Publicidade

Black Friday: Procon aponta 500 sites para você ficar longe

O Procon-SP revela os sites que devem ser evitados pelo internauta ao fazer compras durante a Black Friday Brasil 2017 — ação de vendas que, esse ano, tem data marcada para o dia 24 de novembro. Na lista constam 518 lojas virtuais, até o momento, e todas as páginas citadas tiveram reclamações de consumidores registradas no Procon-SP, foram notificadas e não responderam ou não foram encontradas.

A fundação divulgou a relação de endereços pela primeira vez em julho de 2011 e a mantém atualizada desde então — o último update foi feito na sexta-feira (10). Fique atento e descubra de quais sites você deve ficar longe.

Lista do Procon: Evite esses sites para a Black Friday (Foto: Luciana Maline/TechTudo)

Além do endereço do site, a lista ainda mostra informações como a empresa ou pessoa responsável pela página, o respectivo CNPJ (ou CPF), sua situação — que pode estar classificada como “No ar” e “Fora do ar” e significa o status do site no dia da inserção à lista — e a data de inclusão.

Marcas nacionais conhecidas não estão presentes na listagem, mas alguns nomes chamam a atenção pela semelhança a determinados estabelecimentos famosos, como é o caso das páginas “gabimagazine.com.br”, “magazinefernando.com” e “magazinericardo.com.br” — supostamente se referem à Magazine Luiza.

A instituição terá um esquema especial de monitoramento na Black Friday, como nos anos anteriores, entre 19h de 23 de novembro até 22h do dia 24. Entre as recomendações do órgão estão: o acompanhamento de preços por meio de uma pesquisa prévia e frequente dos produtos, além de conferir se o site é brasileiro para não resultar em custos extras e não se deparar com regras do Código do Consumidor de outros países.

Você pode conferir a lista completa na página do Procon SP (sistemas.procon.sp.gov.br/evitesite).

Globo e Techtudo, via Procon-SP

Comentário (1) enviar comentário
  1. Athayde disse:

    O Procon deve ir fiscalizar as distribuidoras de combustíveis, aumentam o preço dos produtos todos os dias.

Publicidade

O que fazer para não sair no prejuízo na Black Friday

25055A figura do Papai Noel já decora as vitrines do Alto Tietê, mas o que está deixando o consumidor ansioso é a Black Friday, que é realizada nesta sexta-feira (25). A tendência americana que promete descontos no comércio já virou hábito no Brasil. E para saber se as ofertas são verdadeiras, a população já visita lojas e confere preços. De acordo com o especialista em consumo Dori Boucault, a prática é importante e pode evitar que o consumidor seja enganado por anúncios de promoções pouco vantajosas.

“Acontece na última sexta-feira de novembro, que é lá dos Estados Unidos. Costuma ter uma grande promoção lá e trouxeram para o Brasil”, explica a funcionária pública Natália Moraes Martins.

O comércio aproveita. Cartazes fazem referência à Black Friday, mas nada adianta se o cliente não estiver preparado para as compras. “Às vezes coincide da gente não ter dinheiro. Depende da data”, explica a aposentada Nadir Miralis.

E nem todos se convencem. A Gláucia Pereira está entre os consumidores que não acreditam nas promoções anunciadas. “Acho que não é desconto. Eles [comerciantes] descontam a margem de lucro deles, achando que vão vender mais, mas na verdade o preço caro eles mascaram”.

Por isso, a dica de alguns para não cair em armadilhas é pesquisar o ano todo em lojas físicas e tambem na internet, como diz Natália. “Eu comprei uma máquina que na loja física tinha R$ 800 de diferença do site. Era R$ 2 mil no site e R$ 2,8 mil na loja física da mesma empresa.”

Segundo Boucault, algumas dicas, como a pesquisa antecipada do valor de um produto, podem ajudar o consumidor a comprar somente o que vale a pena. “Ele deve fazer uma lista, sabendo que tem interesse em determinados produtos que já pesquisou. Não deixa para saber [preços] só na sexta-feira”, diz. Ele lembra que é importante lembrar que, depois da Black Friday, o consumidor terá que lidar com o Natal, IPTU, IPVA, matrícula escolar, entre outros gastos prioritários. “Pense bem se você vai comprar algo que você precisa, ou se será só um consumismo exagerado que vai te deixar arrependido depois”.

Já o quem se deparar com valores promocionais maiores do que o preço anterior do produto, pode denunciar. Boucault diz que a prática pode ser considerada propaganda enganosa. “É o chamado ‘Black Fraude’. Se tratando de loja física, é importante pegar panfletos. Se é loja virtual, internet, o consumidor pode fazer print screen [foto de tela]”.

O especialista lembra que o comprador tem até 90 dias para reclamar de defeitos em produtos duráveis comprados em lojas físicas. Para compras virtuais, o prazo de arrependimento é de uma semana.

Sobre o problema citado por Natália, que achou preços mais baratos no site da loja física, Dori diz que, apesar do exemplo ser real, o cliente deve fazer considerações. “Na internet é só o site. Mas na loja física você tem que ver que tem funcionário, impostos e uma série de situações de aluguel. Eles podem fazer diferenciações de preço entre a loja física e a virtual.”

G1

 

Comentário (1) enviar comentário
  1. JOAO MARIA disse:

    O CERTO É NÃO COMPRAR, AI NÃO CORRE RISCO DE TER PREJUIZOS

Publicidade

PROCON Natal orienta consumidores para a Black Friday nesta sexta

25055No próximo dia 25 de novembro ocorrerá a edição 2016 da Black Friday, grande evento de descontos promovido pelo varejo em sites e lojas físicas com reduções de preços prometidas que podem chegar a 80% do valor original do produto. Com a chegada da data, o PROCON Natal orienta os consumidores sobre os cuidados ao realizarem as compras neste período.

O PROCON Natal destaca que deve ser realizada com antecedência uma pesquisa de preços das mercadorias que se pretende adquirir, seja presencialmente ou pela Internet para que a compra seja efetuada com segurança. Para a Diretora Geral do PROCON Natal, Aíla Cortez, a finalidade da pesquisa é verificar se os descontos oferecidos neste período promocional correspondem de fato à redução de valores dos produtos da loja.

No caso de compras online, deve-se ficar atento e tomar algumas precauções:

– gravar as telas e todas as comunicações eventualmente realizadas, no caso das lojas online;

– verificar a segurança do site, se o endereço eletrônico apresenta o protocolo HTTPS, verificado na barra do navegador e pelo uso de certificados;

– optar por sites com boa reputação;

– conferir se no navegador de acesso à internet é exibido um ícone em forma de cadeado colorido e fechado. Ao clicar em cima do cadeado, deve aparecer o certificado de segurança do site;

– antes de clicar em um link, passar o mouse em cima para verificar se o endereço que aparece na barra inferior do navegador é o mesmo.

– manter computador ou dispositivo móvel protegido, com senhas, antivírus e firewall atualizados, além de usar redes wifi seguras;

– checar as condições de entrega e o valor do frete, pois muitas vezes o preço exibido não inclui o custo de envio;

– exigir nota fiscal e guardar os comprovantes tanto nas lojas online, quanto físicas.

Outro aspecto a ser verificado no site das empresas é a existência de formas de contato alternativos, com indicação obrigatória de endereço físico e telefone, elementos que, se ausentes, já indicam a probabilidade de dificuldade de comunicação com a empresa para qualquer esclarecimento necessário. Nas compras on-line, o consumidor deverá preferencialmente optar pelo pagamento via cartão de crédito, uma vez que o cancelamento dessas compras, em caso de qualquer problema, torna-se mais fácil de ser feito do que em compras realizadas por boletos. É importante verificar se o site apresenta o CNPJ da empresa.

Da mesma forma, nas comprar realizadas pela internet aplica-se o direito de arrependimento,ou seja, o consumidor pode desistir da compra em até sete dias a contar do recebimento do produto, devolvendo o produto em perfeito estado para receber o seu dinheiro de volta, direito este não previsto para as compras realizadas presencialmente nos estabelecimentos comerciais, quando o consumidor tem contato direto com a mercadoria, nestes casos, a dica do Procon é para o consumidor prestar atenção na política de trocas de cada estabelecimento, o qual deverá ser visível aos clientes.

Para qualquer esclarecimento ou dúvida o PROCON NATAL disponibiliza o whatsapp 98870-3865 ou e-mail, [email protected] e para ingressar com reclamação, o Procon Natal fica situado na Rua Seridó, 355, Petrópolis, funcionando das 8h às 14h, telefone 3232-9050.

 

Comentário (1) enviar comentário
  1. Almir Dionísio da Silva disse:

    como sem salários os servidores do estado e municipio?
    Nem pagar as contas tá sendo possível.
    Imagina comprar

Publicidade

Consumidores denunciam ofertas falsas nas primeiras horas de Black Friday; confira presepadas

Apesar dos esforços da organização do Black Friday no Brasil para evitar a maquiagem de preços – que consiste em a loja elevar o valor do produto e anunciar um desconto que, na verdade, não é real -, criando um guia de ética no qual as empresas participantes se comprometeram a não cometer este erro, consumidores já denunciam que há problemas. No microblog Twitter pipocam relatos de pessoas que monitoraram nas últimas semanas o preço de produto que gostariam de adquirir nesta sexta-feira, e hoje verificaram que ele está sendo vendido ainda mais caro, apesar de estar anunciado na promoção. Monitoramento de preços realizado pelo GLOBO desde o dia 14 de novembro em 24 ofertas de sete lojas virtuais participantes do dia de promoções também identificou problemas. Cinco produtos estão com preços mais elevados nesta sexta-feira em relação ao anunciado entre o dia 14 e ontem. Dois no Shoptime e três na CasasBahia.com.

Com relação à primeira loja, o produto TV Plasma LG 50PN4500 50″ HDTV, que estava de R$ 2199 por R$ 1.979,10 no dia anterior ao Black Friday, nesta sexta está ofertado de R$ 2.899 por R$ 2.032,95. O mesmo ocorre com o Tablet Samsung Galaxy Tab 3 Lite T110N 8GB. Ele estava de R$ 599 por R$ 399 ontem, e hoje está de R$ 499,00 por R$ 474,05.

Na CasasBahia.com foram identificados aumento de preços do Fogão Continental 5 Bocas Novitá FGCT005PN, que ontem saia de R$ 1.034,90 por R$ 957,34 e na Black Friday custa R$ 999,90. A TV LED 32″ Full HD Samsung FH5203, que chegou a sair de R$ 1.199,90 por R$ 949, custa R$ 999 hoje. Já a geladeira Electrolux Frost Free Duplex DF36X que estava de R$ 1.999,90 por R$1.799,90, sai hoje por R$1.899. No entanto, a assessoria da loja informou que estes produtos não entraram na promoção.Todos as mercadorias participantes do Black Friday no site da loja têm o fundo preto, alusivo à campanha. O que não é o caso destas três.

De acordo com a organização do evento, até as 9h desta manhã já haviam sido realizadas 390 mil transações no comércio on-line brasileiro. Confira o que os brasileiros estão dizendo sobre o dia de descontos, que acabou ganhando, mais uma vez, a alcunha de #blackfraude. As demais empresas citadas também foram procuradas pelo GLOBO, que aguarda posicionamento sobre as denúncias.

Untitled-1 Untitled-2 Untitled-3

O Globo

Comentário (1) enviar comentário
  1. BETO disse:

    Espera o saldão do natal, é melhor para comprar.

Publicidade
Publicidade

Serasa vai liberar consulta gratuita a CNPJ de lojas virtuais na Black Friday

Para que o consumidor não seja enganado ou tenha frustrações na Black Friday, evento que reunirá 120 lojas virtuais em um dia de descontos que podem chegar a 80%, a Serasa, em parceria com o VocêConsulta Empresas, vai permitir que o cidadão consulte gratuitamente o CNPJ de uma empresa com quem pretende fechar negócio nos dias 29 de novembro e 1° de dezembro, quando ocorre a promoção.

O VocêConsulta Empresas fornece informações sobre a situação do CNPJ da loja, razão social, ocorrência de protestos, cheques sem fundo, ações judiciais, endereço, falências e a existência legal da companhia consultada.

– É uma ferramenta a mais que o consumidor tem para não cair nas ações dos golpistas – diz a superintende de Serviços ao Consumidor, Maria Zanforlin.

Para obter o serviço, basta clicar em portal.serasaconsumidor.com.br/vce e digitar o CNPJ da empresa a ser consultada. Você encontra o CNPJ da empresa no rodapé do site de cada empresa ou nas seções Quem Somos ou Fale Conosco. Desde maio deste ano, o decreto federal 7.962/13, que regulamenta o Código de Defesa do Consumidor, obriga as lojas virtuais a exibirem em suas páginas na internet dados como nome, endereço e CNPJ. O serviço é gratuito apenas durante o final de semana da Black Friday.

O Globo

enviar comentário
Publicidade