Publicidade

Fred Queiroz reforça confissão de crimes em defesa à acusação

por Dinarte Assunção

Na defesa que apresentou contra a denúncia do Ministério Público Federal na Operação Manus, o empresário Fred Queiroz reforça a confissão de crimes já no início de sua peça.

“Cumpre esclarecer que a contratação da PRATIKA LOCAÇÕES DE EQUIPAMENTOS LTDA, mediante o pagamento de R$ 9.031.500,00 (nove milhões, trinta e um mil e quinhentos reais), transferidos da conta da campanha de Henrique Eduardo Lyra Alves, a pretexto da prestação de serviços voltados às atividades de militância e mobilização de rua, visava, na verdade, prioritariamente, a compra de apoio político de prefeitos, ex prefeitos, deputados e lideranças políticas com atuação no Rio Grande do Norte”, diz o documento.

A estratégia de Queiroz não poderia ser outra, já que ele é delator, o que implica abrir mão do direito que prevê não ser obrigado a produzir provas contra si.

enviar comentário
Publicidade

EXCLUSIVO – Acordo de delação de Fred Queiroz prevê condenação de até de 10 e 2 de cumprimento em regime aberto

por Dinarte Assunção

Pelo acordo que o MPF propôs, o delator da Operação Manus será condenado, no máximo, a 10 anos de prisão, mas a execução da pena serpa de dois anos, em regime aberto, com a prestação de serviços comunitários.

Ele ainda fica obrigado a pagar multa no valor de R$ 270 mil, em prestações de R$ 3 mil.

A esposa de Fred, Érika Nesi, e o filho, Mateus Nesi, não deverão enfrentar condenações, mas multa de R$ 293 mil.

O Ministério Público do Rio Grande do Norte, parte do acordo, se comprometeu a não pedir nenhuma medida cautela contra os três.

Os quatro anexos da delação de Fred Queiroz que já foram noticiados pela imprensa não são os únicos de sua colaboração.

Advogados confirmaram ao blog que há outros termos em sigilo. O blog apurou que, no total, a contribuição de Fred se espalha em 16 anexos.

::: VEJA AQUI O TERMO DO ACORDO E A ÍNTEGRA DOS ANEXOS DA DELAÇÃO QUE ESTÃO NOS AUTOS DA OPERAÇÃO MANUS:::

 

Comentários (7) enviar comentário
  1. Ricardo disse:

    Francamente, espera-se que o cidadão em questão tenha delatado questões mais graves e mais difíceis de serem descobertas…Quem é que não sabe dessa compra descarada de lideranças do interior? Não só por candidatos ao governo, mas de todos os outros cargos. Aliás, o que faz o MP mesmo nessas horas?

  2. Junior smith disse:

    Interessante como esses acordos de delação auteram a legislação a seu bel prazer. Uma pena de dez anos o regime inicial e k fechado e nunca o semi aberto quanto mais o aberto. Isso está no código penal que pelo que vejo não existe mais para o MPF. E o pior é o judiciário aceitar e homologar a nova legislação penal fixada no acordo de delação. E os pobres mortais que nak azem parte destes processos de colarinho não branco, o MPF também vai aplicar essa alteração legislativa para eles?

  3. Zacarias potiguar disse:

    É urgente a necessidade de determinar regras parabesses acordos…

    Da forma q está e em nome de prender um último, todos ficarão soltos.

    Eu prefiro 250 presos e Temer solto…

  4. joca disse:

    O brasil é uma mamãe dolores. Kkkkkk

  5. Marcos disse:

    Palhaçada!!!!! Cada vez mais é notório que vale a pena roubar neste país!!! Porquê uma pessoa mais simples que, em uma situação extrema, teve que roubar para alimentar a família, qdo é presa tem que cumprir pena na cadeia, aí um engomadinho desse, que roubou e ajudou a roubar dinheiro público, prejudicando a população em infraestrutura, saúde, segurança, etc, terá apenas que fazer serviços comunitários??

    Esse MPF só pode tá de brincadeira. Instituição falida!

  6. Sincero disse:

    270.000 parecelados em 3.000? Kkkkkk Nem o melhor refis que já fizeram é tão bom assim. O texto é confuso: será condenado a 10 anos e ficará 2 no aberto, é isso? E os outros 8? Não passar nem um dia na cadeia? No Brasil o crime compensa. Vai pagar com o próprio dinheiro roubado.

  7. Rodrigo Morais disse:

    Rouba de uma vez só e paga a multa parcelado??? eita negócio bom danado…

Publicidade

EXCLUSIVO: Vejam parte da delação de Fred Queiroz

por Dinarte Assunção

Às 19h48 de 18 de agosto deste ano, uma notificação surgiu no sistema do processo judicial da 14ª Vara da Justiça Federal do Rio Grande do Norte. Nela, o procurador da República Rodrigo Telles, atualizava os autos da Operação Manus com uma certidão de oito tópicos, onde dava ciência ao juiz Eduardo Guimarães sobre a junção dos termos de colaboração premiada da família Queiroz.

Quase tudo que está lá descrito chegou recortado à imprensa 11 dias depois, quando repórteres colocaram as mãos em reproduções de trechos dos documentos. Um item da certidão de Rodrigo Telles, no entanto, ainda não foi revelado: grafado como último tópico, o documento do procurador é encerrado com a indicação de que se juntam aos autos “Documentos anexos referentes à Campanha de 2014 de Henrique Alves”, que o Blog do BG revela agora com exclusividade.

O calhamaço de elementos juntados para sustentar as alegações de Fred Queiroz são amplos e devem ser encarados, antes de tudo, como documentos resultado de transações eleitorais. Caberá, ao fim do processo, à Justiça decidir o que foi ilegal ou não. Fred Queiroz antecipou o que sabia ser ilegal.

Resumo

O conjunto de elementos que sustentam a delação de Fred é aberto com um resumo de todas as circunstâncias entregues por ele, com um organograma onde são apontados os responsáveis pela execução da campanha de 2014.

O que vem na sequência é o relato de situações que se dividem entre a descrição de crimes, a operacionalização da campanha e circunstância da Prefeitura de Natal.

São citados nesse resumo, o deputado federal Rogério Marinho, o prefeito de São Gonçalo do Amarante, Paulinho da Habitação, os deputados estaduais Kelps Lima e Ricardo Motta, o vereador Paulinho Freire, o ex-presidente da Femurn, Benes Leocádio, e auxiliares de Henrique Eduardo Alves.

É importante destacar que as situações descritas por Fred Queiroz são de contexto eleitoral, não sendo possível afirmar que todos os nomes citados incorreram em ilícito

Os tópicos descrevem a articulação do que parece ser a compra de votos. Isso porque o delator cita diretamente o uso de recursos em cash sem aparante declaração à Justiça eleitoral, além de mencionar explicitamente empresas como a JBS e a Odebrecht.

O relato vai da bonança à dificuldade, quando o delator detalha que Henrique Alves chegou a distribuir cheques com a promessa de cobri-los depois para garantir o apoio de lideranças.

Recursos para o interior x JBS

Arturo

Dinheiro em SP

Aluísio Dutra

Cheques de Henrique

Recursos extras

Ramalho Moreira (aqui, Fred descreve supostos desvios em obra da Prefeitura de Natal)

Vereadores e Deputados

Secretaria de Turismo

Secretaria de Obras

:::A ÍNTEGRA DESSE RELATO PODE SER VISTA AQUI:::

:::JÁ AQUI, PODE SER CONSULTADA A CÓPIA DE COMPROVANTES DE DEPÓSITOS E TRANSFERÊNCIAS, ALÉM DE PLANILHAS RELACIONANDO LIDERANÇAS DO INTERIOR DO ESTADO:::

 

 

Comentário (1) enviar comentário
  1. Júnior cortês disse:

    A cada dia fica mais difícil acreditar em políticos mascarados que conversam além da conta , além de filmagens de hospitais estradas etc . E citando outros por má administração pública , até o momento todos os políticos do Rio Grande do Norte, até provarem o contrário . São todos irmanados com com a corrupção , inclusive com a compra de votos em período eleitoral.

Publicidade

Rita das Mercês delatou Executivo, Legislativo e Judiciário do RN ao MPF

De acordo com matéria publicada no blog do Dinarte Assunção, a ação da Polícia Federal nesta terça-feira em Natal contra o governador Robinson Faria é a primeira diligência resultado da delação premiada que a ex-procuradora da Assembleia Legislativa, Rita das Mercês, negociou com o Ministério Público Federal.

A ex-procuradora foi alvo em 2015 da Operação Dama de Espadas, coordenada pelo Ministério Público do Estado do Rio Grande do Norte.

Feita há pouco mais de dois meses, a delação de Rita foi negociada em acordo conduzido pelo procurador da República Rodrigo Teles, a quem Rita narrou crimes na administração dos três poderes do Rio Grande do Norte e deixou claro que não é ela a dama de espadas.

Segundo a matéria, pelo menos um membro do Tribunal de Justiça foi delatado ao Ministério Público Federal.

Leia matéria completa http://pontoid.com/2017/08/15/exclusivo-rita-das-merces-delatou-executivo-legislativo-e-judiciario-do-rn-ao-mpf/

Comentários (3) enviar comentário
  1. Ana disse:

    Quero ver quando nós, principais interssados nessa safadeza, vái ficar sabendo dos nomes. Quero os nomes!!!

  2. Zé Guerreiro disse:

    Se for verdade, vai ter muita gente sem dormir

  3. Joca disse:

    Justiça federal eu confio….já a estadual 🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣

Publicidade

Esposa de Joesley Batista nega acerto de propina em Jantar com Fábio Faria e Patricia Abravanel

Uma reportagem da Globo News traz a informação de que a esposa do empresário Joesley Batista negou qualquer acerto de propina com o deputado federal Fábio Faria e sua esposa, Patrícia Abravanel.

O deputado e Patrícia vão entrar com um pedido de anulação de parte da delação de ex-executivos da JBS. A principal prova segundo eles é uma mensagem de voz enviada por Ticiana Vilas Boas, mulher de Joesley Batista, na qual ele desmente o acordo do pagamento de propina.

“É… aquele jantar, imagina só, não tem nada a ver… do que falaram, foi um jantar normal, eu não vi nada de, de, de, dinheiro, de… de nada que beirasse ser ilícito”, disse Ticiana em áudio enviado à Patrícia Abravanel, mulher do Fábio Faria que, segundo Saud, estaria presente no jantar.

O material foi protocolado por advogados de Patrícia Abravanel em uma ação civil contra Saud em que ela pede uma multa de R$ 300 mil por danos morais.

“Joesley me falou que é um amigo dele [Saud], é… com uns casais, é… jantar em casa, como tem, praticamente como tinha, praticamente, milhõ…, jantar todo dia na minha casa, com vários políticos, vários empresários, tudo presidente, tudo na minha casa, ia, então, óbvio, não achei nada demais, nada de diferente do que… do que eu tô acostumada e não conversamos nada sobre isso”, afirma Ticiana na gravação.

Veja a reportagem: 

Comentários (9) enviar comentário
  1. marcio disse:

    Esse Joesley e cia eram p estar preso!!! Ele financiou campanhas politicas p geral em troca de favores e de informacoe$$$ construiu o imperio da jbs com dinheiro publico!!! e ainda esta solto morando nos estados unidos!!! So na republica de bananas msm que isso acontece!!!

  2. Júnior cortês disse:

    Agora todo político corrupto, quer Santo. Onde a fumaça há fogo.

  3. Botelho Pinto disse:

    De acordo com minha bola de cristal começou a Operação Abafaajato.
    Lula inocenta Aécio, Aécio inocenta Lula, Fachim inocenta Temer, Temer faz encontro secreto com a nova Procuradora e misteriosamente os delatores começam a se contradizerem. Todos os acusados políticos são inocentados e volta tudo como era antes. Os políticos voltam a ser santos, como no tempo de FHC.
    O próximo passo é mandar prender os juízes e Delegados da Lavajato por acusação de motim contra as pessoas de bem como Aécio, Eduardo Cunha e Temer.
    Depois mudam o sistema para Parlamentarismo por Decreto (Dane-se a Constituição ) para impedir Lula de se eleger e ter a audácia de colocar novamente um presidente honesto ou menos corrupto.

  4. Gonçalo Alves disse:

    Ficamos impressionados com a agilidade desse blog em divulgar matéria "supostamente" favorável a algumas pessoas. Parabéns pela eficiência e tomara que esta mesma eficiência seja posta em prática em assuntos de interesse da população.
    Sobre a matéria do suposto pedido e recebimento de propina por membros do clã Faria junto à JBS a polícia, a justiça e as autoridades deverão certamente apurar com base em provas e fatos.
    Por fim, é verdade que o envolvimento da Sra. Patrícia Abravanel poderá até pesar em favor dos acusados e influenciar parte da imprensa e da opinião pública. Mas seria bom que antes de processar alguém a família Abravanel pudesse primeiro explicar os bastidores da venda do quebrado Banco Panamericano (propriedade e responsabilidade da família do Sr. Silvio Santos) no governo do meliante Lula da Silva.
    É realmente emocionante a demonstração da "Tici" para com a "Paty". Esse país nos sensibiliza a cada novo dia…

  5. João Maria disse:

    Aliás blog do BG a cada dia gosto muito da imparcialidade política deste blog.
    Por que não falar também quê a mesma mulher desmentiu as " contas de Lula e Dilma".
    Imparcialidade a gente ver aqui.

  6. Rogério Rocha disse:

    Ela falou que não viu nada, muito diferente de não ter acontecido, pior ela é ou foi funcionária do SBT e o pior o próprio delator falou que as mulheres não sabiam do acordo de propina.

  7. João Maria disse:

    Falar agora é fácil pra livrar a cara deste parasita Playboy que ganhou a vida com a cara e o capital cultural e político da família.
    Depois quê o homem do baú entrou de cabeça a favor das (de)formas providência e trabalhista fica fácil limpar a herdeira Adravanel é o GARANHÃO

  8. Sandra disse:

    Vou acreditar

  9. Sincerão disse:

    Pessoa de muita credibilidade elaKkkkk
    Trabalhava no SBT ia falar diferente?!
    Fala, sério! Ela iria confessar? Conta outra!

Publicidade

Operação Zelotes fecha primeiro acordo de delação premiada

Foto: Geraldo Bubniak / Agência O Globo

A operação Zelotes fechou seu primeiro acordo de delação premiada na Justiça, segundo antecipou a coluna Poder em Jogo, de Lydia Medeiros. A coluna informa que o ex-conselheiro do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) Paulo Roberto Cortez entregou os ilícitos praticados e o acordo já foi homologado pelo juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal do Distrito Federal.

Segundo informação do Bom Dia Brasil, a delação traz denúncias que envolvem o Bank Boston, comprado pelo banco Itaú em 2006.

Desde o início da investigação da Polícia Federal, em 2015, o ex-conselheiro Paulo Roberto Cortez demonstrou interesse em fazer delação premiada, mas só agora, dois anos depois, o acordo foi homologado pela Justiça.

De acordo com o Bom Dia Brasil, a TV Globo teve acesso com exclusividade a depoimentos da delação, que confirmam a investigação feita pela Política Federal sobre compra de votos no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) — o tribunal administrativo da Receita Federal, que permite que empresas recorram de multas aplicadas. Na hora da revisão dos casos no Carf, as multas podem ser reduzidas ou canceladas.

O delator contou, segundo a delação citada pela reportagem da TV, que recebia R$ 10 mil em dinheiro vivo para fazer o trabalho técnico que o então conselheiro José Ricardo da Silva, que era ao mesmo tempo conselheiro e consultor em casos do Carf, não fazia:

“Antes de cada sessão, quando eu trabalhava com ele, eu fazia as devidas explicações, repassava para ele o material e fazia as explicações de cada matéria a ser tratada no julgamento”, segundo informou na gravação.

Ele denunciou ainda o caso do BankBoston, em 2012, quando o banco teve uma multa reduzida de R$ 600 milhões para R$ 100 milhões em um processo. Ele teria recebido um voto do então conselheiro Valmir Sandri favorável ao banco e teve a orientação de adaptar o texto aos padrões do Conselho, segundo a reportagem do Bom Dia Brasil.

Em dezembro, a Polícia Federal cumpriu 34 mandados judiciais, sendo 21 de busca e apreensão e 13 de condução coercitiva, como parte da 8ª fase da Operação Zelotes. O BankBoston foi um dos alvos da operação e houve buscas nas dependências do Itaú Unibanco. Segundo nota do banco na ocasião, “o objeto da operação foi a busca de documentos relativos a processos tributários do BankBoston”.

O GLOBO

Comentário (1) enviar comentário
  1. Alldo disse:

    Se não me engano o ministro Henrique Meirelles foi diretor do Banco de Boston…

Publicidade

DEPOIMENTO ARRASADOR DE JOESLEY TAMBÉM AO PT: “Essa conta é de Lula, essa conta é da Dilma”, sobre propinas

O primeiro depoimento de Joesley Batista é arrasador. Ele diz que Guido Mantega cobrava propina dos financiamentos do BNDES para a JBS.

A propina – exatamente como ocorreu no caso da Odebrecht – foi dividida em duas contas correntes: uma de Lula e outra de Dilma Rousseff.

Os depósitos eram feitos no exterior.

A conta de Lula chegou a 70 milhões de dólares; a de Dilma Rousseff chegou a 80 milhões de dólares.

Quando o procurador observou que Lula não estava em campanha eleitoral, Joesley Batista respondeu (minuto 35):

“Ele [Guido] falou assim: esse aqui é do Lula, esse aqui é da Dilma. Eu não me aprofundei se era do presidente Lula, ou do governo Lula, ou do governo Dilma”.

Em 2014, Guido Mantega gastou os 150 milhões de dólares.

Com informações de Globo e O Antagonista

Comentários (9) enviar comentário
  1. Waldemir disse:

    Pessoal espero que todos em 2.018 saibam votar ou a maioria

  2. Abel disse:

    E mentira Lula e Dilma são inocentes. A culpa é da globo. Kkkkkkkk

  3. LUCY disse:

    AÉCIO O LÍDER DOS COXINHAS ATÉ OUTRO DIA, PORQUE AGORA ELES ARRUMARAM UM PALHAÇO CHAMADO BOLSONARO PRA VENERAR, PEGO EM FLAGRANTE ROUBANDO, AINDA ESTÃO COM ESSA HISTORINHA DE DEMONIZAR O PT.

  4. lula disse:

    A JBS que levou também o Malvado Favorito dos PeTralhas para o buraco. Senta a Pua , Tacalipau.

  5. JOAO MARIA disse:

    tudo mentira o dinheiro era para o amigo de lula, isto é gorpi

  6. LUCY disse:

    TEM QUE MOSTRAR AS PROVAS.

    • MITO NELES disse:

      Vão fazer um Mobral Primeiro porque Molitontos nunca foram a uma escola pra saber o que e uma Prova na vida, são Jumentos de nascença.

  7. Brasileiro disse:

    É culpa da Globo 🤣🤣🤣🤣🤣🤣

  8. Brasileiro disse:

    É mentira da Globo 🤣🤣🤣🤣 a notícia verdadeira foi só a propina do AECIO ,os PTRALHAS estão sofrendo perseguição 😂😂😂😂

Publicidade

MPF nega negociação de delação premiada de executivos da Odebrecht

Os procuradores da força-tarefa de investigação da Operação Lava Jato negaram hoje (23) que estejam negociando acordos de delação premiada com executivos da empreiteira Odebrecht. Segundo o Ministério Público Federal (MPF) no Paraná, a manifestação feita pela empresa à imprensa de que deseja assinar os acordo não tem validade jurídica.

“Não existe sequer negociação iniciada sobre acordos de colaboração com executivos ou leniência com o Grupo Odebrecht. A simples manifestação dessa vontade pela imprensa, seja por indivíduos, seja por qualquer grupo empresarial investigado, não possui qualquer consequência jurídica, motivo pelo qual as investigações e atos processuais continuarão em andamento”, diz a nota da força-tarefa.

O MPF destaca ainda que a divulgação da intenção de assinar delação premiada “fere o sigilo das negociações exigido pela lei para a celebração do acordo”.

Ontem (22), em comunicado divulgado à impressa, a Odebrecht declarou que aceitou colaborar de forma “definitiva” com a Lava Jato. Hoje, a empresa confirmou que a colaboração inclui acordos de delação premiada.

O comunicado da empreiteira, chamado “Compromisso com o Brasil”, foi divulgado após cumprimento dos mandados de busca e apreensão e de prisão da 26ª fase da Lava Jato, deflagrada ontem contra executivos da empresa.

De acordo com os procuradores do MPF, a empreiteira tinha um departamento responsável pelo pagamento de propina. Além disso, a PF também investiga pagamento de propina na construção Arena Corinthians, conhecido como Itaquerão, em São Paulo.

Apesar das acusações de pagamento de propina, a empresa declarou que “não tem responsabilidade dominante” sobre a investigação, que segundo a empreiteira, “revela na verdade a existência de um sistema ilegal e ilegítimo de financiamento do sistema partidário-eleitoral do país”.

O principal executivo da empreiteira, Marcelo Odebrecht, está preso desde junho do ano passado em Curitiba. De acordo com a denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal à Justiça, o empresário está envolvido diretamente no esquema de pagamento de propina a ex-dirigentes da Petrobras e atuava orientando as atividades dos demais acusados ligados à empreiteira. Pelas acusações, Marcelo foi condenado a mais de 19 anos de prisão.

Fonte: Agência Brasil

Comentários (2) enviar comentário
  1. Jeronimo disse:

    – Viu ? Não falei ? O MPF não quer saber da delação do Marcelo Odebrecht. Porque sabe que o Marcelo foi ferrar eles todos ! Vai fazer picadinho deles todos! Como diz você: qua, qua, qua !

  2. Polyana disse:

    PERGUNTA DE UM MILHÃO DE DÓLARES:
    "Por que o MPF não quer a DELAÇÃO do Marcelo da Odebreachet?"
    Simples, muito simples…
    Porque ele quer falar tudo. Repetindo, "TUDO" e não apenas uma parte.
    E nos depimentos dele, já deu pra perceber pelo único vazamento não autorizado pelo Juiz Imparcial Moro, que rapidamente decretou sigilo no ato falho que já tinha ganho a internet, mas mesmo assim a Rede Globo não divulgou (por que?), que tem bomba.
    Ou seja, que os envolvidos na lista de mais de 200 políticos a Dilma e o Lula não estão. E sabe quem está? O Aécio (de novo), o Serra, o Alckimin, o José Agripino, o Henriquinho, o Rogério Marinho, o ACM Neto, etc, etc, etc…
    A HIPOCRISIA ESTÁ EXPOSTA!!!
    Por que o Cunha (com toda farta prova já coletada) ainda não foi afastado da Presidência da Câmara?
    Por que o Aécio sequer foi citado pra prestar esclarecimentos?
    Por que todos os pedidos de investigação ou citações aos Tucanos sõa arquivadas sumariamente sem uma investigação mais aprofundada?
    Isso está cheirando mal e a população que estava assistindo apática começaa perceber e se mobilizar…
    Até quando essas mentiras deslavadas e manipulações cada vez mais grosseiras vão sobreviver?

Publicidade

IDEMA: Gutson negocia nesta quinta delação com MP e aponta envolvimento de dois políticos no esquema

Gutson Reinaldo, pivô do escândalo do Idema, apontando pelo Ministério Público, como mentor do esquema, negocia nesta quinta-feira (18) com o órgão um acordo de delação premiada.

Gutson se sente injustiçado e abandonado, e está disposto a detalhar para onde parte dos dinheiros desviados do Idema. Esse é o ponto chave da delação dele.

Essa delação envolve dois parlamentares do RN e se for celebrado pelo MP, deve ocupar o noticiário potiguar por um bom tempo.

Comentários (4) enviar comentário
  1. Rubinho barros. disse:

    Quem. Será!!!!!!

  2. Observador político disse:

    E agora PSB ? Trocou o velho pelo novo e se lascou !

  3. Anderson disse:

    Já dizia o velho samba "Se gritar pega ladrão, não fica um …"

    A política e os políticos brasileiros precisam ser revistos urgentemente, caso contrário vão terminar de acabar com o que resta do Brasil!!!!

  4. Joel Veras disse:

    Solta os nomes dos 2 "bandidos", BG, o povo do RN quer saber os nomes dos envolvidos.

Publicidade

Delação de Delcídio pode desvendar centro político da corrupção, diz procurador

o-momento-em-que-delcidio-sentiu-que-a-casa-caiuO procurador da República Diogo Castor de Mattos, integrante da força-tarefa da Operação Lava-Jato, afirmou nesta quarta-feira, durante evento do Dia Internacional de Combate à Corrupção do Ministério Público Federal, que considera a possível delação do senador Delcídio do Amaral (PT- MS) importante para que a investigação revele o centro político do esquema de corrupção da Petrobras. O senador ainda não fechou o acordo de colaboração, mas sua defesa faz movimentos nesse sentido.

— Eu acho que (a delação) é emblemática. Pela primeira vez na história do país uma investigação chegaria tão longe: dentro realmente do coração político do possível esquema de corrupção e desvios de recursos públicos, de apropriação privada de coisa pública — disse Mattos.

O procurador afirmou temer que o processo de impeachment aberto contra a presidente Dilma Rousseff desvie o foco da opinião pública das investigações sobre o presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB – RJ). Em sua explanação a respeito das dez medidas contra a corrupção propostas pelo MPF, Mattos classificou a Operação Lava Jato como um “ato de ousadia”, capaz de quebrar paradigmas.

— O Mensalão ficou em cima do muro — criticou.

Ainda de acordo com o procurador, a lavagem de dinheiro virou profissão no Brasil. O crime contaria com agentes de corrupção racionais e qualificados e, por isso, seria mais difícil de combater.

Durante o evento, voluntários que recolheram grande quantidade de assinaturas em favor das medidas de combate à corrupção defendidas pelos procuradores receberam uma homenagem. Um grupo que assistia ao evento estendeu uma faixa de 50 metros com dizeres em apoio à Lava-Jato em frente ao prédio da Procuradoria da República no Estado do Paraná, no centro de Curitiba.

Fonte: O Globo
Comentários (6) enviar comentário
  1. junior pinheiro disse:

    Se botar a boca no mundo e falar a verdade ficaremos sabendo como muitos politicos enricaram ligeiro, inclusive os daqui do RN, pois com salario de deputado se vive bem, mas enricar é outra conversa. e outra, se nao me engano como foi dito na reportagem acima o patrao desse Sr. na época era FHC DO PSDB !!!! e nao viu nada ????

  2. Val Lima disse:

    PF olho no homi!!!!….para q não aconteça nenhum "acidente" com ele antes do depoimento…..

  3. Luciano disse:

    Até agora o Blogueiro nao citou o que é manchete hoje em todos os portais nacionais:

    "Contratações na era FHC deram rombo de R$ 5 bi Usinas contratadas por Delcídio, mais prejuízo à Petrobras que Pasadena"

    Com a palavra os coxinhas e suas hipocrisias!

    P.S: Hoje nada é colocado para debaixo do tapete como nos governos tucanos!

  4. PTG "Partido Tranbiqueiro Golpista" disse:

    Se entregar o Chefe ja esta bom demais

  5. Carvalho disse:

    O governo do PT é o governo das trevas e da destruição.
    Em 13 anos deixou rastros quilométricos de corrupção, desordem e anarquia.
    O governo patético, asqueroso, maldito e repugnante do PT bate recorde mundial de cinismo, de mentira, de falta de habilidade política, de incompetência, de desonestidade e de mediocridade intelectual.

    • PTG "Partido Tranbiqueiro Golpista" disse:

      Traduzindo…. Uma praga que esta destruindo tudo que resta neste País

Publicidade

PF apreende documento de delação de Ceveró com o ex-diretor na prisão

16/04/2014. Credito: Bruno Peres/CB/D.A Press. Brasil. Brasília - DF. Ex-diretor financeiro da Petrobras Nestor Ceveró, durante audiência da Comisão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados, no Congresso Nacional.
Foto: Bruno Peres/CB/D.A Press

A Polícia Federal apreendeu nesta segunda-feira documentos da delação premiada do ex-diretor de área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró. A papelada estava com o próprio Cerveró na carceragem da PF, em Curitiba. Na semana passada, as investigações mostraram que o ex-presidente do Banco BTG Pactual André Esteves e o senador Delcídio do Amaral (PT-MS) tiveram acesso a cópias da colaboração do ex-diretor da Petrobras antes mesmo do Supremo Tribunal Federal homologar o acordo.

O relator da Lava-Jato no STF, ministro Teori Zavaski, afirmou que o fato de os dois terem acesso aos documentos revelou a existência de um “canal de vazamento na Operação Lava-Jato que municia pessoas em posição de poder com informações” das investigações. Os termos foram apreendidos, lacrados e encaminhados à Procuradoria Geral da República (PGR), em Brasília.

Os documentos foram entregues pelo próprio Cerveró aos investigadores. O fato ocorreu durante a visita da advogada do ex-diretor da estatal, Alessi Brandão, que esteve na manhã desta segunda-feira na carceragem da PF. Os agentes proibiram a defensora de se encontrar com Cerveró e determinaram que os dois se comunicassem através do parlatório — sala reservada onde advogado e preso ficam separados por uma janela de vidro.

Assim que a advogado chegou, Cerveró mostrou os documentos. O GLOBO apurou que, no momento em que viu o documento, Alessi pediu para chamar um dos investigadores. Um grupo de pelo menos três agentes, entre eles um delegado, chegou e viu os documentos. No mesmo instante, o delegado mandou apreender o documento e lacrar na frente de Cerveró e de sua advogada. Os dois foram ouvidos sobre o caso.

Os documentos apreendidos nesta segunda-feira serão periciados e poderão ser comparados ao material apreendido na 21ª fase da Operação Lava-Jato na semana passada. No inquérito dessa fase da operação, Delcídio e Esteves são acusados de atrapalhar o andamento das investigações da Lava-Jato ao negociarem a compra do silêncio de Cerveró. Em gravação feita no dia 4 de novembro pelo filho de Cerveró e que foi responsável pela prisão de Delcídio, o senador relata que o banqueiro André Esteves, do BTG Pactual, teve acesso ao acordo de delação premiada do ex-diretor da Petrobras.

No acordo de colaboração premiada assinado por Cerveró no dia 18, o ex-diretor da Petrobras relata, segundo Zavaski, a prática de crimes de corrupção passiva por Delcídio na compra de sondas pela Petrobras e na aquisição da refinaria de Pasadena. O ex-diretor também acusa André Esteves de participação no pagamento de propina ao senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL) para que uma rede de 120 postos de combustíveis de São Paulo assumisse a bandeira da BR Distribuidora.

Na semana passada, a Polícia Federal abriu inquérito para apurar o vazamento de dados da delação premiada do ex-diretor da Petrobras. O vazamento foi citado na conversa gravada pelo filho de Cerveró, em que o senador, o chefe de gabinete dele, Diogo Ferreira, e o advogado Edson Ribeiro comentam que trechos da delação premiada do ex-diretor da Petrobras foram parar nas mãos do banqueiro André Esteves, dono do banco BTG Pactual.

Eles discutem quem poderia ter vazado o documento, que teria que ficar em sigilo. Um dos citados é o doleiro Alberto Youssef, a própria advogada de Cerveró, Alessi Brandão, um agente da PF e um outro advogado da Lava-Jato que ainda não teve seu nome revelado.

O Globo procurou a advogada, que não quis se manifestar. Ela informou que as investigações correm sob sigilo. Na semana passada, a defesa de Youssef negou ter tido acesso aos documentos. A PF também não quis se manifestar.

Foto: O Globo

Comentários (3) enviar comentário
  1. Valério Wagner disse:

    Dessa vez, começo a acreditar que a justiça trunfará.

  2. Val Lima disse:

    Muito estranho…como pode um detido na cancerarem da PF onde até o conteúdo da embalagem da pasta de dente é verificado…ter no poder dele importastes documentos dentro da cela sem q ninguém tenha visto?…..

Publicidade

Investigado na Lava Jato assina delação e promete de devolver R$ 70 milhões

O empresário Hamylton Padilha fechou acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF) no qual se comprometeu a pagar multa de R$ 70 milhões para ressarcir a Petrobras. Padilha é um dos seis investigados na Operação Lava Jato, que se tornou réu hoje (10) por decisão do juiz federal Sérgio Moro.

De acordo com o termo de colaboração assinado com a força-tarefa do MPF, o empresário terá pena máxima de oito anos de prisão, período que poderá ser substituído por dois a cinco anos de regime domiciliar. Em troca, o empresário deverá fornecer informações aos investigadores sobre o funcionamento do esquema de pagamento de propina.

Mais cedo, Moro aceitou denúncia do MPF contra o ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Jorge Luiz Zelada e mais cinco pessoas. Agora réus, eles são acusados dos crimes de corrupção, evasão de divisas e lavagem de dinheiro.

Fonte: André Richter / Agência Brasil

enviar comentário
Publicidade