outros municípios.
A investigação sugere que fraudes em contratos na orla de Natal estariam sendo copiadas para a orla de João Pessoa.  “Como se pode observar nos e-mails apreendidos, Felipe Castro chegou a enviar fotos dos projetos relatvos a orla de Natal para Felipe Cartaxo, com a intenção de obter o mesmo tpo de contrato para a orla de João Pessoa-PB”, registr a denúncia do Ministério Público da Paraíba.
Noutro trecho, os promotores identificaram que os mesmos documentos utilizados para fraudes em Caicó foram replicados em Patos. A prefeitura seridoense, aliás, é citada como referência de trativa de expansão para outras cidades.
A denúncia ainda traz nominalmente o nome de Tibau, em mensagem na qual Allan Emanuel Rocha comunica a preparação de editais para Patos e Tibau.

Operação Cidade Luz: Prefeito de Patos é afastado e outros 12 são denunciados

O prefeito da cidade de Patos, Dinaldo Medeiros Wanderley Filho, foi afastado pelo Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), nesta terça-feira (14). Outras 12 pessoas também foram denunciadas. O grupo é investigado pela Operação Cidade Luz e comandada pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB), que investiga fraudes em contratos de iluminação pública na cidade do Sertão paraibano, informa o G1.

A Justiça também determinou as seguintes medidas cautelares: comparecimento a todos os atos processuais para os quais forem convocados, proibição de acesso ou frequência à sede da Prefeitura de Patos, secretarias e à Comissão Permanente de Licitação e proibição de se ausentarem do Estado sem autorização do juiz-relator.

A denúncia protocolada no Tribunal de Justiça detalha a atuação de um esquema criminoso. Os integrantes do grupo estão sendo processados por crimes de organização criminosa, corrupção ativa e passiva, desvio de recursos públicos, fraude em licitação e lavagem de capitais.

O MPPB pede ainda a condenação dos denunciados, especificando os crimes cometidos por eles. Além disso, a suspensão da função pública do prefeito Dinaldo Wanderley e dos servidores públicos municipais, Felipe Moreira Cartaxo de Sá e Alysson dos Santos Gomes.

A equipe de comunicação da Prefeitura de Patos informou que a Procuradoria Municipal e o prefeito Dinaldo Medeiros Wanderley Filho ainda não foram notificados sobre o afastamento. A decisão foi tomada pelo juiz Carlos Eduardo Leite Lisboa.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Flávio disse:

    E aqui em Natal? Já esqueceram? Um absurdo o que essas oligarquias fazem com os recursos públicos,e ainda pintam de moralistas.

‘Cidade Luz’: Delação de Jerônimo Melo entrega corrupção generalizada na Semsur e atinge outras áreas da Prefeitura de Natal

Considerado o mapa das delações da Cidade Luz, uma certidão judiciária obtida pelo blog revela o índice das delações premiadas celebradas recentemente no âmbito da Operação Cidade Luz.

O documento indica que se trata do conteúdo da delação de Jerônimo Melo e seu filho, Daniel Melo, e Airton, que seria Airton Soares Costa Neto, chefe de gabinete da Semsur na gestão de Jerônimo Melo.

O conteúdo do material delatado por Jerônimo Melo demonstra potencial de enorme devastação. Ele foi secretário da Semsur partir do início de 2017 até a deflagração da Operação Cidade Luz.

Uma das suspeitas que há muito vinha sendo especulada e que acabou sendo confirmada é que houve transferência de recursos da Cosip, a taxa de iluminação pública, para a conta única da prefeitura.

A manobra é vedada porque se trata de recursos vinculados. Na Câmara Municipal, vereadores já tinham solicitado detalhamento da conta da Cosip, mas sem sucesso. Foi por manobra como essa que a ex-presidente Dilma Rousseff sofreu impeachment por crime de responsabilidade.

Jerônimo ainda entrega todo o esquema que era restrito até então à iluminação pública. Os tópicos de sua delação tratam de contratos de aluguel de carro, de grama; do pagamento de energia de particulares; de irregularidades na concessão de boxes, bancas de feiras, mercados, camelódromo e quioques.

Sua colaboração atinge ainda o desvio de pagamentos de taxas cobradas pelos cemitérios, ameaça sofrida por assessor de Raniere Barbosa e irregularidades no almoxarifado e arquivo da Semsur.

Os tópicos ainda citam o Carnaval de 2014, 2015 e 2016; a Copa do Mundo de 2014, o Natal em Natal e  uma carta ao então prefeito Carlos Eduardo Alves. Jerônimo ainda entregou irregularidades em obras no Parque dos Coqueiros.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Omar Salgado disse:

    Esse filho de Geraldo Melo (um homem de bem, diga-se de passagem, GM) sempre prepotente, sempre com cara de empáfia, sempre "emburrado", sempre antipático, com aquela expressão permanente de "nojo e vontade urgente de ir ao WC". Merecia estar mofando na cadeia, ainda seria pouco pelo que subtraiu do povo.

  2. Waldir disse:

    Cadê a inter TV que não fala.

  3. Luiz disse:

    Cadê os nomes?

  4. servidor disse:

    A Secretaria Municipal de Serviços Urbanos, tem em seus quadros efetivos inúmeros profissionais da mais alta capacidade técnica e conduta ilibada. em espacial aqueles que trabalham diretamente com a fiscalização do comércio informal, ou permissionários de áreas públicas (feiras livres, mercados públicos, quiosques entre outros) sejam eles auxiliares de campo ou fiscais de serviços urbanos. Que de maneira alguma compactuam com nenhuma prática ilícita. Há uma indignação generalizada entre esses servidores, quanto algumas praticas recorrentes na semsur, principalmente no se refere ao engessamento das atividades ou atribuições desses profissionais, até a nomeação para um cargo em comissão para a semsur de uma pessoa condenada judicialmente pelos mais diversos crimes. Aos cidadãos, tenham certeza que todos esses profissionais gostariam de trabalhar ainda mais por Natal, no entanto……..

  5. Azevedo disse:

    Está ou estava formada uma verdadeira quadrilha na prefeitura de Natal. A roubalheira provocada por esses bandidos é uma verdadeira afronta ao contribuinte e ao povo natalense. Vamos aguardar se a justiça vai ter a coragem de colocar esses ladroes atras das grades ou se vai terminar tudo em pizza.

  6. Fal disse:

    Você imagine nos outros órgãos públicos !!!!!

  7. sandro disse:

    O Secretário Jonny Costa, tem que de uma forma imediata, providenciar a apuração de todas essas denuncias, inclusive pelo que eu li aqui nos comentários, que espaços públicos são usados por funcionários da semsur e por indicação de vereador, é inadmissível que o secretário permaneça passivo frente as denuncias.

  8. Rafael disse:

    Com a palavra o Sr. João Sergio Barbalho Simonetti, Diretor de Departamento de Concessões, Permissões e Autorizações – DCPA da semsur, que está no no mesmo cargo desde janeiro de 2013, até a presente data por indicação do Ex prefeito Carlos Eduardo. haja vista o Sr. João Sergio, ser de extrema confiança e ter fortes ligações familiares com o ex prefeito. nesse período passou os senhores ex secretários, Raniere Barbosa, Antônio Fernandes e Jeronimo Melo, permanecendo . O Diretor do DCPA é a quem compete, emitir parecer favoráveis ou não sobre a emissão da autorização aos que requerem a ocupação de espaços públicos.

    • Leonardo Almeida disse:

      Rafael, boa noite!

      Você está jogando dúvidas e fazendo uma acusação vazia e infundada contra uma pessoa séria e que não coaduna com mal feito de ninguém. Conheci Sérgio Simonetti logo após sua nomeação para a Chefia de Direção que ele atualmente ocupa. Tenha absoluta certeza que ele, em nenhum momento, expediu parecer favorável a qualquer ocupação irregular de área pública. Pelo contrário, sempre se posicionou a favor da abertura de licitação pública como única forma de outorgar tais áreas e equipamentos públicos da cidade. Sou Chefe da Fiscalização Ambiental da SEMURB há 07 anos e nunca tomei conhecimento ou presenciei qualquer conduta irregular da parte dele. Atuei em dezenas de operações e ações ao lado de Sérgio Simonetti, nunca, mas nunca mesmo, vi ele atuar de forma parcial ou em desacordo com a legislação aplicável.
      Nós últimos anos tive a oportunidade de trabalhar ao lado de uma pessoa decente e honesta, um homem republicano e de palavra irretocável.
      Sua atitude irresponsável e sorrateira visando tentar manchar o nome de uma pessoa decente e responsável não irá adiante, pois todos que o conhecem sabem da clareza e publicidade com que ele tem tratado suas ações à frente do DCPA.

    • Rafael disse:

      Boa tarde, Leonardo Almeida, acho que vc não entendeu minha colocação. Em momento algum lancei dúvidas ou insinuações sobre a conduta de ninguém, apenas sugeri que o departamento responsável pelas concessões dos espaços que são utilizados por particulares, se pronunciasse como se dá tais concessões. até pq esse é um dos direitos que todos nós temos, que é de saber como funciona o serviço público. Espero que agora tenha ficado claro!

  9. José Cabral disse:

    Cadê os nomes???

  10. Diego disse:

    Quanto a autorização de ocupação de espaços públicos por particulares é de competência exclusiva do secretario da pasta. sendo assim ele tem que informar como se deu tal autorização e quais foram os critérios utilizados por ele para concessão. e se não foram outorgadas por ele, quem foi que autorizou.

  11. walter disse:

    No mercado da 6 tem a seculos verdadeiras empresas privadas, com as contas de luz paga pela semsur. e ninguém daquela secretaria nunca soube disso? me engana que eu gosto.

    • vanda disse:

      É só na 6 não. são em todos! seria bom uma investigação aprofundada. é o nosso dinheiro indo pelo ralo.

  12. carioca disse:

    Em relação aos quiosque das praias administrados pela semsur, familiares meus tentaram por diversas vezes conseguir após a urbanização um quiosque na praia do meio para melhorar um pouco sua renda. Todas as vezes que procurávamos informações sobre a possibilidade de se conseguir uma vaga, nos era informado que todos os quiosques seriam licitados, ocorre que nunca houve nenhuma licitação e pelo que todos sabem os quiosques foram ocupados por indicações de vereadores e outros quiosques são ocupados até mesmo por servidores da semsur e ate de outras secretarias, quem conseguiu e não precisa, alugou o local. e segundo os próprios funcionários da semsur , todas as irregularidades são de conhecimento do secretário jonny costa, mas esse nada faz e nem deixa a fiscalização agir , para não desagradar a quem indicou os ocupantes dos quiosques.

    • raul disse:

      enquanto cabra que trabalha na prefeitura ganha quiosque, a gente que monta uma barraca na areia tentando sobreviver é perseguido e marginalizado. eita mundão.

  13. Tarcísio Eimar disse:

    Rapaz, só a morte mesmo, pq essa bandidagem não acaba nunca, não tem justiça nem poder nenhum q consiga acabar com esse mal. Só a morte mesmo.

    • Diego disse:

      Amigo, enquanto essas "permissões" forem concedidas sem licitações, irá imperar o proselitismo político. a ocupação desses locais tem que ser por meio de licitação. só assim todos terão as mesmas oportunidades.

  14. Flávio disse:

    Vamos ver em que vai dar para essas figuras ditas SUPREMAS no nosso RN,que se acham acima do bem e do mal e ainda por terem várias amizades especiais conseguem procrastinar com seus caros advogados as ações que lhe são válidas. Por isso estamos vendo o nosso país nesse abismo sem fim. É muito ladrão pra muito dinheiro. Aí não sobra nada pra saúde, segurança e educação.

  15. Rubens disse:

    A reportagem não devia falar de forma genérica. Deve ir nos por menores e falar detalhes. Dar nomes aos bois.

Operação Cidade Luz: Justiça homologa delações de Jerônimo e Daniel Melo

Dois dos principais acusados da Operação Cidade Luz, que apura desvios na Secretaria de Serviços Urbanos de Natal, tiveram acordos de delação premiada homologados pela Justiça.

A colaboração de Jerônimo Melo, ex-secretário da Semsur, e Daniel Melo, seu filho, foram reconhecidas pela Justiça como tendo cumprido os requisitos de acordo de delação.

Na prática, significa que admitiram crimes, renunciam o direito ao silêncio e aceitam entregar pessoas acima deles no esquema, além de ajudar a esclarecer outros eventos.

Mais informações ao longo da cobertura.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Flávio disse:

    BG,soube que acabou o estoque de LEXOTAN NAS FARMÁCIAS DE NATAL! MUITA GENTE GRAÚDA ESTA SÓ NO TRONO O DIA INTEIRO. OS NERVOS CADA VEZ MAIS IRRITADIÇOS DO QUE OS COSTUMEIROS ARROUBOS DE VALENTIA CONTRA QUEM ESTÁ COBRINDO A MATÉRIA. VAMOS VER SE DESSA VEZ SE FAZ REALMENTE JUSTIÇA. O POVO NÃO AGUENTA MAIS SUSTENTAR ESSES POLÍTICOS PARASITAS COM OS SEUS IMPOSTOS INDO PARA O RALO DA CORRUPÇÃO!

  2. Tarcísio Eimar disse:

    O bom de gente pequena é q elas têm medo. Tem q abrir a boca mesmo e queimar os cabeças

  3. HENRIQUE disse:

    Ainda vão votar para senado no pai e avô deles? atenção povo de memória curta essa família Melo é igual a Alves, Maia e Rosado.

Portal destaca envolvimento de Carlos Eduardo na ‘Operação Cidade Luz’

O portal OP9, do Sistema Opinião, que abrange parte do SBT no Nordeste, destacou hoje as primeiras revelações das delações da ‘Operação Cidade Luz’ que envolvem o ex-prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves.

As matérias destacam que o ex-mandatário teria solicitado R$ 300 mil para sua campanha em 2016 das empresas com contratos com a Secretaria de Serviços Urbanos de Natal (Semsur), conforme revelado pelo BlogdoBG.

Carlos Eduardo, que tem evitado rebater as acusações, manteve seu posicionamento e não declarou ao OP9.

Nas matérias do jornalista Everton Dantas, os delatores Allan Emannuel Ferreira e Felipe Gonçalves de Castro contam como teria havido desvios, combinados com o direcionamento da licitação da decoração natalina de 2016.

A íntegra das reportagens pode ser acessada aqui e neste outro link

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ed disse:

    Será que Carlos Eduardo, imaginando uma possivel delação dos envolvidos na operação cidade luz, encontrou uma solução salomônica, nomeando jonny costa como secretario da semsur. E como um secretário tem seu nome envolvido em um esquema fraudulento na pasta em que comanda e ainda assim permanece no cargo? O prefeito tem o dever de afasta-lo imediatamente do cargo, mostrando assim insenção e transparencia do seu mandato.

  2. Ribeiro disse:

    Pode fala o q fala amigo Carlos Eduardo já é governador de férias nem segundo turno vai ter

    • Zeca disse:

      Vc é otimista igual os torcedores do time incarnado, kkkkkkkkkk.

    • Jorge Tinoco disse:

      Alves ou Maia. É sempre assim. E tem quem defenda as oligarquias. Muda Brasil? Nunca.

  3. luis disse:

    Sem querer fazer nenhum juízo de valor, mas no mínimo é estranho que o então Prefeito Carlos Eduardo, tenho nomeado o Sr. Jonny Costa, justamente para a semsur, logo após a deflagração da Operação "Cidade Luz". Com todas essas informações que chegam por meio dessas delações. Ficam as perguntas. Qual foi a verdadeira intenção do Ex Prefeito em nomear Jonny Costa, para secretário da semsur? Apurar a corrupção ou eliminar provas? O Prefeito Álvaro Dias, terá que se posicionar quando a permanência de Jonny a frente da semsur, sob pena de ser "conveniente" com a situação que envolvem essas delações. Com a palavra, o Sr. prefeitoo.

    • Pacato Cidadão disse:

      A hipotética VITÓRIA de CE ao cargo de Governador do Estado no pleito de outubro, representará (mais uma vez) a DERROTA do povo potiguar.
      A manutenção dos seus apadrinhados nos cargos na gestão municipal (leia-se: Elequicina Santos, Jonny Costa, Daniel Bandeira, Guilherme Freire, Justina Iva, Ilzamar Pereira, Adamires França, entre outros) é um questão de tempo: sendo ele vitorioso no certame, todos serão atraídos à estrutura estatal, e; ainda que seja derrotado, a maioria dará lugar à migração dos correligionários seridoenses.
      Quantos de vocês, caros leitores desse blog, estão satisfeitos com as condições em que se encontra a nossa cidade?
      Se querem analisar os aparelhos públicos (praças e canteiros), não tomem como parâmetro a bela Zona Sul; o façam pelas demais zonas administrativas da cidade, sobretudo as zonas norte e oeste (ou a população que por lá reside não é digna de um meio ambiente limpo e ecologicamente equilibrado?).
      O que mais vale: uma série de eventos de ordem cultural ou uma Guarda Municipal equipada e como efetivo renovado? Eu fico com a segunda opção. Caso vocês não concordem, sugiro visitarem as unidades de saúde, escolas e CMEIs e, assim, entenderem a importância desta corporação. Ao mesmo tempo que o município descumpre a Lei Complementar Municipal 104/08, ele contrata seguranças privados a um custo de até dez mil reais/agente, enquanto que um agente da GMN custa um terço disso.
      E a nossa orla? Quanto descaso!!
      E a nossa educação? Como são desvalorizados nossos professores. Sequer conseguem ver seu direito fundamental à mudança de nível reconhecido.
      E os profissionais da saúde? Todos aqui conhecem realmente a realidade das unidades básicas de saúde?
      E a pavimentação das nossas vias? Alguma semelhança com alguma gestão desastrosa que recém passou pelo Executivo municipal?
      E por aí vai…
      Fica a esperança de uma maciça participação popular nas urnas disposta à dar um basta nessa política de pão e circo e oligárquica.

Delações da ‘Cidade Luz’ iluminam segredos da Semsur e escurecem futuro de Carlos Eduardo

Ex-prefeito enfrenta procedimento de investigação que ainda está no Tribunal de Justiça e não desceu à primeira instância

 

Nove dias após ter sido reeleito prefeito de Natal no primeiro turno, em 11 de outubro de 2016, o então prefeito Carlos Eduardo Alves caiu em grampo da Operação Cidade Luz. À época, ele não era investigado, mas falou do telefone do então secretário de Serviços Urbanos, Antônio Fernandes, com o presidente da comissão de licitação da secretaria de Obras, Raul Araújo.

Na conversa, o prefeito afirmava que chegara a uma ‘solução salomônica’ para a decoração natalina daquele ano. Por muito tempo, questionou-se o que o prefeito quis dizer com tal solução. Delações premiadas celebradas com o Ministério Público por investigados da ‘Cidade Luz’ explicam essa solução.

Em 19 de fevereiro deste ano, o delator Felipe Gonçalves de Castro explicou aos promotores Giovanni Rosado e Marcelo de Oliveira Santos que a solução era um acordo simples: as empresas Enertec e Real Energy desviaram da Semsur R$ 280 mil para a campanha de Carlos Eduardo com o intermédio do secretário Jonny Costa. Em contrapartida, este se comprometeu a lhes dar mais contratos. A decoração natalina de 2016 teria sagrado esse pacto.

Carlos Eduardo Alves foi procurado para comentar a matéria e preferiu não se manifestar. Jonny Costa concedeu entrevista ao blog em que refutou as acusações com veemência. Ele afirma que qualquer um tem direito de declarar o que quiser, mas isso exige a responsabilidade de provar. Ele se disse tranquilo sobre o assunto.

Solução

Dois dias após a ligação indicando a solução salomônica, o Diário Oficial do Município falou. Em 13 de outubro de 2016, Real Energy, Lançar e BKL Construções arremataram a concorrência pública de cerca de R$ 3 milhões para decorar Natal para celebrar o nascimento do menino Jesus. Todas as empresas integram o que a promotoria considera um grupo criminoso articulado para desviar recursos da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Semsur).

Para a acusação, apesar de formalmente três delas terem vencido o certame, os acordo de fraudes tinham responsabilidades rateadas entre as demais envolvidas, incluindo a Enertec, que não aparece como vencedora da licitação.

Mas, para chegar aos acordos, houve divergências. Em depoimento à Promotoria Pública, Alan Emmanuel, outro delator, relatou que o então secretário da Semsur Antônio Fernandes apresentou a solução de que as vencedoras seriam as que tiveram seus nomes publicados no Diário Oficial, com o compromisso das demais serem contratadas por fora. Tudo, disse o delator, com o conhecimento e autorização do então prefeito de Natal.

Em um dos depoimentos, Allan Emanuel revelou que discutiu com outro investigado a preocupação sobre o contrato de eficientização do parque de iluminação pública. A conversa foi com Maurício da Guerra, da Enertec, que teria lhe dito que o contrato que estava por vir iria dar certo porque ele havia cumprido sua parte com Carlos Eduardo, ou seja, com os repasses. A Enertec levou o contrato.

Os depoimentos apontam que uma das reuniões que ocorreram para tratar dos desvios se deu dentro da Prefeitura do Natal entre Alan Emanuel, Jonny Costa e Carlos Eduardo. Os demais encontros teriam ocorrido no escritório da prefeitura em Candelária, tendo Carlos Eduardo escalado Jonny para administrar o assunto. As reuniões foram no começo de 2016.

Ainda segundo os delatores, todos os valores envolvido seriam destinados apenas à campanha.

As revelações levaram a Procuradoria Geral de Justiça a abrir procedimento criminal contra Carlos Eduardo Alves no Tribunal de Justiça por conta de seu foro privilegiado. Apesar de ter renunciado ao posto de chefe do Executivo da capital, todavia, os procedimentos seguem no TJ e não desceram para a primeira instância do Judiciário.

Outro lado

O ex-prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves, foi procurado pela reportagem para comentar a matéria. Ele preferiu não se manifestar.

Jonny Costa afirmou que as declarações dos delatores não são verdadeiras.

“Desconheço as informações porque as reuniões a que ele se referiu nunca aconteceram”, afirmou o atual secretário da Semsur. “Não conheço e nunca vi o Felipe Gonçalves e o Allan Emannuel eu conheci quando ele me procurou para eu tratar do assunto do irmão dele, que era da juventude do PDT e buscava um reposicionamento da administração”, explicou Jonny, que frisou ainda: “Meu contato com Allan se limitou a esse episódio do irmão dele”.

Ainda segundo o secretário, ele suspeita que o delator lhe atribuiu informações inverídicas porque o irmão pediu para sair da gestão depois que Jonny vetou um pedido para que ele fosse dispensado dois dias de seu expediente. “Não faço isso por ele nem por qualquer outro. É como eu trabalho. A partir desse episódio, eles passaram a me difamar na administração”, explicou o secretário.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. silva disse:

    Finalmente esta chegando a hora em que o povo poderá , caso seja esperto), mudar a roupagem da política nacional, acabar com a hegemonia de alguns políticos!!!!

    A hora é esta!!!!

    Acorda Brasil!!!!!!!!!!!!!!!!

  2. gilvanir disse:

    Tá no DNA, altamente dominante!!! Cadeia neles. Na prefeitura foi assim, imagina no comando do Estado, não vai sobrar absolutamente nada!!!

  3. Roberto Araújo. disse:

    Não devemos ter bandidos de estimação, não é mesmo?????

  4. Ricardo disse:

    Se forem corruptos, que sejam condenados e se prostrem envergonhados, perante si e a família.

  5. José disse:

    Agora chegou…

  6. joao gomes disse:

    todo ano é essa putaria. Todo mundo sabe que esses led são bem baratos e que são 2 caminhões da URBANA que colocam esses enfeites na cidade, são reciclados e se cobra milhões em contrato com essa porcaria todo ano. MP não faz nada pq deve receber algo em troca também pra ficar calado pq esse é o país dos ladrões!

Após Carlos Eduardo renunciar e perder foro, promotores avançam na Cidade Luz

Promotores do Patrimônio Público do MPRN deverão ir a Recife na quarta-feira (11) ouvir o empresário João Guilherme Cavalcanti, um dos empresários implicados na Operação Cidade Luz.

A oitiva ocorrerá na sede do Gaeco do MP de Pernambuco e está marcada para as 16h.

O depoimento ocorre em procedimento de investigação criminal, que precede a oferta de denúncia.

As ações de colaborações foram costuradas no momento em que Carlos Eduardo renunciou a prefeitura e perdeu o foro privilegiado.

 

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Felipe disse:

    Se esse prefeito (alias, agora, ex, né?) amasse mesmo Natal como ele diz que ama, nao abandonava a cidade nesse caos, o Hospital Municipal de Natal onde falta medico em quantidade suficiente, onde o atendimento é excessivamente demorado, onde falta remedio, onde falta leito. As ruas da cidade tudo esburacada. As ruas sem estacionamento, ele pensa que carro só serve p/ andar e que nao precisa estacionar. Esse cara merece jamais ganhar p/ governador. Foi embora da prefeitura sem consertar a mobilidade de transito urbano da cidade que é um caos total. Um absurdo uma cidade pequena como Natal e a pessoa demorar mais de 1 hora para se deslocar da zn p/ zona sul que se o transito fluisse, nao se gastaria mais do que 15 minutos. Prefeito que só quer dar cargo p/ apadrinhado. So fez o concurso da saude porque o MP_RN ficou na cola, obrigando-o a fazer. So voto nele p/ governador quem tem cargo comissionado e quem tem parente que tem cargo comissionado e a massa alienada (o pessoal do planalto que recebeu aqueles apartamentos). Povo ignorante! Dar um voto porque ganhou um apto la no Planalto. Ignorancia gigante que faz meu voto se apequenar. Alias, o que é um voto meu contra esse prefeito diante de centenas de outros a favor do mesmo da massa eleitoral ignorante que é manobrada?! que "troca" voto por apto?

  2. Felipe disse:

    é mas o povo ignorante jajá elege ele p/ governador e o foro privilegiado volta de novo. Se bem que o foro privilegiado dele era o pleno do TJ né? é um pouco mais fácil entao do que se fosse no STJ. O Robinson daqui a 10 anos e olhe lá sera condenado. Foro de governador é STJ. Boneco de Olinda ta querendo é isso hehehe ah sabido! O foro no STJ é dez vezes melhor do que um foro no TJ. Até isso pesou p/ ele deixar a prefeitura. Ta atras de um foro que faça uma blindagem mais eficiente. E a nossa massa eleitoral ignorante? que é manobrada com favores? vai dar esse foro privilegiado p/ Boneco de Olinda la no STJ? O povo nao sabe nem o que é STJ omi, quanto mais o que é blindar um político. Triste o nosso país lotado de ignorantes. Alguem me ajude a dar uma aula de cidadania p/ nossos semelhantes. A gente sozinho que tem consciencia eleitoral não vai ganhar e nem mudar nada nao. Precisamos conscientizar essa massa. Conscientizem a massa. Se cada um consciente fizesse um trabalho de conscientização p/ dez eleitores ignorantes, a gente estaria tendo uma grande evolução. Eu nao quero é que meu voto consciente seja solitário. Preciso da massa ignorante. Sozinho nao sou nada

  3. gilvanir disse:

    É para colocar TODOS corruptos na cadeia hoje é ele, em janeiro serão os SENADORES E DEPUTADOS OU SEJA PAIS E FILHOS!!!

Novas delações na ‘Cidade Luz’ atingem agente com foro privilegiado

por Dinarte Assunção

Uma audiência de instrução na Sexta Vara Criminal de Natal nesta quinta-feira (8) foi suspensa a pedido da Promotoria Pública em razão de delação que está em curso nas apurações da Operação Cidade Luz.

A notícia pegou todos de surpresa pela excepcionalidade, pois é incomum promotores exporem delação. Foi necessário o adiamento, contudo, para que a defesa das partes envolvidas possa se inteirar do conteúdo para poder retomar a instrução processual.

A referência da promotoria foi a um acordo de delação premiada, mas são dois que estão em curso na Operação Cidade Luz, um deles com potencial devastador pela localização em que se encontra neste momento: no gabinete do desembargador Dilermando Mota, aguardando homologação.

Para o caso estar com magistrado de segundo grau significa dizer que foi delatado ou o prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves, ou um deputado estadual, únicas pessoas com foro privilegiado no Tribunal de Justiça.

Apesar das investigações sobre as fraudes nos contratos de iluminação pública já se estenderem sobre outras cidades, o blog tem a confirmação de que a delação em andamento se trata de fatos relativos à Semsur – tanto assim o é que a audiência suspensa nesta quinta-feira se referia a fatos da Operação Cidade Luz.

Já contribuíram com as investigações, até o momento, pelo menos os seguintes nomes: Allan Emanuel, Felipe Gonçalves de Castro, Sérgio Pignataro e Kelly Patrícia.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. gilvanir disse:

    Quando chega à segunda instância não dará em nada, temos exemplos bem recentes com relação a DEPUTADOS E VEREADORES, aguardem e verão!!!

  2. Adalbetto disse:

    Bora Cabeção renuncie.

  3. Fátima disse:

    Calma pode ser um prefeito de alguma cidade do interior

  4. Sandro Múcio disse:

    Quero ver a notícia sair na Cabugi, hehehehe

Ponto comum de delatores, Raniere Barbosa enfrenta situação complicada de acusações formais na ‘Cidade Luz’

A despeito de ter retornado à presidência da Câmara de Vereadores de Natal, a situação do vereador Raniere Barbosa, nas investigações da Operação Cidade Luz não é confortável.

Toda a apuração sobre o parlamentar está sob segredo de justiça. No entanto, operadores do direito que têm acesso ao caso relatam que a situação de Raniere é delicada na medida em que as provas o aproximam do escândalo.

Além disso, ele é ponto comum dos colaboradores que celebraram delação premiada, ou seja, todos citaram o envolvimento de Raniere Barbosa no caso.

Raniere, que foi secretário da Semsur, chegou a ser afastado da presidência da Câmara em razão da materialidade das provas coletadas, mas o Superior Tribunal de Justiça entendeu que seu afastamento era desproporcional.

Ele enfrenta as acusações formais de falsidade ideológica, 36 tipificações de peculato e mais 36 tipificações de corrupção passiva.

No texto da denúncia, que é sigilosa, Raniere e mais oito são acusados de desviar de R$ R$ 2.179.327,66.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Niclas disse:

    Acho que tudo é mentira, Ranieri é um cabá bom

  2. Tomaz disse:

    Não esqueçamos dos vereadores que o reconduzirām ao cargo

Veja íntegra da denúncia contra Raniere e mais oito na Operação Cidade Luz

A íntegra da denúncia contra o vereador afastado Raniere Barbosa e mais oito pessoas, obtida pelo portanoar.com, é, pelo menos, a segunda dentro da Operação Cidade Luz. Ambas estão segredo de Justiça. As condenações pedidas nesta denúncia são pelos crimes de falsidade ideológica; peculato; corrupção passiva e corrupção ativa. VEJA AQUI 

Além de Raniere, foram denunciados Alberto Cardoso Correia, Antônio Fernandes de Carvalho, Humberto Pinto Silva, Jerônimo da Câmara Ferreira de Carvalho Júnior, Kelse Brena Fernandes da Silva, Maurício Ricardo de Moraes Guerra, Sérgio Pignataro Emerenciano e Walney Mendes Accioly.

 

Denúncia da Cidade Luz tem valor de desvio abaixo do divulgado

É destaque no Portal No Ar nesta sexta-feira(13). O Ministério Público do Rio Grande do Norte definiu em denúncia contra oito pessoas e o vereador afastado Raniere Barbosa, indicado como um dos líderes da suposta associação criminosa, que o valor desviado da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos, por esse grupo, teria sido de R$ R$ 2.179.327,66, cifra abaixo do que foi divulgado no dia da deflagração da Operação Cidade Luz, quando foi informado que os desvios investigados eram de R$ 22 milhões. Confira aqui reportagem completa

 

‘Cidade Luz’: Raniere e mais oito são denunciados

É destaque no portal No Ar nesta terça-feira(10). Duas semanas antes de expirar o prazo fixado pela Justiça para a apresentação de denúncia contra o vereador Raniere Barbosa pelo Ministério Público, sob pena de caducarem os efeitos de seu afastamento, o órgão de acusação apresentou a peça à 7ª Vara Criminal.

Na denúncia distribuída em 5 de outubro constam ainda como acusados, além de Raniere, mais oito pessoas. O processo não consta em segredo de Justiça, mas a íntegra da acusação não está disponível em formato digital. A denúncia foi registrada como ação penal que trata de peculato.

Confira matéria completa aqui 

Delação na ‘Cidade Luz’ implica agente com foro privilegiado, destaca reportagem

É destaque no Ponto Id, no portal No Ar, por Dinarte Assunção.  O empresário Allan Emanuel Ferreira da Rocha celebrou acordo de delação premiada com o Ministério Público do Rio Grande do Norte no âmbito da Operação Cidade Luz. Ele estava preso no CDP da zona Norte. Seu alvará de soltura foi expedido no dia 5 de setembro.

A colaboração de Allan Emanuel levou a Procuradoria Geral de Justiça a ingressar no caso. A Operação Cidade Luz vinha sendo conduzida por promotores de Justiça em face de não haver pessoas com foro privilegiado.

Com a entrada da PGJ, um procedimento de investigação foi aberto no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte, o que significa afirmar que Allan Emanuel ou citou deputados estaduais ou prefeitos, que são as figuras detentoras de foro no Tribunal de Justiça, mas não há deputados na apuração.

A Operação Cidade Luz apura fraudes na Secretaria Municipal de Serviços Urbanos de Natal e seus desdobramentos já se estenderam para cidades como Caicó.

Confira texto completo aqui

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Helio Motta disse:

    Se for um Prefeito, quem será?

CIDADE LUZ: Delações, versões e uma grave crise

O Ministério Público Estadual se debruça sobre as revelações e informações obtidas pela operação Cidade Luz, deflagrada no último dia 24 de julho e com desdobramentos na operação Blackout, realizada nesta sexta-feira, 4, em Caicó.

Segundo informações obtidas pelo blog e confirmadas por fontes próximas da investigação duas pessoas já contaram tudo o que sabem sobre os desvios.

Algumas das primeiras revelações obtidas nos primeiros dias e confirmadas em acordo de delação premiada que aguarda oficialização mostraram situações íntimas que ocorriam entre servidores e um dos empresários. Até cheques pré-datados, emitidos como antecipação de propina e posteriormente sustados, apareceram durante as investigações.

Um dos pontos principais das investigações diz respeito a uma suposta dívida de uma empresa estabelecida em Pernambuco com uma empresa potiguar que teria prestado serviços de sinalização e cobrava um valor em aberto. Os desdobramentos deste relacionamento empresarial nada saudável contribuíram para provocar uma grave crise de relacionamentos e tentativas de acertos dentro da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos da Prefeitura de Natal.

Com informações como estas, a operação Cidade Luz corre feito rastilho de pólvora na direção do Palácio Felipe Camarão, sede da Prefeitura. Se o Ministério Público realmente investigar a fundo, vai sobrar pouca coisa intacta dentro do Palácio. Quem viver verá.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. gilvanir disse:

    Evidentemente que apenas um SECRETÁRIO agia sozinho num rombo de 22 milhões, obviamente tinha AVAL de SUPERIOR, cabe tão somente uma investigação PROFUNDA para chegar a todos, por menor valor chegaram aos primeiros mandatários em CAICÓ , claro que aqui não seria diferente!!

  2. João Batista disse:

    Égua.

  3. anita disse:

    Ratificando: tem tj, mp e imprensa no bolso!!!

  4. Ernesto disse:

    E a CEI STTU X SETURN?

  5. Erasmo disse:

    Tô aqui só de olho esperando chegar no óbvio. Se não chegar, confirmamos todas as suspeitas contra o insuspeitável TJRN e MP. Senhores, estamos de olho!!!!!!

  6. Luciana Morais Gama disse:

    Essa cobrança da TAXA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA é feita mensalmente através da nossa conta de luz, isso representa quase 10% do que pagamos. É muito dinheiro! Parabéns ao MINISTÉRIO PÚBLICO!!

  7. Silva disse:

    Vai pegar muitos" pais de familia"

  8. Luiz Fernando disse:

    Haja desejo.

  9. Tarcísio Eimar disse:

    Que derrubem o boneco de Olinda

  10. Ems disse:

    Cadeia nesses corruptos !!!

BLACKOUT: Nova fase da operação Cidade Luz cumpre mandados em Caicó

Operação Blackout foi deflagrada nesta sexta-feira (4). Ao todo, foram expedidos 13 mandados de busca e apreensão e seis mandados de prisão

O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) deflagrou na manhã desta sexta-feira (4) a operação Blackout, que investiga contrato de iluminação pública da Prefeitura de Caicó, no valor de R$ 1.138.970,00. Ao todo foram cumpridos seis mandados de prisão e 13 de busca e apreensão. Foram presos preventivamente: Abdon Augusto Maynard Júnior, Ruth de Araújo Ferreira, Jorge Araújo e João Paulo Melo Alves da Silva. Além deles, foram expedidos novos mandados de prisão preventiva para Allan Emmanuel Ferreira da Rocha e Felipe Gonçalves de Castro, que já se encontram presos em cumprimento de prisão preventiva decretada na Operação Cidade Luz, deflagrada no dia 24 de julho de 2017, pela Promotoria de Defesa do Patrimônio Público de Natal.

Os mandados foram expedidos pelo juiz da vara Criminal de Caicó. Na decisão, a Justiça determina que o ex-prefeito Roberto de Medeiros Germano, o atual secretário de Infraestrutura, Abdon Augusto Maynard Júnior; e a atual diretora do departamento de Iluminação Pública de Caicó, Ruth de Araújo Ferreira, estão proibidos de acessar qualquer prédio vinculado à Prefeitura de Caicó e a Controladoria-Geral do município. Além disso, foi proibido o contato de Roberto Germano com os demais investigados. O secretário e a diretora também foram afastados dos cargos que ocupam atualmente.

A operação Blackout é um desmembramento da Cidade Luz e conta com a participação de 16 promotores de Justiça, além do apoio do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MPRN e do MPPE, e das Polícias Militares potiguar e pernambucana.

Os elementos levantados na investigação demonstram que a associação criminosa atua de forma serial na prática de crimes como peculato, corrupção passiva, corrupção ativa, lavagem de dinheiro e fraude a procedimento licitatório.

Pelo que foi apurado pelo MPRN, há indícios de superfaturamento e pagamento de propina a agentes públicos da Secretaria de Infraestrutura e Serviços Urbanos de Caicó, em contratos firmados para a prestação de serviços de iluminação pública. O secretário de Infraestrutura e Serviços Urbanos de Caicó, Abdon Augusto Maynard Júnior, cooptado pela associação criminosa antes mesmo de assumir a pasta, foi afastado do cargo por decisão judicial. Também foi afastada do cargo de diretora do departamento de Iluminação Pública de Caicó, Ruth de Araújo Ferreira, nomeada a serviço da associação criminosa para repassar informações privilegiadas.

No caso de Caicó, a associação criminosa contava com o “núcleo empresarial”, composto principalmente pelas empresas Real Energy, Lançar, Enertec e FGTech, que tinha a função de dar uma aparência de competitividade ao pregão realizado para contratação de empesa de iluminação pública, para simular uma concorrência na disputa.

Para a consecução dos objetivos da organização criminosa, o “núcleo empresarial” cooptou o “núcleo administrativo”, composto principalmente pelos seguintes agentes públicos: o ex-prefeito de Caicó, Roberto Germano; o ex-secretário de Infraestrutura, Jorge Araújo; o atual secretário de Infraestrutura, Abdon Augusto Maynard Júnior; e a atual diretora do departamento de Iluminação Pública de Caicó, Ruth de Araújo Ferreira.

A investigação realizada pela 3ª Promotoria de Justiça de Caicó teve início com a instauração de inquérito civil em 11 de maio de 2017, seguida de um procedimento investigatório criminal, que embasou as medidas cautelares cumpridas nesta sexta-feira.

Sobre a operação Cidade Luz

A operação Cidade Luz foi deflagrada no dia 24 de julho de 2017 e descortinou esquema criminoso nos contratos de iluminação pública realizados pela Secretaria Municipal de Serviços Urbanos do Município de Natal (Semsur), revelando indícios de ilícitos similares também nos contratos de iluminação pública do município de Caicó.

O ex-secretário de Serviços Urbanos de Natal, Ranieri Barbosa, foi afastado do cargo de presidente da Câmara Municipal de Natal. Ele ficou proibido de ir à Câmara Municipal, à Semsur e à Controladoria do Município.

Os mandados de prisão e de busca e apreensão foram expedidos pelo juiz da 7ª vara Criminal de Natal e foram cumpridos com apoio da Polícia Militar nas cidades de Natal e Parnamirim, no Rio Grande do Norte, e também em Recife, Olinda, Jaboatão dos Guararapes e ainda em Fernando de Noronha, em Pernambuco. Os gabinetes de Ranieri Barbosa e da Presidência da Câmara Municipal de Natal também foram alvos dos mandados.

A investigação realizada pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte teve início em 11 de março de 2015, data em que foi instaurado um inquérito civil. Pelo apurado, as condutas dos participantes do esquema criminoso caracterizam crimes como peculato, corrupção passiva, corrupção ativa, organização criminosa, lavagem de dinheiro, dispensa indevida de licitação, fraude aos procedimentos licitatórios e formação de cartel.

Com informações do MPRN

Operação Cidade Luz: Juiz manda soltar todos os suspeitos de envolvimento com prisão temporária

O Blog recebeu a confirmação na tarde desta quarta-feira(26) que a Justiça acabou de mandar soltar todos os suspeitos de envolvimento na Operação Cidade Luz, que estavam em prisão temporária.

Com a decisão, permanecem presos apenas dois suspeitos,  Allan Emmanuel Ferreira da Rocha e Felipe Gonçalves de Castro, que estão em regime de prisão preventiva.

Entenda a Operação Cidade Luz aqui

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. gilvanir disse:

    No BRASIL À JUSTIÇA NÃO FUNCIONA PARA PUNIR LADRÕES DE COLARINHOS BRANCOS. O Eduardo cunha e o Henrique continuam presos por pressão da POPULAÇÃO e o caso ainda não CHEGOU À SEGUNDA TURMA DO STF, tão logo chegue por lá eles serão postos em LIBERDADE!! ASSIM FUNCIONA!!

  2. bate ferro disse:

    Pelo visto, vão terminar prendendo os postes. Kkkkkkkkkkk aiiaiaiaiai

  3. Iran disse:

    #BolsoMito 2018

  4. OSWALDO disse:

    Um país em que magistrados tem tantas benecis e que tem o poder de interpreta a lei da forma que bem entender, só podia dá nisso, basta olhar nossos deputados trabalhando de tornozeleiras eletrônicas, ??? de país!!!

  5. Alanis disse:

    Como sempre o MPRN faz o seu showzinho midiático para acabar em pizza. Quem já viu um povo desse cheio de grana em CDPs? É acreditar no conto da carochinha que algum deles ia ficar preso tanto quanto que o prefeito não sabia de nada. Resumindo: vai dar em p.o.r.r.a. nenhuma!!!

  6. Wendell Fernandes disse:

    Resposta do judiciário no caso Aécio Neves já mostra o que temos e o que somos, infelizmente, nessa m… de país, tudo tem dois pesos, duas medidas, pra não dizer três, quatro, cinco pesos etc etc etc…

  7. Kepler disse:

    No Brasil , quando o sujeito pensa em cometer um delito! Ele tem a certeza da impunidade.

  8. Sandro Alves disse:

    O problema do Brasil se chama magistrados!

  9. Marl disse:

    Você tem um poder judiciário e um ministério público que custa 15% do orçamento geral do estado. Você tem um legistivo corrupto e um executivo incompetente. A sociedade precisa refletir se quer continuar arcando com esse alto custo. Se permanecer como está vai continuar faltando dinheiro para segurança e você pagará a conta duas vezes.

  10. erlon disse:

    Bolsonaro 2018. precisamos de um presidente que reestitua a ordem nesse país. Que desmonteo poder judiciário e faça alterações profundas na CF.

  11. Calixto Silva disse:

    Começou a melancia kkkk ou melação, nenhum dos presos são culpados, os desvios aconteceram por livre e espontânea vontade dos próprios 22 milhões, fizeram uma investigação, identificaram os culpados, ops! Os suspeitos ao serem presos constatou-se que são todos inocentes, por isso foram todos soltos kkkkkkk, não houve dolo ao desviar o dinheiro, apenas foram só instrumentos movido pelo desejo, pela fissura, pelo descontrole de se verem numa situação oportuna de pegar um punhado de dinheiro mais precisamente R$ 22 milhões de reais, só bucadin de real, para investirem em seus desejos de terem uma vida regalada as custas deste dinheiro , desta quantia insignificante de dinheiro mais precisamente R$ 22 milhões, que não faria falta e nem iria projudicar ops quero dizer prejudicar, danificar , desfalcar o erário público que seria destinado ao serviço de manutenção de ruas e avenidas da cidade do Natal capital do Rio G. Do Norte. Que coisa, não!? Foi só isso, simples assim. Nada há mais ou nada há menos que 22 milhões de real.

  12. Val Lima disse:

    Prá q prender esse povo,se o ato contínuo é libertá-lo ??!!
    Produção de provas em tão pouco espaço de tempo é incompreensível…

  13. Sérgio disse:

    Braaaaaasil Sil Sil Sil

  14. Antonio disse:

    Grande novidade!!! Conta outra!!! Estamos no Brasil, mais especificamente, no Rio Grande do Norte. Ía ser diferente?????????????????

  15. Beto Araújo disse:

    KkkkkkkkkkkkkkkkkkkkFaculdade???

  16. Ricardo disse:

    Realmente a Justiça neste País de bananas só serve para prender PPP. O crime compensa neste País da impunidade. E a violência nas ruas aumentando a cada dia e quem continua pagando com isso é o povo trabalhador. E as panelas continuam todas guardadas. kkkkkkkkkkkkkkkkkk

  17. assis disse:

    só falta agora eles serem nomeados novamente para ocupar seus antigos cargos dentro da semsur. já que Raniere ainda mantém vários deles na secretaria. Brincadeira! será que o prefeito arregou?

  18. Acorda Brasil disse:

    Parece ser o mesmo recado de sempre a sociedade: Crime no Brasil compensa.
    Ah judiciário caro da bixiga pra ser tão fraco!

    • Alanis disse:

      Fraco é apelido. Vi a maior parte da decisão do juiz. Vergonhosa. Peça fraca.